Estudo sugere risco ao reduzir 10 dias de quarentena para infectados

FOTO: ALISSA ECKERT, MS; DAN HIGGINS, MAM/CDC/REUTERS

Resultados de uma pesquisa conduzida no Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP) sugerem que pode ser arriscado reduzir de 14 para dez dias o tempo de quarentena indicado para casos leves e moderados de COVID-19, como recomendou em outubro o Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

No estudo, apoiado pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), os pesquisadores do IMT-USP trabalharam com 29 amostras de secreção nasofaríngea de pacientes com diagnóstico confirmado por teste de RT-PCR. O material foi coletado em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de Araraquara no décimo dia após o início dos sintomas e, em laboratório, inoculado em culturas de células.

Em 25% dos casos, o vírus presente nas amostras se mostrou capaz de infectar as células e de se replicar in vitro. Em teoria, portanto, pessoas que tivessem contato com gotículas de saliva expelidas por 25% desses pacientes no período em que o material foi coletado ainda poderiam ser contaminadas. Os dados completos da pesquisa foram divulgados na plataforma medRxiv, em artigo ainda sem revisão por pares.

“Recomenda-se que os infectados com sintomas leves permaneçam totalmente isolados em casa, sem contato com ninguém, durante todo o período de quarentena. E há uma grande pressão para reduzir o tempo de isolamento – tanto por fatores econômicos como psicológicos. Mas, se o objetivo da quarentena é mitigar o risco de transmissão do vírus, 25% [de pacientes com vírus viável] é uma proporção muito alta”, avalia Camila Romano, coordenadora da investigação.

Como explica a pesquisadora, a quarentena de 14 dias foi estabelecida ainda no início da pandemia com base no tempo médio que leva, após o início dos sintomas, para o SARS-CoV-2 deixar de ser detectado no teste de RT-PCR. Em geral, esses primeiros estudos foram feitos com indivíduos com doença moderada ou grave, que precisaram ser hospitalizados.

“Partiu-se do princípio de que quando a carga viral é tão baixa a ponto de ser indetectável nesse tipo de exame – considerado padrão-ouro para o diagnóstico da COVID-19 – o risco de transmissão torna-se muito pequeno. Naquela época nem sequer havia testes suficientes para diagnosticar todos os casos suspeitos e menos ainda para liberar os pacientes com sintomas leves da quarentena. Então estabeleceu-se como padrão o período de 14 dias para infectados não hospitalizados”, explica Romano.

Estudos posteriores mostraram ser possível detectar o RNA viral nas vias respiratórias pelo teste de RT-PCR por um período até superior a 14 dias. Contudo, segundo esses mesmos trabalhos, após o oitavo ou nono dia de sintomas dificilmente se conseguia isolar em pacientes com quadros leves ou moderados o vírus ainda viável, ou seja, com a capacidade de se replicar em células.

Desse modo, em meados de 2020, o CDC passou a rever as recomendações referentes ao período de quarentena. Para pessoas expostas ao SARS-CoV-2 sem diagnóstico confirmado por teste molecular, estipulou-se que um isolamento de dez dias seria suficiente para reduzir o risco de transmissão para 1%. Para casos confirmados com sintomas leves ou moderados, o isolamento poderia ser interrompido dez dias após o início dos sintomas, considerando a resolução da febre por pelo menos 24 horas. Este período, entretanto, deveria ser estendido em caso de COVID-19 grave, em pacientes com algum tipo de comprometimento imunológico ou caso o infectado ainda estivesse manifestando sintomas.

“No Brasil, a regra ainda é a quarentena de 14 dias, embora alguns municípios estejam cogitando reduzir para dez dias. Em países como a Suíça, infectados com sintomas leves são liberados do isolamento após sete dias apenas”, conta Romano à Agência FAPESP. “À medida que mais estudos vêm sendo feitos em populações diferentes e com metodologias mais sensíveis, percebemos que ainda é muito cedo para ‘bater o martelo’ sobre o tempo ideal de quarentena. Estamos vendo países sendo atingidos por novas ondas da doença e cada vez menos o isolamento de 14 dias é seguido. É importante levar em conta os dados mais recentes ao repensar políticas de isolamento”, defende a pesquisadora.

Metodologia

O estudo descrito no artigo é parte de um projeto ainda em andamento, cujo objetivo é avaliar a transmissão domiciliar do SARS-CoV-2 na cidade de Araraquara. A cidade decretou lockdown no dia 15 de fevereiro, depois que foi detectada em pacientes locais a nova variante brasileira do vírus, conhecida como P1.

Graças a uma parceria com os gestores municipais, os pesquisadores do IMT-USP conseguiram contatar pacientes com sintomas leves que tiveram o diagnóstico de COVID-19 confirmado por RT-PCR em uma UBS local e não foram hospitalizados.

Foram convidadas para participar 53 pessoas com idades entre 17 e 60 anos que testaram positivo no décimo dia de sintomas. Somente 29 das 53 amostras coletadas continham material suficiente e bem conservado e puderam ser utilizadas nos experimentos.

Em um laboratório com nível 3 de biossegurança (NB3) sediado no IMT-USP, as amostras selecionadas foram incubadas com linhagens de células Vero – originárias de rim de macaco –, modelo mais usado em estudos sobre coronavírus.

“O experimento consiste em oferecer para o vírus um ambiente adequado para ele se replicar. Inoculamos a secreção nasofaríngea coletada dos pacientes nas culturas celulares e acompanhamos durante quatro ou cinco dias”, conta Romano.

Esse intervalo, segundo a pesquisadora, é suficiente para observar se o contato com o vírus provoca um efeito citopático, ou seja, se as células em cultura começam a morrer. A variação da carga viral nas linhagens foi quantificada pela mesma técnica de RT-PCR usada no diagnóstico.

Em 25% dos casos avaliados observou-se um efeito citopático significativo, acompanhado de aumento na carga viral.

“Claro que um experimento feito em laboratório não reproduz com perfeição o que ocorre na natureza. Mas nossos resultados são um indício de que pode haver partículas virais viáveis nas secreções de pacientes no décimo dia de sintomas”, afirma Romano.

Atualmente, o grupo realiza novos ensaios com o objetivo de descobrir como varia, em um mesmo paciente, a dinâmica do risco de transmissão. Amostras estão sendo coletadas diariamente, entre o nono e o 14o dia de sintomas. Esse material será inoculado em culturas celulares para ver em que medida a proporção de amostras com vírus viável diminui com o passar dos dias.

Segundo Romano, os resultados obtidos até agora reforçam a importância de manter a quarentena de 14 dias. “O isolamento, de modo geral, precisa ser intensificado neste momento. Caso contrário, o avanço lento da vacinação exercerá uma pressão seletiva sobre o vírus e favorecerá a emergência de variantes resistentes. Diminuir o isolamento neste momento é extremamente perigoso”, alerta.

O artigo Discontinuation of isolation for persons with COVID-19: Is 10 days really safe? pode ser lido em: www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.01.29.21250753v1.full.pdf.

R7, via Agência Fapesp

Governo de SP recua, suspende endurecimento da quarentena aos finais de semana e anuncia auxílio a setor de bares e restaurantes

Foto: Reprodução

O governo de São Paulo suspendeu nesta quarta-feira (3) o decreto que coloca todo o estado na fase vermelha, a mais restritiva, do plano de flexibilização econômica aos finais de semana.

Pela previsão inicial, a medida, em vigor desde o dia 25 de janeiro, permaneceria até 7 de fevereiro. Com o anúncio desta quarta, deixa de valer já no próximo sábado (6).

Com a revogação, estabelecimentos como shoppings, restaurantes e comércios voltam a ter permissão para funcionar aos sábados, domingos e feriados nas regiões que estão na fase laranja do plano de flexibilização econômica. (Veja abaixo a classificação atual das regiões do estado)

Quando foi anunciado o endurecimento da quarentena aos finais de semana, o governo também afirmou que apenas serviços essenciais teriam autorização para operar após as 20h nos dias úteis. Entretanto, a medida não tinha efeito prático de mudança, uma vez que a fase laranja já não autoriza o funcionamento após as 20h – como seguirá sendo feito.

A gestão Doria alega que as medidas já provocaram melhora nos indicadores de saúde e que, por isso, foram canceladas antes do prazo inicial previsto.

“Tivemos felizmente queda em internações em todo o estado de São Paulo, tanto em leitos primários quanto em leitos de terapia intensiva (UTI), o que nos permite suspender a decisão de fechamento de atividades econômicas já neste final de semana em todo o estado. Tivemos uma diminuição de 11% no número de internações por Covid-19 nos leitos públicos e privados e o governo entende que podemos permitir que as atividades de fim de semana sejam retomadas”, afirmou o governador João Doria.

Nesta terça-feira (2), o estado de SP registava 67% de ocupação dos leitos de UTI, uma leve queda em comparação com os números da semana anterior, quando o índice estava acima de 70%.

