Investigação da Polícia Civil do RN resulta em resgate de adolescente de 13 anos levado para exploração sexual em São Paulo

Uma investigação da Delegacia Municipal de Nísia Floresta, com apoio da Polícia Civil do Estado de São Paulo, resultou no resgate, nessa terça-feira (14) de um adolescente de 13 anos, vulnerável e com deficiência mental que havia sido levado para a capital São Paulo, com o intuito de ser explorado sexualmente. A vítima morava na cidade de Nísia Floresta e havia sido subtraída por uma mulher, no dia 06 de julho deste ano.

De acordo com as investigações, uma mulher de 22 anos, suspeita de ser garota de programa teria subtraído o adolescente da residência dos familiares, localizada na Zona Rural de Nísia Floresta e o levado para São Paulo. Ela teria cometido o ato com o objetivo de submetê-lo à prostituição e teria prometido a vítima a oportunidade de ganhar dinheiro.

“Nossa equipe de Nísia Floresta identificou que a suspeita estava na capital paulista e conseguiu manter uma comunicação com a mulher, com o auxílio da internet. Durante aproximadamente quatro horas, nós negociamos para que ela entregasse o adolescente no 74º Distrito Policial de Parada de Taipas, uma delegacia mais próxima do local em que a vítima estava”, declarou o delegado titular de Nísia Floresta, Júlio Costa.

O adolescente será entregue à sua família no Rio Grande do Norte e Luciana Silva será indiciada pela Delegacia Municipal de Nísia Floresta pela prática dos crimes de subtração de incapaz e favorecimento à prostituição.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima por meio do Disque Denúncia 181 ou por meio do Disque Denúncia da DM de Nísia Floresta, no aplicativo WhatsApp, no número: (84) 98118-7675.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Cidade de São Paulo “pode estar próxima da imunidade de rebanho”, avalia biólogo

Foto: Reprodução/CNN Brasil

A expressão “imunidade de rebanho” ganhou destaque de discussões entre os especialistas e governantes depois da pandemia do novo coronavírus. Em entrevista à CNN, na manhã desta segunda-feira (13), Fernando Reich, especialista em biologia molecular explicou como funciona este método e afirmou que a cidade de São Paulo pode estar próxima de atingir a fração necessária para a imunização de rebanho. No entanto, ele alerta que essa não é a melhor solução para combater o novo coronavírus.

“As pessoas só ficam imunes depois que elas saram. Se você tiver que ter 70% das pessoas infectadas para ter imunidade de rebanho, ela só vai chegar quando esta proporção for alcançada pelo número de pessoas infectadas. Para saber quantas pessoas já estão imunes, o melhor método é você medir a fração de pessoas com o anticorpo na população”, disse.

“Em São Paulo, eu participo de um grupo que está medindo isso e concluímos, na última medição que fizemos, em que 11% das pessoas da cidade de São Paulo já tinham anticorpos. Em bairros mais pobres, chegavam a 16%. A grande dúvida que estamos tendo nos últimos tempos é qual a fração de pessoas com anticorpos medida corresponde à imunidade de rebanho? Será que é 70%, 40%? Ninguém sabe isso direito”, explicou.

Na visão do especialista, a realidade da capital paulista poderá ser analisada nas próximas semanas, uma vez que a cidade já está adotando medidas para a flexibilização da quarentena.

“Suponhamos que a imunidade de rebanho seja atingida com 70% de fração como é que se explica a queda [dos números] em São Paulo, com variação entre 11% a 16%? Mas isso a gente já vai saber, muito provavelmente, nas próximas semanas, porque quando você atinge a imunidade de rebanho e você reabre a cidade não tem nova onda [do vírus] em curto prazo. Quando abrirmos novamente a cidade de São Paulo, dependendo do que acontecer, nós saberemos”, acrescentou.

Reinach explicou ainda as realidades distintas entre a europa e em como as cidades brasileiras lidaram com a evolução do vírus. Em países como Itália, por exemplo, ao optar por medidas restritivas, o país apresentou queda na curva de casos, no entanto, não houve a imunização de rebanho. Sendo assim, a vacina poderá ser o caminho mais viável e rápido para a imunização da população.

“Nos países desenvolvidos, que fizeram lockdown, muito provavelmente tem muita gente ainda para ser infectada. Provavelmente a vacina chegará nestes locais antes da imunização de rebanho. Já em locais como Manaus, por exemplo, que não houve um controle da doença, existe a possibilidade de você ter a imunidade antes da vacina chegar”, exemplificou o especialista.

“Entretanto, é importante lembrar que a imunidade de rebanho não é uma boa solução. Ela tem um custo em mortes muito alto porque para você chegar lá você tem que ter uma fração da população infectada e muito se discute qual é a porcentagem necessária para chegar neste dado”, detalhou Reinach.

“Na Europa, o que aconteceu foi que a queda no número de casos foi impulsionada por causa de um lockdown e um distanciamento social. No entanto, em locais onde tais medidas não ocorreram efetivamente, a queda é observada por meio da imunidade de rebanho”, concluiu.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Seguiram a risca a oms e os especialistas políticos sim, por isso o recorde de mortos no país, parabéns dória.

  2. Mito do Gado disse:

    Parece que a população de São Paulo seguiu a risca os conselhos do Presidente da República.

    • Manoel disse:

      Falou em rebanho já se agitaram.
      A população de SP seguiu a risca as recomendações dos cientistas e da oms, graças a Deus.

  3. Aluísio Valença disse:

    Rebanho. Isso soa bem apropriado.

FOTOS: Mãe busca ‘remédio mais caro do mundo’, de R$ 12 milhões, para salvar bebê de 1 ano em São Paulo

Fotos: Arquivo Pessoal

O pequeno Arthur Ferreira Belo, de apenas 1 ano e 8 meses, enfrenta uma difícil luta pela vida após ser diagnosticado com o tipo 1 da Atrofia Muscular Espinhal (AME), o mais agressivo da doença. Agora, sua família corre contra o tempo para arrecadar cerca de R$ 12 milhões e comprar o ‘remédio mais caro do mundo’, capaz de neutralizar os efeitos da doença e permitir um grande avanço no tratamento.

Para isso, foi criada uma ‘vaquinha virtual’ com o objetivo de arrecadar, até 8 de outubro, o valor necessário para importar o medicamento dos Estados Unidos. A ideia da campanha surgiu após a família de Arthur ver outros casos de vaquinhas virtuais bem sucedidas, como é o caso da Sarah e do Heitor, cujas histórias foram divulgadas pelo G1.

Segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado, a Atrofia Muscular Espinhal é uma doença rara, degenerativa e genética, que interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína essencial para a sobrevivência dos neurônios motores, responsáveis pelos gestos voluntários vitais simples do corpo, como respirar, engolir e se mover. Apesar da atrofia, os pais garantem que o pequeno é muito esperto, encantador e risonho.

Arthur foi diagnosticado quando tinha apenas três meses de vida, e a notícia abalou toda a família. Isso porque a AME é a maior causa genética de morte de crianças com até 2 anos. Agora, a grande esperança dos pais é o medicamento Zolgensma, aprovado em maio de 2019 nos Estados Unidos, que promete um grande avanço na recuperação dos pacientes.

O grande problema é que esse é o remédio mais caro do mundo. Como não é vendido no Brasil, a família de Arthur precisa importá-lo dos Estados Unidos, onde chega a custar 2,125 milhões de dólares. Pela cotação atual, o medicamento pode custar R$ 11.325 milhões. Por isso, a mãe Alessandra Ferreira Santos, de 28 anos, resolveu criar uma ‘vaquinha virtual’ para arrecadar o valor.

“Temos esperança e muita fé nesse remédio. Por ser tão caro, acredito que trará um efeito positivo e que ele volte a andar. Tudo o que eu e meu marido queremos é que o nosso filho tenha a vida mais ‘normal’ possível. Mas, temos apenas três meses para arrecadar o valor, porque a medicação faz efeito somente até os dois anos, e a burocracia ainda demora. Temos muito medo de perder o Arthur”.

A família busca fazer a campanha da forma mais transparente possível. Pelas redes sociais, são postados todos os valores arrecadados por mês e quanto falta para alcançar a meta. Além disso, Alessandra e os voluntários postam outras formas de arrecadação de verba, como rifas e bingos.

Quando a campanha foi lançada, em outubro do ano passado, o dólar estava mais baixo e a família precisava de R$ 9 milhões. Agora, necessita de quase R$ 12 milhões, além da quantia necessária para pagar os custos hospitalares. “Sempre fazemos prestação de contas. Muitas pessoas acabam questionando a gente pela mudança de valor”.

Disgnóstico

Alessandra conta que, quando Arthur nasceu, percebeu que o bebê era mais ‘mole’ do que o comum, mas foi tranquilizada pelos pediatras. Mas, o tempo foi passando e, aos três meses de vida, a mãe percebeu que ele ainda não conseguia segurar o pescoço e engasgava quando mamava. Foi quando ela decidiu procurar um médico para entender o que estava acontecendo.

“Encontramos um rapaz no pronto-socorro que nos recomendou um hospital que tratava doenças raras. Fomos até lá, fizeram testes por três dias, e diagnosticaram ele com atrofia muscular. O médico disse que ele tinha uma doença rara, degenerativa, com expectativa de vida de apenas dois anos. Foi um choque, porque nunca tínhamos ouvido falar disso”, explica.

Para confirmar o diagnóstico, Arthur passou por um teste de DNA, que apontou que ele tinha o tipo 1 da doença, o mais severo. Pouco tempo depois, ele passou por duas cirurgias de traqueostomia e gastrostomia, que permitem a respiração mecânica e o suporte nutricional, respectivamente. Em seguida, o plano de saúde liberou o tratamento com o remédio Nusinersena (Spinraza).

O medicamento é o único registrado no Brasil para o tratamento da AME. Diversos estudos apontam sua eficácia na interrupção da evolução da atrofia para quadros mais graves, que são prevalentes na maioria dos pacientes. Arthur chegou a tomar seis doses do remédio, mas a evolução no tratamento continua muito lenta.

“Ele toma uma dose a cada quatro meses. Mas, se interromper, perde totalmente o efeito de tudo que já tomou. O Zolgensma é uma dose única, e pelo que acompanhamos de outras crianças, promete uma evolução muito boa no tratamento. Hoje, vivemos com medo, pois já vimos muitos pacientes morrerem por conta da doença”.

Atualmente, Arthur mexe um pouco os braços e as pernas com a ajuda dos pais e fisioterapeutas, mas não consegue segurar objetos nem andar. Além disso, depende de ventilação mecânica 24 horas por dia, pois não consegue respirar sozinho. Com o ‘remédio mais caro do mundo’, a família busca dar maior qualidade de vida para o pequeno, que hoje sofre uma dura rotina.

De acordo com Alessandra, o medicamento vai direto para a corrente sanguínea e faz com que a proteína que não é produzida pelo paciente com AME passe a ser produzida, permitindo que os neurônios que sobreviveram possam se manter vivos e, assim, recuperar o paciente.

“Sabemos que ele não vai sair correndo assim que tomar, mas temos esperança que ele aprenda a andar e que possamos diminuir os aparelhos. É tudo muito triste, ele está crescendo e não pode brincar com as outras crianças. Esse remédio é a nossa grande esperança”.

Os pais também esperam que, quando Arthur finalmente tomar o medicamento, eles possam realizar um sonho que precisou ser adiado com o descobrimento da doença: conhecer a praia e o mar na Baixada Santista. “Nós havíamos feito muitos planos, íamos levá-lo para Mongaguá, mas os médicos não deixaram. Um dos meus sonhos é apresentar a praia para o meu filho”, finaliza.

Especialista

De acordo com a neurologista Andrea Anacleto, a Atrofia Muscular Espinhal proximal tipo 1 é uma doença rara, sem cura e que evolui de forma grave na infância, caracterizada por fraqueza muscular grave e progressiva. Segundo a especialista, a doença é ligeiramente mais frequente em meninos do que em meninas, e o diagnóstico é baseado na história clínica e exame e pode ser confirmado por teste genético.

