Usina São Francisco desiste de moer a safra deste ano

A Usina São Francisco, em Ceará-Mirim, sob intervenção judicial há dois anos, não vai moer cana este ano, informou agora pela manhã o interventor Valdécio Alcantâra. Ele antecipou também que o passo seguinte será vender toda a produção para pagar os salários atrasados  aos trabalhadores rurais, conta estimada até o final do mês passado em  R$ 650 mil.

Valdécio não soube informar que quantidade de cana será vendida e nem como, quando ou onde ele pretende fechar esse acordo com os trabalhadores.

Por estar em trânsito no momento em que atendeu ao telefonema do JH, o interventor disse não ter de cabeça o volume da safra colhida na área da usina. Informou apenas que moer a safra agora seria economicamente desvantajoso para a Usina. “Optamos então por vender a produção “in natura” para saldar a dívida com os trabalhadores”, acrescentou.

A Usina está sob intervenção enquanto não se resolvem as pendências entre o ex-senador Geraldo Melo e o empresário cearense Manuel Dias Branco. Na safra 2010 e 2011, a unidade produziu 12 mil litros de álcool, mas há quatro meses não paga sua folha de funcionários e deixou 1.200 trabalhadores sem receber pela safra plantada nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2011.

Em entrevista ao JH, na semana passada, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ceará-Mirim,  José Maria Alves de Oliveira, disse que as portas da administração da Usina estavam fechadas a cadeado e que todos aguardavam uma reunião interna com o interventor Valdécio Alcântar.

Entre as queixas dos trabalhadores estaria o fato de que Valdécio  passa semanas sem aparecer na  usina. “Falei com ele há um mês, quando me prometeu que tudo seria feito para pagar os trabalhadores, mas nada aconteceu”, informou Oliveira. A versão de Valdécio é outra: que estava de licença médica, acometido por uma pneumonia.

Na avaliação do  presidente do Sindicato dos Trabalhadores, o primeiro ano de Valdécio Alcântara como interventor transcorreu normalmente e dois mil trabalhadores participaram da safra. “Já o segundo ano foi um desastre completo”, afirmou.

As dificuldades da Usina já começaram na safra passada, quando os fornecedores de cana da Usina São Francisco, com medo de não receber, venderam toda a produção para a Usina Estivas. Este ano, segundo José Maria Alves de Oliveira, com a queda na produção, uma alternativa foi ‘empurrar’ para o Governo do Estado a compra de toda a cana da São Francisco para servir de volumoso de ração para o gado. Mas depois de uma primeira reunião para tratar do assunto, há mais ou menos 45 dias, o assunto foi gradativamente esquecido.

Na ocasião, a ideia  do interventor era operar a Usina durante dois meses e interromper o trabalho. “Mas, pelo que estamos vendo, nem isso vai acontecer”, já antevia José Maria Oliveira, na semana passada.

Para os sindicalistas, a administração da Usina estava muito melhor nas mãos de Dias Branco.

A disputa judicial envolvendo a Usina São Francisco começou quando o ex-senador Geraldo Melo e os seus sócios venderam ao empresário Manuel Dias Branco Neto, ainda em 2009, a totalidade dos negócios da Companhia Açucareira e da Ecoenergias, e o empresário cearense, segundo o que está nos processos, não honrou os pagamentos acertados com os vendedores, iniciando o esvaziamento do patrimônio imobiliário da Companhia Açucareira, formado por mais de 15 mil hectares de terra, para evitar o pagamento de tributos, fazendo com que diversas fazendas da Usina fossem levadas a leilão.

Por causa de indícios de fraude e gestão temerária nas empresas, a justiça afastou Dias Branco da diretoria e nomeou o interventor Valdécio Alcântara para administrar o negócio e apurar a real situação econômica e saúde financeira deixada pela gestão do empresário enquanto administrou a Companhia Açucareira e a Ecoenergias.

Fonte: O Jornal de Hoje

Governo anuncia plano para aumentar cana para produção de etanol

Por interino

O governo federal anunciou hoje (24) o Plano Estratégico do Setor Sucroalcooleiro, que tem a ambição de expandir a oferta de cana-de-açúcar para fabricação de etanol nos próximos quatro anos. A primeira medida, com custo estimado de R$ 29 bilhões, é a renovação de 6,4 milhões de hectares plantados com cana até 2015. Segundo o Ministério da Agricultura, a idade média dos canaviais está mais elevada que a ideal, já acima do sexto corte.

A crescente demanda por etanol, no entanto, exige também a expansão da área plantada. Para atender a ociosidade média atual de 16% das usinas, serão investidos R$ 8,5 bilhões no plantio de 1,4 milhões de hectares. Mais R$ 23 bilhões serão aplicados em 3,8 milhões de hectares para responder à demanda por etanol anidro misturado à gasolina numa proporção de 25% e etanol hidratado para entre 50% e 55% da frota de veículos leves nos próximos anos.

Os recursos para a execução do plano virão principalmente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da poupança rural. O governo também propôs ao Conselho Monetário Nacional (CMN) uma linha de financiamento à estocagem de etanol para que as indústrias distribuam a produção durante o ano, evitando a volatilidade dos preços do combustível. A linha de crédito está estimada em R$ 4,5 bilhões ao ano.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) deverá receber R$ 40 milhões para pesquisas de novas variedades de cana, como uma resistente à seca. Outra linha de pesquisa será para o desenvolvimento de tecnologias para produção de etanol celulósico, para aproveitamento da biomassa da cana.

Como forma de reestruturar o setor, o plano estratégico ainda propõe a organização dos produtores em associações e cooperativas, otimizando sua participação na cadeia produtiva e podendo, inclusive, assumir usinas paradas.

Fonte: Agência Brasil