Em processo criminal, Justiça Federal condena Carlos Augusto Rosado e George Olímpio

Foto: Reprodução

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte condenou, em processo criminal, George Anderson Olímpio da Silveira e Carlos Augusto de Sousa Rosado.

A denúncia recaiu sobre o fato de que o então senador José Agripino Maia teria, conjuntamente com Carlos Augusto de Sousa Rosado,  marido da futura governadora Rosalba Ciarlini, solicitado e recebido R$1.150.000,00 de George Olímpio. O valor seria destinado a “assegurar” a manutenção e execução de contrato de concessão de serviço público de inspeção veicular ambiental celebrado entre o consórcio INSPAR e o Estado do Rio Grande do Norte.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Sinal Fechado: George Olímpio será solto em instantes

O BG acaba de ser informado que a defesa do advogado George Olímpio já saiu do Fórum Desembargador Miguel Seabra com o alvará de soltura em mãos.

Nesse momento, os advogados do advogado (quase uma redundância) já estão em trânsito, a caminho do quartel do Comando Geral da Polícia Militar, para providenciar a soltura.

O comunicado oficial do Superior Tribunal Justiça (STJ) emitido para o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte determinando a soltura de George Olímpio chegou ao estado hoje. Desde ontem que o STJ já havia se posicionado favorável à soltura.

George Olímpio ainda não foi solto

Está na Tribuna do Norte. O comunicado oficial do Superior Tribunal Justiça (STJ) emitido para o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte determinando a soltura de George Olímpio chegou ao estado. A Justiça irá emitir o alvará de soltura de George Olímpio. Desde ontem (26) já havia a decisão do STJ favorável a Olímpio.

A expectativa é que ainda nesta tarde seja produzido pelo TJRN o oficio que determinará a soltura de George Olímpio, que está preso desde novembro do ano passado por suposto envolvimento em irregularidades no Detran do estado, investigadas pela operação Sinal Fechado.

George Olímpio segue no quartel do Comando Geral da Polícia Militar.

George Olímpio temia pela própria vida

O advogado George Olímpio temia pela própria vida. É o que garantiu o lobista Alcides Fernandes Barbosa durante delação premiada ao Ministério Público. O suposto conhecimento de George Olímpio sobre os bastidores do governo de Wilma de Faria seria, de acordo com Alcides, o motivo do temor por parte do ex-diretor-geral do Detran. A morte de um advogado dentro do próprio escritório, e que também tinha informações sobre o Governo Wilma, foi utilizada para justificar o possível receio de George Olímpio em permanecer mais tempo no Rio Grande do Norte.

Alcides Barbosa falou sobre medo da morte de George

No segundo dia de depoimento aos promotores de Defesa do Patrimônio Público, Alcides Barbosa explicou um trecho de interceptações telefônicas onde relatou o suposto medo de George Olímpio. “O George me disse que estava com muito medo porque disse que teve um advogado que foi assassinado – e eu não sei se é verdade – ele disse ‘esse rapaz que foi assassinado sabia muitas das coisas que eu sei'”, disse Alcides. Questionado acerca das informações que o advogado morto teria, Alcides confirmou: “Sobre o grupo da Wilma”. Porém, quando foi perguntado se George Olímpio teria dito que sabia da ligação do grupo político com o homicídio, Alcides foi enfático: “Não, não falou isso. Ele falou que esse cara (que morreu) sabia de muita coisa do grupo da Wilma”.

Alcides Barbosa disse que George Olímpio ia com frequência a Fortaleza e São Paulo, onde estaria trabalhando para abrir uma rede de restaurantes de comidas naturais. Contudo, disse que o temor devido ao assassinato do advogado dentro do escritório colaborou para que Olímpio estendesse o período fora de Natal. Em uma interceptação telefônica de diálogo entre Alcides e outro investigado na Operação Sinal Fechado, os promotores confirmaram com o lobista que esse temor de George Olímpio era comentado entre pessoas que participavam da suposta organização criminosa. O próprio advogado teria confirmado o medo a Alcides. “Falou pessoalmente”, garantiu o lobista.

