Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado com PF, PM e Polícia Civil prende bando que agia no interior do RN

Foto: Ilustrativa

Na manhã desta terça-feira(24) a Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado, composta pela Polícia Federal, Polícia Civil e Polícia Militar, atuando em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJSP), e em ação consorciada com os Grupos Táticos Operacionais de Macau e Guamaré, e a Polícia Civil de Pendências,
Macau, Guamaré e Alto do Rodrigues/RN, efetuaram a prisão em flagrante de seis indivíduos, em um sítio na Zona Rural de Pendências, onde foram localizados diversos armamentos, vestimentas e petrechos utilizados para a prática de crimes.

Durante a ação policial, dois dos acusados resistiram à prisão e efetuaram disparos de arma de fogo contra os policiais envolvidos na diligência, os quais prontamente responderam à ação ilícita. Esses dois suspeitos foram socorridos e encaminhados para hospital da região, e os demais presos conduzidos para a Delegacia da Polícia Civil em Pendências para a lavratura do procedimento devido.

Em diligências complementares, outros dois integrantes do bando foram presos em flagrante, na cidade de Alto do Rodrigues e estavam de posse de uma arma e motocicletas que haviam sido roubadas.

Durante a ação, foram ainda apreendidos dois revólveres, três espingardas, três motocicletas, balaclavas e roupas camufladas possivelmente utilizadas nas ações delituosas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Álvaro Ap Marques disse:

    Num clima que estamos vivendo gostaria de saber porque não tem vacina h1n1
    Acho que ele tem que ter vacinas no local do momento de abertura até seu fechamento

DEU RUIM: pastor envolvido em confusão de trânsito é intimado a depor na Polícia Federal

Imagem: Reprodução/Internet

O suposto pastor foi intimado a prestar depoimento na Polícia Federal, em Natal, após uma confusão no trânsito. Ele deve prestar esclarecimentos na sede da PF na capital potiguar nesta quinta (12). Um inquérito foi instaurado e Diego será investigado por usurpação da função pública.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram Diego Araújo discutindo com um casal ao se identificar como policial federal. De acordo com a própria PF, Diego não faz parte da instituição. Ele se identifica como pastor nas redes sociais próprias, que sumiram após os vídeos da discussão se espalharem pela Internet.

As gravações mostram Diego discutindo com um homem e uma mulher após supostamente ter trancado o carro do casal em uma manobra no trânsito. “Abordou a gente, ultrapassou a gente, agrediu meu marido usando da carteira de policial”, relatou a mulher.

A discussão começou quando Diego afirmou ser policial federal da corregedoria trabalhando à paisana. “Vocês só saem daqui quando a viatura chegar. Estou em serviço”, disse ao casal, que estava com a filha pequena dentro do carro. Em certo momento do vídeo, é possível ouvir o choro da menina. Durante a briga, Diego exigiu a documentação do veículo do casal e tirou fotos da placa do carro, reforçando a autoridade de policial federal.

Segundo a PF, o episódio registrado nos vídeos aconteceu no último sábado (7) no cruzamento da avenida Alexandrino de Alencar com a rua Jaguarari. A família prestou queixa na sede da PF nesta quarta-feira (11).

Com informações do AGORA RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Everton disse:

    Os caras metem o presidente e o ex até nessa notícia, é muito fanboyzismo de político.

  2. Paula tejeau disse:

    É minion?

  3. Antonio Turci disse:

    Igrejas ditas evangélicas estão cheias de picaretas como este. Bandido travestido de "pastor".

    • Sou nordestino sim senhor!!!! disse:

      Ladrão, idiota e mentiroso tem em todo lugar. Isso não tem nada haver com igreja A, B ou C. Tem haver com o ser humano e sua capacidade de propagar o mal.

  4. Fora bolsotralhas disse:

    Mais um idiot ligado a bostanaro fazendo merda e se achando dono do pedaço….esses crapulas acreditam que podem tudo..

    • Luiz disse:

      Comentário idiota d esquerda

    • Pão com mortadela vencida disse:

      Falando em Bandido, o que houve com o caso do assassinato de Celso Daniel? Todos morreram que viram ou ouviram falar no caso. O PT está enrolado até as cuecas do Luladrão…PTista tem aminésia.

  5. Zezim disse:

    Mais 1 que chegou no últimos estágio do desmantelo. Virou evangélico, se escondendo por trás da religião mas, continuando com seu interior podre. Assim tem muitos decoradores de bíblia para enganar os bestas.
    Pequenas igrejas, grandes negócios!

  6. Chicao disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…..ainda vai? Deve tá com a cueca toda borrada.

  7. Everton disse:

    Se garanta, agora não basta apelar para Deus, tem que ser cristão!

  8. andré pinto disse:

    aS IGREJAS ESTÃO CHEIAS DE 171 DESSA QUALIDADE. SE FOSSE COMIGO TINHA DADO CERTO PARA ELE… PASSAVA POR CIMA E DEIXAVA ELE EM TERRAPLANAGEM.

  9. Zanoni disse:

    Será que era somente um maconheirinho que se converteu e deram a vez para conversar merda no púlpito?

  10. Zuza disse:

    Só pode ter baixado o capiroto nesse moço e em forma de bandido.

  11. Junior Mendonça disse:

    Não gosto de julgar, mas pessoas com essas características dissimuladas são propensas a serem estelionatários, ter audácia de reter pessoas em pleno trânsito e acreditar na própria mentira de que é um PF.
    Sanatório e depois cadeia.

  12. Luciana Morais Gama disse:

    Cadeia para esse “pastor” que se esconde na igreja evangélica.

