Diversos

Marinha informa que quase 5 mil toneladas de óleo já foram recolhidas do litoral do país

Mapa divulgado pelo Ibama mostra pontos do litoral atingidos pelo óleo — Foto: Divulgação/Ibama

O Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado por Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Ibama, informou nesta sexta-feira (29) que 4.700 toneladas de resíduos já foram recolhidas do litoral brasileiro.

As autoridades concedem entrevista nesta sexta para fazer uma balanço das ações tomadas para conter o derramamento de óleo nas praias do Nordeste.

“Nessa fase de monitoramento nós verificamos uma estabilização da situação”, disse nesta sexta o almirante de esquadra, Campos, que coordena o grupo.

O monitoramento das áreas atingidas mostra que, na última semana, 99% das ocorrências correspondem a vestígios de óleo nas praias atingidas. Nas praias do Rio de Janeiro, foram encontradas 320 gramas de óleo.

De acordo com nota divulgada pelo grupo nesta quinta-feira (28), desde que foi registrada a primeira ocorrência início pelo derramamento óleo, em agosto, 803 localidades foram atingidas. Ainda conforme o órgão, há 19 dias não são encontradas manchas de óleo no mar.

As primeiras manchas de óleo surgiram no dia 30 de agosto, em praias da Paraíba. Segundo o Ibama, foram feitos quatro registros nas praias Bela, Gramame, Jacumã e Tambaba nesta data.

Desastre natural descartado

Segundo o almirante Campos, a investigação da Marinha já descartou a possibilidade de desastre natural, ocorrida em razão de fissuras geológicas no fundo do oceano.

“A hipótese de exsudação, essa hipótese que a Marinha já descartou. Não vê mais hoje a possibilidade de que tenha sido exsudação, um fenômeno natural em que o óleo começa a vazar pelo oceano, fluir. Pode ser também uma prospecção de petróleo, também um posso, uma rachadura, uma fissura geológica. Algo natural. Isso a Marinha já descartou essa possibilidade”, disse Campos.

Segundo o almirante, o grupo ainda investiga a probabilidade de naufrágio. Campos informou que estão sendo analisados, inclusive, naufrágios antigos, da época da Segunda Guerra Mundial, mas as chances de que isso tenha ocorrido são baixas.

“O mais provável é o transito de embarcações com o derramamento desse óleo acidentalmente ou não”, disse.

A operação

Os trabalhos contam com o apoio de 10 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea, além de 5 mil servidores e funcionários do Ibama, Instituto Chico Mendes, Defesa Civil e Petrobras.

Segundo o almirante, a Operação Amazônia Azul terá três fases. A primeira é direcionada à remediação e mitigação dos danos causados pelo aparecimento das manchas de óleo e começou após o aparecimento das primeiras manchas de óleo nas praias. Essa fase deve prosseguir até 20 de dezembro.

A segunda fase será de manutenção e controle, em que os trabalhos estarão concentrados em estabelecer um planejamento para empregar as forças do grupo e controlar novas manchas.

O almirante afirmou que na última semana, apenas vestígios do material foram encontrados no Maranhão, Piauí, Pernambuco, Alagoas e Rio de Janeiro. Além disso, a Marinha anunciou que o grupo vai ser transferido para o Rio de Janeiro. De lá será tocada a fase de monitoramento.

“Nossa expectativa é devolver pra ao sociedade conhecimento, informações que possam reduzir os impactos que nós tivemos”, afirmou o coordenador cientifico do grupo de acompanhamento, professor doutor Ricardo Coutinho

“Vamos estabelecer ações imediatas de médio e longo para monitoramento e recuperação dos ecossistemas atingidos”, disse. Segundo Coutinho, em 12 de dezembro será realizada uma grande reunião em Salvador para avaliar como as medidas a serem propostas pelo grupo científico poderão ser implementadas.

G1

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *