Saúde

Queiroga diz que é possível garantir até o fim de 2021 a população inteiramente vacinada

Em coletiva de imprensa virtual da Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta sexta-feira, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga fez um apelo aos países que tenham doses extras de vacina contra a Covid-19 para dividi-las com o Brasil e assim “possamos avançar com nossa ampla campanha” e evitar a “proliferação de novas linhagens e variantes do vírus”.

Queiroga disse ainda que o Ministério está “na iminência de assinar” um contrato com a Pfizer para aquisição de mais 100 milhões de doses de vacina, e afirmou acreditar ser possível imunizar toda a população brasileira até o fim de 2021:

— Temos doses suficientes para o segundo semestre, e (assim) é possível garantir que até o fim de 2021 tenhamos a nossa população inteiramente vacinada.

O ex-ministro Eduardo Pazuello já havia prometido vacinar a população brasileira até o fim deste ano. Até quinta-feira, o Brasil conseguiu aplicar a primeira dose de vacina contra a Covid-19 apenas em 14,74% da população, e somente 7,15% receberam a segunda dose, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

Com O Globo

Opinião dos leitores

  1. Rapaz… falar a vdd nunca foi o forte do governo, mas o dr aí tá demais. Em março o governo teve que anunciar a redução de 50% do número de vacinas previsto e em abril nunciou a redução de mais 80% do previsto pra esse mês. E mesmo assim continua jogando palavras ao vento. Pior, agora com um Mimistro médico, presidente de uma representação de Classe. A nossa elíte perdeu a vergonha de vez, tocaram o f… À medida que piora, saem do brazil e vão pra Portugal. Caras de pau.

  2. Deus no comando .Desejo ao ministro Queiroga muita sabedoria para gerir a imunização de maneira que chegue a todos os brasileiros.

  3. Qual será o artigo que essa gente está comentando? Deve ser outro porque esse acima traz uma EXCELENTE noticia para todos NOS, brasileiros, e deveria ser motivo para grande comemoração. Vá entender essa gente. Serão mesmo brasileiros? Acho que não.

  4. Vou aguardar a terceira ou quarta geração das vacinas para escolher, não nasci cobaia!
    BOLSONARO 2022 (tem razão).

    1. Conversinha é essa…. deve ter feito igual aos generais e o próprio Bozo…tomou escondido…

    2. Exatamente, no mais só imbecis de esquerda sendo trouxas do sistema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Israel anuncia fim da obrigatoriedade de máscara ao ar livre após vacinar 61% da população

Foto: AMMAR AWAD / REUTERS

A partir do próximo domingo não será mais obrigatório usar máscara ao ar livre para conter a Covid-19 em Israel. O anúncio foi feito na quinta-feira pelo Ministério da Saúde. Ainda será necessário manter o rosto protegido em ambientes fechados. Atualmente, de acordo com o site “Our World In Data”, 61, 68 % da população do país já recebeu as duas doses da vacina produzida pela Pfizer/BioNTech.

Em nota, o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, afirmou que a decisão foi tomada com base nas recomendações de especialistas. Israel foi um dos primeiros países do mundo a impor o uso da máscara para conter a disseminação do vírus em 2020.

“As máscaras têm como objetivo nos proteger contra o coronavírus. Depois que especialistas em saúde concluíram que não são mais necessárias ao ar livre, decidimos permitir de acordo com sua recomendação. O nível de mortalidade em Israel é muito baixo graças ao nosso sucesso na campanha de vacinação e, portanto, podemos relaxar mais restrições”, ressaltou Edelstein.

O Ministério recomenda que os israelenses ainda mantenham cuidados e levem sempre consigo máscaras para usar quando necessário. A partir de domingo, todo o sistema educacional do país também volta a funcionar em sua totalidade.

Desde o início da pandemia, Israel contabilizou 837 mil casos e 6315 mortes pela Covid-19.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Bozo fez a mesma coisa aqui….nós é que não fazemos a vontade dele….
    Vá se lascar pra lá….

