Saúde

Queiroga diz que é possível garantir até o fim de 2021 a população inteiramente vacinada

Em coletiva de imprensa virtual da Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta sexta-feira, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga fez um apelo aos países que tenham doses extras de vacina contra a Covid-19 para dividi-las com o Brasil e assim “possamos avançar com nossa ampla campanha” e evitar a “proliferação de novas linhagens e variantes do vírus”.

Queiroga disse ainda que o Ministério está “na iminência de assinar” um contrato com a Pfizer para aquisição de mais 100 milhões de doses de vacina, e afirmou acreditar ser possível imunizar toda a população brasileira até o fim de 2021:

— Temos doses suficientes para o segundo semestre, e (assim) é possível garantir que até o fim de 2021 tenhamos a nossa população inteiramente vacinada.

O ex-ministro Eduardo Pazuello já havia prometido vacinar a população brasileira até o fim deste ano. Até quinta-feira, o Brasil conseguiu aplicar a primeira dose de vacina contra a Covid-19 apenas em 14,74% da população, e somente 7,15% receberam a segunda dose, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

Com O Globo

Opinião dos leitores

  1. Rapaz… falar a vdd nunca foi o forte do governo, mas o dr aí tá demais. Em março o governo teve que anunciar a redução de 50% do número de vacinas previsto e em abril nunciou a redução de mais 80% do previsto pra esse mês. E mesmo assim continua jogando palavras ao vento. Pior, agora com um Mimistro médico, presidente de uma representação de Classe. A nossa elíte perdeu a vergonha de vez, tocaram o f… À medida que piora, saem do brazil e vão pra Portugal. Caras de pau.

  2. Deus no comando .Desejo ao ministro Queiroga muita sabedoria para gerir a imunização de maneira que chegue a todos os brasileiros.

  3. Qual será o artigo que essa gente está comentando? Deve ser outro porque esse acima traz uma EXCELENTE noticia para todos NOS, brasileiros, e deveria ser motivo para grande comemoração. Vá entender essa gente. Serão mesmo brasileiros? Acho que não.

  4. Vou aguardar a terceira ou quarta geração das vacinas para escolher, não nasci cobaia!
    BOLSONARO 2022 (tem razão).

    1. Conversinha é essa…. deve ter feito igual aos generais e o próprio Bozo…tomou escondido…

    2. Exatamente, no mais só imbecis de esquerda sendo trouxas do sistema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pesquisa estuda casais e mapeia genes para entender por que alguns têm Covid e outros não

Thaís Oliveira de Andrade com o marido Eric Soares de Araújo, ambos de 44 anos e voluntários da pesquisa; ele teve Covid-19 e precisou ser hospitalizado, e ela até agora tem se mostrado resistente ao Sars-CoV-2 | Foto: Acervo Pessoal

Em estudo divulgado na plataforma medRxiv, pesquisadores brasileiros deram os primeiros passos no sentido de entender por que algumas pessoas são naturalmente resistentes à infecção pelo novo coronavírus.

O trabalho se baseou na análise do material genético de 86 casais em que apenas um dos cônjuges foi infectado pelo Sars-CoV-2, embora ambos tenham sido expostos.

Os resultados – que ainda estão em processo de revisão por pares – sugerem que determinadas variantes genéticas encontradas com maior frequência nos parceiros resistentes estariam associadas à ativação mais eficiente de células de defesa conhecidas como exterminadoras naturais ou NK (do inglês natural killers). Esse tipo de leucócito faz parte da resposta imune inata, a primeira barreira imunológica contra vírus e outros patógenos. Quando as NKs são acionadas corretamente, conseguem reconhecer e destruir células infectadas, impedindo que a doença se instale no organismo.

“Nossa hipótese é que as variantes genômicas mais frequentes nos parceiros suscetíveis levariam à produção de moléculas que inibem a ativação das células NK. Mas isso é algo que ainda precisa ser validado por meio de estudos funcionais”, explica Mayana Zatz, professora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano e de Células-Tronco (CEGH-CEL), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da Fapesp.

Após anunciar na imprensa que buscavam voluntários para o projeto, em meados de 2020, os cientistas do IB-USP foram contatados por aproximadamente mil casais com histórias parecidas e intrigantes. Um homem com mais de 70 anos, por exemplo, precisou ser hospitalizado para tratar complicações da Covid-19 enquanto sua esposa, na mesma faixa etária, e sua sogra, que tem 98 anos e mora na mesma casa, não apresentaram qualquer sinal de infecção. Outro caso curioso é o de um homem de cem anos cujo teste deu negativo para o vírus apesar de ter mantido o contato rotineiro com sua esposa, de 90 anos, que foi contaminada.

“Inicialmente achávamos que casos como esses eram raros e nos surpreendemos com a variedade de relatos. Selecionamos cem casais com características comparáveis – entre elas idade e ancestralidade genética – e coletamos amostras de sangue para uma análise mais detalhada”, conta Zatz à Agência Fapesp.

A identificação dos casais e a coleta de material dos voluntários foram conduzidas pelo bolsista de pós-doutorado da Fapesp Mateus Vidigal.

“O primeiro passo foi fazer um teste sorológico para excluir da amostra eventuais casos assintomáticos [pessoas que, na verdade, haviam sido infectadas, mas não apresentaram sintomas]. Após essa triagem, restaram 86 casais de fato sorodiscordantes, ou seja, em que apenas um cônjuge carregava no sangue anticorpos contra o novo coronavírus”, relata Vidigal.

Enquanto no grupo dos suscetíveis havia uma maioria de homens (53 contra 33), as mulheres predominavam entre os resistentes (57 contra 29). Vidigal destaca que a pesquisa foi conduzida antes do surgimento das novas cepas do SARS-CoV-2, consideradas mais transmissíveis. “Não temos certeza de que os achados seriam os mesmos em pessoas expostas à P.1., por exemplo”, pondera.

De acordo com Zatz, o fato de a resistência ao Sars-CoV-2 ser uma característica relativamente comum na população – diferentemente do HIV, causador da Aids, por exemplo – fala a favor de uma herança genética complexa, na qual muitos genes estão envolvidos.

“Isso significa que, para achar algo significativo ao olhar o genoma como um todo, seria preciso ter uma amostra gigantesca, com mais de 20 mil voluntários. Decidimos então focar em dois grandes grupos de genes relacionados com a resposta imune: o complexo principal de histocompatibilidade [MHC, na sigla em inglês] e o complexo de receptores leucocitários [LRC]. São os genes do MHC que definem, no caso de um transplante, por exemplo, se dois indivíduos são compatíveis ou não”, explica a pesquisadora.

Mesmo com esse filtro a tarefa estava longe de ser trivial. Alguns dos genes que integram esses dois complexos chegam a ter mais de 7 mil formas alternativas, também chamadas de polimorfismos.

“Um exemplo de polimorfismo são os diferentes tipos sanguíneos. Existem quatro variantes genéticas dentro do sistema ABO: A, B, AB e O. No caso dos complexos MHC e LRC, alguns genes têm milhares de variantes”, conta a pesquisadora.

Para ajudar na empreitada, o grupo do IB-USP estabeleceu colaboração com Erick Castelli, da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu. Recentemente, com apoio da Fapesp, o pesquisador desenvolveu métodos computacionais que facilitam o estudo dos complexos MHC e LRC.

“Imagine que você está tentando montar um quebra-cabeça [o genoma] com base em uma única referência, mas há várias peças muito parecidas e há milhares de possibilidades para uma mesma peça, com alterações muito sutis entre elas, tornando impossível saber onde cada uma se encaixa. O algoritmo se baseia em milhares de sequências já descritas para esses genes para decidir o local de cada peça, fazendo a montagem do genoma de forma muito mais detalhada. O método também permite inferir qual é a sequência de cada cromossomo e qual proteína seria produzida a partir de cada gene”, conta Castelli à Agência Fapesp.

A análise do complexo MHC indicou que variantes de dois genes – conhecidos como MICA e MICB – parecem influenciar a resistência ao Sars-CoV-2. Segundo Castelli, a expressão desses genes normalmente aumenta quando as células estão sob algum tipo de estresse e isso leva à produção de moléculas que se ligam a receptores das NK, sinalizando que tem algo errado com aquela célula.

“No caso do MICA, o polimorfismo mais frequente nos indivíduos infectados aparentemente faz com que a proteína codificada por esse gene seja produzida em maior quantidade, possivelmente na forma solúvel, o que inibe a ativação das células NK. No caso do MICB, entre os suscetíveis, foi 2,5 vezes mais frequente uma variante associada à menor expressão do RNA mensageiro que codifica a proteína ativadora de NK. Os dois caminhos, portanto, levariam à menor ativação dessa barreira imunológica”, explica Castelli.

“Nos indivíduos infectados, foi cinco vezes mais frequente uma variante do LILRB1 que, pela nossa análise, levaria à maior expressão de receptores que inibem a ação das células NK”, conta Castelli.

As hipóteses referentes ao papel de cada polimorfismo na resistência ou suscetibilidade ao SARS-CoV-2 foram elaboradas em parceria com um grupo de pesquisadores do Instituto do Coração (InCor) liderados por Edécio Cunha Neto.

“De modo geral, os indivíduos suscetíveis teriam variantes genéticas que resultariam em uma resposta de células NK mais fraca, enquanto nos resistentes essa resposta seria mais robusta. Há diversos testes que podem ser feitos para comprovar essa hipótese. Um deles é incubar o Sars-CoV-2 com células do sangue periférico de indivíduos suscetíveis e resistentes e observar como varia em cada caso a ativação das células NK”, sugere Cunha Neto.

Ainda que os achados se confirmem, pondera o pesquisador do InCor, certamente há outros mecanismos da resposta imune inata atuando em paralelo para determinar a resistência ao vírus. “Um deles certamente é a capacidade das células de defesa de produzir rapidamente interferons [uma classe de proteínas fundamental para a resposta antiviral]”, avalia.

O artigo Immunogenetics of resistance to Sars-CoV-2 infection in discordant couples pode ser lido em www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.04.21.21255872v1. A pesquisa teve apoio da Fapesp por meio de seis projetos (13/08028-1, 14/50931-319/19998-8, 20/09702-1, 13/17084-2 e 17/19223-0).

FolhaPress

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Forte chuva em Mossoró derruba estrutura metálica de loja de veículos seminovos; Não houve feridos

Imagem: reprodução

A forte chuvas que caiu na tarde desta sexta-feira (30), em Mossoró, derrubou a estrutura metálica da área de seminovos de uma concessionária (veja vídeo abaixo).

Em nota enviada ao blog, a Concessionária Terrasal, esclareceu que não houve nenhum ferido no acidente ocorrido e que logo isolou a área, como medida de segurança. Veja a nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Concessionária Terrasal informa que na tarde desta sexta-feira, dia 30, em função de uma forte chuva na cidade de Mossoró, a estrutura metálica da área de seminovos cedeu, por volta das 17h.

Informamos que não houve nenhum acidente com colaboradores ou clientes, e que, logo após o ocorrido, todas as medidas de segurança foram tomadas, como isolamento do local e acionamento do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil.

A todos, o nosso agradecimento e estima.

Mossoró, 30 de abril de 2021

Diretoria Terrasal

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Programa Papo de Fogão deste final de semana recebe a Natural Chef Carol Campos e o Chef Lincoln Iff e terá preparos de dar água na boca

O tempero do Papo de Fogão desse fim de semanal está imperdível! Dois preparos de dar água na boca e que vão agradar desde o paladar mais raiz ao mais leve e natural.

O prato principal dessa semana é assinado pela Natural Chef Carol Campos, que vai nos ensinar a preparar uma Tilápia Cítrica com Purê de Banana. Um prato leve e super saboroso que vai agradar a toda família!

E a Dica Rápida vai especialmente para os amantes de gastronomia raiz: Picado de Bode! E você vai aprender como preparar com o Chef Lincoln Iff, do Picado de bode gourmet, de João Pessoa.

Confira os horários e dias e fique ligado!
SÁBADO
Band Nordeste
Alagoas, 07h
Maranhão, 09h
Piauí, 10h30
Tv Correio/Record
Paraíba, 13h30

DOMINGO⠀
RIO GRANDE DO NORTE – TV Tropical – 10h

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Manifestantes arremessam ovo em comitiva de Bolsonaro em SP

A comitiva do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi hostilizada, nesta sexta-feira (30/4), ao chegar ao prédio da Bolsa de Valores de São Paulo, onde ocorria o leilão da Companhia Estadual de Água e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). O grupo, alvo de protestos contrários à venda da empresa, foi recebido pelos manifestantes com uma ovada.

Parlamentares – entre eles, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ) – e ministros da base do governo entraram correndo no prédio após o ovo arremessado atingir a parede. O presidente Bolsonaro acompanhou o leilão pessoalmente.

