Política

CPI da Covid: representante da Davati nega qualquer pedido de favorecimento na compra das vacinas e diz que declarações de Dominghetti são ‘fantasiosas’

Foto: Reprodução/CNN Brasil

A CPI da Pandemia ouve agora o representante oficial da Davati Medical Supply no Brasil, Cristiano Carvalho, na condição de testemunha. O empresário deve ser questionado acerca do suposto caso de propina envolvendo a compra de vacinas AstraZeneca contra a Covid-19.

Carvalho adiantou à analista da CNN Renata Agostini o que pretende falar aos senadores. De acordo com o empresário, a participação dele nas tratativas para o negócio bilionário começou no início de fevereiro com telefonemas feitos a ele por Roberto Dias, então diretor de Logística do Ministério da Saúde. Durante seu depoimento, Dias chegou a ser preso pela CPI da Pandemia.

Segundo Carvalho, as tratativas para compra dos imunizantes foram encerradas em 15 de março, com a demissão de Eduardo Pazuello do comando da pasta. As revelações do suposto pedido de propina partiram do revendedor de vacinas e PM, Luiz Paulo Dominghetti. Segundo seu depoimento à CPI, ele recebeu o pedido de Roberto Dias em um restaurante em Brasília no dia 25 de fevereiro – Dias nega qualquer pedido de favorecimento na compra das vacinas.

Roberto Dias foi quem me procurou, diz representante da Davati

Durante as perguntas do relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), Carvalho revelou que foi procurado pelo então diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, no dia 3 de fevereiro.

“O valor US$ 1 nunca foi mencionado a mim. Até porque é um valor tão absurdo que ele não iria falar. Roberto dias entrou em contato comigo no dia 4 de fevereiro pela primeira vez”, disse à CPI.

Carvalho então passa a ler as mensagens enviadas por Dias a ele. “Eu, através do meu advogado, fiz uma perícia no meu celular e isso já foi entregue à CPI com todo esse conteúdo. A minha intenção é deixar tudo bem claro e vocês vão verificar que nunca entrei em contato com o Ministerio da Saúde, eles que me procuraram através de Roberto Dias.”

Segundo ele, a palavra “propina” nunca foi mencionada, mas sim “comissionamento”. Carvalho revelou ainda que sabia do encontro no restaurante em 25 de fevereiro. “Eu sabia que ele ia se encontrar com os integrantes do Ministério. Ele sempre falou muito do nome do Dias. Depois do jantar eu recebi um telefonema do Rafael Alves falando que tinha concluído o jantar e tinha sido muito bom.”

“A informação que veio a mim não foi propina e sim comissionamento. Ele disse que esse comissionamento seria de Coronel Blanco e do Odilon. Ele [Dominghetti] falou ‘grupo do Blanco [Coronel Blanco]'”, disse.

Carvalho: declarações de Dominghetti são ‘fantasiosas’

Segundo Carvalho, as declarações do revendedor de vacinas e PM, Luiz Paulo Dominghetti, são “fantasiosas”. Ele afirmou que nunca se apresentou a Dominghetti como CEO da Davati no Brasil.

Em vídeo exibido durante a sessão, Dominghetti relata que “havia acordo inicial verbal e eu tinha o consentimento dele [Cristiano] para representar a Davati nessa negociação com o Ministério. O Cristiano que solicitou a minha inclusão na proposta do Ministério ao CEO da Davati, Sr. Herman”. Ele disse isso durante seu depoimento à CPI em 1º de julho.

“Elas [declarações] são fantasiosas, a propria empresa desmentiu em nota oficial. algumas coisas fantasiosas como o caso do envolvimento do nome da primeira-dama. se criou um folclore das pessoas envolvidas, com ceo, primeira-dama e presidente. talvez ele não tenha feito por mal, mas nunca me apresentei a ele como CEO da Davati, eu era só um vendedor da Davati, como outros no Brasil”, disse Carvalho.

Cristiano Carvalho: Não recebi ou compactuei com pedido de propina

Durante sua fala inicial, o representante oficial da Davati Medical Supply, Cristiano Carvalho, afirmou que não recebeu ou compactuou com supostos pedidos de propina. Ele ainda afirmou que chegou à CPI “de peito aberto”.

“Todas as perguntas que forem sobre a negociação entre a Davati e o Ministério da Saúde, em especial entre Roberto Dias e Coronel Blanco eu estou aqui pra tirar todas as duvidas dos senadores e da opinião publica”, disse.

O revendedor da Davati e PM, Luiz Paulo Dominghetti, afirmou à CPI que o então diretor da divisão de importação do Ministério da Saúde, Roberto Dias, havia pedido US$ 1 de propina por dose – Dias nega.

“Atuei somente como vendedor no Brasil. Não compactuei com pedido de propina ou coisa parecida. Não presenciei e não tenho nada para narrar sobre isso. Todas as perguntas factíveis a negociações do Ministério da Saúde e empresa Davati me comprometo a responder sem deixar nada em aberto”, disse Carvalho.

“Estou dispondo aqui pra ser protocolado todas as documentações, e-mails, WhatsApp, que foram trocados durante esse tempo. Vamos fazer uma linha do tempo pra ficar claro para os senhores verificarem que atuei somente como um vendedor aqui no Brasil, não tive nenhum cargo remunerado ou coisa parecida”, completou o representante.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Vai ser outro dia que os patetas corruptos do naipe do Renan, vão sair com o rabo entre as pernas.
    Estão procurando um motor num jumento, não vão encontrar nunca, no máximo vão encontrar o mangote.
    Rsrsrs…

  2. Deve ser…🤔 Domingeth então deve ser um doido. Mas como um doido pode chegar tão longe? De repente ele vai parar numa mesa de restauranto com o terceiro escalão do MS oferecendo 400 milhoes de doses de vacina. Deve ser fantasia mesmo dele, acho que ele nem estava naquelas fotos… talvez seja uma montagem tb.

    1. Tudo é possível em se tratando de Brasil.
      Basta vê o que o STF fez pra beneficiar um ladrão condenado em duas instâncias.
      Eu disse em duas instâncias.
      Uma decisão monocrática, mudou tudo.
      O jogo é bruto meu caro.
      Tem que está com a pulga atrás da orelha o tempo inteiro.
      Muitos perdem até a vida como foi o caso do Celso Daniel.

  3. Essa semana eu fui num boteco tomar uma cerveja e tomar um caldo de feijão, do nada apareceu um vendedor de vacinas e uns milicos em outra mesa..

  4. Segue a linha do minto: mentir. A empresa não produz vacina, não tem vacina, não é representante de quem produz vacina, mas oferece vacina. Por que o governo, que retardou a compra de outras vacinas oferecidas, como já foi comprovada na cpi, precisou de um intermediário e só assim deu todo gás para comprar a vacina oferecida por eles. Mas a empresa não ganharia nada, não pagaria propina, ninguém estava fazendo nada por interesse, mesmo tendo sido reservado hum bilhão para isso. Acham que todo mundo é bicho chifres.

    1. É burro ou mau caráter?
      Qual quer empresa estrangeira que não tiver CNPJ terá que eleger alguma empresa para representar aqui no Brasil

    2. E também precisa de uma outra pra receber o pagamento em um paraíso fiscal? Bicho de chifres.

    3. Perfeito Bolsovírus…
      As mentiras vão caindo uma a uma…
      Não à toa, o cagão nem caga mais…kkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI: Ex-diretor do Ministério da Saúde chama Dominguetti de ‘picareta’, diz que nunca pediu propina, afirma que nunca falou com Bolsonaro e filhos e reclama de ‘massacre’ da imprensa

Foto: Reprodução/TV Senado

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, chamou o policial militar e vendedor de vacinas Luiz Dominguetti de “picareta”. Dias, em seu depoimento à CPI da Covid, disse ainda que nunca pediu propina.

Dias deixou o cargo na semana passada, em meio à acusação de Dominguetti – que se apresenta como representante da Davati Medical Supply – de que em fevereiro, durante um jantar em Brasília, teria pedido propina de US$ 1 por dose de vacina da AstraZeneca, em uma negociação que envolveria 400 milhões de doses.

“Acerca da alegação do senhor Dominguetti, nunca houve nenhum pedido meu a este senhor. O mesmo já reconheceu à CPI que nunca antes daquela data havia estado comigo […] O senhor Dominguetti, que aqui nessa CPI foi constatado ser um picareta que tentava aplicar golpes em prefeituras e no Ministério da Saúde e durante sua audiência deu mais uma prova de sua desonestidade”, afirmou Dias.

Dias também refutou a denúncia do servidor da Saúde Luis Ricardo Miranda, que disse que sofreu do ex-diretor uma pressão atípica para aceleração da importação da vacina indiana Covaxin.

“Fui injustamente acusado de pressionar um funcionário e, como prova, foi demonstrada uma mensagem encaminhada às 20h de um sábado onde eu perguntava: como esta a LI da vacina? Essa é a única frase que me atribuem como prova de pressão. A mensagem nada se referia à Covaxin, até porque em um sábado à noite nada teria mudado. O teor da mensagem se referia à LI da Astrazeneca que chegaria no domingo”, continuou Dias.

Reunião em restaurante

Na versão de Dominguetti, Dias pediu a propina durante um encontro em um restaurante em Brasília.

Dias, por sua vez, contou que estava no restaurante com um amigo e Dominguetti apareceu, levado pelo coronel Blanco, assessor de Logística do ministério. Dias disse que não tinha nada marcado com Dominguetti e Blanco.

“No dia 25 de fevereiro, fui tomar um chopp com um amigo no restaurante Vasto em dado momento se dirigiu à mesa o coronel Blanco acompanhado de uma pessoa que se apresentou como Dominguetti. Feitas as apresentações, o senhor Dominguetti disse representar uma empresa que possuía 400 milhões de doses de vacina da fabricante AstraZeneca”, contou o ex-diretor.

Dias relatou à CPI que pediu para que Dominguetti enviasse ao Ministério da Saúde documentos provando que tinha oferta de vacina.

“Então, pedi que encaminhasse um pedido formal de agenda ao ministério que, em agenda oficial, se sua documentação fosse consistente, um processo seria aberto e encaminhado para a secretaria- executiva para providências. Uma vez que a ela cabia todas as negociações de vacinas contra a Covid-19”, conitnuou.

Por fim, Dias informou que a documentação de Dominguetti não era consistente e, por isso, o negócio não foi feito.

“Chegando ao ministério, o senhor Dominguetti foi atendido por mim na presença de outra servidora, os documentos se mostraram mais do mesmo, não havia carta de representação do fabricante”, concluiu.

Dias: Nunca falei com Bolsonaro ou com os filhos dele

Ao responder as perguntas do relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que nunca conversou com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ou com os filhos dele.

“[Não tenho relação] nenhuma com o presidente, conheço o presidente. O mais próximo que estive do presidente foi cerca de 5 metros. Nunca falei com ele ou com os filhos dele”, disse.

Ele também afirmou que nunca recebeu nenhuma orientação do gabinete da Casa Civil acerca de recomendações. “Nunca recebi nenhuma orientação formal ou informal”. Dias afirmou, no entanto, que devido a criação de um gabinete de crise, a Casa Civil “deve ter trocado ou mandado mensagem para mim ou para a caixa institucional do Dlog [departamento de logística] por força dos grupos que a gente participava”.

Dias afirmou que é servidor de carreira há mais de 20 anos e que vem sendo “massacrado” pela imprensa “sem que haja uma única prova ou indício que sustente tais alegações”. “Acerca da denuncia de Luis Miranda da Covaxin não tive participação nenhuma, me cabendo atos ordinários para a concepção do processo administrativo e questões logísticas. Friso: nunca houve pressão minha sobre o funcionário muito menos aquela mensagem retrata tal fato.”

Com G1 e CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. BG, estou com
    Pena desse rapaz. Ele está sendo literalmente massacrado. A cada pergunta csi em contradição. Como experiente investigador digo que ele não vai aquentar a pressão, está literalmente acuado e já começou a jogar a toromba para o coronel HÉLCIO, mais dias inquirições como essa de Rondolfe ela vai entregar a turma toda. O negócio está muito fedorento para o governo, como ex apoiador e votante em Bolsonaro, mais ou menos com CALÍGULA, já não acredito nesse governo. A Calígula sugiro : VEM PRA CÁ VICE TAMBÉM CACÁ , essa barca tá furada .

  2. E assim essa CPI do Lula, dominada por bandidos, vai passando vergonha e atirando no próprio pé.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI da Covid quebra sigilo bancário de Pazuello e diretor citado em denúncia de propina

A CPI da Covid aprovou nesta quarta-feira (30) a quebra do sigilo bancário, fiscal, telefônico e telemático do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do agora ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias.

A comissão já havia aprovado a quebra do sigilo telefônico e telemático do ex-ministro da Saúde, mas agora avançou para a transferência dos dados fiscais e bancários de Pazuello.

A transferência dos sigilos dos dados foi aprovada em meio a denúncias de irregularidades, cobrança de propina e pressões envolvendo a aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Apontado como um dos que pressionaram pela liberação da vacina indiana Covaxin, Roberto Dias foi exonerado na noite desta terça-feira (29), após o jornal “Folha de S. Paulo” publicar entrevista com o representante da Davati Medical Supply no Brasil, Luiz Paulo Dominguetti.

Ao jornal, o empresário disse que o diretor da Saúde pediu propina de US$ 1 por dose da vacina AstraZeneca para a empresa assinar contrato com o ministério.

Também foram quebrados sigilos de empresários, assessores do governo e representantes do chamado “gabinete do ódio”, um dos objetos de apuração da CPI. O blogueiro Allan dos Santos também foi um dos atingidos.

Sigilos quebrados

A CPI aprovou requerimentos com diferentes alcances sobre a transferência dos sigilos. Confira lista abaixo.

Tiveram aprovadas as quebras de sigilo bancário, fiscal, telefônico e telemático:

Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde

George da Silva Diverio, ex-superintendente do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro

Marcelo Batista Costa, coordenador-geral substituto de aquisições do Ministério da Saúde

Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde

Empresas Cefa-3 e Lled Soluções

Celso Fernandes de Mattos, sócio das empresas Cefa-3 e Lled Soluções

Fábio Rezende Tonassi, sócio das empresas Cefa-3 e Lled Soluções

Leneir dos Santos Oliveira, sócio da S P Serviços e Locação

Jean dos Santos Oliveira, sócio-administrador da S P Serviços e Locação

Tiveram os sigilos telefônico e telemático quebrados:

Marcos Eraldo Arnaud, o “Markinhos Show”, publicitário ligado a Pazuello

Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos

Carlos Eduardo Guimarães, assessor próximo à família Bolsonaro

Mateus de Carvalho Sposito, assessor no Ministério das Comunicações

Mateus Matos Diniz, assessor no Ministério das Comunicações

José Matheus Sales Gomes, assessor da Presidência

Tercio Arnaud Tomaz, assessor da Presidência

Lígia Nara Arnaud Tomaz, parente de Tercio

Allan dos Santos, blogueiro

Teve o sigilo bancário e fiscal quebrado:

A empresa S P Serviços e Locação

G1

Opinião dos leitores

  1. ATENÇÃO! NÃO HOUVE PROPINA!
    Simplesmente o governo ia receber um cashback de $1 dólar por vacina.
    Essa esquerda é mentirosa….kkkkkkkkkkkkk

  2. Já vi em vários sites que existe troca de e-mails citando o nome do genocida…
    Mourão já pode ir se aquecendo.
    Infartaço da boiada 🐂 vai ser em massa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI convoca Ricardo Barros e gestor afastado da Saúde citado em denúncia de propina por vacinas

A CPI da Covid aprovou nesta quarta-feira (30) a convocação do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), e do agora ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias. Ao todo, foram aprovadas as convocações de 21 pessoas (confira a lista abaixo).