Entretanto, 15 hospitais estaduais têm mais de 80% de ocupação, sendo que seis deles já não conseguem mais atender novos pacientes por falta de vagas. Os números de mortes permanecem estáveis em um patamar superior a 200 óbitos por dia.

Auxílio a setor de bares e restaurantes

Durante a coletiva, o governo também anunciou medidas para auxiliar o setor de bares e restaures, que fez diversas mobilizações nos últimos dias, contra as restrições complementares de funcionamento.

O pacote prevê R$ 125 milhões de crédito, além da suspensão do corte do fornecimento de gás e água nos estabelecimentos comerciais por falta de pagamento até o final do mês de março. Ainda segundo o governo, as contas pendentes vão poder ser parceladas sem juros e multas.

Também foi divulgado que o protesto de débitos inscritos na dívida ativa serão suspensos por 90 dias para que os empresários tenham capacidade de adquirir financiamento.

“Estamos operando com juros de 0,35% e 0,7% nesse momento emergencial e, inclusive, em juro zero em parceria com o Sebrae em casos mais críticos de empreendedores que estão precisando desse auxílio. Além disso, um pleito que foi trazido e que será expandido para todos os seguimentos, é que a Procuradoria Geral do Estado suspenderá por 90 dias o protesto de débitos inscritos na dívida ativa em todo o estado de São Paulo”, disse a secretária Patrícia Ellen.

Ainda de acordo com a secretária, as medidas têm como objetivo dar fôlego às empresas, e passam a vigorar a partir desta quinta (4).

Plano SP

Uma nova reclassificação do Plano São Paulo deverá ser divulgada pela gestão Doria na próxima sexta-feira (5).

Na semana passada, o governo incluiu Ribeirão Preto na fase vermelha, a mais restritiva. A mudança ocorreu após a região atingir 82% na taxa de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19.

Já as regiões de Sorocaba e Presidente Prudente registraram melhora nos indicadores de saúde e avançaram à fase laranja.

O primeiro final de semana em que todo o estado ficou na fase vermelha da proposta foi marcado por praias lotadas na baixada santista e protestos de donos de restaurantes.

As regras mais restritivas de isolamento social entraram em vigor na última segunda-feira (25). Na fase vermelha, somente serviços essenciais, como padarias, mercados e farmácias podem operar.

Reclassificação

No início de janeiro, o governo fez alterações nas regras de funcionamento da fase laranja, e a tornou mais permissiva.

Dentre as flexibilizações, está a liberação para que bares operem nos horários dos restaurantes, caso sirvam comida para clientes que fiquem sentados.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

A última reclassificação do Plano São Paulo ocorreu no dia 29 de janeiro.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No último dia 15, o governo de São Paulo determinou o cancelamento das cirurgias eletivas em todos os hospitais públicos e conveniados do estado. Na ocasião, também foi anunciada a reativação do Hospital de Campanha de Heliópolis, na capital.

O governo também alterou o parâmetro de taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) na fase vermelha, que passou de 80 para 75%. Pelas regras, nenhuma região poderá mudar para as fases verde e amarela antes do dia 8 de fevereiro.

Classificação em vigor

Vermelha – só operam serviços essenciais

Marília
Franca
Barretos
Bauru
Taubaté
Ribeirão Preto

Laranja – bares não abrem, e demais serviços funcionam com restrições de horários e capacidade

Grande São Paulo
Araçatuba
Piracicaba
São José do Rio Preto
Registro
Araraquara
Baixada Santista
Campinas
São João da Boa Vista
Presidente Prudente
Sorocaba

O que funciona na Fase Laranja

(Esta fase sofreu alterações no dia 5 de janeiro e passou a ser mais permissiva)

Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido.

Capacidade de ocupação: antes era de 20% e vai para 40% em todos os setores.

Funcionamento máximo: ampliado de 4 para 8 horas por dia.

Horário de fechamento: atendimento presencial só poderá ser feito até 20h.

Parques estaduais, salões de beleza e academias: poderão abrir.

O que funciona na Fase Amarela

A capacidade máxima passa a ser limitada a 40% de ocupação para todos os setores. Antes, o percentual variava por setor: academias podiam operar com apenas 30% da ocupação, por exemplo.

O atendimento presencial ao público pode ser feito apenas até as 22h, em todos os setores, exceto no setor de bares, que pode funcionar até as 20h.

O horário de funcionamento passa a ser limitado a 10 horas por dia para todos os setores. Antes, o horário variava por setor.

Serviços essenciais que podem funcionar na Fase Vermelha

Farmácias

Mercados

Padarias

Açougues

Postos de combustíveis

Lavanderias

Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô

Transportadoras, oficinas de veículos

Atividades religiosas

Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria.

Bancos

Pet shops

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João disse:

    Muito confuso esse sistema de São Paulo. As cores parecem ser uma ótima ideia, mas a diferença entre cada uma delas é pequena e o governo muda com frequência. Os comerciantes podem até entender, mas tenho certeza que a população se confunde.

Defensor da quarentena, Luciano Huck curte férias no Caribe

FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Defensor da quarentena deste o início da pandemia do novo coronavírus, Luciano Huck foi flagrado fazendo um passeio de caiaque com os fihos, Joaquim, Benício e Eva, e a mulher, Angélica, em uma praia do Caribe. As imagens saíram na imprensa.

Desde que a covid-19 apareceu no Brasil o apresentador apoiou as medidas restritivas impostas pelos governadores e prefeitos.

“O isolamento social nessa pandemia não é uma opção que está pra jogo. É uma necessidade fundamentada na orientação científica mais séria e rigorosa”, disse Huck em março, em suas redes sociais.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    O gado chamar Huck de esquerdista é resultado de muita maconha estragada.
    O próprio já declarou q nao vota no PT de jeito algum.

  2. Tico de Adauto disse:

    Viiiiixe!!!
    Por isso sou Ciro, q curte o beach park

  3. Ivan disse:

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, o PR pode ser doido, mas pelo menos é coerente!!! Já esses esquerdinhas caviar…sei não…HIPÓCRITAS!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk….Assim fica fácil demais escolher em 2022!!!!

  4. Azevedo disse:

    Esse é um tremendo FDP aliado aos PeTralhas.

  5. Sérgio disse:

    A inveja é uma m….
    Os que criticam aqui, não têm condições de ir a São Miguel do Gostoso, imagine Caribe.
    Aposto que Huck não usou um cartão corporativo secreto, nem empregou a familia em rachadinhas…

  6. Roberto disse:

    Fdp oportunista, hipócrita de carteirinha! calhorda….

  7. Mgil disse:

    Não precisa gostar de Bolsonaro. Basta ver quem está contra ele.

  8. Pinicodemirro disse:

    MOURÃO 2021

  9. Júnior Augusto disse:

    Hipócrita lacrador igual a todos os esquerdistas. Essa raça não vale nada são a escória do mundo.

  10. Bolsonaro RN disse:

    Homi vote em Hulk ele é um menino bom, e por outro lado vai ser aconselhado pela globo, Maia, Doria, Fernando Henrique e companhia.

  11. Epaminondas disse:

    Hipocrisia típica de esquerdista…

  12. Thito disse:

    A globo lixo tá doida pra tirar o prejuízo, quer emplacar esse mamulengo na presidência do Brasil.
    Tem cabimento?

  13. Manoel disse:

    Façam o que eu digo mas não Façam o que eu faço

  14. Geofla disse:

    Já falei e vou falar novamente, todos esses artistas são hipócritas e sugadores de verbas públicas.

  15. Severino disse:

    Como diz aquele meme:
    ENFIM, A HIPOCRISIA.

  16. ZéGado disse:

    Ele pode.
    Se está ele e a família, não usou dinheiro público, eu não vejo problema nenhum.
    Agora se ele tivesse levado toneladas e mais toneladas de leite condensado, aí o bicho pega…

    • Calígula disse:

      O apresentador de televisão Luciano Huck usou, em 2013, um empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES para comprar um jatinho particular da fabricante Embraer. A informação foi publicada nesta segunda-feira (12) pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

    • ZéGado disse:

      Tia, se o financiamento foi fraudulento, o MP precisa ser acionado, os órgãos de controle, etc.
      Mas se está em dia, está tudo bem.
      Mas comprar milhões em goma de mascar e leite condensado… Isso precisa ser investigado.

    • Neco disse:

      Quadrúpede, esses 16 mlhões, por exemplo, são destinados a mais de 350 mil servidores militares, fora os civiis que trabalham em quartéis e crianças e adolescentes de programas sociais das Forças Armadas. Num dá uma colher de sopa por dia. Vai ver qual o preço de varejo.