  13. Fernando disse:

    Isso é um babaca, devia pegar pelo menos 6 meses de cana para deixar de ser pau nas beiras!!
    Era para o motorista ter metido o caro nas pernas desse malandro.

PF avisa STF que ministros podem ser alvo de ataque terrorista

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, encaminhou aos magistrados da corte um ofício sigiloso informando que uma célula terrorista pode estar preparando “agressões contra ministros deste tribunal”.

A informação foi repassada pela Polícia Federal ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito que investiga ataques ao Supremo.

Ele então repassou a informação a Toffoli, que enviou um documento aos colegas alertando sobre os riscos e recomendando que, diante da gravidade do alerta, “reforcem a segurança pessoal nas atividades cotidianas”.

Os supostos terroristas teriam dito, em suas comunicações, que os ministros mantêm uma rotina que facilita o contato físico e visual. Seriam, portanto, autoridades de fácil acesso a indivíduos que pretendem fazer algum ataque.

A mensagem da célula terrorista teria sido captada em janeiro, na deep web, e teria sido disparada pela Unidade Realengo Marcelo do Valle.

O ofício de Toffoli foi distribuído na quarta (12). A informação deixou ministros apreensivos.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

Alvo de operação da PF, ex-ministro do Trabalho é exonerado da presidência da Funasa

Foto: Reprodução/TV Globo

O governo federal exonerou o ex-ministro do Trabalho e ex-deputado federal Ronaldo Nogueira da função de presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

A exoneração foi publicada na edição desta quarta-feira (12) do “Diário Oficial da União” (DOU) e assinada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Segundo a publicação, a demissão foi a “pedido” de Nogueira.

Filiado ao PTB e ministro do Trabalho no governo de Michel Temer, Nogueira foi alvo de busca e apreensão na Operação Gaveteiro, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada para investigar a suspeita de desvio de R$ 50 milhões no antigo Ministério do Trabalho.

De acordo com a PF, as irregularidades ocorreram de 2016 a 2018. Nogueira foi alvo de busca e apreensão. Em nota, Nogueira afirmou na oportunidade:

“Em relação à notícia divulgada no dia de hoje, envolvendo meu nome, informo não ter receio algum da apuração dos fatos. Meu advogado está tomando ciência do processo com toda a serenidade que o momento exige. Tenho o maior interesse no esclarecimento dos fatos e, desde já, coloco-me à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários às autoridades responsáveis”.

A operação da PF investiga uma organização criminosa que, de acordo com as apurações, fez uma contratação de fachada de uma empresa para fornecer serviços de tecnologia ao ministério.

Nogueira assumiu a Funasa em fevereiro de 2019, após encerrar o mandato de deputado federal pelo Rio Grande do Sul. Na Câmara, ele fazia parte da bancada evangélica. O ex-parlamentar tentou a reeleição em 2018, porém ficou entre os suplentes de sua coligação.

Vinculada ao Ministério da Saúde, a Funasa tem entre suas competências a missão de “promover a inclusão social por meio de ações de saneamento para prevenção e controle de doenças”.

Nogueira foi ministro do Trabalho durante parte do governo de Michel Temer. A pasta foi extinta pelo presidente Jair Bolsonaro, que reduziu o número de ministérios de 29 para 22.

A gestão de Nogueira como ministro foi de maio de 2016 a dezembro de 2017. Ao pedir demissão, ele justificou que desejava se dedicar à campanha de reeleição como deputado.

Durante a gestão de Nogueira foi aprovada a reforma trabalhista pelo Congresso Nacional. As alterações mexeram em diversos pontos da legislação, como férias, jornada, remuneração e plano de carreira.

Em nota publicada na terça-feira (11) no site da Funasa, Nogueira informou que “tomou a decisão individual” de pedir demissão por “entender ser o melhor a ser feito no momento”, já que terá “mais tempo” para se defender.

(mais…)

CPI das Fake News: PF recusa denúncia contra ameaças a integrantes

Foto: Agência Brasil

A Polícia Federal arquivou o pedido de investigação de supostas ameaças a deputados e senadores que integram a CPI das Fake News. As denúncias, baseadas em informações do deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), foram encaminhadas à PF em dezembro pelo presidente da comissão, senador Ângelo Coronel (PSD-BA).

No ofício que chegou ontem à CPI, o delegado Ademir Cardoso Júnior diz que “não se faz possível extrair uma narrativa que aponte, concretamente, para ações que envolvam o cometimento de ato delitivo”.

A PF interpretou os “prints” de redes sociais de supostos integrantes de milícias digitais  como “uma série de manifestações descontextualizadas”.

Hoje, a CPI ouve Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário da empresa de marketing digital Yacows, investigada por fraudes na campanha eleitoral de 2018.

Coluna Esplanada

Operação da PF que atinge presidente da Funasa e ex-assessor de Onyx cumpriu mandados no DF, RN e mais quatro estados

O ex-ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira | Reprodução

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã a Operação Gaveteiro, que apura o desvios do Ministério do Trabalho. Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva e 41 de busca e apreensão no Distrito Federal, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul.

Entre os alvos de busca está o ex-deputado federal e ex-ministro do Trabalho do governo Temer Ronaldo Nogueira, que hoje é presidente da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), ligada ao Ministério da Saúde.

A PF chegou a pedir a prisão de Nogueira, mas ela foi negada pela Justiça.

Também são alvos o ex-assessor de Onyx Lorenzoni na Casa Civil, Pablo Tatim, e o ex-deputado federal Jovair Arantes. Tatim foi exonerado há um ano, depois que a Controladoria-Geral da União publicou um relatório sobre desvios de dinheiro no Ministério do Trabalho. Ele chegou a fazer parte do grupo de transição do governo Bolsonaro.

