FOTOS: Após assaltar lava-jato em Natal, roubar clientes e balear proprietário, homem em fuga é surpreendido por populares e é morto a tiro

Fotos: cedidas

O portal G1-RN noticia nesta quarta-feira(25), que um homem foi morto a tiro durante a tarde após assaltar clientes de um lava-jato, na Avenida Jaguarari, em Natal. De acordo com o subcomandante da Guarda Municipal, Carlos Cruz, o criminoso entrou no lava-jato, atirou no proprietário e roubou pertences de uma senhora e do filho dela que estavam no local. Na fuga, o assaltante tentou levar o cliente como refém, mas pessoas que passavam pelo local reagiram. Houve luta corporal e o assaltante foi baleado com a própria arma, e morreu no local.

Segundo o G1-RN, quando a Guarda Municipal chegou ao local a arma havia sido levada e ninguém soube informar quem atirou. O dono do lava-jato foi levado para o hospital com um tiro na perna.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Felizmente as coisas tão mudando. Para melhor!

  2. José Macedo disse:

    Menos um para trazer desgraça nas famílias.
    Alô autoridades, vamos arquivar este processo o mais breve possível, é um caso encerrado.

  3. João Juca Jr disse:

    Se tivesse sido preso, seria solto na "audiência de custódia", para continuar a praticar crimes.

  4. Meniques disse:

    Mais um CPF cancelado o capeta recebeu de braços abertos agora vai Dançar da forma a música são os verdadeiros demônio querem destruir roubar e matar mais veio um pra resolver essa situação aplausos para esse guerreiro tirou um de circulação

  5. Carlos disse:

    Parabéns ao sujeito que levou mais um bandido para o colo do satanás.

  6. Brasil Acima de Todos disse:

    Menos uma verme para atormentar o sossego dos Natalenses. Agora essa praga está falando com o capeta!

  7. Klyber Macedo disse:

    Maravilha!!!!!!!!!! Aplauso pra quem despachou esse FDP!!!
    Excelente notícia!!!!!!!!
    Muito chumbo qunte no rabo dessa canalha!!!

  8. Paulão disse:

    Ô maravilha.

    Esse não faz mais nada.
    Espero que a pessoa baleada por esse demônio, fique curada.

STF trava processo de Lula na Lava Jato e crimes podem prescrever em dezembro

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Um dos processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato está travado em Curitiba por causa de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Com isso, parte dos crimes imputados ao petista pode prescrever em dezembro, levando à impunidade.

Nessa ação penal, Lula é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro (mais de uma vez) através da compra de um terreno para construção de uma nova sede para o Instituto Lula e do aluguel de um imóvel em São Bernardo do Campo (SP). Nesta semana, o Ministério Público Federal (MPF) pediu que o processo seja retomado, alegando que a decisão do Supremo já foi cumprida.

Em agosto, a Segunda Turma do STF concedeu acesso à defesa de Lula ao acordo de leniência firmado pela Odebrecht com autoridades brasileiras. A decisão fez com que o processo, que estava pronto para sentença, voltasse à fase anterior à apresentação das alegações finais.

Já em setembro, o ministro Ricardo Lewandowski ordenou ao juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba que garantisse à defesa acesso ao acordo. Segundo os advogados do petista, o juiz Luiz Antônio Bonat pediu manifestações do MPF e da própria Odebrecht antes de liberar acesso aos anexos em que Lula é citado.

Lewandowski escreveu em seu despacho que a 13ª Vara de Curitiba “parece afrontar” decisão do Supremo. O ministro do STF também determinou que não seja aberto prazo para as alegações finais antes de a Corte julgar o mérito da reclamação apresentada pelos advogados de Lula, o que ainda não tem data para acontecer no STF.

O MPF argumenta que as informações já foram repassadas à defesa. Mas a ação penal está travada por causa da decisão de Lewandowski.

Todos os réus ainda vão precisar apresentar suas alegações finais — último argumento antes da sentença — para que só após o fim desse prazo Bonat possa tomar uma decisão. Como o ex-presidente tem mais de 70 anos, os crimes de lavagem de dinheiro prescrevem em dezembro deste ano. Nesse caso, ele continuaria a responder apenas pelo crime de corrupção.

Processo de Lula terá fase de alegações finais três vezes

O processo sobre a compra do terreno para o Instituto Lula é marcado por um vai e vem de decisões judiciais. O caso chegou à fase de alegações finais — última etapa antes da sentença — pela primeira vez em 2018.

Após a decisão do STF que determinou prazos diferentes para entrega de alegações finais quando há réus delatores no processo, a ação penal contra Lula retornou a esse ponto no início de 2020.

Mais uma vez, quando o processo estava pronto para sentença, a Segunda Turma determinou que a defesa tivesse acesso aos documentos do acordo de leniência da Odebrecht, atrasando mais uma vez a conclusão do caso.

Entenda o caso

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, entre 2010 e 2014, o executivo Marcelo Odebrecht prometeu uma propina no valor de R$ 12,4 milhões para o ex-presidente Lula, paga na forma da aquisição de um terreno para a construção de uma nova sede para o Instituto Lula.”

O MPF afirma que, para receber a propina, Lula contou com o auxílio de um seus advogados, Roberto Teixeira, e também do ex-ministro Antonio Palocci. O terreno foi comprado por Glaucos da Costamarques e pela DAG Construtora, que agiram como “laranjas” da Odebrecht. A construção da nova sede do instituto, porém, nunca ocorreu.

No mesmo processo, o MPF também denunciou Lula, Glaucos e Teixeira por lavagem de dinheiro no valor de R$ 504 mil, realizado através da aquisição em favor de Lula de um apartamento em São Bernardo do Campo. O imóvel foi mantido no nome de Glaucos, mas foi adquirido com recursos da Odebrecht por intermédio da DAG.

Gazeta do Povo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Val Lima disse:

    Pense numa dívida de gratidão q não acaba nunca, essa do leviano….

  2. Jonatas Calaça dos Santos disse:

    Este é nosso STF. Ótimo para ladrões do colarinho Branco. Fora STF.

  3. GCF disse:

    Se Luladrão escapar de um processo por prescrição, será condenado em qualquer um dos outros que responde. São tantos…
    Mas do julgamento do povo e de Deus ele não escapa!

  4. GUEDES disse:

    afinal esse stf serve para que?? alem de soltar bandidos,se esse stf tivesse um fim sinceramente não faria falta alguma e não ser os bandidos

  5. JUSTIÇA AMADA BRASIL!!! disse:

    Monobras para salvar quem ofereceu a denúncia e quem condena. As manobra não visam salvar o denunciado.

  6. Murilo disse:

    Os togados vendidos querem livrar de vez o ladrão Mor "9 dedos" para não serem denunciados caso o molusco volte pra cadeia .
    José Dirceu, solto, Renan Calheiros , ninguém toca, Aécio , processo na gaveta, enfim, quem escapa no STF ??????

  7. José Nilton da Silva disse:

    Antonio , acomselho-o a se informar melhor sobre algo que queira comentar, dessa forma voce evitar passar por situacoes ridículas iguais a essa. Se é que você se respeita, algo que duvido muito. Os processos contra FHC, e Aécio tramitaram na justiça de São Paulo, passaram longe da Comarca de Curitiba. Tenha amor próprio, deixe de vociferar asneiras.

  8. Augusto disse:

    O ladrão, rindo feito um condenado

  9. Antônio Soares disse:

    É pra isso que serve essas estâncias, só pra proteger os ratos graúdos. Quando não é assim é escolhendo qual ministro criminoso, quer que seja o julgador do seu processo. Vai dando baixa até chegar no que aceita a velha grana por baixo do tapete, como aconteceu com o rap, depois cada um pega sua parte da bufunfa, e tá resolvido o caso.

  10. Alex disse:

    O STF é a vergonha do país,Porém os deputados superam

  11. Daniel disse:

    Nada mudou. Mesmo condenado fica em liberdade!

  12. Antonio disse:

    E o FHC que não foi processado por conta das prescrições , favorecido por Moro e sua republiqueta de CUritiba .

    • De olho👀 disse:

      Favorecido como? Era Moro o juiz? A causa corria em Curitiba? Deixe de repetir o que você ouve por aí e apresente argumentos, por favor.

  13. Antonio Turci disse:

    A sociedade poderia se mobilizar quanto a este assunto.

VÍDEO. Promotor Augusto Azevedo faz crítica dura a Lava Jato: “Usou atos inconstitucionais e antijurídicos”

Em entrevista ao Jornal das Seis, da 96fm, promotor de Justiça Augusto Azevedo, com anos de atuação do Tribunal do Juri, criticou ações que embasaram condenações da Lava Jato, apesar de reconhecer a importância “cultural” da operação.

