Governo federal libera R$ 1.996 a pescadores prejudicados por óleo

FOTO: EBC

O presidente Jair Bolsonaro assinou nessa quinta-feira uma medida provisória que libera auxílio de R$ 1.996 para pescadores de cidades atingidas por manchas de óleo no litoral brasileiro.

O Auxílio Emergencial Pecuniário será pago a pescadores profissionais ou artesanais inscritos e ativos no Registro Geral da Atividade Pesqueira. Segundo o governo, o benefício “tem como objetivo atender os pescadores que não conseguem comercializar os peixes”.

O valor pode ser pago em até duas parcelas iguais, por meio da Caixa Econômica Federal. O beneficiário terá até 90 dias para sacar o valor após sua disponibilização. A expectativa é que a medida provisória seja publicada no Diário Oficial da União nesta sexta-feira. Segundo o governo federal, o beneficiário poderá sacar o valor mesmo que esteja recebendo outro auxílio da União.

CONTAMINAÇÃO

O governo federal destaca que “até o momento nenhum laudo oficial atestou a contaminação dos recursos pesqueiros, a população das áreas atingidas não estão consumindo o pescado por precaução, sendo assim, os pescadores e pescadoras artesanais estão em situação de calamidade, uma vez que não conseguem vender os peixes que pescaram”.

Desde o aparecimento das primeiras manchas de óleo no nordeste, vários peixes e animais marinhos têm aparecido mortos nas praias e os pescadores relatam dificuldades para vender os produtos da pesca.

No final de outubro, uma pesquisa do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) divulgou uma pesquisa realizada com 50 animais marinhos e detectou metais pesados em todos eles. No organismo humano, essas substâncias podem causar náuseas, vômito, enjoo, problemas respiratórios e arritmia cardíaca, entre outras consequências nocivas.

Outros especialistas, no entanto, dizem que os produtos marinhos podem ser consumidos com “cautela”

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    E já descobriram de quem e de onde veio o óleo?
    Perguntar não ofende, né Mi SHELL?

  2. Melo disse:

    Parabéns pela iniciativa e criatividade.

  3. Arthur disse:

    Aí os mais de 40.000 pescadores que pescam no lago Paranoá (de Brasilia) vão alegar que lá também teve mancha de petróleo e vão ter direito a ganhar também né?

    • Cícero disse:

      Não, nesse caso os pescadores do lago receberam "bolsa" para comprar votos em forma de doação dos recursos públicos no governo anterior. Não vamos confundir atenção social com populismo e irregularidade.

Marinha informa que quase 5 mil toneladas de óleo já foram recolhidas do litoral do país

Mapa divulgado pelo Ibama mostra pontos do litoral atingidos pelo óleo — Foto: Divulgação/Ibama

O Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado por Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Ibama, informou nesta sexta-feira (29) que 4.700 toneladas de resíduos já foram recolhidas do litoral brasileiro.

As autoridades concedem entrevista nesta sexta para fazer uma balanço das ações tomadas para conter o derramamento de óleo nas praias do Nordeste.

“Nessa fase de monitoramento nós verificamos uma estabilização da situação”, disse nesta sexta o almirante de esquadra, Campos, que coordena o grupo.

O monitoramento das áreas atingidas mostra que, na última semana, 99% das ocorrências correspondem a vestígios de óleo nas praias atingidas. Nas praias do Rio de Janeiro, foram encontradas 320 gramas de óleo.

De acordo com nota divulgada pelo grupo nesta quinta-feira (28), desde que foi registrada a primeira ocorrência início pelo derramamento óleo, em agosto, 803 localidades foram atingidas. Ainda conforme o órgão, há 19 dias não são encontradas manchas de óleo no mar.

As primeiras manchas de óleo surgiram no dia 30 de agosto, em praias da Paraíba. Segundo o Ibama, foram feitos quatro registros nas praias Bela, Gramame, Jacumã e Tambaba nesta data.

Desastre natural descartado

Segundo o almirante Campos, a investigação da Marinha já descartou a possibilidade de desastre natural, ocorrida em razão de fissuras geológicas no fundo do oceano.

“A hipótese de exsudação, essa hipótese que a Marinha já descartou. Não vê mais hoje a possibilidade de que tenha sido exsudação, um fenômeno natural em que o óleo começa a vazar pelo oceano, fluir. Pode ser também uma prospecção de petróleo, também um posso, uma rachadura, uma fissura geológica. Algo natural. Isso a Marinha já descartou essa possibilidade”, disse Campos.

Segundo o almirante, o grupo ainda investiga a probabilidade de naufrágio. Campos informou que estão sendo analisados, inclusive, naufrágios antigos, da época da Segunda Guerra Mundial, mas as chances de que isso tenha ocorrido são baixas.

“O mais provável é o transito de embarcações com o derramamento desse óleo acidentalmente ou não”, disse.

A operação

Os trabalhos contam com o apoio de 10 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea, além de 5 mil servidores e funcionários do Ibama, Instituto Chico Mendes, Defesa Civil e Petrobras.

Segundo o almirante, a Operação Amazônia Azul terá três fases. A primeira é direcionada à remediação e mitigação dos danos causados pelo aparecimento das manchas de óleo e começou após o aparecimento das primeiras manchas de óleo nas praias. Essa fase deve prosseguir até 20 de dezembro.

A segunda fase será de manutenção e controle, em que os trabalhos estarão concentrados em estabelecer um planejamento para empregar as forças do grupo e controlar novas manchas.

O almirante afirmou que na última semana, apenas vestígios do material foram encontrados no Maranhão, Piauí, Pernambuco, Alagoas e Rio de Janeiro. Além disso, a Marinha anunciou que o grupo vai ser transferido para o Rio de Janeiro. De lá será tocada a fase de monitoramento.

“Nossa expectativa é devolver pra ao sociedade conhecimento, informações que possam reduzir os impactos que nós tivemos”, afirmou o coordenador cientifico do grupo de acompanhamento, professor doutor Ricardo Coutinho

“Vamos estabelecer ações imediatas de médio e longo para monitoramento e recuperação dos ecossistemas atingidos”, disse. Segundo Coutinho, em 12 de dezembro será realizada uma grande reunião em Salvador para avaliar como as medidas a serem propostas pelo grupo científico poderão ser implementadas.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antenado disse:

    Óleo criminosamente lançado pelo ditador Maduro. Alguém ainda duvida disso??

Marinha reforça limpeza de óleo no Nordeste com mais um navio

Foto (Ilustrativa): Divulgação/Prefeitura de Belmonte

O navio de desembarque de carros de combate Almirante Sabóia, da Marinha, partiu na última segunda-feira (11), do Rio de Janeiro, em direção a Ilhéus, na Bahia, com a finalidade de reforçar as ações de limpeza de vestígios de óleo nas praias do Nordeste. O navio transporta um Grupamento de Fuzileiros Navais, com 244 militares, além da tripulação.

Em terra, a tropa desempenhará ações de apoio à proteção ambiental, por meio da limpeza e do monitoramento dos manguezais, arrecifes e praias da região do sul do estado da Bahia, na faixa compreendida entre as cidades de Caravelas e Ilhéus.

O navio Almirante Sabóia realizará patrulha naval, ação de presença no Porto de Ilhéus e operações de monitoramento, participando com outros navios, na busca por possíveis manchas de óleo ou agentes poluidores, em especial em regiões próximas ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos.

A atracação da embarcação no litoral baiano ocorrerá nesta quinta-feira (14), no Porto de Ilhéus. No dia 18, o navio fará ações no mar, com previsão de retorno ao Porto de Ilhéus no dia 25.

Em outra frente, mergulhadores do Batalhão de Operações Especiais dos Fuzileiros Navais permanecem atuando na limpeza e retirada do óleo no Rio Persinunga, no município de São José da Coroa Grande, em Pernambuco.

As ações de limpeza das praias do Nordeste estão concentradas em Mamucabinhas, em Pernambuco; Japaratinga, Barra de São Miguel, Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabu, em Alagoas, e Cairu e Guaiu, na Bahia. Outra frente da Marinha atua na praia de Guriri, no Espírito Santo, na Região Sudeste, onde na semana passada apareceram vestígios de óleo na costa.

Agência Brasil

Estudo mostra que peixe de áreas atingidas por óleo pode ser consumido

Foto: REUTERS / Diego Nigro

Um estudo encomendado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento revelou que o pescado de áreas afetadas por manchas de óleo estão aptos para consumo humano. De acordo com o laudo, amostras coletadas na Bahia, no Ceará, em Pernambuco e no Rio Grande do Norte não contêm níveis significativos de contaminação por petróleo.

As amostras utilizadas no estudo foram coletadas nos dias 29 e 30 de outubro em estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF) e foram testadas para 37 compostos diferentes de Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPA) – substâncias que indicam a contaminação por derivados de petróleo. Além de diferentes espécies de peixes, os testes também avaliaram a condição de lagostas.

Ainda de acordo com a nota divulgada pelo ministério, a reavaliação de pescados será contínua e os resultados serão publicados com atualizações das recomendações de saúde.

Agência Brasil

Sesap orienta municípios para notificarem casos de pessoas em contato com manchas de óleo nas praias

Foto: Divulgação

A Sesap se reuniu na manhã desta sexta-feira (8) com representantes da área da saúde dos municípios atingidos pelas manchas de óleo no litoral potiguar para discutir as ações que vêm sendo desenvolvidas, reforçar os cuidados que devem ser adotados, sensibilizar quanto a importância da notificação por intoxicação e apresentar o protocolo de atendimento para pessoas que entraram em contato com o material.

Ao todo, 13 municípios foram mobilizados, são eles: Natal, Ceará-Mirim, Parnamirim, Extremoz, Baía Formosa, Canguaretama, Nísia Floresta, Senador Georgino Avelino, Tibau do Sul, Tibau, Maxaranguape, Rio do Fogo e Touros.

“A proposta desse espaço é, principalmente, sensibilizar quanto a notificação. É a partir delas que conseguirmos ampliar as ações que já vêm sendo desenvolvidas e criar novas estratégias para orientar à população quanto aos riscos do contato direto com a substância”, explicou a subcoordenadora de Vigilância Ambiental da Sesap, Aline Rocha.

Entre as atividades já desempenhadas pela secretaria de saúde, desde que os primeiros vestígios de óleo nas praias começaram a surgir estão a integração no Gabinete de Gestão Integrada (GGI), a participação nas capacitações dos voluntários com agentes da Defesa Civil e Idema, o estabelecimento do fluxo de notificação por intoxicação exógena e a construção do protocolo de atendimento, o monitoramento da população afetada e o atendimento à população através do Centro de Assistência Toxicológica do RN.

Orientações

A Sesap ressalta a importância de a população evitar contato direto com a água e o solo nas regiões atingidas pelo óleo, sobretudo os grupos que possuem maior vulnerabilidade, como crianças e gestantes. Quando houver contato com o óleo, mesmo que não haja o surgimento de sintomas, a população deve buscar atendimento médico na unidade de saúde mais próxima.

A pasta também reforça que o Centro de Assistência Toxicológica do RN (Ceatox) está à disposição da população para tirar dúvidas em casos de exposição ou aparecimento de sintomas por meio dos telefones 0800 281 7005 (das 7h às 18h) e pelos Whatsapps 24h (84) 98125-1247 ou (84) 98803-4140.

Outra recomendação é avaliar os pescados oriundos das áreas atingidas. É necessário observar se possuem manchas, furos ou cortes nas superfícies. O ideal é que as brânquias (guelras) do peixe estejam com a cor rosada ou vermelha intensa, brilhantes e sem viscosidade. Caso haja dúvidas sobre a qualidade do pescado ele não deve ser consumido.

Satélite vê rastro escuro no mar a 40 km do RN antes da passagem do navio grego, diz cientista da Ufal que avalia possível fenômeno

Foto: Humberto Barbosa/UFAL

O Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) encontrou uma fotografia de satélite que revela um mancha em forma de rastro no litoral, 40 km ao norte de São Miguel do Gostoso (RN), em trajetória similar à do petroleiro Bouboulina, apontado pelo governo brasileiro como principal suspeito pelo crime. O rastro escuro de 85km apontado pelo cientista Humberto Barbosa, no entanto, aparece antes de o navio grego passar pela rota. A descoberta levou o pesquisador a buscar um outro suspeito para o derramamento de óleo no Nordeste.

Desde setembro, o grupo do Lapis está vasculhando bancos de dados de sensoriamento remoto atrás de sinais do derramamento. Segundo Barbosa, a imagem já estava em suas mãos há duas semanas, mas o grupo não quis divulgá-la antes com medo de induzir a conclusões precipitadas.

Após a investigação da empresa HEX apontar o Bouboulina como culpado, porém, o cientista decidiu verificar o registro de transponder do sinal do navio grego pela região (a informação que o próprio GPS do navio transmite sobre sua rota), e notou que ela não se encaixava na imagem de satélite que havia garimpado.

A Delta Tankers afirma que o Brasil investiga outras quatro embarcações da empresa pelo vazamento, conforme mostrou O GLOBO. Na tarde desta quarta-feira, em nota, a Marinha negou a informação e disse ter acionado a Autoridade Marítima da Grécia no dia 12 de outubro, quase três semanas antes da divulgação da suspeita sobre o Bouboulina pela PF.

A imagem em questão foi feita por um sensor do satélite europeu Sentinel-1A. O dispositivo enxerga variações sutis de altitude, como as próprias ondas do mar, e propriedades elétricas dos líquidos, que distinguem, por exemplo, água salgada de óleo. A mancha apareceu parcialmente numa imagem de 24 de julho, mas o Bouboulina só passou naquela área em 26 de julho.

O local do rastro é uma área de tráfego naval intenso, porque liga o Canal do Panamá e a Venezuela a todo o Atlântico Sul. O cientista ainda não conseguiu acesso a uma base maciça de dados que permita tentar cruzar a imagem do Sentinel com registros de transponder.

A imagem de satélite exibe, inclusive, um ponto branco: “claramente um navio”, segundo Barbosa, mas impossível de ser identificado pela baixa resolução do sensor que fez a imagem.

Tese por eliminação

O cientista está agora tentando validar a imagem para saber se algum outro fenômeno que não um vazamento de óleo pode ter gerado aquele traço na imagem do satélite. Ele já descartou, por exemplo, que seja o rastro de turbulência causada pela hélice de uma embarcação.

— Aquela mancha tem sinais de distinta intensidade, tanto perto do navio quanto longe dele — afirma. — Isso não aconteceria com uma embarcação que se desloca. O sinal no longo vai perdendo intensidade e vai ficando mais fraco longe da hélice.

Outra evidência contrária à tese da turbulência é a largura do rastro.

— Nós medimos a espessura da faixa com um sistema de informação geográfica, e ela tem quase um quilômetro de largura — afirma. — Você precisaria de uma baita de uma hélice para gerar toda essa turbulência.

Barbosa diz estar preparando um relatório técnico sobre esta e outras descobertas que o Lapis fez e podem ajudar na investigação.

O Lapis publicou informações não-técnicas sobre a descoberta em seu site de divulgação científica no dia 30 de outubro.

Os cientistas do laboratório buscam agora outras imagens de satélite que ajudem a montar o quebra-cabeça da investigação. A imagem crítica do Sentinel-1A é de um sensor que só aponta para aquela região uma vez a cada 12 dias, e os pesquisadores não têm como saber o que ocorreu logo depois de 24 de julho naquela área usando o mesmo dispositivo.

Álibi para Bouboulina?

Para propor uma linha de investigação diferente sobre a origem do derramamento de óleo, Barbosa diz que há outros indícios que podem comprometer a versão da HEX que aponta o Bouboulina como culpado.

Um deles é o de que as imagens apresentadas pela empresa são de sensores de satélite inadequados para ver manchas de óleo.

— As imagens divulgadas pela empresa, que eu só vi pela TV e pelo jornal, não são do Sentinel-1A. Eles usaram um outro sensor, que precisa de uma distância maior para localizar dois objetos e sofre interferência da atmosfera.

Para o cientista da UFAL, a trajetória do Bouboulina também não permite levantar muitas suspeitas.

— Eu busquei ver se havia alguma parada ou alguma diminuição de velocidade no trajeto — conta. — A primeira avaliação que eu fiz é que o Bouboulina estava navegando ali na costa leste com 11 a 16 nós de velocidade, sem interrupção.

Falso positivo

Antes de divulgar a imagem do rastro no litoral potiguar, Barbosa chegou a apontar uma imagem de satélite com uma grande mancha escura, daquela vez no litoral da Bahia, que poderia ter relação com o incidente de óleo. A imagem, porém, acabou sendo desacreditada pelo Ibama e pela Marinha .

— A gente fez uma falsa interpretação de uma área, que foi precipitada, em função de uma situação em que a gente tinha que divulgar logo e não tinha ainda uma análise completa — reconhece Barbosa.

Cruzando os dados de satélite usados na ocasião, ele afirma que a forma vista ali é o contorno de relevo no fundo do mar, que causa interferência em imagens sobre a superfície.

Segundo ele, o Ibama e a Marinha foram corretos em descartar que a feição observada era óleo, mas suas versões para explicar a imagem também estavam erradas.

O Globo

Mais 4 navios gregos estão entre os investigados por vazamento de óleo

Foto: Reprodução

Mais quatro navios de bandeira grega, além do Bouboulina, da empresa Delta Tankers, são alvo da investigação que a Marinha do Brasil e a Polícia Federal (PF) realizam para tentar identificar os responsáveis pelo derrame de óleo cru que, desde o fim de agosto, atingiu o litoral dos nove estados do Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe).

Oficialmente, a Marinha não revela os nomes das cinco embarcações a respeito das quais pediu informações às autoridades marítimas da Grécia, mas, em nota, a Delta Tankers, responsável pelo Boubolina, revelou tratar-se dos navios-tanques Maran Apollo e Maran Libra (da Maran Tankers), Minerva Alexandra (Minerva Marine) e do Cap Pembroke (Euronav), além do Bouboulina.

Na mesma nota, a Delta Tankers informa que recebeu a notificação da Marinha brasileira somente nesta terça-feira (5). A empresa diz ainda que, no documento entregue pelo Ministério de Assuntos Marítimos da Grécia, os cinco navios gregos são tratados como suspeitos de derramamento do óleo que polui praias, mangues e a foz, ou desembocaduras, de rios na costa do Nordeste.

A Delta Tankers nega ter qualquer relação com o óleo encontrado no litoral nordestino e garante que pode comprovar a regularidade de suas operações. A empresa grega afirma que inspecionou os registros gravados por câmeras e sensores existentes no interior do Boubolina e não encontrou nenhum indício de que parte do produto que estava sendo transportado vazou.

“Este material será compartilhado de bom grado com as autoridades brasileiras, caso entrem em contato com a empresa nesta investigação. Até agora, esse contato não foi feito”, afirmou a empresa no comunicado divulgado ontem.

Trinta Suspeitos

A Marinha informou à Agência Brasil que o pedido para notificação dos cinco navios de bandeira grega foi apresentado às autoridades da Grécia no dia 12 de outubro. Segundo a Marinha, as investigações, feitas em conjunto com a Polícia Federal, com o apoio de instituições nacionais e estrangeiras, identificou 30 navios-tanque de várias nacionalidades que navegaram próximo à costa brasileira, na região de onde o óleo pode ter se espalhado. Segundo o Centro de Hidrografia da Marinha, esse ponto inicial fica cerca de 733 quilômetros a leste do estado da Paraíba.

Dos 30 navios-tanques sob investigação, o Bouboulina é apontado como o principal suspeito pelo provável derramamento de óleo. Os investigadores afirmam que, após carregar petróleo bruto na Venezuela, a embarcação grega contornou a costa nordestina brasileira e seguiu viagem rumo a Cingapura e à Malásia, onde teria transferido parte do material para outro navio.

A Delta Tankers confirma que o Bouboulina partiu da Venezuela em 19 de julho, carregado com petróleo, para Melaka, na Malásia, onde descarregou toda a carga embarcada em território venezuelano, “sem qualquer falta”.

Ainda de acordo com a Marinha, os investigadores também avaliaram a hipótese de o óleo ter vazado de um “navio pirata” ou dark ship (embarcação que navega com sistemas de localização desligados), mas imagens de satélite não revelam qualquer movimentação neste sentido.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Naldinho disse:

    E não era o Greenpeace que tinha derramado o óleo segundo o bozo?

    • Celso disse:

      Não. O bozo não falou nada disso. Já a Dilmanta falou em estocar vento.

FOTO: Secretaria descarta intoxicação por óleo em turista de MG que teve manchas no corpo após banho de mar na Bahia

Foto: Arquivo Pessoal

A Secretaria Municipal de Saúde de Ilhéus, no sul da Bahia, onde o turista de Minas Gerais sofreu manchas no corpo após tomar banho de mar, descartou nesta terça-feira (5) o quadro de intoxicação pelo óleo que atinge as praias do litoral nordestino.

De acordo com o boletim, o diagnóstico inicial de Anderson Gabriel é de queimadura de primeiro grau. Os exames feitos por ele não tiveram alterações e as costas dele apresentam quadro de descamação. Ele foi internado na segunda (4), no Hospital Regional Costa do Cacau após um mal-estar, com vômitos e náuseas.

De acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde da cidade, Gleidson Souza, a queimadura não tem relação com as manchas de óleo que atingiram a cidade. Ele disse ainda que o turista já teve melhora no quadro de mal-estar nesta terça.

“A queimadura não tem relação epidemiológica com o óleo. O paciente não tem sinais de intoxicação clássico do petróleo, não teve nenhuma alteração nos exames. No momento ele está com bom estado geral, orientado, sinais vitais normais. Sem sinal de intoxicação”, descreveu Gleidson.

O G1 questionou ao coordenador se há informação sobre o que causou a queimadura no turista. Segundo Gleidson, as causas da queimadura ainda estão sendo apuradas.

Em entrevista ao G1, no domingo (3), Anderson Gabriel contou que caminhava sozinho na praia quando decidiu tomar um banho de mar. O turista conta que ficou dentro da água por cerca de 40 minutos e saiu quando o corpo começou a arder.

“Eu estava fazendo uma caminhada na areia. Aí na hora que eu fui tomar um banho de mar, fiquei uns 40 minutos dentro da água. O meu corpo começou a coçar e queimar, e eu saí da água. Na praia eu não vi óleo, mas quando eu cheguei em casa, que eu fui tomar banho, começou a sair uma água escura [do corpo] e a bucha ficou muito oleosa”, lembrou Anderson.

O coordenador da Vigilância disse que a esponja usada por Anderson foi analisada, mas que vestígios de óleo não foram encontrados. Ele pontuou ainda que uma análise da água também está sendo feita.

G1

Marinha envia seus dois maiores navios para auxiliar no combate ao vazamento de óleo no Nordeste

 Foto: Lucas Landau/Reuters

Os dois maiores navios da Marinha do Brasil saem do Rio de Janeiro nesta segunda-feira (4) em direção ao Nordeste do país para ajudar no combate ao vazamento de óleo que atingiu as praias da região. A medida foi tomada mais de 60 dias após o óleo chegar à costa brasileira.

O primeiro, Atlântico, deixa o Arsenal de Marinha, na Zona Portuária do Rio, ao meio-dia. O segundo, o navio-doca multipropósito Bahia, deixará a Base Naval do Mocanguê, na Baía de Guanabara, às 15h. Além dessas duas grandes embarcações, uma fragata, seis aeronaves e um terceiro navio também sairão do local.

No total, duas mil pessoas participarão da missão – sendo 670 fuzileiros navais. Os fuzileiros irão desembarcar para participar da limpeza das praias, manguezais e arrecifes.

O Atlântico e a fragata vão trafegar pelo litoral nordestino em patrulha e monitoramento das águas, com exceção do Bahia – este, por ser um navio-doca, e também por questões de logística, ficará atracado no Porto do Suape, em Recife.

A previsão é que os navios cheguem no Nordeste no dia 10 deste mês.

Mais de 300 praias atingidas

O óleo já atingiu 314 localidades da orla brasileira. No total, o Ibama afirma que 110 municípios foram afetados em todos os 9 estados do Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

A Federação Internacional de Poluição por Petroleiros (ITOPF, na sigla em inglês) tem um guia público de boas práticas para a limpeza de locais contaminados. O órgão já atuou em mais de 800 vazamentos causados por navios em 100 países diferentes nos últimos 50 anos. Segundo o ITOPF, a limpeza manual é a mais indicada para o caso das manchas de óleo no Nordeste.

“A melhor técnica aqui é a limpeza manual, para ser seletivo e reduzir o dano ambiental, considerando a natureza do óleo e dos substratos contaminados. Máquinas como tratores podem ser usadas onde for possível, mas é preciso levar em consideração os possíveis efeitos no meio ambiente, inclusive em ninhos de tartarugas”, diz Richard Johnson, diretor técnico do ITOPF.

Reincidência

Um terço das mais de 280 localidades atingidas pelo óleo no Nordeste chegaram a ser limpas, mas viram a poluição retornar ao menos uma vez. Ao todo, 83 praias e outras localidades tiveram a reincidência da contaminação, o que representa 29,5% dos locais afetados pelo petróleo cru que começou a surgir no fim de agosto.

A praia que mais sofreu com grandes resíduos de óleo, segundo os balanços do Ibama, foi Jandaíra, na Bahia. A localidade foi a que mais vezes apareceu nos relatórios com o status que equivale a manchas maiores que 10% da praia. Ao todo, em 18 relatórios do Ibama algum ponto dessa praia, que fica próxima à divisa com Sergipe, apareceu com manchas grandes: a primeira, em 4 de outubro, e na segunda-feira (28) da semana passada.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Frederico Bruno Pereira de Lima Duarte disse:

    Gosto desse governo, muito pela rápida e pronta resposta aos problemas apresentados … né Seu Jair?

  2. Fonsa disse:

    Agora, né! Governo irresponsável. Depois que o óleo se alastra por quase todo litoral nordestino.

MPF e PF no RN obtêm mandados envolvendo navio da Grécia suspeito de derramamento de óleo no Nordeste

Foto: Ilustrativa

A Polícia Federal cumpre, nesta sexta-feira (1), mandados de busca e apreensão em uma agência marítima e na sede de representantes de uma empresa, no Rio de Janeiro. O MPF concordou com a manifestação da PF e pediu à Justiça Federal a expedição dos mandados, emitidos pelo juiz da 14ª vara criminal do RN. Os dois alvos são ligados à proprietária de um Navio Mercante (NM) de bandeira grega, indicado como origem do derramamento de óleo na costa nordestina.

O Inquérito Policial sobre o caso, no RN, teve acesso a imagens de satélite que partiram das praias atingidas até o ponto de origem (ponto zero) de forma retrospectiva. O relatório de detecção de manchas de óleo, de autoria de uma empresa privada especializada em geointeligência, indicou uma mancha original, do dia 29/07/2019, e fragmentos se movendo em direção à costa brasileira.

Com informações da Marinha, a Diretoria de Inteligência Policial da PF concluiu que “não há indicação de outro navio (…) que poderia ter vazado ou despejado óleo, proveniente da Venezuela.” Ainda de acordo com a Marinha, esse mesmo navio ficou detido nos Estados Unidos por quatro dias, devido a “incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga no mar”.

O sistema de rastreamento da embarcação confirma a passagem pelo ponto de origem, após ter atracado na Venezuela – país desenvolvedor do óleo derramado -, ao seguir viagem para a África do Sul e Nigéria.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juca disse:

    Pensei q tivesse sido da Venezuela kkkkkkkkk chora mundiça do bozo

  2. Irany Gomes disse:

    Cadê um vagabundo petralha da UFAL, que disse que o vazamento era no pré sal?

  3. Manoel disse:

    Parabéns ao governo federal e as polícias envolvidas na apuração do maior crime ambiental já praticado no Brasil!

  4. Maria disse:

    Bastava oferecer uma recompensa boa em dinheiro e já teria descoberto há muito tempo.

  5. Escritor disse:

    Ue? Mas nao tinha sido o Greenpeace, segundo insinuou um Ministro do Meio Ambiente. Pois diga.

    • Cesar disse:

      Apesar do GREENPEACE jogar óleo e sujeira no espaço público, dessa vez não foram eles.

PF diz que navio grego é suspeito de derramamento de óleo no Nordeste; Operação foi deflagrada nesta sexta em parceria com a Interpol

Foto: Clemente Coelho Júnior / Instituto Bioma Brasil

A Polícia Federal (PF) afirmou nesta sexta-feira que um navio grego é o principal suspeito pelo derramamento de óleo no mar que provocou a contaminação de mais de 250 praias no Nordeste.

Segundo a investigação, a embarcação atracou na Venezuela em 15 de julho e o derramamento teria ocorrido a 700 quilômetros da costa brasileira entre os dias 28 e 29 de julho. Uma operação foi deflagrada nesta sexta-feira pela PF em conjunto com a Interpol.

Segundo a PF, estão sendo cumpridos dois mandados de busca nesta sexta-feira no Rio em sedes de representantes e contatos da empresa grega responsável pelo navio. Os mandados foram expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal/RN, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil.

As investigações foram realizadas de forma integrada com Marinha, Ministério Público Federal, Ibama e as universidades Federal da Bahia (UFBA), de Brasília (UnB) e Universidade Estadual do Ceará (UEC). Também houve apoio de uma empresa privada do ramo de geointeligência.

De acordo com as investigações, após atracar na Venezuela, onde ficou por três dias, o navio seguiu para Singapura, tendo aportado apenas na África do Sul. O derramamento teria acontecido durante esse translado.

Não há ainda informações sobre quem seria o responsável pelo petróleo abastecido na Venezuela. Foram solicitadas diligências adicionais à Interpol para buscar dados adicionais sobre a embarcação, tripulação e empresa responsável.

A investigação é pelo crime de poluição e por um artigo da legislação brasileira que pune o fato de não ter havido comunicações às autoridades sobre o incidente ocorrido em alto mar. O óleo que contamina as praias nordestinas desde 30 de outubro deste ano já atingiu 286 localidades em 98 municípios nos nove estados do Nordeste.

Relembre

Na última quarta-feira, o comandante da Marinha, almirante de esquadra Ilques Barbosa , havia reiterado que a investigação sobre o derramamento de óleo que atingiu o Nordeste estava concentrada em 10 navios de 11 bandeiras diferentes, uma vez que um deles podia ter duas bandeiras. No mesmo dia, o vice-presidente Hamilton Mourão já havia alertado que o governo federal poderia anunciar o navio responsável nesta semana, mas foi desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Na semana passada, Barbosa havia dito que as principais suspeitas recaíam sobre 30 navios. O comandante ressaltou, no entanto, que nenhuma hipótese está descartada.

O Globo

 

Defesa Civil de Natal recebe equipamento para limpeza de óleo nas praias

Foto: Divulgação

A Defesa Civil Municipal recebeu nessa quarta-feira (30/10), equipamento de proteção individual para ser utilizado pelos agentes nas situações de limpeza das praias da capital aonde for detectado óleo bruto. O material doado pela Cosern e pelo Governo Federal foi entregue numa ação do Governo do Estado.

Os equipamentos de ação protetiva pessoal compreendem luvas, máscaras, botas e protetores solares. Também foi distribuído com a Defesa Civil Municipal o material disponibilizado pelo Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA), do Governo Federal, que enviou pás, carros de mão, peneiras, ancinho, baldes, big bags e bombonas plásticas.

A Defesa Civil de Natal vem monitorando diariamente as praias da capital desde o último dia 22 deste mês. Os agentes estão divididos em equipes e percorrem regulamente a faixa de areia das praias de Ponta Negra, Via Costeira, Areia Preta, Praia do Meio, Praia do Forte e Redinha. Durante o trabalho de vistoria, os agentes chegaram a encontrar pequenos vestígios de óleo bruto, sendo a constatação imediatamente informada aos órgãos de controle Estadual e Federal, como orienta o protocolo de procedimentos.

A secretária da Semdes, Sheila Freitas, informou que todo o efetivo da Defesa Civil de Natal está sob alerta e deve continuar o monitoramento do litoral da capital pronto para agir em caso de presença de óleo na orla. “A Defesa Civil de Natal vem se somando aos demais órgãos com o objetivo de evitar dano ambiental nas praias”, comentou a secretária.

Os agentes da Defesa Civil de Natal passaram por uma qualificação para atuar nas situações onde forem encontradas manchas de óleo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. florencio disse:

    E de criticos kkkkkk

  2. Alexandre disse:

    Enxugando gelo …tem que fazer a contenção no mar…

Pesquisadores analisam pescado de regiões no RN atingidas por óleo

Foto: Wallacy Medeiros

Ações integradas para avaliar os impactos do óleo no pescado do Rio Grande do Norte foram discutidas em reunião nesta terça-feira, 29, na Secretaria de Estado da Agricultura, da Agropecuária e da Pesca do RN (SAPE). O encontro contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que irão analisar amostras das espécies de peixes, crustáceos e água das praias atingidas pelo aparecimento do produto, a fim de elaborar um documento sobre a segurança alimentar para consumo humano.

O trabalho será desenvolvido em parceria entre SAPE, UFRN, Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), Superintendência de Vigilância Sanitária (Suvisa) e Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (Idiarn), a partir da coleta de peixes das 17 colônias de pescadores do RN, além de camarões, lagostas, ostras e mariscos. De acordo com o professor do Instituto de Química da UFRN, Djalma Ribeiro da Silva, pesquisadores de diversos departamentos farão avaliações qualitativas e quantitativas do pescado, a partir de um protocolo comum para coleta e análise.

“Considero que essa ação é um retorno muito gratificante da UFRN para a sociedade, pois estamos disponibilizando as pessoas mais especializadas para atuar no problema de contaminação. Vamos começar a investigar nas praias onde apareceu a maior quantidade de óleo, a partir da análise tanto de peixes e crustáceos quanto da água, para garantir à população que as áreas estão próprias para o banho naquele momento”, afirma Djalma Ribeiro. Também participaram da reunião pesquisadores dos departamentos de Oceanografia e Limnologia (DOL), Botânica e Zoologia (DBEZ), Ecologia (DECOL), Biologia Celular e Genética (DBG) e da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ).

O subsecretário de Pesca, David Soares de Souza, ressalta que até o momento não há indícios de comprometimento do pescado potiguar, em virtude de questões técnicas e biológicas. “O Rio Grande do Norte recebeu uma quantidade de óleo inferior à de outros estados. Ainda assim temos o interesse de proceder a análise in loco das regiões de Baía Formosa a Touros, que engloba 17 colônias de pescadores e 12 mil famílias diretamente relacionadas à atividade econômica da pesca artesanal”, finaliza.

 Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Ora, a "análise" que vale, para todos os efeitos, é a do zé-povim, o consumidor.

  2. Ana disse:

    Tá muito bom, mas eu que não vou comer.

Correntes marítimas que atuam na costa do Nordeste brasileiro devem continuar trazendo o óleo para o litoral potiguar, informa Emparn

FOTO: PEI FON/RAW IMAGE/ESTADÃO CONTEÚDO

As correntes marítimas que atuam na costa do Nordeste brasileiro devem continuar trazendo o óleo para o litoral potiguar. Foi o que indicou a análise realizada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) nessa terça-feira (29).

Segundo o estudo, a bifurcação da corrente oceânica Equatorial Sul está “bem mais ao sul da sua posição normal e mais próxima da costa nordestina”.

Desta forma, a observação indica que o ramo norte da corrente atinge toda a costa leste, o litoral nordeste e a Costa Branca Potiguar.

Por causa do óleo, União antecipa a proibição da pesca de camarão e lagosta no litoral nordestino

Foto: Felipe Brasil

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou uma instrução normativa neste terça-feira, 29, que antecipa a proibição da pesca de lagosta e camarão no litoral nordestino. A determinação passa a valer nesta sexta-feira, 1º, e se estende até 31 de dezembro, sendo motivada pelo aparecimento de manchas de óleo em mais de 200 praias de todos os Estados do Nordeste.

O defeso originalmente é acionado para assegurar a reprodução. Das espécies em que ele foi antecipado, algumas já estão próximas do período, como a lagosta-verde e a lagosta-vermelha, cujo defeso originalmente ocorre de 1º de dezembro a 31 de maio. A antecipação também abarca o camarão-rosa, o camarão-de-sete-barbas e o camarão-branco, cujo defeso costuma ocorrer de 1º de abril a 15 de maio e de 15 de setembro a 31 de outubro.

“Estabelece excepcionalmente períodos de defeso adicionais para o ano de 2019, em decorrência da grave situação ambiental resultante de provável contaminação química por derramamento de óleo no litoral da região nordeste, proibindo a atividade pesqueira”, diz a instrução normativa.

No caso do camarão, a proibição abarca a “área compreendida entre a divisa dos Estados de Pernambuco e Alagoas e a divisa dos municípios de Mata de São João e Camaçari no Estado da Bahia”.

Com isso, a União estima pagar o seguro-defeso, de um salário mínimo mensal, para 60 mil pescadores. O litoral nordestino tem 470,5 mil pescadores artesanais cadastrados, segundo dados do site de transparência da CGU, o que inclui aqueles que trabalham em áreas de água doce. Há, ainda, parcela dos pescadores que não tem registro reconhecido pela União.

A chegada das manchas de óleo tem afetado o trabalho de pescadores de diversos Estados, bem como estudos encontraram petróleo no organismo de animais marinhos.

Nesse caso, o seguro-defeso é focado em pescadores de camarão e lagosta que tenham o pescado como única fonte de renda. A instrução é válida para os meses de novembro e dezembro, mas pode ser prorrogada. “O defeso é a paralisação temporária da pesca para a preservação das espécies, tendo como motivação a reprodução e/ou recrutamento, bem como paralisações causadas por fenômenos naturais ou acidentes”, define o site do ministério.

Em Pernambuco, o governo estadual calcula que o auxílio será pago apenas 400 para mais de 12 mil pescadores. Na sexta-feira, o governador Paulo Câmara pediu uma audiência com a ministra Tereza Cristina para ampliar o auxílio para pescadores de todas as áreas atingidas.

Não há estimativas de número de contemplados em Alagoas. Gerente de Pesca na Secretaria de Estado da Agricultura do Estado de Alagoas, Edson Maruta comenta que a lista de contemplados pelo auxílio não inclui outras etapas da cadeia produtiva, como o beneficiamento do camarão, por exemplo.

Sustentabilidade – Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria disse:

    Lagosta e camarão, geralmente são consumidos por quem tem mais grana e os outros peixes? Nåo foram contaminados TB? Quem pesca lagosta é número pequeno de pescadores em relação aos outros peixes , logo o pagamento de 1 salário mínimo sairá para pouquíssimos, o resto vai ficar sem receber e sem pescar, …

Mapa define defesos adicionais em áreas atingidas por óleo no Nordeste

Vista geral de um derramamento de óleo na praia de Peroba em Maragogi,estado de Alagoas, Brasil, outubro de 2019. Foto tirada em 17 de outubro de 2019. REUTERS / Diego Nigro – REUTERS / Diego Nigro

O Diário Oficial da União publica nesta terça-feira (29) instrução normativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que estabelece excepcionalmente períodos de defeso adicionais para este ano nas atividades pesqueira nas áreas atingidas pelo óleo no Nordeste.

De acordo com o documento, a medida decorre da “grave situação ambiental resultante de provável contaminação química por derramamento de óleo no litoral da Região Nordeste, proibindo a atividade pesqueira”.

Os períodos adicionais definidos, conforme normativas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), vão de 1º de novembro a 31 de dezembro deste ano.

Seguro-defeso

Na semana passada, o ministério anunciou o pagamento de uma parcela do seguro-defeso em novembro para cerca de 60 mil pescadores artesanais afetados pelo vazamento de óleo.

Segundo a pasta, terão direito ao benefício os pescadores artesanais que receberam seguro-defeso este ano e exercem suas atividades nas áreas atingidas pelo óleo, de acordo com mapeamento do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Durante o período de reprodução das espécies, em que os pescadores não podem trabalhar, é pago um salário mínimo por mês de defeso. O seguro defeso varia de três a cinco meses por ano, dependendo da área de pesca e da espécie. O pagamento é feito pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)”, diz o ministério.

Marinha recolhe óleo

Os navios da Marinha do Brasil recolheram, desde o início das ações de combate às manchas de óleo no Nordeste, 2.700 quilos de resíduos nos estados de Alagoas, Pernambuco, da Paraíba, do Rio Grande do Norte e Ceará, que compõem a área de jurisdição do Comando do 3º Distrito Naval, segundo informação do comando da Força.

Agência Brasil