A Operação Gaveteiro apura desvios do Ministério do Trabalho por meio da contratação de uma empresa da área detecnologia. O objeto dessacontratação foi a aquisição de solução de tecnologia e licenças, voltadas a gerir sistemas informatizados da pastae detectar fraudes na concessão de Seguro-Desemprego.

As investigações apontam que a contratação da empresa foi um meiousadopela Organização Criminosa para desviar, entre 2016 e 2018, mais de R$ 50 milhõesde reais do órgão.

Além das prisões e buscas, a Justiça Federal também determinou o bloqueio do valor aproximado de R$ 76 milhões nas contas dos investigados. Foram concedidas ainda medidas cautelares proibindo os investigados de se ausentarem do país.

Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, organização criminosa, fraude à licitação, falsificação de documento particular, corrupção ativa e passiva, com penas que, se somadas, podem chegar a mais de 40 anos de prisão.

Bela Megale – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Delano disse:

    O pau que dá em chico, dá em Francisco. Essa PF de moro que o Brasil precisa, inclusive também o coaf que detectou movimentação atípica do filho do presidente e outros do pt, psol, psd, mdb, dem na alrj. Qual a investigação mais aprofundada. Parece que somente a do filho do presidente. A dos outros nem falam

  2. Everton disse:

    Todo dia tem notícia de corrupção no governo Bolsonaro. Ai dento!

    • Delano disse:

      Até hoje não apareceu uma Corrupção no governo Bolsonaro, teve de luladrão, dilmanta, temer, mas do governo atual zero de Corrupção. Pode ter corrupto de gestões passadas, lógico, difícil um político não ser corrupto ou não ter sido denunciado.

    • Minion alienado disse:

      Delano, me diz que só tem gente idônea no governo hahaha.

PF abre inquérito para investigar chefe da Secom por supostas práticas de corrupção

Foto: Divulgação

A PF abriu inquérito para investigar suspeitas sobre o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência), Fabio Wajngarten, informa a Folha.

A medida atende ao pedido feito na semana passada pelo MPF em Brasília. O objetivo é apurar supostas práticas de corrupção passiva, peculato (desvio de recursos por agente público) e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados na administração pública).

Segundo o jornal paulistano, a investigação ficará a cargo da Superintendência da PF em Brasília, e o caso correrá em sigilo.

Wajngarten é sócio da FW Comunicação, que recebe dinheiro de emissoras de TV e de agências contratadas pela própria Secom. Na gestão dele, as clientes passaram a receber porcentuais maiores da verba de propaganda da secretaria.

Em nota divulgada na terça-feira passada (29), o chefe da Secom afirmou que o pedido do MPF para a PF investigá-lo será uma “oportunidade” para provar que ele não cometeu irregularidades.

O Antagonista, com Folha de SP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Procurando pelo em ovo.
    É bom porque não existe nada e assim ele recebe o atestado de nada consta e esfrega na cara dos esquerdopatas.

    • Mauro disse:

      E outros babando no ovo da Família envolvida com milicianos, RACHADINHAS, chocolates e Laranja das.

  2. Everton disse:

    Moro vai deixar?

    • Dilma disse:

      Se moro quando detinha o coaf, identificou e divulgou movimentação atípica do filho do presidente, imagina qualquer um outro. Apesar do mais, a PF é totalmente autônoma e investiga qualquer um.

FOTO: PF prende homem com quase R$ 1 mil em cédulas falsas em Natal

Foto: Divulgação

A Polícia Federal prendeu em flagrante nesta quarta-feira, 29/01, na Zona Norte da capital potiguar, um ajudante de serviços gerais, 20 anos e com ele apreendeu 75 cédulas falsas de real em valores fracionados que totalizaram R$ 995,00.

A prisão do homem ocorreu logo após o sistema de segurança dos Correios ter detectado uma encomenda avaliada como suspeita e que seria entregue no dia hoje. Acionada, a PF deslocou uma equipe para o endereço residencial do destinatário no bairro de Nossa Senhora da Apresentação e, no momento em que o pacote foi recebido, os policiais fizeram a abordagem.

Inicialmente, o acusado negou saber do que se tratava, mas logo admitiu que havia adquirido o dinheiro falso de um desconhecido, fora do RN, após visualizar a propaganda em um grupo de aplicativo de mensagens.

O homem recebeu voz de prisão e foi conduzido para autuação na PF, onde, durante o interrogatório, confessou haver pago R$ 150,00 pelas cédulas falsificadas que iria colocar em circulação.

Submetido a exame de corpo de delito no ITEP, o suspeito encontra-se custodiado na Superintendência Regional da PF, à disposição da Justiça.

PF conclui que eram falsas as mensagens de WhatsApp que resultaram na demissão do general Santos Cruz

Foto:Thomas Mukoya/Reuters

A PF concluiu que eram falsas as mensagens de WhatsApp que resultaram na demissão do general Santos Cruz.

Sim, ele foi vítima de uma trama criminosa.

Segundo a Folha de S. Paulo, a PF não conseguiu descobrir quem foi o autor dessa fraude colossal.

As falsas mensagens do general Santos Cruz foram levadas a Jair Bolsonaro pelo chefe da Secom, Fabio Wajngarten, como revelou a Crusoé.

Nas mensagens forjadas, Carlos Bolsonaro era chamado de “desequilibrado” e Flávio Bolsonaro de “frouxo”.

O próprio presidente era tratado como “covarde” e “imbecil”.

