FOTOS – Ator Iran Malfitano celebra reconhecimento após virar motorista de aplicativo: “Voltei para a mídia”

Iran Malfitano voltou à mídia recentemente após descobrirem que o ator estava trabalhando também como motorista de aplicativo. Sem receios em falar sobre o seu ‘bico’, ele conversou com Quem sobre a nova fase de sua vida profissional.

“Eu estava há três anos desempregado e aí comecei a dirigir porque tenho um grande amigo meu que dirige e ele fala o seguinte ‘onde pinga não seca'”, contou Iran. “O custo de vida é muito alto. Estou fazendo teste, fiz teste na Globo, na Record, só que enquanto não pinta nada, falei para a minha mulher: ‘vou meter a cara'”, completou ele, casado há quase dez anos com Elaine Albano, com quem tem Laura, de 8 anos.

Além do aplicativo, o ator também dá aulas de teatro uma vez por semana em uma escola de um de seus amigos, vivendo em uma “jornada dupla”.

Depois que notícias sobre sua nova rotina surgiram na mídia, Iran conta que passou a ter mais oportunidades como ator.

“Bem no começo, a mãe de uma menina que tinha ido me assistir na última peça que eu fiz me reconheceu e a gente conversou de como as coisas estão mudando, como a forma de consumir cultura mudou. E ela conhece alguma repórter e ligou pra mulher e falou: ‘você não tem ideia, peguei um carro com o Iran’. Depois disso, todo mundo ligou para fazer entrevista, voltei para a mídia. E aí as coisas começaram a andar, teste, teste, daqui a pouquinho estou na TV de novo”, contou ele, que revelou já ter alguns projetos engatilhados.

Iran também falou sobre alguns perrengues que passou enquanto estava nos palcos com sua última peça, 5 Homens e Um Segredo, em que trabalhou ao lado de Edwin Luisi, Jayme Periard, Carlos Bonow e Claudio Andrade.

“A gente se produzia, afinava vara de luz, varria palco, levava figurino para casa para lavar e o Edwin falava: ‘Iran, isso é teatro de resistência’. Com 40 pessoas na plateia, a gente não paga nem um iluminador porque eles são tabelados. A gente viajava para dividir 400, 500 reais. Hoje em dia ninguém mais apoia a não ser que você esteja em alguma emissora, porque aí você está com o rostinho na televisão e as pessoas vão. E a gente está numa crise danada, a galera não vai pagar 40 reais. A galera ligava para a gente para falar: ‘eu pago com divulgação’. Você paga com divulgação seu dentista, seu advogado? A gente precisa do mínimo de dinheiro e a gente não estava cobrando muito caro”, desabafou ele.

Laura, filha de Iran Malfitano, ganha quarto com tema de princesas (Foto: Reprodução/Instagram)

Globo, via Quem

 

VÍDEO: Neymar vira ator e participa da série espanhola “La Casa de Papel”

Neymar estará em dois capítulos do seriado espanhol. Foto: Reprodução Netflix

Em meio a toda novela envolvendo a trasferência de Neymar do PSG para o Barcelona, o jogador parece estar ligado em assuntos muito mais leves. Na manhã desta terça-feira (27), a Netflix anunciou o relançamento de dois dos oito capítulos da terceira temporada da série espanhola “La Casa de Papel” e o brasileiro teve participação especial.

Rapidinho Neymar publicou em sua conta do Instagram o vídeo com um pouco da sua participação. Ele disse que estava realizando o sonho de participar de sua série favorita. “Eu pude realizar meu sonho e fazer parte da minha série favorita. E agora eu posso compartilhar o João com todos vocês ! Obrigada”, postou o camisa 10 do Brasil.

O brasileiro faz o papel de um monge chamado João. Com participações no sexto e no oitavo episódios, ele encana com o Professor (Alvaro Morte) e com Berlim (Pedro Alonso).

Não é a primeira vez que o atacante vira ator. Ele já fez participação especial em novelos e programas de TV.

Lance

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. N.A.M.M disse:

    O qie diabos esse fanfarrão vai fazer ai? Cai fora…..

  2. Cidadão disse:

    O seriado perdeu um fã.

João Carlos Barroso morre aos 69 anos; relembre a carreira do ator

Foto: TV Globo

João Carlos Barroso, de 69 anos, morreu nesta segunda-feira, 12/8. O ator sofria com um câncer e sua morte foi confirmada por amigos nas redes sociais. O carioca nascido em fevereiro de 1950 interpretou mais de vinte personagens na TV, entre eles estão o marcante Toninho Jiló, de Roque Santeiro, o Tavico, de Estúpido Cupido, e o Delegado Mesquita, de Sol Nascente, seu último trabalho na dramaturgia.

João Carlos estreou na série Rua da Matriz, a primeira produção dramatúrgica da TV Globo, em 1965. Alguns anos depois, emendou diversas tramas, como: O Bem Amado, Os Ossos do Barão, Pecado Capital, Estúpido Cupido, Locomotivas, O Pulo do Gato, Pecado Rasgado, Marron Glacê, Chega Mais, Pão Pão, Beijo Beijo, Roque Santeiro, Direito de Amar, O Salvador da Pátria, Pedra sobre Pedra, Mulheres de Areia, Tropicaliente, Uga Uga, O Clone, até a sua mais recente Sol Nascente.

Relembre a carreira do ator na TV Globo aqui.

GSHOW

Morre o ator Rutger Hauer, vilão de ‘Blade Runner’, aos 75 anos

Rutger Hauer, em foto de 2011 Foto: Jim Urquhart / REUTERS

O ator holandês Rutger Hauer, conhecido por interpretar o antagonista Roy Batt em “Blade Runner” (1982), morreu no último dia 19, aos 75 anos, em sua casa na Holanda. Ele não resistiu a uma “curta doença”, segundo seu agente.

Hauer consolidou uma carreira de seis décadas na televisão e no cinema, trabalhando em mais de 170 produções. Entre elas, “O feitiço de Áquila” (1985), em que fez o par romântico de Michelle Pfeiffer; “Batman begins” (2005), como o dono da empresa Wayne Corp.; e “Sin City: A cidade do pecado” (2005), no papel de Cardinal Roark, personagem que detinha o poder em Basin City.

Ele venceu um Globo de Ouro pelo telefilme “Fuga de Sobibor” (1987), de Jack Gold, e foi indicado por “A nação do medo” (1994), de Christopher Menaul.

Apesar de versátil, Rutger Hauer se destacou no gênero terror, interpretando Van Helsing em “Dracula 3D” (2012), de Dario Argento; e o vampiro Barlow na minissérie “A mansão Marsten” (2004), baseado na obra de Stephen King.

‘Blade runner’

Em Rutger Hauer em ‘Blade Runner’ Foto: Divulgação

Mas seu papel mais icônico foi na clássica ficção científica de Ridley Scott, no qual viveu Roy Batty, líder dos androides (chamados replicantes no filme) que luta contra o personagem de Harrison Ford.

Na última cena de “Blade Runner”, Hauer proferiu aquele que se tornaria um dos monólogos mais famosos da história do cinema:

“’Eu vi coisas que vocês não imaginariam. Naves de ataque em chamas ao largo de Órion. Eu vi raios-c brilharem na escuridão próximos ao Portal de Tannhäuser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer.’”

ROY (RUTGER HAUER)
Em ‘Blade Runner’

O longa ganhou a sequência “Blade Runner 2049” (2017), de Denis Villeneuve. O resultado agradou à crítica, mas não impressionou Hauer. “Não é um filme orientado por personagens, não tem humor, não tem amor, não tem alma. Dá pra ver que houve uma homenagem ao original, mas isso não foi o suficiente para mim”, ele disparou.

Filho de atores, Rutger Hauer nasceu em 23 de janeiro de 1944, na cidade de Breukelen, na província de Utrecht, na Holanda. Filho de atores, Rutger Hauer nasceu em 23 de janeiro de 1944, na cidade de Breukelen, na província de Utrecht, na Holanda. Seu avô era capitão de um barco, o que o levou a trabalhar como cargueiro aos 15 anos. Mas sua condição de daltônico o impediu de seguir a carreira. No lugar, estudou artes cênicas.

Sua primeira aparição nas telas foi já como protagonista, na série medieval “Floris” (1969), de Paul Verhoeven. Tornou-se uma celebridade no país de origem graças ao papel no romance “Louca paixão” (do mesmo diretor), indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Nos anos 1980, enveredou pelo cinema de gênero, em especial o de ação, em obras como “Feitiço de Áquila”, de Richard Donner; “Conquista sangrenta” (1985), de Verhoeven; e “A morte pede Carona” (1986), de Robert Harmon, no qual viveu o psicopata John Ryder.

Seu último trabalho foi na série de comédia “Porters”, mas Hauer está previsto para aparecer em outros quatros filmes em fase de pós-produção.

Como ativista, o artista fundou a Rutger Hauer Starfish Association, uma organização de combate à Aids.

Ele deixa uma filha, a atriz Aysha Hauer.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fabio Dantas disse:

    Grande Ator e grandes filmes participou. A cena final conforme está descrito acima, do filme "Blade Runner" é memorável. os filmes também descritos acima, são ótimos, recomendo a todos: "O Feitiço de Áquila", "Conquista Sangrenta" e "A Morte Pede Carona", este último melhor interpretação.

Ator que vivia corrupto em ‘A Praça É Nossa’ terá de devolver R$ 340 mil; intérprete do personagem João Plenário está em dívida com os cofres públicos

Foto: Reprodução do YouTube / Estadão Conteúdo

Conhecido por interpretar o político corrupto João Plenário no humorístico A Praça É Nossa, do SBT, o ator Saulo Pinto Muniz (Saulo Laranjeira), de 62 anos, foi condenado a devolver R$ 341.619,69 aos cofres do governo mineiro. A decisão é do Tribunal de Contas do Estado de Minas (TCE/MG) e se deve a recursos recebidos da lei estadual de incentivo à cultura. A prestação de contas ocorreu só 15 anos depois e com recibos que não teriam ligação com o caso.

O ator, que também é humorista, apresentador de TV e rádio, cantor, narrador e compositor, recebeu em 2001 através do poder público R$ 100 mil, mas o valor a ser ressarcido foi corrigido e acrescido de juros de mora. O valor era para a realização do projeto Arrumação 2000. E a decisão do TCE, unânime, foi proferida pela 1.ª Câmara na sessão de terça, 26, envolvendo o processo instaurado inicialmente pela Secretaria de Estado da Cultura, em dezembro de 2016, quando o artista prestou contas.

Segundo o tribunal, Laranjeira só apresentou os recibos “quando da declaração de indisponibilidade de bens” e eles “não correspondiam à execução do objetivo proposto”. O relator do TCE, José Alves Viana, diz que o órgão entendeu que houve “omissão deliberada do dever de prestar contas” e, por isso, o humorista deveria ser “responsabilizado por dano ao erário”.

O Projeto Cultural Arrumação 2000 foi um programa da TV aberta no qual Saulo Laranjeira recebia artistas e apresentava quadros de humor. Sem dinheiro para a produção (R$ 756,9 mil), ele requereu R$ 300 mil, mas foi aprovado o valor de R$ 100 mil, que saiu da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais).

Carreira. Saulo Laranjeira ficou conhecido na TV por seu personagem João Plenário, um deputado sem escrúpulos que odeia pobres e que só quer se dar bem. Outro papel que ele vive é o governador Celso Bonitinho, um corrupto que mesmo na cadeia vive cheio de regalias.

Em setembro de 1990, ele abriu uma produtora em Belo Horizonte que, nos últimos dias, permaneceu a maior parte do tempo fechada. Na quinta, 28, uma funcionária esteve no local e falou que o artista estava em São Paulo e não falaria sobre o problema com o TCE.

O Estado procurou ainda o escritório que faz a contabilidade da produtora, mas foi informado que somente o próprio Laranjeira poderia dar alguma declaração. Recados também foram deixados por e-mail e telefone para o artista, sem que houvesse resposta até a publicação da reportagem.

Terra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jão disse:

    Levou a sério o personagem.

  2. Dr. Veneno disse:

    Mais um pilantra. Não só o personagem, como o próprio atuante.

  3. Cigano Lulu disse:

    Na terra de Macunaíma a promiscuidade não tem limites: a vida imita a arte, e vice-versa.

  4. marcus disse:

    Grande nome da cultura brasileira.

    • Raimundo disse:

      Dou maior valor a ele.
      Provavelmente não atentou para o fato de que teria de prestar contas.
      Provavelmente, não tem esse valor para ressarcir.

Vítimas decidem processar ator que vazou ‘nudes’ após chantagem em SP

Segundo a polícia, Diego Silva se passava por Michele Dias para aplicar golpes na internet (Foto: Arquivo Pessoal)

Duas das vítimas do ator Diego Saraiva Soares da Silva, de 27 anos, que se passava por uma mulher para firmar vídeos íntimos na internet e depois extorquir pessoas sob ameaça de compartilhar as imagens, afirmam que vão processá-lo. O suspeito foi preso pela Polícia Civil em Cubatão, no litoral de São Paulo.

Diego foi preso em flagrante por policiais civis, na última semana, no momento em que recolheria um envelope de dinheiro que seria pago por um advogado de 26 anos como condição da não divulgação das imagens. A vítima, que seria lesada em R$ 11 mil ao todo, já havia entregue R$ 5 mil anteriormente ao ator.

O suspeito criou um perfil falso em uma rede social com o nome de Michele Dias. Ele escolhia alvos da própria cidade para atrair, ligar a webcam e simular conversas íntimas. Na verdade, ele gravava as imagens transmitidas pelos homens para, depois, praticar os atos de chantagem e ameaça.

Ao advogado, que auxiliou a polícia na localização do suspeito, ele pediu dinheiro. A vítima topou pagar com receio do que a divulgação das imagens poderia ocasionar à vida profissional dele, que afirmou “ter perdido a paz” enquanto era chantageado. “O que está decidido é que vou processá-lo, sim”.

Mensagens mostra como vítima era orientada a entregar dinheiro (Foto: Reprodução)

Outro alvo, um microempreendedor, de 24 anos, que se negou a obedecer o ator, teve fotos compartilhadas em uma rede social. Diego, que se passava por Michele, queria que a vítima manchasse a imagem de um grupo de pessoas na cidade e o mandou drogá-los durante uma festa. “Quero justiça e vou processar”.

O caso

O perfil de Michele Dias, criado por Diego, foi montado para parecer real. Havia conversa com supostos amigos e várias pessoas que interagiam com ela, supostamente por acreditar que se tratava de uma mulher. Ele foi desmascarado depois que o advogado acionou a polícia, após ele ter pedido mais R$ 6 mil.

Investigadores o acompanharam no dia em que ele deveria deixar um envelope com o dinheiro em um banheiro de um supermercado. Como a ação era controlada, a vítima deixou somente R$ 600 no local combinado – as notas foram fotografadas anteriormente. Diego foi preso ao ser flagrado fugindo do local com o valor.

“Na delegacia, ele me viu e se ofereceu para devolver os R$ 5 mil. Eu não estava mais ligando para o dinheiro, pois dei como perdido. Queria mesmo era a minha paz de volta. Não queria viver mais em um inferno”, disse o advogado. Os policiais foram até a casa do ator, que admitiu o crime, e apreenderam o notebook dele.

G1

 

Dado Dolabella é preso por falta de pagamento de pensão alimentícia

Dado Dolabella foi preso no início da tarde desta quinta-feira (17) por falta de pagamento de pensão alimentícia. A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro informou ao UOL que o mandado de prisão consta que o ator tem uma dívida de quase R$ 200 mil.

Ainda de acordo com a assessoria, Dado deve R$ 196.397,54 de pensão alimentícia ao filho Eduardo Neves Dolabela, fruto de seu relacionamento com Fabiana Vasconcelos Neves. O ator foi preso por policiais da 11ª DP da Rocinha.

MEIO-DIA CIDADE desta sexta em PAPO DE CANTINA com o cantor, ator, instrumentista, pesquisador e compositor, carioca Alfredo Del-Penho

Foto: Leo Aversa - Crédito obrigatório.
Foto: Leo Aversa.

O Papo de Cantina desta sexta-feira (11) contará com a presença do cantor, ator, instrumentista, pesquisador e compositor, carioca Alfredo Del-Penho.

Participe você também do programa através das nossas redes sociais. Anote aí:

WhatsApp: +55 84 99212-2276;

Twitter: @meiodiacidade;

Facebook: /meiodiacidade e

Instagram: @meiodiacidade.

Programa MEIO-DIA CIDADE, com Bruno Giovanni. De segunda a sexta, sempre às 12 horas, na Rádio Cidade Natal (94,3 FM). Ouça também através do sitewww.radiocidadenatal.com.br, e do aplicativo TuneIn Radio (Rádio Cidade FM (Natal).

FOTO: Ator de ‘Além do horizonte’, da Globo, é anunciado como novo integrante do ‘CQC’

malhacao1Lucas Salles, de 21 anos, foi anunciado como novo integrante do CQC, na noite da última quarta-feira. Para quem não se lembra, o ator integrava o elenco de “Além do horizonte”, na pele do nerd Guto. Ele também é conhecido por sua participação no canal de humor na internet Parafernalha.

“Tenho que ser sincero. Minhas pernas não param de tremer. Mas não é nervosismo ou pressão. Acho que é felicidade e ansiedade por fazer parte de um projeto revolucionário. Digo revolucionário, pois o CQC, além de nos divertir, toca o dedo na ferida de uma forma magnífica”, disse o ator ao site oficial do atração.

Ele se mostrou empolgado com o novo desafio. “É um trabalho que envolve cidadania, humor, política e verdade. Coisas, até então, raras de se ver na televisão brasileira. É um passo muito importante para mim. Espero que gostem”, completou.

Recentemente, Naty Graciano foi contratada para substituir a apresentadora Monica Iozzi, que saiu da atração para assinar com a Globo. Monica está escalada para o elenco de “Búu”, próxima novela das sete da emissora, de Daniel Ortiz.

O Globo

Luto na televisão brasileira: morre o ator Paulo Goulart, aos 81 anos

Paulo-GoulartO ator Paulo Goulart morreu em São Paulo, nesta quinta-feira (13), aos 81 anos. Ele estava internado no hospital São José, na região central da cidade. Entre agosto e outubro de 2012, o artista ficou internado devido a um câncer na região entre os pulmões.

Ao longo de sua carreira, iniciada quando ainda era adolescente, Goulart destacou-se por seus trabalhos em novelas como “Plumas e paetês” (1980), “Roda de fogo” (1986) e “O dono do mundo” (1991). Ele também participou de filmes como “Rio zona norte” (1957), “O grande momento” (1958), “Gabriela, cravo e canela” (1983) e “Para viver um grande amor” (1983).

Paulo Goulart nasceu em Ribeirão Preto (SP) em 9 de janeiro de 1933 – seu nome de batismo é Paulo Afonso Miessa; o Goulart ele tomou emprestado de um tio, o radialista Airton Goulart, como aponta o perfil do ator no site Memória Globo. O texto relembra ainda que seu primeiro emprego foi como DJ, operador e locutor em uma rádio fundada por seu pai, em Olímpia, também no interior paulista.

No entanto, antes de se iniciar na carreira artística, o futuro ator estudou química industrial. De acordo com ele próprio, a ideia era ter uma alternativa de emprego. “Eu queria ter algum outro ofício, porque rádio, embora fosse uma grande coqueluche, não era encarado como uma profissão”, cita o Memória Globo. “Estavam fazendo teste para locutores na Rádio Tupi de São Paulo, e lá fui eu. Mas não passei, fiquei em segundo lugar.”

O desempenho e falta de conhecimentos técnicos do adolescente, contudo, não impediram a contratação, que Goulart creditava à interferência do ator de rádio Oduvaldo Vianna: “Foi a primeira pessoa que sacou esse meu talento, essa coisa histriônica dos atores sem uma formação de escola”. Na época, ele estava prestes a completar 18 anos de idade. “A televisão estava começando, era 1951. Nós éramos contratados da rádio, e a TV Tupi era sustentada pelo rádio. Então, tínhamos também a obrigação de fazer televisão. O primeiro programa que eu fiz na TV foi com o Mazzaropi!”

Um ano depois, Paulo Goulart conheceu a atriz Nicette Bruno e fez sua primeira peça teatral. Eles se casaram em 26 de fevereiro de 1954 e tiveram três filhos, Beth Goulart, Bárbara Bruno e Paulo Goulart Filho – todos seguiram a carreira dos pais. No cinema, ele estreou também em 1954, na comédia “Destino em apuros”, de Ernesto Remani. Neste que é tido como o primeiro filme colorido produzido no Brasil, Goulart contracenou com Paulo Autran, Sérgio Britto, Ítalo Rossi e Inezita Barroso. Seu segundo trabalho no cinema foi em “Rio, zona norte” (1957), de Nelson Pereira dos Santos.

Antes de estrear na TV Globo, o que aconteceria em 1969, Paulo Goulart morou com a família por um período no Paraná – onde trabalhou com teatro e TV – e passou pela TV Excelsior. Entre o final da década de 1950 e o começo da de 1960, prosseguiu atuando no cinema. Em 1958, esteve em nada menos que cinco filmes. Já na Globo, seu primeiro papel veio em “A cabana do pai Tomás”, que adaptava o livro homônimo escrito pela autora americana Harriet Beecher Stowe (1811-1896).

No trabalho seguinte na emissora, Goulart tomou parte numa história cujo tema ele próprio considerava ousada. “Era uma temática bastante arrojada para a época: uma mulher casada que deixou o marido para viver com outro homem”, declarou, segundo o Memória Globo. A novela era “Verão vermelho” (1970), de Dias Gomes, na qual interpretou uma das pontas de um triângulo amoroso formado ainda por Dina Staft e Jardel Filho. Ele também costumava destacar o pioneirismo da novela “Uma rosa com amor” (1972): “Foi, talvez, a primeira novela de comédia”.

Depois disso, Goulart fez novelas importantes na TV Tupi, caso de “Éramos seis” (1977), inspirada na obra homônima, escrita por Maria José Dupré (1898-1984), e “Gaivotas” (1979). No regresso à Globo, esteve em “Plumas e paetês” (1980): “Foi fantástico! Aquele guarda italianão [Gino], que falava com aquele sotaque, gostava de comida… Eu adoro! Foi um retorno maravilhoso”.

Sobressaíram, na década seguinte, suas participações nas novelas “Roda de fogo” (1986), “Fera radical” (1988), protagonizada por Malu Mader e na qual o ator deu vida a um cadeirante, o que rendeu uma comparação do ator com o seu próprio jeito de ser. “Meu personagem vivia em cadeira de rodas, e eu sou uma pessoa muito vigorosa na vida real. Nicette que o diga, coitada. De vez em quando eu esbarro nas coisas e quebro tudo!”, brincou.

Nos anos 1990, Paulo Goulart ficou especialmente marcado por interpretar personagens de caráter duvidoso. Vieram, então, o bon vivant Altair de “O dono do mundo” (1991), em que viveu o pai do protagonista (papel de Antonio Fagundes), e o seu Donato da segunda versão de “Mulheres de areia” (1993). Goulart chegou a comentar sobre a composição deste último: “Donato era uma pessoa má por princípio, um assassino. Mas eu me agarrei numa só coisa: um grande amor, ou melhor, a paixão por uma adolescente. Então, em nome disso, ele cometia todas as atrocidades; e, quanto mais apaixonado, pior ficava. Mas isso me abastecia como intérprete”.

Outros dois vilões de Goulart foram o Farina de “Esperança” (2002) e o professor Heriberto de “Duas caras” (2007). Entre uma novela e outra, houve tempo para um tipo menos questionável: o fragilizado Mariano de “América” (2005), padrasto da protagonista (papel de Deborah Secco).

Nos anos 2000, o ator também se dedicou ao trabalho em minisséries, como “Aquarela do Brasil” (2000), “Um só coração” (2004), “JK” (2006) e “Amazônia: de Galvez a Chico Mendes” (2007). Antes, esteve em “Auto da compadecida” (1999). Suas últimas novelas foram “Ti-ti-ti” (2010) e “Morde & Assopra” (2011). Ao longo da carreira, Paulo Goulart atuou em trabalhas exibidas por outras emissoras, como “As pupilas do senhor reitor” (1995), do SBT, e “O campeão” (1996), da Bandeirantes.

G1 Brasil e O Globo

DROGAS: Quatro pessoas são presas por morte do ator Philip Seymour Hoffman

jrjtkk9dl_8q5dc4shb6_fileA polícia de Nova York prendeu quatro pessoas suspeitas de ligação com a droga encontrada no apartamento de Manhattan do ator Phillip Seymour Hoffman, morto por overdose no último domingo (2).

Três homens e uma mulher foram detidos durante uma busca da polícia. Durante a operação foram apreendidas 350 embalagens usadas para armazenar heroína. Até o momento os agentes não deram mais informações.

A polícia encontrou o ator no banheiro de seu apartamento, morto e com uma seringa ainda espetada no braço. Hoffamn vestia uma camiseta, shorts e óculos de sol. Na casa foram encontrados 50 papelotes de heroína, além de várias seringas usadas. O ator tinha 46 anos e foi vencedor do Oscar de melhor ator em 2006 pela sua atuação no filme “Capote”.

R7

Ator experiente de "Salve Jorge" diz estar desempregado e passando fome

 14016479O ator Francisco Carvalho, que fez o Seu Galdino em “Salve Jorge” (Globo), está desempregado desde o final da novela.

Em entrevista ao “TV Fama” (RedeTV!), o ator disse que está em situação de muita dificuldade financeira.

Morando de aluguel, ele conta que precisou pedir um empréstimo no banco para conseguir sustentar a esposa e os dois filhos.

Tive dificuldade, a geladeira vazia e eu pensava: ‘o que faço agora? Tenho que pagar esse empréstimo'”, desabafou o ator.

Esperançoso, Francisco ainda acredita em um retorno à televisão.

“Eu só espero que se lembrem de mim. Me chamem para trabalhar. Eu vivo disso. Tenho contas a pagar. Estamos aí, a esperança ninguém rouba de ninguém”, declarou.

A entrevista vai ao ar no “TV Fama” desta quinta-feira (16), a partir das 19h45, com apresentação de Nelson Rubens e Flavia Noronha, pela RedeTV!.

Folha

Corpo de ator global será enterrado em MG; polícia não descarta a hipótese de overdose

 Untitled-1O corpo do ator Antonio Sérgio Firmino, 34, será transferido do Rio de Janeiro para Belo Horizonte (sua cidade natal), Minas Gerais, onde será enterrado. A cerimônia está prevista para acontecer no cemitério Belo Vale, a partir das 17 horas desta quarta-feira (13). A informação foi confirmada pelo cunhado de Antonio, Lindiomar Gomes, ao UOL.

O Instituto Médico Legal já liberou o corpo do artista, que está previsto para chegar em Minas, às 15h30.

Antonio, que interpretou os personagens Evandro na novela “Sangue Bom” e Apolo em “Duas Caras”, foi encontrado morto em seu apartamento no bairro de Gardênia Azul na baixada de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, na noite de terça-feira, pela namorada Débora Maria, que está grávida de sete meses do ator.

De acordo com a perícia policial feita no imóvel, foi encontrado material para consumo de drogas e uma possível overdose como causa da morte não está descartada. A polícia aguarda o resultado do laudo pericial. O caso está sendo investigado no 32ª DP da Taquara, no Rio.

Segundo os familiares, Antonio teve uma “morte súbita”. “A gente não morava com ele, então não sabemos se ele usava drogas”, afirmou Lindiomar.

Além do bebê que está para nascer, Antonio também deixa uma filha de seis anos.

Carreira

Na Rede Globo, o ator participou das novelas “Passione”, “Viver a Vida”, “Pé na Jaca” e “Malhação”, além das séries “Os Caras de Pau” e “Toma Lá, Dá, Cá”.

Ele também participou dos filmes “Meu Nome Não é Johnny” e “O Casamento de Gorete”.

Recentemente, Antonio gravou o seriado “Homens Querem Casar e Mulheres Querem Sexo”, que participa nesta quarta do Festival Internacional de Televisão, no Rio. O elenco fará uma homenagem para o ator.

UOL

Ator Luis Gustavo está internado com bactéria no coração

luiz_gustavo1 Luis Gustavo está internado na unidade de tratamento semi-intensivo da Clínica São Vicente, Zona Sul do Rio. De acordo com a mulher do ator, Cris Botelho, Luis Gustavo deu entrada no hospital há 10 dias com endocardite, uma infecção causada por uma bactéria no coração.

O ator está no ar na novela das 18h, “Joia rara”, como Apolônio, e pode ser visto no remake de “Sai de baixo”, que estreou na Globo no domingo (3).

Segundo Cássio Gabus Mendes, sobrinho do ator, Luis Gustavo está respondendo muito bem ao tratamento.

– A infecção está bem controlada, ele não está entubado, consegue falar ao telefone, tomar banho. Mas é um quadro importante, um tratamento longo, que leva de quatro a cinco semanas, no mínimo, até em função da idade (79 anos). A doença se manifestou com uma febre e foi diagnosticada logo no início – conta Cássio.

O Globo

Morre o ator Cláudio Cavalcanti, aos 73 anos

2013_636660462-2013081278962.jpg_20130812O ator e secretário municipal de Defesa dos Animais do Rio, Cláudio Cavalcanti, morreu às 17h45m deste domingo, no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O artista tinha 73 anos e estava internado desde o dia 16. Segundo informações da prefeitura do Rio, Cláudio havia se submetido a uma cirurgia na coluna há alguns dias e sofreu complicações. Ao longo da carreira, o ator participou de mais de 50 novelas, minisséries e especiais, dublagens, 22 longas-metragens e dezenas de peças teatrais. Ele também foi vereador do Rio em dois mandatos. Um de seus personagens mais conhecidos foi Jerônimo, um dos protagonistas na primeira versão da novela Irmãos Coragem da TV GLOBO.

— Meu interesse pelo teatro veio através do rádio. Quando eu era criança, ouvia muito rádio, radioteatro, com aqueles atores fantásticos. Quando fiz 13 anos, a tia do meu pai me deu um ingresso para uma matinê da peça Obrigado Pelo Amor de Vocês, na qual trabalhavam atores de rádio. Foi a primeira vez que fui a um teatro e fiquei absolutamente encantado. Era uma peça de três atos, em que pessoas envelheciam 50 anos, ali, na minha cara. Meu encantamento foi tamanho que, ao completar 35 anos de carreira, montei essa peça; eu me dei de presente fazer essa peça — declarou Cláudio em depoimento ao projeto “Memória Globo”.

Segundo o “Memória Globo”, Cláudio fazia teatro amador na escola, em 1956, quando foi convidado por um amigo para participar de um teste no TBC – Teatro Brasileiro de Comédia –, que iria montar a peça Nossa Vida com Papai e precisava de um ator jovem, na faixa dos 16 anos.. Na mesma época, começou sua carreira também na televisão, ao ser convidado para atuar no programa João e Maria, na TV Tupi.

O Globo