MACABRO: Exames indicam que Maníaco da Cruz não pode ser solto

13_41_53_920_file

Novos exames realizados em Dhionatan Celestrino, que ficou conhecido como Maníaco da Cruz , feitos na Santa Casa de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul,  atestariam novamente que ele não tem condições de conviver em sociedade.  Quando tinha 16 anos, ele matou três pessoas no estado e colocou as vítimas em uma posição de crucificação, daí o apelido dele.

Agora, o laudo psiquiátrico será encaminho para o juiz Mauro Muro Nering Karlosh que vai decidir o destino do jovem de 21 anos. Avaliações médicas feitas anteriormente já comprovaram que Dhionathan sofria de esquizofrenia.

Ritual macabro

Os crimes cometidos pelo maníaco seguiam um ritual macabro. As vítimas participavam de uma espécie de tribunal. Todas eram questionadas  sobre a vida religiosa e sexual. Os considerados “impuros” eram assassinados e os corpos colocados em posição de cruz.

Depois de ser apreendido e confessar os crimes, a Justiça determinou que ele cumprisse medidas socioeducativas em uma unidade de internação para menores infratores. A decisão foi cumprida desde 2008.

Porém, após três anos na unidade, laudos comprovaram que o rapaz sofria de esquizofrenia e que ele deveria ser encaminhado a um centro de internação. Mas isso não aconteceu, o maníaco da cruz permaneceu na unidade durante quase cinco anos, até que em março deste ano, Dhionatan conseguiu fugir para o Paraguai.

Ele estava acompanhado da mãe e de uma tia. A família pagava as despesas do rapaz em uma pensão. Ele se matriculou em uma escola e estava estudando espanhol e guarani. Mas em abril,  um casal de brasileiros o reconheceu. O Maníaco da Cruz foi levado novamente para o Mato Grosso do Sul.

Após ficar um tempo em uma delegacia da capital, ele foi internado na ala psiquiátrica da Santa Casa, onde permanece até hoje aguardando decisão da Justiça.

Do R7

Precatórios: Assinaturas em novos cheques não seriam de Desembargador

O desembargador Osvaldo Cruz prestou depoimento ontem durante duas horas. Ele se defendeu das acusações de integrar um esquema de desvio de precatórios no TJRN, fato que o retirou provisoriamente de seu cargo. O depoimento foi dado ao ministro relator do Superior Tribunal de Justiça, César Asfor Rocha, na sede do STJ, em Brasília.

O BLOG do BG entrou em contato hoje com o advogado do magistrado, Armando Holanda, que classificou o depoimento de ontem como “melhor impossível”. Armando Holanda também confirmou a esse blog que até amanhã estará apresentando à imprensa novas provas que inocentam Osvaldo Cruz. Apesar do advogado informar ao blog que só vai se pronunciar para a imprensa sobre novas provas amanhã. apuramos que em todos os cheques periciados, até o momento, as assinaturas não são do magistrado, portanto são falsas.

A perícia está sendo feita  perito criminal  Elinaldo Cavalcante da Silva, formado pela Academia Nacional da Polícia Federal. Em maio último, um cheque já foi apresentado.