Ator de ‘Lost’ diz que hidroxicloroquina, remédio usado contra a malária, foi “arma secreta” para sua recuperação de COVID-19

Fotos: Reprodução

O ator de ‘Lost’, Daniel Dae Kim, acredita que a droga antimalárica apontada pelo presidente Donald Trump como um possível meio de tratamento para a pandemia de coronavírus, foi a “arma secreta” em sua recuperação após o diagnóstico positivo para COVID-19. O ator de 51 anos elogiou a hidroxicloroquina como sendo “crucial” no tratamento que o deixou agora “praticamente de volta ao normal” apenas alguns dias depois da confirmação de que havia sido infectado.

“Estou feliz em informar que meu progresso continua e me sinto praticamente de volta ao normal”, disse Kim em um vídeo gravado da sua casa no Havaí, onde ele se isolou. “Tenho a sorte de estar nos 80% dos casos diagnosticados que não exigiram hospitalização. Essa é uma estatística importante”. Kim disse que quase não apresenta sintomas após ser tratado com um “coquetel” de remédios que incluíram Tamiflu; o antibiótico azitromicina – ou Z-Pak – e sua “arma secreta”, hidroxicloroquina.

Ele disse que foi diagnosticado no dia 18 de março com COVID-19 depois de sentir a garganta arranhando, aperto no peito, dores no corpo e febre logo após retornar ao Havaí da cidade de Nova York. Quatro dias após o diagnóstico, ele disse que “não apresenta outros sintomas além de um pouco de congestão residual, que deve desaparecer em breve”.

“Sim, essa é a droga que o presidente mencionou no outro dia”, disse Kim em um vídeo no Instagram no sábado, observando que o Dr. Anthony Fauci havia alertado que supostas histórias de sucesso sobre o uso da hidroxicloroquina eram “apenas baseadas em experiências pessoais” e não em estudos científicos. “Bem, adicione meu nome a essas experiências pessoais, porque estou me sentindo melhor”, Kim insistiu sobre o medicamento que ele disse ter sido “usado com muito sucesso” contra o vírus na Coréia.

“Não direi que isso é uma cura e não direi definitivamente que você deve usá-lo, mas o que vou dizer é que acredito que foi crucial para a minha recuperação”, disse o ator, também conhecido pela série ‘Hawaii Five-0’. “Obviamente, eu não sou médico, nem advogado – apesar de já ter interpretado [esses papéis] na TV”, disse ele, abrindo um sorriso. Kim disse que sua quarentena poderia terminar na segunda-feira, mas admitiu que “para ter paz de espírito” ele “adoraria ser” testado novamente, mas “não há testes suficientes”.

“Este continua sendo um problema sério em nosso país”, disse ele, também observando a alarmante escassez de suprimentos médicos durante a pandemia. “Isso me confunde, considerando que tivemos vários meses de vantagem na preparação para esse surto”, disse ele. Ele disse que sua família continuava “livre de sintomas”, e brincou: “Apenas entediada, como todos nós”.

Em nota oficial, a ANVISA declarou que a hidroxicloroquina e a cloroquina são medicamentos de controle especial e não há nenhuma comprovação de que seja eficaz contra o COVID-19. “A medida é para evitar que pessoas que não precisam desses medicamentos provoquem um desabastecimento no mercado. A falta dos produtos pode deixar os pacientes com malária, lúpus e artrite reumatoide sem os tratamentos adequados. A Agência recebeu relatos de que a procura pela hidroxicloroquina aumentou depois que algumas pesquisas indicaram que este produto pode ajudar no tratamento da Covid-19. Apesar de alguns resultados promissores, não há nenhuma conclusão sobre o benefício do medicamento no tratamento do novo coronavirus. Ou seja, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus”.

Globo, via Revista Monet

Arma secreta poderia exterminar 90% da população americana, alerta político

estados-unidos-armas-eletromagneticasSegundo o candidato milionário à presidência, John McAfee, os Estados Unidos estão “mal preparados” para enfrentar um eventual ataque eletromagnético e apela para que haja uma conscientização com relação a isso.

Pioneiro no desenvolvimento de softwares antivírus, John McAfee, adverte que uma arma eletromagnética poderia exterminar 90% da população americana e conclama os políticos de seu país a considerar essa situação como a principal ameaça à soberania nacional.

“Os especialistas concordam que um ataque cibernético se aproxima a toda velocidade, começando com um ataque de EMP (pulso eletromagnético) em nossa infraestrutura eletrônica, que acabaria com 90% da população humana deste país”, afirma McAfee. Isso, de acordo com suas palavras, implicaria “na morte de 270 milhões de pessoas, nos 24 meses seguintes ao ataque”.

Em respeito ao assunto, o major-general Thomas Masiello, do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea Norte-americana, disse que “a capacidade é real e a tecnologia pode estar disponível atualmente”.

Assista ao vídeo AQUI e veja como um acontecimento em particular pode dar início à uma das maiores guerras já vistas, a Primeira Guerra Mundial.

History