Economia

Fusão entre Americanas e B2W pode criar grande rival para o Magazine Luiza

Foto: Ellan Lustosa/Estadão Conteúdo

No meio do caos do mercado financeiro da segunda-feira (22), as ações da Lojas Americanas (LAME3 e LAME4) destoaram totalmente do banho de sangue que virou a bolsa brasileira. Enquanto a Petrobras (PETR3 e PETR4) afundava mais de 20% e o Ibovespa caía cerca de 5%, as Lojas Americanas viram suas ações ordinárias e preferenciais dispararem 40% e 19,8%, respectivamente. O motivo? Uma possível fusão entre a Americanas e a sua controlada, a B2W (BTOW3).

É verdade que na terça-feira (23), dia de recuperação da bolsa, as ações da Lojas Americanas caíram mais de 5%, em um movimento de realização de lucros. Isso, no entanto, não diminuiu o otimismo dos investidores: eles acreditam que com a junção das duas operações, pode surgir uma empresa que consiga rivalizar, de fato, com Magazine Luiza (MGLU3) e Mercado Livre.

Há algum tempo, a B2W, que tem 65% do controle nas mãos da Lojas Americanas e é dona de negócios como a Americanas.com e o Submarino, já vem sendo negociada com desconto em comparação às duas empresas, que têm sido queridinhas dos investidores. É isso o que acreditam diversos analistas.

“A alta recente mostra que a Lojas Americanas estava muito mal avaliada e se somássemos a B2W nisso, as ações ficavam muito baratas”, diz Pedro Serra, gerente de research da corretora Ativa Investimentos, que está com posição de compra para as ações.

Não é apenas a Ativa que está otimista. Segundo os analistas da corretora XP, quatro pontos ajudariam essa nova empresa: sinergia, simplificação dos processos (e até o fim de eventuais conflitos de interesse), agilidade para tomadas de decisões (e também de entrega de produtos aos clientes) e fiscais, já que a B2W possui créditos fiscais de R$ 2,8 bilhões decorrentes de prejuízos acumulados.

“A eventual combinação de negócios reforçará nosso argumento de que o Universo Americanas é uma companhia perfeitamente comparável aos pares de e-commerce que negociam na bolsa, como Magalu e Via Varejo, tanto em relação à composição do seu GMV total como também em relação a crescimento”, escreveram os analistas Danniela Eiger, Marco Nardini e Thiago Suedt, da XP.

Atualmente, o valor de mercado da B2W está em R$ 48,1 bilhões. Como a Americanas é avaliada em R$ 49,1 bilhões, a “nova” empresa chega a um valor de mercado de quase R$ 100 bilhões. O Magalu está bem a frente: R$ 161,5 bilhões, de acordo com o fechamento do pregão da última terça-feira (23).

A diferença é que o volume de vendas das duas empresas somadas é maior do que o do Magalu. No terceiro trimestre deste ano, B2W e Americanas, juntas, venderam mais de R$ 16 bilhões – contando com o e-commerce próprio e o marketplace. O Magalu vendeu R$ 12,35 bilhões.

Nas estimativas da XP, em 2021, a “nova companhia” teria vendas de R$ 57,6 bilhões, ante R$ 53,5 bilhões da Magalu e R$ 45,7 bilhões da Via Varejo (VVAR3).

Para o banco Safra, essa operação faz sentido para as duas empresas. Também chega a colocar uma pá de cal nas especulações do mercado, que apostavam que a B2W poderia, em algum momento, ser comprada por empresas estrangeiras, como Amazon ou Alibaba. Afinal, dificilmente eles vão querer um ativo com mais de 1,7 mil pontos físicos.

“Com essa mudança, esse resultado potencial parece mais rebuscado do que nunca, pois achamos altamente improvável que a Amazon ou a Alibaba adquirissem a Lojas Americanas, uma grande operação de tijolo e argamassa junto com a B2W”, escreveu o banco, que enxerga uma valorização de até 20% nas ações da B2W, caso as tratativas entre as empresas resultem em casamento.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Vai ser vice do meliante Luiza Trajano, tua fortuna vai crescer e muito, ao lado de um professor desses kkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Lojas Americanas no RN terão que pagar R$ 3 milhões por dano moral coletivo

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Norte (MPT/RN) resultou na condenação das Lojas Americanas ao pagamento de indenização no valor de R$ 3 milhões por dano moral coletivo. Na sentença, a 9ª Vara do Trabalho de Natal reconheceu que os empregados da empresa são submetidos à jornada de trabalho móvel e variável, considerada abusiva por impedir o trabalhador de exercer qualquer outra atividade extra, uma vez que precisa estar à disposição integral do empregador.

De acordo com a ação, assinada pela procuradora regional do Trabalho Ileana Neiva, além da jornada abusiva, as Lojas Americanas praticam as seguintes irregularidades trabalhistas: desvio de função, ausência de folga após o 6º dia consecutivo de trabalho, ilicitude na concessão dos intervalos devidos, período contabilizado para cálculo do adicional noturno em desacordo com a lei, marcações nas folhas de ponto que não correspondem à realidade e compensação ilícita de horários nos contratos de empregado aprendiz. Segundo comprovou o MPT/RN, a empresa utiliza o contrato de trabalho para inserir cláusulas ilegais que preveem a jornada de trabalho móvel e a mudança de função, a qualquer momento, para atender ao fluxo de clientes nas suas lojas.

Na sentença, o juiz do Trabalho Cácio Oliveira Manoel determinou que a empresa deverá excluir as cláusulas abusivas, que foram declaradas nulas, e elaborar outro padrão de contrato de trabalho, com descrição das funções de cada cargo, tendo como parâmetro a descrição da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). A empresa foi condenada a estabelecer jornadas fixas para todos os seus empregados, eliminado o sistema de jornada de trabalho variável; fixar o horário de intervalo intrajornada após o cumprimento de, no mínimo,  40% da jornada diária; respeitar o cálculo do adicional noturno de acordo com a lei; regularizar o sistema de ponto para registro de jornada, deixando de adotar sistema em que há a pré-assinalação dos horários de entrada e saída do trabalho; e conceder repouso semanal remunerado após o sexto dia consecutivo de trabalho.

Para a procuradora regional do Trabalho Ileana Neiva, “tais medidas devem ser cumpridas nas relações de trabalho em todos os estabelecimentos das Lojas Americanas espalhados pelo Brasil, uma vez que as cláusulas abusivas foram declaradas nulas e os contratos de trabalho devem conter novas cláusulas, ajustadas à lei .”

Em caso de descumprimento das obrigações de fazer e não fazer estabelecidas pela decisão judicial, as Lojas Americanas devem pagar multa de R$ 5 mil por cada empregado em situação irregular. O valor da indenização por dano moral coletivo, estabelecido em R$ 3 milhões, deve ser revertido para instituições assistenciais de integração de trabalhadores no mercado de trabalho, a serem indicadas pelo MPT/RN após o trânsito em julgado da condenação, ou seja, quando não couber mais recurso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Procon aplica multa de R$ 2 mi e determina que os sites da Americanas, Submarino e Shoptime saiam do ar

O Procon/SP determinou: os sites de e-commerce de Americanas, Submarino e Shoptime ficarão fora do ar por 72 horas. E terão de pagar quase R$ 2 milhões de multa por não entregar produtos vendidos.

A determinação sai amanhã no Diário Oficial. Cabe recurso.

Fonte: Sonia Racy – Estadão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *