Em processo criminal, Justiça Federal condena Carlos Augusto Rosado e George Olímpio

Foto: Reprodução

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte condenou, em processo criminal, George Anderson Olímpio da Silveira e Carlos Augusto de Sousa Rosado.

A denúncia recaiu sobre o fato de que o então senador José Agripino Maia teria, conjuntamente com Carlos Augusto de Sousa Rosado,  marido da futura governadora Rosalba Ciarlini, solicitado e recebido R$1.150.000,00 de George Olímpio. O valor seria destinado a “assegurar” a manutenção e execução de contrato de concessão de serviço público de inspeção veicular ambiental celebrado entre o consórcio INSPAR e o Estado do Rio Grande do Norte.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Processo criminal é julgado em 50 dias na JFRN

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte dá uma grande mostra de agilidade também nos processos criminais. Uma denúncia de contrabando de cigarros teve o seu trâmite e julgamento em apenas 50 dias (a contar do recebimento da denúncia). O caso aconteceu com uma denúncia de contrabando de cigarro e culminou com uma sentença condenando o réu a dois anos de reclusão, pena convertida em duas restritivas de direito com prestação de serviço a comunidade.

A sentença foi proferida pelo Juiz Federal Arnaldo Pereira de Andrade Segundo, da 14ª Vara Federal. O caso ocorreu com A.J.M. que foi preso com 350 pacotes de cigarros de procedência estrangeira. O magistrado analisou que a acusação feita poderia ser comparada ao crime de contrabando. Ele não acolheu o argumento apresentado pela defesa do “princípio de insignificância” para o delito. Na sentença, o magistrado analisou que a “insignificância” não se resume apenas ao valor do imposto sonegado, mas é preciso atentar para o interesse estatal em impedir a comercialização do processo, inclusive com o aspecto do prejuízo a saúde pública e a indústria nacional.

O Juiz Federal Arnaldo Pereira de Andrade Segundo também avaliou que não prosperaria a alegação do réu de que, apesar de conhecer a origem estrangeira dos cigarros, não sabia que sua venda era proibida. Ele chamou atenção que o réu já havia sido preso na cidade de Acari, flagrado também com carga de cigarro contrabandeada.

JFRN