Via 96 FM e Blog Gustavo Negreiros

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Macena disse:

    Dr.Augusto Azevedo, sempre foi um ótimo comentarista. Esse faz parte da elite do judiciário. Casta elitista, distante do judiciário, quê precisamos. João Macena.

  2. Oswaldo disse:

    Ummmmm…depois que prenderam um e depois que outro virou presidente agora a Lava Jato virou um engodo! Eita país escroto, quer dizer, foi interessante até um certo ponto!

  3. Emerson disse:

    O Dr. Augusto Azevedo tem o respeito da sociedade potiguar. Independentemente dessas colocações sobre a LJ, Augusto sempre se mostrou um Promotor ilibado, muito qualificado e, acima de tudo, sensato em muitas atuações.

  4. Francisco disse:

    Na visão do promotor, deixou claro, pra prender bandidos corruptos é nescessário refazer a constituição, a lei, agora, porquê ele não se levanta ou protesta contra essa lei que não consegue punir. Ora se somente a lei consegue punir, e desde o descobrimento do Brasil a corrupção e o desmando dos poderosos são ilimitados, então tem que ser feito algo. A lava jato conseguiu provas, teve confissão, teve devolução de dinheiro, pra um país que o objetivo de fazer justiça não é suficiente, e sim, a forma, e essa ao longo das centenas de anos não teve exito, devemos fazer o que, inocentar o criminoso? Inutilizar provas de crime? Devolver os bilhões recuperado? Se um promotor de justiça corrobora para inocentar criminosos que disseminaram miséria, violência, caos social pela pratica de seus atos, vão fazer jus a um auxíliozinho moradia que representa 5 vezes o salário de um trabalhador que trabalha 8 horas por dia no mês inteiro, pra sustentar toda sua família de tudo. Talvez essa seja a justificativa da defesa.

  5. Emmanoel disse:

    Augusto Azevedo sempre lúcido e competente. Concordo plenamente

  6. Lopim disse:

    Está na hora do MP-RN., agir com as responsabilidades que a situação "clama" e parar de fazer de conta que está correndo tudo bem

Ex-PM que dava ordens em ala com presos da Lava Jato é um dos presos pela PF em Natal, destaca reportagem

O Agora RN destaca nesta terça-feira(13) em reportagem que o ex-policial militar paranaense Emerson Rodes Marques, apontado em um livro que narra o cotidiano de ricos e poderosos presos em uma ala para investigados da operação Lava Jato, é um dos quatro suspeitos presos no início do mês por tráfico de drogas no Porto de Natal.

Rodes, como é conhecido, teve a sua prisão em flagrante convertida em prisão provisória pelo juiz federal Walter Nunes da Silva Júnior, titular da 2ª vara federal em Natal. Pelo fato de ser ex-policial, o magistrado determinou que ele seja transferido para a carceragem da superintendência da Polícia Federal, em Natal. Leia todos os detalhes aqui em texto na íntegra.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Braulio Pinto disse:

    Já já Marco Aurélio Melo, com base em modificação da lei proposta por Bolsonaro, manda soltar.

Deltan Dallagnol interferiu para colocar juiz aliado no lugar de Sergio Moro na Lava Jato, diz The Intercept Brasil

Foto: Reprodução/The Intercept Brasil

Os procuradores da Lava Jato no Paraná atuaram nos bastidores para interferir na sucessão do ex-juiz Sergio Moro nos processos da operação em primeira instância. A força-tarefa do Ministério Público Federal fez lobby num outro poder, o Judiciário, para garantir que o novo escolhido para a cadeira do então recém-nomeado ministro do governo de Jair Bolsonaro fosse alguém que agradasse aos investigadores.

As articulações estão explícitas em duas mensagens de áudio do então coordenador da força-tarefa, o procurador Deltan Dallagnol. Nelas e em várias mensagens de texto trocadas pelo Telegram em janeiro de 2019, ele elenca os principais candidatos à vaga de Moro, elege os preferidos da força-tarefa e esboça o plano em andamento para afastar quem poderia “destruir a Lava Jato”, na opinião dele.

Quando Moro abandonou a carreira de juiz, em novembro de 2018, logo após a eleição de Bolsonaro, deixou vaga a cadeira de responsável por julgar os processos da Lava Jato na primeira instância. A sucessão ou substituição de um magistrado é um processo comum no poder Judiciário, que tem autonomia para decidir – obedecendo a um regimento interno.

O que é no mínimo incomum, nesse caso, é a pressão e a interferência de um órgão externo, o Ministério Público Federal. Em mensagens de texto e áudio, Dallagnol também pede a colegas familiarizados com o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o TRF4, responsável pela Justiça Federal do Paraná, que tentassem “advogar” junto a ele por uma solução que agradava à força-tarefa.

A ideia compartilhada por Dallagnol e por juízes federais do Paraná era colocar três magistrados na posição de assessores de um quarto, o veterano Luiz Antônio Bonat, num esforço para convencê-lo a disputar a vaga de Moro. “Ele colocou ali o nome dele por amor à camisa”, narrou Dallagnol. “Então a gente tem que conseguir um apoio. A ideia talvez seria de ter juízes assessores ali designados junto a ele”.

A Lava Jato considerava que Bonat, um juiz com 64 anos e de perfil extremamente discreto (jamais deu palestras ou entrevistas desde que assumiu o comando da operação, há quase dois anos), precisaria de ajuda para dar conta das dezenas de processos que corriam no Paraná. Assim, Dallagnol e equipe buscaram uma forma de garantir que nem todo o trabalho da operação cairia sobre ele.

O plano articulado para montar o time de juizes acabou por não sair do papel, mas o principal foi feito: Bonat foi convencido a disputar a vaga. “Aí ontem os juízes estavam preocupados e conseguiram fazer, conseguiram convencer o número 1 da lista, o que é ótimo para nós, assim, simbolicamente, a aceitar o desafio de ir para a 13ª”, celebrou Dallagnol, em áudio.

E, como era previsto pelos procuradores, Bonat herdou a cadeira de Moro por ser o mais antigo juiz federal em atividade na jurisdição do TRF4.

Nas conversas, fica claro que o juiz resistiu a entrar na disputa e que ele foi convencido a concorrer por colegas e procuradores que “estavam preocupados” com a vitória iminente de alguém visto com desconfiança pela Lava Jato: Julio Berezoski Schattschneider, um juiz que atuava em Santa Catarina. Procurados, nenhum deles quis dar entrevista.

A candidatura de Bonat surpreendeu a comunidade jurídica. Magistrado com 25 anos de carreira, à época, ele estava afastado da área criminal havia 15 anos. Até um juiz federal que atua na região do TRF4, e que falou ao Intercept sob a condição de anonimato, diz ter estranhado: “Era uma vara difícil, cheia de trabalho, daquelas que habitualmente ninguém quer pegar e acaba sobrando nas mãos de um juiz mais novo. E aí aparece um monte de gente mais antiga [na disputa]”, ele observou.

‘Vou convidar quem puder pra irmos estimular rs’

Sergio Moro foi o primeiro grande nome confirmado por Bolsonaro para seu governo após a vitória nas urnas. A adesão do então juiz ao político de extrema direita se deu meros três dias após o segundo turno: ele viajou ao Rio, visitou Bolsonaro em sua casa na Barra da Tijuca, ouviu o convite para ser ministro da Justiça e Segurança Pública e disse sim poucas horas depois.

Com a entrada formal na política, Moro foi obrigado a passar o bastão dos processos da Lava Jato. Temporariamente, a operação passou a ser conduzida pela juíza substituta Gabriela Hardt até que um novo magistrado assumisse a vaga de titular.

Pelas regras de funcionamento da justiça no Brasil, os processos seguiriam com a 13ª Vara Federal de Curitiba. Com a saída de Moro, a vaga de titular dessa vara entrou em disputa. Qualquer juiz da 4ª região da Justiça Federal – que abrange Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná – poderia disputar o posto. O escolhido seria quem tivesse mais tempo de carreira entre os inscritos, seguindo o regimento do TRF4.

No dia do anúncio de Moro, procuradores da Lava Jato já especulavam no Telegram quem sucederia o magistrado. Mas a interferência da força-tarefa no Judiciário só ganhou forma em janeiro de 2019, quando Dallagnol fez um comunicado aos colegas:

Dallagnol parecia obcecado. No dia seguinte, o então coordenador da força-tarefa apresentou aos colegas um prognóstico sobre os potenciais postulantes, endereçado especificamente a Januário Paludo, um dos veteranos da força-tarefa e com quem Dallagnol contava para ajudá-lo no lobby:

Ali Dallagnol expôs o primeiro alvo da força-tarefa e uma estratégia para tirá-lo da disputa. Tratava-se do juiz Eduardo Vandré, que trabalhava numa vara federal de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul. Ele ocupava o sexto lugar na lista de antiguidade, mas “seria péssimo” para a Lava Jato, segundo o coordenador.

Os motivos para a desconfiança foram descritos por Paludo, que afirmou na mesma conversa, mais tarde, que Vandré era “pt e não gosta muito do batente”.

Com isso em mente, Dallagnol buscava fazer uma espécie de seguro: garantir a candidatura de um dos cinco juízes mais antigos, de forma que Vandré ficasse sem chances na disputa. Paludo detalhou o plano pouco depois:

Os comentários mostram que Paludo e Dallagnol viam Bonat (o juiz federal com mais tempo de serviço em toda a região Sul) como um instrumento para impedir que um nome indesejável ficasse com a vaga de Moro. Mas havia um problema: justamente pela idade, achavam que ele não teria “pique” para assumir os processos da Lava Jato. Por isso, Dallagnol aventou a possibilidade de que Bonat fosse escolhido, mas deixasse outros “trabalharem por trás” dele, como juízes assessores.

O assunto voltou ao Telegram quase uma semana depois, em 16 de janeiro. Dallagnol encaminhou aos colegas a mensagem de um juiz que chamou de “nosso preferido” para ocupar a cadeira de Moro: “estou avaliando, sim….temos até segunda…. Conversei com o Malucelli ontem e ele me disse que conversou com Bonat, e ele disse que não vai pedir e que nem cogita”, escreveu o magistrado, segundo o relato de Dallagnol.

A mensagem não deixa claro quem era o “preferido”, mas as tratativas nos dias seguintes indicam tratar-se do juiz Danilo Pereira Júnior, que já atuava noutra vara federal de Curitiba. Malucelli é o juiz Marcelo Malucelli, então diretor do foro da Seção Judiciária do Paraná – na prática, o administrador da unidade.

Àquela altura, Eduardo Vandré já desistira de concorrer, mas a Lava Jato tinha outra preocupação. O nome dela era Julio Berezoski Schattschneider, que trabalhava em Santa Catarina, outro a receber a alcunha de “péssimo” na lista de Dallagnol.

O chefe da força-tarefa afirmou ter conversado sobre o assunto com a juíza Gisele Lemke, de uma vara federal de Curitiba, e narrou aos colegas o que foi discutido:

Segundo o áudio, Schattschneider havia informado o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, instância máxima da Justiça Federal no Sul do país, que desejava ser transferido para Curitiba, mas não fazia questão de ficar com o lugar de Moro. Assim, a Lava Jato planejava convencê-lo a aceitar outra posição que não fosse a de Moro. Se ele não topasse, haveria um problema: por ser mais antigo, Schattschneider teria preferência sobre Danilo Pereira Júnior, o favorito da Lava Jato. O juiz Bonat continuava decidido a não concorrer.

Esse quadro permaneceu até 21 de janeiro de 2019, último dia para inscrição dos interessados. A força-tarefa estava tensa porque o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, então presidente do TRF4 (que ironicamente foi cotado para suceder Moro no ministério de Bolsonaro por ser próximo aos militares), havia anunciado que os dois nomes preferidos da Lava Jato estavam impedidos de entrar no páreo.

A razão era um item do regimento do tribunal que vedava a transferência de juízes para uma vara com a mesma especialidade daquela em que já atuam.

Dallagnol se afligiu e pediu lobby sobre Thompson Flores:

O clima só desanuviou quase dez horas da noite. Januário Paludo avisou ao grupo que Luiz Antônio Bonat havia mudado de ideia e decidido se inscrever. No dia seguinte, o TRF4 divulgou a lista dos inscritos com ele na cabeça. Se Bonat não mudasse de ideia até a meia-noite do dia 24, dali a três dias, a vaga seria dele. Mas Schattschneider vinha na segunda posição. Por isso, a articulação continuou para que Bonat não desistisse.

As mensagens indicam que procuradores da Lava Jato trataram pessoalmente desse assunto com a cúpula da Justiça Federal do Paraná. Eles mencionam um encontro em 22 de janeiro, um dia após o encerramento das inscrições. Ao final da reunião, Dallagnol fez um resumo aos colegas:

Em viva voz, o procurador faz duas grandes confissões. Juízes federais alinhados à Lava Jato “estavam preocupados” com a possibilidade de que Schattschneider ficasse com a vaga de Moro, segundo Dallagnol, e, por isso, conseguiram convencer Bonat a se inscrever de última hora, “por amor à camisa”.

Esses magistrados, que não são identificados por Dallagnol no áudio, lançam uma suspeita sobre Schattschneider: a de que ele havia tentado iludir a corregedoria da Justiça Federal sobre sua intenção de suceder Moro. Procuramos Schattschneider em seu gabinete para que comentasse a suspeita levantada pela corregedoria, mas ele não respondeu às tentativas de contato.

Para manter o interesse de Bonat no cargo, os juízes e o MPF decidiram tentar algo que Dallagnol havia sugerido em 10 de janeiro: transformar o magistrado numa espécie de líder de um grupo de três outros juízes que ajudariam a dar agilidade aos processos. Segundo o áudio de Dallagnol, quem estava à frente desse plano era o juiz Marcelo Malucelli, mas a cúpula do TRF-4 já tinha se manifestado contra a ideia.

Procuramos Malucelli para que comentasse a declaração de Dallagnol, mas o juiz disse não saber que Bonat foi convencido de última hora e não esclareceu se articulou ou não o plano de designar juízes assessores para ele. “Várias medidas de auxílio foram tomadas pela corregedoria do TRF4 para a 13ª Vara de Curitiba, antes e depois da saída do juiz Moro. À direção do foro incumbe apenas cumpri-las”, respondeu.

A preocupação dos procuradores se dissipou no dia seguinte, 23 de janeiro, quando eles ficaram sabendo que Schattschneider havia desistido da vaga. No fim das contas, Bonat assumiu a 13ª Vara no dia 6 de março.

Entregamos a transcrição integral dos áudios e um resumo cronológico detalhado das mensagens de texto ao TRF4, à Justiça Federal do Paraná e ao MPF. Aos órgãos do Judiciário, perguntamos se eram verdadeiras as afirmações de Dallagnol de que os juízes só convenceram Bonat a concorrer à vaga de Moro de última hora porque “estavam preocupados” com a chance de vitória de Schattschneider e de que a direção do tribunal discutiu nomear três juízes assessores para “dar um apoio” ao magistrado veterano à frente da Lava Jato.

Também perguntamos se o tribunal não considera que as conversas narradas por Dallagnol são uma interferência indevida no Judiciário e fizemos o mesmo questionamento à força-tarefa da Lava Jato. Ao MPF, perguntamos se os procuradores chegaram a visitar candidatos para a vaga de Moro, como disse Dallagnol, e se o órgão não considerava inadequado o lobby sobre os juízes para viabilizar os nomes de sua preferência e, depois que esse plano falhou, para garantir que Bonat não desistisse da vaga.

Todas as questões ficaram sem resposta. Além de não se manifestar institucionalmente, o TRF4 não emitiu posicionamento de nenhum dos juízes citados nas conversas, aos quais direcionamos perguntas específicas. O MPF também preferiu não se manifestar.

The Intercept Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Macena disse:

    Concordo com o seu comentário, cara Renata Bastos. Os corruptos podem conversar, pessoas do bem, não podem! João Macena.

  2. Braulio Pinto disse:

    Intercept já publicou algum vazamento do PT? E de Bolsonaro? E da AGU ou STF? Porque só dos integrantes da lava jato. Esse blog não deveria nem existir mais, e Greenvalda deveria estar presa ou expulsa do país.

  3. Manoel disse:

    O ódio ideológico realmente é uma [email protected]!
    O presidente desses que detonam o intercep falou com todas as letras: ACABEI O LAVA JATO, e nao causou tamanha indignação.
    Agora o intecept Brasil divulga áudios, conversar autênticas sobre os desmandos do lava jato e a mesma turma se volta contra o intercept.
    Realmente ser gado é nao ter caráter.

  4. Antonio Turci disse:

    IntercePT não tem credibilidade. Se duvidar, faz parte da ORCRIM.

  5. Boi Da Cara Verde & Amarela disse:

    Quadrilha. Se fizessem isso com a milícia do planalto, os ruminantes estariam espumando pela boca que nem cachorros.
    Raça desprezível.

  6. Chicó disse:

    O intercept não tem credibilidade alguma ! É a mesma coisa que um risco na água.

  7. Deco disse:

    Nada demais!!
    Só preocupação para que a lava jato não sofresse descontinuidade…
    Corretíssimo!!
    Só aplausos para esse funcionário publico pelo empenho e comprometimento com a instituição.

    Estranho é se ele estivesse combinando alguma coisa com Lula, Zé Dirceu , Marcelo Odebrech e outras figurinhas que estavam chafurdando na lama da corrupção.

  8. Toim disse:

    Tenho um lençol, choradeira pouca é bobagem. Mimimi do Caraí

  9. RENATA BASTOS disse:

    E daí??!
    Chega de hipocrisia! Os bandidos se unem, mesmo de ideologias diferentes e o cidadão de bem, não pode fazer nada em prol do bemmm!

  10. Samuel Uel disse:

    Esse é só um jornalzinho dos vermelhinhos, só eles ligam pra choradeira do jornal……tudinho revoltadinho pq Moro colocou o Pinguço Trambiqueiro na cadeia.

  11. Lobinha disse:

    Qual o problema de ter um aliado que defendam causas nobres e do coletivo? Se grampeassem todos dos poderes nas nomeações de cargos comissionados e de confiança sairiam coisas bem piores, interesses econômicos e manutenções de esquemas escusos é a toada. E na hora de inserir essa emenda que soltou o cabeça do PCC?

Força-tarefa da Lava Jato no Paraná diz que fala de Bolsonaro indica ‘desconhecimento’

Foto: MATEUS BONOMI/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Os integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná afirmaram que o discurso do presidente da República Jair Bolsonaro sobre ter acabado operação indica “desconhecimento sobre a atualidade dos trabalhos e a necessidade de sua continuidade”.

Os procuradores da República também disseram que a fala de Bolsonaro “reforça a percepção sobre a ausência de efetivo comprometimento com o fortalecimento dos mecanismos de combate à corrupção”.

A força-tarefa se manifestou nesta quinta-feira (8) por meio de uma nota envidada pelo Ministério Público Federal (MPF).

Na quarta (7),Bolsonaro afirmou , durante pronunciamento no Palácio do Planalto, que “acabou” com a Lava Jato porque, no governo atual, não há corrupção a ser investigada.

No mesmo dia, havia sido deflagrada a 76ª fase da Operação Lava Jato. A ação mirou um esquema que movimentou R$ 45 milhões em propina e investigou crimes de corrupção passiva, organização criminosa e de lavagem de dinheiro na área comercial da Petrobras.

‘Corrupção endêmica’

Na nota, os procuradores da força-tarefa ressaltaram que a Lava Jato é uma ação conjunta de várias instituições no combate à “corrupção endêmica”.

Disseram ainda que as últimas fases da operação demonstram como ela é “essencialmente necessária”.

De acordo com os procuradores, o apoio da sociedade à Lava Jato e a “adesão efetiva e coerente” de todos os poderes da República são fundamentais para que o esforço destinada à operação continue e tenha êxito.

Os procuradores reforçaram o compromisso na busca da promoção da Justiça e da defesa da coisa pública – “apesar de forças poderosas em sentido contrário”.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Cuidado não PR JB, pra não terminar nos seus filhos, ou quem sabe até no senhor, afinal são políticos de carteirinha

  2. João Batista ZN disse:

    Alguém aki sabe o que significa Ironia..??

  3. OPERAÇÃO LAVA RACHA disse:

    A nova força tarefa vai ser da nova operação LAVA RACHA. KKKK.

  4. Antonio Turci disse:

    Discordo do Presidente. Está muito cedo para dizer que não há corrupção no governo, até porque tem os estados e os municípios onde se royba muito. A LAVA JATO precisa continuar e ser, cada vez mais, FORTALECIDA

  5. Rodrigo disse:

    O presidente só disse o óbvio, que a lava jato iniciou por causa de casos de corrupção nos governos anteriores e que não apareceu nenhum escândalo do tipo no governo dele, mas o povo do analfabetismo funcional escuta uma coisa e entende outra.

    • Biro biro Fake disse:

      Hey Michelle, conta aqui pra nós A grana que entrou na sua conta é do Queiroz?

      Hey Michelle 7,5 Milhões desviados para ong e rachadinha como a do Queiroz?

    • Samuel Uel disse:

      Muuuuuuuuuuu.
      O gado tá feliz por ter um petista no STF.
      Kkkkkkkk

      Bovinada patética

    • Devolva o Brasil para os Índios disse:

      Amigo, vc compra pano no metro ou no kilo?

  6. Manoel disse:

    O MINTOmaníaco só fala verdades talkei! Muuu

    • Joaquim disse:

      Você não sabe o que é real ou versão, muito menos o que é falso ou verdadeiro.
      Sua cegueira ideológica impede que faça qualquer distinção, só repete o que escuta da companheirada. Tá ruim? Vá para Argentina que se lança nos braços da igualdade social socialista/comunista, com fez a Venezuela e Cuba. Lá todos são iguais, na miséria!
      Viva a igualdade!

  7. Chico 100 disse:

    Quem ainda tem dúvidas de que é um asno? Kkkkkklk

  8. Devolva o Brasil para os Índios disse:

    Pessoal precisamos mandar retirar a tornozeleira do Queiroz, o presidente já decretou, ñ existe mais corrupção no seu governo, isso é uma injustiça, um desrespeito com um senhor de idade doente. Vamos fazer uma campanha, QUEIROZ LIVRE.

    • Augusto disse:

      Queremos também LULADRAO livre, e que todos os processos contra ele de BILHÕES de reais sejam apagados.

    • Devolva o Brasil para os Índios disse:

      Lula não, esse pode deixar preso. Nos queremos apenas o QUEIROZ LIVRE, sem o Queiroz com quem nosso presidente irá pescar, beber uma cervejinha, fazer um pequeno empréstimo, desabafa….

  9. Fernando disse:

    Moro não dá ponto sem nó, daqui a pouco chegam micheque, agora michong

Coordenador da Lava Jato no PR diz que operação está ‘em pleno vapor’ e ainda tem muitos crimes para revelar ao país

Foto: Reprodução / WhatsApp

O procurador da República Alessandro Oliveira afirmou que a 76ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta quarta-feira (7), prova que a operação está em “pleno vapor” e ainda tem muitos crimes para revelar ao país.

Oliveira, atual coordenador da Lava Jato no Paraná, explicou que o esquema que levou agentes da PF (Polícia Federal), Receita e MPF (Ministério Público Federal) às ruas nesta quarta-feira busca mais provas de desvios de mais de R$ 45 milhões aos cofres da Petrobras.

Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em três locais no Rio de Janeiro.

“A Operação Lava Jato, apesar de ter descortinado um megaesquema de corrupção, ainda está em pleno vapor e ainda tem um amplo horizonte de práticas ilícitas a serem descobertas, a serem desveladas”, afirmou o procurador em vídeo.

Segundo as investigações, funcionários da estatal recebiam propinas de companhias estrangeiras em troca de garantir a elas o abastecimento de navios da Petrobras em portos no exterior.

Sequência de derrotas

A declaração do procurador não é à toa. Neste ano, a Lava Jato sofreu duras derrotas que colocaram em risco a continuidade da operação.

Primeiramente, o procurador-geral da República, Augusto Aras, crítico dos procedimentos da Lava Jato, exigiu que os documentos de todas as investigações da força-tarefa fossem compartilhados com ele, o que irritou os procuradores, que acabaram ganhando no STF (Supremo Tribunal Federal) o direito de manterem os dados no Paraná.

Também em 2020, o ex-coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, deixou o cargo alegando problemas pessoais. Ele vinha sendo bastante pressionado por setores do próprio Judiciário e chegou a ser advertido pelo Conselho Nacional do Ministério Público por ter postado críticas a Renan Calheiros durante a eleição do Senado, em 2018.

A terceira derrota do ano ocorreu com a Lava Jato de São Paulo, na qual a equipe de procuradores pediu demissão após se sentir ameaçada pela atuação de uma das integrantes do grupo, ligada a Aras.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Observando. disse:

    Inocente. Quando chegar no Procurador Aras arquiva tudo. Quando chegar no novo ministro STF arquiva tudo. Ta tudo dominado pelo centrao. O Mito ta preocupado com seus filhos. Lava jato ja morreu faz tempo.

Wassef e mais 4 viram réus na Lava Jato por peculato e lavagem de dinheiro

Foto: Rede Globo

A Justiça Federal do Rio de Janeiro aceitou uma denúncia de peculato e lavagem de dinheiro contra o advogado Frederick Wassef, que já representou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o filho mais velho dele, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Com isso, Wassef se tornou réu. A Operação E$quema, desdobramento da Lava Jato, investiga desvios na Fecomércio-RJ. A denúncia foi aceita pela juíza federal substituta Caroline Vieira Figueiredo.

