Sem reforma, Mercado das Rocas amontoa barraqueiros em pequeno galpão

É precária a condição de trabalho dos comerciantes do Mercado Modelo das Rocas.

Aglomerados em um pequeno galpão, os barraqueiros aguardam desde 2007 a conclusão da reforma do galpão principal do Mercado, que está paralisada há dois anos por falta de recursos da prefeitura.

Nessa espera, muitos comerciantes faliram, devido à perda da clientela.

Os barraqueiros hoje estão divididos no pátio da praça da feira das Rocas e dentro do galpão “Amarelão” e na Avenida Duque de Caxias.

Nos dois espaços as condições de infraestrutura e higiene são precárias. Existem poucos banheiros e os pontos de vendas de peixes convivem lado a lado com os pontos de conserto de aparelhos eletrônicos.

Paralisada por problemas na licitação, que segundo a Secretaria de Serviços Urbanos (Semsur) foi subfaturada, a reforma no mercado não tem data para ser retomada e o prazo para a realização de uma nova licitação expira dia 31 de  dezembro.

Se nada for feito, todas as melhorias que já foram realizadas no galpão principal do mercado podem ser perdidas.

Copa 2014: desapropriações em Natal vai complicar andamento das obras

O proprietário de um oficina na Capitão mor-Gouveia envia um e-mail ao Blog que reproduzimos abaixo, muito pertinente suas colocações, a impressão é que tudo se tratando de copa tem que descer goela abaixo e todos ficarem satisfeitos. Segue e-mail:

O Meu nome é Lucas Bonavides e sou proprietário de uma oficina mecânica (Oficina4x4) na av. Capitão-mor Gouveia, região atingida pelas desapropriações das obras da Copa 2014.

O ponto comercial é alugado, com contrato até 2015. Investi muito para abrir esse negócio, e continuo investindo, pois até o momento não recebi nenhum comunicado oficial da Prefeitura. Investi em reforma física, elétrica, hidráulica, equipamentos, cursos, etc. Muito mais do que qualquer indenização que tenho ouvido falar. Tenho custos fixos, parcerias comerciais, lucros, financiamentos, sonhos, etc…tudo envolvido neste contexto. Então não me parece tão simples uma equipe de peritos da prefeitura definir quanto devo receber e quando acharem que é a hora. Repito; investi muito e hoje minha oficina é referência na cidade e com grandes possibilidades de crescimento. Mensurar isso não é fácil.

E por mais que se defina uma indenização, não imagino um comercio funcionando com as obras acontecendo por aqui: Como meus clientes chegarão à Oficina durante as obras da Copa? Como fica meu fluxo diário de clientes? Sendo assim como vou conseguir pagar funcionários? Como pagar fornecedores de compras faturadas? Etc…etc.

São questionamentos que talvez o senhor Sérgio Pinheiro (Semopi) e o senhor Walter Fernandes , secretário municipal de Obras Públicas e Infraestrutura adjunto, não queiram ou não consigam responder; mas que servem ao menos para pensar e pesar as possibilidades de um projeto alternativo. Projeto que existe e é possível. Acredito que o custo econômico e humano seria bem menor para todos.

Não sou contra a Copa 2014. Pelo contrário. Acho de grande valia para a nossa economia. Mas sou contra a maneira de como tudo está sendo levado adiante. Sou contra a falta de informação e respeito a moradores e comerciantes.

Att,

Lucas Bonavides

Sócio-Diretor Oficina4x4
www.oficina4x4.com
Twiiter: twitter.com/Oficina4x4

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. diego_euro disse:

    Amigos, estamos em pleno estado de sítio com os preparativos dessa copa…pode-se tudo, a Lei Geral da Copa está acima da nossa Constituição.

Ucraniano que prestava serviço para Petrobras desce do navio para tomar uma na Rocas e é assaltado e assassinado

Foto: Sérgio Costa / Reportagem Portal BO

Um estrangeiro de 42 anos foi morto na noite desta terça-feira (13), após reagir a um assalto em um bar no bairro das Rocas, Zona Leste de Natal. A vítima identificada por Oleg Niktchenko era nataural da Ucrânia e estava em Natal a serviço de uma empresa terceirizada da Petrobras.

Ele e mais três amigos deixaram o navio ancorado no porto e seguiram em direção ao bar do Manuel, localizado na rua São João de Deus. Por volta das 20h, três homens não identificados chegaram ao local armados de faca e revólveres e anunciaram o assalto, exigindo os pertences das vítimas.

Mesmo diante da ameaça, Oleg reagiu tentando tomar a faca de um dos assaltantes. O bandido com um revólver atirou acertando o peito de Oleg, que ainda foi socorrido para hospital dos Pescadores, que fica há 20 metros do bar, mas não resistiu e morreu. De acordo com a médica Ana Carolina, que atendeu a vítima, o tiro atingiu o peito de Oleg e provavelmente feriu o coração fatalmente.

O tenente Luciano Claudio, oficial do 1º Batalhão da Polícia Militar, conversou com os companheiros de trabalho de Oleg e colheu informações importantes para tentar identificar os autores do latrocínio. “ Perguntei as outras vítimas sobre as características dos assaltantes e já enviei três equipes para realizar diligências em toda a região Leste de Natal”, disse.

O corpo do estrangeiro foi levado para o ITEP sob a responsabilidade da Companhia em que trabalhava. O delegado Pedro Paulo Falcão, plantonista da Zona Sul, realizou todos os procedimentos necessários para iniciar as investigações sobre o crime.

Do Blog: Brincadeira, o cara desce de um navio para tomar uma e acontece uma tragédia dessas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Trigueiro disse:

    Não tenho o que comentar. O fato é vergonhoso para qualquer ser humano ou será que a pessoa responsável por isso era Um Ser Humano?

Réus do mensalão terão penas prescritas

Isso é uma vergonha, o que esperar de um País que em seis anos não conseguiu julgar e enquadrar uma cambada de corruptos e corruptores? Se brincar, vai prescrever todas as acusações e não só algumas como deixa claro o Ministro. Segue post de Josias de Souza:

O crime, como se sabe, mora na vizinhança. A Justiça e a punição residem muito longe.

No caso do mensalão, a distância já é medida em quatro anos. Considerando-se o ritmo do comboio, pode chegar a seis.

O risco de impunidade, antes apenas sussurrado, começa a ser admitido sob refletores.

Numa entrevista com o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, o repórter Fernando Rodrigues perscrutou sobe a data do julgamento.

“Não tenho uma previsão clara”, o ministro respondeu. Há risco de prescrição dos crimes? Da dúvida, evoluiu-se a certeza:

“Com relação a alguns crimes não há dúvida nenhuma que poderá ocorrer a prescrição.”

Parte dos 38 réus pode sair da encrenca ileso, sem punição? “Essa foi uma opção que o Supremo Tribunal Federal fez”, resignou-se Lewandowski.

Como assim? O fantasma da impunidade talvez não existisse se o STF tivesse delegado às instâncias inferiores o julgamento dos réus sem mandato.

“Talvez esse problema da prescrição não existiria por conta de uma tramitação mais célere.”

Lewandowski é o ministro revisor do caso. Aguarda pela conclusão do voto do relator Joaquim Barbosa para, só depois, elaborar o seu.

De antemão, avisa que a coisa será demorada: “Terei que fazer um voto paralelo ao voto do ministro Joaquim…”

“…São mais de 130 volumes. São mais de 600 páginas de depoimentos. Quando eu receber o processo eu vou começar do zero…”

“…Tenho que ler volume por volume porque não posso condenar um cidadão sem ler as provas.”

Quer dizer: não são negligenciáveis as chances de o “julgamento” ser empurrado para 2013.

Aos pouquinhos, o vaticínio do companheiro Delúbio vai ganhando forma: isso ainda acaba em piada de salão.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mario Pallazini disse:

    Diz o jargão: "Morosidade processual é sinônimo de impunidade". Em que pese o jargão, penso, culpa não caiba ao Judiciário, considerando o acervo de processos em curso e os milhares que diariamente são ajuizados e a quantidade insuficente de juízes e serventuários que apesar de seus esforços não atendem a demanda. Mario Pallazini – São Paulo – Capital.

Mais de 7500 candidatos ficam na 1º fase do vestibular da UFRN

Tribuna do Norte

O sonho de ingressar na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ainda esse ano, acabou para 7.701 candidatos que fizeram as provas do Vestibular 2012 no mês passado. Ontem, a Comissão Permanente do Vestibular (Comperve) divulgou a lista com o nome dos vestibulandos que terão as provas subjetivas corrigidas e ainda estão na disputa por uma vaga na universidade. Dos iniciais 26.395 concorrentes, 18.694 aguardam o resultado final que ainda não tem data confirmada para ser divulgado. Antes da lista de aprovados, a Comperve vai divulgar a relação de alunos que estudaram em escolas públicas e serão beneficiados com o argumento de inclusão.

Emanuel AmaralMagda: novidade na divulgação da lista final dos aprovados

Os que não conseguiram atingir o ponto de corte representam 37,9% dos candidatos. O número de inscritos no Vestibular 2012 foi de 30.129, porém, durante os três dias de prova, 3.734 faltaram ou desistiram de concorrer. A UFRN oferece 6.209 vagas distribuídas nos campi de Natal, Currais Novos, Mossoró, Caicó e Santa Cruz. A listagem dos aprovados na “primeira fase” do concurso pode ser consultada no site www.tribunadonorte.com.br.

O resultado do Vestibular deste ano terá uma novidade. De acordo com a presidenta da Comperve, Magda Maia, alguns dias antes da divulgação do listão dos aprovados, será apresentada uma lista dos candidatos que terão o benefício de argumento de inclusão na correção das provas. “Será listado o nome do aluno e o nome da escola onde ele estudou”, disse a presidenta. A novidade, segundo Magda, é uma forma de evitar fraudes como a que ocorreu ano passado, quando Antônio Gomes da Silva Filho, primeiro lugar geral no Vestibular 2011 da UFRN, foi excluído e não pôde cursar Medicina por ter fraudado o histórico escolar para ser beneficiado pelo argumento de inclusão.

A correção das provas subjetivas já começou. Cerca de 200 professores estão envolvidos na atividade. Magda Maia não confirmou a data de divulgação do resultado final, mas afirmou que será em janeiro. “Não dá para afirmar agora que dia vamos divulgar o resultado. Depende do andamento dos trabalhos de correção”, disse.

Governo prepara redução de IPI para Automóveis

Baixar imposto é fácil, Difícil é investir em infraestrutura para os carros andarem tranquilamente, segue reportagem da Folha.

O governo Dilma prepara redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de carros nacionais dentro da reformulação do regime automotivo brasileiro.

A medida visa reaquecer as vendas no mercado automobilístico, em queda nos últimos meses, e aumentar o índice de nacionalização dos carros fabricados no país.

A redução do IPI, em estudo pelos ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, será concedida às montadoras que cumprirem diversas etapas de produção no Brasil na montagem de seus veículos.

Entre essas etapas estão, por exemplo, a realização da pintura do automóvel, soldagem e estamparia.

Além disso, as montadoras terão de elevar seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento e se comprometer a comprar autopeças produzidas no Brasil.

Ainda não há data fechada para o anúncio da medida, já que ela não está finalizada pela equipe técnica do governo e ainda depende do aval da presidente Dilma.

A medida é similar à adotada durante a crise econômica de 2008/2009, quando o governo Lula, para estimular o consumo e evitar demissões no setor, cortou o IPI dos carros.

Na época, o imposto de carros populares caiu de 7% para zero. O de carros médios, de até 2.000 cilindradas a gasolina, foi reduzido de 13% para 6,5%.

A diferença, agora, é que o governo vai exigir das montadoras o cumprimento de uma série de etapas visando aumentar a nacionalização do processo de produção em troca da redução do IPI.

Segundo assessores, a redução do imposto será gradual, de acordo com o cumprimento de cada etapa de nacionalização pelas montadoras instaladas no país.

A medida já estava em estudo desde que o governo decidiu elevar o IPI de carros importados em 30 pontos percentuais em setembro.

O aumento poderia atingir até os carros nacionais, desde que eles não atingissem um percentual de conteúdo local de 65%.

Atualmente, as principais montadoras instaladas no país já atingem esse percentual, mas calculado de acordo com o faturamento dessas empresas.

Em apresentação de resultados do setor na semana passada, o presidente da Anfavea (associação das montadoras com fábrica no país), Cledorvino Belini, negou que houvesse negociações com o governo para a redução do IPI para os modelos produzidos no Brasil.

“Essa questão do IPI é uma questão de mercado, não temos problema de mercado. Você vai pedir redução para um mercado que cresceu 14%”, disse ele na época.

Segundo ele, o relaxamento das medidas macroprudenciais e a queda dos juros seriam os dois fatores responsáveis para dar força ao setor em 2012.

“Temos a preocupação que também haja equilíbrio fiscal. Se você só faz desoneração, como o país vai fechar as contas fiscais?”, afirmou Belini, que também é presidente da Fiat no país.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Na minha opinião, o governo deveria exigir uma contrapartida das montadores, fazendo com que as mesmas reduzam também parte de sua margem de lucros, pois sabemos que no Brasil os carros são até um terço do preço praticado nos Estados Unidos. Por isso a correria das montadoras em virem pra cá.
    Façamos as contas, se o governo abrir mão de 10% de impostos e as montadoras de 10% dos seus lucros, aí sim, a gente começava a vislumbrar um futuro melhor.

Muito charme e muito conforto no Réveillon In Mare

Que tal vivenciar uma experiência única? A parceria firmada entre o Seis em Ponto Bar e Petiscaria, a Rádio Jovem Pan e a Cyrela Plano&Plano e Abreu irá proporcionar ao Rio Grande do Norte um réveillon diferenciado, com muito charme e sofisticação. O Réveillon In Mare traz um novo conceito de festa e garante melhor infraestrutura, fácil acesso, manobrista opcional, bebidas premium e serviço de buffet, com café da manhã, no padrão Seis em Ponto, testado e aprovado pelos frequentadores do bar. Tudo isso aliado a atrações que deixarão a noite ainda mais especial.

O In Mare, é o primeiro residencial resort com serviços exclusivos do Rio Grande do Norte, um empreendimento da Cyrela Plano&Plano e Abreu localizado na beira mar da Praia de Cotovelo. A primeira praia do litoral Sul do Rio Grande do Norte e uma das primeiras praias veranistas de Natal. Formada por falésias e muito boa para banho, possui ótima estrutura de restaurantes e pousadas. Está a 3 minutos da praia de Pirangi, conhecida pelo Maior Cajueiro do Mundo, a 7 minutos de Natal e 15 minutos da Ponte Newton Navarro, que liga a praia do Forte à Redinha (litoral norte). Excelente localização e fácil acesso. A vista é deslumbrante e é privilégio de poucos começar o ano de frente para uma das praias mais bonitas do RN.

Serão mais de 500m² de área coberta para garantir o conforto e a tranquilidade em caso de chuva, banheiros climatizados e serviço de manobrista opcional. A parte de som, luz e toda estrutura ficará por conta da Iluminar Som e Luz, empresa experiente no mercado potiguar e dona de equipamentos modernos e de primeiríssima qualidade. Bares ficarão estrategicamente localizados em todo o espaço como ilhas, sem filas, sem perder tempo.  O cardápio contará com bebidas de linha premium como whisky 12 anos, vodka importada, espumante, cerveja, água de coco, água mineral e refrigerante. Lounges de marcas renomadas darão charme e glamour para o evento.

Ao som de Rafael Yapudjian, DJ nas principais pistas de São Paulo, já se apresentou em festas renomadas e foi residente em vários clubs do circuito noturno do estado. Hoje tem residência na Pacha São Paulo, filial da marca espanhola de clubs mais bem conceituada mundialmente. Tropa de Choque, banda cearense, que faz o maior sucesso com a mistura axé, merengue e samba rock. Promoveu uma turnê de 45 dias na Itália e já abriu inúmeros shows de Ivete Sangalo. E Thiago e Santhafé, dupla sertaneja formada em 2010, foi a grande sensação em Natal neste ano com sucessos próprios e de outros cantores sertanejos. Está fechado um line-up diversificado e de muito agito para a noite inteira.

Sua experiência única começa agora. Não perca tempo, pois as vagas são limitadas e os valores mudam de acordo com a virada de lote.