Alcides Barbosa afirmou que George Olímpio teria dito que o advogado assassinado “não sabia nem a metade” do que ele mesmo tinha conhecimento e, por isso, temia ser alvo. “Ele (George) me disse ‘esse cara não sabia metade do que eu sei e mataram, então imagina o que vão fazer comigo'”, relembrou Alcides Barbosa.

Durante o depoimento, os promotores questionaram se Alcides Barbosa sabia o nome do advogado morto, mas o lobista disse que não sabia e também não tinha a informação se o homicídio realmente havia ocorrido.

Em 1º de junho de 2011, o advogado Anderson Miguel, réu do processo investigado pela Operação Hígia, foi assassinado a tiros dentro do próprio escritório de advocacia, em Lagoa Nova, zona Sul de Natal. O advogado havia relatado à Justiça parte do suposto esquema de fraudes em contratos do Governo do Estado com sua empresa, que prestava serviços gerais a secretarias do Executivo. As possíveis fraudes investigadas pela Polícia Federal ocorreram durante a gestão de Wilma de Faria.

Fonte: Tribuna do Norte

Sinal Fechado: George Olímpio nega pagamento de propina a José Agripino

Em nota divulgada agora há pouco, o advogado George Olímpio negou qualquer tipo de pagamento de propina ao senador José Agripino, presidente nacional do DEM e foi enfático ao dizer que tudo é mentira.

Pra quem não se lembra, Olímpio é réu no processo acusado de ser o mentor e principal articulador do esquema de fraudes e corrupção no processo de instalação do programa de inspeção veicular entre os anos de 2008 e 2010, através do Departamento de Trânsito (Detran), desbaratado pelo Ministério Público no dia 24 de novembro de 2011 através da Operação Sinal Fechado.

Ontem, o BG havia antecipado a informação do suposto pagamento de propina, que surgiu durante a análise do depoimento do empresário Alcides Fernandes, suposto lobista do esquema, após um acordo de delação premiada.

Segue a nota na íntegra

“Acerca das matérias veiculadas sobre o “Acordo de Delação Premiada” entre 0 Sr. Alcides Barbosa e 0 Ministerio Público do Rio Grande do Norte, me posiciono da seguinte maneira: 

1. Todas as declarações, inclusive as que imputa prátieas de corrupção a mim, ao Senador José Agripino Maia e outras pessoas, repito que são MENTIROSAS, desprovidas de provas concretas (justamente por serem devaneios de um Senhor em desespero) e se deram, única e exclusivamente para que 0 Sr. Alcides, conseguisse a liberdade de sua prisäo preventiva, ou ainda, pela quantidade de agentes políticos que aponta (sem uma única prova), talvez por cunho de perseguiçäo política, 0 que ja me foge à razäo. 

2. NÃO houve pagamento de propina ou mesmo promessa ao Senador José Agripino Maia ou qualquer outras pessoas, com ou sem a emissäo de cheques do Banco do Brasil ou de outra instituiçäo 
bancaria. 

3. É fato público que fui investigado por mais de 9 (nove) meses tendo meu sigilo bancário devassado pelo Ministério Público 0 qual continua a ter acesso aos meus dados e informaçöes de movimentaçâo bancária e nesse sentido, desafio 0 Ministério Público Estadual ou qualquer pessoa (inclusive 0 Sr. Alcides) a comprovar a emissäo de cheques, sua compensacäo ou sua entrega nara fins ilícitos ou mesmo lícito a qualquer político ou agente público, 0 que repito, näo passam de palavras de uma pessoa desesperada pela sua liberdade! 

4. Aqui no Estado do Rio Grande do Norté, no processo contendo denúncia  me acusa de fatos ilícitos, instalou-se um ESTADO TOTALITARIO, onde palavras jogadas ao vento säo tidas como verdadeiras, por si só, sem provas concretas, perigo e doença social ao que deveria ser um Estado Democrático de Direito, onde prevalecem, ou deveriam prevalecer, 0 devido processo legal e não o pré-julgamento sem base probatória, ou mesmo a condenaçäo  prévia! Nossa Constituiçäo condena tais práticas, faltam aos operadores do direito local a obediência à Lei maior e cabe à sociedade e à impressa a busca pela verdade e pelas provas que näo Vieram acompanhadas das declaraçöes do Sr. Alcides. 

