Médicos preveem que Brasil não volta ao ‘normal’ antes de agosto

Foto: Alexandre Schneider/Getty Images

Já são quase 50 dias desde que o primeiro caso de coronavírus foi confirmado no Brasil. Entretanto, o combate à covid-19 está só no começo. Tanto o Ministério da Saúde quanto especialistas ouvidos pelo UOL esperam que a situação piore cada vez mais até o mês de junho, e as estimativas mais otimistas projetam a doença sob controle apenas em agosto.

Há cerca de dez dias, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), projetou o retorno à normalidade “quem sabe em agosto”. Já o governador Wilson Witzel (PSC), chegou a falar em preparação para “uma crise de seis meses” no Rio de Janeiro. Em Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) mudou de posição nas últimas semanas e passou a falar em afrouxamento do isolamento social, mas seu secretário de Saúde avisou ontem que “não dá para pensar em vida normal antes de junho”.

As datas podem não bater, mas a mensagem é clara: as coisas vão demorar para voltar ao normal. Conforme divulgou na semana passada, o Ministério da Saúde projeta a aceleração descontrolada da covid-19 durante o mês de maio, o que levaria a um pico de contaminação no início de junho. Duas semanas depois, começaria a diminuição dos casos.

O número de mortos e infectados dependerá essencialmente do modelo de distanciamento social a ser adotado em todo o país, mas a pasta imagina que a duração do surto seja semelhante com ou sem quarentena ampliada.

De acordo com essa projeção do Ministério da Saúde, a pandemia do novo coronavírus só estará sob controle na primeira semana de agosto. Os prazos mais ou menos batem com o que o ministro Luiz Henrique Mandetta havia adiantado ainda em 17 de março.

“Em agosto ou setembro a gente deve estar voltando [à normalidade], desde que seja construída a imunidade de mais de 50% das pessoas”, disse na ocasião Mandetta, que também é médico.

Especialistas ouvidos pelo UOL pensam em datas parecidas, mas pedem cuidado: projeções não são certezas.

“[O declínio] pode ser junho mesmo, mas por enquanto é na base do ‘achômetro’. A situação ainda não se desenhou completamente no Brasil”, alerta o infectologista Marcos Boulos, da Superintendência de Controle de Endemias de São Paulo (SUCEN).

“A progressão da doença deve assumir um platô no mês de junho, e em seguida começar a entrar em declínio”, reforça o também infectologista Jean Gorinchteyn, médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.

“O grande problema seria abrir as portas, relaxar a quarentena, porque neste caso muita gente ficaria doente e muita gente morreria nos próximos dois meses”, adverte Gorinchteyn.

Boulos argumenta que a desigualdade social e a chegada da covid-19 às periferias das grandes cidades pode chacoalhar as previsões. “A gente pode torcer para que em junho comece a ficar tudo bem, vamos ver. Mas é só uma torcida neste momento.”

UOL – BOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    De repente o mundo inteiro se viu tomado por Becos da Quarentena, um legítimo souvenir desta Natal bela e banguela.

  2. Piolho disse:

    Deve ser brincadeira isso, cada vez mais jogam o pico e o número de infectados para frente.
    O pico era no fim de março, passou para meio de abril, migrou para maio, falavam em talvez junho e agora parecem palpiteiros jogando para agosto.
    Parece que estão preocupados em manter o medo e aumentar o pânico.
    Não estão levando em conta as pessoas curadas e as que estão imunes.
    Não estão contabilizando tudo que já foi usado e comprovado ser eficiente contra o vírus.
    Qual a razão de só no Brasil o período de pico ser cada vez mais distante?
    Comparam o Brasil com o resto do mundo, por mais diferentes que sejamos. Nossos números são menores que a maioria dos países, embora tenhamos uma população muito maior.
    A Itália já teve o pico, a Espanha já teve o pico e isso ficou dentro de 45 dias, por aqui querem que a situação dure 04, 06 meses ou mais?

  3. Rei disse:

    Os médicos estão entendendo de coronavírus mais ou menos como um chef de cozinha entende de física nuclear. Ficam no palpitômetro o tempo todo.

  4. Manoel disse:

    O mundo não vai voltar a ser o mesmo nem tão cedo, talvez leve anos e anos. Isso não quer dizer que não se pode ir voltando aos poucos , abrindo serviços e comércios desde que com cuidados, testes e equipamentos na saúde. Mas uma matéria pessimista assim chama muita atenção e causa pânico e histeria no povo… E parece ser esse o objetivo da maioria da imprensa.

  5. Lirinho disse:

    Triste previsão de 11.000 óbitos aqui no estado do RN. Até quando tanta insensatez, maluquice, doidera, misturada com estupidez e maldade pura. Outra coisa faltaram a aula de tabuada.

    • Caio disse:

      Qual foi a parte que vc não entendeu que a previsão de 11 mil mortes seria se não as autoridades não tivessem feito nada ????