Meio Ambiente

Litoral potiguar tem nove praias impróprias para banho

Foto: Divulgação

De acordo com o Boletim de Balneabilidade das praias do RN emitido nesta sexta-feira (6), nove delas estão impróprias para banho. O resultado das amostras baseado na quantidade de coliformes fecais encontrados nas águas demonstra que as seguintes praias não são recomendadas para banhistas.

Foz do Rio Pirangi (Nísia Floresta), Rio Pium (Ponte Nova) e Rio Pium (Balneário Pium) em Parnamirim, Ponta Negra (final do calçadão), Via Costeira (Cacimba do Boi), Areia Preta (Praça da Jangada), Praia do Meio (Iemanjá), Praia do Forte e Redinha (Rio Potengi), em Natal.

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), fazendo parte do Programa Água Azul.

Foram coletadas, analisadas e classificadas amostras de água em 33 pontos nas praias potiguares, distribuídas na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz, a fim de classificar e informar aos banhistas quais as condições das praias monitoradas para o banho.

A classificação leva em conta a quantidade de coliformes termotolerantes encontrados nas águas, como estabelecido na resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Opinião dos leitores

    1. Via Costeira escura e com os guard rails detonados.
      Ponta Negra de fazer vergonha. Meio-fios e canteiros cheios de mato por toda a parte.
      Calçadas de pedra portuguesa esburacadas.
      E corroboro. No máximo eram duas ou três priais impróprias.
      Parnamirm também tá muito detonada na orla.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IDEMA intensifica estudo de balneabilidade das praias

Para orientar turistas e visitantes do estado e garantir segurança na hora de escolher as praias do litoral potiguar como opção de lazer, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA) intensificou os estudos de balneabilidade das praias na alta estação e ampliou de 33 para 51 os pontos de coletas de água. Nesse mesmo período, a coleta também é ampliada para outros municípios do estado, como por exemplo, Canguaretama, Baia Formosa, Areia Branca e Tibau. O estudo de balneabilidade mede as condições sanitárias e classifica as praias do Rio Grande do Norte como Próprias ou Impróprias para o banho.

O Projeto que está inserido no Programa Água Azul, é custeado pelo IDEMA e realizado em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Bolsistas do Instituto, a maioria estudante do curso de gestão ambiental, fazem semanalmente a coleta de água nas praias e em seguida a análise em laboratório para saber a quantidade de coliformes fecais. Os resultados são divulgados semanalmente e as placas que mostram as condições da água da praia são atualizadas para melhor orientar os banhistas.

“Investimos o ano todo na balneabilidade para garantir o banho seguro e saudável em nossas praias e alertar o banhista quanto à qualidade da água. E no período de alta estação ampliamos para 51 os pontos de coleta”, afirmou Luiz Augusto Santiago Neto, Diretor-técnico do IDEMA.

De acordo com a resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), as águas doces, salobras e salinas, destinadas à recreação de contato primário, podem ser classificadas como própria para o banho quando se encaixa nas categorias: excelente, muito boa e satisfatória. Ou considerada imprópria, podendo ser usado  como critério de enquadramento as quantidades de coliformes fecais encontradas em um conjunto de cinco amostras, coletadas durante semanas consecutivas.
O boletim de balneabilidade é divulgado sempre as sextas-feiras e pode ser consultado no site do IDEMA www.idema.rn.gov.br e também no www.programaaguaazul.rn.gov.br.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *