PF mira propina a Palocci e Mantega em nova fase da Lava-Jato

Foto: Geraldo Bubniak / Agência O Globo/28-7-15

A Polícia Federal deflagrou a 63ª fase da Operação Lava-Jato , na manhã desta quarta-feira, para investigar a suspeita de pagamentos da empreiteira Odebrecht a dois ex-ministros . Os agentes cumprem dois mandados de prisão temporária e outros 11 de busca e apreensão em São Paulo e na Bahia. Delações de executivos da companhia apontaram “Italiano” como o apelido do ex-ministro Antônio Palocci, e “Pós-Itália”, do também ex-ministro Guido Mantega.

São alvos de mandados de prisão o ex-executivo da empreiteira Maurício Ferro e o advogado Nilton Serson. Genro de Emilio Odebrecht e um dos raros homens do antigo alto comando da companhia a não fazer delação premiada, conforme informou o colunista do GLOBO Lauro Jardim , Ferro foi preso antes das 7h, segundo o G1.

Com os mandados, a PF investiga os crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Foi determinado o bloqueio de R$ 555 milhões dos investigados. Segundo a Polícia Federal, o pagamento de propina visava à aprovação de medidas provisórias que instituíram o programa Refis da Crise, entre outros objetivos.

A investigação leva em conta uma ação penal que apura a informação de que Palocci e Mantega agiram de forma ilícita para favorecer os interesses da Brasken. De acordo com a investigação, Mantega solicitou a Marcelo Odebrecht propina de R$ 50 milhões como contrapartida para as edições de duas MMedidas Provisórias. O pedido, segundo a PF, foi aceito por Marcelo e pago pela Brasken

Há indicativos, de acordo com a investigação, de que os valores teriam sido entregues a um casal de publicitários. Há um ano, a força-tarefa da Lava-Jato apresentou denúncia contra Mantega e Palocci pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em medidas que beneficiaram diretamente empresas do Grupo Odebrecht, como a Braskem, do setor petroquímico.

Na época o casal de publicitários João Santana e Mônica Moura, além de André Santana, filho do marqueteiro do PT, também foram denunciados pelo mesmo episódio. Os dois chegaram a ser presos, permaneceram de tornozeleiras eletrônicas e foram soltos meses depois.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Chegou a vez do Mantega….espero que o Mercadante seja o próximos…Ministros que acabaram com nosso país!!!!

  2. Valter Barroso Costa Fonseca disse:

    A vergonhosa lei de proteção à criminalidade é um absurdo, representa um perigoso retrocesso institucional num país que mal começa a ter algum sucesso no combate à corrupção.
    Essa lei é tão letal para quem quer fazer justiça, que pode chegar ao ponto do juiz indeferir na pergunta de um advogado e ele não gostar ou não concordar, poderá me acusar de abuso de autoridade. E se o julgador entender como ele, poderei ser preso.
    Na realidade essa lei aprovado pelo congresso, onde boa parte de seus membros tem o nome na lava jato, é uma apologia a impunidade, contra justiça, contra a legalidade, contra a ordem institucional do país. Só é a favor dessa lei que pretende implantar o caos no Brasil, deixando o país sem segurança pública, nem justiça. O resto é discurso falacioso para enrolar os babacas e justificar a prática de corrupção e demais crimes.

  3. Francis Press disse:

    Agora os funcionários terão que fazer "arminhas" e cantar musiquinha na hora da demissão, acho pouco, muito pouco…hahahaha…toma o que vão ganhar nas fuças.

  4. Severino Monte disse:

    Isso não é ABUSO DE AUTORIDADE? A PF não pode mais atuar livremente, tem antes que pedir permissão, avisar que vai agir, dizer contra quem e se for autorizada, só então, pode sair as ruas.
    Assim determinada a lei aprovada no congresso por incentivo maior de RODRIGO MAIA que pune as autoridades no combate a corrupção, aos assassinos, aos crimes em geral. VIVA A IMPUNIDADE!

  5. nasto disse:

    O ROMBO no BRASIL é GRANDE. Vai ser difícil fechar.

COMENTE AQUI