Inflação em julho é a menor para o mês em 5 anos

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,19% em julho, segundo divulgou nesta quinta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da menor taxa para julho desde 2014, quando ficou em 0,01%.

Com o resultado, o índice acumula alta de 2,42% no ano. Em 12 meses, recuou para 3,22%, ante os 3,37% registrados em junho, permanecendo bem abaixo da meta de 4,25% definida pelo governo para o ano, o que deve reforçar as apostas de novos cortes na taxa básica de juros, atualmente em 6% ao ano.

Queda nos preços de vestuário e combustíveis seguram inflação

O grupo de alimentação e bebidas, que tem o maior peso na composição do indicador, ficou praticamente estável na passagem de junho para julho. A alimentação no domicílio teve queda de 0,06%, enquanto a alimentação fora apresentou alta de 0,15%. Entre os produtos que ficaram mais barato, destaque para tomate (-11,28%), feijão-carioca (-8,86%), hortaliças (-4,98%) e batata-inglesa (-3,68%).

Segundo o IBGE, a queda dos preços de vestuário (-0,52%), transportes (-0,17%) e saúde e cuidados pessoais (-0,20%) ajudaram a segurar a inflação no mês.

“A queda [dos preços] em vestuário é explicada pelas promoções por conta das trocas de coleções. Já o transportes foi puxado pela queda nos preços dos combustíveis (-2,79%), principalmente da gasolina (-2,80%), que teve o maior impacto negativo na composição do índice, de -0,12 pontos percentuais”, afirmou o gerente da pesquisa.

Segundo o IBGE, a gasolina recuou no país 2,80%, em média, em julho. Já os preços do etanol e do diesel caíram 3,13% e 1,76%, respectivamente.

Energia ficou mais cara em julho

Entre os itens que mais pesaram na inflação de julho, destaque para energia elétrica, com as contas de luz ficando em média 4,48% mais caras para o consumidor. Somente este item teve impacto de 0,17 ponto percentual no índice geral.

“A energia representou praticamente toda a inflação do mês”, destacou o gerente da pesquisa.

O IBGE calcula a inflação oficial com base na cesta de consumo das famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, abrangendo dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Aracaju, Brasília, Campo Grande, Goiânia, Rio Branco e São Luís.

Perspectivas e meta de inflação

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi reduzida na última reunião do Copom para 6% ao ano – o menor valor da série histórica.

Os analistas das instituições financeiras continuam projetando para o ano uma inflação abaixo do centro da meta central do governo, com uma taxa de 3,80% em 2019.

Para 2020, o mercado financeiro manteve a estimativa de inflação em 3,90%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC indicou, por meio da ata da reunião realizada na semana passada, que a taxa Selic pode recuar novamente nos próximos meses. O mercado financeiro acredita que o BC continuará reduzindo os juros nos próximos meses. A expectativa dos analistas, ouvidos em pesquisa realizada pela instituição na semana passada, é de que a taxa Selic recue para 5,5% ao ano em setembro, e para 5,25% ao ano em dezembro.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão Indignado disse:

    Tanto quanto uma taxa de inflação muito alta, uma taxa de inflação muito baixa é sinal indesejável de distorções e desequilíbrios na economia. Por isso, a inflação muito bem comportada em julho, pode não parecer, mas é uma confirmação de que a situação econômica continua preocupante. Os índices de desemprego são alarmantes. Se preparem para uma convulsão social, principalmente por termo um congresso nacional como esse; só pensam no bem estar deles.

    • djalma disse:

      Caramba, tese econômica violenta. Por este raciocínio o Japão (inflação anual de 0,5), a Alemanha (0,6 a.a.), O Estados Unidos (1% a.a), etc.. deveriam ter virado pó e a Bolivariana Petista Venezuela estaria no auge do crescimento econômico pois tem um inflação de um milhão (1.000.000%) nos primeiros seis meses do ano (em que pese uma retração do PIB de 50% neste ano).

    • Arthur disse:

      Perfeito comentário, há vários fatores que levam a inflação baixa, com certeza os motivos dos EUA, Japão e Alemanha são diferentes do Brasil.

    • Rosi Sampaio disse:

      Está certíssimo! Inflação muito alta ou muito baixa são prejudiciais ao país, cada uma a seu modo, isso significa economia estagnada. As pessoas que tem um mínimo de inteligência e conhecimento sabem disso. Querer comparar o Brasil com países desenvolvidos é no mínimo ignorância e esquecem que estão no país de Bolsonaros e não de Alice.

  2. Ems disse:

    Eu, como esquerdista doente que sou, não aceito essa queda da inflação !!! Viva Lula ! Viva Dilma !

COMENTE AQUI