    1. rsrssr é mesmo, se estiver com a máscara do Bozo então Fatão manda a pessoa tirar a máscara

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Primeira vacinada na Bahia é internada com Covid-19 antes de tomar a 2ª dose; entenda como é possível

Foto: Itana Alencar/G1 Bahia

A enfermeira Maria Angélica de Carvalho Sobrinho, de 53 anos, primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 na Bahia, contraiu a doença antes de tomar a segunda dose do imunizante. Nesta terça-feira (23), ela está internada no Instituto Couto Maia, em Salvador, e tem quadro clínico considerado estável.

A médica infectologista Ceuci Nunes, que é diretora geral do Couto Maia, referência em tratamento de doenças infectocontagiosas no Brasil, explica como é possível que Maria Angélica tenha se infectado com a Covid-19 após ter tomado a 1ª dose.

“O que aconteceu com Angélica é que ela pegou a doença após a primeira dose, mas antes da segunda dose. Ela ia tomar a segunda dose no dia 16 e, entre 12 e13, começou a sentir um mal estar. Ela está bem, está usando pouco oxigênio, mas quando se movimenta fica um pouquinho desconfortável, por isso ela está sendo mantida ainda no hospital”, explicou Ceuci.

A médica explicou que, para a vacinação atingir a eficácia máxima, é preciso que a pessoa tome as duas doses e respeite a ‘janela imunológica’, que é o período que o organismo leva para produzir os anticorpos do imunizante.

“Não é à toa que a vacina são duas doses. Todas as vacinas, até o momento, a exigência é de duas doses. Exatamente porque na segunda dose se faz um reforço, aumenta a proteção. Claro que algumas pessoas já vão ter a proteção após a primeira dose, mas essa proteção pode não ser suficiente e a segunda dose é necessária”.

Apesar de casos como o de Angélica serem pontuais, ainda não há vacina 100% eficaz contra o covonavírus, o que torna possível ser infectado com Covid-19 mesmo após receber o imunizante. Por isso, a vacinação em massa é a única forma de conter a pandemia e evitar o aparecimento de variantes mais perigosas da Covid-19.

O imunizante tomado pela enfermeira Maria Angélica foi CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e que é fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan. Essa vacina tem eficácia geral de 50,38%, o que significa que o risco de pegar Covid-19 foi reduzido em 50%.

Na prática, significa que a CoronaVac tem potencial de:

Reduzir pela metade (50,38%) os novos registros de contaminação em uma população vacinada;

Reduzir a maioria (78%) dos casos leves que exigem algum cuidado médico;

Além disso, nenhum dos vacinados ficou em estado grave, foi internado ou morreu.

Ceuci chama ainda a atenção para o fato de que, mesmo vacinada, a pessoa pode propagar a infecção, porque os estudos sobre a não transmissão do vírus após a vacina ainda não foram concluídos. Ela destaca a importância das medidas de proteção.

“Geralmente [a janela imunológica é de] no mínimo 15 dias. Para a vacina de Covid, a gente está falando de 20 dias depois da segunda dose, para você considerar que tem proteção. Mas é importante também a gente reafirmar que a gente não sabe se a vacina protege da infecção. Mesmo a pessoa vacinada, ela pode adquirir o vírus, não adoecer e transmitir. Isso é uma possibilidade que ainda não foi completamente afastada”.

“É importante que, mesmo as pessoas vacinadas, mantenham as medidas de proteção, de distanciamento e uso de máscara, até que a gente tenha 60 a 70% da população vacinada”.

A médica infectologista reforça ainda que cada organismo reage de uma forma e há pessoas que adquirem uma boa proteção ao tomar a primeira dose. Ainda assim, a segunda é necessária.

“A única saída possível dessa pandemia é a gente utilizar a vacina. E não é porque uma pessoa teve após a primeira dose – claro que é uma pessoa que chamou atenção porque foi a primeira baiana a ser vacinada – que um número enorme de pessoas vão ter. Os casos são esporádicos, de pessoas que têm a doença mesmo após a primeira dose, que já dá um pouco de proteção”.

“A garantia mesmo da proteção maior é após 20 dias da segunda dose. Então é importantíssimo que todas as pessoas tomem as duas doses”.