Manifestantes posicionaram-se em frente ao prédio da Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Participantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) também estavam no protesto.

No leilão, o governo do Rio de Janeiro arrecadou R$ 22,6 bilhões, em três dos quatro blocos da Cedae. Juntos, os quatro blocos da empresa estavam a leilão por outorga mínima de R$ 10,6 bilhões.

Metrópoles

Opinião dos leitores

    1. Esta turma da putaria tem a pontaria ruim esclerosado ,é por isso que continuam chutando com a canhota ,e seguindo com abstinência do dinheiro publico !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Emprego

Manifestação pelo direito ao trabalho será realizada neste sábado em Natal

No feriado em que se celebra o Dia do Trabalho, 1º de maio, os movimentos de direita do Rio Grande do Norte irão às ruas lutar por aquele que foi o mais desrespeitado durante toda a pandemia: o trabalhador. Com concentração marcada para às 9h do sábado (1), em frente ao Colégio Marista, localizado na Rua Apodi, os manifestantes pretendem caminhar até à Praça dos Três Poderes para chamar atenção do prefeito, dos parlamentares, dos juízes e desembargadores sobre o assunto.

De acordo com Carlos Reny, do grupo Força Democrática, a manifestação visa defender o direito ao trabalho e à liberdade. “Vemos, diariamente, há um ano, empresários fechando às portas, trabalhadores sendo demitidos, o desespero e a fome batendo à porta, nossos direitos e nossa esperança morrendo pouco a pouco. Vamos cobrar austeridade e transparência com o dinheiro público aos nossos representantes e também estaremos atentos em quantos deles estarão presentes na manifestação mostrando que estão ao lado do povo”, pontua.

O ato também terá caráter social, pois a organização pede a doação de alimentos não-perecíveis para aqueles que se fizerem presentes. Os itens serão doados a comunidades carentes da capital.

Opinião dos leitores

  1. Onde esses patriotas humanitários e solidários estavam na época da reforma trabalhista e previdenciária?????

    1. Creio que estavam trabalhando. Alias, o que vc achou da reforma da previdência estadual, feita pela governadora Fátima do PT? Vc lembra que ela dizia que essa reforma era desnecessária? E fez uma mais severa que a federal, veja só.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pfizer espera que “muitos milhões” de doses de vacina cheguem por semana ao Brasil

Marta Díez, presidente da Pfizer no Brasil, fala em webinar da Aberje e do King’s College de Londres — Foto: Reprodução/YouTube

A presidente da Pfizer no Brasil, Marta Díez, disse nesta sexta-feira que a farmacêutica planeja produzir até 3 bilhões de doses da vacina contra covid-19 ainda este ano. Em painel online organizado pelo King’s College de Londres e a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), ela reforçou que, enquanto durar a emergência, a estratégia da companhia será fornecer somente para governos centrais, o que independe da legislação e suas eventuais modificações.

“Este ano pensamos em produzir entre 2 bilhões e 3 bilhões de vacinas. Em 2021, começamos falando em 1,2 bilhão de doses, mas esse número aumentou porque aumentamos a capacidade de produção e fizemos alianças com outras companhias”, disse Díez.

Para o Brasil, especificamente, Díez afirmou que a entrega de 100 milhões de vacinas até o fim de setembro, como previsto em contrato assinado com o governo federal, vai exigir entregas semanais de alguns milhões de doses.

“Ontem chegou o primeiro milhão [de doses para o Brasil]. A expectativa é chegar muitos milhões por semana. Vacinas que não só têm de chegar, mas serem distribuídas”, disse ela lembrando que o Brasil tem “sorte” pelo tamanho e capilaridade de seu Plano Nacional de Imunização, “capaz de distribuir anualmente 300 milhões de doses contra outras enfermidades em todo o território”, disse Marta Díez.

A presidente da Pfizer disse que a estratégia, no Brasil e no mundo, permanece vender somente aos governos federais, por ser a melhor estratégia sanitária para conter a doença. Ela descartou, por ora, a venda para a iniciativa privada ou para Estados e municípios e disse que a decisão independe de adaptações da legislação.

Só quando controlada a pandemia, disse ela, a estratégia comercial da Pfizer poderá variar. “O Brasil tem uma legislação segundo a qual a companhia não pode vender ao mercado privado até que todos os grupos de risco estejam imunizados. Depois seria possível vender ao setor privado. Mas outros países não têm essa restrição e lá a estratégia é a mesma. É mais uma lógica sanitária do que legislativa”, disse.

Ela afirmou que ainda é cedo para fazer previsões para 2022, mas que há capacidade de ampliar o número de doses a serem produzidas pela Pfizer para contemplar todos os cerca de 60 países com os quais a companhia mantém contratos.

Mais do que capacidade de ampliar a produção, a maior preocupação para o ano que vem é com a identificação de novas variantes do vírus e a verificação sobre a eficácia da vacina contra essas mutações.

Nesse sentido, ela afirmou que as atenções da Pfizer estão voltadas para as variantes indianas, após a conclusão de estudos sobre o funcionamento da vacina ante as novas versões britânica, brasileira e sul-africana.

Valor Econômico

Opinião dos leitores

  1. Cuidado, pode não dar tempo tomar a “boa”… As viúvas ou viúvos, agradecem.
    Boiada imunda

    1. Vou esperar um pouco. Quando todos tomarem a Coronavac, vai “boiar” essa da Pfizer. Na UE e nos EUA, aceitam essa. Os canhotas tomam a ching-ling e vão pra Cuba. Rsrsrs

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Maradona morreu ‘abandonado à própria sorte’ por equipe médica, indica relatório

Foto: Alejandro Pagni / AFP / CP

O lendário craque argentino Diego Armando Maradona foi “abandonado à própria sorte” pela equipe de saúde que o atendeu nos dias anteriores à sua morte, em 25 de novembro de 2020, com um “tratamento inadequado, deficiente e imprudente”, segundo um relatório.

A junta médica que investiga a pedido da justiça as causas da morte determinou em um documento de 70 páginas que Maradona “começou a morrer pelo menos 12 horas antes” do momento em que foi encontrado sem vida em seu leito e sofreu um “prolongado período de agonia.”

O relatório foi elaborado por uma comissão interdisciplinar de 20 peritos convocada pela Procuradoria-Geral de San Isidro, na periferia de Buenos Aires, que busca determinar se a morte de Maradona pode ter ocorrido por abandono de pessoa ou homicídio culposo (involuntário).

O ídolo argentino morreu no dia 25 de novembro, aos 60 anos, sozinho em sua cama em uma casa alugada em um bairro privado ao norte de Buenos Aires, onde se recuperava após uma operação de um hematoma na cabeça, e onde ele supostamente estava com internação domiciliar.

O relatório da junta médica conclui que o capitão da seleção argentina campeã do mundo no México em 1986 “teria mais chance de sobrevivência” se tivesse tido uma internação adequada e em um centro de saúde polivalente. “Levando em conta o quadro clínico, clínico-psiquiátrico e o mal estado geral, deveria ter continuado a sua reabilitação e tratamento interdisciplinar em uma instituição adequada”, insistiu a junta.

Os especialistas indicaram que Maradona “não estava em pleno uso de suas faculdades mentais, nem em condições de tomar decisões sobre sua saúde” no momento em que deixou a clínica de Olivos, onde havia sido submetido a uma cirurgia na cabeça.

Nos dias anteriores, o ex-astro do Napoli e do Barcelona havia insistido em deixar a clínica e se recusado a ser encaminhado para outro centro de saúde, segundo o seu médico pessoal, Leopoldo Luque, um dos investigados.

Entre as conclusões, a banca sustenta que “foram ignorados os sinais de risco de vida que apresentava” e os cuidados de enfermagem nestas últimas semanas “estão repletos de deficiências e irregularidades” e com falta de exames.

“A equipe médica assistencial representou plena e cabalmente a possibilidade do desfecho fatal em relação ao paciente, sendo absolutamente indiferente a essa questão, não modificando suas condutas e plano médico/assistencial traçado, mantendo as omissões prejudiciais acima mencionadas, abandonando ‘à própria sorte o estado de saúde do paciente’, acusam os peritos no relatório.

Estadão Conteúdo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil receberá 4 milhões de doses de vacinas do Consórcio Covax neste fim de semana

Foto: EFE/EPA/JUNG YEON-JE / Archivo

Em pronunciamento feito nesta sexta-feira (30), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a entrega de 4 milhões de doses da vacina de Oxford pelo Covax Facilty, consórcio da OMS (Organização Mundial da Saúde) que tem como o objetivo garantir o acesso igualitário dos países à imunização.

“As vacinas do Covax, que conseguimos trazer graças a ações conjuntas do Ministério da Saúde, da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), da OMS e da diplomacia brasileira, vai nos permitir reforçar a vacinação no país”, disse Queiroga.

Em relação à entrega, 220 mil doses devem chegar no sábado (1º), e as 3.8 milhões chegarão no domingo (2) em dois voos.

O ministro também destacou a compra de 7 milhões de medicamentos para que o procedimento de intubação, necessário em casos graves de covid-19, seja realizado.

“Em função das diminuições de novos casos e das ações do Ministério da Saúde, há uma maior tranquilidade em relação a esses insumos do ‘kit intubação’”, afirmou.

O assessor executivo da pasta, Rodrigo Cruz, disse que o anúncio oficial da compra deve ocorrer na próxima semana.

Além disso, a pasta também anunciou o lançamento de um guia para orientar os profissionais da saúde, aplicável aos serviços público e privado, durante o atendimento de pacientes internados com quadros graves de covid-19.

As diretrizes dizem respeito ao uso de oxigênio e suporte respiratório, além de orientar sobre o uso do “kit intubação” e possíveis substitutos em caso de indisponibilidade dos medicamentos.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Após impeachment, Witzel bate boca nas redes, compara tribunal a Estado Islâmico e diz ser vítima de ‘golpe’


Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

Pouco mais de uma hora após sofrer impeachment, o governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse pelo Twitter ter sido vítima de um golpe e comparou o Tribunal Especial Misto (TEM), que votou a favor de sua condenação na tarde desta sexta-feira (30), ao Estado Islâmico.

“É revoltante o resultado do processo de impeachment! A norma processual e a técnica nunca estiveram presentes. Não fui submetido a um Tribunal de um Estado de Direito, mas sim a um Tribunal Inquisitório. Com direito a um carrasco nos moldes do Estado Islâmico, que não mostrou o rosto”, escreveu ele no Twitter, em alusão a Edmar Santos, seu ex-secretário de Saúde.

“O delator que escondia R$ 10 milhões no colchão virou herói neste Tribunal, e a única prova para o golpe! Todo Tribunal Inquisitório é unânime. Hoje não sou eu que sou cassado, é o Estado Democrático de Direito!”, completou.

O pronunciamento aconteceu minutos após Witzel bater boca pela rede social com o deputado estadual Flavio Serafini (PSOL), em sua primeira manifestação pública após ter seu mandato cassado. A interação com o pessolista se deu instantes após o Tribunal Especial Misto (TEM) formar maioria pelo impedimento do ex-juiz federal, eleito em 2018 com uma campanha alavancada pelo fenômeno bolsonarista. Witzel é acusado de crime de responsabilidade por seu suposto envolvimento em fraudes na compra de equipamentos e celebração de contratos irregulares a pretexto de combater a pandemia de Covid-19.

“O desconhecido juiz fascista eleito com o apoio de Bolsonaro se lambuzou em casos de corrupção na gestão da pandemia e agora está definitivamente afastado do seu cargo. E aí, Witzel? Bandido bom é bandido morto?”, escreveu Serafini, numa alusão à política de segurança pública implementada por Witzel, pautada no confronto direto com a criminalidade.

“Você deve viver em outro mundo. O planeta da mediocridade e infelizmente não tem condições de avaliar os trágicos resultados desse impeachment. Não consegue entender que eu fui cassado por combater a corrupção!”, respondeu Witzel.

No dia de seu julgamento, Witzel preferiu se manifestar apenas virtualmente: acompanhou todo o julgamento de sua casa, no Grajaú, na Zona Norte, e se limitou a desferir críticas contra o tribunal pelo Twitter.

“Este processo de impeachment está ignorando a jurisprudência dos tribunais superiores e continua usando a delação de Edmar, surpreendido com 10 milhões de reais, como única prova contra mim. Será uma terrível mácula para a democracia brasileira. Triste”, publicou às 15h54.

Por volta das 16h45 desta sexta-feira, a maioria do TEM referendou, por 7 votos a 0, a denúncia do relator do processo, o deputado Waldeck Carneiro (PT). Cerca de uma hora depois, Witzel ainda não havia se manifestado pelas redes sociais, salvo para discutir com o deputado Serafini.