O que se sabe é que o general Santos Cruz foi alvo constante dos ataques de Olavo de Carvalho, que o chamou de “bandidinho”, “politiqueiro de merda”, “um nada” e “bosta engomada”.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. François Cevert disse:

    Mais uma vítima do escritório do ódio!!!

  2. Antonio Turci disse:

    Se isto for verdade, o Presidente Bolsonaro deveria dar a mão a "palmatória", pedir desculpas aí General Santos Cruz, e, caso General aceite, tê-lo de volta à equipe.

    • Minion alienado disse:

      O fetiche dos Minions é dizer que todos que pensam ao contrário são da esquerda 😂

    • Ceará-Mundão disse:

      Por definição, todos que pensam o contrário são mesmo esquerdistas. Uns mais, outros menos. Os mais "malucos" e inconsequentes a gente chama de esquerdopatas. Bem simples, sem mimimi. Kkkkkk

FOTOS: Operação NÍQUEL deflagrada pela PF no RN apreendeu dinheiro, armas e até jet ski

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal divulgou o balanço das apreensões da Operação Níquel, deflagrada nesta terça-feira,14, que prendeu membros de organização criminosa acusados de contrabandear cigarros.

Foram apreendidos R$ 267 mil em espécie, U$ 183,00, 60 mil guaranis, moeda paraguaia, 4.700 pacotes de cigarro, além de pistolas, carregadores, munições de diversos calibres (inclusive, restritos) e veículos (Carros, moto, jet ski, etc).

Veja mais aqui no Justiça Potiguar.

O documento da PF com extratos de transações no exterior encontrados em casa de sócio de Lulinha

Foto: Reprodução/Crusoé

Como Fabio Serapião noticiou ontem, a Polícia Federal encontrou na casa do empresário Jonas Suassuna, sócio de Lulinha, extratos de movimentações financeiras em contas mantidas no exterior.

Agora, a Crusoé divulga a íntegra do documento em que a PF reproduz esses extratos.

Os investigadores suspeitam que parte desses valores teria custeado a compra do sítio de Atibaia.

As transações do sócio de Lulinha no exterior: leia o documento em que a PF reproduz os extratos

O Antagonista, com Crusoé

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lavô escroto disse:

    Que 2020 seja um ano repleto de realizações, e que o filho do nosso presidente possa cada vez mais vender mais chocolates!!!

    Feliz 2020!!!

  2. João Sem Braço disse:

    Maluf se aliou a Lula em 2012, pra garantir alguns minutos a mais de propaganda partidária ao PT.

  3. Bento disse:

    Desejo para o ano novo que se inicia que os esquerdopatas tenham juizo e aprendam a separar o joio do trigo.
    Que deixem de seguir o cachaça a alma mais onesta do pais.
    Que aprendam o que discernimento e que a corrupcao é uma coisa ruim é do capeta.

    • Gustavo disse:

      E muito chocolate com laranja para vc Chico Bento babão. Que a milicia mande sua contribuição na rachadinha de ano novo e vc continue militando feito um robô alienado, dando opinião sobre tudo sem saber de praticamente nada.
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Verdade disse:

    Essa regra pros amigos de partido de Bolsonaro Paulo Maluf não vale. Se Paulo Maluf é bandido, se Bolsonaro é amigo de Paulo Maluf, logo Bolsonaro é…

    • Fato disse:

      Você tem sérios problemas com o português e o significado das palavras.
      Desde quando SÓCIO = AMIGO?
      Jonas Suassuna é SÓCIO de Lulinha e não amigo, entendeu ou ainda está em dúvida?
      Desde quando Paulo Maluf tem "amizade" com Bolsonaro? Eles são amigos como, onde e quando?
      Mais uma vez você usa da formação esquerdopata para imaginar difamação e falar com se ela existisse. Maluf tem que cargo no governo? Maluf indicou quem no governo? Maluf está ligado a qual ministro?
      Aceita que doe menos, mas não continue em sua vergonhosa saga de querer o pior para o Brasil, o povo mostrou através do voto que quer mudar o rumo dado pela esquerda ao país. Que assim venha a ordem e o progresso que o povo ordeiro e trabalhador sonha, embora no caminho ainda existam pedras viciadas em recursos públicos e plantas daninhas por cargos que lutam por um país cada vez mais atrasado, retrógrado, improdutivo e corrupto.

    • Getúlio disse:

      Paulo Maluf, depois que teve seu processo transitado em julgado, se tornou eterno parceiro do PT. Portanto, quem mudou a postura e o discurso foi Paulo Maluf, o pt ou os dois?

    • Papa Jerry Moon disse:

      Até onde eu sei foi Lula que virou parceiro de Maluf, no finalzinho de seu des-governo.

  5. João Sem Braço disse:

    Deixem de perseguição à Lulinha. Ele é um fenômeno nos negócios.

  6. Lula na cadeia sempre disse:

    Não…LULINHA TAMBÉM É LADRAO 🤦🏼‍♂️Como pode a família mais honesta do mundo , com os seguidores mais IDIOTAS TAMBÉM?

    • Sol disse:

      Lula é ladrão, mas sabendo que um erro não justifica outro, os que estão aí, são tão quanto, ainda por cima melicianos, disfarçado com pele de cordeiro…. Exemplo disso, é muita coincidência, os "inocentes" que acabaram com Marielle, morar no mesmo condominio , onde mora a familia do " presidente"…

    • Sebastião disse:

      Sol, sua luz se apaga quando é pra desvendar o crime de celso daniel, juntamente com as 11 testemunhas mortas. Poderia juntar toda sua energia pra focar nesse caso horrendo, cujo governo petralha não investigou e jogou pra debaixo do tapete

PF vê indícios de superfaturamento em contratos do Instituto Lula com filhos do petista

Foto: Paulo Giandalia/Estadão Conteúdo

No mesmo documento em que indiciou o ex-presidente Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o delegado da Polícia Federal Dante Pegoraro Lemos afirmou que há indícios de que o Instituto Lula tenha superfaturado contratos de prestações de serviços feitos com empresas dos filhos do petista. A PF acredita que os mesmos serviços eram prestados por terceirizados por preços muito menores.

Segundo a Polícia Federal, a G4 Entretenimento, que tem entre seus sócios Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, prestou serviços ao Instituto Lula em quatro projetos distintos: criação de um novo site, Memorial da Democracia, arquivo público do ex-presidente Lula e um portal de políticas públicas.

Contudo, um relatório de atividades prestadas por uma empresa chamada GKR em um processo na Receita Federal que retirou os benefícios tributários do Instituto menciona que a GKR gerenciou os mesmos trabalhos para o Instituto Lula.

O dono da empresa também aparece como responsável pelas comunicações entre a G4 e o Instituto Lula.

Após a quebra de sigilo bancário das empresas, a Polícia Federal constatou que a G4 Entretenimento, dos filhos de Lula, repassou R$ 74 mil para a GKR. Por outro lado, a G4 recebeu cerca de R$ 1,3 milhão do Instituto Lula entre 2013 e 2014.

“Esse quadro, aliado a outras constatações (do relatório policial), apontariam, portanto, que a G4 poderia ter funcionado como uma intermediária financeira na prestação de serviços contratadas pelo Instituto Lula, com indícios de superfaturamento, os quais teriam sido efetivados pela GKR de Rafael Leite e outros subcontratados”, afirma.

O delegado, no entanto, afirma que essa afirmação não é possível sem a realização de uma perícia pormenorizada de todos os aspectos dos trabalhos realizados, seu volume e o tempo requeridos. A perícia só será realizada caso o Ministério Público Federal acredite que ela seja necessária.

Procurado, o advogado Fábio Tofic Simantob, que defende Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, criticou a afirmação feita pela Polícia Federal.

— O Instituto Lula e a G4 são entidades privadas. A PF, com todo respeito, não tem poder para palpitar nos preços contratados por eles, e muito menos para dizer se estão abaixo ou acima do mercado — disse o advogado.

Serviço de digitalização também é investigado

Além disso, a Polícia Federal também identificou que outra empresa ligada aos filhos do ex-presidente Lula, a FlexBR, teria recebido cerca de R$ 106 mil diretamente do Instituto Lula. Contudo, após busca e apreensão no Instituto, foi obtido um documento sobre o serviço de “digitalização de imagens” com planilha de valores pagos à FlexBR no valor de R$ 435 mil.

A FlexBR pertence a Marcos Claudio Lula da Silva. Com base na análise de mídias apreendidas em seu endereço, a Polícia Federal identificou uma conversa entre ele, Sandro e Fábio Luis, o Lulinha, em um grupo de WhatsApp batizado de “Lulets”.

“A conversa analisada, ocorrida em ambiente de relativa descontração, refere-se a uma questão prosaica: de quem seria a responsabilidade pelo pagamento de um boleto de imposto da empresa FlexBR. A indagação é feita por Fábio Luis Lula da Silva, que não integra o quadro social da empresa e é o filho mais velho do ex-presidente Lula. O caso é tratado de forma pouco profissional”, afirma o relatório da Polícia Federal.

Na conversa, Fábio Luis envia uma mensagem sobre um imposto que estaria atrasado. Marcos Lula responde que quem paga impostos é o Sandro (também filho do ex-presidente). Horas depois, Lulinha questiona novamente se o imposto foi pago e Sandro responde negativamente.

— Flexbr… quem é o majoritário? — pergunta Lulinha no grupo.

— Ninguém — responde Sandro Luis.

— Vou pegar para mim essa p* — diz Lulinha.

— Mais uma??? Já tem tantas — afirma Sandro Luis, que completa: — A conta? Pega para você.

— Deixa comigo — diz Lulinha.

Em outra troca de e-mails, Sandro Luis Lula da Silva é questionado por um funcionário se seria necessário que a empresa JML Assessoria Contábil emitisse uma nota fiscal da FlexBR para a G4 como vinha sendo feito nos meses anteriores. Sandro Luis responde afirmativamente.

“Entretanto, dois dias depois, o próprio Leonardo Santos responde o e-mail afirmando que, conforme orientação do “Sr. Fábio” – possivelmente referindo-se a Fábio Luis Lula da Silva – as notas fiscais não devem ser mais confeccionadas”, aponta o relatório.

A Polícia Federal destacou ainda que chamaram a atenção repasses à FlexBR feitos pela Fundação Sociedade Comunicação Cultura e Trabalho, concessionária da TVT (TV dos Trabalhadores). Entre 2014 e 2015, o Instituto Lula repassou R$ 1,2 milhão para a fundação que, por sua vez, repassou R$ 405 mil para a FlexBR.

Uma pesquisa feita pela Polícia Federal teria indicado que a FlexBR não possui vínculos empregatícios. Segundo o delegado Dante Pegoraro Lemos, há a suspeita que a Fundação e a FlexBR tenham sido contratadas para fazer o mesmo serviço.

“Em relação aos trabalhos de digitalização do acervo, como dito, a defesa do instituto informou, a título de ilustração, que os serviços da FLEXBR abrangeriam a seleção e análise de extenso acervo histórico, em meio físico e analógico, sendo necessário por vezes a prévia higienização e longo tempo de análise de conteúdo de gravações”, afirmou o delegado Dante Pegoraro Lemos.

Contudo, o delegado novamente destacou que apesar de alguma suspeita de que os serviços possam ter sido superfaturados, não seria possível afirmar isso sem a realização de perícia pormenorizada sobre todos os aspectos dos trabalhos realizados, seu volume, complexidade e tempo requeridos.

O GLOBO procurou a Fundação Sociedade Comunicação Cultura e Trabalho e os advogados do ex-presidente Lula e do Instituto Lula e aguarda um posicionamento.

Sobre o indiciamento, os advogados do ex-presidente Lula afirmaram que o documento da PF é parte do “lawfare” (perseguição político por meio da Justiça) promovido pela Lava Jato de Curitiba contra o ex-presidente Lula e que não faz nenhum sentido.

“As doações ao Instituto Lula foram formais, de origem identificada e sem qualquer contrapartida. À época das doações Lula sequer era agente público e o beneficiário foi o Instituto Lula, instituição que tem por objetivo a preservação de objetos que integram o patrimônio cultural brasileiro e que não se confunde com a pessoa física do ex-presidente”, afirmou Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente.

QUEM SÃO OS FILHOS DE LULA

Luis Claudio

Educador físico, é dono da LFT Marketing Esportivo, que foi alvo da Operação Zelotes. Possui a Touchdown, que organiza campeonatos de futebol americano. Foi auxiliar de preparação física no São Paulo, no Palmeiras e no Corinthians. Outra empresa dele a LLCS, dividia um escritório em São Paulo com uma empresa do pecuarista José Carlos Bumlai.

Fábio Luiz

Mais velho dos filhos de Lula, Fábio é biólogo e um dos sócios da Gamecorp, empresa de games que, em 2004, recebeu R$ 5 milhões da operadora da Telemar, atual Oi. Conhecido como Lulinha, também é sócio da LLCS

Sandro Luis

Sandro é publicitário e sócio de uma empresa de consultoria em tecnologia que funciona no mesmo prédio da LFT, do irmão Luís Claudio.

Lurian

Filha de Lula com Miriam Cordeiro, Luiran (foto) é jornalista. Foi secretária de Ação Social da prefeitura de São José, em Santa Catarina e assessora parlamentar do então deputado federal Gabriel Chalita. Vive em Maricá, no Rio.

Marcos Claudio

Marcos Cláudio é filho do primeiro casamento e foi adotado por Lula. Psicólogo, é sócio de Sandro Luís.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maldoni disse:

    Indícios para o PT são considerados provas.
    Provas para PSL, ANEL, DEM, E PSDB são considerados APENAS indícios
    Basta pedir desculpas a Moro e tudo fica bem.

    • Davi disse:

      Nunca antes na história desse país, e diante das inúmeras provas evidentes nos casos de Corrupções, fizeram aparecer tantos idiotas com cegueiras, a propagar inocência desses CANALHAS e comparsas que, numa simples conferências de suas fortunas, percebe-se de cara que são incompatíveis com os seus rendimentos.

  2. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Nada disto é verdade, esses homens são inocentes, verdadeiros anjos, as almas mais honestas do mundo.
    Td criação da PF e do Moro. SQN.

Polícia Federal indicia Lula por doações da Odebrecht a instituto que leva seu nome

Foto: Jefferson Coppola / Agência O Globo

A Polícia Federal indiciou na última terça-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras três pessoas pelas doações feitas pela empreiteira Odebrecht ao Instituto Lula. Segundo o delegado Dante Pegoraro Lemos, recursos transferidos pela empresa sob a rubrica de “doações” teriam sido abatidas de uma espécie de conta corrente informal de propinas.

Além do petista, também foram indiciados o presidente do Instituto, Paulo Okamotto, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht.

Em nota, a defesa do ex-presidente afirmou que “o indiciamento é parte do Lawfare promovido pela Lava Jato de Curitiba contra o ex-presidente Lula” e que a acusação da Polícia Federal não faz sentido:

— As doações ao Instituto Lula foram formais, de origem identificada e sem qualquer contrapartida. À época das doações Lula sequer era agente público e o beneficiário foi o Instituto Lula, instituição que tem por objetivo a preservação de objetos que integram o patrimônio cultural brasileiro e que não se confunde com a pessoa física do ex-presidente — afirmou o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula.

Lula já responde a um processo pela compra, pela Odebrecht, de um terreno que serviria de sede para o Instituto Lula no valor de R$ 12 milhões. Apesar da aquisição do imóvel, Lula teria rejeitado a propriedade. O processo está em fase final e aguarda a sentença do juiz Luiz Antonio Bonat.

Nesse caso, a PF indiciou o ex-presidente apenas pelo repasse de R$ 4 milhões feitos pela empreiteira entre dezembro de 2013 e março de 2014. Os valores foram transferidos para o Instituto Lula de forma oficial, sob a alegação de serem doações feitas pela empreiteira. Contudo, a PF acredita que o dinheiro veio de uma conta informal de propinas que Antonio Palocci mantinha com a Odebrecht.

Lula, Okamotto e Palocci foram indiciados por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Marcelo Odebrecht foi indiciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

O delegado optou por não indiciar Lula e outros envolvidos pelas doações feitas por outras empresas, como a Queiroz Galvão, a Camargo Correa, a OAS e a Andrade Gutierrez, UTC, Consórcio Quip e BTG Pactual.

Segundo Lemos, não houve aprofundamento das investigações sobre a Queiroz Galvão em razão de possível acordo de colaboração com o Ministério Público Federal (MPF), até o momento sem notícias de acerto.

— A essas alturas das investigações, portanto, considerando a natureza dos serviços prestados a título de palestras, os quais se presumem ocorridos, representando assim a própria contraprestação aos pagamentos, não verificamos a prática de crime, ressalvadas apurações específicas que venham eventualmente a demonstrar a ocorrência — afirmou o delegado.

‘Amigo de meu pai’

Em relação à Odebrecht, o delegado citou as delações feitas por executivos da Odebrecht como Alexandrino Alencar, além do próprio Marcelo Odebrecht. Em seu depoimento, Alexandrino Alencar afirmou que tinha conhecimento de uma contabilidade paralela do grupo Odebrecht para pagamentos ao PT e ao ex-presidente.

“Alexandrino afirmou que também foram baixados dessa ‘conta amigo’ R$ 4 milhões que o colaborador entende que foram destinados às doações ao Instituto Lula. Marcelo Odebrecht, em suas declarações como colaborador, confirmou que as doações de R$ 4 milhões ao Instituto Lula foram abatidos da ‘conta amigo’, bem como a ciência de Lula acerca de provisionamentos para o instituto”, disse o delegado.

Entre os indícios apresentados, consta um e-mail trocado entre Marcelo Odebrecht e outros executivos da Odebrecht. Na mensagem, Marcelo afirma que o “Italiano”, codinome de Antonio Palocci dentro da empresa, teria afirmado que o Japonês, referência a Paulo Okamoto, presidente do Instituto, iria procurar Hilberto Mascarenhas, executivo da Odebrecht, para um “apoio formal ao Instituto”, no valor de R$ 4 milhões.

“Vai sair de um saldo que o amigo de meu pai ainda tem comigo de 14”, explica Marcelo Odebrecht no e-mail.

Segundo o delegado, a princípio, as doações seriam irrelevantes se não tivessem sido abatidas da conta informal de propinas mantida pelo PT junto à construtora. O mesmo ocorreu com recursos destinados à aquisição de um imóvel para o Instituto Lula.

“Surgem, então, robustos indícios da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, considerando o pagamento de vantagem indevida a agente público em razão do cargo por ele (Lula) anteriormente ocupado”, diz o delegado.

Procurado, o advogado Fernando Fernandes, que defende Paulo Okamotto, afirmou que seu cliente foi absolvido de acusação semelhante.

— O delegado transparece que deseja recriar casos. Do relatório fica claro que todas as palestras foram periciadas e existiram. As doações ao Instituto Lula foram pelas mesmas empresas que doaram a instituto de outros ex-presidentes. Okamotto realiza um trabalho fundamental para preservação da memória e do acervo que o Instituto Lula cuida — afirmou Fernando Augusto Fernandes.

Em nota, o advogado de Antonio Palocci, Tracy Reinaldet, afirmou que o ex-ministro colaborou de modo efetivo com a Polícia Federal e com o Ministério Público Federal para o esclarecimento dos fatos investigados.

O GLOBO entrou em contato com a defesa do ex-presidente Lula e dos outros indiciados e aguarda respostas, que serão publicadas nesta reportagem.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Chico da Silva disse:

    Á ladrão! Nunca pensei de companheiro ser tão ladrão.

  2. aof disse:

    Mais um processinho pela frente? E ainda quer se candidatar?

  3. Tico meu disse:

    Esse poço de Corrupções não tem fim, é o buraco negro, e está localizado no Brasil, quem criou foi a esquerdalha progressiva.

  4. Ditadura da Hipocrisia disse:

    Qual o problema? Isso é intriga da direita com a "alma mais Onesta do país".
    Aimmmm, tem que investigar o Queiroz…
    E o Lulinha? Não interessa, isso é coisa dos inconformados, tem que ir atrás do Queiroz!
    E o que Palocci revelou? Não importa, não interessa, tem que ir atrás do Queiroz!
    E as investigações em curso da lava jato? Para tudo e vão atrás do Queiroz!
    E os deputados do PT que movimentaram mais de R$ 20 milhões na Alerj? Não queiram desviar a atenção, tem que ir atrás do Queiroz!

  5. Ojuara disse:

    Com certeza, o maior bandido que esse país já teve, LULADRAO. Que ninguém nunca esqueça a cara desse bandido, e o que ele e sua quadrilha roubaram da nossa nação.

    • Antídoto para alienados disse:

      Vai comer capim alienado 🐮🐮🐮

    • Ojuara disse:

      Tu, como apoiador de um bandido, deveria era ter vergonha. Eu já dei apoio a esse canalha lá pelos anos noventa, acho que tu nem vivo era ainda, qdo vi que ele e sua curiosa não passavam de bandidos travestidos de comunistas. Qdo começaram a ganhar as primeiras prefeituras e fazer pior que seus antecessores, sai fora. Depois só se confirmou, assassinato de Celso Daniel, mensalão, dinheiro nas cuecas, cut envolvida em tudo que era maracutaia, governadores, senadores, deputados prefeitos, vereadores….tudo envolvido em roubo, hoje os que ficaram como vc ou são do mesmo naipe ou perdeu alguma boquinha. Sim, só pra tua informação depois passei mais alguns anos filiado ao PSOL, com as mesmas características do PT, sai TB, depois fui para o pstu , dá pra tu otário. Alienado é tu que nunca deve ter lido um livro, participado de uma eleição ou convenção ou pertencido a um partido sequer, babaca.