Também se tornaram réus, pelos mesmos crimes:

Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio-RJ;

Marcia Carina Castelo Branco Zampiron, advogada;

Luiza Nagib Eluf, advogada.

Marcelo Cazzo, empresário

A denúncia mira um suposto esquema de tráfico de influência envolvendo grandes escritórios de advocacia e encontrou movimentações suspeitas nas contas do escritório de Wassef, que teriam sido desviados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ).

Em nota enviada quando foi denunciado, Wassef disse que “estão criminalizando a advocacia no Brasil”, que nunca teve relação comercial com a Fecomércio e que nunca negociou com eles. Segundo Wassef, a denúncia é baseada em “absolutamente nada” contra ele (veja a íntegra da nota e o que dizem os outros citados no fim da reportagem).

Jair e Flávio Bolsonaro não são investigados nessa operação.

Wassef seria informante

O G1 apurou que Wassef foi contratado para atuar como uma espécie de informante de Orlando Diniz, pressionando pessoas e fazendo apurações paralelas. Segundo um depoimento colhido pelos investigadores, o advogado foi contratado por sua habilidade para lidar com escrivães de polícia.

Não está claro para os investigadores se Luiza Nagib Eluf teria contratado Wassef com anuência dos outros envolvidos nem se o serviço, de fato, foi prestado.

Segundo a denúncia, o ex-advogado de Bolsonaro recebeu R$ 4,5 milhões por meio do escritório de Luiza Eluf. Os investigadores querem saber se o dinheiro foi empregado para alguma atividade concreta.

Além de Wassef, foram alvos de busca e denunciados os advogados Cristiano Zanin e Roberto Teixeira, que defendem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (que não é investigado), e Eduardo Martins, filho do atual presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins.

A Justiça Federal aceitou a denúncia contra Zanin, Teixeira e Eduardo Martins e os tornou réus. Na ocasião, Zanin e Wassef negaram irregularidades. A equipe de reportagem não conseguiu contato com Martins.

O que dizem os citados

Wassef (nota enviada no dia da denúncia; nesta quarta, ele ainda não se posicionou): “Estão criminalizando a advocacia no Brasil. Eu não tenho e nunca tive qualquer relação comercial com a FECOMERCIO, não fui contratado por eles, não recebi um único centavo desta entidade e jamais negociei com eles. Fui contratado e prestei serviços advocatícios a um renomado escritório de advocacia criminal de São Paulo, em que a dona é uma famosa procuradora do Ministério Público de São Paulo, conhecida por ter dedicado toda sua vida e carreira a instituição Ministério Público e o combate ao crime, tratando-se de pessoa pública, íntegra, proba e de idoneidade inquestionável. Os serviços advocatícios foram devidamente prestados, os honorários foram declarados à receita federal e os impostos pagos. Após dois anos de investigação da Fecomercio, jamais fui intimado ou convocado por qualquer autoridade a prestar qualquer esclarecimento. Desde o início da referida operação “esquema” não fui investigado e ao final não fui denunciado, pois sempre souberam que jamais participei de qualquer esquema. Estranhamente após a denúncia de todos os advogados citados na referida operação sofri uma busca e apreensão em que nada foi apreendido por não terem encontrado qualquer irregularidade e mais estranhamente ainda resolveram oferecer uma denúncia relâmpago, isolada, baseada em absolutamente nada contra minha pessoa. A denúncia do Ministério Público Federal é inepta e não descreve qualquer conduta praticada por mim ou mesmo qualquer crime, tendo se limitado a narrar simplesmente pagamentos de honorários advocatícios por serviços devidamente prestados, inovando no Brasil, transformando o regular exercício da advocacia em crime, de forma irresponsável e sem medir as consequências de dano de imagem e reputação a minha pessoa. Nunca em minha vida respondi a qualquer processo ou fui investigado, sempre tive um nome limpo e sequer em 28 anos de advocacia tive uma única representação em meu desfavor perante a Ordem dos Advogados do Brasil.”

Luiza Eluf: “A advogada Luiza Eluf lamenta profundamente a genérica decisão da Justiça Federal. Luiza foi denunciada sem jamais ter sido ouvida pelos procuradores da República. Ela reafirma com veemência sua inocência, confiante de que comprovará sempre ter trabalhado de forma correta e transparente, e não permitirá que falsas acusações maculem sua vida pública. As advogadas Izabella Borges e Maíra Fernandes, defensoras de Luiza Eluf, acreditam que esta perseguição é fruto da chamada Justiça do espetáculo, que é extremamente danosa ao nosso país. Luiza Eluf reforça que não praticou crime algum, que o serviço foi prestado conforme contrato, as notas emitidas, os tributos recolhidos.”

A defesa de Orlando Diniz diz que vai se manifestar nos autos do processo.

O G1 tenta contato com os outros citados.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Samuel Uel disse:

    Advogado do Bozo, ex_carcereiro de Queiroz

Movimentações suspeitas de recursos supostamente desviados da Fecomércio-RJ: Lava Jato do Rio denuncia Wassef por peculato e lavagem de dinheiro

Foto: Rede Globo

O advogado Frederick Wassef, que já atuou na defesa da família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi denunciado pela Lava Jato do Rio de Janeiro por peculato e lavagem de dinheiro. A informação é do portal G1.

Segundo a denúncia, os procuradores encontraram movimentações suspeitas de recursos supostamente desviados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ).

A força-tarefa afirma que houve contratações com escopo contratual falso, “pois ou os serviços arrolados não foram prestados ou foram prestados no interesse exclusivo de Orlando Diniz (então presidente da Fecomércio), para, por exemplo, a perseguição de adversários pessoais”.

Metrópoles

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Braulio Pinto disse:

    E a boiada não diz nada?

  2. NARO NÃO SABE DE NADA disse:

    Amigos, familiares, advogado e aliados políticos envolvidos com ilícitos. Mas o importante é que Naro não sabia.

  3. Lucas disse:

    Será que vão colocar a AGU também pra trabalhar pro Wassef e tentar barrar a investigação?

  4. Cabo Silva disse:

    Para Anjo não perder as asas, bem que poderia abrir o bico…

Lava Jato denuncia Lula por lavagem de R$ 4 milhões em instituto; Palocci e Paulo Okamotto também denunciados

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil (13.jun.2016)

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná apresentou nova denúncia contra Lula. O ex-presidente foi acusado de lavagem de dinheiro por doações de R$ 4 milhões da Odebrecht para o Instituto Lula, entre dezembro de 2013 e março de 2014.

Segundo a denúncia, foram feitas quatro transferências de R$ 1 milhão no período. Segundo as investigações, a origem do dinheiro eram contratos obtidos na Petrobras por meio de fraude em licitações.

O dinheiro foi descontado do caixa-geral de propinas que a empreiteira mantinha em favor do PT, retirado da rubrica “Planilha Italiano” (referência a Antonio Palocci) e da subconta “amigo” (Lula).

A denúncia apresenta como uma das provas a anotação “Doação Instituto 2014”, no valor de R$ 4 milhões. A Planilha Italiano guardava no total R$ 35 milhões para atender demandas do PT.

Os pedidos de liberação do dinheiro eram feitos por Palocci e os repasses eram autorizados diretamente por Marcelo Odebrecht, segundo as investigações.

Também foram acusados por lavagem, na mesma denúncia, Palocci e Paulo Okamotto, então presidente do Instituto Lula. O MPF pede que todos sejam condenados a reparar os cofres públicos com os R$ 4 milhões doados.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria disse:

    Três ladrões dos cofres públicos condenados, mas fora da cadeia. Só no Brasil mesmo.
    #BrasilJustiçaFajuta
    #PTNuncaMais
    #EsquerdaBandida

  2. Tarcísio Eimar disse:

    #LulaVoltaPraCadeia, não faço questão só da devolução do dindin, mas também do #LulaVoltaPraCadeia

  3. Chicó disse:

    Roubo pouco para Lula é bobagem !!! Saquearam o nosso país !!!

  4. Pedro disse:

    Desse forma Entregador De Pizza roedor, tu devia pedir para ir na mala dele para Curitiba, vc deve ficar tranquilo, o homem só gosta do que é bom, roupas de grife, apartamentos triplex, sítio com lago artificial e pedalinhos, as cuecas devem ser francesas, charutos cubanos, cachaça de Montes claros, vinho francês……kkkkkk o bicho é inteligente, consegui e continua enrolando muitos imbecis, só tem um problema, o bafo. Sim, esqueceu ligeiro das origens.

  5. Gustavo mafra disse:

    Não fale isso do bichinho não. A culpa é do bolsonaro.

  6. Augusto disse:

    #LULADRAOvoltapracadeia.
    Esse safado tem que voltar de onde nunca deveria ter saído.

  7. GUEDES disse:

    Creio que se juntar todos os ladrões que o Pais ja teve esse tal de lula ultrapasa todos, não existe não tem um so lugar que ele passou que não tenha roubado e eu que já votei nesta misera, ha tempo perdido sair de casa ,ficar en uma fila e chegar até a discutir para votar em um bandido deste

  8. Entregador De Pizza disse:

    Maior Presidente que esse país já teve. Presidente Lula tem meu respeito.

    • Priziaka disse:

      Maior ladrão e encantador de asnos que esse país já teve! Isso sim!

    • Josias disse:

      Isso!
      O maior presidente.
      Só meu camarada, que da maior quadrilha que assalta cofres públicos do mundo.
      Era pra está preso, esse safado.
      Há ladrões.

    • Fernando disse:

      Imagina a índole dos seus adoradores, não confio nem travestidos motoboy.

    • Chico disse:

      Nem na altura

  9. Edison Cunha disse:

    Há ladrão!!!

    #LulaVoltaPraCadeia

Lava Jato: PF cumpre mandados contra possíveis fraudes na Petrobras entre 2008 e 2011; prejuízo pode passar de US$ 18 milhões aos cofres públicos

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Policiais federais cumprem nesta quinta-feira (10) vinte e cinco mandados de busca e apreensão na 74ª fase da Operação Lava Jato. A ação busca aprofundar investigações sobre um possível esquema de fraudes em operações de câmbio comercial contratadas pela Petrobras com um banco situado em São Paulo, cujo nome não foi divulgado pela Polícia Federal.

Segundo a PF, transações de compra e venda de moeda estrangeira teriam totalizado mais de R$ 7 bilhões, entre 2008 e 2011, e causado um prejuízo de mais de US$ 18 milhões para os cofres públicos. Além de fraude em operações de câmbio, são investigados crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Não há cumprimento de mandados de prisão nesta fase.

Ainda de acordo com a PF, o esquema consistia em sobretaxar operações acima dos valores de mercado para aumentar o lucro do banco, mediante possível pagamento de propina a funcionários da Petrobras.

A PF ainda investiga a prática de lavagem de dinheiro feita através de movimentação de valores no Brasil e no exterior, mediante o uso de empresas offshore, subfaturamento na aquisição de imóveis e negócios, interposição de pessoas em movimentações de capitais e utilização de contratos fictícios de prestação de serviços firmados entre o banco e empresas dos colaboradores envolvidos.

Os mandados estão sendo cumpridos em São Paulo, Rio de Janeiro e Teresópolis (RJ). A Justiça determinou o bloqueio de ativos financeiros dos investigados em contas no Brasil e no exterior, até o limite de R$ 97 milhões.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Parabéns, PF, ministro da justiça e presidente pelo belo trabalho que vem fazendo, prendendo bandidos do PCC, do PT, traficantes , descobrindo fraudes, aprendendo drogas e armas, como nunca se viu antes no pais . É o caminho para um país melhor que infelizmente os esquerdopatas detestam.

  2. João Juca Jr disse:

    A investigação sobre a fraude na compra da refinaria de Pasadena ainda não levou ninguem à cadeia. Vamos aguardar.

  3. Pedro disse:

    Vixe ! 😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳😳 será que os inocentes do PT foram avisados de algo errado ou participaram desse esquema? 😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒😒

  4. Porto Mirim bicha encubad......... disse:

    AÍ!COMO Agente foi roubado Pelo PT.

  5. Incubado porto mirim vilagge flat disse:

    AÍ!COMO O BRASIL FOI ROUBADO NO Governo Do PT.

  6. João V disse:

    Mas o bozo não tinha acabado com a lava jato???

    • Lucas disse:

      Petista é muito burro.
      Isso foi no governo do PT.
      Entre 2008 e 2011.
      Kkkkkkk

      Com esse ódio cego, não conseguem nem ler a matéria.

    • LULA NUNCA ROUBOU..... disse:

      pelo menos sabes lê ?

  7. Arruda disse:

    E ainda tem gente que sente saudades desses tempos negros.
    É brincadeira um negócio desses.
    PQP…
    Vá entender a cabeça desse povo.

  8. Manoel disse:

    Ainda tá aparecendo rouba da dupla Lula/Dilma, é igual a cacimba de areia, quanto mais areia você tira mais areia aparece

  9. Luciana Morais Gama disse:

    Vou aguardar a manifestação nas ruas dos petroleiros sobre toda essa roubalheira. Com certeza eles vão protestar em defesa da Petrobras, ou vão se calar??

  10. GUEDES disse:

    Já Imaginaram se a quadrilha barbuda permanece no poder???????????????, a fome sem fim

    • Curiosa disse:

      E a quadrilha com a arminha na mão? Desviavam salários de funcionários fantasmas, imagine aí agora

  11. Antenado disse:

    Poço sem fundo.

Aras deve prorrogar nesta quarta a Lava Jato em Curitiba

Foto: Reprodução/TV Globo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, deve anunciar nesta quarta-feira (9) sua posição favorável à prorrogação dos trabalhos da força- tarefa da Lava Jato em Curitiba. A expectativa, porém, é que ele promova ajustes no funcionamento da força-tarefa, cujo prazo de trabalho atual termina na quinta (10).

Segundo interlocutores de Augusto Aras, ele deve seguir o que já havia prometido para um grupo de senadores, de que manteria os trabalhos da Lava Jato, principalmente a força- tarefa de Curitiba, alvo de críticas do próprio procurador-geral da República.

Aras critica o que classifica de atuação personalista dos procuradores que atuam na Lava Jato, sem seguir algumas regras comuns do Ministério Público. Ele costuma dizer que os procuradores têm autonomia, mas não podem trabalhar como se fossem de um órgão autônomo.

Integrantes das forças tarefas em Curitiba, São Paulo e Rio têm reclamado de que estão sendo alvos de uma operação de desmonte dos trabalhos de combate à corrupção.

Nos últimos dias, o procurador Deltan Dallagnol deixou o comando da Lava Jato em Curitiba, procuradores da força-tarefa em São Paulo pediram demissão coletiva e o coordenador da operação Greenfield, Anselmo Cordeiro Lopes, também pediu para deixar o posto.

Os procuradores da Lava Jato acreditam que os trabalhos da operação serão mesmo prorrogados, mas temem os ajustes que venham a ser feitos, que podem retirar os poderes deles no combate à corrupção.

Na semana passada, a conselheira Maria Caetana Cintra dos Santos, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, chegou a prorrogar por mais um ano a força- tarefa em Curitiba, atendendo a um pedido dos próprios procuradores. A decisão foi em caráter liminar e precisa ser submetida ao conselho, que volta a se reunir agora só em outubro.

Interlocutores do procurador-geral da República defendem, porém, que essa era uma decisão dele e que deve ser anunciada ainda nesta quarta.

BLOG DO VALDO CRUZ – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Edison Cunha disse:

    A Operação Lava Jato já foi prorrogada. Já faz mais de uma semana que foi comunicado.

Lava-Jato mira escritórios de advocacia acusados de desviar R$ 151 milhões do Sistema S; advogados de Lula acusados de lider esquema, e ex-advogado de Bolsonaro também é alvo de investigação

Orlando Diniz, presidente da Fecomércio Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (9) operação para investigar um suposto esquema de tráfico de influência no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no TCU (Tribunal de Contas da União) com desvio de recursos públicos do Sistema S.

Entre os alvos de mandados de busca e apreensão estão os advogados do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin e Roberto Teixeira, acusados de liderar o esquema. Os dois já se tornaram réus pelo caso.

O advogado Frederick Wassef, ex-defensor da família do presidente Jair Bolsonaro, também é alvo de busca e apreensão. Ele é alvo de investigação sob suspeita de peculato e lavagem de dinheiro numa outra frente de supostos desvios.

Agentes da Polícia Federal também têm como alvos escritórios de parentes de ministros do STJ e do TCU no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília. Entre eles firmas do ex-ministro César Asfor Rocha (STJ) e seu filho Caio Rocha, os advogados Eduardo Martins (filho do presidente do STJ, Humberto Martins) e Tiago Cedraz (filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz).

As medidas de busca e apreensão foram autorizadas pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Não há entre os investigados pessoas com prerrogativas de foro, como ministros de tribunais superiores.

De acordo com o Ministério Público Federal, os denunciados desviaram R$ 151 milhões do Sistema S, bancado com contribuição compulsória de empresas.

A origem da apuração foi a delação premiada do ex-presidente da Fecomércio, Sesc Rio e Senac Rio, Orlando Diniz.

De acordo com ele, os desvios começaram após o Conselho Fiscal do Sesc Nacional detectar em 2011 uma série de irregularidades na sua gestão no Sesc fluminense. O órgão federal era comandado por Carlos Eduardo Gabas, ex-ministro das gestões Lula e Dilma Rousseff.

Zanin e Teixeira foram procurados por meio do advogado Fernando Hargreaves no início de 2012. Em depoimento aos procuradores, Diniz declarou que o objetivo da contratação dos advogados era “comprar uma solução política”.

Neste primeiro momento, o valor cobrado foi de R$ 10 milhões, sendo R$ 1 milhão em espécie, pagos por meio do operador financeiro Álvaro Novis.

O ex-presidente do Sesc Rio diz que, após a contratação de Zanin e Teixeira, a batalha jurídica em que estava só se intensificou, exigindo repasses de mais recursos, incluindo outros escritórios de advocacia indicados pela dupla.

Diniz afirmou aos procuradores que ao longo do tempo identificou a instalação da “lógica do ‘quanto pior, melhor’, pois mais contratos iam sendo assinados e os valores iam aumentando”. O escritório de Zanin e Teixeira recebeu R$ 67,8 milhões no período sob investigação.

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro afirmam que os advogados indicados por Zanin e Teixeira receberam os valores sem prestar serviços.

A promessa era, segundo o Ministério Público Federal, influenciar decisões no Judiciário em favor de Diniz, que enfrentava à época uma batalha jurídica para permanecer no comando das três entidades.

Para indicar a ausência de serviço, os investigadores usam como base as respostas dadas pelos escritórios à auditoria interna pela nova gestão da Fecomercio após a prisão de Diniz, em 2018. A entidade questionou as bancas quais serviços foram prestados para justificar o valor pago.

As respostas foram vagas na maior parte das vezes, segundos os investigadores. Em alguns processos indicados pelos escritórios, a única atuação comprovada era a juntada de uma procuração, enquanto a defesa se dava por meio do escritório de Zanin e Teixeira ou, em outro momento, pelo de Ana Basílio.

A investigação do Ministério Público Federal se deve ao fato de, embora instituições privadas, Sesc e Senac são bancados por meio de contribuição compulsória de empresas.

Os valores são cobrados e recolhidos pela Receita Federal. Em razão disso, as duas entidades —chamadas de paraestatais pela Procuradoria– devem respeitar regras semelhantes às de licitações públicas, ainda que com exigências específicas.

Os procuradores afirmam, porém, que Zanin e Teixeira montaram, junto com Diniz, uma estrutura jurídica para que todos os recursos do Sesc/Senac Rio fossem repassados aos escritórios por meio da Fecomércio, entidade privada que não é submetida à fiscalização do Conselho Federal, do TCU (Tribunal de Contas da União) e da CGU (Controladoria Geral da União).

O esquema montado, segundo o MPF, permitiu que os recursos cobrados das empresas fossem usados para a contratação de escritórios sem qualquer critério para a definição de preços e sem concorrência.

Embora os contratos sempre fossem assinados pela Fecomercio, o interesse discutido sempre foi particular de Diniz na batalha jurídica pelo controle do Sesc/Senac Rio.

O MPF aponta que a desproporção dos valores pagos a mando de Diniz é confirmada pelo fato da Fecomércio ter sido o principal cliente de quase todos os escritórios envolvidos no esquema. De 2013 e 2016, o valor pago pela entidade ao Teixeira e Martins Advogados é 15 vezes o pago pelo segundo principal cliente do escritório.

Para os investigadores, a atuação criminosa de Zanin foi corroborada por meio de emails obtidos em quebras de sigilo telemático autorizados pela Justiça Federal, anotações apreendidas com dirigentes da Fecomércio e documentos de uma auditoria da entidade sobre a prestação de serviços dos escritórios.

Diniz foi preso em 2018 na Operação Jabuti, que investigou o pagamento de propina do ex-presidente da Fecomércio para o ex-governador Sérgio Cabral por meio da contratação de funcionários fantasmas na Fecomercio.

Ele foi denunciado sob acusação de lavagem de dinheiro, corrupção e participação em organização criminosa junto com Cabral. Ele usou, segundo o Ministério Público Federal, operadores do emedebista para “branquear” recursos ilegais.​

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Juca Jr disse:

    Acho é pouco. Tomara que todos sejam presos.

  2. Eli disse:

    Bozo é esperto…queimou o advogado de Lula e de quebra deu um cala boca no seu ex-advogado. Se o tal Frederick Wassef abrir a boca, vai pra cadeia.
    Xeque mate.

  3. Um brasileiro disse:

    A cada dia que passa, tenho certeza que esses políticos são todos iguais e o pior é a idolatria a eles.

  4. Fernando Oliveira disse:

    BG, o texto afirma "Os valores são cobrados e recolhidos pela Receita Federal.", na verdade os valores são recolhidos pelo INSS, o que não muda muito as coisas, é interessante os advogados do ex-presidente envolvidos, eles não precisam deste R$ já recebem fortunas do larápio mor, ou será que estes valores estavam pagando a defesa do meliante?

  5. riva disse:

    O que MACUNAÍMA(LULA) dirá?

  6. mane disse:

    Zanin, advogado de lula, será que comprava sentenças com essa montanha de dinheiro desviado??? Cade a milicia do PT na internet pra responder?

    • Tiago disse:

      Vc conseguiu ler que o advogado do Bolsonaro tb está envolvido ?? Quase todos os políticos são corruptos. Entendam isso! Não existe mito! Existem corruptos que fazem de tudo p permanecer no poder!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Alguns brasileiros não estão cegos, estão CAOLHOS de paixão pelos seus políticos queridos, kkkk.

Wassef, Zanin e outros advogados de políticos são alvos da Lava Jato

PF cumpre mandados da Lava Jato na Zona Sul do Rio — Foto: Reprodução

Os advogados Frederick Wassef (que representou a família Bolsonaro), Cristiano Zanin (Lula) e Ana Tereza Basílio (Wilson Witzel) são alvos de nova fase da Operação Lava Jato, nesta quarta-feira (9). Bolsonaro, Lula e Witzel não são investigados nesta operação.

A Operação E$quema S investiga desvios de pelo menos R$ 150 milhões do Sistema S do RJ por escritórios de advocacia no Rio e em São Paulo, para propinas a agentes públicos.

A operação é baseada em uma delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da seção fluminense do Sistema S — que engloba Fecomércio, Sesc e Senac.

O juiz federal Marcelo Bretas expediu 50 mandados de buscas e apreensões — não há mandados de prisão — e aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), tornando rés 26 pessoas (veja a lista abaixo) . O MPF não informou todos os alvos das buscas desta quarta.

Equipes da força-tarefa cumpriam os mandados no Rio, em São Paulo e no Distrito Federal.

A Lava Jato apurou que as entidades do Sistema S teriam destinado pelo menos metade do seu orçamento anual a contratos com escritórios de advocacia.

A força-tarefa aponta que a Fecomércio-RJ gastou R$ 355 milhões a pretexto de advocacia, “por serviços supostamente prestados”, dos quais “ao menos R$ 151 milhões foram desviados”.

Réus na E$quema S

Adriana Ancelmo
Ana Tereza Basílio
Antônio Augusto de Souza Coelho
Caio Cesar Vieira Rocha
Cristiano Rondon Prado de Albuquerque
Cristiano Zanin Martins
Daniel Beltrão de Rossiter Correa
Edgar Hermellino Leite Júnior
Eduardo Filipe Alves Martins
Eurico de Jesus Teles Neto
Fernando Lopes Hargreaves
Flávio Diz Zveiter
Francisco Cesar Asfor Rocha
Hermann de Almeida Melo
Jamilson Santos de Farias
João Cândido Ferreira Leão
José Roberto de Albuquerque Sampaio
Leonardo Henrique Magalhães de Oliveira
Marcelo Henrique de Oliveira
Marcelo José Salles de Almeida
Marcelo Rossi Nobre
Orlando Santos Diniz
Roberto Teixeira
Sérgio Cabral
Tiago Cedraz Leite Oliveira
Vladimir Spínola Silva

Investigação por suspeita de corrupção

Diniz já havia sido preso, em 2018, em desdobramento da Operação Lava Jato no Rio. No mesmo ano, porém, o ex-executivo foi solto por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Por volta das 6h, os policiais chegaram em um endereço na Rua Urbano Santos, na Urca, e na Avenida Visconde de Albuquerque, no Leblon, ambos na Zona Sul da cidade.

Pouco depois, os policiais estiveram em um endereço na Avenida Prefeito Dulcídio Cardoso, no condomínio Golden Green, na Barra da Tijuca. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio.

O ex-empresário foi detido por suspeita de lavagem de dinheiro, corrupção e integrar organização criminosa.

Um dos crimes investigados na época era a contratação de “funcionários fantasmas” pelo Sesc e pelo Senac (ligados à Fecomércio). Por exemplo, uma chef de cozinha para o Palácio Guanabara e uma governanta do ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Elas recebiam salários pelas entidades.

Diniz ficou quatro meses preso. Em junho, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes concedeu habeas corpus ao ex-empresário.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Juca Jr disse:

    Aguardem artigos de Kakay e Lenio Streck criticando a Operação e defendendo os "doutos" que ganharam apenas R$ 355 milhões. Aguardem GM invalidando toda a operação.

  2. riva disse:

    Quando Macunaíma(LULA) arrota declarações, vem merda atrás. É uma sina triste.

  3. Antônio Soares disse:

    Pega fogo cabaré.
    É muito bandido, travestidos de defensores da moral e dos bons costumes. Exemplo é esse Zanini, defensor do maior corrupto da história mundial, claro que um safado desse tá tirando proveito e muito dessa situação.

  4. Incubado porto mirim vilagge flat disse:

    Aí que loucura não escapa um.

  5. Antônio Soares disse:

    Eita que hoje o ministro dor de barriga, Gilmar Mendes, vai ter muito trabalho pra soltar seus cúmplices.

Aras diz que debandada do grupo da Lava Jato em São Paulo é ‘briga interna’

Foto: Reprodução GloboNews

O procurador-geral da República, Augusto Aras, disse ao blog nesta quinta-feira (3) que a PGR não tem relação com a debandada da força tarefa da Lava Jato em São Paulo. “É uma questão interna do MP [Ministério Público] de SP”.

Perguntado se a decisão dos procuradores não tinha relação com a saída de Deltan Dellagnol da coordenação da força-tarefa em Curitiba, Aras negou: “Briga interna no MP de São Paulo.”

Ao pedir demissão, o grupo de sete procuradores explicou existir “incompatibilidades insolúveis” com a procuradora natural dos casos da Lava Jato, Viviane Martinez, que era a chefe dos demais procuradores, mas não atuava diretamente nos processos da força-tarefa.

Para os procuradores, Viviane estaria dificultando o andamento das investigações e enviando para outras divisões os casos da força-tarefa. Ela teria adotado o entendimento de que várias das investigações em curso em São Paulo não deveriam tramitar no estado. A conduta da chefe inviabilizou os trabalhos, segundo os procuradores.

Aras disse que não haverá interferências no trabalho da procuradora Viviane Martinez, que ficou responsável pelo caso. “Ninguém vai se meter. Se ela vai chamar novos colegas para a equipe, é com ela. O que posso lhe dizer é que o apoio ao combate à corrupção continua.”

BLOG DA ANDRÉIA SADI – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Juca Jr disse:

    É inacreditável a ambição deste homem. Quer destruir a Operação Lava Jato para atender a seus amigos do PT e por tabela, agradar aos filhos do presidente da república. Tudo com vistas a uma vaga no STF. Atuação vergonhosa!

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Político corrupto nunca esteve tão tranquilo como no governo Bolsonaro.
    MORO 2022

  3. Eu disse:

    Então se mexa para que a força tarefa não acabe, ou vai só ficar vendo o circo pegar fogo? Qual o seu interesse no fim da operação?

  4. François Cevert disse:

    Parece que aquela idéia de combater a corrupção ficou só na idéia mesmo. Tudo isso por uma vaga no STF… 'Olha uma vaga no STF aí…. Quem vai querer?' JMB.

    • Delano disse:

      Só o pt e apaniguados devolveram dinheiro roubado, ou será se eles irão ser ressarcido do dinheiro roubado e entregue aos cofres público?

  5. Zanoni disse:

    Um PGR que se alinha com quem quer acabar com uma operação que ajudou a descobrir vários criminosos? Quem nomeou esse PGR? Será que descobriremos uma fábrica de chocolates da Copenhagen? Vocês que idolatram Lula e Bolsonaro são mais dignos de misericórdia que qualquer um. Precisam estar sempre alienados por algo.

Moro nega ‘segredos ilícitos’ da Lava Jato em resposta a Augusto Aras

Foto: Joédson Alves/EFE – 24.04.2020

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro afirmou desconhecer “segredos ilícitos no âmbito da Lava Jato”, nesta quarta-feira (29), em resposta ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

Durante um debate virtual com advogados, na terça-feira (28), o magistrado disse que a operação teria sofrido “desvios” e que o momento era de corrigir os rumos para que o “lavajatismo não perdure”.

“Desconheço segredos ilícitos no âmbito da Lava Jato. Ao contrário, a Operação sempre foi transparente e teve suas decisões confirmadas pelos tribunais de segunda instância e também pelas Cortes superiores, como STJ e STF”, escreveu Moro no Twitter.

Aras criticou ainda o conceito do lavajatismo e pregou o retorno ao combate da corrupção como se fazia antigamente. “O etmo, segundo o qual, o ‘ismo’ significa alguma hipertrofia, um desvio. Então, o lavajatismo já revela que alguma coisa não vai bem nessa figura. E esse conceito lavajatismo há de ser superado pelo natural, bom e antigo enfrentamento à corrupção”, disse.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JATO SUJO disse:

    Estão sujando a ficha da Lava jato e limpando a de Lula. Kkkk. Lula vem em 2022.

  2. Gustav Mahler disse:

    Chega a ser ridículo, risível, se falar em "bom e antigo enfrentamento à corrupção", "como se fazia antigamente". Como se fazia antigamente? Engavetando denúncias, deixando ações prescreverem, investigando mal, sendo conivente com "chicanas jurídicas", etc. As unicas ações penais que puniram a corrupção no Brasil foram as do Mensalão e as do Petrolão. O resto, como antigamente, resultou em impunidade.

  3. Pepe disse:

    Estão querendo tirar MORO do páreo,estâo querendo acabar com a lava jato,estão querendo a volta da impunidade…

  4. Jeilson Nunes disse:

    Tudo isso se chama "medo", o novo engavetador da publicação, está fazendo aquilo que o seu senhor manda, tentar encontrar algo que possa comprometer Sérgio Moro, que é o único que pode derrotar o projeto de Bolsonaro para 2022, basta ver as pesquisas. Além do mais, quando Queiroz começar a falar, ai sim a coisa vai ficar feia!!

    • De olho👀 disse:

      O chefe dele morre de medo de enfrentar Moro nas próximas eleições. Prefere mesmo absolver Lula e o PT, pois os considera adversários mais fáceis.

  5. Observador disse:

    Mais estranho ainda seria se Moro soubesse. Não bastava ser o "orientador" da república de Curitiba, ainda queria saber todos os segredos?

  6. Queiroz disse:

    Nesse briga entre o Moro e o Aras
    eu torço pela briga.

  7. Direita Honesta disse:

    Se não há "segredos ilícitos", por que essa turma da Lava Jato está brigando (foram ao STF) para não apresentar ao Procurador Geral da República (o chefe daquela instituição) os dados referentes às investigações? Ué?

    • Manoel disse:

      Então, você que é da "direita honesta" (como se honestidade tivesse lado!), deve ser contra os trocentos recursos que Flávio Bolsonaro usa para barrar e atrasar as investigações da rachadinha né?! Afinal, se ele e o pai são inocentes, por que usar tantos recursos ? Deixa investigar também?

    • Direita Honesta disse:

      Olha, rapaz, se incomode com sua vida e deixe meu pseudônimo em paz, ok? Crie um prá vc. Quanto ao seu questionamento, não consiga ver a relação que vc está forçando entre os dois casos. O caso do senador tem a ver com direitos individuais tais como direito à privacidade, sigilo bancário e de comunicações, dele e de muitas outras pessoas. No caso referente ao artigo acima, trata-se de uma pendenga envolvendo membros da auto-intitulada Operação Lava Jato e o Procurador Geral da República, onde aqueles estão se negando a entregar ao chefe da instituição à qual pertencem os resultados das investigações que efetuaram. Não estão defendendo nenhum direito fundamental com previsão constitucional, como é o caso do senador. Em outras repartições, tal rebeldia seria tratada como insubordinação. No MP, no entanto, embora não haja relação de subordinação entre seus membros, o chefe desse órgão público tem todo o direito de saber o que se passa na instituição que chefia. Não obstante, os membros "rebeldes" recorreram ao STF para evitar mostrar o que fizeram. Por que tanto medo? O que fizeram de errado que não querem mostrar? A obsessão que pessoas como vc demonstram em atacar o presidente e seus familiares certamente torna muito difícil sua análise dos fatos.