RN tem melhor desempenho de vendas no comércio do Nordeste em fevereiro

comercio

O mês de fevereiro deste ano foi de recuperação para o varejo potiguar, segundo dados do IBGE, divulgados nesta quinta-feira, 11.  De acordo com o instituto o RN teve,o maior crescimento de vendas do Nordeste  no chamado comércio varejista ampliado. O percentual de 6,1% foi puxado sobretudo pelos setores de supermercados e hipermercados, combustíveis e lubrificantes, materiais de construção e farmácias.

No caso do varejo restrito (que exclui os setores de materiais de construção e de automóveis), o crescimento foi de 3,8%. O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do estado diz que o número ficou acima das expectativas do empresariado e pode ser explicado por diversos fatores.

“Em 2012, vimos uma verdadeira estagnação. Estava tudo parado. Nem operação tapa-buraco estava havendo. Este ano, as prefeituras começaram a fazer pequenas intervenções e o governo do estado também. Isso faz circular dinheiro na economia. Em um estado pequeno como o nosso, este dinheiro novo faz toda a diferença. E os números de janeiro – quando registramos crescimento de quase 14% – e de fevereiro mostram isso”, diz o presidente da Fecomércio.

 Marcelo Queiroz reforça que o crescimento pontual do setor de materiais de construção (alta de 4,4% no mês) é mais um indicador forte do impacto desta retomada.

O empresário também chama a atenção para o crescimento do segmento de Automóveis (alta de 5,2% no mês). Havia uma expectativa do fim do IPI reduzido para o carros, a partir de primeiro de abril. Isto fez as concessionárias investirem pesado nas ofertas e nas promoções. Isto, naturalmente, leva as pessoas a comprarem. E, junto com o crescimento das vendas de automóveis, naturalmente crescem as vendas de combustíveis e lubrificantes”, diz ele.

No caso do setor de Farmácias, o presidente da Fecomércio – que é empresário do ramo – afirma que esta alta está ligada exatamente ao maior volume de dinheiro em circulação. “Também não podemos esquecer que o crescimento deste ano se dá sobre um percentual negativo (-1%) que  registramos em fevereiro de 2012. Ou seja, crescemos sobre o período de forte retração”, pontua Queiroz.

Sobre as expectativas de vendas para o restante do ano, o presidente da Fecomércio, embora otimista, adota a cautela. “Se formos olhar os dois primeiros meses deste ano, na comparação com o ano passado, começamos muito bem. Mas, ainda é cedo para fazer qualquer estimativa de crescimento para 2013. É preciso acompanhar os acontecimentos. Ainda há muito a ser feito, em muitas áreas. O turismo, por exemplo, precisa de mais atenção. Isso será definitivo para os números do comércio este ano”, afirma.