    • Flavio disse:

      Tai, antídoto, levou uma cacetada de graça, bem que podia ter ficado calado. Kkkkkkk
      Pelo jeito o alienado e tu. Kkkkkk

Documentos apreendidos pela PF na empresa de Lulinha indicam calote na Oi

Foto: Paulo Giandalia/Estadão Conteúdo

Em meio a uma série de documentos apreendidos na sede da Gamecorp, a empresa de Lulinha, a PF encontrou cinco contratos de empréstimo firmados com a Oi em junho de 2017, no valor total de R$ 1,6 milhão, informa Fabio Leite na Crusoé.

Na mesma pasta, que foi apreendida em 10 de dezembro na sede da empresa, em São Paulo, durante a Operação Mapa da Mina, a PF encontrou também duas cartas de notificação extrajudicial da Oi Móvel S/A. Com datas de dezembro de 2018 e setembro de 2019, os documentos cobram os valores do empréstimo feito à Gamecorp, que teriam vencido dez anos atrás.

Crusoé

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. GLENIO FLORENCIO disse:

    E QUANDO A GENTE ATRASA A CONTA TELEFONICA ELES SÃO MAIS RÁPIDOS QUE UMA BALA PARA DESASTIVAR A LINHA KKKKKK,ACHO POUCO !!!!!

  2. Marcelo disse:

    O pior , é a lei permitir que ladrões e traficantes paguem para advogados caríssimos, com o dinheiro do próprio crime, deveria ter que comprovar a origem lícita do dinheiro, caso contrário, só teriam direito a defensoria pública, mas, isso não é interessante para políticos e OAB.

  3. Antônio Neves disse:

    A Oi está autorizada a conceder empréstimos?

  4. Netto disse:

    Calote, é?
    Mudou de nome.

  5. Flavio disse:

    Não sabia que a OI era banco ou empresa financeira de empréstimos.

  6. Ana disse:

    Pessoal prendam logo esse ladrão. Absurdo esses safados roubarem milhões, bilhões e conseguirem escapar da cadeia.

    • Rodrigo disse:

      Amiga Ana, ninguém no Brasil é preso por isso não!!! Só fica preso quem não tem dinheiro!

PF indicia por associação criminosa todos os presos por ataque hacker contra autoridades

Foto: Reprodução/Internet

A PF indiciou por associação criminosa todas as seis pessoas presas pela invasão de celulares de autoridades, informa Mateus Coutinho na Crusoé.

Walter Delgatti Neto, Thiago Eliezer Martins, o DJ Gustavo Elias Santos e o motorista de Uber Danilo Cristiano Marques também irão responder por invasão de dispositivos telemáticos e interceptações, acusação que não foi feita a Suelen Priscila de Oliveira e Luiz Henrique Molição.

 

Lava Jato: PF investiga fraudes em contratos que superam R$ 6 bilhões feitos entre a Petrobras e empresas de afretamentos

O procurador da República Athayde Ribeiro Costa durante entrevista à imprensa na sede da Polícia Federal, em Curitiba – Divulgação Polícia Federal

A 70ª fase da Lava Jato, chamada de Operação Óbolo, foi deflagrada nesta quarta-feira (18) para coletar provas a fim de investigar crimes relacionados a contratos de afretamentos de navios pela Petrobras, que superam R$ 6 bilhões. Os contratos foram feitos com as empresas Maersk, Tide Maritime e Ferchem. Os policiais investigam também o fornecimento de informações privilegiadas que concederam vantagens competitivas a empresas, tendo como contrapartida o pagamento de propina a funcionários da Petrobras.

Segundo o Ministério Público Federal, em Curitiba, existe uma estimativa inicial do pagamento de subornos de ao menos US$ 3.402.941,58, em razão de 11 contratos da Maersk, que chegam a R$ 592 milhões, conforme informações contidas em planilha apreendida com Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, no estágio inicial das investigações da Operação Lava Jato.

O procurador da República Athayde Ribeiro Costa disse, durante entrevista à imprensa na sede da PF, na capital paranaense, que a ação policial deflagrada hoje é uma sinalização concreta que a área-fim da Petrobras foi atingida por esquemas de corrupção que vão desde o afretamento e o abastecimento de navios até a carga por eles transportada. Segundo o procurador, as investigações se aprofundam inclusive em relação a contratos de afretamentos ainda em vigor.

De acordo com o MPF, entre 2002 e 2012, a Maersk e suas subsidiárias fecharam 69 contratos de afretamento com a Petrobras, que totalizaram aproximadamente R$ 968 milhões. A Tide Maritime figurou em 87 contratos, entre 2005 e 2018, no valor de R$ 2,8 bilhões. Já a Ferchem, também shipbroker, intermediou ao menos 114 contratos de afretamento marítimo na Petrobras, superior a R$ 2,7 bilhões, entre 2005 e 2015.

As investigações relacionadas a Maersk são oriundas da colaboração premiada de Paulo Roberto Costa. “Foram reunidas evidências que o armador, por meio de uma empresa intermediária, efetuou pagamentos de propina ao então diretor de Abastecimento da Petrobras, tendo como contrapartida o fornecimento de informações privilegiadas. Por ora, são investigados pelo menos 15 contratos de afretamento marítimo vigentes entre 2006 e 2014, no valor total de R$ 658 milhões”.

A reportagem da Agência Brasil não conseguiu contato com as empresas citadas nas investigações da Operação Óbolo, conduzidas pelo PF e o MPF.

De acordo com a PF, o nome da operação, Óbolo, é em referência à moeda que era usada para remunerar o barqueiro Caronte, que conduzia as almas através do rio que separava o mundo dos vivos dos mortos, segundo a mitologia grega.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    E ninguém sabe por que no Brasil os combustíveis são tão caros, né? Ah, tá.