Petrobras sobe preço da gasolina pela 4ª vez no ano; diesel tem 3ª alta

Foto: Economia G1

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (18) mais um aumento dos preços médios de venda às distribuidores da gasolina e do diesel, que irão vigorar a partir de sexta-feira (19), segundo comunicado da estatal.

O preço médio de venda de gasolina nas refinarias da Petrobras passará a ser de R$ 2,48 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,23 por litro. Já o preço médio de venda de diesel passará a ser de R$ 2,58 por litro, refletindo aumento médio de R$ 0,34 por litro.

É a quarta alta do ano nos preços da gasolina, e a terceira no valor do litro do diesel. Em dezembro, o litro da gasolina custava em média R$ 1,84. Já o do diesel saía a R$ 2,02.

Com os novos reajustes, o litro da gasolina nas refinarias acumula alta de 34,78% desde o início do ano. Já o diesel subiu 27,72% no mesmo período.

Nos postos, a gasolina está 5,8% mais cara desde a primeira semana do ano, vendida a R$ 4,833 na média, segundo pesquisa semanal da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Já o diesel era vendido a um preço médio de R$ 3,875 o litro nas bombas.

Política de preços

No início o mês, a petroleira divulgou comunicado para reafirmar que não houve alteração no alinhamento dos seus preços de combustíveis em relação ao praticado no mercado internacional.

Em nota nesta quinta, a Petrobras afirma que esse alinhamento “é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

Os preços internacionais do petróleo atingiram nesta quarta-feira os maiores níveis desde janeiro do ano passado. O barril do tipo Brent fechou em alta de 1,6%, a US$ 61,14, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) avançou 1,8%, para US$ 61,14.

A estatal tentou amenizar o impacto das altas no bolso dos brasileiros, citando o preço pago pelos combustíveis internacionalmente. Em nota, destacou que, segundo pesquisa da Globalpetrolprices.com abrangendo 167 países, “o preço médio da gasolina ao consumidor final no Brasil está 17% inferior à média global e ocupa a 56ª posição do ranking sendo, portanto, inferior aos preços observados em 111 países”.

Para o diesel, em uma amostragem de 166 países, o preço final no Brasil está 28% inferior à média global, segundo a estatal, o que coloca o país na 43ª posição do ranking, com um preço inferior a 123 países.

“Em ambos os casos, os preços médios no Brasil estão abaixo dos preços registrados no Chile, Argentina, Peru, Canadá, Alemanha, França e Itália”, acrescentou.

Governo quer mudanças em tributos

Diante de reclamações do setor de transporte sobre o valor dos combustíveis, o governo vem falando em alterar a estrutura de tributação do setor. No último dia 5, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo avalia um projeto para estabelecer um valor fixo do ICMS sobre combustíveis ou a incidência do ICMS sobre o preço dos combustíveis nas refinarias.

O presidente afirmou que o governo está fazendo estudos sobre as mudanças no ICMS e que, se ficar comprovada a viabilidade jurídica, apresentará um projeto sobre o tema ao Congresso na semana que vem.

De acordo com o presidente, o valor do ICMS fixo seria decidido pelos governos estaduais, junto com as assembleias legislativas.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aparecida disse:

    O negócio só piora, o gás de cozinha custando quase R$ 100,00, kg da carne quase R$ 50,00, o combustível só para quando chegar a R$ 10,00, o arroz R$ 8,00, óleo de cozinha a 10,00, e o desemprego assolando . E tem que falar que está tudo bem.

  2. BOI NELORE disse:

    O véi é bom
    O véi é arrochado
    O véi é demais
    O véi é maravilhoso
    ÔÔÔÔÔ homem bom
    Bota no caneco do GADO, presidente cagão.
    Muuuuuuuuuujjjjjjuuuuuuuuuuuuijuu

  3. João deixe o Brasil urgente disse:

    Tomara q chegue a dez reais, nunca vi pobre andar de carro kkkkkkkkkkkkkk

  4. jose disse:

    A petrobras só anuncia aumento da gasolina e do diesel, porém o Etanol sempre aumenta junto com a gasolina. PORQUE?????

  5. Junior disse:

    Calma a RLAM foi vendida pela metade do valor estimado. Agora vai baixar rapidinho.

  6. Thiago disse:

    KD os Ubers pra fazer protesto na governadoria?

  7. Jailson disse:

    Eita saudade graaande dos governos do PT…

    • Ricardo Carvalho disse:

      Saudades da época que a Petrobras era saqueada, né meu filho! kkkkkkkkkkkkk

  8. Pepe disse:

    Outro aumento?
    No governo da Dilma,quando chegou a 3 reais bsteram panelas.
    Deixa 2022 ,está bem proximo…

    • Ricardo Carvalho disse:

      Dilma era tão querida que amargou o quarto lugar para o Senado em MG! Se conforme companheiro, a eletrolula faliu e seus postes não acendem mais… kkkkkkkkkkkkkkkk

  9. Santos disse:

    Essa era a surpresa que bolsonaro disse que teria ainda essa semana.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkm

  10. Santos disse:

    A meta do governo é chegar a R$10,00.

  11. Lucianobrito disse:

    Com esses reajuste a Petrobrás está pagando os roubos da era petista, esqueceram da roubalheira ? Esse é o resultado da política de represamento de preço.

    • Pixuleco disse:

      Será ? Vá logo arrumando outra desculpinha . Essa não cola não !

  12. Manoel disse:

    Avisem ao genocida q o brasileiro não ganha em dólar para pagar gasolina nessa moeda.
    Avisem ao genocida tb pra devolver o valor do real frente ao dólar, desvalorizado pra atender o agronegócio.

  13. Calígula disse:

    Espere que o Véio vem com uma surpresa Boa.
    Pois o homem é bom, o homem é espetacular.

    • Manoel F disse:

      A surpresa que o MINTOmaníaco nos reservou pra esta semana foi esse aumento? Kkkkk. Só rindo pra não chorar de tanta emoção!!!

    • ACÉFALO disse:

      Olha aí!!

      O futuro Ministro do interior do Brasil já achou a solução de novo.

      Esse Misnistro tinha que ser empossado no cargo logo.

      O MITO O MESSIAS já poderia criar esse ministério e entregar ao maior e melhor ministro do interior do Brasil.

  14. Chico 100 disse:

    Como dizem por aqui: " pede pra cagar e sai" , Bolsonaro. O pior presidente da República. Fora Bolsonaro. Pelo menos ele pensou no meio ambiente. Todo mundo de bicicleta rsrs

  15. Gadoligula disse:

    Mas calma fiquei sabendo que ele vai baixar o imposto das bicicletas…

    Pronto problema resolvido… hahahaha

    ow veio Macho!!!

  16. Faça o bem disse:

    Parabéns Bolsonaro, bem que você falou que daqui para sexta feira haveria novidades sobre os combustíveis, a novidade era o aumento. O home bom e de palavra.

  17. João disse:

    Outro aumento? de novo? Novamente? outra vez?
    O omi é bom…o omi e espetacular…kkkkkkkkkkk

  18. Gustavo disse:

    Oh governo bom. Já impediu pobre e classe média de viajar de avião, agora de ter carro. É isso mesmo, arrocha em cima do povo Bolsonaro, que você ainda vai ser reeleito!

    • Aparecida disse:

      Sem emprego, sem comer, o negócio só piora, o governo federal vai acabar com a pobreza matando os pobres. Até pra andar de bicicleta tá difícil, pois sem comer o pobre não tem energia pra isso

Bolsonaro diz que vai editar decreto sobre preço de combustíveis

FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (11), em sua live semanal nas redes sociais, a edição de um decreto que obriga postos de gasolina a exibirem aos consumidores a composição do preço do combustível, com descrição do valor de cada imposto cobrado e das margens de lucros dos agentes envolvidos, incluindo os distribuidores e os próprios postos.

“Será via decreto. A gente espera que o Parlamento aprove. Não tem nada de mais. É um direito de todos vocês saber quanto de imposto se paga em qualquer mercadoria. A gente vai exigir, via decreto, dos postos de gasolina”, disse. Bolsonaro não informou quando o decreto será publicado.

“Não vou negar informações pra vocês. Final de janeiro, tivemos 7 centavos [de aumento] no preço do diesel. Na segunda-feira última, mais 13 centavos. E parece que vai ter mais reajustes ainda porque o preço do petróleo está subindo lá fora e o dólar não cai no Brasil”, disse o presidente. Desde 2016, a Petrobras segue uma política de variação do preço dos combustíveis que acompanha a valorização do dólar e a cotação do petróleo no mercado internacional. Os reajustes são realizados de forma periódica nas refinarias.

Durante a live, Bolsonaro afirmou que deve apresentar nesta sexta-feira (12) um projeto de lei complementar para regulamentar trecho de uma emenda constitucional de 2001 e definir os combustíveis e lubrificantes sobre os quais o imposto incidirá uma única vez.

A ideia, já anunciada em uma coletiva de imprensa na semana passada, é alterar a forma de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços), que é um tributo estadual e representa, por exemplo, cerca de 14% do preço final do diesel, combustível usado no transporte de carga por caminhoneiros.

Segundo o presidente, o projeto deve atribuir ao Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) a prerrogativa de discutir como a cobrança do ICMS deve ser fixada sobre os combustíveis. O colegiado é formado por integrantes do Ministério da Economia, incluindo o titular da pasta, Paulo Guedes, e todos os secretários estaduais de Fazenda.

“Nós queremos que o Confaz decida qual percentual vai incidir em cima do litro dos combustíveis ou um valor fixo, em real, que vai constar para cada litro de combustível, a título de ICMS”, disse Bolsonaro, que negou que o projeto seja uma interferência da União sobre a autonomia dos estados.

“Num segundo momento, os senhores governadores vão decidir, com suas respectivas assembleias legislativas, quanto é esse percentual ou qual o valor fixo em cima do litro. Não tem nenhuma interferência minha. Nenhum governador vai perder receita”, afirmou.

Ainda na transmissão ao vivo, Bolsonaro citou o valor dos impostos federais incidentes sobre a gasolina, o diesel e o GLP (gás de cozinha) e criticou a forma como o ICMS é fixado atualmente. O imposto é um percentual cobrado no preço do combustível vendido na bomba e varia de estado para estado.

“O que se faz de 15 em 15 dias? Pega-se o valor médio do combustível e daí os governadores aplicam o percentual em cima daquilo. O ICMS não só incide em cima do preço do combustível na refinaria, mas incide também em cima do PIS/Cofins, incide em caso de existência de Cide [Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico], incide em cima da margem de lucro dos postos, incide em cima do custo da distribuição e incide em cima do próprio ICMS. Isso é uma loucura”.

R7, com Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    Desgoverno.

  2. ZéGado disse:

    A turma do curral acredita.

  3. Santos disse:

    Tá de onda?
    kkkkkkkkkkkkkkk
    Medida vazia.
    O que esperar de quem acha governa no grito?

  4. Jailson disse:

    Só faz ciscar no terreiro, mas o fumo continua e continuará no povo.

    • Paulo disse:

      Na Venezuela a gasolina é barata…
      Maduro é um excelente presidente e espera de braços abertos os esquerdistas insatisfeitos.

  5. José Macedo disse:

    Os governadores agem de má fé, cobrando ICMS em cima de tudo, assim fazem erroneamente sobre várias concessionárias pelo país, essa roubalheira tem que acabar.

  6. Nelio Wanderley da Silva disse:

    Importante também a Petrobrás, as Usinas de Etanol e Biodiesel, Cias de Gás mostrarem seus lucros. Transparência em toda a cadeia.

  7. junin disse:

    o que esse louco diz nao se escreve… todo mundo sabe disso!!! e só os burros de carroça acreditam!!!e ainda que funcionasse, porque só agora depois de dois anos no poder???? só alienado pra acreditar nesse Forrest Gump!!!!

  8. João Pereira disse:

    Ecaaaa mais uma medida que gera transparência e vai levar o devido conhecimento na composição dos preços dos combustíveis. Como esse Bolsonaro faz uma coisa dessas? Só toma medida que a esquerda reprova e não aceita. Agora é saber qual partido da esquerda vai ao STF pedir a anulação desse decreto. Que nojo, esse Presidente atrasa o país, não respeita a democracia, como pode expor o lucro de quem vende combustível, NÃOOOOOOO!
    Isso deve ser barrado, afinal a esquerda não pode perder mais uma forma de acusar o governo federal em favor da transparência, democracia e do conhecimento.

Bolsonaro confirma reunião com equipe econômica para tentar ‘bater o martelo’ e diminuir impostos sobre combustíveis


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (8), em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, que pretender reduzir a alíquota de Pis/Cofins aplicadas sobre os preços dos combustíveis no Brasil. Atualmente, o tributo tem o valor de R$ 0,35 sobre o preço do diesel.

“Hoje tenho uma reunião com a equipe econômica para ver se a gente bate o martelo. Queremos diminuir os impostos federais. Mas, para diminuir, pela lei existente, eu tenho que arrumar outro lugar para tirar o dinheiro, a não ser que o Parlamento me dê liberdade para reduzir sem apontar uma outra fonte para compensar isso”, afirmou ele.

Na conversa, Bolsonaro admitiu que o preço dos combustíveis pago pelos consumidores é alto. “O preço [dos combustíveis] na refinaria é menos da metade do preço da bomba. O que encarece são impostos e mais outras coisas também. O imposto federal é alto, o imposto estadual é alto e a margem de lucro de distribuidores e dos postos é grande. Está todo mundo errado aí, no meu entendimento.”

Ele comentou que existe a previsão de novos reajustes no preço dos combustíveis para os próximos dias. “Vai ser chiadeira com razão? Vai. Eu tenho influência na Petrobras? Não”, destacou o presidente.

Mais cedo, a Petrobras já comunicou um reajuste nos preços médios de venda às distribuidoras da gasolina, diesel e gás de cozinha válido a partir desta terça-feira (9). De acordo com uma previsão da Ativa Investimentos, preço da gasolina na bomba deve sofrer um reajuste de até 12% nos próximos 15 dias. A avaliação é de que o aumento seja aplicado de forma fracionada, em duas vezes.

“O combustível é uma coisa que afeta todo mundo. Estamos trabalhando num primeiro momento em cima do óleo diesel. O PIS/Cofins custa R$ 33 centavos por litro. O ICMS também é grande, maior que esse. Ambos são altos, mas os governadores dizem que não podem perder receita e estão no limite. O governo federal também está no limite, masquem está mais com a corda no pescoço é a população consumidora”, avaliou Bolsonaro ao lembrar que a dívida do governo é superior a R$ 5 trilhões.

De acordo com Bolsonaro, o governo “está fazendo o impossível” e lamentou a falta de refinarias em território nacional. “No governo anterior, tentaram fazer três refinarias. Gastaram bilhões e não fizeram nenhuma. Hoje, importamos parte do óleo diesel e a Petrobras alegas que, se não aumentar o preço do diesel, vamos importar algo para vender mais barato e poderia haver desabastecimento”, contou aos apoiadores.

Na última sexta-feira (5), Bolsonaro fez uma reunião com ministros, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e representantes dos caminhoneiros e manifestou o interesse de enviar ao Congresso um projeto para atribuir aos Estados a definição do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis.

Após receber críticas pela proposta, ele disse que não quer interferir no ICMS. “A minha proposta é para que o imposto seja cobrado em um valor fixo sobre o litro do combustível ou em um percentual em cima do preço das refinarias, porque tem bitributação. Não estou procurando encrenca, nem acusando os governadores por cobrar demais. Nós também cobramos demais, mas devemos buscar uma solução de forma pacífica”, analisou.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Soraya disse:

    Mito queremos gasolina a 6.00

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Mais um factóide "pras nega vê". Essa problemática só será resolvida dentro de um contexto de reforma tributária LEVADA A SÉRIO, e não com pirotecnias inúteis.

  3. Naldinho disse:

    Isso é um presidente mentiroso. Não é falta de refinarias não. Nos governos anteditas refinarias funcionavam com 100% de sua capacidade. Agora ele mandou reduzir pra 30% pra poder importar combustíveis.
    O gado vai pastando nas mentiras dele.
    Daí o que dá.
    Até o final do ano chega a R$ 10,00
    Mais se fizer arminha ela baixa.

  4. ZéGado disse:

    Ele levanta essa fumaça que vai fazer algo… Com 2, 3 dias a boiada esquece e assim ele vai levando tudo e todos em banho-maria.

  5. Fátima disse:

    Interessante, cadê que ele corta logo na fonte esses aumentos abusivos ,jogar para os Estados é fácil , mais não autorizar os aumentos ele não quer

  6. Fátima disse:

    Interessante, cadê que ele corta logo na fonte esses aumentos abusivos

  7. TEIXEIRA disse:

    Mas afinal, qual é a razão de aumento de preços pela companhia EIM…..? PETROBRÁS????

    • Dr. Veneno disse:

      O problema é a falta de estrutura nossa.
      O petróleo sai daqui bruto, um óleo espesso, qse de graça.
      E retorna refinado, gasolina pura de 1a qualidade, a preço de dólar.

  8. Luiz Antônio disse:

    O presidente já zerou a taxa de importação de armas… o que vocês querem mais?

  9. Ubaldo disse:

    Tem que arrochar essa governadora, ele gastou 24.000. Milhões com propaganda mentirosa.
    O nosso dinheiro tá sobrando, tem que reverter pros verdadeiros donos.
    Cadê os respiradores???

    • Pai do Cacá (Tá tenso) disse:

      Bolsominion é um bicho que gosta de falar sem pensar! O ICMS não teve aumento de aliquota, mas vc tava a 03 anos atrás brabo querendo quebrar tudo, apoiando paralisação e raivoso nas redes sociais. Ai a aliquota do ICMS continua a mesma, o valor da gasolina aumentou de R$ 3,90 para R$ 5,40 e agora a culpa é dos governadores, no seu caso da Governadora porque ela é esquerdalha, comunista e do PT, até porque o Presidente é seu "messias", que Deus não leve a mal o que o boi fala aqui na terra.

    • Rodrigo disse:

      Tem que botar quente nessa desgovernadora.
      Ela tem que cobrar o ICMS em cima de 2.25 reais Preço da refinaria e não em cima de 5.19 que é o preço que está nas bombas.
      Tem que cortar isso já!!
      Chega de da dinheiro a esse desgoverno.
      A rigor, pra onde está indo essa dinheirama??
      Fora Fátima!!

  10. IRANILSON disse:

    Tem muitas canalhices ai, quando a gasolina era 3 reais o percentual do ICMS era 29%, hoje a gasolina custa mais de 5 reais e o percentual do ICMS continua 29%, a culpa da gasolina está mais de 5 reais é dos impostos estaduais ou dos aumentos frequentes que a Petrobrás autoriza?

    • IRANILSON disse:

      Em 2018 a gasolina era vendida na refinaria por R$ 1,36, hoje custa 2,25 na refinaria, um aumento de quase 100%.

    • Manoel disse:

      Faça conta, a gasolina sai da refinaria por 2 reais e pouco e chega na bomba por mais de 5 reais, no meio do caminho incide o ICMS, faltou a aula de matemática?

  11. Apir Pertinente disse:

    Diminuir imposto sobre combustíveis. … É estão caros, mas OS ALIMENTOS também não estão caros? Então, agora vamos comer combustíveis?
    No meu ponto de vista as taxações que deveriam ser reduzidas são as que incidem sobre alimentos – itens de primeira necessidade.
    Para os combustíveis, o melhor a fazer seria dar um auxílio temporário aos caminhoneiros.

  12. Calígula disse:

    Quando os governadores irão se reunir com seus secretários de finanças, para diminuir o ICMS dos combustíveis?
    O Mito vai baixar.
    Falta os governadores fazerem sua parte.

    • Manoel F disse:

      O MINTOmaníaco precisa mesmo eh agilizar a reforma tributária… Faz dois anos que só promete!

    • Neco disse:

      …e o Congresso só botando areia.

    • Rafael disse:

      Esse Calígula é uma vergonha atrás da outra……kkkkk

      É bom estudar viu!

    • Pai do Cacá (Tá tenso) disse:

      Vamos esperar Sr Neco, vamos ver o que realmente é para ser com os dois presidentes do Senado e da Câmara do lado do Governo de mentiras! Vamos ver o que realmente irá caminhar. Estou torcendo pelo Brasil, antes de tudo espero ver mudanças de fato na vida do Brasileiro! Vou nem comentar o que meu filho diz aqui, vem para casa Cacá, papai tá com a mamadeira cheia de leite pronta para você!

VEJAM: Postos detalham preço do combustível no RN

Foto: Divulgação

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do RN (Sindipostos RN), entidade que representa cerca de 650 revendas de combustíveis no estado que, juntas, geram algo em torno de 8 mil empregos diretos, vem a público esclarecer alguns pontos sobre o preço dos combustíveis, em particular da Gasolina, no nosso estado e na nossa capital.

Antes de mais nada, é importante destacar que por representar todo o setor, cujas revendas são livres para definir seus preços individualmente, o Sindipostos RN não se pronuncia sobre reajustes. Tal postura atende, inclusive, à legislação brasileira em vigor, que proíbe a entidade de emitir este tipo de posicionamento sobre preços neste ou naquele revendedor.

No entanto, em respeito aos consumidores e, principalmente, para evitar que as revendas sejam injustamente culpadas por algo sobre o que não têm controle, pontuamos abaixo alguns fatos, que se baseiam em dados públicos, a imensa maioria deles constantes no site da ANP.

Fato número 1

No período compreendido entre os dias 6 de dezembro de 2020 e 27 de janeiro de 2021, a Petrobrás anunciou um total acumulado de reajustes de preços da gasolina nas refinarias de exatos 20,6% a saber:

5% de aumento no dia 26 de janeiro de 2021

7,6% de aumento no dia 19 de janeiro de 2021

5% de aumento no dia 29 de dezembro de 2020

3% de aumento no dia 16 de dezembro de 2020

No mesmo período, nas bombas de Natal, a variação de preço médio foi de 9,39% (saiu de R$ 4,748 para R$ 5,19).

Fato número 2

Os postos são o segundo elo mais frágil da cadeia de combustíveis. Para ratificar isso, segue a composição do preço de um litro de gasolina comum em Natal. Vale ressaltar que estes números podem variar um pouco. Mas, na média, são estes:

Foto: Reprodução

COMO É COMPOSTO O PREÇO DA GASOLINA C EM NATAL

25%
valor pago à Petrobras pelo litro da gasolina A, nas refinarias.

14%
Valor do etanol anidro adicionado

14,13%
Impostos Federais (PIS, Cofins e Cide)

29%
ICMS + Fundo de Combate à Pobreza

1,5%
Frete Guamaré-Natal

4%
Margem da Distribuidora

12,37%
Margem bruta das revendas (postos)

Fato número 3

As revendas (postos) recebem o combustível com 87,63% do seu preço final já definido. Da sua margem bruta, elas precisam retirar todos os custos, como: salários de colaboradores, energia elétrica, IPTU, licenças ambientais, serviços agregados, etc.

Fato número 4

Cada revenda tem sua composição própria de custos que depende, entre outras coisas: do tipo de contrato que ela tem (ou não, casos dos postos bandeira branca) com uma distribuidora; do lugar onde ela está posicionada (que impacta no frete, no IPTU que ela paga sobre o imóvel, etc); do horário de funcionamento e do seu número de empregados.

Fato número 5

O “negócio” dos postos é vender combustíveis. Somos varejista na essência. E como todo varejista, para nós, ter nossos produtos com preços mais altos é muito ruim. Por um motivo muito simples: quanto mais alto o preço, menores são as vendas.

“Após todos estes fatos colocados, fica muito claro: A CULPA DOS PREÇOS ALTOS DOS COMBUSTÍVEIS NÃO É DOS POSTOS!”, diz o Sindipostos-RN.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Junior disse:

    Absurdo. O governo do estado ganha mais que a Petrobrás.

  2. Camila Lellis disse:

    Acabei de abastecer na BR 304, posto Odon, serviço incrível, todo conforto e gasolina por R$4,74, tendo ainda o cash back da AME chegando a MENOS de R$4,50. O texto é bonito mas não convence.

  3. José Dantas disse:

    12,37 % de um litro que custa 4,30?
    Ou 13,37% de um litro que custa 5,30?
    Os percentuais em nada contribuem quando do não se tem um preço fixado de forma igual ao praticado.

  4. Boi xexeu disse:

    Ha um engano com o preço da gasolina na PB..em passa e fica eu abastecir de 4,95 e em Araruna a gasolina ta 5,19…

  5. Robinson Madureira disse:

    Vamos deixar de hipocrisia e achar que Natal é uma cidade turística e tudo que se consome nesta cidade tem de ser mais caro que o resto do Nordeste. Nem turista, nem emprego se tem mais no RN. Vamos baixar a bola e diminuir a margem de lucro

  6. Intrigado disse:

    Certo, aumento da gasolina demonstrado, agora pq quando aumenta a gasolina eles aumentam o álcool e diesel e apenas dizem q aumentou também o valor desses combusteis , como ocorreu no aumento anterior ao do dia 27/01?

  7. Tarcísio Eimar disse:

    Fundo de combate a pobreza? Que combate, se a pobreza se perpétua há décadas

  8. Observador disse:

    Daria para o sindicato explicar o porquê da gasolina ser mais barata na Paraíba e em algumas cidades do RN?

  9. Medeiros disse:

    Por que no interior do estado e nos estados vizinhos os combustíveis são mais baratos do que em Natal e na região Metropolitana?

  10. RMD disse:

    Faltou um dado Básico…
    Para se chegar a esses percentuais, qual foi o preço do litro de gasolina que o sindicato pegou como referência???

  11. Felipe disse:

    A PB cobra o mesmo valor de ICMS, pq la é beeemm mais barato?

  12. Osmar Souza disse:

    Em João Pessoa, o litro da gasolina custa R$ 4,65, sendo que na PB, o ICMS também é de 29%. Acredito que o frete de Guamaré para João Pessoa seja mais caro. A nota explica, mas não justifica.

Petrobras eleva preço do diesel em 4% e da gasolina em 5% nas refinarias a partir de terça-feira

Foto: Reuters

A Petrobras informou nesta segunda-feira que elevará em 4% o preço médio do diesel em suas refinarias e em 5% o da gasolina a partir desta terça-feira, em meio a uma alta do petróleo nas últimas semanas e uma desvalorização do real frente ao dólar nos últimos dias.

A nova alta no preço dos combustíveis foi a segunda anunciada em duas semanas. No dia 15 deste mês, a Petrobras anunciou que o preço do diesel seria reajustado em 4%, e o da gasolina em 3% a partir do dia seguinte.

Com a alta de 4%, o preço médio do diesel, o combustível mais vendido do Brasil, passará a ser de R$ 2,02 por litro. No acumulado do ano, a redução do valor é de 13,2%, segundo informou a Petrobras.

Já o preço médio da gasolina da Petrobras para as distribuidoras será de R$ 1,84 por litro, acumulando no ano redução de 4,1%.

Apesar da alta das cotações dos combustíveis da Petrobras na terça-feira, especialistas apontam a permanência de uma defasagem ante a paridade de importação.

— Faz cerca de três semanas que a Petrobras trabalha com defasagem de mais de 10 centavos em relação ao mercado internacional e segue bem próxima a esse nível mesmo com o ajuste de hoje — afirmou à Reuters o chefe da área de óleo e gás da consultoria INTL FCStone, Thadeu Silva.

— O ajuste atual foi menos da metade do necessário para termos paridade de importação”, acrescentou Silva, comentando que tem havido atrasos nos repasses da alta do petróleo para os combustíveis da Petrobras.

O presidente da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo, também ressaltou a defasagem nos preços ante ao mercado externo e frisou que “as importações por agentes privados continuam inviabilizadas”.

A Petrobras defende que seus preços seguem a chamada paridade de importação, impactada por fatores como as cotações internacionais do petróleo e o câmbio.

O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antidemagogia disse:

    O preço da gasolina tá variado de acordo com o valor do dólar e do brent. A Petrobras vende uma gasolina de maior valor agregado, lucrando mais nessas altas. No mais, toda petroleira no mundo tá cheio de contrato amarrado em dólar mesmo. Agora, bom é fazer demagogia, vendendo gasolina com prejuízo a 'três reais', para quebrar a empresa e os acionistas, inclusive quem pegou todo o seu FGTS para comprar suas ações. Gasolina eu queria é encher o tanque com um centavo, como foi na Venezuela… literalmente… e deu no que deu.

  2. João deixem o Brasil urgente disse:

    EU QUERO E QUE DÊ VINTE REAUS KKKKK NUNCA VI POBRE ANDAR DE CARRO

  3. Japiense disse:

    Se fizer arminha com a mão no posto tem desconto ?

  4. JUMENTÃO disse:

    Bozonaro é corrupto. Tomemos peia no bolso. E se reclamar, vai ter mais aumentos.

  5. Manoel disse:

    Faz arminha gado fascista!
    Muuuuummmmmm

  6. Gustavo disse:

    Oh governo bom!

  7. AVELINO disse:

    SEI NÃO, MAIS QUEM MANDA NESSE AUMENTO DE PREÇOS DOS COMBUSTIVEIS? PRESIDENTE BOLSONARO SOMOS PRODUTORES, DÊ UM BASTA NESSA ORGANIZAÇÃO SEBOSA E COMUNISTA QUE QUER ESTRAGAR O SEU GOVERNO.

  8. ZéGado disse:

    Eu quero que dê R$ 15 o litro.

  9. Edson Oliveira disse:

    Ninguém reclama, viva Bolsonaro…

  10. Joao disse:

    A culpa é do petê. Rumo aos dez paus o litro.

    • Maria disse:

      Saudade de gasolina menos de três reais, a Petrobras faz feliz seus acionistas e infeliz o brasileiro, que política de preço é essa? Saudades dobPT

    • Brasil disse:

      Analfabeto, seu líder ladrao do maior roubo da história da humanidade Lula, esse verme deveria estar preso , ou melhor você mamador dos cofres públicos, se mude para o paraíso Venezuela ou Cuba 🇨🇺 👍

    • George Amaral disse:

      O aumento de preços independe do PT ou de Bolsonaro. O roubo da Petrobras foi obra do PT juntamente com os políticos que hoje estão do lado de Bolsonaro. E o PT e Bolsonaro e seus cúmplices comuns vão muito bem.

    • Direita radical disse:

      Já esqueceu que foi a facção PT quem destruiu a Petrobrás? Tá com saudade das roubalheiras? ACABOU!!!
      #PTNuncaMais

Preço de vacina para covid-19 para uso emergencial no Brasil não será regulado

Foto: © Reuters/Imago Imagens/Direitos reservados

As vacinas para covid-19 que tiverem autorização para uso emergencial no Brasil não terão o preço avaliado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). A Resolução nº 6/2020, assinada pelo secretário-executivo do órgão, Romilson de Almeida Volotão, foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (23).

“As vacinas contra a covid-19 decorrentes de autorização temporária de uso emergencial destinadas ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do surto do novo coronavírus (SARS-CoV-2) não serão objeto de análise da CMED, dado seu caráter experimental”, diz a resolução.

Por enquanto, nenhuma das quatro farmacêuticas com vacinas na fase de testes final no Brasil – a da Universidade Oxford em parceria com a AstraZeneca, a do Instituto Butantan, a da Pfizer com a BioNTech e a da Johnson & Johnson – pediram autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial dos imunizantes no Brasil.

Prazo

De acordo com o texto, o prazo para análise dos documentos informativos de preço (DIPs) será de no máximo 90 dias, conforme determina o Comunicado nº 10, de 10 de agosto de 2016.

No caso das vacinas destinadas ao atendimento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o novo coronavírus, do Ministério da Saúde, ou à venda para órgãos da União, ou de qualquer dos entes subnacionais, assim que for protocolado o DIP referente ao pedido de precificação, a empresa farmacêutica solicitante já poderá comercializar a vacina pelo preço proposto, até a decisão final da câmara de regulação.

Agência Brasil

Anvisa reduz em R$ 9,2 milhões preço do remédio mais caro do mundo, indicado para tratamento de Atrofia Muscular Espinhal

Bebê com AME, Helena sobreviveu à covid e luta por remédio – (crédito: Arquivo pessoal)

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão do governo federal responsável pela definição dos preços máximos de comercialização de um medicamento no país, estipulou em R$ 2,878 milhões o valor máximo para venda do Zolgensma – conhecido como o remédio o mais caro do mundo e indicado para tratamento de Atrofia Muscular Espinhal (AME). Isso significa uma redução de 76,6% no valor que a droga é comercializada atualmente (cerca de R$ 12 milhões).

O Zolgensma é uma terapia gênica inédita e pertence ao laboratório Novartis. É vendido nos Estados Unidos por US$ 2,125 milhões. A decisão da CMED foi tomada por unanimidade na última sexta-feira (4), em uma reunião extraordinária do comitê técnico executivo e foi divulgada na segunda-feira (7) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A reunião teve a participação de representantes da Casa Civil e dos Ministérios da Saúde, da Economia e de Justiça. A partir de agora, o medicamento já pode ser comercializado no Brasil, mas a Novartis ainda pode recorrer da decisão.

A AME é uma doença genética rara, degenerativa e progressiva. Os pacientes com a doença nascem sem o gene SMN1, responsável pela produção de uma proteína que alimenta os neurônios motores, que enviam os impulsos elétricos do cérebro para os músculos. Sem essa proteína, ocorre a perda progressiva da função muscular e as consequentes atrofia e paralisação dos músculos, afetando a respiração, a deglutição, a fala e a capacidade de andar. Sem tratamento adequado, a AME pode levar à morte antes dos dois anos de idade.

O ineditismo do Zolgensma é que, apesar do alto custo, ele é aplicado em uma única infusão venosa. O remédio fornece ao paciente uma cópia sintética do gene SMN1, fazendo com que o corpo da criança passe a produzir essa proteína. Por conta do alto custo do medicamento, muitas famílias que recebem o diagnóstico de AME fazem campanhas nas redes sociais para tentar arrecadar o valor necessário para compra do remédio. Outras entram com ações na Justiça para obrigar o governo a comprar e fornecer a droga.

Pelo menos seis famílias conseguiram na Justiça que o governo fornecesse o Zolgensma. São as bebês Marina Macedo Lima Ciminelli, Maria Lúcia Salazar Luiz PereiraeKyara Lis, de Brasília; os bebês Arthur Belo e Emily Pio dos Santos, de São Paulo e a bebê Julia Cardoso Torres, do Rio Grande do Sul. Todos já receberam a medicação, com exceção de Emily. Segundo a advogada Graziela Costa, que representa a família de Emily na ação judicial, a compra do medicamento já foi realizada e o remédio deve chegar ao Brasil nesta sexta-feira (11).

Para Graziela, que representa dez famílias que entraram com ações judiciais contra o governo federal para fornecimento do Zolgensma, a decisão da CMED é muito importante por estabelecer um preço mais justo para a medicação. “Na minha opinião, o preço do remédio tem de ser reduzido o máximo possível, dentro da realidade econômica do país. Com esse valor, a CMED levanta uma discussão muito importante de o quanto vale a vida, pois quem tem AME tem pressa”, afirmou.

A precificação do valor máximo do medicamento é fundamental para que haja uma discussão se ele será ou não fornecido pelo SUS. Hoje em dia, o SUS fornece o medicamentoSpinraza, do laboratórioBiogen, para o tratamento de AME. O Spinraza também é um medicamento de alto custo e é uma terapia de uso contínuo e não dose única, é ministrado por meio da aplicação de seis doses no primeiro ano e três doses por ano pelo resto da vida do paciente ao custo aproximado de R$ 145 mil reais cada dose. Atua no gene SMN2, fazendo com que ele aumente a produção da proteína responsável por alimentar os neurônios motores. “O valor do Zolgensmacom um custo menor facilita a entrada desse medicamento no rol do SUS. A criança nascendo com AME, sendo diagnosticada e tendo direito a um tratamento com o Zolgensma, terá uma vida muito melhor”, afirmou a advogada Graziela.

Em nota, a Novartis, informou que recorreu da decisão. “A companhia reitera o seu compromisso com o Brasil e toda a comunidade de AME no país, e está trabalhando incansavelmente para superar desafios técnicos, investindo na construção em conjunto de soluções que tornem o acesso ao Zolgensma mais sustentável e abrangente à população, respeitando sempre as legislações locais e em um diálogo aberto e transparente com os órgãos responsáveis”, informou a empresa.

Época

 

“Pessoal tem reclamado dos preços dos alimentos, tem subido, sim, além do normal. Também é uma consequência do ‘fique em casa’, que quase quebrou a economia”, diz Bolsonaro

Foto: Reprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta segunda-feira (23), que uma das consequências do isolamento social, por conta da pandemia do novo coronavírus, foi a alta no preço dos alimentos.

Cercado de apoiadores e seguranças, o presidente reconheceu o aumento de preços, mas disse que a responsabilidade não é dele. “Pessoal tem reclamado dos preços dos alimentos, tem subido, sim, além do normal. Também é uma consequência do ‘fique em casa’, que quase quebrou a economia”, destacou.

“Então tem muita coisa errada, sabemos disso, mas a responsabilidade tem que ser apontada para quem é de direito. Todo mundo aponta para mim essa questão dos alimentos, estou fazendo o possível para voltar à normalidade”, explicou o presidente.

“Se não tivesse feito aquelas medidas lá atrás, para ajudar pequenas e micro empresas, auxílio emergencial, estaria terrível aqui no Brasil”. (Jair Bolsonaro).

Bolsonaro disse que a população, às vezes, se “esquece” do período da pandemia, e destacou que o governo se endividou em quase R$ 700 bilhões para tomar medidas. Além disso, o presidente respondeu às críticas sobre o agronegócio ter que priorizar o mercado interno.

“Passam a criticar o tempo todo o agronegócio, falando que tem que vender aqui para dentro e não para fora do país. E olha a soja, ela tem que ser toda exportada, não tem como ser consumido tudo aqui dentro. E outra coisa, eu sou da lei da livre iniciativa, oferta e procura, e o mercado é quem diz se vai ser vendido aqui ou lá fora”, defendeu.

Bolsonaro disse que sofre “o tempo todo com mentiras, tentando desgastar o governo” e críticou a oposição. “Ao invés da esquerdalha mostrar o que fizeram no passado, não vão mostrar, porque só roubaram, não adianta mostrar. Então tem que caluniar os outros”, afirmou.

“E mais, o governo federal, com as medidas que tomou, evitou algo muito pior do que o aumento de alguns alimentos. Que foi o que? Desabastecimento. Se o campo tivesse ficado em casa, não teríamos comida aqui, o Brasil estaria pegando fogo. É isso que a esquerda quer, que o Brasil pegue fogo para dizer que eles são os salvadores da pátria”, emendou.

Desmatamento e queimadas

Bolsonaro ressaltou aos seus apoiadores um vídeo, postado em suas redes sociais nesta manhã, que mostra como é tratado o agronegócio no Brasil. “Para mostrar que não é da forma que dizem que nós tratamos, de forma mentirosa falam que nós tacamos fogo em tudo. Nós não plantamos na Amazônia e criticam a derrubada (de árvores). Então, são críticas infundadas e tem objetivo comercial”, defendeu.

O Chefe do Executivo ainda voltou a criticar a hipocrisia dos países que exigem maior compromisso no combate aos crimes ambientais. “Pergunta na Europa o que é mata ciliar. Não tem um palmo de mata na margem dos rios. Ninguém tem um código rural como o nosso. Aqui o produtor rural é obrigado a preservar, na região da Amazônia, 80% da floresta”, explicou Bolsonaro.

“O que o mundo vê na Amazônia? A floresta? Se for a floresta, nós estamos prontos para fornecer mudas para eles reflorestarem seus países. E por que tanta crítica ao Brasil? É por causa do comércio, do agronegócio. Somos uma potência em exportação de commodities e eles querem que cada vez mais nós produzamos menos, para não prejudicar seus mercados lá fora”, afirmou.

Ele ainda voltou a defender a técnica não comprovada de combate as queimadas, de usar o gado como forma de evitar a propagação de incêndios. “Você vê o fogo no Pantanal. No passado, podia deixar o boi comer o capim na área preservada, hoje não. Então acumula uma massa vegetal morta muito grande, quando vem o fogo ele incendeia e o negócio vira uma barbaridade”, disse.

Para Bolsonaro, o que falta é compreensão da população, que não tem o conhecimento das coisas. “Passaram aí 30 anos com Paulo Freire, só aprendendo abobrinha, sabem nada, nem uma tabuada sabem, e querem dar palpite sobre economia”, diagnosticou.

Sobre as notícias de que o agronegócio vendeu para fora do País por preços mais baratos do que os comercializados dentro do Brasil, Bolsonaro disse que isso é “tão absurdo que dá nem para comentar”.

Demarcação de terras indígenas

Bolsonaro voltou a defender o uso de terras demarcadas para exploração e ressaltou que o assuntos, que antes era um pesadelo para o produtor rural, agora é algo que “tem que estar muito bem explicado” para acontecer em seu governo.

“Dá para imaginar a pressão que eu sofro fora do Brasil? No passado, quando um governo, o presidente viajava, ao voltar, no Diário Oficial, tinha lá tudo quanto é demarcação de terra indígena, ampliação de parque e reserva, o que cada vez mais inviabilizava nossa agricultura, agora inverteu completamente isso”, disse.

“Qual era o grande temor do agricultor, falando aí em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás? Era acordar e saber que a sua terra estava sendo demarcada. No meu governo, você ouviu alguma coisa sobre isso?” (Jair Bolsonaro)

Bolsonaro continuou a defender as mudanças impostas pelo governo e deu também como exemplo a educação. “Não é fácil mudar. Você não vê mais coisa errada em sala de aula, você não vê livro editado por nós ensinando a criancinha o que você não quer que ela aprenda. Temos na educação um ministro que é competente e é pastor, alguém poderia imaginar?”, ressaltou.

“Eu não quero que falem bem do Brasil, eu quero que falem a verdade”, encerrou.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    O aumento de preço dos alimentos ocorreu no mundo todo, o que aconteceu, a produção por causa da pandemia caiu e o consumo aumentou devido até mesmo ao auxílio emergencial que deu condições de uma melhor alimentação para àqueles que estão na extrema pobreza, favorecidos no mundo todo.
    Talvez muitos não conheçam mas é a famosa lei da oferta e da procura, mais oferta = preço baixo, mais procura = aumento de preço.
    O Bolsonaro já baixou taxas e encomendou importação de alimentos.
    Daqui a pouco irão culpar o Bolsonaro por chover, por fazer sol, por escurecer.

  2. Beto Araújo disse:

    É um "verdadeiro" farsante! E os idiotas ladrando.

  3. Santos disse:

    Mente bem pouquinho.

  4. Roberto disse:

    Quando a esquerda critica o véio Bolsonaro,é porque ele está fazendo a coisa certa,e a esquerda vendo o poder cada dia mais impossível.Em 2022 vai ser no 1º turno.Chora Petralhada !!!!

  5. Radi disse:

    Não foi por falta de aviso.
    O véi duro avisou, chamaram de doído, maluco de genocida, do diado que o parta.
    Agora aguente.
    O véi duro da gota serena.
    É melhor JAIR se acustumando.
    Não acreditaram, agora peguem, vão comer a corda da globo lixo e o anão João Doria que da nisso.
    Se mesmo assim a petezada tiverem achando ruim, vão pra Argentina.

  6. PEDRO VERDADEIRO. disse:

    Manoel veja se compra na feira do alecrim algo para colocar no seu cérebro, é facil, todo sábado tem, lá só não vendem aquilo que tem muito na cabeça de camarão e sai pela porção terminal do cólon intestinal, outra, vcs falarem em mentira, isso é pegajoso, leiam, basta isso, o próprio nove dedos mentindo e sorrindo, falando que mentia, seus ex amigos ainda estão vivos, principalmente um médico chamado Palocci, vivia com ele, cheirava ele, idolatrava, babava, comia no mesmo prato, uma vergonha. Pedro Barusco…., não façam nada comigo kkkkk que devolvo 100 milhões de DOLARES, tem horas que da pena ler o que vcs da esquerda escrevem, menino burro, a guerra fria já passou, a união soviética acabou, Cuba acabou, Venezuela idem, até a China vermelhinha já abandonou aqueles preceitos maquiavélicos, acorda jumento, estamos em 2020, seu partido lascado, sem credibilidade, o chefão numa mansão, JANJA colocando o café dele, aí sim é sabida, vcs não passam de uns abestalhado sem Horizonte.

  7. Bolsonarista Binário disse:

    O Brasil passa por uma crise de confiança, quem terá coragem de investir em um país que navega sem rumo? daí o dólar a quase 6 reais e a fuga de capitais. O presidente mais uma vez é desonesto tentando imputar a culpa em terceiros e ñ em sua incompetência.

  8. Calígula disse:

    Hô Véio Bom, Hô presidente trabalhador é Jair Bolsonaro.
    Mito 2022

  9. Antonio Turci disse:

    Pessoal, relações econômicas internacionais não algo simples. São muitas ementos que interferem no processo, inclusive variáveis exógenas. Não adiante culpar o Presidente nem chamar pessoas de gado. O presidente, ao optar pela manutenção das atividades econômicas concomitante aos cuidados com a pademia, mediante o isolamente vertical, estava querendo evitar o pior. Um país com a economia quebrada jamais terá forças para bancar a saúde pública. Elementar!

    • Maria Fofoca disse:

      Qual é a causa de o real ter sido umas das moedas que mais se desvalorização frente ao dólar?

  10. Webrevenger disse:

    Cadê o gado para defender seu boiadeiro de estimação? Muuuuu

  11. Greg disse:

    CONVERSA PRO GADO ACREDITAR (E A MÍDIA COMPRADA)

  12. Lucis disse:

    Esse cidadão quer que a população brasileira seja extinta do planeta?
    Vai negar também que no Brasil não tem corona?

  13. O Rei da Bravata disse:

    Com o dolár a quase 6 reais, a China vende uma geladeira e leva uma carrada de soja, milho, arroz e ainda sobra umas pratinhas, e olha que a ultima safra foi grande. O Brasil, um dos maiores produtores de grãos, agora tem que importar em uma tentativa de freiar os preços. Mas nosso querido presidente em vez de trabalhar prefere viver de picuinha e terceirizar a culpa pela alta dos alimentos.

  14. Manoel disse:

    Falou o mentiroso.
    Nao seria por causa do valor estratosférico do Dólar o qual os alimentos está atrelados?

  15. Bozó disse:

    QUAL É A LÓGICA???
    SAFRA RECORDE NO ANO 2020… E A CULPA É DO #FICAEMCASA???

    A FOSSA ABRIU NO PLANALTO

Reajuste da Potigás e alto preço registrado no leilão da ANP para o biodiesel devem elevar preços do GNV e do diesel nas bombas do RN

Nos últimos dias de outubro, dois fatos ligados ao mercado de combustíveis sinalizam que, em breve, o consumidor potiguar deve ser impactado com aumentos de preços de dois produtos de grande procura nos postos: o GNV (Gás Natural Veicular) e o Diesel (que, entre outras coisas, abastece os caminhões, responsáveis por 70% da matriz de transportes do país).

Primeiro foi a vez do leilão de biodiesel, realizado pela Agência Nacional de Petróleo na penúltima semana do mês. Nele, o litro do biodiesel (retirado da soja e que é obrigatoriamente misturado ao diesel comercializado no país, na razão de 11% do volume total) foi cotado a R$ 5,5806. O valor representa uma alta de 105,7% sobre o preço praticado no leilão de maio.

O principal motivador do reajuste foi a tentativa de estimular os produtores de soja a apostar no biodiesel mesmo diante da forte alta da cotação do grão no mercado internacional.

Segundo cálculos da própria ANP, o novo preço do biodiesel, quando começar a ser praticado (o que deve ocorrer nos próximos dias), irá representar uma majoração de quase R$ 0,36 por litro de diesel nas bombas (lembrando que cada litro de diesel puro recebe 11% de biodiesel, obrigatoriamente, por Lei).

Outro movimento recente que deve ser sentido em breve pelos consumidores nas bombas é o aumento de R$ 0,3587 por metro cúbico de GNV feito pela Potigás (distribuidora de gás do RN) na semana passada. O valor representa uma alta de quase 16,5% no preço praticado pela empresa distribuidora junto às revendas. Com isso, o preço médio do metro cúbico de GNV nas bombas do RN, que hoje varia de R$ 3,21 a R$ 3,29 poderá se aproximar dos R$ 3,60.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dr. Veneno disse:

    Absurdo esse reajuste do GNV, q é queimado a torto e a direito nas labaredas por aí a fora.
    Deveria chegar R$ 1,50 /m3 pra tentar estimular o desenvolvimento.

  2. Gustavo disse:

    Saudade de FHC
    gasolina 1,76
    Dolar 1,00
    Gás de cozinha 28,00

    • Santos disse:

      No início do real, salvo engano o dolar era menos de R$0,80.
      O posto Ipiranga e seu acéfalo está cuidando de transformar o Brasil, num país do plano cruzado de José Sarney.

  3. Jailson disse:

    Saudade de Lula e Dilma.
    Dólar 1,80
    Gasolina 2,80
    Gás 40,00
    Desemprego na mínima histórica.
    Todo mundo ganhava dinheiro, não só os empresários como é atualmente.

    • Jr disse:

      Kkkkkk perau meu patrão. Só os empresários não ganhava dinheiro? Eles era o q mais ganhavam e o Lula e os ricos desse país TB. Votei em lula contra serra, mas fechar os olhos pra o erro aí vc se torna igual a ele. Na verdade, estamos lascados pq quem merece lula, Dilma, temer e Bolsonaro ?

    • Ju disse:

      Tá esperando o que pra ir pra Venezuela??

    • Marcos Benício disse:

      Discurso medíocre dessa "Ju"!

    • Santos disse:

      Jailson, percebeu a dificuldade de Jr e Ju entender o que vc escreveu?
      Na vdd, não entenderam nada.
      Jesus!
      kkkkkkkkkkkk

Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz

Foto: Jair Bolsonaro/Facebook

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse nessa quinta-feira (29) que o preço do arroz poderá ser reduzido com a chegada da nova safra, em janeiro. A ministra participou da live do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais e explicou as medidas que foram tomadas para conter o preço do produto nas prateleiras dos supermercados.

Tereza Cristina explicou que a pandemia da covid-19 desequilibrou o mercado de grãos em todo o mundo. Segundo a ministra, a pandemia provocou aumento no consumo do produto pelos brasileiros e o preço aumentou. Para conter o aumento, o Brasil autorizou a importação da Guiana e do Paraguai para equilibrar o mercado.

“No mundo houve um desequilíbrio em vários preços dos produtos das commodities. O arroz foi um desses. Nós passamos a comer mais arroz, o auxílio emergencial fez também o aumento dessa demanda. Nós, em setembro, tiramos o imposto de importação, ele parou de subir e hoje tem ligeira queda. Vamos ter nova sofra chegando em janeiro e os preços vão reduzir”, afirmou a ministra.

Plano Safra

A ministra também informou que todos os recursos previstos no Plano Safra deste ano foram contratados e estão sendo investidos pelo setor agrícola, por exemplo, na construção de instalações para produção de aves, suínos e confinamento de gado.

“O Plano Safra foi um sucesso e hoje nós temos um bom problema, porque o dinheiro de investimento já terminou praticamente”.

A ministra disse ainda que os recursos do plano também estão sendo utilizados na agricultura familiar. Além disso, vários títulos de regularização de terras já foram entregues para produtores rurais que fazem parte do programa.

“Nós estamos trabalhando para fazer assistência técnica, e o dinheiro do Plano Safra foi muito maior para esse público da pequena agricultura”.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gado chicoteado disse:

    Com dólar a 6 Bostanaros, duvido baixar.

  2. Santos disse:

    A palavra "pode" é a estratégia.
    Com do dolar comercial a R$5,80 é bem capaz do produtor deixar de exportar e vender pro mercado interno.
    Gostei da piada!
    kkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Maria Fofoca - Mãe de Nhonho & Esposa do Sr. Barriga disse:

    A cada besteira que esse governo fala, escreve, eu fico imaginando aonde o gado 🐄 tenta enfiar a cara… Parece um hospício.

Petrobras reduz preço do diesel em 4% e o da gasolina em 5%

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Petrobras informou nesta segunda-feira redução do preço médio do diesel em 4% nas refinarias, enquanto a cotação da gasolina cairá 5%, a partir de terça-feira.

Para a gasolina, foi a segunda redução em outubro, após queda anunciada em meados do mês, quando o diesel ficou estável.

Época Negócios

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eleição disse:

    Amém!!

Com incentivo à importação, preço do arroz deve cair já nas próximas semanas, informa Companhia Nacional de Abastecimento(Conab)

(Foto: Kay Rentscler)

A decisão do governo brasileiro de liberar uma cota 400 mil toneladas para a importação de arroz livre de tarifas deve criar um novo teto para a cotação máxima do grão no mercado interno, cujos preços atingiram patamares recordes este mês.

De acordo com o diretor presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Guilherme Bastos, a instituição acredita que a isenção gerará efeitos sobre o mercado brasileiro no curto prazo, mas sem comprometer as margens dos produtores.

“Acreditamos que a isenção da Tarifa Externa Comum (TEC) será precificada pelo mercado no curto prazo e que as cotações sigam uma trajetória de estabilidade com tendência de queda nas próximas semanas”, apontou Bastos.

Segundo ele, as indústrias beneficiadoras já têm buscado o grão importado mesmo com tarifas de 10% para o produto em casca e 12% sobre o valor do beneficiado, pois os preços no mercado interno já ultrapassam a paridade de importação dos principais países exportadores.

“Por fim, estimamos que, mesmo com alívio das cotações, os preços ainda devem se manter remuneradores e trazer de volta uma margem de lucratividade aos produtores de arroz”, concluiu o presidente da Conab.

O órgão manteve sua previsão para a próxima safra, a ser colhida em março de 2021, de um aumento de área de 12%, para 1,9 milhão de hectares, e de produção 7,2% maior, avaliada em 12 milhões de toneladas.

Para 2019/2020, cuja colheita ocorreu no início deste ano, o órgão manteve sua previsão de exportação em 1,5 milhão de toneladas, volume 10% superior ao registrado na temporada anterior.

Em relação às importações, a Conab elevou suas projeções em 20 mil toneladas, para um total de 120 mil toneladas, o que representa queda de 19,8% ante o registrado em 2018/19. Com isso, a previsão é de que a balança comercial na safra 2019/20 encerre o período com um superávit de cerca de 400 mil toneladas.

“No acumulado desta safra [2019/2020], de março a agosto, já se contabiliza superávit de 883,2 mil toneladas. Para os próximos meses, é esperada a importação de cerca de 671,6 mil toneladas a exportação de apenas 188,4 mil toneladas”, aponta o boletim divulgado nesta quinta-feira (10/9) pela Conab.

Globo Rural

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. eu disse:

    isso vai ser igual a redução da gasolina, nao chega nunca.

  2. Gato Guerreiro disse:

    Lição do He-Man:
    Na história de hoje, vimos que Esqueleto e seus capangas, tentaram substituir as informações decorrentes de trilhões de trocas voluntárias por um tabelamento de preços, câmbio e juros. Só que é impossível governos renunirem e estabelcerem modelos preditivos capazes de antecipar como vai ser comportar a oferta e a demanda, e por efeito, estipular os preços justos. A consequência de medidas como essas sempre foi escassez e desabatecimento. A História mostra que medidas como congelamento têm mais de dois mil anos de fracasso. Desde Diocleciano, até Maduro, e, pelo visto, por também nossos vizinhos meridionais. É isso aí, amiguinhos…. ESCOVEM OS DENTES, RESPEITEM OS MAIS VELHOS, MANDE SOCIALISTAS PARA PQP E ATÉ
    O PRÓXIMO EPISÓDIO.

  3. Francisco disse:

    Pq venderiam para o Brasil se tem preços melhores em dolar no exterior? Tem que controlar o câmbio! O agronegócio (soja, café e milho) só visa dolar. É preciso investir na agricultura familiar que coloca mais de 75% dos alimentos em nossa mesa.

    • LULA NUNCA ROUBOU..... disse:

      DEVERIA CRIAR UMA LEI QUE SÓ PERMITISSE A VENDA PARA FORA, APOS ABASTECER SUPRIR A DEMANDA INTERNA….

    • Gato Guerreiro disse:

      O agronegócio traz bilhões de dólares para o Brasil. É das poucas coisas que se salva;
      ainda mais com sucessivos governos distruindo a manufatura.

    • Gato Guerreiro disse:

      A demanda interna está satisfeita. Agora se vc quer um burocrata em Brasilia fixando qual deve ser o preço justo, sinto informar que isso é inviável.

Enquanto em Natal o valor da cesta básica registra aumento, preço cai em junho em 10 capitais

Foto: © Tânia Rêgo/Agência Brasil

O valor da cesta básica caiu em junho, em 10 das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Segundo levantamento divulgado hoje (6), a maior redução foi no Rio de Janeiro (8,23%), onde o conjunto de itens básicos ficou em R$ 512, 84. Em 12 meses, a cesta básica ainda acumula alta de 2,84% na capital fluminense.

Aracaju apresentou a maior alta no mês passado, 4,97%. No acumulado de janeiro a junho, os itens pesquisados pelo Dieese registram aumento de 19,34% e. em 12 meses, os preços subiram 9,6%. A cesta básica ficou mais cara também em Campo Grande (4,32%), Fortaleza (2,01%), Belém (0,11%), Brasília (2,12%), Natal (3%) e Salvador (2,16%).

A capital baiana tem a cesta mais barata do país (R$ 419,18).

Brasília é única das capitais pesquisadas que apresenta queda no valor da cesta básica em 12 meses, com retração de 0,98%. O conjunto de itens básicos custam R$ 450,45 na capital federal. No acumulado de janeiro a junho, a cesta registrou queda de 4,95% em Brasília.

São Paulo tem a cesta mais cara do país (R$ 547,03). Em junho, os produtos tiveram queda de 1,68%, mas nos últimos 12 meses a alta acumulada é de 9,04%.

O preço do tomate caiu em 15 cidades – em Vitória, a queda o valor foi de 55,89% e, no Rio de Janeiro, de 47,42%. A batata ficou mais barata em oito das dez capitais do Centro-Sul, com redução de 27,68% no preço médio no Rio de Janeiro e de 3,3% em São Paulo.

A ceta básica também ficou mais barata em junho em Florianópolis (1,35%), Porto Alegre (1,20%), Curitiba (4,75%), Vitória (6,84%), Goiânia (4,98%), Belo Horizonte (1,82%), Recife (3,58%) e João Pessoa (2,23%).

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Na nossa província, só comemos o que a elite dá. Basta ver os meios de comunicação de Rádio, TV, jornais e blogs.

  2. Ralph disse:

    Feijão, R$ 10,00;
    Queijo mussarela acima de R$ 30,00

    Parabéns ao Brasil.

  3. Teixeira disse:

    Os empresários do RN precisam ter vergonha na cara estão aumentando os preços se aproveitando do pobre consumidor, depois que criaram a quinta das frutas e verduras perderam a vergonha

Bolsonaro comunica que Conselho Nacional de Política Energética aprovou diretrizes de venda direta de etanol para baratear o preço dos combustíveis nas bombas

Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro comentou nesta quarta-feira (01 de julho) a aprovação de diretrizes pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para que o etanol possa ser vendido das usinas diretamente para os postos de combustíveis. “A venda direta de etanol pode proporcionar maior concorrência no setor e baratear o preço dos combustíveis nas bombas”, escreveu em publicação nas redes sociais.

Em junho, o CNPE aprovou resolução que define diretrizes para a comercialização, por produtor, de etanol hidratado combustível diretamente com revendedor varejista de combustíveis automotivos e transportador-revendedor-retalhista (TRR).

Atualmente, a norma da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estabelece que todo combustível deve passar por empresa distribuidora antes de chegar às bombas dos postos. Em diversas ocasiões, Bolsonaro já defendeu a venda direta como forma de reduzir os preços dos combustíveis. A aprovação da resolução pelo CNPE permitirá à ANP implementar as ações para a venda direta de etanol.

Um projeto de decreto legislativo para liberar a venda sem intermediários também está tramitando na Câmara dos Deputados. Ele foi aprovado pela Comissão de Minas e Energia no fim de 2019 e está sendo analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), para depois seguir para votação no plenário.

Agência Brasil

.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Eu sou potiguar, mas, morei por 26 anos em Maceió, onde ainda tenho varios amigos que trabalham e outros que trbalharam em usinas que produz etanol. Pasmem os Srs o litro vendido nas usinas as distribuidoras custa apenas R$ 1,54 centavos, isso é um assalto a nosso bolso quando pagamos na bomba até R$ 3,80 as distribuidora apenas emitem nota fiscal e nada mais, tem que acabar com esses atravessadores.

  2. João Barros disse:

    NÃO VAI ACONTECER REDUÇÃO.
    ESTAMOS NO BRASIL, PAÍS DE LADRÕES E GENTE RUIM.
    O QUE AS USINAS VÃO FAZER É FICAR COM A PARTE DAS DISTRIBUIDORAS PRA ELAS PRÓPRIAS.
    EM MAIO SAIU UMA DECISÃO MANDADO VENDER ETANOL PARA OS POSTOS DO RN, PI E GO. AÍ O QUE OCORREU É QUE AS USINAS DEIXARAM SEUS PREÇOS CINCO CENTAVOS MAIS BARATOS DO QUE OS PREÇOS DAS DISTRIBUIDORAS, QUANDO NA VERDADE DEVERIA SER 50 CENTAVOS.
    ESPERO QUE NÃO LIBEREM POIS VAMOS SER ROUBADOS DUPLAMENTE, NO PREÇO E NA QUALIDADE DO PRODUTO.

  3. Bolsomito disse:

    Grande Presidente Bolsonaro.

  4. Alan Hudson disse:

    Agora é ficar na torcida para que haja uma queda real nas bombas

  5. Dr. Veneno disse:

    Esse é um anseio dos produtores, q vêem as distribuidoras regularem o preço do etanol pra população, ao léu, sem produzirem 1 pé de cana sequer.
    A população aguarda uma redução para casa dos R$ 2,80 por litro, como se dera no meio da pandemia.

  6. Bolsonaro RN disse:

    Coisa boa, ninguém comenta, fosse notícias petralhadas estavam todos comentando, é mais 4 aninhos.

Petrobras reduz preço da gasolina em 15% a partir desta quarta-feira

Foto: Diego Vara / Reuters

A Petrobras anunciou que vai reduzir em 15% o preço da gasolina em suas refinarias a partir desta quarta-feira, dia 15. Em relação ao óleo diesel, não haverá alteração.

A decisão da estatal vem na esteira da forte desvalorização que o petróleo vem apresentando no mercado internacional. No início do ano, ele era negociado a US$ 66,36. Na última segunda, fechou a 27,59. No ano, a desvalorização da commodity é de 58,7%.

Impacto: Petroleiras devem reduzir investimentos em 30% por coronavírus e queda no preço do petróleo

Este cenário de perdas no preço do petróleo é reflexo da pandemia de coronavírus e seus efeitos na economia.

A China, segunda maior economia do mundo e epicentro dos casos de Covid-19, viu sua atividade industrial ser encolhida drasticamente nas últimas semanas por conta de paralisações e medidas de contenção para impedir o avanço da doença. Isso fez com que a demanda pela commodity diminuísse.

Socorro: Setor de serviços pede a governo para liberar suspensão temporária de contrato e saque de até 50% do FGTS

Mesmo com menos compradores, os países membros e associados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não chegaram a um acordo para reduzir a produção do produto. Com menos oferta, os preços poderiam ter quedas menos acentuadas.

Árabia Saudita e Rússia não chegaram a um acordo, e, como resposta à falta de entendimento, Riad resolveu determinar aumento de 25% em sua produção de petróleo. A medida empurrou mais ainda para baixo o preço da commodity.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Já imaginaram se o combustível estivesse barato? O Brasil já teria explodido de tanta sucata fumegante em sua estradas esburacadas. Se afrouxar a rédea a mundiça manda ver.

  2. Alessandro disse:

    Me corrijam se eu estiver enganado, mas somente no mês de março houve 3 grandes reduções… Por volta do dia 12 teve uma redução de 9,5%, semana passada teve redução de 12%, já hoje e anunciado mais 15%, só ai já se somam 36,5% de redução no mês de março…. Alguém ai viu essa redução?? Se muito reduziu foi 5% à 7%… Fico me perguntando onde estão os órgãos de fiscalização, pq não fazem nada?? Alô Ministério Público!!! Cadê vcs!?!?!?

  3. Torres disse:

    Só falta o preço chegar pra gente…
    Os donos de postos, estão deitando e rolando.

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Pelas reduções da Petrobras era pra tá nas bombas do RN gasolina a $ 3,99. Como não temos Procon e nem Ministério Público, a turma dos postos ficam a vontade

    • Gado Feliz disse:

      Pra q procon, MP?
      Queremos estado mínimo.
      O mercado mesmo se regula!!

  5. joão carlos disse:

    que bom, mais uma oportunidade de enricar os donos de posto e nós continuarmos pagando quase 5 reais…
    não existe procon nem MP nesse estado, máfia grande dos donos de posto, ANP passa longe

  6. Consumidor disse:

    Será se chega a nos consumidores? Esperamos que sim. Muita reza!!!

    • Silvio. disse:

      Chega não.
      Chegava em condições normais de mercado, mas hoje, não acredito
      O posto que vendia por exemplo, 10.000 mil litros de gasolina por dia, só ta vendendo 4.500 litros hoje.
      De maneira que se ele baixar, com as dispesas fixas que tem, baseadas na venda de 10.000 mil litros, dia ELE QUEBRA. O posto vai precisar de margem de lucro maior, pra trabalhar se não, repito QUEBRA.
      É MATEMÁTICA FINANCEIRA.
      NÃO VAI CHEGAR NO CONSUMIDOR NESSE PRIMEIRO MOMENTO.
      depois, pode ser que sim.
      Mas no momento vão ter cautela.

    • paulo disse:

      BG
      A quantidade de postos e superdimensionada, ai ninguém consegue atingir metas e o consumidor se ferra pagando preços acima do que deveria.

    • Dilermando disse:

      No sábado já tinham anunciado uma redução de 12%. Na quarta, mais 15% fora as outras reduções menores. E a redução na bomba foi em média de R$ 0,03. Duvido muito que essa redução chegue até nós…

    • Everton disse:

      Como é, posto de gasolina quebrando? É o apocalipse zumbi? Meu amigo, deixe de conversar lorota, o mercado é fechado, os preços praticados são parecidíssimos, e os funcionários ganham pouco.

      Cada um que aparece.

    • Felix disse:

      Ô Petralha Everton??
      E como vc acha que sai os preços das distribuidoras???
      Tu acha que sai muito diferente é???
      A igualdade, já sai de lá papa angu.
      Ou vc acha que tem muita disparidade??
      Os caras vão perder 50% do volume de vendas, tu acha que ainda vão baixar???
      O que ae mostrar e querer fazer graça QUEBRA, e matemática, não cobre as dispesas fixas, a não ser que mande todo mundo em pro olho da rua, ta certo meninão, desnorteado.

Preço da gasolina cai 9,5% e do diesel 6,5% nas refinarias a partir desta sexta

Foto: © Agência Brasil/Fernando Frazão

A crise econômica mundial causada pela pandemia do novo coronavírus e a disputa entre Rússia e Arábia Saudita sobre o nível de produção do petróleo fizeram baixar o preço dos combustíveis nas refinarias da Petrobras. Segundo a estatal, a gasolina teve redução de 9,5% e o diesel, de 6,5%. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (12).

Os novos preços estarão em vigor a partir desta sexta-feira (13) nas vendas às distribuidoras, mas os valores finais aos motoristas dependerão de cada posto, que acrescem impostos, taxas e custos com mão de obra. Além disso, o mercado brasileiro é baseado na livre concorrência, fazendo com que cada empresa cobre o que achar melhor, segundo explica a Petrobras.

“Os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre os riscos (como volatilidade do câmbio e dos preços).”

De acordo com pesquisa semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre os dias 1º e 7 de março, os preços médios ao consumidor no país, para a gasolina, era de R$ 4,531. Para o diesel, o preço médio era de R$ 3,661.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Kirally disse:

    os esquerdopatas não estão reclamando do governo federal, por quê?

  2. Antonio disse:

    Aqui no RN a Petrobrás pode baixar o preço da gasolina em 50% que os donos de postos faz é aumentar. Como sempre está acontecendo. De uma hora para outra os donos de postos subiram para 4,69 sem a Petrobrás subir na refinaria.

  3. Abc disse:

    O Procon serve pra que ?

  4. Torres disse:

    Tem um posto na BR 101 norte, antes da fábrica da vicunha, 4.25.

  5. Wladimir disse:

    Estou em João Pessoa neste momento, e acabei de abastecer de 3,99. Nosso RN é uma vergonha!

  6. Alex Varela disse:

    Como é que a gasolina estava R$ 4,25 e do nada vai pra R$ 4,66, aí aparece esse desconto, que se chegar nas bombas de postos os 9,5% vai ficar entre R$ 4,25/4,20, palhaçada pura, k norte riograndense é o povo mais rico do Brasil, porque tá escancarado que tem alguma coisa errada e ninguém faz nada

  7. Ana disse:

    Não baixa 1,00 na bomba. Fico besta.

  8. João Alfredo disse:

    Em João Pessoa o litro da gasolina fica entre R$ 4,19 a R$ 4,35. Em Recife varia entre R$ 4,29 a R$ 4,50. Já aqui em Natal o precinho está em R$ 4,64 a R$ 4,69. Só para registar o quanto estão arrecadando aqui com os combustíveis, nas costas dos consumidores.