OPERAÇÃO OMNI: PF desarticula quadrilha com atuação no RN, PE e AL que causou prejuízo de R$ 12 milhões à Previdência

PFA Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a Operação OMNI, para desarticular quadrilha que fraudava a Previdência Social e que poder ter provocado prejuízo de R$ 12 milhões aos cofres públicos. O bando atuava em três estados: Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte.

Em Pernambuco, os agentes cumprem 51 mandados, sendo seis deles de prisão preventiva, sete de prisão temporária e 38 de busca e apreensão, em Garanhuns, Canhotinho, Bezerros, Caruaru, São Caetano, Tamandaré e no Recife. Em Alagoas, as buscas ocorrem em Maceió. Já no Rio Grande do Norte, a operação ocorre na praia de Pipa, no município de Tiba do Sul.

Segundo as investigações, a quadrilha falsificava documentos da Previdência, sacando benefícios até em nome de mortos, e seria comandada por um empresário de Caruaru. As fraudes geraram prejuízo estimado em R$ 200 mil mensais ao INSS. De acordo com a PF, também estão envolvidos no esquema um advogado, duas contadoras, três servidores do INSS e dois funcionários da prefeitura de Garanhuns, que estão cedidos à agência do INSS instalada no município de Canhotinho.

PF realiza Operação Godhather no RN e documentos são apreendidos no Grupo EcoHouse; veja todos os detalhes http://va.mu/AeyfR 

As duas cidades ficam na região agreste do estado, uma zona de transição entre a área canavieira e o sertão. A PF está investigando o uso de “laranjas” para consumação da fraude. Durante a investigação, conseguiu-se evitar o pagamento indevido de mais de R$ 300 mil aos beneficiários do esquema. De acordo com a Polícia Federal, o dinheiro resultante da fraude era “lavado” através de uma rede de postos de gasolina, cujo nome da rede não foi informado.

A OMNI é resultante de força tarefa da PF, Ministério da Previdência Social e Ministério Público Federal. OMNI é uma expressão que em latim significa onipresente, e denominou a operação porque os agentes descobriram a fraude por meio do uso de “laranjas”, incluindo o nome de pessoas mortas.

O Globo