RN: fila por leito fica equilibrada com vagas disponíveis pela primeira vez na pandemia

Foto: Elisa Elsie

O Governo do RN informou na entrevista coletiva de atualização de dados e prestação de contas das ações do Governo no enfrentamento à pandemia desta segunda-feira, 06, que há, pela primeira vez neste período, uma fila de espera equilibrada com a quantidade de leitos disponíveis, com 20 pacientes aguardando vaga em leitos críticos. A informação foi dada pela coordenadora de urgência e emergência da Sesap (Secretaria de Estado da Saúde Pública), Renata Silva Santos. No momento da coletiva havia os seguintes pacientes em fila: 22 pacientes para leitos críticos, 31 para leitos clínicos e 25 aguardando transporte. Nesta segunda-feira, a taxa geral de ocupação de leitos é de 84,3%. Dos 237 leitos críticos disponíveis, há 200 ocupados.

Na coletiva, o secretário de Tributação (SET), Carlos Eduardo Xavier, também informou o início da operação, a partir desta segunda-feira, de cinco novas ambulâncias que irão reduzir o tempo médio de espera para transferência de pacientes para leitos exclusivos Covid-19 entre 60% e 70%, o que proporcionará melhor assistência e salvará vidas. Atualmente esta espera é de 10 horas.

As novas ambulâncias foram contratadas emergencialmente pela Sesap através de chamada pública. Os veículos atenderão demandas das oito regionais de saúde em todo o Rio Grande do Norte, reforçando o trabalho do Samu que possui 8 ambulâncias de suporte avançado de vida e 34 ambulâncias de suporte básico.

O Secretário de Tributação (SET), Carlos Eduardo Xavier disse que a contratação das ambulâncias é mais uma medida do Governo do RN necessária para superar a pandemia o mais rápido possível e que na próxima quarta-feira será feita avaliação para confirmar a entrada em vigor da segunda fase do Plano de Retomada Gradual das Atividades Econômicas iniciado dia 1º de julho. “A decisão do Governo pela reabertura gradual está baseada nas análises e orientações do Comitê Científico de especialistas que assessora a gestão estadual. Vamos analisar esta semana a primeira fase e decidir se será viável entrar na segunda”, declarou Carlos Eduardo.

O secretário enfatizou que ainda é necessário manter as medidas protetivas e de higiene, o isolamento social e usar máscara. “A retomada é gradual. Precisamos respeitar as normas do decreto para não termos um retrocesso”, alertou.

A maior taxa de ocupação de leitos está na região Oeste (97%), seguida da Metropolitana de Natal (85,2%), Seridó (82,7%), Pau dos Ferros (44%) e Mato Grande (37,5%).

Os casos somam 34.983 confirmados, 47.654 suspeitos, 54.914 descartados, 1.246 óbitos (7 nas últimas 24 horas) e 173 óbitos estão em investigação.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    O Estado do RN está conduzindo muito bem a crise do Covid. Parabens à SESAP.

  2. Cabo Silva disse:

    Só um lembrete: UTI cuida, não cura.

  3. Pedro disse:

    Em tempo: Existe uma coisa correta na fotografia, " A Distância salva "

  4. Pedro disse:

    Estamos no caminho certo, uma coordenadora de faz de conta + um secretário de tributação + 05 ambulancias = nada. A nossa sorte é o vírus estar arrefecendo a sua atuação, se não fosse isso, só Deus na causa.

  5. Nildo disse:

    Ainda tem gente na fila e os terrorista falando equilibrada de leitos, isso e falta de respeito com a população em geral. Os terrorista

  6. Severino disse:

    Só depois que saíram as notícias que na rede privada tinham leitos vagos durante todo mês de junho e fotografia de leitos de UTI na rede pública vazios surge essa admissibilidade?
    Essa situação deveria ter sido tratada desde o primeiro momento longe do campo político e com respeito as vidas humanas.
    Mas o julgamento dos fatos e das mortes por adotar lado político no combate a pandemia, fica a critério de cada um e principalmente daqueles que tiveram seus familiares levados pelo vírus.

  7. Severino disse:

    Só depois que saíram as notícias que na rede privada tinham leitos vagos durante todo mê de junho e fotografia de leitos de UTI na rede pública vazios surge essa admissibilidade?
    Essa situação deveria ter sido tratada desde o primeiro momento longe do campo político e com respeito as vidas humanas.
    Mas o julgamento dos fatos e das mortes por adotar lado político no combate a pandemia, fica a critério de cada um e principalmente daqueles que tiveram seus familiares levados pelo vírus.

COMENTE AQUI