Servidores do Ministério da Saúde e empresários do ramo farmacêutico também foram atingidos.

Com a medida, os senadores buscam avançar sobre o que chamam de uma nova fase de investigação. A cúpula da CPI avalia que há indícios de “desvio de dinheiro público no âmbito da administração federal”, nas palavras do relator Renan Calheiros (MDB-AL).

A convocação do líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros, acontece após depoimento dos irmãos Miranda à CPI. Segundo eles, houve pressão pela liberação da vacina indiana Covaxin, embora a área técnica do Ministério da Saúde tenha constatado irregularidades no contrato.

A suposta pressão e os indícios de fraude foram, segundo esse depoimento, relatados ao presidente Bolsonaro, que teria atribuído o caso ao deputado Ricardo Barros. Bolsonaro confirma ter se reunido com os irmãos, mas nega que eles tenham feito essas denúncias.

Apontado como um dos que pressionaram pela liberação da Covaxin, Roberto Dias foi exonerado na noite desta terça-feira (29), após o jornal “Folha de S. Paulo” publicar entrevista com o representante da Davati Medical Supply no Brasil, Luiz Paulo Dominguetti.

Ao jornal, o empresário disse que o diretor da Saúde pediu propina de US$ 1 por dose da vacina AstraZeneca para a empresa assinar contrato com o ministério. Dominguetti também foi convocado.

Roberto Dias deve prestar depoimento daqui a uma semana, na próxima quarta (7). Para o dia seguinte (8), ficou marcado o depoimento de Ricardo Barros.

A CPI aprovou, ainda, a realização de uma nova oitiva com o deputado Luis Miranda (DEM-DF) na próxima terça-feira (6). A reunião deverá ser secreta, já que Miranda “externou preocupação com a sua integridade física e de sua família”.

Lista de convocados

Foram convocados nesta quarta-feira:

Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados

Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde

Marcelo Bento Pires, coordenador de logística do Ministério da Saúde

Regina Célia Silva Oliveira, servidora do Ministério da Saúde

Thiago Fernandes da Costa, servidor do Ministério da Saúde

Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati Medical Supply no Brasil

Cristiano Alberto Carvalho, procurador da Davati Medical Supply no Brasil

Rodrigo de Lima, funcionário do Ministério da Saúde

Rogério Rosso, ex-deputado e diretor da União Química

Robson Santos da Silva, secretário de saúde indígena do Ministério da Saúde

Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos

Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos

Antônio José Barreto de Araújo Junior, ex-secretário executivo do Ministério da Cidadania

Danilo Berndt Trento, sócio da empresa Primarcial Holding e Participações LTDA

Emanuel Catori, sócio da Belcher Farmacêutica

Gustavo Mendes Lima, gerente de medicamentos da Anvisa

Luciano Hang, dono da rede de lojas varejistas Havan

Antonio Jordão de Oliveira Neto, médico

Adeílson Loureiro Cavalcante, ex-secretário executivo do Ministério da Saúde

Silvio de Assis, empresário

G1

Opinião dos leitores

  1. Vai ser divertida a inquirição desse picareta do Domingueti, ex cabo da PM que virou ‘representante’ que iria fechar uma compra de 7 bilhões de reais. Mas nem a Oxford tem preposto, nem a Davadi o tem como operador.

    1. Pois num é? Será mesmo que ele é o que você diz? E fazendo negócios com o Min. da Saúde? Como pode? Cadê a ABIN, tão bem informada? Acho que vai ser mesmo divertido escutar o que ele diz, mas mais divertido será ouvir as explicações mal arrumadas dos membros da quadrilha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Apresentação entre o governo e o vendedor nunca foi feita, e a discussão nunca avançou para um contrato”, diz empresa

À TV Globo, a Davati, com sede nos Estados Unidos, informou ter sido procurada por um de seus representantes no Brasil para que ajudasse a encontrar vacinas contra a Covid para o país.

Ainda na nota, a empresa afirmou que providenciou uma proposta ao governo federal a fim de assegurar vacinas, mas que nunca foi formalmente respondida.

“Portanto, a apresentação entre o governo e o vendedor nunca foi feita, e a discussão nunca avançou para um contrato”, acrescentou.

Foto: Reprodução

Com informações do G1

Opinião dos leitores

  1. Essa TV Globo é traiçoeira no meu caso por causa de algumas gravações com situações-emocionais problematicas e exposição indevida na televisión sem nada de autorização,uma tortura e humillación emocional me deixando com graves problemas mentais; psicológicos e psiquiátricos.

  2. A AstraZeneca esclareceu há bastante tempo que não utiliza intermediários e que suas negociações foram feitas diretamente com o Ministério da Saúde e a Fiocruz. Quanto à essa empresa, sediada no Texas-EUA, é já foi flagrada em outros países por negociações fraudulentas. Concretamente, não houve NADA de errado envolvendo o governo Bolsonaro até agora. Tudo isso são apenas narrativas mentirosas de corruptos aliados à grande mídia militante, TODOS com “saudades” do dinheiro público que recebiam aos montes na época da roubalheira do PT. Mas essas narrativas não duram 1 dia sequer, caem TODAS.

  3. Isso tudo vai acabar encontrando gente da esquerda que roubou não do governo kkkkkkkkkkkk são uns imbecis mesmos. A diferença é que se tiver coisa errada alguém vai pagar e sair do governo e não ser cumplice como o desgorverno dos petralhs faz.

  4. É melhor o gado se acalmar. As denúncias estão só começando. Bozo continua entalado, perdeu a voz, coitado.

  5. Roubo de dinheiro público é condenável em qualquer situação e provoca miséria e morte. Mas roubo de dinheiro da saúde em tempos de mais de 500 mil mortos é um absurdo. Deveria ser considerado crime hediondo e seus autores condenados à pena máxima permitida no país.

    1. Concordo. Portanto, como não houve nada de errado no governo federal, vamos investigar os governadores, principalmente os ligados ao tal Consórcio Nordeste, responsáveis pelo desvio de BILHÕES que receberam do governo Bolsonaro. No RN, por sinal, está começando uma CPI que tem muito a investigar.

  6. O gado tomando cloroquina e ivermectina, enquanto o governo bozo incentivava o negacionismo e negociava propina das vacinas. Ê vida de gado

  7. As narrativas da esquerda cai a cada dia. Querem retomar o poder a qualquer custo ( promessas de Dirceu). Não querem saber do povo brasileiro, mas de um projeto de poder como na Venezuela, Cuba. Países falidos, quebrados, povo amordaçado.

  8. Todos os ex ministros do gabinete civil dos governos do PT foram condenados por corrupção. Existem várias empresas parceiras do governo federal entre os anos de 2003 a 2016 que executaram obras fora do Brasil que denunciaram favorecimento pelo então governo do PT. O ex presidente do PT foi condenado e preso por corrupção.
    A esposa do ex presidente do PT deixou uma herança de R$ 72 milhões sem nunc ter trabalhado.
    Mas o ex presidente do PT sempre afirmou: “não sei de nada”.
    Quando um servidor concursado do ministério da saúde comete suposto crime, logo tudo que foi feito de forma individual é atribuído ao Presidente.
    Então como é essa conta, um que usou da corrupção como forma de governo, “não sabia de nada”, outro que fala a verdade e não pactua com corrupção é culpado por tudo. Essa diferença entre as situações demonstra que vivemos na justiça dos ditadores, não numa democracia, onde o culpado é inocentado e o inocente é culpado.

    1. Não há qualquer comparação entre o governo Bolsonaro e os governos corruptos do PT. Em NADA se assemelham. Lave sua boca antes de dizer tal asneira.

    2. Ricardo Barros rouba desde quando ocupou cargos nos governos da esquerda e continua roubando agora. Porque essa alma pura, esse santo chamado Bozo o tem como líder do governo? Porque já não o substituiu nas primeiras evidências de irregularidade? Porque Bozo está calado? Vista grossa, necessidade de apoio ou cumplicidade mesmo? E porque Flavio Bozo protagonizou contato entre empresario corrupto e o BNDES? A quebra de seu sigilo bancário será pedido pela CPI? Com a palavra, o gado imundo defensor de bandido.