5. Sou um jovem advogado e empresário próximo a completar 10 (DEZ) anos de carreira, que gerei emprego, renda e sempre paguei os impostos advindos das minhas atividades lícitas.

6. NUNCA recebi urn só centavo de dinheiro público, pois como já disse em minha entrevista, quem pagavam os registros de contratos eram os bancos e não 0 Detran – Desafio 0 Ministerio Público a dizer qual a rúbrica da dotação orçarnentária de dinheiro público entrararn em minhas contas-  Está documentalmente cornprovado que recebi dinheiro de entes privados) e quanto a Inspeçäo Veicular, esta näo ehegou a funcionar, portante näo houve faturamento! 

7. Rechaço, abismado, com a ingenuidade do Ministério Público Estadual, que foi enganado pelo Sr. Alcides Barbosa, através de declarações fantasiosas e sem provas quaisquer, com o único fim de conseguir, como “DELATOR”, a sua liberdade, conquistada em bases mentirosas e sem apresentaçäo de provas. 

8. Por fim, gostaria de declarar que permaneço  na justiça e afirmo que todas as medidas judiciais cabíveis seräo tomadas contra quem me acusar sem provas, seja quem  Reañrmando que 0 Sr. Alcides MENTIU em afirmar 0 pagamento ou promessa de propina seja la a que quem for! 

Natal/RN, 10 de maio de 2012.”

PM instaura sindicância para apurar entrevista de George Olímpio

O Comando-geral da Polícia Militar do Rio Grande do Norte instaurou sindicância para apurar sob quais circunstâncias o advogado e empresário George Olímpio concedeu entrevista à jornalista Virgínia Coelli. A entrevista foi veiculada no programa Panorama Político da Rádio Globo Natal na segunda-feira passada e publicada na edição de ontem da TRIBUNA DO NORTE.

De acordo com o comandante-geral, o coronel Francisco Araújo, para a entrevista ocorrer seria necessário autorização prévia. “Ela entrou junto com o advogado como visitante. Não havia a informação de que ela faria uma entrevista”, disse

Um sindicante foi designado para apurar o caso e enviar o resultado diretamente à 6ª Vara Criminal da Comarca de Natal, onde corre o processo ligado a Olímpio. Ele está detido no quartel do Comando-geral da PM desde novembro, quando foi preso. O privilégio ocorre em virtude de ele ser advogado e precisar ficar recolhido em sala de Estado Maior.

 Olímpio, é apontado como o mentor de um esquema de corrupção milionário que incluía o pagamento de propinas a agentes públicos.

Com informações da Tribuna do Norte

Relembre trechos da entrevista (Clique aqui)

Advogados de George Olimpio esclarecem os motivos que levaram a defesa a arrolar Garibaldi, José Agripino, Rosalba e Carlos Augusto

Segue nota do escritório de defesa do advogado George Olimpio, denunciado pela Operação Sinal Fechado,  justificando o arrolamento de políticos como testemunhas de defesa:

Os advogados Eduardo Nobre e Fabiano Falcão, do escritório Nobre Falcão Advogados & Associados, esclarecem que não há, da parte do denunciado George Olímpio, acusado de participar de um esquema de corrupção junto ao Detran,  o propósito de causar situação incômoda ou desfavorável às autoridades arroladas na defesa, pelos seus defensores, como testemunhas. Segundo eles a  “nomeação deveu-se, tão-somente, à circunstância de o Ministério Público ter descrito, como ilícitos, fatos que tais pessoas têm conhecimento, segundo explicitações e implicitações identificadas na denúncia”, disse os advogados.

 

Do Blog: Prestem atenção a frase destacada. Em brve voltaremos a esse assunto.

O que esconde o silêncio de George Olímpio?

Pivô do que poderia ter sido o maior saque ao Erário, o advogado George Olímpio, apontado pelo Ministério Público como mentor de fraudes praticadas no Detran, rompeu o silêncio que perdurava há meses, para emitir uma nota intrigante.

Persistem mais dúvidas do que surgem explicações nos parágrafos que Olímpio distribuiu a vários veículos de comunicação, menos a quem motivou o fim de seu silêncio, o Blog do BG.

Olímpio nega ter sugerido, recebido ou aceito fazer delação premiada, instituto pelo qual alguém envolvido nas teias da Justiça pode obter benefícios da Lei se topar entregar cúmplices. Por muito mais tempo e diante de outras acusações ele ficou calado.

Ele silenciou, por exemplo, durante semanas ao longo das quais uma série de matérias, em vários veículos, inclusive aqui, dava conta de graves crimes por ele supostamente praticados ou a ele atribuídos. Ao longo desse período dele não se recebeu uma só nota. Durante todo esse tempo, Olímpio não deu um pio.

O que teme George Olímpio ao ser associado a uma delação premiada? Esta é a pergunta que sua nota não responde. Pelo contrário: sua nota deixa-nos a cogitar a possibilidade de que o silêncio do pivô da operação Sinal Fechado pode ser casamata na quais muitos se abrigam.

A impressão é que Olímpio se calou diante do menos grave. E, agora, diante da possibilidade de ele ou um sócio nas fraudes entrarem em acordo com o MP, o que mexeria com os nervos, a consciência e a reputação de muita gente importante no Estado, emite um texto que traduz, verdadeiramente, a gravidade da denúncia na qual está envolvido.

 

George Olímpio nega delação

O advogado George Olímpio emitiu negando acordo de delação premiada, conforme noticiado mais cedo pelo Blog do BG, conforme a íntegra abaixo:

Sobre as matérias de que, eu George Olimpio, teria realizado, ou sequer recebido proposta de fazer “Acordo de Delação Premiada” com o Ministério Público Estadual, NEGO VEEMENTEMENTE, qualquer veracidade desde fato e/ou afirmação de qualquer pessoa que divulgue este inverídico fato.

Sendo assim, rechaço qualquer tentativa, seja de pessoas particulares, ou veículos de comunicação, que descomprometidos com a verdade, relatarem ou divulgarem tais fatos , que repito, são inverídicos.

Ademais, aguardo sereno e com absoluto respeito ao Poder Judiciário, às decisões por ele emanadas e às pessoas e instituições comprometidas com a divulgação de fatos VERDADEIROS e que não venham a ferir normas e princípios constitucionais.

Natal/RN, 09 de abril de 2012.

George Anderson Olimpio da Silveira

OAB/RN 4836″

Do blog: o único veículo que noticiou a negociação de delação premiada da Operação Sinal Fechado foi o Blog do BG. Reiteramos que há tratativas nesse sentido. Também apuramos que, com efeito, o acordo pode não ser com Olímpio, mas outro réu envolvido no caso.

Operação Sinal Fechado: O sinal abriu….

Colocando na balança e pesando a sua prisão há quase cinco meses e vários pedidos de habeas corpus negado e ainda observando os desdobramentos da Operação Judas, o advogado e empresário George Olímpio parece que aderiu e vai ser beneficiado com delação premiada.

Como o BG Voador tinha anunciado na semana passada, novos desdobramentos viriam de operações em curso no RN. Pois bem, vai começar pela Sinal Fechado. O advogado deve seguir os mesmos passos da ex-chefe da divisão de Precatórios do Tribunal de Justiça Carla Ubarana, que fez um acordo com o Ministério Público para abrir o jogo quanto às irregularidades praticadas e, em troca, responder ao processo em liberdade. Ela e o marido estão custodiados em casa sob constante escolta policial.

A delação para Goerge deve seguir o mesmo modelo, ou seja, entregar nomes, valores, modos operandi, tudo para conseguir, finalmente, uma soltura. Informações do BG Voador dão conta que quem caiu da primeira vez é peixe pequeno se comparado a quem está por vir nos novos depoimentos do empresário-advogado, pós delação premiada. Peixe graúdo.

George Olímpio foi preso em 24 de novembro durante a Operação Sinal Fechado, que desbaratou um esquema de fraudes e corrupção no processo de instalação do programa de inspeção veicular entre os anos de 2008 e 2010, através do Departamento de Trânsito (Detran). Ele foi apontado como mentor e líder do esquema que em apenas dois anos movimentou milhões e milhões de reais e contou com a participação de 34 envolvidos. Todos devidamente denunciados pelo MP.

Desde sua prisão até agora, já são mais de 135 dias com pedidos de habeas corpus negados. Tanto à Corte estadual negado tanto em liminar, quanto em mérito. Também tivemos recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, mais uma vez, o pedido de liminar de habeas corpus foi negado. A situação pra ele estava realmente preta. Pelo visto, nenhum desembargador ou ministro quer ficar com o ônus da sua soltura. De acordo com o que apurou o BG Voador, a delação já foi  proposta e aceita. De repente George viu Carla numa situação bem mais fácil do que a dele e finalmente cedeu aos encantos do MP. Como diria a música, “o tempo não para”.

Atualizado para complemento de informações às 11:38.

Segundo informações recentes a pessoa que estaria negociando delação premiada não seria George Olímpio. E sim outro integrante do esquema muito ligado a George. Vamos aguardar.

Atualizado às 16:31:

A advogada Ivanka Nobre, sócia do escritório Nobre, Falcão advogados associados que defende George Olímpio, informou no seu Twitter que não procede a informação que o advogado teria feito delação premiada. Confirmando o que postamos às 11:38 na primeira atualização.

O fato é que tem negociação sim para delação, e está bem perto de ser batido o martelo.

Só lembrando, são Réus na Sinal Fechado:

George Anderson Olímpio,

João Faustino,

Wilma de Faria,

Iberê Ferreira,

Lauro Maia,

Alcides Fernandes,

Marcus VInícius Furtado,

Carlos Theodorico,

Marcos Vinícius Saldanha,

Eduardo Oliveira Patrício,

Marco Aurélio Doninelli,

José Gilmar Lopes,

Edson Cavalcante,

Carlos Alberto Marcelino,

Jailson Herikson,

Caio Biaggio,

Fabian LIndenberg,

César Augusto Carvalho,

Newton José de Meira,

Flávio Ganen,

Marluce Olímpio,

Jean Queiroz,

Luiz Cláudio Correia,

Bevenuto Pereira,

Érico Valério Ferreira,

Cintya Kelly Nunes,

Maria Selma Maia de Medeiros Pinheiro

 

George Olímpio já está preso há 80 dias e Juíza não tem data para se pronunciar sobre operação Sinal Fechado

Está na Tribuna do Norte:

Hoje completa-se 80 dias que o empresário George Anderson Olímpio da Silveira, acusado de ser o mentor de um esquema de fraudes no Departamento Estadual de Trânsito (Detran/RN), está preso. Passados quase três meses da deflagração da Operação Sinal Fechado, na qual os promotores de Defesa do Patrimônio Público desarticularam um complexo esquema de pagamentos de propina a agentes públicos em troca de favores e de fraudes em licitações na autarquia estadual de trânsito, a juíza titular da 6ª Vara Criminal, Emanuella Cristina Pereira Fernandes, ainda não se pronunciou quanto ao recebimento ou não da denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual em novembro do ano passado.

Júnior SantosGeorge Olímpio, acusado de ser o mentor do esquema de corrupção, é um dos três que estão presos

A magistrada aguarda o recebimento das defesas prévias de duas acusadas de envolvimento nas fraudes – Maria Selma Maia de Medeiros Pinheiro e Eliane Beraldo Abreu de Souza – para se pronunciar quanto às acusações que recaem sobre elas e mais 32 pessoas denunciadas pelo órgão ministerial. Eliane Beraldo, funcionária pública em São José do Rio Preto/SP, tem até a próxima quinta-feira para apresentar defesa.

Maria Selma Maia, servidora de carreira do Detran/RN, alegou à Justiça que não dispunha de condições financeiras para se defender através da contratação de um advogado.Com isto, um defensor público foi designado pela Defensoria Pública do Estado para compor a peça argumentativa a favor da servidora. Divididos em dois volumes, os documentos ministeriais que compõem as denúncias contra os envolvidos estão de posse do advogado público para a composição da tese de defesa da servidora estadual.

Diferente dos demais funcionários públicos que tiveram 15 dias para confeccionarem suas defesas através de advogados contratados, o defensor público terá o prazo de 30 dias para entregar a documentação em favor de Maria Selma Maia à juíza Emanuella Cristina Pereira Fernandes.

