Projeto busca fim da prisão especial para quem tem ensino superior

O fim da prisão especial para quem tem diploma de ensino superior e a remoção do benefício para cidadãos inscritos no “livro de mérito” são objetivos do PL 3.945/19, que altera o CPP e está sendo analisado na CCJ do Senado. Se aprovado na Comissão e não houver recurso para votação no plenário do Senado, o texto segue para a Câmara.

Atualmente, a lei prevê a prisão especial, em local separado dos presos comuns, em caso de prisão antes da condenação definitiva. Já o “livro de mérito” homenageia pessoas que tenham notoriamente cooperado para o enriquecimento do patrimônio material ou espiritual da Nação e merecido o testemunho público do seu reconhecimento.

Para o senador Fabiano Contarato, autor do projeto, essa regra reflete no tratamento jurídico-penal um sistema desenhado para fortalecer as desigualdades, em que os pobres ficam cada vez mais miseráveis e os ricos têm cada vez mais dinheiro.

Para ele, conceder esse privilégio pelo simples fato de um indivíduo ter diploma de nível superior é dizer à maior parcela da população brasileira, “constituída de analfabetos”, pessoas que estudaram até o ensino fundamental ou até o nível médio, que “são inferiores” à camada privilegiada da sociedade que teve acesso ao ensino superior, o que não é justo. Da mesma forma, acredita que não é porque um indivíduo tenha prestado, no passado, um serviço de destaque à nação brasileira que justifique tal privilégio.

O senador disse entender que não existem razões de ordem técnica, jurídica ou científica que embasem a prisão especial nesses casos. Ele lembrou que a gravidade do crime não necessariamente tem a ver com o nível de escolaridade de uma pessoa.

“A título de exemplo, há pessoas com nível fundamental que cometem furtos e indivíduos com nível superior que cometem roubos cinematográficos. Há analfabetos que respondem por um soco e há PhDs que respondem por mortes brutais.”

Para Contarato, a maior mentira escrita na CF é o art 5º, que diz que todos são iguais perante a lei: “para que essa afirmação passe a ser uma verdade, precisamos modificar toda a legislação infraconstitucional que não honra esse preceito, tal como a que se busca revogar.”

Migalhas

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Por uma questão de simples isonomia, presidiários brasileiros e seus familiares deveriam lutar por um ambiente prisional em tudo idêntico ao oferecido a Lula da Silva. Afinal, diz a lei que todos são iguais perante ela.

  2. nasto disse:

    Ladrão, criminoso, matador, estuprador e tantos outros crimes , não interessa se é doutor, analfabeto, preto, pobre , branco, rico. É para ser todos presos no mesmo regime. Tem que acabar com esses privilégios.

  3. Lucio disse:

    Concordo 100%.
    Agora era para tirar também os privilégio s dos políticos ou advogados quando são presos. Veja o exemplos dos caras que foram presos na Lava Jato, até reforma na prisão fizeram para receber os caras.

  4. Bento disse:

    Tudo esta mudando com o novo Governo Federal e para bem melhor, qual a diferença de um criminoso com diploma de terceiro grau e outro de segundo grau ou grau nenhum, não existe diferença estamos falando do mesmo criminoso, portanto o pau que da em Chico da também em Francisco.

  5. Luciana Morais Gama disse:

    Afinal, todos somos iguais perante a lei.

COMENTE AQUI