Depois que tiver a saúde restabelecida, Maria Angélica deverá tomar a segunda dose da vacina, para que seja reforçada a proteção contra o novo coronavírus.

“Vacina não perde a primeira dose. A gente sempre vai fazer a complementação do esquema. Angélica, na época certa, depois que ela estiver muito bem, ela vai tomar a segunda dose e não repetir o esquema de duas doses”, disse Ceuci.

G1 – Bahia

Opinião dos leitores

  1. Essa é a vacina do calça apertada que os esquerdopatas tanto defendem?
    Kkkkkkkkkkkkkk
    E aguardem que virão mais infectados que tomaram esta imundície.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Veja momento da 1ª aplicação da vacina contra a covid no RN; conheça também outros imunizados em ato simbólico

A técnica de enfermagem Maria das Graças Pereira de Oliveira, de 57 anos, que atua no Giselda Trigueiro, foi a primeira vacinad contra a covid no Rio Grande do Norte. A imunização ocorreu na manhã desta terça-feira(19), em Natal, em ato simbólico celebrado por autoridades do Governo do Estado, profissionais de saúde presentes, além da imprensa.

Além de Maria das Graças, no ato também foram vacinados a técnica de enfermagem Edilma Pereira da Silva, de 49 anos e que atua no Hospital de Campanha de São Gonçalo do Amarante; a médica obstetra Geny Souza de Santana, que tem 67 anos e atua na maternidade Divino Amor, em Parnamirim; a técnica de enfermagem Renata de Souza Carneiro Martins da Silva, de 29 anos, que atua em Extremoz; a enfermeira Antônia Pinheiro da Silva Araújo, de 54 anos, que atua na Estratégia Saúde da Família, na Comunidade Indígena de Lagoa do Tapará, em Macaíba; e a enfermeira Maria de Lourdes Nascimento de Morais, de 54 anos, que trabalha em Ceará-Mirim; e o médico Giorgione Guerra Cabral de 31 anos, que atua no Hospital de Campanha de Natal.

Opinião dos leitores

  1. Vão virar celebridades, ai vão realizar um reality show dos primeiros vacinados Kkkķ Hô Brasil véi aprumado é esse.

  2. Será que os Bolsolesos ainda acham que as pessoas ainda acreditam no que eles escrevem ou falam? Eu olho pra um bolsominion falando e vejo um jumento relinchando . Fiquem com as idiotices de vcs pra vcs. Também né, seguem um RETARDADO MENTAL era de se esperar o quê?.

  3. Melhor governo do RN de todos os tempos.
    Parabéns professora Fátima Bezerra.
    Não podemos esquecer tb do governador João Dória, por ter ocupado a cadeira de presidente do Brasil no processo da vacina.
    O resto é contador de estória.

  4. Será q vão vacinar também o Estado do RN contra a corrupção. Porque desde q nasci q a corrupção vem matando nos hospitais

    1. Com certeza vão dizer que por aqui isso não existe.
      Cadê os cinco milhões?

  5. Parabéns, ao MITO! O RN está sendo governado por causa das verbas federais… Bolsonaro arrochado!

  6. Como tem gente sem noçao nesse País!…os mal informados ou sem memoria ja esqueceram que o STF proibiu o governo federal de intervir nos estados e municipios na questao da pandemia !….ô petralhas idiotas e burros ! e ,tambem, ignorantes ao extremo !! é de fazer pena ! quero ver como ficarao com a reeleição do Bolsonaro pois 2 anos sem corrupção "è inadimissivel" !!!!!!
    Dóeria é um perfeito babaca. Só esta visando promoção politica, mais nada !!!!

    1. Bolsonaro tá pouco se lixando para que essa vacina chegue à população! kkk
      Quem acelerou esse processo foram os governadores dos ESTADOS, que pressionaram desde o início. Qual foi o primeiro local a receber e plicar a vacina? São Paulo. Quem presidiu a primeira cerimônia de vacinação no Brasil? O governador Dória. Deveria ter sido o presidente né, mas Bolsorano é o presidente mais inepto da história kkkk E até agora não fez um pronunciamento sequer!