A magistrada espera, porém, que ele entregue a peça num intervalo de tempo menor.Os outros funcionários públicos – o suplente de senador, João Faustino e a tabeliã Marluce Olímpio Freire – ou pessoas envolvidas no esquema que ocupavam cargos comissionados – o ex-diretor-geral do Detran/RN, Érico Vallério Ferreira de Souza – à época em que foram arrolados como acusados pela Operação Sinal Fechado, já protocolaram na Secretaria da 6ª Vara Criminal suas respectivas peças de defesa.Informações de pessoas ligadas ao judiciário dão conta de que somente a tese de defesa de Érico Vallério é composta de aproximadamente 700 páginas.

Ontem, a TRIBUNA DO NORTE solicitou vistas às peças de defesa apresentadas pelos três acusados citados acima, mas a Direção da Secretaria da 6ª Vara Criminal informou que os documentos estão na mesa da juíza sob análise e não poderiam ser retirados naquele momento.

STJ se nega julgar habeas corpus em favor de George Olímpio e espera decisão Estadual para se manifestar

O STJ se negou a julgar o Habeas Corpus em favor do empresário potiguar George Olímpio, preso pela Operação Sinal Fechado.

A justificativa do STJ foi de que o Tribunal não tem jurisdição para apreciar o pedido, já que outra medida semelhante ainda está para ser julgada na instância inferior que é a do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

Ou seja, a liberdade (ou não) de George, tido como MP como líder de um esquema de desvio de dinheiro público através da implantação do sistema de Inspeção Veicular no RN, depende de uma decisão definitiva da Corte Estadual.

Sinal Fechado: MP denuncia que atual diretor do Detran recebeu R$ 88 mil de George Olímpio

O Ministério Público do Estado do RN aditou a denúncia oferecida em 02/12 passado acrescentando novos fatos que revelam, com mais detalhes, a participação dos denunciados João Faustino Ferreira Neto e Érico Vallério Ferreira de Souza no esquema de fraudes no DETRAN/RN.

Entre os documentos apreendidos na busca e apreensão realizada na Operação Sinal Fechado, alguns revelaram que o IRTDPJ/RN pagou despesas de viagem de João Faustino e George Olímpio, em conjunto, a Brasília, em meados do final de novembro de 2008. Os cheques utilizados para pagamento dessas despesas são de contas bancárias do IRTDPJ/RN e as faturas emitidas em nome de George Olímpio.

Por outro lado, o aditamento com relação ao denunciado Érico Vallério aponta indícios de que George Olímpio fez um pagamento de mais de R$88.000,00 (oitenta e oito mil reais), em favor do Diretor-Geral do DETRAN/RN, à MONTANA CONSTRUÇÕES. O registro dessa operação, conforme narrado no aditamento, consta no movimento de caixa da referida construtora.

Ademais, o processo de dispensa de licitação para contratação emergencial da PLANET BUSINESS em 15/06/2011 somente foi movimentado após contatos telefônicos entre Érico e George Olímpio, e, ainda, entre Érico e Caio Biagio, na forma descrita no aditamento, em data posterior à operação de aporte de recursos em favor de Érico feito por George na MONTANA. Este processo apresenta claros indícios de que houve fraude na dispensa de licitação em questão, tendo sido coletadas propostas de cotação de preços pelo DETRAN junto às empresas PLANET e NETNIGRO, esta última identificada como “parceira” da PLANET, conforme já havia confessado o denunciado Nilton José de Meira, além de outros indícios de fraude, como inúmeras divergências entre datas de atos do processo.

Fonte: MP/RN

George Olímpio e o sócio advoga para Iberê desde 2008

Tribuna do Norte:

“Eu não tenho ligação com políticos ou pessoas ligadas ao governo passado”, admitiu George Olímpio fazendo referência ao ex-governador Iberê Ferreira de Souza em uma das entrevistas concedidas à TRIBUNA DO NORTE durante o processo de suspensão da inspeção veicular, entre janeiro e fevereiro passados. As evidências, porém, provam o contrário. Numa consulta realizada no site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, ontem à noite, George Olímpio atua como advogado de defesa do ex-governador no processo 2008.903069-7 distribuído por sorteio no dia 18 de dezembro de 2008.

Emanuel AmaralEx-governador Iberê Ferreira de Souza é defendido por George Olímpio

Além de George Olímpio, Caio Biagio Zuliani, aparece como o advogado de defesa do ex-governador Iberê Ferreira de Souza em mais seis processos diferentes. Caio Biagio também foi preso de forma temporária na Operação Sinal Fechado, deflagrada pelo Ministério Público quinta-feira passada. Ele é um dos sócios minoritários da GO Desenvolvimento de Negócios com participação societária de 1% e capital investido de R$ 15.750,00. De acordo com petição do Ministério Público, Biagio participou das fraudes praticadas pela organização de George Olímpio relacionadas ao Consórcio Inspar.

O Ministério Público Estadual aponta Iberê Ferreira de Souza como “possível eminência parda por trás de George Olímpio”. De acordo com a petição que embasou a Operação Sinal Fechado, há provas de que Iberê havia recebido pelo menos R$ 1 milhão do esquema fraudulento, além de ter sido agraciado com com cotas de participação nos futuros lucros do Consórcio Inspar. As acusações contra o ex-governador pelo Ministério Público continuam com a afirmação de que ele teria contribuído para a contratação do Consórcio e para a assinatura do contrato fraudulento com a Planet Business Ltda.

Ainda de acordo com a petição, o ex-governador “presidiu a reunião do Conselho Deliberativo do Estado (CDE) que aprovou a minuta de contrato da Planet Business Ltda sem que sequer existisse o órgão para o qual esta empresa prestaria serviço. Enfim, foi o quem assinou o contrato da terceirização de serviço do CRC/Detran/RN e o termo de concessão do serviço de inspeção veicular ambiental”.

Os promotores definem o modus operandi do processo fraudulento como peculiar e com provas e fortes indícios de uma parceria exitosa entre George Olímpio e os demais citados na petição, sobretudo com membros do mais alto escalão do Governo Estadual à época: Wilma de Faria e Iberê Ferreira.

No início do segundo semestre do ano passado, no lançamento da campanha de reeleição do então ex-governador Iberê Ferreira de Souza, o advogado e empresário George Olímpio dividiu o mesmo palanque com Iberê e a candidata ao senado, Wilma de Faria. Na ocasião, ele ficou ao lado de um dos filhos de Iberê no evento que ficou conhecido como “Iberetion”, realizado na Vila Folia, em Parnamirim.

Na nota oficial encaminhada pelo ex-governador à imprensa, Iberê Ferreira de Souza não faz nenhuma menção ao advogado George Olímpio. A assessoria de imprensa de Iberê afirmou que ele jamais havia negado conhecer Olímpio e confirmou que ele era advogado do ex-governador. À época do processo de suspensão da inspeção veicular, entre janeiro e fevereiro, Iberê preferia não comentar qual relação mantinha com George Olímpio.

Fraudes só foram possíveis por rede de influência política

A investigação de noves meses do Ministério Público Estadual (MPE) conseguiu reunir documentos que podem comprovar a ação corruptiva de empresários e agentes políticos no trato com a coisa pública no Rio Grande do Norte. Os e-mails e telefonemas interceptados pelos promotores, com autorização da Justiça, arrolados na petição apresentada pelo MPE, escancaram como a suposta quadrilha tinham penetração no Governo do Estado e faziam parte da engrenagem de uma máquina que geraram R$ 10 milhões de faturamento em apenas oito meses.

Para colocar a máquina em funcionamento, era necessário influência e bom relacionamento com as pessoas certas. A amizade com algumas pessoas, inclusive, era citada como um diferencial no currículo dos lobistas. Na interceptação de uma telefonema entre Alcides Fernandes Barbosa e Marco Aurélio Doninelli, no dia 13 de maio desse ano, às 01h22,  segue o seguinte diálogo começado por Alcides: “Para achar um cara com o nível de e relacionamento que eu tenho é difícil, é difícil”.

Um levantamento feito pela TRIBUNA DO NORTE mostra que boa parte dos envolvidos no esquema já tinham algum envolvimento com o Poder Público ou respondem a processos judicais. Alguns chegaram a ocupar cargos comissionados em instituições como Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN). É o caso de Marcus Vinícius Saldanha Procópio, genro de João Faustino. Outros, como Marcus Vinícius Furtado da Cunha, já foram condenados por improbidade administrativo.