    1. O que está claro é que existe um esquema de corrupção funcionando no governo para roubar recursos da pandemia. Seria o caso da PF realizar a ‘operação corona’ dentro do ministério da saùde, pois tem muita sujeira e muito roubo nesses ùltimos 15 meses. Esse esquema pode explicar o por quê de demorar tanto para adquirir as vacinas. Esse esquema precisa ser desbaratado e não é notinha tanto o seu da reta que vai quebrar o esquema, mas uma investigação minuciosa.

    2. O que está claro é que a esquerdalha continua a zurrar culpa sem prova
      o que está claro é que os zumbis continuam a zurrar baseado em narrativas, flagrantemente mentirosa
      o que está claro é que o desespero aumenta e as zurradas são cada vez mais alta, perdendo totalmente o senso de ridículo e da legalidade
      o que está claro é que a turma da zurra não quer democracia, só pensa no poder e impor sua ditadura em nome da democracia

  9. Faiou. Tudo não passa de narrativas soltas de gente querendo se dar bem financeiramente. Mas não tem pra que esse nervosismo todo. Lula ganha fácil em 2022.

    1. A melhor piada do dia.kkkkkkkkkkkkkkkkkkconta outra estou gostando.kkkkkkjk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Banco suíço confirma pagamento de 3,9 milhões de dólares em propina a José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, ex-presidentes das CBF

Foto: Nelson Almeida/AFP

O banco suíço Julius Baer confirmou à Justiça dos Estados Unidos, em documento de 41 páginas tornado público pelo Departamento de Justiça dos EUA que, “por volta de 2013, empresas controladas por José Maria Marin e Marco Polo Del Nero receberam, pelo menos, 3,9 milhões de dólares (R$ 20,1 milhões na cotação atual) em pagamentos de suborno por meio de contas mantidas no Banco”. A informação é do ‘ge’.

Em acordo feito com o as autoridades americanas, o Banco Julius Baer comprometeu-se a pagar 79,6 milhões de dólares (R$ 410,9 milhões) entre fiança e multa. Além disso, o banco admitiu ter lavado 36,3 milhões de dólares (R$ 187,4 milhões) para dirigentes envolvidos no ‘Caso Fifa’.

As propinas pagas eram feitas por agências que funcionavam como intermediárias na compra e venda de direitos de transmissão comerciais de competições.

José Maria Marin foi preso em 2015 na Suíça, sendo extraditado para os Estados Unidos. O ex-presidente da CBF voltou para o Brasil por conta da pandemia, e recorre da decisão em um Tribunal de Apelação nos EUA.

Del Nero, por sua vez, está banido de atividades relacionadas ao futebol desde 2018 pelo seu envolvimento com o caso. Apesar de ter sido indiciado nos EUA, não foi julgado por estar no Brasil, e recorre da decisão da Fifa no Tribunal Arbitral do Esporte, na Suíça.

Lance

Opinião dos leitores

    1. José Maria Marin amiguinho da esquerda? Cara, não estrague sua imagem

    2. Todos dois herdeiros da ditadura. Só gente boa naquele tempo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Aécio pede ao STF absolvição sumária em caso de suposta propina da Odebrecht e Andrade Gutierrez

FOTO: Jorge William | Agência O Globo

A defesa de Aécio Neves pediu ao Supremo a absolvição sumária do deputado em inquérito sobre suposta propina de R$ 65 milhões da Odebrecht e da Andrade Gutierrez.

A PGR ofereceu denúncia contra o mineiro no ano passado. Ele é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os crimes teriam ocorrido entre 2008 e 2011.

Segundo os investigadores, Aécio recebeu dinheiro das duas empresas como “contrapartida pelo exercício de influência e negócios da área de energia”, como o complexo hidrelétrico do Rio Madeira, com as usinas de Santo Antônio e Jirau, em Rondônia, pela Cemig e Furnas.

Em resposta ao Supremo, a defesa do deputado diz que, depois de quatro anos de investigações, “não há, rigorosamente, nenhum indício de qualquer irregularidade cometida por ele”.

Lauro Jardim – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Claro que o essetêefe vai dar!! Se soltou 2 Bandidos; um chefe do tráfico internacional de Drogas o outro um Ladrão condenado em 2as Instancias!

  2. Considerando a anulação das condenações do canalha, cachaceiro, analfabeto, corrupto e lavador de dinheiro de 9 dedos, chego a crer que seria justo para ele.

  3. Se até LULADRAO foi absolvido, o resto é fichinha. Solta logo tudo, e oficializa o brasil como o país dos ladrões e da corrupção.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS: Obras de arte, carros de luxo e helicóptero são apreendidos em fase da Lava Jato que investiga propina na Transpetro e lavagem de dinheiro

Operação Vernissage apreende obras de arte na casa de Marcio Lobão, filho do ex-ministro Edison Lobão Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF) cumpre, na manhã desta terça-feira (12) 11 mandados de busca e apreensão pela 79ª fase da Operação Lava Jato. Nesta fase, são investigados pagamentos de propina na Transpetro e operações de lavagem de dinheiro por meio da negociação de imóveis e obras de arte.

Segundo a PF, são três mandados no Rio de Janeiro, dois mandados em Brasília, dois em São Luis do Maranhão, dois em São Paulo e um em Angra dos Reis.

O G1 apurou que mandados são cumpridos nos endereços de Márcio Lobão e Edison Lobão Filho, filhos do ex-ministro Edison Lobão. O pai dos investigados não é alvo da operação desta terça-feira.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), as ordens judiciais visam apreender mais de 100 obras de arte dos investigados. As obras serão levadas para Curitiba para uma perícia da polícia.

Em São Luís, no Maranhão, foram apreendidos carros de luxo e um helicóptero.

Foto: Reprodução/PF

Os mandados judiciais foram expedidos pela 13ª Vara Federal em Curitiba.

O G1 tenta contato com as defesas dos investigados.

Investigações

As investigações apuram fraudes em licitações por meio de pagamento de propina a executivos da Transpetro.

Os crimes investigados aconteceram entre 2008 e 2014, segundo a PF, com pagamento de R$ 12 milhões em propinas.

As investigações apontam que a propina era paga em espécie, e a lavagem do dinheiro acontecia por meio da compra de obras de arte e imóveis.

A operação desta terça-feira é um desdobramento da 65ª fase da Lava Jato, deflagrada em setembro de 2019.

Uma das transações investigadas foi a compra de um apartamento de alto padrão em 2007 por R$ 1 milhão e vendido menos de dois anos depois por R$ 3 milhões, em uma valorização que, de acordo com a PF, não correspondia com as condições do mercado financeiro da época.

Na lavagem de dinheiro por meio das obras de arte, segundo as investigações, notas fiscais e recibos eram emitidos à Receita Federal com valores menores do que eram efetivamente praticados. Segundo a PF, a diferença entre o valor pago e o declarado variava de 167% a 529%.

Em uma fase anterior da operação, segundo a PF, já foram encontradas obras de arte na casa de um dos investigados que apresentavam variações significativas entre o preço de aquisição declarado e o valor de mercado, em patamares de até 1.300%.

G1 – Paraná

Opinião dos leitores

  1. Esses bandidos do PT assaltaram todas s empresas do nosso país, principalmente a Petrobrás e suas subsidiárias. Bilhões e bilhões esses canalhas surrupiaram do povo brasileiro, e ainda tem um punhado de fdp que ainda defendem esses bandidos.