Com a doença, o bebê geralmente apresenta fraqueza muscular grave, que afeta primeiro os braços e as pernas nas regiões proximais e depois passa para as extremidades, como mãos e pés, além de dificuldade de alimentação e insuficiência respiratória, conforme explica a neurologista.

Segundo Andrea, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta assinou a incorporação do medicamento Nusinersena na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais do Sistema Único de Saúde (SUS). Além dessa medicação, deve ser orientada uma abordagem multidisciplinar com o objetivo de melhorar a qualidade de vida.

Nos Estados Unidos, a FDA, agência que regulamenta a aprovação de medicamentos no país, autorizou a venda do remédio Zolgensma, sendo esta uma terapia gênica indicada para o tratamento da AME, usada para deter a progressão da doença. Atualmente, essa medicação não está disponível no Brasil, havendo a necessidade de que, quando indicada, seja realizada a importação.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo César disse:

    O que o presidente tem a ver com rachadinha? Nada! a investigação e contra o senador Eduardo Bolsonaro. No direito brasileiro o pai não responde criminalmente pelos atos dos filhos.

  2. Flávio A disse:

    O que me deixa indignado são os políticos roubando com força no país e tirando dinheiro do erário para seu luxo pessoal enquanto seres humanos morrem. Vimos agora vários casos como compra de respiradores inexistentes via Consórcio Nordeste, Secretário de Saúde do Rio de janeiro com mais de 8.500.000,00 em espécie em casa e por aí vai. Os bandidos do PT que assaltaram o país em trilhões de reais bem que poderiam se compadecer e comprarem o medicamento,para queimarem menos no inferno para onde irão quando morrrerem.

  3. H4CK3R disse:

    Cadê as lives de músicas sebosas pra pedirem doação e conseguir o dinheiro?

VÍDEO: Primeira-dama de São Paulo, Bia Doria, diz que é errado dar comida a moradores de rua: ‘É um atrativo’

Foto: Reprodução/Instagram

A primeira-dama de São Paulo, Bia Doria, afirmou em uma conversa com a socialite Val Marchiori que acha errado dar comida ou roupas para moradores de rua. Para ela, “a pessoa tem que se conscientizar de que ela tem que sair da rua” e muitos não querem assumir “responsabilidades”.

A conversa foi postada no Instagram de Val e mostra a visita da socialite ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. Entre elogios à primeira-dama e ao governador João Doria (PSDB), elas falam sobre as artes de Bia, expostas no local, e ficam sem máscara, apostando em uma suposta imunidade da socialite.

Bia, que é presidente do Fundo Social de São Paulo, fala de alguns projetos como o Alimento Solidário e o Inverno Solidário.

“Meu principal projeto é o inverno solidário. Estamos arrecadando cobertores novos. Nada de roupa usada”, avisa ela.

Em seguida, diz: “Mas olha, falando dos projetos sociais, algo muito importante é assim: as pessoas que estão na rua… Não é correto você chegar lá na rua e dar marmita, porque a pessoa tem que se conscientizar que ela tem que sair da rua. Por que a rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua”.

“Você estava me explicando e eu fiquei passada”, comenta Val, dizendo: “Eles não querem sair da rua porque no abrigo eles têm horário para entrar, têm responsabilidades, limpeza, e eles não querem, né, Bia?”.

A primeira-dama segue na crítica: “A pessoa quer receber comida, quer roupa, quer uma ajuda, e não quer ter uma responsabilidade. Isso está errado, muito errado.”

Val diz que todo mundo tem responsabilidades. Bia concorda: “Sim, nós temos. Se a gente não pagar nossas contas…”. Val complementa: “A gente vai para o cartório, querida, hello. E o povo fala”.

Durante o papo, Val reclama de falar de máscara e é encorajada por Bia a retirá-la.

“Você já teve né. Então pode tirar”, diz Bia. “Já tive, estou imune”, responde Val. “Quando a gente sair, a gente põe”, complementa a primeira-dama.

Ao fim da conversa, Val Marchiori mostra as obras de Bia, expostas no palácio e faz elogios.

“Meu marido tem uma paixão por artes. Então, aonde ele vai, tem que ter as obras. O que acho que é um jeito de ele lembrar de mim (risos)”, comentou a primeira-dama.

Fundado em 1968 e hoje presidido por Bia Doria, o Fundo Social de São Paulo diz em seu site que “tem como objetivo instituir programas sociais destinados a atender pessoas em situação de vulnerabilidade social, especialmente através da oferta de oportunidades educacionais e profissionais para a população; implementação de projetos voltados à geração de renda; apoio à entidades de fins não econômicos com vista a suprir suas necessidades, de modo a propiciar a melhoria de atendimento à população”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Em visita a nossa querida primeira dama @biadoria 😍🍀😍

Uma publicação compartilhada por Val Marchiori (@valmarchiori) em

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    Não é bom generalizar, mas o inesquecível LUIZ GONZAGA dizia que "Mas senhor uma esmola para o homem que é são, ou o mata de vergonha, ou vicia o cidadão". Seu Luiz mantém-se atualizadíssimo. Em tempo: os cristãos crêem na ascensão de Jesus aos céus.

  2. Aluísio Valença disse:

    E essas pessoas ainda se dizem cristãs. Cristo de se revirar no túmulo quando ouve esses absurdos.

  3. Marcelo disse:

    O que ela falou, parece politicamente incorreto, mas, tem alguns que realmente se recusam a terem horários, regras, responsabilidades, trabalho, mas, não é regra, muitos estão na Rua por falta de oportunidades, desilusões, doenças psíquicas e vítimas das drogas (lícitas e não ).

  4. Jr & Jr disse:

    Que nojo dessas duas pessoas

  5. Pedro disse:

    Isso é coisa de berço de ouro, Ass pessoas simples, bem educadas, caridosas, investidas de humildade e serenidade, não se colocam dessa forma. Infelizmente,, uma esposa de um idiota. Idiota como ele que se completam.

  6. Bolsonaro RN disse:

    Mande o desgoverno do seu marido dar emprego pra eles, vc tá de rabo cheio, por isso vc fala merda

Styvenson tem fim de semana em SP com passagens pagas pelo Senado e se nega a explicar razão da viagem, destaca reportagem

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O Blog do Dina – por Dinarte Assunção destaca nesta quinta-feira(25) que o senador Styvenson Valentim teve despesas de passagens aéreas pagas pelo Senado em viagem a São Paulo e se negou a explicar por que recursos públicos cobriram agenda fora de seu domicílio, o que não é ilegal, desde que a viagem guarde relação com desempenho de seu mandato.

Em 2019, Styvenson Valentim teve 43 viagens reembolsadas pelo Senado Federal. A quase totalidade, 40, foi entre Brasília e Natal, despesa que deve ser coberta pelo Senado. Em maio do mesmo ano, ele viajou para Salvador e sua assessoria afirmou que foi tratar de projeto escolar na capital baiana.

Mas de 8 a 10 de novembro, o segundo fim de semana do mês, o senador voou para São Paulo com passagens pagas pelo Senado e se nega a explicar se a agenda na capital paulista tem interesse público.

O Blog do Dina – por Dinarte Assunção detalha AQUI em reportagem.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos Benício disse:

    Olha quem estava criticando a irmã por causa de míseros 600 reais.

  2. Fernandes Braga disse:

    Foi pesquisar a vacina da COVID.

  3. Tarcísio Eimar disse:

    Calma q ela ainda é principiante, início de carreira. Só não devemos mantê-lo no próximo mandato

  4. Jorge disse:

    Senador não tem obrigação de dar explicação a nenhum blog, isso ele cabe fazer ao senado. Ser transparente em sua conduta e ao povo não é ficar respondendo a este tipo de sondagem. Era só o que faltava!!!

    • Carlos Celso disse:

      Tem obrigação com a sociedade. E os veículos são os canais.

  5. Ivan disse:

    Muito melhor que os Garibaldi, Agripino e Melos da vida, estes afundaram o RN.

  6. Carlos Henrique Chal disse:

    Será que a irmã dele, vai fazer um Live cobrando dele também, honestidade ?
    É brincadeira….

  7. Sol disse:

    Tudo efeito colateral e a dança das cadeiras continua

  8. Emerson Fonseca disse:

    Como é bom rir da cara do Gado 😂😅😂
    Kkkkkk

  9. ABESTALHADO disse:

    Olha a nova política aí gente!

    • Carlos Mozzano disse:

      Pelo menos evitou de eleger Garibaldi e Geraldo Melo. Já fez um grande favor.

    • Manoel C disse:

      Existiam outros no pleito. E ainda faltam 6 anos e meio, ele pode ainda aprontar muita coisa…

Testes com vacina de Oxford contra covid-19 começam em São Paulo; Brasil é o primeiro país fora do Reino Unido envolvido com a ChAdOx1 nCoV-19

Foto: selimaksan

Os testes em voluntários brasileiros da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, contra a covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus, tiveram início no último fim de semana na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), informou em nota na noite de segunda-feira a Fundação Lemann, que financia o projeto.

Os testes da vacina ChAdOx1 nCoV-19 no Brasil foram anunciados no início do mês e deverão contar, de acordo com a Unifesp, com 2 mil voluntários em São Paulo e com outros mil no Rio de Janeiro, onde os testes serão realizados pela Rede D’Or. RELACI.

“No último final de semana (20 e 21 de junho), a Fundação Lemann teve a oportunidade de celebrar com os parceiros envolvidos e especialistas responsáveis, o início dos testes em São Paulo para a vacina ChAdOx1 nCoV-19, liderada globalmente pela Universidade de Oxford”, informou a Fundação Lemann, do bilionário empresário Jorge Paulo Lemann.

De acordo com a Unifesp, os voluntários em São Paulo serão profissionais de saúde de entre 18 e 55 anos e outros funcionários que atuam no Hospital São Paulo, ligado à Escola Paulista Medicina, da Unifesp.

No início do mês, a Unifesp informou que os testes com voluntários brasileiros contribuirão para o registro da vacina no Reino Unido, previsto para o final deste ano. O registro formal, entretanto, só ocorrerá após o fim dos estudos em todos os países participantes, disse a universidade.

A vacina, cujo pedido de testes no Brasil foi feito à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pela farmacêutica AstraZeneca, está atualmente na Fase 3 de testes, “o que significa que a vacina encontra-se entre os estágios mais avançados de desenvolvimento”, disse a Unifesp.

O Brasil é o primeiro país fora do Reino Unido a iniciar testes com a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e um dos motivos que levaram à escolha foi o fato de a pandemia estar em ascensão no país.

Outra vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, deverá começar a ser testada no Brasil no mês que vem em parceria com o Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado de São Paulo. Este teste, de acordo com o instituto, será financiado pelo governo paulista e deverá contar com 9 mil voluntários. Caso a vacina seja bem-sucedida, o acordo prevê a possibilidade ser produzida localmente pelo Butantan.

UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Judite disse:

    Deus seja louvado! Que venha logo ao Brasil Senhor e ao mundo todo e seja extinto esse mal.

Bispo Edir Macedo vence a covid-19 e recebe alta médica em São Paulo; líder da Igreja Universal destaca tratamento com hidroxicloroquina

Foto: Divulgação

O Bispo Edir Macedo, 75 anos, foi um dos infectados pelo novo coronavírus e contraiu a covid-19. Internado no hospital Moriah, em São Paulo, na última segunda-feira (8), o líder da Igreja Universal fez tratamento com o medicamento cloroquina e está completamente recuperado da doença. Macedo recebeu alta médica nesta sexta-feira (12).

“Tomei todos os medicamentos indicados pelos médicos, entre eles a hidroxicloroquina, e estou bem”, afirmou o fundador da Igreja Universal.

Edir Macedo foi atendido pela equipe médica coordenada pelos Dr. Leandro Echenique e Dr. Ricardo Teixeira. Segundo os médicos, o fundador da Universal respondeu muito bem ao tratamento.

“Ele evoluiu sem intercorrências, apresentou uma ótima evolução clínica e se recuperou totalmente”, explicou Echenique, que é cardiologista.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Sim, quer dizer q não conseguiu se livrar com a fé, teve q partir pra química.

  2. Fulgêncio disse:

    O negócio é o seguinte.
    Goste ou não do Edir Macedo, quem quiser.
    Pode ser o que for pra muitos, ta certo?
    Agora de uma coisa eu tenho certeza, esse cara é um dos maiores crânios do mundo, um baita de um empresário, pegou a rede record falida, caindo aos pedaços e transformou em uma das maiores do planeta, tem um patrimônio ao redor do mundo incalculável, ele é competentissimo, ache ruim quem quiser.
    Em se tratando do lado do homem empresário, tiro o chapéu pra ele, com certeza.
    Ele é o cara!!

  3. Nando disse:

    Ele escapou mentindo pra civis.

  4. OSORIO SAMPAIO disse:

    DEVIA TER INDO PARA ATENDIMENTO PELO SUS. ELE FOI CURADO PELO FEIJÃO.

  5. Anderson disse:

    Vai viver mais um dia pra achacar gente de mente fraca

  6. Pedro Henrique disse:

    Fala de deus, mas corre pro hospital. Porque não se tratou com a semente de feijão?

  7. Observador disse:

    Não gosto muito dele … mas ajudou muito nessa pandemia se e líder religioso q apareceu pra ajudar esse foi um . Deus abençoe porque tudo é permissão de Deus 🙌

  8. Silva disse:

    Glória a Deus 🙌 não sou muito a favor das coisas que acontece na igreja dele …. mas dar a César o que é de César … faz muita coisa na área social , nessa pandemia fez muito pra caminhoneiros , cestas básicas , doação de sangue …. 👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

  9. Julio disse:

    Vaso ruim não quebra fácil

  10. DEL GADO disse:

    NEM O COVID QUER O SATANÁS!

  11. Naldinho disse:

    Tanto pai e mãe de família que morreram…

  12. Luiz disse:

    Amém 🙏

Após denúncia de Flavio Bolsonaro, MPF abre investigação para apurar suposta “supernotificação” de mortes por Covid-19 em São Paulo

FOTO ILUSTRATIVA: TIAGO SILVA/A2 FOTOGRAFIA

Em meio à troca de acusações entre Jair Bolsonaro e João Doria, o Ministério Público Federal abriu uma investigação para apurar as mortes por Covid-19 em São Paulo, diz o UOL.

O procedimento foi instaurado a partir de uma representação feita por Flávio Bolsonaro, o filho 01 do presidente, que denunciou uma suposta “supernotificação” das mortes no estado.

Segundo o senador, o objetivo seria “manipular os dados para desgastar politicamente o presidente e as suas orientações frente ao combate ao coronavírus”.

A subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, afirma que “os fatos narrados são extremamente graves e devem ser apurados em razão da possível repercussão constitucional e criminal que envolvem”. Ela cobrou explicações tanto de Doria quanto do prefeito de São Paulo, o também tucano Bruno Covas.

Em nota oficial, a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo diz que “a investigação do Ministério Público Federal surge um dia depois da revelação de que o senador Flávio Bolsonaro soube com antecedência de operação da Polícia Federal que mirou seu assessor Fabricio Queiroz”. A pasta informa ainda que prestará todos os esclarecimentos solicitados pelo MPF.

“A contabilização e balanço oficiais das mortes por Covid-19 são feitas pelo Ministério da Saúde e a mesma base de dados é utilizada pelos governos estaduais”, diz a secretaria.

Segundo o último balanço divulgado pelo governo de São Paulo, ontem, o número de mortes no estado por Covid-19 é de 4.823. Os casos confirmados da doença são 63.006. Daqui a pouco, por volta das 12h30, os números serão atualizados.

O Antagonista, com UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minion alienado disse:

    Seria melhor investigação sobre a subnotificação dos casos. O negacionismo impera com força em Brasília.

Doria decreta luto oficial enquanto durar pandemia em São Paulo

Foto: © REUTERS / Ricardo Moraes / direitos reservados

O governador de São Paulo, João Doria, decretou luto oficial em todo o estado, a partir desta quinta-feira (7), até quando durar o período de pandemia do coronavírus. Segundo Doria, o objetivo da medida é lembrar os mortos por coronavírus no estado. O decreto será publicado no Diário Oficial de amanhã.

“Lamentavelmente, ultrapassamos 3 mil mortos com coronavírus, maior volume da história do estado de São Paulo, em circunstância de apenas 60 dias. Em respeito a famílias e amigos desses que perderam suas vidas, amanhã o Diário Oficial virá com o decreto de luto oficial em todo o estado, enquanto a crise do coronavírus e a pandemia perdurarem. Será um gesto de solidariedade”, disse Doria.

Até este momento, São Paulo tem 37.853 casos confirmados de coronavírus, com 3.045 mortes. A taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) está em torno de 67,2%, com 86,6% de ocupação na Grande São Paulo. Há 3.404 pessoas internadas em UTIs em todo o estado, com suspeita ou confirmação de coronavírus, além de 5.197 em tratamento em enfermarias.

“Queria reforçar a questão do número de óbitos para que as pessoas olhem para esses números e procurem se salvar em casa. Ficar em casa significa se salvar, para que não se exponha e não adquira a doença e não seja mais um caso confirmado em São Paulo. Isso vai passar. Nós vamos vencer, mas precisamos tomar muito cuidado agora, porque estamos brincando com a sorte”, afirmou o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann.

Para Doria, o Brasil deve “se tornar o novo epicentro mundial da pandemia”, já que o coronavírus “está se espalhando rapidamente para cidades menores do país”. O país já tem mais de 114 mil casos confirmados de coronavírus, somando quase 8 mil mortes.

Com Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. disse:

    o quê, exatamente, essa nota de 200 tem feito certo, visto que em seu estado têm se manifestado a maior quantidade de notificações? Se estivesse "acertando", o resultado não deveria ser exemplar?
    Fato é que esse governador tem se aproveitado dessa doença como palanque. Nada mais que isso.

  2. André Fortes disse:

    Dória não vale nada, mas no Brazil, se te chamam de comunista é porque alguma coisa você tá fazendo certo.

Confinamento diminui poluição em SP, Rio e outros centros urbanos; veja imagens feitas com dados de satélite

Fotos: Diego Hemkemeier Silva/Divulgação/Via G1

Satélites que monitoram os poluentes na atmosfera registraram uma melhora do ar em grandes centros urbanos brasileiros, afirmam pesquisadores.

Com as regras de confinamento impostas pelos governadores estaduais para combater a Covid-19, diminuiu o trânsito de veículos.

Um dos poluentes que são emitidos quando há queima de combustíveis fósseis é o dióxido de nitrogênio. O satélite Sentinel 5P, da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) registrou manchas desse composto químico menores nas regiões metropolitanas do Brasil.

Os dados foram transformados em mapas por Diego Hemkemeier Silva, gerente de informações ambientais e geoprocessamento e Fábio Castagna da Silva, do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA/SC).

Visualmente, os maiores impactos são nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

“A principal variável que influencia é a redução do fluxo de veículos”, diz Hemkemeier. Os carros não são os únicos emissores de dióxido de nitrogênio: usinas termelétricas que usam carvão mineral ou óleo pesado para gerar energia também dispersam o composto na atmosfera. Esse tipo de geração é pouco presente no Brasil –na Europa e na China, elas são mais comuns, e, por isso, as manchas nesses outros lugares retrocederam mais, diz ele.

Ainda não há tempo suficiente para fazer uma comparação com números, ele explica. Em um período curto, fatores como vento, chuva, umidade do ar podem influenciar os dados, então é preciso aguardar para poder fazer uma avaliação mais precisa. O pesquisador estima que sejam necessários 30 dias.

Leonardo Hoinaski, professor da Universidade Federal de Santa Catarina, especializado em poluição atmosférica, diz que é difícil medir os benefícios desse tipo de redução de poluição. O dióxido de nitrogênio causa problemas de respiração, que podem, inclusive, agravar a condição dos pacientes da Covid-19.

“Se essa redução se mantivesse ao longo dos anos, os efeitos seriam nítidos”, diz.

Os carros emitem outros poluentes que também diminuíram, ainda que não apareçam no mapa, diz Honiaski.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. mauricio disse:

    isso que é pesquisa< impressionante, se tem poucos carros nas ruas , poucas pessoas transitando, é claro que a poluição tende a diminuir,querem reinventar a roda

Poluição de São Paulo caiu pela metade desde início da quarentena

Foto: Cris Faga/Estadão Conteúdo

Com a quarentena desde o dia 24 de março, como forma de contenção ao novo coronavírus, os índices de poluição atmosférica na cidade de São Paulo reduziram-se cerca de 50% em apenas uma semana. É o que mostra a comparação dos dados atmosféricos divulgados pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) entre as semanas do dia 15 a 21 e 22 a 28 de março.

“Há menos ruído, consegue-se ouvir mais os passarinhos e também há menos poluição. Esse céu mais limpo que pode ser notado em São Paulo já no início da quarentena é resultado da redução na circulação de veículos, a principal fonte de emissão de poluentes na cidade. Como uma grande parte deles deixou de circular, fica clara a diminuição de poluentes primários como o monóxido de carbono e os óxidos de nitrogênio, que pode ser confirmada nos dados atmosféricos”, diz Maria de Fátima Andrade, professora do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo que analisou os dados da Cetesb especialmente para a Agência Fapesp.

Além da redução significativa dos poluentes primários, diretamente ligados à emissão veicular, também houve diminuição de cerca de 30% de material particulado inalável. Trata-se dos poluentes MP 10, material particulado com diâmetro até 10 micrômetros, relacionado à ação dos veículos que ressuspendem a poeira do solo, e MP 2.5, com até 2,5 micrômetros, formado por processos secundários a partir da queima de combustível.

De acordo com Andrade, a redução dos poluentes não ocorreu de forma igual na cidade. “Os mapas mostram que a diminuição foi maior na região central da cidade. A melhora na qualidade do ar ocorreu de forma desigual na cidade. É possível também perceber que na região de Cubatão, por exemplo, houve aumento de alguns poluentes, mas lá são outras fontes de poluição, ligadas a atividades industriais”, diz.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde, o limite de exposição a material particulado é de 25 µg/m³ (micrograma por metro cúbico de ar), média de 24 horas. Índice que, normalmente, tende a ser superado por várias estações de monitoramento da Cetesb.

Normalmente, é comum que algumas estações cheguem próximo a 40 µg/m³ de material particulado, como é o caso das estações de Osasco, Grajaú e Mauá. Um pouco acima de 25 µg/m³ estão as estações de Capão Redondo, Diadema e Cerqueira Cesar. Essa diferença tem relação sobretudo com a idade da frota e quantidade de veículos que circulam próximos a estas estações.

Andrade ressalta que qualquer comparação de poluição atmosférica como a realizada para avaliar a qualidade do ar na quarentena necessita avaliar períodos mais longos que duas semanas. “O ideal seria comparar períodos mais longos de diferentes anos. Porém, quando se analisam os dados de março de 2019, observa-se que, em função de ter sido um mês chuvoso, as concentrações também não estavam tão altas. A chuva é o principal mecanismo de remoção de poluentes da atmosfera”, diz.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    O meio ambiente agradece

FOTOS: Artista plástico e professor da UFRN será homenageado com a maior honraria do Corpo de Bombeiros de São Paulo

Fotos: cedidas

O artista plástico e professor do Departamento de Artes, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da (CCHLA/UFRN), Marcos Alberto Andruchak, será agraciado com a “Medalha Comemorativa do Centenário do Corpo de Bombeiros de São Paulo”, maior honraria da instituição que é destinada a pessoas com relevantes serviços prestados ao Corpo de Bombeiros e a sociedade paulista.

“Esta honraria provavelmente nos está sendo concedida por conta do Projeto de Extensão Arte Brasil, do Departamento de Artes da UFRN, onde vimos trabalhando Arte e Design Urbano desde 2009 e através do qual já produzimos mais de 100 murais no Brasil e também no exterior. Em São Paulo fizemos em 2016 um grande mural no Centro de Memória dos Bombeiros. Posteriormente fizemos outros trabalhos, um no Comando central e outro na ESB – Escola Superior de Bombeiros, além dos murais monumentos na USP, no IFSP, no Comando da ROTA da Polícia Militar e na UNITAU -Universidade de Taubaté”, destacou o professor Andruchack.

A solenidade da entrega da Medalha Comemorativa estava marcada para esta quarta-feira, 11, porém devido aos recentes desastres naturais com as chuvas em São Paulo que vitimaram várias pessoas, incluindo dois bombeiros, uma nova data será marcada.

Mesmo assim, o professor estará na capital paulista para ministrar no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), em parceria com profissionais da arte e design do mercado brasileiro, palestra sobre “Como a arte se relaciona ao design, à indústria criativa e aos negócios?”, no Colóquio “Arte, Design e Mercado”, na quinta-feira, 12, no IFSP.

PERFIL

Marcos Andruchack, é natural do Paraná, artista plástico e professor da área de Arte e Arte Digital na UFRN. É doutor em Artes pela Universidade de São Paulo (USP) e trabalha com design gráfico animado, arte e novas tecnologias. É referência na pintura de painéis em grandes dimensões onde utiliza tintas acrílicas, relevos e o estilo geometricista. Suas obras estão espalhadas em várias partes do Brasil e no mundo.

Na UFRN é possível contemplar a arte do professor Andruchack em vários pontos como o painel da Biblioteca Central Zila Mamede, na fachada do CCHLA e no DEART.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Franco disse:

    Parabéns ao artista.
    Por falar em UFRN, tem gente se destacando em outras áreas também:
    https://olhardigital.com.br/ciencia-e-espaco/noticia/projeto-melhora-em-100-vezes-visao-de-cacador-de-exoplanetas/97122

São Paulo tem 1 milhão de carros roubados e furtados no Estado em cinco anos


Arte: R7

Os roubos e furtos de veículos no Estado de São Paulo ultrapassaram a marca de 1 milhão de casos entre 2014 e 2019, conforme boletins de ocorrência policiais registrados pela SSP-SP (Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo) e disponíveis no site oficial do órgão. Juntas, as duas categorias somam 3.5 milhões de crimes desde 2001, ano em que os dados oficiais passaram a ser contabilizados.

Na somatória dos crimes, o ano de 2014 registrou o maior número de casos (211.532) — o mesmo ano detém os recordes de casos separadamente: 122.769 furtos e 98.763 roubos de veículos. Nos anos seguintes, houve decréscimo gradual da quantidade de ocorrências: 189.349 (2015), 188.881 (2016), 172.793 (2017), 158.213 (2018) e 137.169 (2019).

Após o período destacado (2014-2019), os anos de 2013 e 2001 concentram os maiores índices de ocorrências no Estado quando se contabiliza — somados — os dados de furtos e roubos: 215.510 e 215.011, respectivamente. Em 2008, foi verificado o menor volume de crimes: 159.124.

“O aumento da frota, a dimensão continental do Brasil, o alto preço das peças, dos veículos, a corrupção por parte de uma minoria de funcionários, que deveriam fiscalizar a frota de veículos, aliado a um grande mercado formado por pessoas que não se importam com a origem criminosa do bem, concorrem para o quadro atual”, avalia o consultor em segurança pública Marcos Carneiro de Lima, ex-delegado geral da Polícia Civil de São Paulo.

O especialista ressaltou que os números coletados pelo governo paulista são bastante próximos da realidade, porque o índice de comunicação de ocorrências que envolvem veículos é de quase 100%, fato que não se verifica em outros crimes. “Por causa do seguro e da cautela do cidadão de não se ver envolvido com a utilização criminosa do seu veículo”, explicou.

Crime lucrativo

Marcos Carneiro de Lima afirma que o avanço da tecnologia no setor automotivo, com a criação de dispositivos e sistemas de segurança mais eficazes, não tem conseguido impedir a ação das quadrilhas especializadas neste tipo de crime. “Os veículos estão mais sofisticados, mas os criminosos têm conseguido burlar os sistemas. É o eterno jogo de gato e rato”, disse.

A expectativa pelo lucros altos e a demanda por peças e carros ilegais — produtos mais baratos e obtidos sem burocracia — mantêm as quadrilhas de criminosos em atividade constante.

“Várias leis foram criadas, bem como as delegacias especializadas. [Também há] a marcação do chassis em diversas partes do veículo ou um maior rigor no controle dos desmanches. Mas, a lei da oferta e da procura, mais a ideia de que o crime é lucrativo e a sensação de impunidade, fomentam este tipo de criminalidade”, acrescentou o consultor.

Destinos marcados

De acordo com Marcos Carneiro de Lima, parte dos produtos furtados e roubados é “picada” para ser negociada em desmanches ilegais. Mas há outros destinos certos para os produtos no mercado clandestino de veículos. “Depois de adulterados, os ‘dublês’ são vendidos nos diversos Estados brasileiros”, revelou.

Ainda conforme o consultor em segurança, as quadrilhas especializadas utilizam caminhões-cegonha para transportar os carros ‘dublês’ para o Estado do Paraná, onde são comercializados ou deixam o país pela fronteira com o Paraguai. “Em 2011 ou 2012, o 7º DP, da Lapa [zona oeste paulistana], fez um excelente trabalho desbaratando uma quadrilha”, complementou.

Quantidade de veículos em São Paulo

De acordo com os dados do Ministério da Infraestrutura do governo federal, atualizados em fevereiro de 2020, a frota do Estado de São Paulo é 30.131.254 veículos. Na capital paulista, há 8.583.039 veículos licenciados.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Pinheiro disse:

    O objetivo de Fátima Bezerra é fazer com que o RN supere SP nesse quesito…
    Fora Governadora Traidora!!

