PMDB x Governo Rosalba: ou vai ou racha

O deputado federal Henrique Eduardo Alves, presidente estadual do PMDB, colocará a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) no canto da parede, em reunião que será realizada na noite de hoje, em Brasília. Henrique levará a Rosalba a posição do partido de romper com o governo, caso não haja uma mudança urgente no modo de gestão praticado por ela até o momento. A maior insatisfação do partido é com a centralização excessiva, característica que marcou o atual governo desde o início.

A reunião será composta pelo conselho político da administração – formado pelo chefe do gabinete civil, Carlos Augusto, o ministro Garibaldi Filho (PMDB), o senador José Agripino (DEM) e os deputados federais Henrique Alves (PMDB) e João Maia (PR).

Depois de dois anos compondo o Governo de Rosalba com cargos importantes, o diretório regional do PMDB sinaliza claramente para o rompimento. Esta decisão é unânime entre os membros do partido e muitos já a tratam como irreversível. Uma mudança de pensamento, porém, pode acontecer na noite de hoje, dependendo do que será ofertado. É o que espera Rosalba. Segundo informações extraoficiais, o governo deverá cumprir as exigência de Henrique e aliados, para manter os peemedebistas na base.

O BLOG do BG conversou com algumas fontes de alta representatividade dentro do partido e todos atestaram que o rompimento é inevitável. O deputados estaduais Walter Alves, Hermano Morais e Nélter Queiroz, por exemplo, já vem batendo nesta mesma tecla há certo tempo. Nem a oferta da pasta de Meio Ambiente e Recursos Hídricos para o ex-deputado Elias Fernandes fez acalmar os ânimos.

A crise de popularidade do governo é um dos fatores que tem estimulado a insatisfação peemedebista. A conversa de hoje poderá apaziguar a situação dos aliados. Mas, em dezembro, se a administração não conseguir mudar a curva decadente, o partido irá selar o rompimento, a exemplo do que fez na administração Micarla de Sousa (PV), em Natal.