    • P.C disse:

      Ô zezim do gado.
      Informações fresquinha pra tua cabeça.
      Mais de 90% desse produto foi pro ministério da defesa, vc sabia disso?
      Pois bem, lá só nas forças armadas 334 mil homens e mulheres na ativa.
      Kkkkk
      Esse produto, serve pra fazer varias receitas do tipo bolo pudim etc etc.
      Vc achou que isso tudo foi pro palácio do planalto pro PR se lambuzar foi???
      Kkkkkkkk
      É MELHOR JAIR SE ACUSTUMANDO. VCS NÃO VÃO PEGAR O PRESIDENTE BOLSONARO.
      Tu tá achando que aí é desvios da merenda é??
      Super faturamento??
      Roubo??
      Falcatruas?
      Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Nunca!!
      O PT saiu do governo em 2018.
      Nesse governo, espere deitado que em pé cansa.

    • Neco disse:

      E o preço de atacado

    • Bawer disse:

      Fala aqui com minha mão acéfalo. Estás com o codinome correto mesmo "zégado". Acredita em tudo que a mídia vermelha diz na net rsrs, pobre coitado, é a famosa "Maria vai com as outras", se cirão disse é verdade, nem ao menos procura saber a veracidade dos fatos.

  17. Pronto falei disse:

    Isso é um hipócrita, que até quando “fazia” doações, era através de patrocinadores. Aluno do Doria.

  18. Pepe disse:

    Varios ricos se isolaram em fazendas,resortes,casas de montanha,praia.Este preferiu um resorte reservado,se isolou lá.
    Quem pode ….se isola da forma wue quiser,já o presidente aglomera.Espalha o espirito da pandemia com atos,açoes e maus exemplos.

    • Pronto falei disse:

      Você é um Asno mesmo. Falar uma besteira dessa. O que o presidente se preocupa é com a dignidade do povo se sustentar. Fácil o rico, como vc falou aí, se isolar em fazendas ou Resorts.

  19. Joaquim disse:

    É por esse tipo de candidato que eu prefiro o Presidente Bolsonaro com seus erros e acertos

    • Queiroz disse:

      Que acertos? Só se for pra proteger os marginais que tem em casa.. Aí ele acerta, né!?

  20. Matheus disse:

    Tá fazendo escola com Doria. É por isso que nenhum dos dois jamais será presidente.

Fase vermelha das 20h às 6h começa a valer nesta segunda no estado de SP; entenda as regras da quarentena contra Covid-19

Foto: Divulgação/Governo de SP

A fase vermelha da quarentena, que permite o funcionamento apenas de serviços essenciais, passa a valer das 20h às 6h em dias úteis a partir desta segunda-feira (25) em todas as regiões do estado de São Paulo.

As regras da fase vermelha também vão valer aos sábados, domingos e feriados, durante todo o dia. As restrições à noite e durante os finais de semana valem até, pelo menos, 8 de fevereiro.

O governo fez alterações no Plano São Paulo, que divide o estado em 17 regiões e regula o que pode funcionar em cada uma delas. A mudança foi anunciada pelo governo de João Doria (PSDB) na última sexta-feira (22) após mais uma semana de piora nos indicadores de Covid-19 no estado.

Segundo o plano, durante a fase vermelha, podem operar apenas serviços essenciais, como supermercados, padarias e farmácias (veja a lista completa abaixo). O atendimento presencial em lojas, restaurantes e lanchonetes fica proibido, mas serviços de delivery podem funcionar normalmente.

Principais dúvidas

Veja abaixo perguntas e respostas sobre o Plano São Paulo, que regulamenta a quarentena contra a Covid-19 no estado:

O que é o Plano São Paulo?

O que pode funcionar na fase vermelha?

O que pode funcionar na fase laranja?

O que pode funcionar na fase amarela?

O que funciona à noite e aos finais de semana?

Qual é a classificação atual no estado?

Até quando vale a atual classificação?

Quais são os critérios para determinar cada fase?

Quais foram as principais mudanças feitas no plano desde sua criação?

O que é o Plano São Paulo?

O Plano São Paulo determina as regras da quarentena no estado. Criado em maio de 2020, ele divide o estado em 17 regiões de saúde. A fase da quarentena em que se encontra cada região é determinada pelo governo estadual com base em indicadores de saúde como mortes por Covid-19, internações, ocupação de leitos de UTI. As cinco fases possíveis são:

Fase vermelha (Alerta Máximo)
Fase laranja (Controle)
Fase amarela (Flexibilização)
Fase verde (Abertura parcial)
Fase azul (Normal controlado)

O plano estabelece quais setores da economia podem funcionar em casa fase e determina restrições, com horário de funcionamento e capacidade máxima dos estabelecimentos comerciais, em cada fase. A reclassificação de cada região é feita mensalmente mas, caso os indicadores sejam negativos, o governo pode fazer reclassificações extraordinárias.

O que pode funcionar na fase vermelha?

Farmácias

Mercados

Padarias

Açougues

Postos de combustíveis

Lavanderias

Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô

Transportadoras, oficinas de veículos

Atividades religiosas

Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria

Bancos

Pet shops

Serviços de delivery ou entregas

O que pode funcionar na fase laranja?

Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido.

Capacidade de ocupação: 40% do público máximo de cada estabelecimento.

Funcionamento máximo: até 8 horas por dia.

Horário de fechamento: atendimento presencial somente o até 20h.

Parques estaduais, salões de beleza e academias: podem funcionar.

O que pode funcionar na fase amarela?

Capacidade de ocupação: 40% do público máximo de cada estabelecimento.

Funcionamento máximo: até 10 horas por dia.

Horário de fechamento: atendimento presencial somente o até 22h em todos os setores, exceto no setor de bares, que pode funcionar até as 20h.

O que pode funcionar à noite e aos finais de semana?

O governo de São Paulo determinou que todas as regiões do estado devem seguir as regras da fase vermelha da quarentena aos finais de semana, feriados e das 20h às 6h nos dias úteis.

Na capital, inicialmente o governo havia informado que esta segunda-feira (25), por ser feriado do aniversário da cidade, obedeceria às restrições de fase vermelha – ou seja, a mesma regra do fim de semana. No entanto, depois foi informado que, na segunda, as restrições de fase vermelha vão valer só a partir de 20h, como nos demais municípios.

Mais detalhes AQUI em matéria completa do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    São Paulo dando show mais uma vez.

    • Vitorino disse:

      Marketing!!
      O covid não entende de cores.
      Só idiota não percebe isso.

  2. Natalense disse:

    Parabéns ao Governo Dória, faz o que o presidente da república não faz.

São Paulo entra em quarentena aos finais de semana

Foto: © Rovena Rosa/Agência Brasil

Com as taxas de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI) acima de 71% por causa do novo coronavírus (covid-19), o governo de São Paulo decidiu colocar todo o estado em quarentena aos finais de semana, feriados e no período noturno, sempre após às 20h nos dias úteis. A medida passa a valer a partir de segunda-feira (25). A quarentena deve durar, pelo menos, até o dia 7 de fevereiro.

Aos sábados, domingos, feriados e após as 20h nos dias úteis, só poderão funcionar os serviços considerados essenciais das áreas de logística, saúde, segurança e abastecimento. O restante das atividades econômicas, tal como o comércio, terá que ser fechado nesses dias e horários.

A quarentena já vale para o feriado do dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo.

Essa foi a terceira reclassificação do Plano São Paulo somente neste mês de janeiro. A primeira ocorreu no dia 8 de janeiro e a expectativa do governo era de que a próxima seria somente no dia 5 de fevereiro. Mas com o crescimento rápido de infecções e mortes, o governo acabou fazendo uma nova reclassificação no plano na última sexta-feira (15).

Na última reclassificação, apenas a região de Marília havia ficado na fase 1-vermelha. Agora, com a nova alteração no Plano São Paulo, divulgada hoje, sete regiões vão ficar na fase 1-vermelha e só poderão reabrir os serviços considerados essenciais. São elas: Marília, Presidente Prudente, Bauru, Sorocaba, Taubaté, Franca e Barretos. As demais regiões do estado, incluindo a Grande São Paulo e a capital paulista, vão ficar na fase 2-laranja. Na fase 2-laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% e encerramento às 20h. O consumo local em bares está proibido nessa fase.

O governo determinou ainda que nenhuma região passará para as fases 3-amarela ou 4-verde até o dia 8 de fevereiro.

Sem essas mudanças no Plano São Paulo, restringindo mais a circulação das pessoas, e com o atual ritmo de crescimento de infecções pela covid-19, o governo paulista calculou que em 28 dias o estado poderia ter um esgotamento dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI).

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Ocupação de leitos

Ontem (21), a secretaria estadual de Desenvolvimento Regional divulgou que 58 dos 645 municípios paulistas já estavam com ocupação hospitalar para pacientes graves acima de 80%. Nove desses municípios já estavam com 100% de ocupação, ou seja, não poderiam atender mais ninguém: Itaquaquecetuba, Américo Brasiliense, Promissão, Artur Nogueira, Itatiba, Socorro, Pirassununga, Fernandópolis e Porto Feliz.

Da penúltima semana de dezembro até hoje (22), o número de casos cresceu 79% no estado, passando de uma média de 5.606 casos por dia para 10.023 casos por dia. Já o número de novas internações passou de uma média de 1.331 por dia para 1.664, com crescimento de 25%. Nesse mesmo período, o número de mortes cresceu 96%, passando de 111 mortes por dia na penúltima semana de dezembro para 218 mortes por dia esta semana.

Segundo balanço divulgado hoje (22) pela Secretaria estadual da Saúde, o estado tem, até este momento, 1.679.759 casos confirmados do novo coronavírus, com 51.192 mortes. Há 6.044 pacientes internados em estado grave em todo o estado, além de 7.659 internados em enfermarias.

Novos leitos

Para tentar conter o avanço da covid-19 e ampliar o atendimento, o governo de São Paulo vai criar 756 novos leitos no estado, vai cancelar as cirurgias eletivas, e reativar o hospital de campanha de Heliopólis, que havia deixado de atender casos de coronavírus em setembro. O hospital de campanha de Heliópolis estava instalado no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) Barradas, localizado na maior comunidade da capital.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    O que o Bolsonaro tem haver com o lockdown do calça apertada, fechar tudo no fim de semana onde o transporte anda mais vazio e a população pode variar os seus horários de lazer, só este ditadorzinho para fazer isso.
    Acabou com a gratuidade dos idosos nos transportes e ainda aumentou o icm de todos os produtos no estado, o pior é que ainda tem defensores, esquerdopatas óbvio.

  2. Matheus disse:

    Restringir o período de descanso da população enquanto durante a semana todos enfrentam metrôs e ônibus lotados para trabalhar é desumano, autoritário e cruel. É por isso (e por outros muitos motivos) que o senhor João Doria jamais será presidente. E obviamente essa medida não diminuirá os casos de covid.

  3. Natalense disse:

    J é notícia, o presidente ordenou a seis ministros para não atenderem as reinvidicações do governador Dória. Absurdo! Novidade? Jamais, todos sabemos que o presidente da república não está a altura do cargo que ocupa, infelizmente, comete mãos um crime de responsabilidade, ao impor sua política pessoal utilizando-se do cargo para prejudicar seus adversários políticos. O povo é humilhado por esse gestor incompetente. Mourão 2021 já!

  4. Tico de Adauto disse:

    Teremos hj mais 4,8 milhões de vacinas Coronavac liberadas.
    Se não fosse o butantan a coisa tava mais feia ainda.

  5. Esquerdistas babacas disse:

    Eita João doriana calcinha apertada inventando moda.
    Nos finais de semana o covid pega forte.
    Fiquem em casa.
    Na segunda podem sair que o covid ta de descanso, não pega.
    Ô bicho sabido esse covid de São Paulo.

  6. Gustavo disse:

    Até porque o vírus só sai para rua aos finais de semana. Gostei da medida!

Biden vai pedir quarentena a passageiros internacionais

Foto: © REUTERS/Jim Bourg/Direitos Reservados

O presidente norte-americano, Joe Biden, assinou decreto nessa quinta-feira (21) para requerer que passageiros internacionais de viagens aéreas façam quarentena ao chegarem aos Estados Unidos (EUA). Ele orientou as agências do país a implementarem rapidamente uma obrigação federal de uso de máscaras em transportes entre os estados.

O decreto de Biden diz que, “na medida do possível”, viajantes aéreos precisam cumprir as orientações do CDC [Centro de Controle e Prevenção de Doenças] em relação a viagens internacionais, “incluindo períodos recomendados de autoquarentena”, mas não explica como isso será aplicado.

O decreto também orienta as agências dos EUA a manterem conversas com o Canadá e México em relação a “protocolos de saúde pública para postos de entrada por terra”, incluindo a implementação de diretrizes do CDC. Quase todas as viagens não essenciais nas fronteiras terrestres dos EUA com o Canadá e México foram suspensas até 21 de fevereiro.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Natalense disse:

    Presidente racional. Diferente de presidente louco. Brasil passa vergonha.

    • Paulor disse:

      Vai quebrar o EUA aguardem !! Tá igual ao governadora do nosso estado.
      eu queria uma urna agora para votar novamente no MITO !!

    • Neco disse:

      Zagallo e seus lacradores.

Impulsionada pela quarentena, venda de vinhos no Brasil tem alta de 31% em 2020

Foto: Freepik

Na contramão de setores que sofreram com a pandemia do coronavírus, o mercado de vinhos teve alta de 31% em 2020. Ao todo, foram 501,1 milhões de litros comercializados em 2020 contra 383,9 milhões de litros no ano anterior.

Como mostrou o G1 em outubro, as vendas subiram no ano passado por conta do isolamento social. Subiu a preferência pela bebida para momentos de lazer em casa.

O levantamento final de 2020 foi cedido com exclusividade ao G1 pela Ideal Consulting, empresa que mede o comércio entre as vinícolas e supermercados, lojas e restaurantes, somando importações. Os números captam, portanto, a formação de estoque e não a venda na ponta.

A venda de vinhos nacionais subiu 32,4% no ano passado, enquanto os importados tiveram crescimento de 26,5%. Assim, o produto brasileiro ganhou 3 pontos percentuais no mercado.

A preferência por vinhos daqui é efeito direto do dólar mais alto. A moeda americana teve alta acumulada de 29% no ano, elevando junto o preço de produtos importados.

A boa notícia para produtores é que os vinhos finos brasileiros ganharam 2 pontos percentuais do mercado, um crescimento de 100% em 2020.

Os finos são aqueles de qualidade mais alta, feitos com uvas próprias para a produção da bebida (vitiviníferas). São eles que tentam bater de frente com produtores vizinhos, como Argentina, Chile e Uruguai, e que têm ampla procura de quem aprecia a bebida.

“Foi um ano atípico. O desafio para 2021 será sustentar esse crescimento, com as pessoas voltando às suas rotinas, com crise econômica, câmbio desfavorável e aumento do preço dos vinhos brasileiros por conta da falta de insumos”, diz Felipe Galtaroça, CEO da Ideal Consulting.

Segundo Galtaroça, a moeda americana será decisiva também no ano que virá. Por conta das pressões de mercado de commodities, por exemplo, as vinícolas brasileiras sofreram com a falta de garrafas e caixas de papelão nos últimos meses.

As importadoras, diz, também aproveitaram para formar estoque com o enfraquecimento do dólar depois das eleições americanas. Houve, então, queda de procura em dezembro e haverá nos primeiros meses deste ano.

Consumo

A Ideal estima ainda que o volume consumido em litros por habitante no Brasil tenha crescido substancialmente. Em 2019, cada brasileiro maior de 18 anos bebia, em média, 2,13 litros de vinho ao ano, segundo a empresa. O resultado apurado de 2020 foi de 2,78 litros no ano.

A autoridade máxima nessa estatística, a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), nem mesmo divulgou o resultado para 2019. Em 2018, o número apurado no Brasil foi de 2 litros anuais para cada habitante.

A diferença para outros mercados é considerável. O líder do ranking da OIV foi Portugal, que teve consumo de 62 litros per capita naquele ano. Franceses beberam 50 litros em média. Italianos, 44 litros. Argentinos, 25 litros. Em outras palavras: a cada garrafa bebida por um brasileiro, mais de 30 são consumidas por um português.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lourenço disse:

    De vinho bom tu entende não é ZeGado 😥😥😥😥😥😥😥😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜

  2. ZéGado disse:

    Esse percentual foi puxado para cima pela camada extremamente alta da sociedade… A boiada no máximo que compra é uma garrafa de 5 litros de vinho Padre Cicero.

    • Francisco disse:

      Verdade, todos os rótulos tiveram aumento injustificado de 80% comparado com os preços do ano 2019. Enquanto não regridir nos preços vou Heineken e corona. Hehehe

Governo de SP publica decreto que prorroga quarentena no estado até 7 de fevereiro

O governo de São Paulo prorrogou a quarentena no estado até o dia 7 de fevereiro. A medida foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (31) sob a justificativa de necessidade de “conter a disseminação de Covid-19 e garantir o adequado funcionamento dos serviços de saúde”.

O decreto apenas renova uma determinação feita pela gestão estadual no início da pandemia de coronavírus e que vem sendo prorrogada pelo governador João Doria (PSDB), mesmo com as flexibilizações econômicas estabelecidas pelo Plano São Paulo.

É 15ª vez que a quarentena é prorrogada no estado. O decreto anterior estendia a medida até o dia 16 de dezembro.

Alta de mortes

O estado de São Paulo registrou 57% mais mortes por coronavírus em dezembro em comparação ao mês de novembro. Até esta quarta-feira (30), foram confirmados 4.382 óbitos em dezembro, contra 2.784 em novembro.

O valor mensal é o maior desde setembro, quando foram registradas 5.608 mortes no estado. O mês com mais registros de óbitos foi julho, com 8.234 mortes.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, também houve aumento de 67% no número de casos confirmados da Covid-19 em dezembro em relação ao mês de novembro. Foram 210.425 confirmações em dezembro até esta quarta, contra 125.526 em novembro.

Fase vermelha

O governo de São Paulo determinou que o estado volte para a fase vermelha, mais restrita da quarentena, nos próximos dias 1, 2 e 3 de janeiro. Apenas serviços essenciais serão liberados nestes dias.

Ao menos 20 cidades, no entanto, não seguirão a determinação estadual para voltar para a fase vermelha. O governo estadual afirmou que elas serão notificadas para o Ministério Público.

Santos, São Vicente e Guarujá, no litoral de São Paulo, irão fechar as praias durante o Ano Novo.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antenado disse:

    O aprendiz de ditador querendo impor a sua vontade contando com o apoio do ativismo judicial do STF. Mas queria ficar em Miami. Hipócrita.

Estado de SP volta à fase amarela da quarentena nesta segunda-feira e comércio volta a funcionar

O estado de São Paulo volta à fase amarela da quarentena imposta pela pandemia de coronavírus nesta segunda-feira (28). Apenas os serviços essenciais puderam funcionar na fase vermelha temporária, nos dias 25, 26 e 27 de dezembro. O comércio que teve de fechar as portas já pode reabrir até a próxima quinta-feira (31).

A fase amarela é a terceira etapa do plano de flexibilização econômica do governo estadual que permite a reabertura, menos restritiva, de outros tipos de comércio como parques, clubes sociais, restaurantes, bares e salões de beleza. Durante a fase vermelha, as padarias e restaurantes não puderam servir refeições presencialmente, apenas encomendas e delivery.

O governo de São Paulo determinou medidas de endurecimento da quarentena, com o aumento nas restrições de funcionamento de bens e serviços em todo estado durante o Natal e o réveillon. A fase vermelha retorna nos dias 1º, 2 e 3 de janeiro.

A mudança só não será temporária para a cidade de Presidente Prudente. Por conta do avanço nos casos e da falta de leitos de UTI, a região passa a ficar, até a próxima reclassificação, na fase vermelha, a mais restritiva do plano de flexibilização econômica.

Serviços essenciais

farmácias;

mercados;

padarias;

postos de combustíveis;

lavanderias;

meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e Metrô;

e hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria.

O que fecha no feriado do réveillon

Com a fase vermelha da quarentena e adoção de medidas mais restritivas de funcionamento do comércio, fica proibido o funcionamento:

shoppings;

lojas;

concessionárias;

escritórios;

bares, restaurantes e lanchonetes (exceto para delivery);

academias;

salões de beleza;

e cinemas, teatros e outros estabelecimentos culturais.

O governo também anunciou que em janeiro nenhuma região vai para fase verde, a menos restritiva, e que a reclassificação do estado, que estava marcada para o próximo dia 4, foi adiada para o dia 7 de janeiro.

Descumprimento

Pelo menos 19 cidades do estado de São Paulo optaram por não seguir a determinação do governo estadual, que colocou todos os municípios do estado na fase vermelha da quarentena durante os dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1º, 2 e 3 de janeiro de 2021.

De acordo com o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, essas cidades serão notificadas e poderão responder judicialmente pelo descumprimento.

O secretário disse neste domingo (27) que uma lista das cidades notificadas foi enviada ao Ministério Público.

As cidades que não aderiram às novas regras são:

na Grande São Paulo: Mogi das Cruzes e Cotia;

no litoral Sul e Baixada Santista: Bertioga, Cubatão , Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos , São Vicente;

no Litoral Norte: São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, Ilhabela;

no interior: Bauru, Olímpia , Catanduva, Socorro.

Fases da flexibilização

Os indicadores de saúde definem em qual das cinco fases de permissão de reabertura a região se encontra:

Fase 1 – Vermelha: Alerta máximo

Fase 2 – Laranja: Controle

Fase 3 – Amarela: Flexibilização

Fase 4 – Verde: Abertura parcial

Fase 5 – Azul: Normal controlado

De acordo com a fase cada região pode liberar a abertura de diferentes setores da economia fechados pela quarentena.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Armando disse:

    Enquanto isto CALCINHA APERTADA veio dos Estados Unidos depois de chacotas nas redes sociais, e foi passar o final de semana em uma ilha francesa no Caribe.

  2. Calígula disse:

    Se o povo sair às ruas tudo abre , o povo cansou desses politiqueiros de merda.
    #BOLSONARO TEM RAZÃO

    • Queiroz disse:

      200 mil mortos é pouco, né Leviatã.!?

    • Paulão disse:

      O povo tá ligado com essa turma de vagabundos pode ter certeza.
      Politiqueiro igual a esse calça apertada não decola.
      Acompanhe as pesquisas sérias.
      Podem até apostar.
      Bolsonaro segue disparado sem adversários.
      Se o PR Bolsonaro quiser ir preparando um candidato pra 2026, já pode.
      Essa a verdade verdadeira.
      Podem esperniarem.
      A maioria do povo, a esquerda misturada com os nhonhoms da vida, nunca mais vão ter.
      Nunca!!

    • ReneGado disse:

      Quer dizer que o Sr. vive dizendo que não era pra ter campanha e que os índices subiram por causa disso, ainda diz que a culpa é da justiça e do TSE… mas defende que abra tudo e que vá todo mundo pra rua. Tu é igual ao Bozo, na mesma frase fala e se desmente. Essa é a qualidade do eleitor do bozo, só fala bosta e coisas que não tem nem conexão umas com as outras.

    • ReneGado disse:

      Grande Paulão, recomendo vc ler o livro "Como mentir com estatística", a depender de onde, de quem faz e a metodologia usada a pesquisa pode ser feita para beneficiar um ou outro. Dito isso, sinto muito mas a pesquisa ao qual você se refere deve ser uma publicada que o índice dos que desaprovava o governo, dizendo que era ruim, foi zerado. Se, nessa pesquisa, não teve ninguém que dissesse que o governo é ruim você vê a qualidade da pesquisa. NESSE DETALHE VC NÃO REPAROU NÉ. Ou a quantidade de pessoas entrevistadas foi ínfimo ou a pesquisa foi muito mal elaborada. Mas vá sonhando, quem não estuda vira gado.

Quarentena de turistas na Inglaterra e na Irlanda pode ser reduzida pela metade; afrouxamento vale para viajantes do Brasil

Mulher caminha sobre a Westminster Bridge, em Londres, com o Parlamento britânico ao fundo Foto: DANIEL LEAL-OLIVAS / AFP

Quarentena obrigatória de 14 dias é um empecilho e tanto para viagens internacionais. E se for de uma semana? Inglaterra e Irlanda anunciaram que viajantes que se submeterem a novos testes PCR cinco dias após a chegada em seus territórios poderão, caso não estejam com o novo coronavírus, sair do isolamento bem antes do previsto. O afrouxamento vale para as pessoas provenientes de países considerados de alto risco de transmissão comunitária, como o Brasil.

A política conhecida em inglês como Test-to-Release (“testar para liberar”) já está sendo aplicada na Irlanda desde o final de novembro. Na Inglaterra (e não nas demais nações do Reino Unido), ela começará a valer em 15 de dezembro.

O programa não é obrigatório a todos os viajantes. Mas quem aderir precisa informar com antecedência, através dos formulários de entrada, preenchidos antes do embarque, tanto para a Inglaterra quanto para a Irlanda.

As autoridades locais sugerem que o turista agende seu teste com antecedência, para garantir que a data coincida com o quinto dia após o início da viagem. O exame é feito por laboratórios particulares e o custo do PCR deverá ser pago pelo próprio viajante, o que não deve sair por menos de cem libras esterlinas (cerca de R$ 680) na Inglaterra.

O teste poderá ser feito no imóvel ou quarto de hotel onde o viajante está isolado, ou mesmo em locais externos, como centros de testagem. Se esta for a opção, é necessário usar um meio de transporte particular.

Como o resultado costuma sair em 48 horas, quem tiver teste negativo para a presença do novo coronavírus estará liberado após uma semana, em média. Mas se o teste der positivo, o confinamento deverá continuar por dez dias após a data da coleta ou do surgimento dos primeiros sintomas. Após esse período, o viajante será monitorado pelo sistema de saúde britânico.

Mais informações estão nos portais oficiais dos governos do Reino Unido (gov.uk) e da República da Irlanda (gov.ie).

O Globo

Após aumento de casos de covid, quarentena recua para fase amarela em São Paulo, anuncia Doria

A cidade de São Paulo vai regredir para a fase amarela do Plano SP, assim como as outras regiões do estado que já estavam na fase verde. Com a decisão, comércios e serviços vão voltar a funcionar menos horas por dia.

A regressão de fase foi anunciada um dia após a eleição do segundo turno da capital paulista, vencida por Bruno Covas (PSDB) —o prefeito reeleito apoiado pelo governador do estado, João Doria (PSDB).

A capital, neste momento, encontra-se na fase 4, verde, a mais branda em termos de restrições, assim como as regiões de Campinas, Sorocaba e Baixada Santista, totalizando 76% da população do estado. Outra parcela grande de São Paulo está na fase 3, a amarela. Ao todo são cinco fases.

Ainda não se sabe se haverá alterações no que era permitido na fase amarela, bem como o horário de funcionamento e a ocupação de comércios e serviços.

Especialistas vinham alertando para a expansão preocupante da Covid em São Paulo.

O governo estadual e o municipal, contudo, resistiram a uma reanálise imediata da situação paulistana, apesar da crescente ocupação em hospitais privados de referência de leitos destinados a pacientes com o novo coronavírus.

Os hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês foram alguns dos que tiveram aumento recente nos casos de Covid, acendendo um alerta entre médicos em um momento em que as medidas de prevenção contra a doença, como distanciamento social, evitar aglomerações e usar máscaras vêm sendo continuamente desrespeitadas.

Durante a corrida pela prefeitura de São Paulo, inclusive, os próprios candidatos causaram e participaram de aglomerações. Boulos, na semana que se encerrou, recebeu diagnóstico de Covid após um período de intensificação de contatos na campanha. Covas fora infectado anteriormente e ficou assintomático.

Questionado sobre o agravamento da pandemia em São Paulo tanto por jornalistas quanto por Boulos, seu adversário de pleito, Covas repetiu continuamente, nas semanas seguintes ao primeiro turno, dia 15, que a situação era estável.

“Há uma estabilidade da pandemia na cidade de São Paulo”, disse no sábado (28), além de condenar a desconfiança em relação aos dados da vigilância sanitária.

“A gente teve um aumento na quantidade de internações, mas há estabilidade em relação ao número de casos e óbitos. Desacreditar a vigilância sanitária é como desacreditar os dados do Inpe que apontam aumentos de queimada no Brasil. Esse tipo de ação é que partidariza e politiza um trabalho feito pelos técnicos da prefeitura”, disse.

Os dados, porém, não respaldam o prefeito.

Nos hospitais municipias, muitos já reservaram alas para ampliação de leitos para tratamentos de pacientes com Covid-19. Segundo a prefeitura, nesta semana a rede ganharia mais 200 novos leitos de internações em enfermaria e UTI

O projeto InfoGripe, da Fiocruz, por exemplo, que acompanha os casos de Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no país, mostra que São Paulo capital está com tendência moderada de aumento de casos da síndrome.

A Srag é associado a sintomas como tosse e falta de ar e pode ser causada por diversos motivos, inclusive vírus respiratórios como o Sars-CoV-2. Por isso, pode servir como indicativo das tendências da atual pandemia no país.

A situação é similar pelo país. O aumento das notificações de Srag ocorre em pelo menos 12 capitais, com tendências de crescimento de casos forte ou moderada, e em 21 das 27 unidades federativas.

Segundo dados da Secretária do Estado de Saúde de São Paulo, as internações, no sábado (28) foram quase 20% superiores às de 28 dias atrás.

Novas internações em UTI ou enfermarias por casos confirmados ou suspeitos de Covid têm aumentado na Grande São Paulo desde ao menos os primeiros dias de novembro.

Os pacientes internados em leitos de UTI chegaram, neste sábado, a cerca de 2.463 (média móvel de 7 dias). Trata-se do maior valor desde em pelo menos dois meses (outubro e novembro).

Também vem crescendo a ocupação proporcional dos leitos de UTI na Grande São Paulo, onde a taxa chegou a 58%.

Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Observando. disse:

    Aff. Nem disfarçou. Um dia depois da eleição.

Argentina: a quarentena mais longa do mundo e seus 1,1 milhão de infectados

A Argentina vive a quarentena ininterrupta mais longa do mundo. Mas as medidas de isolamento, anunciadas logo nos primeiros casos confirmados, não conseguiram conter uma curva crescente de contágios pelo novo coronavírus. Após sete meses de restrições, o país é atualmente o sexto com o maior número de infecções no mundo, quase 30 mil mortes e enfrenta, além da crise sanitária, uma profunda crise econômica.

Neste episódio do E Tem Mais, Monalisa Perrone conversa com o repórter Diego Rezende, de Buenos Aires, sobre o número crescente de casos e os efeitos daquela que já é chamada de “quareterna”. Em seguida, um papo com o sanitarista Enio José Garcia, chefe do grupo que assessora o Ministério da Saúde argentino.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minion de Peixeira disse:

    Errrata: onde se lê 'estatizações', leia-se privatizações.

  2. Zezinho disse:

    To com silvio dantas 14111

  3. Antenado disse:

    Fique em casa. Bolsonaro sempre teve razão.

  4. Bovino Rebelde disse:

    A taxa de morte por covid na Argentina é menor que a Brasileira. Isso é o que importa.
    O resto é choro da turma da cloriquina, remédio contra lombriga e ozônio no fiofó. Talkei?

  5. Luciano Brito disse:

    A cambada está negando a desgraça na Argentina, a Venezuela encontrou a cura do corona vírus, quem vai ser o primeiro da cambada.

  6. CiÇO disse:

    O Macri ja pegou a Argentina quebrada pelo Desgoverno socialista,agora está a caminho para se tornar a "Venezuela do Sul" !!!!

  7. Cesar Bomone disse:

    No início da pandemia, para criticar o Presidente Bolsonaro, os ESQUERDOPATAS citavam a Argentina como exemplo no combate a COVID. Enalteciam a quarentena argentina como solução para a doença.
    HOJE, a Argentina é a prova de que o o Presidente Bolsonaro sempre esteve certo, e que a quarentena só serve para quebrar a economia e destruir os governos.
    Hoje a Argentina está entre os piores números de mortes diárias por milhão do mundo, comprovando a falácia que é o Fique em Casa como solução para a doença.

  8. Ascânio disse:

    Eu sabia que a Argentona iria se lascar após a última eleição presidencial, só não imaginava que ia ser tão rápido.
    O socialismo destrói qualquer País, e pelo visto, mais rápido do que a gente imagina

    • Manoel disse:

      A Argentina já estava quebrada pelo governo de direita de Macri.
      Pronto, associaram o vírus ao socialismo….kkk
      Enquanto isso na Gadolandia temos 155 mil morto e dolar à 6 reais
      O gado contínua no: e o PT?

    • Acorda Brasil disse:

      O tal do esquerdista é uma praga mesmo. Macri pegou o Estado inchado, as contas em frangalhos e o povo Argentino achou ruim as medidas de austeridade e ajuste de contas. Voltaram pra o socialismo. A culpa é de Macri? kkkkk Vai se tratar Manoel

    • Antônio Soares disse:

      E o mané não se cansa, não para de defender os restos da esquerda e a quadrilha de LULADRAO. Eita jerico

    • Minion de Peixeira disse:

      Que medida "de direita" foi implantada por Macri?

      Estatizações, desregulamentações, cortes de gastos?
      Vcs vivem de mentir.

JÁ PENSOU? Por erro em hotel de quarentena, Austrália pede que hóspedes(mais de 200) façam teste de HIV

Foto: msfarmadrogaria/ Instagram/ Reprodução

Mais de 200 pessoas que ficaram hospedadas em um hotel de quarentena na Austrália deverão realizar testes para doenças transmissíveis pelo sangue, incluindo HIV, a pedido de autoridades locais. O governo do estado de Victoria admitiu que diferentes pessoas utilizaram os mesmos dispositivos de teste de sangue durante o período de isolamento requisitado ao chegar no país.

Esse é o mais recente de uma série de problemas relacionados ao combate à Covid-19 que atingiram o país e o estado de Victoria em particular.

Anteriormente, no mesmo estado, violações em hotéis de quarentena provocaram um surto em Melbourne, levando a segunda maior cidade do país a passar meses sob um rígido bloqueio.

Em um comunicado neta segunda-feira (19), a agência de saúde do estado, a Safer Care Victoria, disse que entrará em contato com 243 pessoas que fizeram um teste de glicose no sangue antes de 20 de agosto em um hotel de quarentena, pois havia risco de contaminação cruzada e vírus transmitidos pelo sangue, incluindo HIV.

“O risco clínico de infecção é baixo. No entanto, para garantia, o acesso a testes confidenciais será providenciado”, disse a Safer Care Victoria em um comunicado.

Victoria relatou mais de 20 mil casos de coronavírus, incluindo mais de 800 mortes, tornando-se o epicentro do novo coronavírus na Austrália. O país relatou mais de 27.400 casos e pelo menos 905 mortes no total, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

O que deu errado com os testes

A Austrália fechou suas fronteiras para todos os não-cidadãos e residentes em março, e todos os viajantes que retornavam ao país deveriam, então, pagar 3.000 dólares australianos (cerca de R$ 11.800) para passar duas semanas em uma instalação de quarentena estadual.

Nos meses seguintes, milhares de viajantes passaram pelos hotéis de quarentena da Austrália – mas nem todos eles exigiram um teste de glicose no sangue.

Esse teste é feito com um aparelho que dá uma picada no dedo para obter uma gota de sangue. O dispositivo é usado ??para testar os níveis de glicose no sangue em pessoas com diabetes, mas também pode ser utilizado por mulheres grávidas e pessoas que desmaiaram, entre outros usos médicos.

Os dispositivos sejam projetados para vários usos por uma pessoa, mas, no caso, eles foram usados por vários residentes, disse a Safer Care.

As agulhas podem ser trocadas entre cada utilização, mas os dispositivos podem reter quantidades microscópicas de sangue que tornam não recomendado o uso por diferentes pacientes.

De acordo com a Safer Care, não há risco de que os dispositivos possam ter transmitido o novo coronavírus, pois ele não é transmitido pelo sangue. Mas há um risco “clínico baixo” de propagação de doenças como as hepatites B e C e o HIV.

“O risco clínico é baixo”, disse a vice-presidente executiva da Safer Care, Ann Maree Keenan. “No momento, não seremos capazes de responder às muitas perguntas que as pessoas terão sobre como isso aconteceu. Esteja certo de que a Safer Care Victoria está conduzindo uma análise completa sobre como e por que esse dispositivo começou a ser usado.”

Especialistas disseram à afiliada local da CNN, a 9News que a situação é preocupante, apesar do risco baixo de contaminação.

O presidente da Associação Médica Australiana, Dr. Omar Khorshid, disse à 9News que o incidente foi outro erro grave no programa de quarentena e, hotéis no país. Uma investigação que apurar problemas nos hotéis do estado ainda está em andamento.

“É mais uma evidência do fracasso desse sistema”, disse ele.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pamela da Pampa disse:

    Nem lula nem Bozo, a culpa é de "Chupa charque"

  2. Chocolate 🍫 Na Cueca 🩲 disse:

    Tenho a impressão que as algumas pessoas que opinam aqui no Blog, estão num hospício…
    Impressão não, tenho QUASE certeza.

  3. Paulo disse:

    A culpa é de Bolsonaro, de acordo com a esquerda cínica.

    • O Carro do Chocolate disse:

      Boa análise. E a direita dirá que a culpa é do LULA.

    • Um brasileiro disse:

      E quem não é nem esquerda e direita vai dizer que a culpa é de Bolsonaro e Lula.

Líder democrata e defensora intransigente do “fique em casa” nos EUA fura quarentena e vai a salão de beleza

A parlamentar democrata Nancy Pelosi.| Foto: AFP

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos (equivalente norte-americano à Câmara dos Deputados), a democrata Nancy Pelosi, furou a quarentena para arrumar os cabelos em um salão de São Francisco. O episódio ocorreu na segunda-feira (31) e foi divulgado pela Fox News.

Os salões de beleza da cidade californiana estavam proibidos de abrir devido à pandemia do novo coronavírus – nesta terça (1°), os estabelecimentos foram notificados que podem voltar a funcionar apenas para serviços realizados ao ar livre.

Em imagens de câmeras de segurança obtidas pela emissora de televisão, é possível ver Pelosi caminhando pelo salão com os cabelos molhados e sem máscara de proteção. A proprietária do local, Erica Kious, afirmou à Fox News que profissionais autônomos alugam cadeiras em seu salão – o que teria sido o caso no atendimento à congressista.

““Foi um tapa na cara ela ter ido lá, sabe? Ela sente que pode simplesmente fazer suas coisas enquanto ninguém mais pode, e eu não posso trabalhar”, disse Kious. “Devemos respeitar essa mulher, certo? É simplesmente perturbador. Ficamos fechados por muito tempo, não apenas o meu salão, mas a maioria das pequenas empresas. Fico com uma sensação de vazio e desamparo”.

A equipe da parlamentar confirmou que ela foi fazer os cabelos durante uma viagem a São Francisco, mas que ela não imaginou estar fazendo algo de errado.

“A presidente da Câmara dos Representantes sempre usa máscara e segue as regras locais de prevenção à Covid. Esse salão ofereceu um horário para atender a presidente na segunda-feira e alegou que a cidade permitia o atendimento a um cliente por vez. A presidente cumpriu as regras que lhe foram apresentadas pelo estabelecimento”, disse Drew Hammill, que trabalha com Pelosi.”

Gazeta do Povo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João V. disse:

    Tinha que ser o PT norte-americano. Esquerdista é tudo igual no mundo inteiro

  2. Antenado disse:

    As redes sociais prestam um grande serviço para pegar na mentira, principalmente os políticos. Por isso que querem a censura. Quem não se adaptar, vai ser desmascarado bem ligeirinho. Acabou a época em que se mentia descaradamente e ficava por isso mesmo.

  3. Lucia disse:

    Cairia muito bem nos quadros do MP, globo lixo e no PT.
    Tudo invertido.
    Kkkkkk
    Chola não BB.
    Acabou a boquinha.
    Kkkkkk

  4. Vitor disse:

    Esse democrata é o PT americano. Ou seja, o lado comunidade americano. Só remam pra o quanto pior, melhor.

FOTO: Maré leva carros de luxo após moradores furarem quarentena em Belém

Foto: Alex Ribeiro/Agência Pará

Dois carros de luxo avaliados em mais de R$ 100 mil, cada um, atolaram por volta de 6h da manhã de ontem na praia de Atalaia, em Salinópolis, a 213 quilômetros de Belém, no Pará. Segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), os motoristas teriam amanhecido na areia, violando o decreto que restringe o horário de permanência no local, que é entre 7h às 19h, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra que a maré cobriu parcialmente os veículos. A água chega próximo ao teto de um deles. Os automóveis eram uma caminhonete Mitsubishi modelo Triton, avaliada em R$ 149 mil, e um Audi Q3, de R$ 179 mil. Ninguém se feriu.

Em nota ao UOL, o Detran informou que “a situação começou quando o condutor do Audi não percebeu a forte maré no local e atolou. O proprietário da caminhonete Triton tentou ajudar, mas também acabou com o veículo atolado”.

Carros do Detran ainda foram acionadas, mas não puderam ajudar porque “havia risco para as viaturas”.

“Um trator também foi utilizado na tentativa de puxar os veículos, mas foi em vão. Os automóveis só foram rebocados quando a maré baixou”, confirmou o departamento.

A Secretaria de Turismo de Salinópolis não soube informar se a multa em descumprimento ao decreto chegou a ser aplicada aos condutores dos carros.

Além da proibição da permanência de banhistas após às 19h, a prefeitura determinou o distanciamento social entre os grupos familiares e o impedimento de som automotivo nas praias. No último boletim divulgado pela prefeitura, de 22 de julho, o município contabilizava 508 casos confirmados de covid-19 e 39 óbitos.

“Pessoal é teimoso”, diz secretário

O secretário de Turismo de Salinópolis, Júlio Vieira, explica que na praia do Atalaia, é permitida a entrada de carros na areia como forma de substituir as barracas. O lugar, banhado pelo Oceano Atlântico, é considerado o mais movimentado do litoral do Pará durante o período do verão, atualmente vigente na região Norte. A faixa de areia em Atalaia tem extensão de 20 quilômetros.

“A entrada de carros na praia é cultural do banhista paraense. Os motoristas devem tomar cuidado porque existe uma orientação sobre o limite para o carro avançar, mas o pessoal é teimoso demais. A maré não leva para alto mar. Ela cobre e depois, quando baixa, são rebocados”, comentou o secretário.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Charles Darwin disse:

    Seres humanos sendo seres humanos. Isso sempre acontece, mas teimam assim mesmo.

  2. Francisco de Assis disse:

    A natureza é sábia.

Quarentena impulsiona busca por relações extraconjugais; homens e mulheres revelam usar aplicativos, chats e ‘sexting’

FOTO: DANAE DIAZ/BBC THREE

“Ele estava dormindo e eu levei o celular para o banheiro. Não precisa de um grande esquema secreto para a troca de mensagens, dos nudes…. Todo mundo carrega o telefone pra todo canto, pro banheiro, pra cozinha, não é algo tão calculista como pode parecer”, conta a arquiteta Bianca*, 36, que está em isolamento social com o namorado Gabriel, no Rio de Janeiro (RJ) desde março.

Os dois estão juntos há cinco meses, mas Bianca conta que as consequências da pandemia do novo coronavírus foram decisivas para a maneira como o relacionamento foi construído. “Antes da quarentena, não tinha um status de namoro. Gosto do Gabriel e de estar com ele, mas não queria que nosso relacionamento tivesse se aprofundado tanto como aconteceu por causa da pandemia “, confessa ela, que se sente “traindo” o parceiro.

“Continuo em contato com outros homens e uma mulher, trocando mensagens, nudes e praticando sexo virtual, mas me sinto um pouco culpada. Não sofro por isso, mas não acho que seja justo com ele. Só que também não consigo abrir mão do conforto emocional que o namoro me traz e nem da vida sexual que eu gostaria de estar levando e estaria, sem culpa e sem amarras, se não fosse pela pandemia”, diz ela.

Também no Rio, a publicitária Luciana*, 35, divide o apartamento com o marido – como o reconhece e chama – há cinco anos. Como Bianca, ela sentiu os efeitos do isolamento social sobre seu relacionamento, que já estava, como conta, em crise.

“Antes de a pandemia ‘estourar’ eu já estava cogitando a possibilidade de me separar. Sentia que a gente estava se afastando afetivamente, sexualmente e emocionalmente. Daí veio a quarentena e a crise ficou meio ‘em stand by’. Não ouso ‘mexer neste vespeiro’ porque não tem como resolver. Não tem como a gente se separar em meio a este caos, não tem como dar um tempo, então prefiro manter uma convivência minimamente harmônica enquanto isso durar”, explica ela.

Apesar de destacar um convívio agradável com o marido – “gosto da companhia dele”, ela diz -, Luciana conta que se aproximou, durante a pandemia, de um outro homem, um conhecido de faculdade. Os dois se reencontraram em uma festa de amigos em comum no início do ano e passaram a trocar mensagens.

“Começou como uma amizade e de uns meses para cá, falarmos abertamente sobre o interesse que temos um no outro. Só não tem nada em tom explicitamente sexual: troca de nude, sexo virtual, nada disso. Mas falamos sobre nosso dia, conto meus planos para o futuro, ele fala dos dele, mandamos fotos do cotidiano. De certa forma, me sinto como se fôssemos um casal, tirando as relações sexuais/eróticas, até porque pela pandemia, não tem a pressão da possibilidade de um encontro físico. Mas me sinto envolvida afetivamente, conectada sentimentalmente, com uma rotina a dois de certa forma com ele, de um jeito que eu não me sinto mais em relação ao meu marido”, confessa.

Desejo de ‘estar fora’

Segundo Cláudio Paixão, doutor em psicologia social e professor da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o isolamento social necessário como medida de prevenção contra a covid-19 causa uma redução do espaço físico vivenciado pelas pessoas, o que não acontece com os espaços psíquicos, impactando a maneira como vivenciam seus desejos.

“As pessoas estão o tempo todo em diálogo com o mundo, em seu trabalho, sua vida social, outros lugares que não a casa e o próprio relacionamento. Com o isolamento, há uma redução deste espaço físico de interatividade, mas o campo psicológico não passa por isso de pronto. Então as pessoas não entendem ou aceitam imediatamente que sua rede de relacionamentos também está limitada. Isso faz com que se olhe para fora: de casa, do relacionamento. É um desejo de ‘estar fora’. Isso aparece nos memes de saudades do bar, da vontade de ‘se aglomerar’, de praticar atividades físicas, os mais diversos desejos de troca, inclusive a sexual e afetiva. E o que se tem feito como alternativa é uma virtualização das relações para suprir estes desejos”, aponta o especialista, citando exemplos como troca de nudes e a prática de ‘sexting’, sexo virtual por mensagens.

Sem sair desde março da casa em que vive com o namorado em Belo Horizonte (MG), o pesquisador Caio, de 28 anos, passou a utilizar o que ele chama de “aplicativos de pegação” e tem participado de chats em busca de parceiros sexuais.

“Acho que sempre tivemos um relacionamento aberto velado. Já fiquei com outros caras e sei que ele também. Mas era algo esporádico, quando rolava um clima numa festa, coisa de momento. Não falamos sobre isso, e nunca busquei esses encontros ativamente, acredito que nem ele. Agora na pandemia, me vi mais impelido a fazer isso, tenho usado aplicativos de ‘pegação’, inclusive trocando nudes neles e em chats como do Facebook, coisa que nunca tinha feito. Não sei se ele também faz, mas não me incomodaria”.

Caio diz que isso não afetou sua relação com Igor, com quem mora há 8 anos. “Apesar de estarmos na mesma casa, que é antiga e enorme, não ficamos o dia todo no mesmo ambiente. Além disso, eu trabalho muito tempo diante do computador, então temos uma certa privacidade. Não frequento esses aplicativos e chats descaradamente, na frente dele. Nossa vida sexual continua bastante ativa e nosso envolvimento afetivo e emocional continua o mesmo de antes, mais intenso até, eu diria. Sinto que nosso relacionamento é muito estável”.

‘Tinderização’ das relações

Para o psicólogo Cláudio Paixão, outro fator que impacta a busca por relações extraconjugais é um padrão de se relacionar que ele chama de ‘tinderização’ (referência ao aplicativo Tinder, que permite interação entre as pessoas a partir de um “match”, função que aponta interesse mútuo entre dois usuários).

“Com o advento das redes sociais, criou-se a possibilidade de se navegar e ver outras pessoas, possibilidades de relacionamento diferentes das que se tem. Surge um cardápio maior de possibilidades, o que sugere, atiça uma série de outros desejos, ainda que baseados em fantasias, porque na internet as pessoas se mostram como querem ser vistas.”

Cláudio sugere, ainda, que essa ‘tinderização’, trazendo a grande possibilidade de outras escolhas sexuais e afetivas, também tende a tornar as gerações atuais menos tolerantes aos aspectos que as desagradam em seus parceiros.

“Há a tendência de redução de tolerância ao erro do outro. Antes você acabava convivendo por um tempo, ia estreitando laços com alguém para aprender sobre a pessoa em diversos níveis. Neste momento de tinderização, as pessoas têm muitas escolhas e um baixo limiar de resistência à frustração de expectativas. Você vê o outro, se interessa e começa a conversar. Se surge algo que desagrada, é só ‘jogar pro lado’ e interromper o contato”, aponta o especialista, destacando como o isolamento social impacta este efeito.

“Neste momento, o que há de bom e ruim nas relações se sobressai ao mesmo tempo em que há essa diminuição da tolerância. Somando a isso fatores como o cuidado com filhos e com pessoas idosas, o teletrabalho e o ensino à distância, cria-se um desgaste da relação a dois. Isso pode fazer com que o interesse da pessoa se volte ‘para fora’ da relação confinada naquele espaço de tensão. Por isso é sempre importante dialogar.”

Moralização dos relacionamentos

Apesar dessa tendência em se querer experimentar “o que está fora” de um relacionamento monogâmico diante do confinamento, a pandemia do novo coronavírus pode trazer uma certa moralização dos modelos conjugais. É a análise feita pelo antropólogo Antônio Pilão, doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com pós-doutorado em gênero e sexualidades em andamento no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora (PPGCSO- UFJF).

“Vejo uma relação muito estreita com o fenômeno da aids nos anos 1980 e 1990. O mundo havia saído de um contexto de experimentação afetiva e sexual dos anos 1970. Com a aids, houve uma remoralização dos desejos e práticas, porque entendia-se que a proliferação do HIV era proveniente da promiscuidade sexual. Então a limitação das experiências afetivas e sexuais e a monogamia como regra foram uma resposta a essa premissa”, analisa Antônio, um dos pesquisadores pioneiros no estudo de relações não monogâmicas no país.

“Estamos diante de um vírus que se alastra a partir das interações sociais, do abraço, do beijo. Essas são, na sociedade ocidental, porta de entrada para a sexualidade. Com isso, os relacionamentos tornam-se uma discussão sanitária, o que também influencia nossa visão moral. Antes da pandemia estávamos em um momento, desde o início dos anos 2000, de maior abertura para o questionamento das limitações da monogamia. Agora, parece que estamos entrando em uma fase em que ela se apresentaria como a única possibilidade conjugal possível, até por questões de saúde pública”, avalia o antropólogo.

“A infidelidade é uma afirmação da monogamia”

Antônio explica também a diferença entre estar em uma relação não monogâmica e ter relacionamentos extraconjugais:

“A monogamia dificilmente é um acordo. Nascemos em uma sociedade em que essa normatividade está posta, limitando a sexualidade, a afetividade e o que chamamos de amor (num relacionamento) exclusivamente a outra pessoa. As relações não monogâmicas questionam esse modelo e não são a ausência total de regulação, mas a proposta de regulações e contratos que não sejam absolutos como a monogamia. Já a infidelidade é uma afirmação da monogamia. Driblar os pressupostos e as regras da norma vigente não constrói novos acordos, mas representa uma manutenção dos antigos, ainda que seja no descumprimento deles. Por isso também há o sentimento de culpa, arrependimento, vergonha e as práticas se mantêm clandestinas.”

Para Antônio, é impossível prever como serão construídos os modelos de conjugalidade em um possível mundo pós-pandemia.

“Não sabemos se no que ano que vem o cenário atual vai estar superado. Se vamos passar anos, décadas usando máscara, e temendo o contato com pessoas estranhas, perdendo hábito de ‘ficar’, por exemplo. Nesse sentido, a preocupação com a infidelidade não deve vir de suas questões morais, mas do risco iminente de contágio. Principalmente num contexto de possíveis encontros clandestinos, podendo expor pessoas que nem sabem dos perigos que correm. O ideal seria que os casais pudessem conversar e encontrar alternativas de acordos sanitariamente seguros que funcionassem para eles e para a sociedade, já que se trata de uma questão coletiva”.

IG, com BBC