    2. Parabéns presidente Dória! botou o Cbozo negacionista da parede

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTO: Maria Lúcia Passas é a 1ª brasileira vacinada contra a covid-19 no Reino Unido, e mira visitar o Brasil em janeiro para comemorar o aniversário de 100 anos da mãe

Foto: Reprodução/GloboNews

A pesquisadora brasileira Maria Lúcia Possa foi uma das primeiras pessoas a receber uma das duas doses da vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNtech, no Reino Unido, nesta terça-feira (8).

“Hoje é o primeiro dia, mas acho que a coisa mais importante é que tem luz no fim do túnel”, disse Possa.

“Eu estou cansada, está todo mundo cansado, da doença, de ficar em casa, de todas essas restrições”, disse a pesquisadora em entrevista à GloboNews. “Mas agora, finalmente, temos essa luzinha e eu sou a prova”.

Possa contou que estava em sua folga quando um colega de trabalho falou para ela checar seu e-mail. Isso porque alguns dos funcionários do Hospital Universitário Royal Free seriam também vacinados nesta primeira fase da campanha.

O plano de vacinação do Reino Unido dividiu as pessoas em grupos, o primeiro, que começou a ser vacinado nesta terça-feira, é para profissionais da saúde, pacientes idosos pessoas dos grupos de risco.

“Como eu trabalho no sistema de saúde e sou do grupo de risco, por causa de um transplante de rins, eu fui uma das primeiras a ser chamada”, explicou Possa.

Ela disse que depois que tomar a segunda dose da vacina, que já está marcada para ser aplicada em 5 de janeiro de 2021, pretende voltar ao Brasil para o aniversário de sua mãe, que vai completar 100 anos.

‘Confia na ciência’

A pesquisadora ressaltou a importância da ciência para a produção de um imunizante em tempo recorde e destacou que a única coisa que pode acontecer é uma leve dor no braço e sintomas fracos de gripe, o que é normal.

“Se te oferecerem [a vacina], toma”, disse a Possa. “Eu quero a minha liberdade de volta, com a paz e segurança de que não vou infectar ninguém.”

Segundo ela, a injeção “dói menos que a vacina da gripe”. A única diferença, explicou, é que a seringa é mais longa e demora mais para depositar toda a dose da imunização, em comparação com a vacina da gripe, distribuída anualmente no Brasil.

Primeira vacinação em massa

Os países do Reino Unido são os primeiros que começaram a vacinação em massa de sua população. Na primeira leva, cerca de 400 mil pessoas receberão duas doses cada –a vacina é administrada em duas injeções, com 21 dias de intervalo entre elas. Após a primeira dose já há alguma imunização, mas o efeito total é verificado sete dias após a segunda dose.

A vacina é a da Pfizer e BioNTech. Elas foram distribuídas em cerca de 70 hospitais do país.

Essa vacina precisa ser mantida a uma temperatura muito baixa (-70°C), e, por isso, a campanha será feita em hospitais.

A vacinação não é obrigatória no país.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SUCUPIRA PERDE (VÍDEO): Mulher é vacinada no lugar do cachorro no bairro Felipe Camarão, em Natal

Foto: Reprodução

Vídeo que pode ser conferido a partir de 1h05 minutos no link aqui na TV Ponta Negra, através do portal OP9, registra um caso bizarro na capital potiguar. Na ocasião, durante a vacinação antirrábica de uma cadela, um profissional do Centro de Zooonose errou a aplicação, enquanto a mulher segurava o animal, e injetou a vacina na moradora.

Após o episódio, a vítima do erro bizarro acabou passando mal e foi parar no hospital. Confira todos os detalhes em reportagem no vídeo.

Opinião dos leitores

  1. Falta de preparo para executar o serviço. Deve haver uma punição para o autor do fato e para o Município responsável pela vacinação. Não pode haver impunidade.

  2. São Pessoas despreparada, matam os animais na hora de vacinar e agora querem matar os donos também, alguém precisar pagar por isso

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *