São Paulo entra em quarentena aos finais de semana

Foto: © Rovena Rosa/Agência Brasil

Com as taxas de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI) acima de 71% por causa do novo coronavírus (covid-19), o governo de São Paulo decidiu colocar todo o estado em quarentena aos finais de semana, feriados e no período noturno, sempre após às 20h nos dias úteis. A medida passa a valer a partir de segunda-feira (25). A quarentena deve durar, pelo menos, até o dia 7 de fevereiro.

Aos sábados, domingos, feriados e após as 20h nos dias úteis, só poderão funcionar os serviços considerados essenciais das áreas de logística, saúde, segurança e abastecimento. O restante das atividades econômicas, tal como o comércio, terá que ser fechado nesses dias e horários.

A quarentena já vale para o feriado do dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo.

Essa foi a terceira reclassificação do Plano São Paulo somente neste mês de janeiro. A primeira ocorreu no dia 8 de janeiro e a expectativa do governo era de que a próxima seria somente no dia 5 de fevereiro. Mas com o crescimento rápido de infecções e mortes, o governo acabou fazendo uma nova reclassificação no plano na última sexta-feira (15).

Na última reclassificação, apenas a região de Marília havia ficado na fase 1-vermelha. Agora, com a nova alteração no Plano São Paulo, divulgada hoje, sete regiões vão ficar na fase 1-vermelha e só poderão reabrir os serviços considerados essenciais. São elas: Marília, Presidente Prudente, Bauru, Sorocaba, Taubaté, Franca e Barretos. As demais regiões do estado, incluindo a Grande São Paulo e a capital paulista, vão ficar na fase 2-laranja. Na fase 2-laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% e encerramento às 20h. O consumo local em bares está proibido nessa fase.

O governo determinou ainda que nenhuma região passará para as fases 3-amarela ou 4-verde até o dia 8 de fevereiro.

Sem essas mudanças no Plano São Paulo, restringindo mais a circulação das pessoas, e com o atual ritmo de crescimento de infecções pela covid-19, o governo paulista calculou que em 28 dias o estado poderia ter um esgotamento dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI).

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Ocupação de leitos

Ontem (21), a secretaria estadual de Desenvolvimento Regional divulgou que 58 dos 645 municípios paulistas já estavam com ocupação hospitalar para pacientes graves acima de 80%. Nove desses municípios já estavam com 100% de ocupação, ou seja, não poderiam atender mais ninguém: Itaquaquecetuba, Américo Brasiliense, Promissão, Artur Nogueira, Itatiba, Socorro, Pirassununga, Fernandópolis e Porto Feliz.

Da penúltima semana de dezembro até hoje (22), o número de casos cresceu 79% no estado, passando de uma média de 5.606 casos por dia para 10.023 casos por dia. Já o número de novas internações passou de uma média de 1.331 por dia para 1.664, com crescimento de 25%. Nesse mesmo período, o número de mortes cresceu 96%, passando de 111 mortes por dia na penúltima semana de dezembro para 218 mortes por dia esta semana.

Segundo balanço divulgado hoje (22) pela Secretaria estadual da Saúde, o estado tem, até este momento, 1.679.759 casos confirmados do novo coronavírus, com 51.192 mortes. Há 6.044 pacientes internados em estado grave em todo o estado, além de 7.659 internados em enfermarias.

Novos leitos

Para tentar conter o avanço da covid-19 e ampliar o atendimento, o governo de São Paulo vai criar 756 novos leitos no estado, vai cancelar as cirurgias eletivas, e reativar o hospital de campanha de Heliopólis, que havia deixado de atender casos de coronavírus em setembro. O hospital de campanha de Heliópolis estava instalado no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) Barradas, localizado na maior comunidade da capital.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    O que o Bolsonaro tem haver com o lockdown do calça apertada, fechar tudo no fim de semana onde o transporte anda mais vazio e a população pode variar os seus horários de lazer, só este ditadorzinho para fazer isso.
    Acabou com a gratuidade dos idosos nos transportes e ainda aumentou o icm de todos os produtos no estado, o pior é que ainda tem defensores, esquerdopatas óbvio.

  2. Matheus disse:

    Restringir o período de descanso da população enquanto durante a semana todos enfrentam metrôs e ônibus lotados para trabalhar é desumano, autoritário e cruel. É por isso (e por outros muitos motivos) que o senhor João Doria jamais será presidente. E obviamente essa medida não diminuirá os casos de covid.

  3. Natalense disse:

    J é notícia, o presidente ordenou a seis ministros para não atenderem as reinvidicações do governador Dória. Absurdo! Novidade? Jamais, todos sabemos que o presidente da república não está a altura do cargo que ocupa, infelizmente, comete mãos um crime de responsabilidade, ao impor sua política pessoal utilizando-se do cargo para prejudicar seus adversários políticos. O povo é humilhado por esse gestor incompetente. Mourão 2021 já!

  4. Tico de Adauto disse:

    Teremos hj mais 4,8 milhões de vacinas Coronavac liberadas.
    Se não fosse o butantan a coisa tava mais feia ainda.

  5. Esquerdistas babacas disse:

    Eita João doriana calcinha apertada inventando moda.
    Nos finais de semana o covid pega forte.
    Fiquem em casa.
    Na segunda podem sair que o covid ta de descanso, não pega.
    Ô bicho sabido esse covid de São Paulo.

  6. Gustavo disse:

    Até porque o vírus só sai para rua aos finais de semana. Gostei da medida!

COMENTE AQUI