  2. Pense numa herança maldita.
    Só tem corrupção onde exista investigação. Os trilhões de recursos públicos desviados deveriam ser suficiente para banir seus autores da vida pública.
    Mas no Brasil até condenado em segunda instância pode participar e tem espaço generoso na mídia.
    Quem sabe se os bilhões enviados as ditaduras e países falidos economicamente estão sendo devolvidos ou será mais uma herança maldita deixada pelo PT?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Ação da PF mira propina da J&F e investiga grupo de Cid Gomes no Ceará por caixa 2

Foto: Marcos Alves/08-05-2013 / Agência O Globo

Em novo desdobramento da Lava-Jato, a Polícia Federal investiga a distribuição de propina e a obtenção de vantagens ilícitas por políticos e empresários pelo Programa de Incentivos às Atividades Portuárias e Industriais do Ceará, o Proapi. Nomeada de “Marquetagem”, a operação cumpre 17 mandados de busca e apreensão nas cidades de Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Salvador (BA). No Ceará, houve ação autorizada pela Justiça Eleitoral para apurar pagamento de propina do grupo J&F, dos irmãos Batista, envolvendo o ex-governador do Ceará Cid Gomes (Pros) e a campanha de seu sucessor, o atual governador Camilo Santana (PT).

A PF cumpre os mandados de busca e apreensão contra empresas suspeitas de terem recebido repasses de caixa dois para a campanha de Camilo Santana e de outros aliados do grupo. A investigação mira campanhas eleitorais de 2010 e 2014. Os políticos não são alvos das buscas.

A PF investiga crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral.

O inquérito foi aberto com base em depoimentos dos irmãos Batista sobre doações ilegais feitas ao grupo político de Cid Gomes quando este era governador do Ceará. Segundo informações que constam do inquérito, em 2010, Gomes teria pedido aos executivos da empresa doação de R$ 5 milhões em troca da liberação de créditos tributários em nome de empresas do grupo J&F.

Em 2014, um novo pedido teria sido feito, porém, no valor de R$ 20 milhões, com o objetivo de irrigar campanhas no estado — incluindo a do petista Camilo Santana, apoiado por Cid Gomes. Diante da negativa da empresa dos irmãos Batista, o então deputado federal Antonio Balhamann Cardoso Nunes Filho (PDT-CE) teria interferido em favor de Gomes afirmando que o Ceará realizaria restituições tributárias da ordem de R$ 110 milhões ao grupo empresarial.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Já era pra ter acabado com esses Gomes pilantras do CE. Corruptozinho de carteirinha esses ai

  2. Nas eleições anteriores foi a mesma história. Até o momento, só vazamento político. Dessa vez, o capitão Wagner agradece.

  3. Ciro e Cid Gomes, sua hora está chegando?
    Mandam e desmandam no Ceará e ainda tem uma rima de troxa que não percebeu a CIROCRACIA

    1. Farinha do mesmo saco, acorda natal!!!!!!!!!!!!!!!!

      Coronel Hélio para prefeito É 28

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP diz que Cristiane Brasil e Pedro Fernandes recebiam propina em espécie e que ex-deputada usava ‘mulheres da mala’

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A denúncia do Ministério Público do Rio que investiga supostos desvios em contratos de assistência social no governo do estado e na Prefeitura do Rio diz que o secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, Pedro Fernandes, e a ex-deputada federal Cristiane Brasil receberam propina em dinheiro.

A suspeita é que o esquema tenha desviado R$ 30 milhões dos cofres públicos entre 2013 e 2018. Pedro Fernandes foi preso nesta sexta-feira (11) na segunda fase da Operação Catarata. Cristiane ainda é procurada.

Ao todo, 25 pessoas foram denunciadas e todas viraram rés.

“Pedro Fernandes (3º- “chefe”), ainda na condição de então Deputado Estadual não reeleito, recebia as propinas em dinheiro, sendo que os valores das vantagens indevidas eram tão elevados (25% do valor pago pelo erário referente ao contrato) que, além de serem pagos parceladamente, era mantida uma “conta corrente informal da propina” 50 junto à Servlog Rio, que era administrada por Flávio Chadud (1º), Bruno Campos Selem (7º) e Marcus Vinícius (8º), o que possibilitava que aquele recebesse mensalmente parcelas dos valores espúrios, em espécie”, diz o documento.

Cristiane também é citada na investigação e, segundo o MP, as “propinas eram recebidas de três formas, dependendo do político envolvido”:

em espécie, na maioria das vezes, na sede a Servlog Rio, sede do “QG” do grupo criminoso;

através de depósitos bancários em dinheiro em contas correntes bancárias de terceiros;

através de pagamento de despesas pessoais do próprio político, como locação de bens imóveis.

‘Mulheres da mala’

Os promotores citam ainda que duas assessoras políticas de Cristiane – Vera Lúcia Gorgulho Chaves de Azevedo e Suely Soares da Silva – também denunciadas, eram as “mulheres da mala”, ou seja, recebiam as vantagens indevidas “a fim de blindar” a ex-deputada.

“Vera Lúcia Gorgulho Chaves de Azevedo (20ª) e Suely Soares da Silva (21ª) eram as “mulheres da mala” de Cristiane Brasil (4ª), ou seja, quem recebiam as vantagens econômica indevidas (“propinas”), ora através de entregas de dinheiro em espécie, pessoalmente; ora através de depósitos de dinheiro, em espécie, em contas correntes51; ora através cobrança do pagamento dos valores da locação52 (título do “e-mail: “FWD: Aluguel Cris”), a fim de blindar a ex- vereadora carioca e ex- deputada federal”, diz o documento.

Núcleos de atuação

Segundo o Ministério Público, havia três núcleos de atuação:

Núcleo empresarial – formado por responsáveis e prepostos das pessoas jurídicas que participavam das licitações. Tinham como missão viabilizar as fraudes, apresentar e habilitar as empresas “pseudo competidoras” nos pregões eletrônicos, apresentar cotação de preços, instruir os processos licitatórios com a documentação, auxiliar na elaboração dos editais e dos termos de referência específicos;

Núcleo político – formado por políticos com elevada influência no estado do RJ, como ex-vereadores, ex-secretários municipais, e estaduais, ex-deputados estaduais e ex-deputados federais (sem foro especial por prerrogativa de função). Eles mantinham pessoas de confiança em cargos estratégicos da administração pública municipal, com o objetivo de viabilizar as fraudes nas licitações e o direcionamento dos contratos;

Núcleo administrativo-operacional – formado por servidores públicos que ocupam cargos comissionados. Tinham como atribuição atender às orientações do grupo político controlador da respectiva pasta, manter relações com o grupo empresarial e executar administrativamente as fraudes licitatórias, tramitar e instruir os processos administrativos licitatórios e evitar impugnações aos pregões eletrônicos.

Prisão do secretário

Pedro foi preso, segundo o MPRJ, por ações durante sua gestão na Secretaria Estadual de Tecnologia e Desenvolvimento Social nos governos de Sérgio Cabral e de Luiz Fernando Pezão — antes de assumir a Educação do RJ a convite de Wilson Witzel. A Fundação Estadual Leão XIII, alvo da investigação, era vinculada à secretaria de Pedro.

Cristiane responde por atos supostamente praticados entre maio de 2013 e maio de 2017, quando assumiu secretarias municipais nas gestões de Eduardo Paes e Marcelo Crivella.

Cristiane não foi encontrada em casa, mas, segundo sua assessoria, ela não está no RJ e vai se apresentar à policia ainda nesta sexta.

Cristiane foi secretária de Envelhecimento Saudável da Prefeitura do Rio e chegou a ser nomeada ministra do Trabalho no governo Temer, mas teve a posse suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por conta de condenações na Justiça Trabalhista, reveladas pelo G1.

Presos na operação

Pedro Fernandes, secretário estadual e ex-presidente da Fundação Leão XIII;

Flavio Salomão Chadud, empresário;

Mario Jamil Chadud, ex-delegado e pai de Flavio;

João Marcos Borges Mattos, ex-diretor de administração financeira da Fundação Leão XIII.

Eles vão responder por organização criminosa, crimes licitatórios, peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

O que dizem os investigados

A defesa de Pedro Fernandes disse que o secretário “ficou indignado com a ordem de prisão”.

“O advogado dele vinha pedindo acesso ao processo desde o final de julho, mas não conseguiu. A defesa colocou Pedro à disposição das autoridades para esclarecimentos na oportunidade. No entanto, Pedro nunca foi ouvido e só soube pela imprensa de que estava sendo investigado por algo que ainda não tem certeza do que é”, diz a nota.

“Pedro confia que tudo será esclarecido o mais rápido possível ,e a inocência dele, provada”, emendou.

Em nota, Cristiane Brasil afirmou que a denúncia é “uma tentativa clara de perseguição política”.

“Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram pois não quiseram”, disse. “Mas aparecem agora que sou pré-candidata a prefeita numa tentativa clara de me perseguir politicamente, a mim e ao meu pai.”

“Em menos de uma semana, Eduardo Paes, Crivella e eu viramos alvos. Basta um pingo de racionalidade para se ver que a busca contra mim é desproporcional. Vingança e política não são papel do Ministério Público nem da Polícia Civil”, emendou.

Em nota, a defesa de Flávio Chadud disse: “Os fatos não são novos. O TCE e a própria Fundação Leão XIII não identificaram prejuízos nos contratos da SERVLOG, vencidos na disputa através do pregão eletrônico. Não teve direito a prestar depoimento e colocar sua versão nos autos. A prisão é desnecessária e completamente sem justificativa fática e jurídica

Fraude em duas esferas

Na primeira etapa, em julho de 2019, a força-tarefa prendeu sete pessoas suspeitas de fraudar licitações da Fundação Estadual Leão XIII, sob gestão da secretaria de Fernandes.

Com o aprofundamento das investigações na Leão XIII, a força-tarefa afirma que o esquema incluiu órgãos da Prefeitura do Rio, chefiados por Cristiane Brasil — a Secretaria Municipal de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida e a Secretaria Municipal de Proteção à Pessoa com Deficiência.

Os contratos sob investigação, firmados entre 2013 e 2018, custaram quase R$ 120 milhões aos cofres públicos. O MPRJ afirma que sobre os serviços contratados eram cobradas vantagens indevidas que variaram de 5% a 25% do valor acertado.

O total desviado chegaria, segundo a denúncia, a R$ 30 milhões.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. NÃO FOI ESSA, FILHA DO NOVO ALIADO DO PRESIDENTE BOLSONARO, QUE VOTOU PELO IMPEACHMENT (GOLPE) DE DILMA COM A CAMISA DA SELEÇÃO BRASILEIRA?

    1. Essa mesmo, igual ao pai . O ultra , mega, super honesto conservador
      e aliado do presidente da República.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação apura esquema de propina na contratação de leitos pela Secretaria de Saúde do DF na gestão de Agnelo Queiroz

Operação Alto Escalão apreende mala de dinheiro na casa de investigados — Foto: Arquivo pessoal

O Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) deflagra nesta quinta-feira (23) uma operação que investiga o pagamento de propina na contratação de leitos para a rede pública de saúde na gestão do ex-governador Agnelo Queiroz (PT). Estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão pela 1ª Vara Criminal de Brasília.

De acordo com a apuração, o ex-governador e o ex-secretário de saúde do DF, Rafael Barbosa – nos cargos públicos entre 2010 e 2014 – teriam sido favorecidos por um repasse de 10% sob o valor de R$ 4.620.000,00 referente ao contrato, o que equivale a R$ 462 mil. A Polícia Civil faz buscas em endereços ligados a eles.

Durante as buscas nesta manhã, houve a apreensão de uma mala cheia de dinheiro, com notas em real e dólar (na foto acima). Ela estava em endereço ligado à Adriana Aparecida Zanini, vice-presidente do Instituto Brasília Para o Bem-Estar do Servidor Público (IBESP), para onde os valores teriam sido transferidos (saiba mais abaixo). A quantia apreendida não foi divulgada até última atualização desta reportagem.

O advogado de Rafael Barbosa, Kleber Lacerda, afirmou à reportagem que que “não teve acesso à decisão que autorizou a busca e apreensão” e que “tão logo seja analisada a decisão, utilizará dos recursos legais para defesa”. O G1 tenta contato com a defesa dos demais envolvidos.

A apuração é coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, com apoio da Polícia Civil. A operação foi batizada de Alto Escalão e é um desdobramento da Operação Checkout, de 2018, que já apurava esquema ilícito em contratos pela Secretaria de Saúde.

Investigação

De acordo com a apuração, para camuflar a propina, a Secretaria de Saúde teria firmado um contrato fictício de publicidade e marketing com o IBESP. O pagamento teria ocorrido em 2014, e foi revelado pelo próprio dono da empresa, Luiz Carlos do Carmo, em delação.

A colaboração nas investigações ocorreu após a Operação Ckechout. No caso, o MPDFT apontou que o governo teria aplicado R$ 4,62 milhões na compra de mobiliário sem justificar a necessidade. Além disso, servidores teriam recebido pacotes turísticos como contrapartida para ilícitos.

As irregularidades foram identificadas a partir de uma auditoria do Tribunal de Contas do DF que, em 2016, dois anos após a compra, constatou que ainda havia macas, leitos, berços e divisórias encaixotados no depósito da Secretaria de Saúde.

Condenações

O ex-governador Agnelo Queiroz já foi condenado por outras irregularidades na gestão. Na mais recente sentença, em junho deste ano, ele é acusado de improbidade administrativa por praticar “pedalada fiscal”. Segundo o Ministério Público, ele teria “maquiado” contas do governo para evitar sanções.

Em janeiro deste ano, o ex-governador foi condenado, também por improbidade administrativa pela inauguração do Centro Administrativo do DF, o Centrad, em Taguatinga, no último dia de mandato em dezembro de 2014. Até abril do ano passado, as empresas alegavam já ter gasto mais de R$ 1,5 bilhão com o prédio, que não foi inaugurado por irregularidades em alvarás. Há cerca de oito meses, o GDF teria que pagar R$ 724 milhões ao consórcio para assumir o local

Atualmente, Agnelo também é considerado inelegível. Entre as decisões que restringe os direito políticos está sentença confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018, por uso dos sites oficiais do governo para notícias positivas em período pré-campanha eleitoral.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. O Partido Social Cristão que anda metendo a mão. PSC do Witzel e do Coronel Azevedo anda meio enrolado. O filho Zero Um com Queiroz no partido Republicanos também anda meio desgastado. O de Roberto Jefferson aliado, amigo e agora defensor do Mito também é meio sujo com o centrão. O que era de Rogério Marinho (PSDB) é que está lambuzando.

  2. Interessante, é que os órgãos que competem a realizar as investigações somente as fazem quando os gestores deixam os cargos. Será que durante o processo estes órgãos criam miupia!!!! E o trabalhador sempre arcando com as consequências. É realmente incrível.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MPF: Serra recebeu ao menos R$ 4,5 milhões em propina em conta no exterior

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O MPF (Ministério Público Federal) diz que esquema de lavagem de dinheiro envolvendo o senador José Serra teria três camadas e que o parlamentar teria recebido ao menos R$ 4,5 milhões em propina da Odebrecht entre 2006 e 2007.

A PF (Polícia Federal) fez operação na casa de Serra em São Paulo depois de ter sido denunciado por lavagem de dinheiro pela força-tarefa da Lava Jato.

“Especificamente, JOSÉ SERRA praticou, entre outros, três crimes de lavagem de ativos por ter participado, de forma consciente e voluntária, da primeira (por meio do uso da CIRCLE TECHNICAL, de JOSÉ AMARO), da segunda (por meio do uso da DORTMUND INTERNATIONAL) e da terceira camadas de ocultação e dissimulação (por meio de transferências para a FICUS CAPITAL e para a CITADEL FINANCIAL ADVISORY)”, diz a denúncia.

Primeira camada

Serra teria solicitado R$ 4,5 milhões à empreiteira e os valores deveriam ser pagos por meio da offshore chamada Circle Technical Company Inc.

De acordo com a denúncia, a empresa era controlada por José Amaro, amigo de Serra.

“Vê-se, portanto, que uma grande gama de pagamentos, feitos pela ODEBRECHT à CIRCLE em curto período e de modo fracionado, embora estivessem vinculados nos sistemas de contabilidade da empreiteira a “VIZINHO”, codinome de JOSÉ SERRA, e tivessem sido feitos por sua solicitação e em seu favor, tiveram de fato, como destinatário imediato, a pessoa de JOSÉ AMARO RAMOS. E neste diapasão, por envolverem valores de natureza espúria, relacionada a crimes de corrupção (notadamente a passiva, na modalidade solicitar) e de cartel, e por visarem a ocultá-la e a dissimulá-la, nada mais foram que atos de lavagem de ativos”, diz denúncia.

Segunda camada

Nesta fase, o MPF diz que os valores recebido pela Circle da Odebrecht foram pulverizados e que “embora os valores respectivos tenham sido movimentados pelo sistema financeiro, eles seguiam sob controle de José Amaro”.

Algumas das transferências foram realizadas à offshore Dortmund, que, segundo o MPF, é controlada pela filha de José Serra, Verônica Allende Serra.

“Assim, ao JOSÉ AMARO RAMOS realizar, a partir de contas suas, transferências vultosas em favor da DORTMUND, entre 2006 e 2007, o que se praticava eram atos de ocultação e dissimulação da natureza espúria dos valores que recebera da ODEBRECHT no período, assim, s eus reais destinatários: JOSÉ SERRA e sua filha VERÔNICA SERRA”, diz denúncia do MPF.

Segundo o texto, a offshore Dortmund serviu como uma segunda camada de lavagem de dinheiro, permitindo o recebimento de “936.000,00 euros, oriundos de três empresas de JOSÉ AMARO RAMOS, que, por sua vez, foi beneficiado, no período, por valores transferidos a partir de offshores controladas pela ODEBRECHT”.

Segundo a denúncia, o dinheiro era transferido de uma offshore da companhia para outra de José Amaro, amigo de Serra.

Terceira camada

Segundo o MPF, a Dortmund enviou ao Banco Arner um pedido de transferência U$ 25.000,00 à Ficus Capital, empresa atuante no mercado financeiro internacional, com Francisco Ravecca como um dos sócios.

O MPF diz que “assim, parte dos valores – oriundos da ODEBRECHT – que ingressaram na conta da DORTMUND por meio de transferências realizadas a partir de contas de JOSÉ AMARO foram remetidos a FRANCISCO RAVECCA”.

A denúncia aponta que, em 2014, a Dortmund liquidou os valores existentes na conta. “Dessa forma, valores transferidos a JOSÉ AMARO RAMOS, pela ODEBRECHT, por solicitação de JOSÉ SERRA e tendo este como beneficiário final, foram remetidos, a partir de diversas operações, ao controle de VERÔNICA SERRA, filha do referido agente político, sendo, ao fim, liquidados para outras contas, em uma terceira camada de dispersão patrimonial, integrante, a toda evidência, de uma cadeia de lavagem de ativos”, diz a denúncia.

O R7 tenta contato com a defesa dos citados.

R7

 

Opinião dos leitores

  1. Será que o PT tinha razão quando dizia que Moro era tucano? Ele nunca investigou a turma do PSDB, agora que saiu do governo começaram as operações pra cima da turma do bico grande, Aécio, Serra, Alckmin, Dória…

  2. O Moro tinha conhecimento de tudo isso, mas como estava a serviço da elite fez vista grossa para não melindrar toda a corja do PSDB.

    1. Agora após as denúncias do MPF é que o juiz aceitando as denúncias inicia seu trabalho.
      Agora inicia o trabalho do juiz .
      O ex-juiz Sérgio Moro prestou relevantes serviços ao país,assim como outros juízes.
      Não é um herói nacional e tb não é um traidor.

    1. …pior é que não escapa um, mesmo. Como dizia Bezerra da Silva: se gritar pega ladrão fica um meu irmão. E o povo se matando por causa de políticos, nammm!

    2. Já escapou.
      Jair Messias Bolsonaro.
      Zero de crimes tá!!
      Não responde a processos por desonestidade, corrupção, não é sequer investigado.
      Pode espalhar!!!
      Pura verdade.
      Vc precisa conhecer melhor esse cidadão brasileiro, cheio de erros como qualquer mortal, mas em matéria de corrupção, é zero.
      A globo, folha de São Paulo, tenta pegar, mas tá sempre com os burros n'Agua.
      Ponto final.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Justiça absolve ex-mulher de Wassef em esquema de propina com governo do DF

Frente do TJDFT — Foto: Daumildo Júnior/G1

A 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) absolveu a empresária Maria Cristina Boner – ex-mulher de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro – da acusação de improbidade administrativa em tratativas para contrato com a Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), em 2006. A decisão, unânime, foi publicada nesta quarta-feira (24).

A empresária é acusada pelo Ministério Público (MPDFT) de favorecimento em negociação de contrato de sua empresa, a B2BR, com a Codeplan, por serviços de informática. O caso ocorreu em 2010, antes da fundação da Globalweb – empresa citada em manifestação do Ministério Público Federal sobre suspeita de favorecimento com o governo do presidente Jair Bolsonaro (saiba mais abaixo).

O G1 aguarda resposta do Ministério Público para saber se os promotores vão recorrer da decisão.

A denúncia contra Maria Cristina foi encaminhada à Justiça após depoimento de Durval Barbosa que atuava, na época, como Secretário de Assuntos Sindicais. Ele afirmou ter recebido R$ 200 mil em propina pela empresária como contrapartida pelo favorecimento no contrato. Ele falou sobre o caso durante depoimento no processo conhecido como Caixa de Pandora.

Como ex-gestor da Codeplan, Durval relatou a negociação do esquema teria ocorrido em reunião com Maria Cristina e o então presidente da companhia, seu sucessor, Vagner Gonçalves Benck de Jesus.

A empresa B2BR chegou a ser selecionada para um contrato emergencial – quando não há licitação – de R$ 9,8 milhões com a Codeplan. Contudo, a companhia não chegou a repassar recursos, pois o documento foi anulado posteriormente pelo Tribunal de Contas do Distrito Federal.

Em julgamento na primeira instância, em junho de 2019, Maria Cristina e a empresa foram condenadas por improbidade, com pagamento de multa correspondente a nove vezes o salário de Durval Barbosa na época, corrigidos pela inflação. Se a sentença fosse confirmada, estaria ainda impedida de firmar contratos com o Poder Público por três anos.

Nesta quarta (24), o TJDFT analisou o recurso da empresária, que alegou, principalmente que “não firmou contrato com a empresa” e negou receber recursos públicos.

A relatora do caso, desembargadora Sandra Reves Vasques Tonussi, entendeu que os depoimentos de Durval demonstram “apenas e especificamente a intenção dolosa do gestor público de direcionar a contratação à sociedade empresarial”.

No processo, a Turma manteve a condenação por improbidade de Durval Barbosa e Vagner Gonçalves Benck de Jesus, que o sucedeu na presidência da Codeplan. A reportagem tenta contato com as defesas.

Contratos com o governo federal

Em 2010, Maria Cristina fundou a empresa Globalweb – com registro distinto da B2BR – e mantém contratos com o governo federal. Na última terça-feira (23), o subprocurador geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Furtado, enviou para a Corte uma manifestação contra a empresa que, “ao que parece, vem sendo beneficiada” em contratos com a União.

A manifestação de Furtado foi incluída em uma representação que protocolada no tribunal na segunda-feira (22), com o objetivo de investigar os contratos da empresa com o governo.

Furtado citou ainda que atualmente a Globalweb é administrada por uma das filhas de Maria Cristina. Além disso, lembrou que a empresa tem sociedade com a Peach Tree, fundada pela mesma empresária e que atualmente pertence a três filhas dela. Segundo o subprocurador, esses fatos mostram relações “intricadas” entre a ex-mulher de Wassef e a empresa.

“Julgo que tais informações, que denotam a intricada relação da Sra. Maria Cristina Boner com a empresa Globalweb Outsourcing, que, ao que parece, vem sendo beneficiada nas contratações promovidas pelo Governo Federal na área de TI, devem ser consideradas quando da análise a ser promovida pelo tribunal, motivo pelo qual venho solicitar que o presente documento seja acolhido como aditivo à representação protocolada na data de ontem [segunda-feira]”, afirmou o procurador.

A advogada Renata Veríssimo, que representa Maria Cristina, explica que ainda antes da absolvição, a empresária “não tinha qualquer impedimento de firmar contratos”.

“Isso não estava em vigor porque [a condenação] não tinha transitado em julgado. Se fosse confirmada em segunda instância, ela seria condenada por improbidade”, afirma.

R$ 41 milhões em contratos

A Globalweb Outsourcing recebeu R$ 41,6 milhões durante a gestão de Jair Bolsonaro, como mostrou o portal UOL no domingo (21).

O Jornal Nacional confirmou com dados do Portal da Transparência que, de janeiro de 2019 até junho de 2020, a Globalweb Outsourcing recebeu mais de R$ 41 milhões em contratos com pelo menos nove órgãos do governo Bolsonaro, incluindo os ministérios da Economia, da Educação, a Telebrás e agências, como Aneel e Anac.

Os serviços são na área de tecnologia da informação. O valor se aproxima do que a empresa recebeu nos quatro anos dos governos anteriores, de Dilma Rousseff e Michel Temer: mais de R$ 42 milhões.

Segundo o portal, a Globalweb Outsourcing tem contratos vigentes com o governo federal que somam mais de R$ 250 milhões. A maioria foi assinada em governos anteriores, mas vários contratos foram prorrogados no governo Bolsonaro.

Casamento com Wassef

Maria Cristina afirmou à TV Globo que ela e Wassef não vivem juntos. Mas na quinta-feira (18), dia em que a polícia prendeu Fabrício Queiroz, o advogado estava na casa dela. Queiroz é ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Wassef e Maria Cristina tiveram um relacionamento longo. Em 2011, o juiz de um processo aberto no Rio de Janeiro citou Frederick Wassef como companheiro de Cristina.

Maria Cristina disse que nesta segunda-feira (22) que tomaria medidas para destituir Wassef de qualquer vínculo profissional com os negócios da família.

Ela própria começou a deixar a frente dos negócios familiares em 2010, no auge do escândalo do mensalão do DEM, com denúncias de pagamento de propina, quando José Roberto Arruda era governador do Distrito Federal.

Em um vídeo, de 2006, que faz parte da Operação Caixa de Pandora, Cristina Boner aparece no gabinete do operador do esquema, Durval Barbosa. No vídeo, ela comemora mais um contrato fechado.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PGR denuncia Paulinho da Força por propina de 1,8 milhão da Odebrecht

Foto: Reprodução

A chefe da Lava Jato na PGR, Lindôra Araújo, acaba de protocolar no Supremo denúncia contra o deputado Paulinho da Força, pelo recebimento de R$ 1,8 milhão em propina da Odebrecht.

Se a denúncia for recebida, ele responderá pelos crimes de corrupção passiva em continuação delitiva, com lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

As investigações se basearam na delação premiada do ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis e áudios da transportadora da empreiteira, a Transnacional.

Marcelo Cavalcanti, chefe de gabinete de Paulinho, também foi denunciado. Lindôra pediu ainda a perda da função pública de ambos e o pagamento de R$ 3,6 milhões em indenizações e multas.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. O pt roubou tanto dinheiro, que mais um milhãozinho roubado já não deixa indignados nenhum comentarista.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Cabral afirma que fusão Brasil Telecom/OI abasteceu conta de propina para Lula

Foto: Reprodução/PT

Segundo a declaração de Sérgio Cabral enviada pelos advogados do ex-governador à Polícia Federal, a fusão entre a Brasil Telecom e a Oi abasteceu uma conta corrente de propina para Lula, informa Fabio Serapião em uma reportagem bombástica da Crusoé.

Segundo Cabral, Sérgio Andrade, sócio da Andrade Gutierrez, uma das controladoras da Oi, falou, durante uma reunião, sobre a existência da conta. Dela teriam saído valores destinados a compensar os repasses de R$ 30 milhões feitos às empresas de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, no âmbito de um contrato com a Secretaria de Educação do Rio.

Veja mais: Cabral diz que, a pedido de Lula, ajudou Lulinha a receber R$ 30 milhões, destaca reportagem

O ex-governador diz ter realizado a reunião com Andrade para confirmar a contratação de uma empresa ligada a Lulinha no curso de um contrato da Oi com a secretaria.

Mais cedo, a Crusoé noticiou que Cabral também revelou ter recebido um pedido de Lula para que favorecesse uma empresa de Lulinha. Segundo o ex-governador do Rio, o pedido de Lula resultou no repasse de R$ 30 milhões.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Sérgio Cabral, António Palloci, Ricardo Saud, Alexandrino de Alencar, Léo Pinheiro, Nestor Cervero, Marcelo Odebrecht, Emilio Odebrecht, Ricardo Pinheiro, e mais ou menos 35 empresários de quilate desse país, disseram espontaneamente terem dado dinheiro a nove dedos. Só os imbecis fedorentos e pinguços dos petistas não acreditam, isso é fanatismo, o mesmo que levou Hitler a afrontar o mundo e posteriormente fazer os alemães negarem o holocausto, além disso falar em democracia e manter relações íntimas, de fundo de quintal com os maiores ditadores do mundo, financiando esses mesmos ditadores e suas famílias. No princípio eu achava Lula inteligente, como um retirante do Nordeste, que foi embora sem pai para São Paulo, consegue chegar ao mais altos cargo do país? Votei nele, agora, com tudo isso que comprovamos das suas sabedorias, tenho certeza que ele é mais inteligente que eu pensava. Depois de tudo isso, querer afirmar que foi perseguição de Moro e Delannol é piada de péssimo gosto e ainda Tem um bocado de maluquete amestrado que defende esse estorvo. Eita povo burro……..

  2. Às 15h12min a matéria foi publicada…tic…tac…tic…tac, estamos aguardando os defensores de bandidos! Por onde andam!?
    Precisamos de contraditório!

  3. Não fala isso dessa família. vão dizer que eles jamais fariam isso, que tá provado por a+b que é armação. Kkkkkkk, meu DEUS, essas criaturas ainda se acham com um poder intelecto sobrenatural

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

SINAL FECHADO: MPF ingressa com ação contra o ex-senador José Agripino e a atual prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini, por propina de mais de R$ 1 milhão

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com Ação Civil por Ato de Improbidade Administrativa (AIA), na Justiça Federal no RN, contra o ex-senador José Agripino Maia, Rosalba Ciarlini – ex-governadora e atual prefeita de Mossoró – e seu marido Carlos Augusto Rosado. Eles responderão por solicitação e recebimento de mais de R$ 1 milhão em propina para manter contrato de inspeção veicular ambiental com o Detran/RN, obtido irregularmente através de licitação fraudada, em 2010. O dinheiro foi utilizado como “caixa dois” na campanha de reeleição do parlamentar e de eleição da ex-governadora.

Na investigação, o MPF constatou que os valores foram pedidos a George Anderson Olímpio da Silveira, que tinha interesse em pagar para assegurar o contrato celebrado com o Consórcio Inspar, administrado por ele. Em colaboração premiada, o empresário afirmou que também houve acordo para o pagamento mensal de vantagens indevidas. A propina foi negociada diretamente pelo ex-senador e Carlos Augusto Rosado.

O valor de R$ 1.150.000, pedido como “doação eleitoral” extraoficial, foi repassado de forma fracionada. Os primeiros R$ 300 mil vieram de recursos próprios do empresário e os demais R$ 850 mil através de empréstimos junto a agiotas (aos quais pagou juros até o início de 2011) e a uma empresa do próprio Agripino Maia (R$ 150 mil).

Matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *