Política

Conselho de Ética da Câmara arquiva processo contra Eduardo Bolsonaro por declarações sobre AI-5

Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

O Conselho de Ética da Câmara decidiu arquivar nesta quinta-feira a representação contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por declarações sobre a volta do AI-5, ato que cassou as liberdades individuais durante a ditadura militar. O placar foi de 12 votos a 5 pelo arquivamento. É a segunda representação contra o deputado que é arquivada.

Em parecer preliminar, o deputado Igor Timo (Podemos-MG) não considerou o caso como quebra de decoro parlamentar. Ele justificou que a conduta do parlamentar se tratou de “fatos atípicos”.

Os deputados ainda podem recorrer ao plenário para pedir nova análise da representação. Se o recurso tiver 51 assinaturas e for aprovado em plenário, o caso volta a ser discutido no Conselho de Ética.

Após um pedido de vista (mais tempo para análise) os deputados da oposição Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e Paulo Guedes (PT-MG) apresentaram na sessão de hoje votos em separado para continuidade do processo no colegiado, mas foram derrotados.

— É inadimissivel que o Conselho de Ética apove esse relatorio. É uma vergonha — disse Melchionna.

Em sua defesa Eduardo Bolsonaro afirmou que não incitou desrespeito à Constituição, negou mais uma vez que defenda a ditatura e fechamento do Congresso. Disse também que estava “tranquilo” e criticou o “vale tudo” da oposição.

— Para os meus adversários políticos de esquerda a ética deles é fazer o vale tudo para alcançar seus objetivos políticos, não existe princípio. Para eles vale até determinados tipos de condutas, como roubar e depois dizer que a pessoa é inocente. Esses mesmos que me acusam de ter conduta ditatorial , ou o próprio presidente Jair Bolsonaro que nunca matou uma pessoa em sua vida, esses mesmos que o acusam de genocida fazem apologia à revolução bolchevique — disse Eduardo Bolsonaro.

O parlamentar foi denunciado após dar entrevista à jornalista Leda Nagle, em 2019, quando disse que “se a esquerda radicalizasse a resposta poderia vir via um novo AI-5”. Na ocasião, afirmou que o país chegaria a um momento parecido com o “final dos anos 60”, “quando sequestravam aeronaves” e “executavam-se e sequestravam-se grandes autoridades.

— Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada — afirmou Eduardo.

Representações

Foram protocoladas duas representações no colegiado , uma pela Rede, e outra assinada por PSOL, PT e PC do B, que foi incorporada à primeira.

Após repercussão negativa das declarações, o filho do presidente Jair Bolsonaro pediu desculpas argumentando que houve uma “interpretação deturpada” do que foi falado, que não havia uma proposta para a volta do ato institucional decretado durante a ditadura militar e que afronta a Constituição de 1988.

Ao defender o arquivamento do caso no conselho no segunda-feira , Eduardo Bolsonaro se referiu ao seu mandato no Congresso e ao papel de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, afirmando ser o menos interessado na medida porque “o poder já está em nossas mãos”.

No final de fevereiro, o conselho arquivou representação protocolada pelo PSL a pedido da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), que o acusou Eduardo de ter quebrado o decoro ao promover um “linchamento virtual” contra ela, por postagens consideradas “difamatórias e injuriosas” nas redes sociais.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Muiuiito mimimi! A Esquerda, velha rapôsa, sempre tentando confundir!! Eles sabem que SE não tivesse ocorrido o AI-5, ruim claro, como todo radicalismo e Regimes de exceção, o Brasil não teria escapado do regime comunista!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Relator pede arquivamento de processo assinado pela Rede, PSOL, PT e PCdoB contra Eduardo Bolsonaro sobre discurso de AI-5

Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

O deputado Igor Timo (Pode-MG) pediu nesta segunda-feira (5) o arquivamento do processo contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Timo é o relator da representação, assinada pelos partidos Rede, PSOL, PT e PCdoB, que pede punição do deputado por quebra de decoro parlamentar ao sugerir, em uma entrevista, em 2019, a adoção de um novo Ato Institucional nº 5 (AI-5), instrumento que endureceu a ditadura militar, em 1968, permitindo, entre outras medidas, o fechamento do Congresso Nacional. Um pedido de vista conjunta adiou a discussão e votação do parecer no conselho.

Os partidos argumentam que Eduardo Bolsonaro abusou das suas prerrogativas como parlamentar e quebrou o decoro por atentar contra os princípios constitucionais. Além do fechamento do Congresso, o AI-5 dava poder ao presidente da República para cassar direitos políticos e mandatos eletivos, confiscar bens de quaisquer pessoas, suspender a vitaliciedade dos magistrados e também suspender a garantia de habeas corpus.

“O discurso a favor de um AI-5 é uma apologia a tudo que este instrumento previu, servindo de incentivo a outras pessoas agirem nesse mesmo sentido, sobretudo pelo discurso ser amplamente divulgado e ter origem não nas palavras de um deputado federal qualquer, mas de um dos filhos do presidente da República”, diz a representação.

Em seu parecer preliminar, Timo considerou as condutas do deputado como “fatos atípicos” e que não feriam o decoro parlamentar. Na avaliação do relator, somente em casos excepcionais e que afetem a “honra do Parlamento” podem configurar quebra de decoro.

“Assim, mesmo que não concordemos com as opiniões extremadas de forma dura pelo representado, não podemos chegar a outra conclusão senão a de que sua fala não configurou grave irregularidade no desempenho do seu mandato, tampouco afetou a dignidade da representação popular que lhe foi outorgada”, escreveu Timo.

Em sua defesa, Eduardo Bolsonaro disse que foi mal interpretado e que nem ele nem o presidente Jair Bolsonaro têm interesse em que haja uma ditadura no Brasil. “Sou o menos interessado também em qualquer tipo de ditadura, porque o poder já está em nossas mãos. Além disso, que poder eu tenho para fazer o AI-5?”, disse.

Daniel Silveira

Na mesma reunião, foram lidos os planos de trabalho dos deputados Alexandre Leite (DEM-SP) e Fernando Rodolfo (PL-PE), relatores de duas representações no colegiado contra o deputado Daniel Silveira.

Silveira é acusado de gravar ilegalmente uma reunião de seu partido ocorrida em outubro de 2019 e de ofender e ameaçar integrantes do Supremo Tribunal Federal, além de também fazer apologia ao AI-5. Os dois relatores propuseram ouvir diversos parlamentares, entre eles, os deputados delegado Waldir (PSL-GO), coordenador da reunião em que os fatos ocorreram, e Felício Laterça (PSL-RJ).

Também serão ouvidos, a pedido da defesa de Silveira, os deputados Carlos Jordy (PSL-RJ), Felipe Barros (PSL-PR) e Luiz Lima (PSL-RJ). Além disso, os relatores disseram que vão requerer ao Supremo Tribunal Federal informações sobre o caso que possam estar contidas em equipamentos como celulares ou notebooks de Silveira.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Essa esquerda não serve pra nada, a não ser pra encher o saco do judiciário. Quem acusa e suas acusações não tem procedência, deveria ser punido. Vivem brincando com o judiciário.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Eduardo Bolsonaro é condenado a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello por ofensas em live

Foto: Reprodução

A Justiça de SP condenou o deputado Federal Eduardo Bolsonaro a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello, repórter e colunista da Folha de S.Paulo, por ofensas proferidas durante live no YouTube.

O juiz de Direito Luiz Gustavo Esteves, de São Paulo, apontou que o parlamentar imputou à Patrícia, “falsamente, a prática de fake news e, via consequência, a conquista de uma promoção no trabalho” e “que teria se insinuado sexualmente para obter informações do seu interesse”.

O magistrado recordou na sentença que nenhum direito é absoluto, incluindo o direito de livre manifestação e pensamento.

“O réu ao postar/transmitir em sua rede social que a autora teria praticado fake news e, como resultado, obtido uma promoção em seu trabalho, bem como que teria se insinuado sexualmente a terceira pessoa, no exercício de sua profissão, por certo, transbordou tais limites, ofendendo a honra daquela, colocando em dúvida, inclusive, a seriedade do seu trabalho jornalístico e de sua empregadora.”

Mais detalhes AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Diplomata gritador de hambúrguer kkkkk papai não vai deixar você zoar com a China nas redes sociais.

  2. Filho de peixe peixinho é . O pai e os filhos só fazem merda ? ……. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk aí pai paraaaaaaa ????

  3. Grande Diplomata!!!
    Xinga tido mundo, sai correndo e quem ficar que limpe a merda feita pelo filhinho playboy da Barra da Tijuca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Resposta da China a Eduardo Bolsonaro foi ‘diplomaticamente’ errada, diz Mourão; vice-presidente concordou com Itamaraty e criticou assunto tratado em rede social

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (27) que a Embaixada da China no Brasil agiu “diplomaticamente errado” ao usar as redes sociais para repudiar uma postagem do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Na segunda (23), o parlamentar publicou que o governo brasileiro havia declarado apoio a uma “aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”. Eduardo apagou a postagem na terça, mesmo dia em que a embaixada postou nota de repúdio às declarações.

A embaixada disse que as afirmações do filho do presidente são “infundadas” e “solapam” a relação entre os dois países – a China é o principal parceiro comercial do Brasil.

“Eu acho que, diplomaticamente, está errado isso aí. É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma. Dentro das convenções da diplomacia, o camarada se sentindo incomodado com qualquer coisa que tenha ocorrido no país, ou ele escreve uma carta para o ministro de Relações Exteriores ou ele vai ao Itamaraty e apresenta suas ponderações. E não via rede social, porque aí vira um carnaval esse negócio”, disse Mourão.

Questionado se o governo brasileiro pretende intermediar uma pacificação no tema – pedindo, por exemplo, para Eduardo Bolsonaro amenizar as críticas –, Mourão disse achar que o deputado já recebeu “alguma recomendação” nesse sentido.

“Quando o deputado postou e depois apagou, acho que ele deve ter recebido alguma recomendação para tirar aquilo”, disse. Mourão é um dos interlocutores do governo junto à China, já que representa o Brasil na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban).

Mourão também disse que o Itamaraty está “muito correto” ao enviar réplica à nota de repúdio divulgada pela embaixada chinesa.

Segundo o jornal “O Globo”, nessa resposta, o Ministério de Relações Exteriores apontou conteúdo “ofensivo e desrespeitoso” na nota da China e disse que o texto prejudica a imagem do país junto à opinião pública. A mensagem também criticou o uso da rede social para tratar de temas de interesse dos dois países.

Disputa do 5G

China e EUA travam uma guerra comercial e tecnológica em relação ao 5G, a internet móvel de quinta geração. No Brasil, o leilão das frequências deve ser realizado em 2021 e o governo avalia se definirá alguma barreira à empresa chinesa Huawei como fornecedora de equipamentos para o 5G.

Eduardo Bolsonaro publicou na segunda em uma rede social que “o governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network, lançada pelo governo Donald Trump, criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”.

O apoio ao “Clean Network” foi declarado no último dia 10 em cerimônia no Itamaraty. A definição dos parâmetros do leilão do 5G, no entanto, cabe à Anatel – que, segundo a Lei Geral de Telecomunicações, goza de “independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes e autonomia financeira”.

O deputado apagou a mensagem no dia seguinte, porém a embaixada da China no Brasil afirmou que as declarações do parlamentar seguem “os ditames dos Estados Unidos de abusar do conceito de segurança nacional para caluniar” o país asiático e cercear as atividades de empresas chinesas.

Na nota, os representantes chineses também disseram que as falas do deputado são “infundadas” e “indignas” com o cargo de presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Atrito repetido

O atrito por rede social com a embaixada da China não é o primeiro registrado por aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Em abril, o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, publicou insinuações de que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus. Depois, ele apagou o texto.

Além do conteúdo da mensagem, Weintraub também ofendeu os chineses na forma do texto ao imitar a fala do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que, ao falar, troca a letra “R” pela “L”. O ministro ridicularizou o fato de alguns chineses, quando falam português, efetuarem a mesma troca de letras.

A embaixada chinesa no Brasil, também na rede social, divulgou uma resposta repudiando a fala do ministro e o embaixador, Wanming Yang, cobrou uma declaração oficial do governo sobre a fala de Weintraub.

Depoimento do presidente

Mourão disse concordar com os argumentos do Advocacia-Geral da União (AGU) ao formalizar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a desistência de Bolsonaro de prestar depoimento à Polícia Federal no inquérito que apura suposta tentativa de interferência dele na autonomia da corporação.

Segundo a AGU, a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril “demonstrou completamente infundadas quais das ilações” que resultaram na abertura do inquérito, feita a partir de relatos do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro.

“Concordo com o presidente nisso ai. É o tipo de negócio que não dá em nada”, disse Mourão.

G1

Opinião dos leitores

  1. Esse Mourão é um morde e sopra da mulestia. Ontem criticou o Bananinha, que iniciou toda essa confusão. Hoje crítica o embaixador chinês. O vice deve ter opinião própria, descer do muro.

  2. Na verdade os Brasileiro não precisam da china, a china precisa de nossos alimentos, ferros, madeiras, ouro, etc.
    Então já dizia Chico Xavier o Brasil e o Coração do Mundo e Patria do Evangelho.
    Nosso Brasil vai alimentar todos os seres vivos deste planeta chamado terrar.

  3. MORÃO , nobre general de quatro tampinhas , homi vá dormir , cuidar dos netos . Deixe de conversar besteira e passe o lano nas declarações dessa família BANANOÍDE .

  4. A China está cagando e andando, para você Generalzinho de pijama, foi só um pequeno aperitivo, continuem as provocações, aí sim, couro vai comer.

  5. QUE A CHINA SE EXPLODA, COMUNISTA NÃO GOSTAMOS DE COMUNISTA , O BRASIL É DEMOCRATICO BRASILEIRO E PRESA PELA SUA LIBERDADE. FORA OS COMUNISTAS

    1. É sério? Ficar fora dos comunistas ( CHINA ) e também da parceria comercial com esse país comunista, que proporciona anualmente ao Brasil, centenas de bilhões de dolares de superávit na balança comercial entre nações?

    2. Avelino, querido, seja coerente: JOGUE NO FOGO ESSE SEU CELULAR CHEIO DE COMPONENTES COMUNISTAS!

    3. Se o nobre Avelino, der um baculejo em casa, vai se surpreender com a ruma de comunistas que tem lá… kkkkk… Sabe de nada inocente ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Polêmica sobre “vacina de Doria” cria impasse entre Moro, João Amoêdo e Eduardo Bolsonaro nas redes. Entenda

A aplicação da vacina contra o coronavírus em São Paulo virou motivo de impasse entre o ex-juiz Sergio Moro, o fundador do partido Novo, João Amoêdo, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PST-SP) nas redes sociais.

A polêmica começou após declaração do governador de São Paulo, João Doria, afirmando que a aplicação do medicamento será obrigatória no estado.

O primeiro a comentar o tema foi João Amoêdo, que se declarou a favor da vacinação compulsória no Twitter. Ele escreveu que ‘quem se recusar a tomar o medicamento deve ‘permanecer isolado até que todos os demais sejam vacinados’.

Moro compartilhou a publicação do fundador do Novo, afirmando que ela deveria ser respeitada, mesmo sem deixar claro se concordava com a opinião. O ex-ministro da Justiça usou o tema como gancho para defender a liberdade de expressão.

‘É preciso respeitar as opiniões contrárias, sem ofensas. Tolerância é o cerne do liberalismo político e do espírito da democracia’, escreveu.

Já o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro’, contrário à obrigatoriedade, compartilhou as duas postagens em suas redes sociais e aproveitou para criticar Moro e Amoêdo de uma só vez.

‘Deixa eu te ferrar, mas é para o seu bem tá? E você tem que me respeitar, senão você é que é o ditador autoritário. E enquanto prendiam senhoras inocentes nas ruas com a desculpa da pandemia esses nada fizeram’, escreveu.

Foto: Reprodução

Sonar – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Se alguém quiser se arriscar a tomar uma vacina feita ás pressas, por algumas instituições, NÃO TODAS,, no.minimo suspeitas, inclusive as da China e Rússia., Tome. Mas obrigar todos, independente de sua posição, liberdade e direitos constitucionais, creio que não é correto em uma democracia. Vejam o que aconteceu com o isolamento, agora, os estudos da OMS diz que o isolamento não foi a melhor opção para combater a pandemia. No meu caso, prefiro esperar pra ver o que vai acontecer ao primeiro rebanho a ser"vacinado". Tenho minha experiência com a da gripe que nao foi boa,nao esrou a fim de arriscar com algo feito assim, as carreiras.

  2. É por isso que tenho certeza.
    Mito 2022, tranquilo e calmo.
    Dá pitaco é muito fácil.
    Porque não deram a cara pra bater em pleno pico da pandemia igual o MITO fez???
    Ôôô Presidente véi duro.
    Tamos juntos meu Presidente!!!

  3. O DORIA, AMOEDO , EDUARDO BOLSONARO E O EX JUIZ E EX MINISTRO MORO, SÃO POR ACASO DA AREA MEDICA? ENTÃO SE LIGUEM E TOMEM A VACINA QUEM QUIZER TOMAR E PRONTO. MISTURA AUTORIDADES E EX AUTORIDADES COM PANDEMIA E POLITICA NÃO LEVA A NADA. E A VACINA DA DENGUE?

  4. Esse políticos canalhas NUNCA estiveram preocupados de verdade com o povo. Só se preocupam com os seus próprios interesses.
    E os patetas batendo palmas e brigando por eles, kkkkk.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Facebook derruba rede de páginas coordenada por funcionários da presidência e dos gabinetes de Flávio e Eduardo Bolsonaro

Foto: Reprodução

O Facebook derrubou nesta quarta-feira uma rede com 88 contas, páginas e grupos ligados a funcionários dos gabinetes do presidente Jair Bolsonaro e aliados. Entre eles, estão o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e os deputados estaduais Alana Passos e Anderson Moraes, ambos do PSL no Rio de Janeiro. Para a empresa, o conjunto removido agia para enganar sistematicamente o público, sem informar a verdadeira identidade dos administradores, desde as eleições de 2018. Os dados que constam das investigações da plataforma foram analisadas por pesquisadores americanos do Digital Forensic Research Lab (DRFLab), ligado ao Atlantic Council, especializados no combate à desinformação, às fake news e violação de direitos humanos em ambientes online.

Nos domínios do Facebook, a rede em questão atuava através de 14 páginas, 35 contas pessoais e um grupo. No Instagram, onde também houve remoção de conteúdos, foram identificadas 38 contas envolvidas com irregularidades. Juntas, essas engrenagem mobilizavam uma audiência de mais de 2 milhões de pessoas, de acordo com o DRFLab.

Uma nota divulgada pelo Facebook para justificar a remoção dos conteúdos diz que o esquema envolvia a combinação de contas duplicadas e falsas, cujo objetivo era evitar a fiscalização da plataforma. Elas representavam pessoas fictícias que publicavam conteúdos em páginas que simulavam a atividade de veículos de imprensa. Entre as publicações, havia tópicos sobre política; eleições; críticas a opositores e a jornalistas e organizações de mídia e informações sobre a pandemia da Covid-19. Ainda segundo o texto, parte desse material já havia sido removido por violar normas de uso, incluindo discurso de ódio. Foram encontrados também, pelo DRFLab, ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio das hashtags #STFVergonhaNacional e #STFEscritórioDoCrime.

A mensagem divulgada pela plataforma afirma que a investigação sucedeu reportagens nas quais foi relatada a existência de uma estrutura virtual montada por bolsonaristas — chamada por opositores “Gabinete do Ódio” — e depoimentos sobre o tema colhidos no Congresso Nacional durante a CPMI das Fake News.

O relatório do DRFLab aponta que a rede era controlada por ao menos cinco funcionários e ex-funcionários dos gabinetes bolsonaristas. Dos assessores diretos do presidente Jair Bolsonaro, o Facebook e o Instagram identificaram páginas e contas com conteúdo de ataques a adversários políticos feitos por Tércio Arnaud Thomaz, assessor especial da presidência da República. Além da página “Bolsonaro Opressor 2.0”, seguida por mais de 1 milhão de pessoas no Facebook, foi identificada a conta @bolsonaronewsss, também sob administração de Tercio, com 492 mil seguidores e mais de 11 mil publicações.

No relatório, o DRFLab diz que “muitas páginas do conjunto foram dedicadas à publicação de memes e conteúdo pró-Bolsonaro enquanto atacavam rivais políticos. Uma dessas páginas foi a página do Instagram @bolsonaronewsss. A página é anônima, mas as informações de registro encontradas no código fonte confirmam que pertence ao Tercio Arnaud”. Segundo os pesquisadores, o “conteúdo era enganoso em muitos casos, empregando uma mistura de meias-verdades para chegar a conclusões falsas”. No relatório são mostradas imagens da conta postando ataques ao ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Também foram citadas contas e páginas de dois assessores de Eduardo Bolsonaro. O relatório cita Paulo Eduardo Lopes, mais conhecido como Paulo Chuchu, que, de acordo com o DRFLab, “aparece como um dos principais operadores de rede”.

O Facebook disse ter removido duas contas com o nome de Eduardo Guimarães. Ele foi citado na CPMI das “Fake News” como o dono extinta página do Instagram chamada “Bolsofeios”, que publicava ataques a adversários do clã Bolsonaro.

A plataforma chegou a achar indícios de assessores do senador Flávio Bolsonaro, mas pesquisadores do DRFLab não encontraram dados conclusivos o suficiente. Eles acreditam ainda que um funcionário do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), não mencionado pela rede social, atuou em conjunto com o grupo, assim como um servidor empregado pelo deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), da base bolsonarista em São Paulo.

Recrutamento desde 2013

Em junho, o GLOBO mostrou os perfis de alguns desses assessores que integram o chamado “gabinete do ódio”. Eles foram recrutados pelo vereador Carlos Bolsonaro desde 2013 para vir trabalhar em seu gabinete e reproduzir memes com ataques a adversários primeiro em páginas de Facebook. José Matheus Salles Gomes e Tércio Arnaud Thomaz foram os dois primeiros escolhidos por Carlos por suas páginas no Facebook. Eles chegaram a ser assessores de Carlos por vários anos e agora trabalham como assessores do presidente Jair Bolsonaro.

Depois, o grupo foi se ampliando e o recrutamento foi definitivamente selado numa reunião do clã Bolsonaro com alguns desses jovens, no salão de festas do primogênito e hoje senador Flávio, em 11 de março de 2017 — mais de um ano e meio antes da eleição presidencial. No Planalto agora, também está Matheus Matos Diniz e atuam em parceria com os funcionários do Planalto dois assessores no gabinete do deputado federal Hélio Lopes: Guilherme Julian Freire, José Hemrique Rocha.

Solar – O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Agooora lascou! Como é que esse povo vai viver sem a mamadeirinha de ódio e mentira 24 horas por dia, 7 dias por semana? Haja Rivotril!!!!

  2. Robozinho em manutenção. Difícil agora é achar trabalho pra esse povo que perdeu a função.

  3. A Globo tentando criminalizar divulgação em rede social.
    Um dos problema foi criar uma página chamada Bolsofeios para "atacar" adversários do "clã" Bolsonaro…
    Lembro pelo menos desde 2006, a Veja falava de um bunker de campanha eleitoral do PT..
    Inclusive um ex delegado apareceu com um monte de papel em um debate Aécio x Dilma para intimidar Aécio.
    A esquerda usa todos os meios para queimar reputações.
    Falam mal de Bolsonaro e de adversários dia e noite, inclusive por meio da imprensa. Mas uma página ligada a Bolsonaro criticar adversários é "atacada" pela imprensa.

  4. Nem demorou o Gado já está murgindo, Zuckerberg, Comunista tem que rir muito da cara do Gado ????

  5. Mais um na conspiração: Zuckerberg. O comunista mais empreendedor da historia da humanidade.
    Parabéns Facebook!
    Grande Dia!

    1. Um adorador de corruptos condenados em 2a instância, que se incomoda com a recuperação pela operação lava jato, de bilhões de reais roubados da nação, comemorar um grande dia, com certeza, não foi uma coisa positiva para a nação.

    2. Vê-se que você não sabe a diferença entre capitalismo e comunismo. Dizer que Zuckerberg é comunista mostra a total falta de conhecimento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ministra do STF anula atos da CPI das Fake News que implicam assessor de Eduardo Bolsonaro

Foto: Reprodução

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber determinou a suspensão do efeito de nove requerimentos da CPI das Fake News que ligam um assessor do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) a uma conta investigada por suposta disseminação de mentiras. A liminar foi expedida a pedido de Carlos Eduardo Guimarães, funcionário do gabinete de Eduardo. A CPI tenta reverter a decisão.

Guimarães solicitou a suspensão de um requerimento do deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), que determinava ao Facebook informar dados de contas citadas pela ex-líder de governo Joice Hasselmann (PSL-SP). Segundo ela, esses perfis fazem parte de uma rede de propagação de fake news em defesa do presidente Jair Bolsonaro. A partir dele, a empresa encaminhou informações que permitiram identificar um e-mail de Guimarães como criador da página ‘bolsofeios’ no Instagram.

Ainda de acordo com esses dados do Facebook, a conta ‘bolsofeios’ foi acessada por meio da rede de computadores da Câmara dos Deputados. A página saiu do ar no início de março. Depois da divulgação dessas informações, parlamentares apresentaram outros oito requerimentos pedindo mais informações sobre as contas de Guimarães, além de sua convocação para prestar depoimento à CPI. Paralisada pela pandemia do coronavírus, a comissão ainda não analisou esses pedidos.

Guimarães pediu a suspensão dos efeitos dos nove requerimentos. Rosa Weber anulou o alcance jurídico de três deles e determinou que a CPI não pode analisar seis outros que ainda não foram votados.

O assessor de Eduardo Bolsonaro questionou ao Supremo a própria instauração da CPI, considerando-a com “generalidade excessiva de (…) objeto”, “absolutamente amplo e genérico”. Para ele, os pedidos a seu respeito representariam “profunda e ampla restrição a direitos fundamentais de elevadíssima relevância constitucional, entre eles: a) o sigilo das comunicações de toda espécie (art. 5º, XII, da CF/88); b) a intimidade e a vida privada (art. 5º,X, da CF/88)”. Cita ainda que afrontam o direito à inviolabilidade das comunicações no ambiente virtual.

Para Guimarães, “a chamada ‘CPI das fake news’” seria apenas “palanque político conferido indiscriminadamente aos opositores do governo e de sua base parlamentar, a fim de perseguir politicamente seus integrantes, apoiadores e, não enveredando esforços em destruir injustificadamente os direitos fundamentais que se colocam seu caminho”.

A decisão da ministra Rosa Weber foi fundamentada em jurisprudência do Supremo, em especial medidas deferidas anteriormente por ela mesma, que determina a “necessidade de delimitação eficiente do âmbito de trabalho das Comissões Parlamentares de Inquérito, como forma de evitar seu desvirtuamento, com indiscriminadas devassas”.

A ministra acolheu a alegação de Guimarães de que os requerimentos da CPI careciam de fundamentação jurídica adequada, não apresentavam provas que justificassem as medidas determinadas e eram extremamente extensivos em seu alcance.

“O ponto sensível está, principalmente, na extensão das medidas, a abordar ‘todo o histórico’, ‘todos os seguidores’, ‘todo o conteúdo’. Essa extensão é conflitante, na verdade, com a indicação de prova preexistente, mas não aproveitada para delimitação do Requerimento, na medida em que, ao final do primeiro parágrafo da justificativa, há referência a um ‘laudo pericial apresentado, com prints das páginas’. Apesar desse registro, não há, no corpo do Requerimento, explicitação a respeito do conteúdo e das conclusões desse laudo”, justifica Rosa.

A CPI foi comunicada da decisão no último dia 8 e recorreu da liminar da ministra, que abriu prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre o assunto.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Eduardo Bolsonaro diz que exame para coronavírus do presidente ainda não foi concluído e critica mídia

O deputado federal Eduardo Bolsonaro criticou a mídia no fim da manhã desta sexta-feira(13), após a publicação de um colunista de O Dia, confirmando positivo para coronavírus em Jair Bolsonaro, ganhar repercussão.

“Mto boato e pouca informação. Teste para coronavírus feito com equipe que foi com JB para EUA ainda não foi concluído. Sempre há aqueles que soltam mentiras na mídia e caso a história se confirme eles dizem “eu falei”, caso contrário será só mais uma fake news para conta”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara aprova quarentena para parlamentares; Eduardo Bolsonaro faz exames

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) realizou exames nesta quinta-feira, 12, para saber se foi contaminado. O deputado integrou a comitiva brasileira que foi aos EUA na semana passada junto com o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, cuja contaminação pelo novo coronavírus foi confirmada. Também integrante da comitiva, o presidente Jair Bolsonaro foi outro que fez o teste para saber se tem o vírus. O resultado deve sair nesta sexta-feira, 13.

Na quarta-feira, 11, a mesa da Câmara dos Deputados aprovou um ato que determina a todos funcionários e parlamentares que tiveram contato com pessoas contaminadas quarentena de 14 dias.

“Os parlamentares, servidores e demais colaboradores que estiveram em locais onde houve infecção por COVID-19, constantes na lista do MS (Ministério da Saúde), serão afastados administrativamente por 14 dias a contar do regresso dessas localidades”, diz o ato.

Segundo a normativa, parlamentares devem comunicar ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). De acordo com funcionários do gabinete de Eduardo Bolsonaro, o deputado não foi informado sobre a necessidade de quarentena, mas realizou exames nesta quinta-feira.

Ao menos um integrante da comitiva brasileira que foi aos EUA e que é funcionário da Câmara está em quarentena. O advogado Adão Paiani, da consultoria jurídica da bancada do DEM, iniciou hoje o período de 14 dias de afastamento administrativo.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Só viram a gravidade quando atingiu políticos, até então era tudo fantasia das impressas mundiais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Relator no Conselho de Ética vota por arquivar representação contra Eduardo Bolsonaro por ofensas à Joice Hasselmann

Imagem: Reprodução

O deputado Eduardo Costa (PTB-PA) apresentou nesta terça-feira voto para arquivar o procedimento contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Conselho de Ética da Câmara. Costa é relator da reclamação por quebra de decoro parlamentar, apresentada pelo PSL, partido que rachou após declarações do presidente Jair Bolsonaro, que era filiado ao partido e saiu para tentar fundar uma sigla própria. O relatório ainda não foi à votação por um pedido de vista, concedido por dois dias úteis.

Costa entendeu que o caso não deveria ser analisado pelo conselho de Ética da Câmara, mas sim do partido. Para ele, as postagens de Eduardo são protegidas pela inviolabilidade de discurso parlamentar, mesmo que realizadas pelas redes sociais, “desde que presente o nexo causal entre a suposta ofensa e a atividade parlamentar precedente”.

— O membro do Congresso Nacional possui a garantia constitucional da imunidade parlamentar em sentido material, sempre inviolável, por mais graves que sejam as ofensas que alegadamente tenha proferido quando conexas a um determinado contexto político e indissociável do desempenho do mandato legislativo — justificou o relator ao proferir o voto.

O partido apresentou reclamação no colegiado por ofensas feitas em redes sociais à deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), durante a crise que dividiu o partido em outubro do ano passado. O partido anexou à representação imagens divulgadas nas redes sociais de Eduardo, afirmando que o deputado iniciou “um verdadeiro linchamento virtual à deputada Joice Hasselmann através de suas redes sociais com ofensas e ataques pessoais”.

— Registra-se que as declarações foram externadas em um momento de intenso embate político e ideológico entre membros do PSL, do qual fazem parte os deputados. Neste panorama, as manifestações acerca do comportamento da deputada Joice Hasselmann como líder do governo no Congresso não se mostraram, de forma alguma, dissociáveis de sua atuação parlamentar, pelo contrário. Retrataram, ainda que em tom jocoso, sua opinião crítica acerca da deputada no exercício do cargo — completou o relator.

Eduardo é alvo de três representações no colegiado e já há movimentações para puni-lo em pelo menos uma delas. No fim do mês passado, integrantes do colegiado, em condição de anonimato, afirmaram que uma sanção ao deputado — ainda que leve — seria uma importante resposta do Congresso ao discurso de radicalização dos Bolsonaro contra o Congresso. A reprimenda ao filho do presidente deve ser dada no bojo dos casos que tratam das declarações do deputado sobre um novo AI-5.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Pense numa novidade, o grande finale desta comissão. É, o circo continua!!!! Com desculpas aos palhaços de verdade que sobrevivem da arte. No circo congresso o modo operandim é outro. Todo mundo sabe… fazer o quê ?
    Ah ia esquecendo o deputado inocentado é um cidadão norteriograndense, né mesmo Cícero Martina. Faz paite da tchurma…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Deputado Eduardo Bolsonaro receberá título de Cidadão Natalense no dia 13 de fevereiro

Foto: Alan Santos/PR

Está marcada para o dia 13 de fevereiro solenidade da entrega do título de “Cidadão Natalense” para o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. A honraria deverá acontecer no plenário da Câmara Municipal de Natal.

Vale lembrar que a entrega do título de “Cidadão Natalense” para Eduardo Bolsonaro foi aprovada pela Câmara de Natal em novembro de 2019. Na sessão, os vereadores autorizaram a homenagem por 17 votos a 6. O reconhecimento foi proposto pelo vereador Cícero Martins (PSL).

Autor da solicitação da homenagem, o vereador Cícero Martins alega que Eduardo Bolsonaro articulou, junto ao Governo Federal, o envio de recursos financeiros para Natal e que poderá ajudar a capital potiguar em futuras negociações em Brasília.

Opinião dos leitores

  1. Gente decente e com.prinipios morais e cristaos, alem de eticos nao sujariam a Doce e Linda Cidade do Natal com homenagem nenhuma a pessoa de tal naipe, perfil e pessimos antecedentes pessaiais e familiares.
    Os Edis que o apoiram a esta vergonhosa proposta NAO PRESTAM NEM.MERECEM.MAOS O VOTO NEM O RESPEITO DOs NATALENSES DE BEM.
    EXECRAcao PUBLICA E VEXATORIA PARA A CIDADE DO PRESEPIO, DOS DANTOS REIS MAGOS E DA NOSSA SENHORA DO ROSARIO VENERADA COMO PADROEIRA COMO N. SRA. DA APRESENTACAO.
    MEU PROTESTO E REPUDIO.

  2. Gente decente e com.prinipios morais e cristaos, alem de eticos nao sujariam a Doce e Linda Cidade do Natal com homenagem nenhuma a pessoa de tal naipe, perfil e pessimos antecedentes pessaiais e familiares.
    Os Edis que o apoiram a esta vergonhosa proposta NAO PRESTAM NEM.MERECRM.MAOS O VOTO NEM O REDPEITO DO NATALENSES DE BEM.
    EXECRACSO PUBLICA E VEXATORIA PARA A CIDADE DO PRESEPIO, DOS DANTOS REIS MAGOS E DA NOSSA SENHORA DO ROSARIO VENERADA COMO PADROEIRA COMO N. SRA. DA APRESENTACAO.
    MEU PROTESTO E REPUDIO.

  3. Pra quem quiser ir ao circo, o mesmo tem lona permanente na Av Prudente de Morais cruzamento com a Jundiaí, não sei informar se haverá trapezista, malabaristas… Mais palhaços tem!! Mais de 20, tem também aqueles que cospem fogo e jogam facas. Ah, ia esquecendo, também tem malabarista vindo de Brasília, representando o Rio de Janeiro, pra onde o excelentíssimo palhaço mor chamando Cícero irá.

  4. Realmente fico me perguntando pq que elegemos certos vereadores, qual a finalidade deles . Não fazem um projeto que nos traga benefícios. Gastar dinheiro para dar um título de cidadão ao um outro político que não trouxe nenhum projeto que venha beneficiar os natalenses. Aqui tem gente que merece muito mais e não é reconhecido. Não estou generalizando todos os vereadores que fique bem claro isso.

  5. O que esse cara fez pelo Estado do RN. Vereador Cícero Martins, inacreditável. Realmente a Câmara Municipal está muito mal representada.

  6. Eita DR. Cícero , VC pisou na bola. Nada contra o Eduardo, mas esse cara nãi sabe nem onde é Natal. Ou BABADA !

  7. Bota todos que votaram conceder esse título a esse boy-senador num avião e manda direto pra Cuba, sem direito a volta. O que esse menino que não fez nada pela cidade e não faz nada pelo País tme para merecer tal regalia natalense???

  8. Votei e votarei novamente no Bolsonaro, mas ttitulo de cidadão natalense para ele ou para seu filho, sou contra. Titulo de cidadão natalense é para quem não nasceu aqui, mas se identifica totalmente com a cidade e nela reside, como tambem tem participação relevante na vida da cidade.

    1. Concordo plenamente com você. Infelizmente o Vereador na sabe.,

  9. BG.
    Será que deram título pro sapo ladrão de 09-dedos também?. Que veio ao RN cheio de cachaça esculhambar os políticos daqui e levou uma surra boa nas urnas da sua candidata.

  10. O que é que esse gala de pato já fez pela nossa cidade? Gastar dinheiro com festa e cerimônia prum bosta desses…

    1. Só faz bosta, não exatamente por causa desse indivíduo, e sim por ficar perdendo tempo com esses eventos inúteis.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Invasão de hacker começou em celular de Eduardo Bolsonaro, e, entre outras autoridades, o ministro do STF, Alexandre de Moraes, mostra MPF

A denúncia do MPF diz que as invasões de celulares de autoridades por parte do hacker Walter Delgatti Neto, o Vermelho, começaram pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro.

Segundo o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, “a partir desse ponto, foi possível estabelecer uma sequência de diversos dispositivos invadidos”, inclusive o do presidente da República, conforme esquema abaixo.

O senador Flávio Bolsonaro também teve o celular invadido, de acordo com a denúncia do MPF.

O procurador afirma que os crimes começaram em março do ano passado e continuaram de maneira sistemática até a deflagração da Operação Spoofing, em julho.

Vermelho, destaca o MPF, tinha uma “vida voltada à prática de crimes, seja invadindo dispositivos móveis, monitorando comunicações de terceiros ou, mesmo, envolvido em fraudes bancárias e furtos eletrônicos mediante fraude”.

“Em resumo, foi uma vida voltada ao crime habitual.”

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Esse diretor do INTERCEPT vai ter a cobertura de Gilmar Beiçola Mendes, ele não liberta tudo que não presta?
    No país dele uma cadeia bem demorada seria o seu caminho, talvez aqui ela vá para uma, se for muitos bons rapazes vai ele a falar português com voz mais fina.

  2. Poderia ter invadido celulares dos corruptos criminosos condenados pela lava jato, assim iria cometer um crime com propósitos nobres, e realmente iriamos saber como agiam os corruptos canalhas dessa esquerdalha, assim pelo menos estaria defendendo o pais dos crápulas petralhas, os vermes desse país. Ao invés disso, optou por tentar macular e confundir a imagem do que o país em toda sua história teve de mais digno e ético, que foi a lava jato. Por isso, deveriam era serem condenados a prisão perpétua

    1. Você tem razão Sebastião, só tem um detalhe:
      Se ele tivesse feito isso, as mensagens teriam sido proibidas de publicar pela justiça.
      Se ele tivesse feito isso já estaria condenado pelos jornalistas, caído em desgraça no noticiário, estaria sendo atacado pela esquerda e seus seguidores, teria se tornado pessoa não desejada no Brasil.
      Lembre-se que Adélio Bispo que tentou assassinar Bolsonaro, teve seus celulares e computadores protegidos por determinação judicial e logo tornaram o criminoso numa pessoa intocável. Que por 16 anos o país foi todo aparelhado e hoje estamos testemunhando isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Eduardo Bolsonaro parabeniza título mundial de surf do potiguar Ítalo Ferreira

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, através de suas redes sociais, parabenizou o fantástico título mundial de surf do potiguar Ítalo Ferreira conquistado nessa quinta-feira(19).

“Parabéns ao novo campeão mundial de surf o potiguar Ítalo Ferreira @italoferreira , de 25 anos. Ele é o 3º brasileiro a ganhar o título, após Gabriel Medina @gabrielmedina e Adriano de Souza “Mineirinho” @adrianodesouza .Quando comecei a acompanhar o circuito mundial no final dos anos 90 a felicidade era quando um brasileiro, mesmo com dificuldade de patrocínios e as vezes até “garfado”, ganhava uma etapa. Hoje estamos, graças a Deus, ficando mal acostumados em ver a bandeira do Brasil no topo, demonstrando que talento o país tem de sobra”, disse.