Contudo, poucos minutos após a confirmação do impeachment, outras figuras dos cenários políticos fluminense e nacional comentaram pela internet a condenação de Witzel, salientando sua ligação inicial com o presidente Jair Bolsonaro e seu posterior rompimento com ele.

“Eleito com apoio da família Bolsonaro, Wilson Witzel cai hoje como um aspirante a Sergio Cabral. É hora de tirarmos o RJ das mãos da máfia e do crime organizado para refundarmos o nosso Estado. O que está em jogo são as vidas de milhões de famílias”, escreveu o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL).

“Sete a zero contra Witzel. Cassado. Perdeu. Acabou. Tchau, querido!”, disse a deputada federal Carla Zambelli (PSL).

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Menos um corrupto e traidor, que se elegeu na carona do presidente e depois pos as “unhas de fora”. Vários outros “caroneiros” sairão em 2022.

  2. O mito, se continuar fazendo merda vai ser o próximo. Não é por roubo, é pela morte de meio milhão de pessoas. Aquela estória de gripezinha e cloroquina está engasgada na garganta dos familiares que perderam seus entes.

    1. Inventa outra narrativa! Só tem essa de covid? Só morre gente no Brasil? Inventa outra, essa perdeu a validade. Vai procurando aí!

  3. Triste RJ, não consegue eleger um governador que preste. No final da matéria, analisando as declarações do Freixo e da Zambelli, não é difícil de deduzir o que acontece quando se envolve com gente do nível intelectual que só sabe se manifestar com slogans e xingamentos pueris.

  4. Com apoio de Bolsonaro nada! Fez o mesmo que o calça colada. Tinha que ser o Globo pra citar o nome de Bolsonaro. Vai perguntar a ele se ele é amigo da família Bolsonaro! Muito pelo contrário, usou a tática do calça colada, pra depois tentar derrubar o presidente.

  5. Se compará-lo com luladrão, é apenas um trombadinha, com esse stf logo estará solto, ou será uma injustiça sem tamanho. País sem futuro e de cidadãos palhaços e debilóides.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Em 3 semanas, casos graves de Covid-19 caem em todas as faixas etárias

Foto: Egberto Nogueira/Ímãfotogaleria/VEJA

A pandemia de Covid-19 no Brasil continua grave, mas já apresenta sinais de melhora. Um levantamento feito por VEJA revela que após o Brasil atingir o pico em internações e mortes por semanais pelo novo coronavírus na segunda semana de março, houve redução no número de hospitalizações pela doença em todas as faixas etárias.

Se considerarmos todas as idades, a diminuição média de internações entre a segunda semana de março e a primeira de abril foi de 35%. A mesma tendência foi observada nas mortes, que diminuíram, em média, 49,5%, no mesmo período.

As taxas mais substanciais foram observadas em octogenárias e nonagenários: -50% e -39%, respectivamente, em hospitalizações e -60% e -52% em mortes. Embora não seja possível afirmar, acredita-se que a vacinação contra a Covid-19 tenha desempenhado um papel importante na redução de casos graves e óbitos em pessoas dessas faixas etárias. Até o fim da semana epidemiológica 14, que corresponde aos dias 4 a 10 de abril, a maioria das pessoas acima de 80 anos já havia recebido ao menos uma dose da vacina.

O levantamento foi feito com base nos casos de internação e óbitos por Covid-19, obtidos pelo SivepGripe sobre as síndromes respiratórias agudas graves (srag) no país. A redução de casos graves e mortes pelo novo coronavírus vai ao encontro da tendência de queda observada nas curvas de casos e mortes pela doença no país.

Na manhã desta sexta-feira, 30, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou a melhora do cenário brasileiro. “Os casos agora diminuíram por quatro semanas consecutivas, e as internações e mortes também estão diminuindo. Isso é uma notícia boa e esperamos que essa tendência continue”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma coletiva de imprensa.

No entanto, não é motivo para comemoração nem relaxamento. Abril já é o mês mais letal da pandemia e na quinta-feira, o país foi o segundo no mundo, depois apenas dos Estados Unidos, a ultrapassar o triste marco de 400.000 mortes pela doença. Para que os números continuem a melhorar, é preciso manter a guarda alta e os cuidados preventivos, incluindo uso de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos.

Veja

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *