PF desarticula quadrilha que movimentava bilhões em fraudes em 13 estados; jogo do bicho, caça-níqueis até emissão de bilhetes de loteria

B2PQXkSIcAAxfAZA Polícia Federal deflagrou na madrugada de hoje (12) a Operação Trevo para desbaratar quadrilha que agia em 13 estados da federação em atividades que se estendiam desde a prática do jogo do bicho e máquinas caça-níqueis até a emissão de bilhetes de loteria, disfarçados como títulos de capitalização.

Cerca de 300 policiais participam das investigações, que estão sendo executadas, simultaneamente, nos estados de Pernambuco, Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande de Sul. Ao todo estão sendo cumpridos 12 mandados de prisão temporária, 24 mandados de prisão preventiva, 57 mandados de busca e apreensão, 47 mandados de sequestro de valores, sequestro de bens imóveis e de automóveis de luxo.

Os trabalhos contam com o apoio da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, da Superintendência de Seguros Privados e da Receita Federal.

A organização criminosa operava por meio de loterias estaduais, cujos valores arrecadados eram repassados a entidades filantrópicas de fachada, fazendo com que o dinheiro ilícito retornasse ao grupo, em procedimento suspeito, com fortes indícios de lavagem de dinheiro.

Outro segmento do grupo, com sede no estado de São Paulo, era responsável pelo fornecimento de máquinas eletrônicas programáveis (caça-níqueis), tanto para Pernambuco como para outros estados e até para o exterior.

Outro ramo, ainda, figurava como instituição financeira seguradora de incontáveis bancas de jogo do bicho no nordeste, garantindo o pagamento dos prêmios e promovendo lavagem de dinheiro.

O tronco principal da organização registrou uma movimentação financeira registrada em bilhões de reais e atuava tanto no jogo do bicho como a comercialização de bilhetes lotéricos ocultados em título de capitalização em sua modalidade popular, apropriando-se dos valores que deveriam ser destinados a instituições beneficentes ou revertidos em capitalização, obtendo vantagem ilícita em detrimento do povo.

Os investigados podem responder pela prática do crime de contrabando, crime contra o Sistema Financeiro Nacional, jogo de azar e lavagem de dinheiro. Somadas, as penas ultrapassam o limite de trinta anos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rochinha disse:

    No RN NAO TEVE ESSA OPERAÇÃO.

  2. Jose Freire disse:

    Com tanta propaganda e marketing alardeando que o pior dos mundos é o dos políticos, pensava que não existia crime e corrupção fora da política. O Judiciário era ocupada só por santos, os Tribunais de Contas, as empresas privadas, os jornais, revistas, rádios e blogs idem…
    Quem poderá nos salvar de nós mesmo? O Chapolim Colorado?

OPERAÇÃO OMNI: PF desarticula quadrilha com atuação no RN, PE e AL que causou prejuízo de R$ 12 milhões à Previdência

PFA Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a Operação OMNI, para desarticular quadrilha que fraudava a Previdência Social e que poder ter provocado prejuízo de R$ 12 milhões aos cofres públicos. O bando atuava em três estados: Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte.

Em Pernambuco, os agentes cumprem 51 mandados, sendo seis deles de prisão preventiva, sete de prisão temporária e 38 de busca e apreensão, em Garanhuns, Canhotinho, Bezerros, Caruaru, São Caetano, Tamandaré e no Recife. Em Alagoas, as buscas ocorrem em Maceió. Já no Rio Grande do Norte, a operação ocorre na praia de Pipa, no município de Tiba do Sul.

Segundo as investigações, a quadrilha falsificava documentos da Previdência, sacando benefícios até em nome de mortos, e seria comandada por um empresário de Caruaru. As fraudes geraram prejuízo estimado em R$ 200 mil mensais ao INSS. De acordo com a PF, também estão envolvidos no esquema um advogado, duas contadoras, três servidores do INSS e dois funcionários da prefeitura de Garanhuns, que estão cedidos à agência do INSS instalada no município de Canhotinho.

PF realiza Operação Godhather no RN e documentos são apreendidos no Grupo EcoHouse; veja todos os detalhes http://va.mu/AeyfR 

As duas cidades ficam na região agreste do estado, uma zona de transição entre a área canavieira e o sertão. A PF está investigando o uso de “laranjas” para consumação da fraude. Durante a investigação, conseguiu-se evitar o pagamento indevido de mais de R$ 300 mil aos beneficiários do esquema. De acordo com a Polícia Federal, o dinheiro resultante da fraude era “lavado” através de uma rede de postos de gasolina, cujo nome da rede não foi informado.

A OMNI é resultante de força tarefa da PF, Ministério da Previdência Social e Ministério Público Federal. OMNI é uma expressão que em latim significa onipresente, e denominou a operação porque os agentes descobriram a fraude por meio do uso de “laranjas”, incluindo o nome de pessoas mortas.

O Globo