Opinião dos leitores

  1. Verdade, ele levou até os quadros do planalto.kkkkkkk
    Ô petralhada cínica da molesta.
    Vai de retro satanás!!!!

  2. Cuidado, Ìtalo…
    Se tu cair nesse canto de sereia, esse delinquente aproveitador leva teu troféu e tu nem percebe !!!!

    1. Já você não resistiu ao canto e aplaudiu que deu causa ao
      Mensalão;
      Petrolão;
      Lava Jato;
      Delação de Palocci;
      Delação de Sérgio Cabral;
      Investimento em Lulinha;
      Aparelhamento estatal;
      Corrupção, mais corrupção e muita corrupção…

    2. Três de décadas de vida política estão vindo ao público. Rachadinhas, Queiroz, Laranjas, Chocolates, Belina…

    3. Aiiimmm não existe provas, mas tem as versões vendidas pela esquerda que demoniza os opositores e suas mentiras são ditas como fatos;
      Aiiiimmm doe muito ter que ver a verdade e não as mentiras que convivemos de 2003 a 2016;
      Aiiimmm como é difícil ter as mentiras publicadas perder para os fatos comprovados;
      Aiimmm a esquerda não se conforma com o que são e ver que o governo faz tudo contra as práticas exercidas nos governos anteriores viciados em corrupção.
      Aiiimmm Lulinha está envolvido em favorecimento de R$ 167 milhões, mas tem que pegar o Queiroz e ligar ele ao governo custe o que custar… Aiiimmmmm

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Acuse-os do que você faz, chame-os do que você é. PT reagrupa a sua própria milícia”, diz Eduardo Bolsonaro, sobre acusações de ataques virtuais

Foto: Reprodução/Twitter

No Twitter, Eduardo Bolsonaro compartilhou a notícia publicada pela Crusoé de que José Dirceu defende a criação de uma “rede de inteligência” de esquerda (leia aqui).

Ele escreveu o seguinte comentário:

“Mais uma vez, a esquerda segue o diabólico ensinamento de Lênin: ‘Acuse-os do que você faz, chame-os do que você é’. Enquanto forja falsas acusações de milícias virtuais contra Bolsonaro, o PT reagrupa a sua própria milícia.”

Veja mais: Na CUT, Dirceu propõe ‘rede de inteligência’ de esquerda e fala que militantes devem aprender ‘espionagem’

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Só os criminosos chamam de milícia digital os seguidores do nosso Presidente Jair Messias bolsonaro .
    A cambada ruim, perderam as eleições, a boquinha acabou, a corrupção no freio puxado defendida pelo herói brasileiro ministro Sérgio Moro.
    Aconselho vocês a procurar um trabalho. Vão arrumar uma lavagem de roupa

    1. Bento, a sua baba está inundando esse blog. Ninguém consegue ser mais babão e idolatra do que vc.
      Seu fanatismo e cegueira só não são maiores do que sua ignorância e estupidez, dando opinião sobre tudo, com manifestações totalmente descontextualizadas e sem fundamentos. Seus argumentos são primários e superficiais, típicos de seguidores alienados que se informam por Fakes, e falam por clichês criafosbpir outros.

  2. Não é isso que a milícia digital coordenada por CARLUXO, sob o comando de Olavo de Cavalo e ordens de Trump por meio de Steve Bannon, fazem o tempo todo?
    QUEM disso usa, disso cuida.
    Inclusive esta acusação é parte desse esquema disseminado como new Marcatismo associado com operação Condor, na guerra híbrida travada pelos donos do Império para recolonizar a América Latina e se apropriar de suas riquezas naturais.
    Obs: Quem não souber do que se trata é bom ler e estudar um pouco, antes de berrar defendendo algo que vc nem sabe o que é.

    1. Sua resposta mostra bem quem é vc.
      Seu nível está bem registrado como alguém do bem que segue os ensinamentos de Jesus Cristo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Eduardo Bolsonaro é destituído da presidência do PSL de São Paulo

Foto: Maandel Ngan – 30.ago.19/AFP

Depois de ter sido suspenso por um ano, Eduardo Bolsonaro foi destituído da presidência do diretório estadual do PSL de São Paulo, diz O Globo.

O registro do afastamento apareceu nesta quinta-feira no sistema do TSE.

De acordo com o partido, Eduardo não comanda o diretório paulista do PSL desde a última terça-feira. A decisão foi tomada pelo diretório nacional da legenda.

Além de Eduardo, toda a diretoria do PSL-SP foi destituída.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Joice Hasselmann pede cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro na Câmara, e ainda entra com representações contra na PGR e no PSL

Foto: Reprodução/Twitter Joice Hasselmann

Joice Hasselmann pediu à Câmara a cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro, por quebra de decoro parlamentar; e, à PGR, a abertura de um processo penal, para torná-lo réu por crime contra a segurança nacional, pela defesa de um novo AI-5.

Uma terceira representação foi apresentada ao presidente do PSL, Luciano Bivar, para abertura de um processo disciplinar por violação do Código de Ética do partido.

A deputada narra que, após defender a permanência de Delegado Waldir na liderança do PSL, passou a sofrer intensos ataques nas redes, o que a fez perder mais de 500 mil seguidores, “provocando danos de difícil e incerta reparação por se tratar de verdadeiro capital político”.

“Insatisfeito com a campanha difamatória e injuriosa, ainda em 19 de outubro de 2019, o deputado Eduardo Bolsonaro lança uma campanha do Twitter com a hashtag #DeixeDeSeguirAPepa, comparando a parlamentar a uma personagem de desenhos animados ‘pepa pig’ vivenciada por uma família de porcos cuja personagem principal é uma porquinha desobediente”, diz a representação.

Nas representações à PGR e ao PSL, Joice acusa Eduardo de cometer vários crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, de 1983. Entre eles:

  • Tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito, com pena de reclusão de 3 a 15 anos;
  • Tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados, com pena de reclusão de 2 a 6 anos; e
  • Fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social, com pena de detenção de 1 a 4 anos.

O Antagonista

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *