Pesquisa do PROCON Natal constata que não houve reajuste no preço do gás de cozinha

O Procon Natal, Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Natal, realizou pesquisa no último dia 11 de fevereiro nas quatro regiões administrativas da cidade e passou por 20 pontos de venda do gás de cozinha, constatando que, apesar do aumento anunciado na refinarias no último dia 4, os preços para o consumidor final foram mantidos. Os locais escolhidos levam em consideração o porte do estabelecimento e o registro de licenciamento de comercialização desse produto fixado e identificado junto com a placa de preço.

Os bairros onde a pesquisa do Procom Natal foi realizada foram Potengi, Pajuçara, Rocas, Neópolis, Ponta Negra, Pitimbu e Quintas, contemplando todas as regiões da cidade. A pesquisa identificou que em 55,0% dos estabelecimentos pesquisados esse produto é vendido abaixo da média constatada pelo núcleo de pesquisa do PROCON NATAL. Ou seja, mesmo com o aumento anunciado pela Petrobras no dia 04 de fevereiro nas refinarias, a pesquisa não identificou aumento nos estabelecimentos de venda. Foi constatado ainda que 30,0% desses estabelecimentos reduziram seus preços para um valor menor que R$ 65,00. Na pesquisa anterior os preços marcavam R$70,00. A Petrobras realizou dois aumentos para o gás de cozinha, um no dia 06 de novembro de 2018, de 8,5% nas refinarias e, mais recentemente, de 1,4%, mas não foram repassados ao consumidor final.

A pesquisa realizada pelo Procom Natal encontrou média de preço nesta última análise de R$ 66,85 no botijão GLP (gás de cozinha) de 13 kg. O maior preço encontrado foi de R$ 70,00 e o menor preço de R$ 63,00, nas vendas à vista. A variação entre o maior e o menor preço é de 11,11%. Já a variação entre a pesquisa anterior e a atual foi de -2,12%, uma vez que a média anterior foi de R$ 68,30. Na média, o preço do botijão GLP de 13 kg no cartão foi de R$ 69,25 e na pesquisa anterior era de R$ 69,30 e isso equivale a uma variação de -0,07% de uma pesquisa para outra. A pesquisa também encontrou o menor preço no cartão de R$ 65,00, e o maior de R$ 75,00, sendo uma variação entre o maior e o menor preço de 15,38%. Em Reais essa diferença de uma pesquisa para outra é inferior a R$ 1,4 e R$ 0,05, respectivamente.

O PROCON NATAL disponibiliza a pesquisa na íntegra aos consumidores em sua página virtual no site, www.natal.rn.gov.br/procon, apontando o preço do botijão de 13Kg mais barato, as médias, as variações e o desvio padrão encontrado, e orienta aos consumidores que utilizem a pesquisa para economizar ainda mais na hora da compra. O endereço dos estabelecimentos pesquisados e os preços praticados à vista e no cartão estão na pesquisa completa.

Pesquisa do PROCON NATAL constata redução nos preços dos combustíveis

O PROCON NATAL realizou pesquisa de combustíveis no dia 07 fevereiro de 2019, em 70 postos de combustíveis da cidade do Natal nas quatro regiões. O levantamento constatou a tendência de baixa que é observada nos preços dos combustíveis desde do ano passado. Nos últimos meses, a pesquisa identifica uma redução nos preços repassados pela refinaria aos donos de postos, nos dois primeiros meses do ano o acumulado identificado pelo Núcleo de pesquisa foi de -6,32% uma vez que em janeiro a redução encontrada foi de -3,04% e em fevereiro a redução foi de -3,18%.

O PROCON NATAL constatou, portanto que os valores encontrados nos postos de combustíveis seguem tendência negativa uma vez que houve reduções por dois meses seguidos, janeiro e fevereiro. Em fevereiro, inclusive, foi encontrada redução em 98,6% dos postos pesquisados. O PROCON NATAL orienta aos consumidores que consultem na íntegra a pesquisa mensalmente realizada e divulgada, no endereço eletrônico www.natal.rn.gov.br/procon, e que fiquem atentos aos preços.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juailson disse:

    Só não baixa o gás veicular, queria saber que mistério é esse!!!!

Pesquisa do Procon Natal aponta diferença de preços de até 396,79% para o mesmo brinquedo

Pesquisa realizada pelo Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Natal (Procon Natal) na primeira semana de outubro sobre o preço dos brinquedos, constatou uma grande variação entre o maior e o menor preços dos brinquedos pesquisados no comércio da cidade do Natal. A variação de preços de um estabelecimento para outros pode chegar a de 396,79%.

Os pesquisadores visitaram onze estabelecimentos comerciais distribuídos pelas regiões comerciais da cidade do natal entre os dias 2 e 5 de outubro e coletaram preços e coletaram os preços de bonecas/bonecos, jogos, massas de modelar, entre outros brinquedos. A pesquisa levou em conta os diversos fabricantes existentes nesse segmento e os vários tipos e modelos de brinquedos e fez uma comparação de preços somente de itens comercializados em pelo menos três estabelecimentos, num total de 108 itens.

A pesquisa comparativa realizada pelo Procon Natal objetiva oferecer uma referência de preços ao consumidor que vai adquirir brinquedos para o Dia das Crianças, informando os preços médios encontrados. No comparativo entre o maior e o menor preço, foi identificada uma grande variação dos brinquedos pesquisados, fato esse comum nessa pesquisa uma vez que o mesmo produto e encontrado com uma diferença muito grande de uma loja para outra.

As variações e os preços constatados referem-se aos dias em que foi realizado o levantamento, portanto os valores atuais podem ser diferentes. Os preços praticados pelo mercado estão sujeitos a alteração conforme a data da compra, inclusive por ocasião de descontos especiais, ofertas e promoções. Além disso, lojas da mesma rede podem praticar preços diferenciados. Foram pesquisadas as lojas no comércio desde lojas especializadas em brinquedos, lojas de departamentos, lojas populares e hipermercados.

Os estabelecimentos que apresentaram a maior variedade de produtos encontrados foram os grandes hipermercados da cidade em média (51,85%) dos itens encontrados. As lojas com maior variação de produtos, em relação aos 108 pesquisados foram Hipermercado Extra Midway Mall com 91 itens (84,26), Hiper Bompreço de Lagoa Nova com 85 itens (78,70%) e Carrefour Zona Sul com 81 itens (75%).

A maior diferença de preço encontrada na pesquisa foi de 396,79% na Boneca da Monster High Assombrada Spectra Vondergeis da marca Mattel, sendo o maior preço R$ 119,00 e o menor preço R$ 29,99.

O levantamento aponta para uma variação de preços considerável, o que demonstra a importância da pesquisa. Mas é interessante que o consumidor analise a tendência geral de preços praticados pelo estabelecimento, já que eventualmente um mesmo local pode apresentar o preço mais caro para um item e para outros ter preços mais convidativos. O enfoque no preço de um item específico vale para aquele consumidor que já sabe exatamente o produto que irá levar.

O Procon Natal recomenda que, ao escolher um brinquedo, o consumidor:
• considere a idade, o interesse e a habilidade da criança;
• dê preferência a brinquedos educativos que estimulem a coordenação motora, a inteligência, a afetividade, a criatividade e a socialização;
• verifique se o item traz informações adequadas, claras e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, origem, composição, preço e garantia;
• examine se na embalagem consta o selo de certificação Inmetro, que indica que o produto foi fabricado e comercializado de acordo com as normas técnicas. O selo deve apresentar a marca dos riscos que possam apresentar à criança, a faixa etária ou idade a que se destina e instruções de uso e de montagem.

O Procon Natal informa que o objetivo da pesquisa é esclarecer o público e que os seus resultados não poderão ser utilizados para fins publicitários.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alfredo disse:

    Só otários compram brinquedos as vésperas do dia da crianças.

Pesquisa do Procon Natal aponta diferença de preços em itens escolares; variações superiores a 500%

A Prefeitura do Natal, através do Procon – Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor, realizou pesquisa de material escolar (exceto livros) e alerta alunos e responsáveis para que pesquisem os preços durante as compras pois há variações superiores a 500% em produtos de mesma marca e modelo. Foram pesquisadas quinze papelarias da cidade, selecionadas entre as maiores e mais tradicionais do mercado, em todas as regiões administrativas de Natal.

A pesquisa foi realizada entre os dias 26 e 30 de dezembro de 2016 e na comparação entre os preços dos produtos com relação ao mesmo período de 2015, foi constatado aumento médio de 16%. Para este ano o preço médio da aquisição do material necessário é de R$ 503,02, enquanto que no período comparado, foi de R$ 422,37. Na pesquisa anterior, 11 papelarias foram percorridas pela equipe do Procon Municipal.

Outra observação feita pela pesquisa é que há grande diferença de preços entre produtos da mesma marca e modelo, chegando a 538,89% a variação de um estabelecimento para outro, como é o caso de um apontador de lápis de um furo Colorcis: foi encontrado de R$ 1,15 (maior preço) a até R$0,18 (menor preço).

Dos itens e marcas pesquisados pelo Procon Natal, 29 tiveram redução de preço; 28 não tiveram comparativo disponível, e apenas um se manteve com o preço médio em relação ao ano anterior. Levando-se em conta a possibilidade de significativa economia, o Procon sugere a pesquisa para quem vai comprar material escolar. Outro pronto observado é que as pessoas procurem as melhores condições de pagamento, observando descontos, a qualidade dos produtos, procurando adquirir os que constam do selo de garantia do Inmetro. O Procon lembra ainda que o consumidor não deixe de exigir a nota fiscal da compra.

A pesquisa coletou preços de 36 itens de papelaria, como: apontador, borracha, caneta esferográfica, cola plástica, canetas hidrográficas, lápis cera, gizão de cera, lápis de cor pequeno, lápis de cor grande, lápis preto nº.2, massa para modelar, pasta de cartolina, pasta de plástico, pincel atômico, pincel nº.12, tinta guache, esquadro plástico, régua plástica, bloco para fichário, lapiseira e cadernos – de seis tipos, papel almaço e papel tamanho ofício A4 (resma e cento), entre outros.

As tabelas completas com preços por produto e estabelecimento podem ser consultadas na página do Procon Natal na internet: www.natal.rn.gov.br/procon.

AUMENTO DE PREÇOS

Os aumentos mais significativos foram observados na borracha comum pequena com capa plástica, Faber-Castel, que está 92% mais cara, e na lapiseira Pentel de 7 mm tradicional, 73% mais caro. As maiores reduções de preços foram constatadas no esquadro plástico transparente da Polibras de 16 cm, modelo simples, que está 152% mais barato, e o kit esquadro, régua e transferidor transparente da Xálingo, 90% mais barato nesta última pesquisa.

Um dos principais objetivos da pesquisa é verificar a diferença de preços existente entre os estabelecimentos, de forma a apresentar ao consumidor a necessidade de se pesquisar antes de comprar. O Procon Natal constatou diferenças de até 475% entre produtos de marcas iguais, como é o caso da régua transparente de 30 cm, da marca Polibras, cujo menor preço é R$ 0,20 e o maior, R$ 1,15. O lápis grande de cor, caixa com 12 unidades da marca multicolor, tem preço variável entre R$ 2,50 e R$ 13,46 (diferença de 438,40%). Um apontador plástico com um furo, da marca Tris, pode custar entre R$ 0,12 e R$ 0,65 representando uma diferença de 441,67%.

Com relação aos cadernos – mesmo considerando a variedade existente, cada qual com características próprias de capas com fotos de artistas ou personagens de filmes, adesivos, entre outros – a diferença chega a 246,56% para os que têm características semelhantes, como número de folhas, tipo de encadernação e de capa, das mesmas marcas. Cabe ao consumidor avaliar a qualidade dos produtos, tendo o cuidado de conferir se o mesmo tem o selo de segurança do Inmetro, pois alguns produtos, embora baratos, deixam a desejar no quesito qualidade e segurança (produtos tóxicos, por exemplo).

Para classificação do Ranking dos estabelecimentos, foram usados os seguintes critérios:
(*) Critérios: Foram tomados e somados os preços médios de todos os produtos encontrados na loja, independente de marca; para efeito de cálculo do ranking, na ausência de um item, foi considerado o preço médio geral do mesmo.

PESQUISA MATERIAL ESCOLAR PARA 2017: RANKING DAS PAPELARIAS (*)

Classificação Estabelecimento
1° Comercial J.A. Papelaria – Alecrim
2º Livraria Independência – Alecrim
3º Livraria Câmara Cascudo – Centro
4º A Iskisita – Alecrim
5º Livraria e Papelaria Confiança – Alecrim
6º Livraria e Papelaria Bransquendy – Cidade Esperança
7° Loja do Estudante – Tirol
8° Livraria e Papelaria Progresso Mundial – Panatins I
9º Escola & Escritório Livraria e Papelaria – Tirol
10º Caso do Colegial – Alecrim
11° Casa do Colegial – Capim Macio
12º Livraria e Papelaria Santana – Alecrim
13º Livraria Arco-Íris – Centro
14° Livraria e Papelaria Asa Branca – Cento
15º Livraria e Papelaria Master – Centro

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcondes disse:

    O ranking começa com a mais cara ou a mais barata? Não ficou claro isso no texto. Ou seja, a JA papelaria, a qual aparece como 1 colocada é a mais barata ou mais cara?

Pesquisa do Procon-Natal revela variação de 296% em preços de material escolar

23393O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Natal) realizou entre os dias 08 e 12 de janeiro uma pesquisa de preços de material escolar em 11 estabelecimentos da capital potiguar a fim de alertar o consumidor na hora de fazer as compras de volta às aulas.

Entre os 36 itens pesquisados estavam: apontador, cola, caneta, giz de cera, lápis de cor, corretivo, papéis e cartolinas, materiais básicos e indispensáveis para qualquer estudante. E o resultado revelou que a pesquisa é a melhor amiga do consumidor.

O Procon Natal encontrou variações de até 296% entre produtos da mesma marca, e diferença de até 568% entre marcas concorrentes, valores que assustam o consumidor, em um momento em que todos sofrem com a crise econômica.

Pesquisa do Procon-Natal aponta grande variação nos preços dos extintores ABC

O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Natal) realizou durante o mês de junho uma pesquisa de preço de extintores para carro em lojas e postos da capital. Ao todo foram pesquisados 15 estabelecimentos e constatou-se uma grande variação de preço.

Com a nova legislação que obriga o uso do extintor ABC, o consumidor deve estar atento ao valor do extintor e pesquisar antes de realizar a compra. “O intuito da pesquisa é mostrar ao consumidor a importância de pesquisar os preços. Percebemos que as lojas em geral praticam preços mais justos, em média R$ 131,80”, explica o diretor-geral do Procon Natal, Kleber Fernandes.

A pesquisa mostra que o preço dos extintores pode variar entre R$ 120,00 e 185,00, ou seja, uma diferença de 35%, valor que faz a diferença no bolso do consumidor. Percebeu-se ainda, que os postos de gasolina são os estabelecimentos que praticam os maiores preços devido à comodidade e por não serem especializados na venda deste produto.

Das 10 lojas visitadas pelo Procon Natal, cinco não tinham o extintor ABC em seu estoque. É importante lembrar que o novo prazo para que todos os carros estejam regularizados é 1º de outubro, sob pena de multa de R$ 127,69, além de cinco pontos na carteira.