Invasão de hacker começou em celular de Eduardo Bolsonaro, e, entre outras autoridades, o ministro do STF, Alexandre de Moraes, mostra MPF

A denúncia do MPF diz que as invasões de celulares de autoridades por parte do hacker Walter Delgatti Neto, o Vermelho, começaram pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro.

Segundo o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, “a partir desse ponto, foi possível estabelecer uma sequência de diversos dispositivos invadidos”, inclusive o do presidente da República, conforme esquema abaixo.

O senador Flávio Bolsonaro também teve o celular invadido, de acordo com a denúncia do MPF.

O procurador afirma que os crimes começaram em março do ano passado e continuaram de maneira sistemática até a deflagração da Operação Spoofing, em julho.

Vermelho, destaca o MPF, tinha uma “vida voltada à prática de crimes, seja invadindo dispositivos móveis, monitorando comunicações de terceiros ou, mesmo, envolvido em fraudes bancárias e furtos eletrônicos mediante fraude”.

“Em resumo, foi uma vida voltada ao crime habitual.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Esse diretor do INTERCEPT vai ter a cobertura de Gilmar Beiçola Mendes, ele não liberta tudo que não presta?
    No país dele uma cadeia bem demorada seria o seu caminho, talvez aqui ela vá para uma, se for muitos bons rapazes vai ele a falar português com voz mais fina.

  2. Sebastião disse:

    Poderia ter invadido celulares dos corruptos criminosos condenados pela lava jato, assim iria cometer um crime com propósitos nobres, e realmente iriamos saber como agiam os corruptos canalhas dessa esquerdalha, assim pelo menos estaria defendendo o pais dos crápulas petralhas, os vermes desse país. Ao invés disso, optou por tentar macular e confundir a imagem do que o país em toda sua história teve de mais digno e ético, que foi a lava jato. Por isso, deveriam era serem condenados a prisão perpétua

    • Carlos Lourenço A. Penha disse:

      Você tem razão Sebastião, só tem um detalhe:
      Se ele tivesse feito isso, as mensagens teriam sido proibidas de publicar pela justiça.
      Se ele tivesse feito isso já estaria condenado pelos jornalistas, caído em desgraça no noticiário, estaria sendo atacado pela esquerda e seus seguidores, teria se tornado pessoa não desejada no Brasil.
      Lembre-se que Adélio Bispo que tentou assassinar Bolsonaro, teve seus celulares e computadores protegidos por determinação judicial e logo tornaram o criminoso numa pessoa intocável. Que por 16 anos o país foi todo aparelhado e hoje estamos testemunhando isso.

COMENTE AQUI