  2. Ojuara disse:

    É isso que acontece quando a impunidade é disseminada do maior ao menor, do presidente do país, luladrao que viralizou e disseminou, do tofolli e engavetados geral de qualquer ação que venha a beneficiar o cidadão que Juno com mais quatro ou cinco no supremo libertam tudo que é bandidos, do rodrigo maia que conseguiu ser pio que o pai Cesar Maia………..portanto, com esses bandidos como exemplo, vamos dobrar a meta. Kkkkkk

  3. Ojuara disse:

    Se atingirmos a meta, agora é dobrar a meta. Dilmanta.

Viagem de SP à Nova Iorque terá duração de 1 hora com avião hipersônico

Foto: Divulgação

A aeronave poderá levar passageiros de Londres até Sidney em 4 horas, cinco vezes mais rápido que os voos atuais, que duram cerca de 22 horas. E de São Paulo à Nova Iorque em apenas uma hora.

O CEO da Agência, Graham Turnock, anunciou que o Reino Unido estaria trabalhando mais estreitamente com a Austrália em um acordo de “primeira ponte espacial do mundo”, para transportar passageiros de um continente para o outro em apenas quatro horas.

O projeto, que leva o nome de Synergetic Air-Breathing Rocket Engine (SABRE), está sendo desenvolvido pela Reaction Engines e conta com o financiamento de empresas do setor.

Motor hipersônico

A velocidade incrível será possível por conta de um novo motor hipersônico que os cientistas da Reaction Engines estão desenvolvendo atualmente.

Ele é alimentado por uma combinação de hidrogênio e oxigênio.

Um dos desafios do voo hipersônico é garantir que a parte mecânica resista ao calor e não derreta, para isso a tecnologia faz com que o ar resfrie por minúsculos tubos de congelados e depois utiliza esse calor capturado para fornecer energia ao motor.

“Nosso pré-resfriador pega o ar que chega a 1.000 graus centígrados e o resfria a zero em um vigésimo de segundo”, disse Shaun Driscoll, da Reaction Engines.

Os testes de equipamentos e a construção de mecanismos para a realização do avião espacial custaram até agora para o governo britânico cerca de 60 milhões de libras e segue em ritmo acelerado.

Os dirigentes prometem voos de teste programados para começar agora em 2020 e comerciais para 2030.

Via Só Notícia Boa

Alunos de São Gonçalo participam de torneio de robótica em São Paulo

Foto: Divulgação

Nos dias 6, 7 e 8 de Março, alunos do SESI São Gonçalo do Amarante participarão da etapa Nacional do Torneio de Robótica First Lego League. O evento acontecerá no Parque Ibirapuera em São Paulo. O programa internacional desafia estudantes a buscarem soluções para problemas do dia a dia da sociedade moderna. Os temas mudam a cada temporada e, em 2020, eles precisam encarar questões relacionadas a construção de Cidades Inteligentes.

Os jovens, liderados por dois adultos, precisam trabalhar em sintonia, tendo como base valores como respeito, ganho mútuo e competição amigável. Seguindo regras feitas especificamente para cada temporada, eles constroem robôs baseados na tecnologia LEGO Mindstorms, que devem ser programados para cumprir uma série de missões.

A equipe LOS ARRETADOS composta pelos integrantes: Isabela Tavares, Aline Cavalcanti, Elton Santos, Ítalo Fidelis e o técnico Josinaldo Araújo representarão o município na competição. O projeto de inovação do desenvolvido pelo grupo consiste em reutilizar a fibra do coco, descartado inadequadamente, para produção de lixeiras públicas para a cidade.

São Paulo processa Governo Federal e pede fim da meia-entrada em jogos no Morumbi, que beneficia estudantes, idosos, deficientes e jovens de baixa renda

Foto: Marcos Ribolli

O São Paulo foi à Justiça para pedir o fim da obrigatoriedade da meia-entrada na venda de ingressos para jogos no Morumbi – que beneficia estudantes, idosos, deficientes e jovens de baixa renda. A informação foi revelada pelo UOL e confirmada pelo GloboEsporte.com.

Em ação que corre no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, o São Paulo pede que “se reconheça a ré (a União) como responsável pelo ônus da meia-entrada das Leis nºs 12.933/13 e 10.471/03 e, por conseguinte, indenizada a Autora pela intervenção indevidamente sofrida, sem nenhuma contraprestação”.

O trecho da petição significa que o São Paulo contesta a intervenção das seguintes leis no dia a dia do clube:

12.933/13: de 26 de dezembro de 2013, dispõe sobre o benefício do pagamento de meia-entrada para estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos comprovadamente carentes em espetáculos artístico-culturais e esportivos;
10.471/03: de 1º de outubro de 2003, é o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos.

Além disso, o São Paulo pede indenização referente ao período em que teve de vender ingressos a meia-entrada, calculando quanto o clube teria deixado de receber desde 2003, início do Estatuto do Idoso.

E pede, claro, o fim da cobrança de meia-entrada a partir da data do julgamento da ação.

O processo ainda não foi julgado e está em fase juntada de petição, quando a parte autora (no caso, o São Paulo) pode anexar novas peças à ação.

Em contato com a reportagem, o São Paulo argumenta que não pede o fim da meia-entrada, mas quer ser ressarcido pelos valores de meia-entrada por uma interpretação diferente da lei. Na visão do clube, se o governo impõe a meia-entrada, não é o responsável pelas vendas (no caso o próprio São Paulo) que deveria perder dinheiro.

Ou seja, o São Paulo quer ser ressarcido pelos valores que entende serem devidos e pretender encerrar a obrigatoriedade da venda de meia-entrada nos moldes do governo. Com isso, o próprio clube estabeleceria a meia-entrada sob seus critérios.

Globo Esporte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Josuel Soares da cruz disse:

    Que isso São Paulo FC,vocês vivem do torcedor tem que respeitar os direitos dos outros, só querem lucrar.