União Europeia pede à Venezuela ‘libertação imediata’ de deputado braço-direito de Guaidó, preso em Caracas; EUA advertem que sem soltura, ‘haverá consequências’

Presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó posa ao lado de aliado Edgar Zambrano, em Caracas Foto: Manaure Quintero 05-01-2019 / REUTERS

A União Europeia (UE) pediu nesta quinta-feira a “libertação imediata” do braço-direito do líder opositor Juan Guaidó . A oposição denunciou que Edgar Zambrano foi preso por agentes do serviços de inteligência do presidente Nicolás Maduro na noite de quarta-feira em Caracas. Os Estados Unidos condenaram a “detenção arbitrária” e advertiram o governo de que haveria “consequências” se o parlamentar não fosse libertado.

Zambrano é um dos dez deputados contra os quais o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ordenou um julgamento por envolvimento na revolta de um grupo de militares, em 30 de abril, sob a liderança de Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela.

“A prisão do vice-presidente da Assembleia Nacional, Edgar Zambrano, a polícia secreta da Venezuela, é outro flagrante violação da Constituição do país”, denunciou o porta-voz das Relações Externas da UE, Maja Kocijancic, em comunicado. “É um ato que obedece a motivos políticos para silenciar a Assembleia Nacional.”

A UE pediu “respeito” aos direitos civis e à imunidade parlamentar de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo seu presidente, Guaidó. O bloco europeu advertiu Maduro que reagirá, “por meio de diferentes instrumentos políticos, contra a continuidade da erosão das instituições democráticas, do estado de direito e dos direitos humanos” na Venezuela.

Em mensagem publicada na conta do Twitter da embaixada americana em Caracas, fechada desde a escalada de tensão entre os dois países, Washington exigiu a libertação de Zambrano e descreveu a prisão como “ilegal e indesculpável”.

“Maduro e seus cúmplices são responsáveis diretos pela segurança de Zambrano. Se não for liberado de imediato, haverá consequências”, disseram os EUA.

A pedido do TSJ, a Constituinte suspendeu na terça-feira a imunidade parlamentar de Zambrano. O próprio parlamentar tuitou que patrulhas do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) cercaram seu carro diante da sede da Ação Democrática, partido de Zambrano.

“Quando nos negamos a sair do nosso veículo, utilizaram um reboque para nos levar de modo forçado ao Helicoide”, revelou Zambrano nas redes sociais, em referência à sede do Sebin.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pediu a libertação de Zambrano e respeito aos demais parlamentares da Assembleia Nacional.

“Chega de perseguição política da ditadura da Venezuela!”, ressaltou Almagro.

Além de Zambrano, o TSJ acusa de traição à pátria os parlamentares Freddy Superlano, Sergio Vergara e Juan Andrés Mejía, Luis Florido, Henry Ramos Allup, Richard Blanco, Marianela Magallanes, Simón Calzadilla e Amerigo De Grazia.

Em nota, os países que integram o Grupo de Lima rechaçaram a decisão da Assembleia Nacional Constituinte, a qual classificaram como “ilegítima”, de retirar a imunidade parlamentar dos deputados por eles trabalharem “na recuperação da institucionalidade democrática da Venezuela”. Rechaçou também a prisão de Zambrano, a qual atribui a ordens do general Gustavo González López, alvo de sanções internacionais.

Os deputados opositores apoiaram o levante de 30 de abril, deflagrado diante da base aérea de La Carlota, em Caracas. Confrontos naquele dia e no dia seguinte entre manifestantes e policiais deixaram seis mortos e mais de 200 detidos, segundo o procurador-geral do país, Tarek William Saab.

A deputada Mariela Magallanes se refugiou na residência do embaixador da Itália em Caracas, enquanto seus colegas se afastaram de atividades públicas. O deputado Richard Blanco se abrigou no domicílio do embaixador argentino na capital venezuelana.

— O medo não vai nos deter — afirmou Guaidó nesta quarta-feira em entrevista à AFPTV, em La Guaira, a 30 quilômetros de Caracas. — É a única estratégia que resta a um regime sem respostas ao povo (…). Só lhes resta gerar o medo.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilmanta disse:

    Manda Paulo Guedes, Lorenzoni, alguns outros intocáveis ministros, os filhos-zero e alguns ptistas pra Venezuela… o Governo de Maduro cai em poucos dias….

  2. Victorino disse:

    Já passando da hora de acabar com esse regime opressor, esse ditador sanguinário, corrupto, narcotraficante, opoiado por essa esquerda maldita sem compromisso com o povo, apenas com eles próprios, para eles tudo, para o povo fubá e agua. Vergonha.

COMENTE AQUI