Política

Biden reconhecerá Guaidó como presidente da Venezuela e provoca ira de Felipe Neto: “EUA continua sendo EUA”

Foto: Montagem

O governo do novo presidente dos EUA, Joe Biden, continuará a reconhecer o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como o presidente do país sul-americano, de acordo com Anthony Blinken, nomeado secretário de Estado por Biden, na terça-feira, 19.

Blinken disse a membros do Senado dos Estados Unidos que Biden aplicará sanções “mais eficazes” ao país para destituir o presidente Nicolás Maduro – que mantém o controle do país. Blinken disse que o novo governo buscará mais assistência humanitária ao país.

Os Estados Unidos, junto com dezenas de outros países, reconheceram Guaidó, o líder da Assembleia Nacional da Venezuela, comandada pela oposição, como o presidente do país em janeiro de 2019, argumentando que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudada.

“Precisamos de uma política eficaz que possa restaurar a democracia na Venezuela, começando com eleições livres e justas”, disse Blinken. O esforço de Guaidó para derrubar Maduro – que comanda o país em colapso e é acusado de corrupção e violações dos direitos humanos – parou.

Maduro chama Guaidó de um “fantoche dos EUA” que tenta derrubá-lo em um golpe. Seus aliados expressaram o desejo de entrar em negociações com o governo Biden após anos de tensões e escaladas de sanções nos EUA.

Foto: Reprodução/Twitter

Com informações do Estadão

Opinião dos leitores

  1. Os Estados Unidos já desistiram desse plano. Ninguém leva a sério esse tal de Guaidó!

  2. Quem é esse sujeito? É algum chefe de estado? É algum bilionário empresário ? Faz negócios com EUA? É um Zé ninguém, vocês perdem muito tempo dando importância a quem não tem .

  3. Se é por falta de assunto chegou; Felipe Neto questiona o Presidente dos EUAA, sobre sua posição política em relação a Venezuela, provavelmente Joe Biden voltará atrás.

  4. Enquanto derem "espaço" para um imbecil como esse Felipe Neto, estaremos sujeitos a conviver com essas declarações imbecis.

    1. É aquele que fala assim:
      "Você não gosta de mim, mas sua filha gosta".
      Pergunte aos seus netos que eles te dirão.

    2. Lascou se.
      Não tenho filhas.
      Hehehehe.
      Só filhos e ta de olho na sua casa.
      Tem a mamãe tem a titia, tem a mana.
      Tome cuidado!!
      Só super dotados.
      Hehehehehe

  5. Nos EUA o Governo é superior ao Governante, o Estado é mais forte que o Gestor, por isto eles são uma potência e tem uma democracia forte, onde prevalecem os interesses da Nação. Lá político não faz o que quer, não pinta e borda, não é Deus.
    Sabe o que vai mudar com a troca de Trump por Biden, praticamente nada, só diminuirá a arrogância do galego topetudo. Lá prevalece e sempre prevalecerá os interesses americanos, eles fazem o que é melhor para os Estados Unidos, independente de quem ocupe a Casa Branca, e ponto final, o Mundo que se lixe.

  6. Biden é fascista, e está destruindo os EUA. Discurso da quadrilha petralha é o mesmo, sempre. São limitadíssimos cognitivamente para uma crítica justa e construtiva. Luciano Hulk, Amoedo ou qualquer um que nao pague o pedágio ideológico, caso ganhem em 2022 serão tb chamados de Fascista e Genocida.

  7. Depois dessa joe Biden quase não dormiu direito. Já percebeu que antes de qualquer decisão tem que consultar o pitaco de Felipe Neto.

    1. Quem é esse besta do Felipe Neto, o Brasileiro se preocupa muito com esses influenciadores conversadores de bostas

  8. A boiada é limitada mesmo.
    A Europa inteira não reconhece esse aventureiro como presidente, aí sai uma nota informando que o novo presidente dos EUA vai reconhecer, mas ninguém falou quais as condições…
    Não é atoa que esse povo (boiada) nao passa num concurso.

  9. Qual a motivação e importância em dar visibilidade ao que esse desmiolado fala?
    Esse rapaz não tem nada de construtivo a falar, suas opiniões são uma aberração de A a Z.
    É apenas mais um desvirtuado mental, que não se sabe a que preço, vem tendo espaço na mídia.
    Por favor BG, eleve o nível do seu blog, deixe de dar visibilidade a esse tipo de pessoa.
    Isso não é liberdade de expressão e sim apologia a falta de moral, falta de educação e falta de princípio familiar.

    1. Respondendo a Senhora Luciana,agora Joe Biden o novo presidente dos EUA passará a ser considerado o próprio satanás,um anti Cristo pelos filiados e adeptos do PT e dos outros partidos aliados da esquerda brasileira.

  10. Radicais da direita, do centro e da esquerda, todos alienados imbecis. Raça asquerosa.

  11. eu fico impressionado como dao ouvidos a certas pessoas quem diabo e felipe neto????
    como se apoia um genocida como maduro?
    a fraude nas eleicoes da venezuela foi clara inclusive com prisoes de dversarios politicos um pais enterrado no caos.
    e esse bloco a ainda sita o nome de felipe neto um ze ninguem sem cultura.
    lamentavel

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Venezuelanos ocupam embaixada do país em Brasília para declarar apoio a Guaidó

Foto: JORDI MIRO / AFP

Em um episódio confuso, a Embaixada da Venezuela em Brasília foi ocupada no início da manhã desta quarta-feira por seguidores do líder opositor Juan Guaidó , presidente da Assembleia Nacional daquele país e reconhecido como “presidente interino” pelo Brasil e mais cerca de 50 países.

Há versões contraditórias do episódio. Segundo um comunicado divulgado mais cedo pela “embaixadora” designada por Guaidó para o Brasil, María Teresa Belandria , um “grupo de funcionários” da embaixada teria entrado em contato com os representantes do governo autoproclamado para informar “que reconhecem Juan Guaidó como presidente” da Venezuela.

O grupo, segundo o comunicado, “entregou voluntariamente” a sede diplomática da Venezuela no Brasil à oposição. Funcionários que estavam dentro da representação diplomática teriam sido notificados da ação e convidados a aderir ao movimento, “garantindo todos os direitos trabalhistas”.

Já Freddy Menegotti , encarregado de negócios da Venezuela no Brasil, nomeado pelo governo de Nicolás Maduro , afirma que a embaixada foi invadida, em uma ação calculada para coincidir com a cúpula dos líderes do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que começa nesta quarta em Brasília. No meio da manhã, Menegotti foi até a grade da embaixada fazer um pronunciamento e disse que o “imperialismo norte-americano” está por trás da ocupação da embaixada, que, pelas normas internacionais, é território estrangeiro.

— Um assédio a uma embaixada é um assédio a um país, o que está por trás disto é o imperialismo norte-americano, já denunciado em diferentes e reiteradas oportunidades que o imperialismo norte-americano assedia nosso país — disse. — É muito importante anunciar que essa situação está acontecendo no dia de hoje no Brasil quando está acontecendo um evento tão importante de transcendência internacional como o Brics.

O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, disse no Twitter que a embaixada foi invadida à força e responsabilizou o governo brasileiro pelo que ocorrer: “Fazemos responsável o governo do Brasil pela segurança de nosso pessoal e instalações diplomáticas. Exigimos respeito à convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas”, escreveu.

A notícia mobilizou desde cedo o governo brasileiro. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, para tratar da questão. Uma nota a respeito do assunto será divulgada pelo Itamaraty nas próximas horas.

Fontes do governo brasileiro disseram que há dúvidas sobre como está a situação. Afirmaram que o Ministério das Relações Exteriores só foi informado pela manhã, “com o episódio instalado”.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara, está dentro da embaixada, onde chegou no começo do dia. Segundo ele, houve uma reunião entre o governo brasileiro, representado pelo diplomata Maurício Correia, coordenador-geral de Privilégios e Imunidades do Itamaraty, e os representantes de governo Maduro. De acordo com o deputado, o diplomata disse que o Brasil não reconhece o governo venezuelano desde janeiro e, portanto, não tomaria providências contra as pessoas que entraram na embaixada de manhã.

— Eu participei da reunião quando ele informou que o governo brasileiro, o Itamaraty não reconhece desde janeiro o governo de Nicolás Maduro e portanto não tomariam nenhuma providência contras as pessoas que invadiram a embaixada, respaldando a ação criminosa que aqui aconteceu — disse.

Apoiadores do governo Maduro, na maioria brasileiros, agora fazem um cordão de isolamento na frente da entrada da embaixada. O Batalhão do Rio Branco, da Polícia Militar do Distrito Federal, encarregado de dar proteção às embaixadas, também na porta, mas não pode entrar devido à inviolabilidade diplomática — oficialmente, o prédio é considerado território estrangeiro. Poucos apoiadores de Juan Guaidó foram para a frente da embaixada após a ocupação.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou ao GLOBO que vai à embaixada agora pela manhã para declarar apoio aos funcionários supostamente leais a Guaidó:

— Nesse momento estou indo para a embaixada da Venezuela dar apoio ao diplomata Tomás, que faz parte da equipe da embaixadora María indicada por Guaidó, que está dentro da embaixada junto com o adido militar venezuelano de Maduro, senhor Barroso, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) e o embaixador de Cuba. — disse o deputado. — Não entendo como o Brasil reconhece Guaidó como presidente mas quem ocupa a embaixada é o indicado pelo narcoditador Maduro. Estar contra Maduro é estar ao lado do povo venezuelano que morre de fome e é assassinado quando protesta. O Brasil não é a Venezuela de Maduro.

Caracas não tem embaixador no Brasil desde 2016, quando Maduro chamou Alberto Castelar de volta em protesto contra o impeachment de Dilma Rousseff.

O Globo

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Guaidó pede ação à comunidade internacional e diz que Maduro ultrapassou “linhas vermelhas”

Foto: Leandra Felipe – Repórter da Agência Brasil/EBC

O deputado venezuelano e autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, pediu ação à comunidade internacional para resolver a crise no país. Ele acusa o presidente Nicolás Maduro de já ter passado todas as “linhas vermelhas” e cita como exemplo a detenção do deputado Edgar Zambrano, que qualifica de sequestro absurdo.

Familiares de parlamentares da Assembleia Nacional da Venezuela – opositores do regime que são acusados e detidos – contam que perdem o contato com eles após a prisão.

Refúgio

Nas últimas horas, foram registrados pedidos de abrigo de políticos em embaixadas estrangeiras. Agências de notícias informaram que o deputado Américo de Grazia refugiou-se na embaixada italiana.

Este não é o primeiro integrante do governo de Maduro a pedir abrigo. O deputado, Richard Blanco já tinha procurado refugio na embaixada da Argentina.

Esses deputados fazem parte de um grupo de dez, de quem o Supremo Tribunal retirou a imunidade parlamentar, depois de terem manifestado apoio ao autoproclamado presidente Juan Guaidó.

O pedido de refúgio dos dois parlamentares ocorre depois da prisão de Edgar Zambrano, vice-presidente da Assembleia Nacional, de quem também tinha sido retirada a imunidade.

Maduro

Do lado do presidente Nicolas Maduro, o presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, advertiu os países que condenaram a detenção, na quarta-feira (8), do vice-presidente do Parlamento, Edgar Zambrano, para que não se intrometam nos assuntos internos venezuelanos.

Acrescentou que haverá novas medidas contra outros políticos venezuelanos, além dos parlamentares opositores dos quais a Assembleia Constituinte retirou a imunidade.

Estados Unidos

O secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Mike Pompeo, exigiu, nessa quinta-feira (9) à noite, a “libertação imediata” do vice-presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Edgar Zambrano.

“Este é um ataque à independência do Poder Legislativo democraticamente eleito e faz parte dos constantes ataques do regime (do presidente Nicolás) Maduro para esmagar o livre debate na Venezuela”, declarou Pompeo, em comunicado.

O chefe da diplomacia norte-americana disse que a “detenção arbitrária” do vice-presidente do Parlamento é “um ato inaceitável e ilegal que reflete, mais uma vez, a repressão do regime de Maduro”.

“Zambrano deve ser libertado imediatamente”, afirmou.

A declaração Pompeo foi dada um dia depois de aviso da embaixada virtual dos EUA em Caracas, que prometeu, em mensagem no Twitter, que “haverá consequências” se o parlamentar não for libertado.

“A detenção arbitrária de Edgar Zambrano pelas forças de segurança opressivas de (Nicolás) Maduro é ilegal e imperdoável”, disse a embaixada, cuja sede está na capital norte-americana.

A conta oficial da embaixada no Twitter é administrada pelo Departamento de Estado norte-americano, em Washington.

Prisão

Na última quarta-feira, ao fim do dia, Zambrano foi detido por funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (Sebin, serviços secretos) quando se encontrava dentro do seu carro, à porta da sede do partido Ação Democrática, em Caracas.

Como se recusou a sair do carro, a polícia rebocou o carro para a prisão do Sebin, denominada Helicoide.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. PRA VENEZUELA O PRESENTE E O FUTURO É SOMBRIO E TEM TORCIDA ORGANIZADA PRA MADURO E A DITADURA DE MADURO.

  2. Mimimi, ai ai ai. Toda ação tem reação. Esse Guaidó deveria saber disso.
    Ainda mais que o povo Venezuelano e as forças armadas apoiam o seu Governo contra os interesses americanos seus aliados tendo por trás as multinacionais e empresas petrolíferas.

    1. As multinacionais e empresas petrolíferas geravam milhares de empregos de qualidade e o governo miserável destruiu tudo. Inibiu até à exaustão a iniciativa privada, tanto no campo quanto nas cidades. Ao invés de usar o ouro negro para melhorar a infraestrutura para o país e despertar o “ Animal Spirits” da população, resolveu comprar bilhões em armas da Rússia e China e fazer populismo barato. Hoje a China e Rússia estão preocupadas em manter o regime para ver se recebe a dívida de bilhões que a pobre Venezuela tem com eles. Onde o comunismo passa gera terra arrasada. Esqueça isso, caro Nilvan, a Europa já testou e reprovou. A Alemanha Oriental, inclusive sumiu do mapa e até hoje é um fardo que os irmãos ocidentais carregam.

    2. Não enxergar que por tras da ajuda humanitária americana está os interesses econômicos das petrolíferas é ser CAOLHO. O Brasil invadir a Venezuela é ir procurar sarna pra se coçar. Não adianta o Brasil se meter aonde não deve pra fazer os gostos de Donald Trump. Temos problemas demais pra enfrentar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

União Europeia pede à Venezuela ‘libertação imediata’ de deputado braço-direito de Guaidó, preso em Caracas; EUA advertem que sem soltura, ‘haverá consequências’

Presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó posa ao lado de aliado Edgar Zambrano, em Caracas Foto: Manaure Quintero 05-01-2019 / REUTERS

A União Europeia (UE) pediu nesta quinta-feira a “libertação imediata” do braço-direito do líder opositor Juan Guaidó . A oposição denunciou que Edgar Zambrano foi preso por agentes do serviços de inteligência do presidente Nicolás Maduro na noite de quarta-feira em Caracas. Os Estados Unidos condenaram a “detenção arbitrária” e advertiram o governo de que haveria “consequências” se o parlamentar não fosse libertado.

Zambrano é um dos dez deputados contra os quais o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ordenou um julgamento por envolvimento na revolta de um grupo de militares, em 30 de abril, sob a liderança de Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela.

“A prisão do vice-presidente da Assembleia Nacional, Edgar Zambrano, a polícia secreta da Venezuela, é outro flagrante violação da Constituição do país”, denunciou o porta-voz das Relações Externas da UE, Maja Kocijancic, em comunicado. “É um ato que obedece a motivos políticos para silenciar a Assembleia Nacional.”

A UE pediu “respeito” aos direitos civis e à imunidade parlamentar de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo seu presidente, Guaidó. O bloco europeu advertiu Maduro que reagirá, “por meio de diferentes instrumentos políticos, contra a continuidade da erosão das instituições democráticas, do estado de direito e dos direitos humanos” na Venezuela.

Em mensagem publicada na conta do Twitter da embaixada americana em Caracas, fechada desde a escalada de tensão entre os dois países, Washington exigiu a libertação de Zambrano e descreveu a prisão como “ilegal e indesculpável”.

“Maduro e seus cúmplices são responsáveis diretos pela segurança de Zambrano. Se não for liberado de imediato, haverá consequências”, disseram os EUA.

A pedido do TSJ, a Constituinte suspendeu na terça-feira a imunidade parlamentar de Zambrano. O próprio parlamentar tuitou que patrulhas do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) cercaram seu carro diante da sede da Ação Democrática, partido de Zambrano.

“Quando nos negamos a sair do nosso veículo, utilizaram um reboque para nos levar de modo forçado ao Helicoide”, revelou Zambrano nas redes sociais, em referência à sede do Sebin.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pediu a libertação de Zambrano e respeito aos demais parlamentares da Assembleia Nacional.

“Chega de perseguição política da ditadura da Venezuela!”, ressaltou Almagro.

Além de Zambrano, o TSJ acusa de traição à pátria os parlamentares Freddy Superlano, Sergio Vergara e Juan Andrés Mejía, Luis Florido, Henry Ramos Allup, Richard Blanco, Marianela Magallanes, Simón Calzadilla e Amerigo De Grazia.

Em nota, os países que integram o Grupo de Lima rechaçaram a decisão da Assembleia Nacional Constituinte, a qual classificaram como “ilegítima”, de retirar a imunidade parlamentar dos deputados por eles trabalharem “na recuperação da institucionalidade democrática da Venezuela”. Rechaçou também a prisão de Zambrano, a qual atribui a ordens do general Gustavo González López, alvo de sanções internacionais.

Os deputados opositores apoiaram o levante de 30 de abril, deflagrado diante da base aérea de La Carlota, em Caracas. Confrontos naquele dia e no dia seguinte entre manifestantes e policiais deixaram seis mortos e mais de 200 detidos, segundo o procurador-geral do país, Tarek William Saab.

A deputada Mariela Magallanes se refugiou na residência do embaixador da Itália em Caracas, enquanto seus colegas se afastaram de atividades públicas. O deputado Richard Blanco se abrigou no domicílio do embaixador argentino na capital venezuelana.

— O medo não vai nos deter — afirmou Guaidó nesta quarta-feira em entrevista à AFPTV, em La Guaira, a 30 quilômetros de Caracas. — É a única estratégia que resta a um regime sem respostas ao povo (…). Só lhes resta gerar o medo.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Manda Paulo Guedes, Lorenzoni, alguns outros intocáveis ministros, os filhos-zero e alguns ptistas pra Venezuela… o Governo de Maduro cai em poucos dias….

  2. Já passando da hora de acabar com esse regime opressor, esse ditador sanguinário, corrupto, narcotraficante, opoiado por essa esquerda maldita sem compromisso com o povo, apenas com eles próprios, para eles tudo, para o povo fubá e agua. Vergonha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

FOTO: Guaidó discursa para multidão em Caracas, na Venezuela, e anuncia que a “Operação Liberdade” começou

Foto: REUTERS/Carlos Garcia Rawlins/30.04.2019

Após deixar a manifestação que estava realizando com militares em uma base aérea de Caracas, o líder oposicionista da Venezuela, Juan Guaidó, se pronunciou diante de uma multidão nas ruas da capital do país. As informações são da agência de notícias Reuters.

Em uma foto publicada pela agência, Guaidó aparece discursando com um megafone em cima de um carro, enquanto o que aparentam ser soldados garantem sua segurança na base do veículo. “A Operação Liberdade começou!”, disse o autodeclarado presidente interino. “Vamos permanecer aqui juntos clamando que os militares se juntem a nós”, acrescentou.

No Twitter, Guaidó ainda informou que “os 24 estados do país tomaram esta estrada sem volta. O futuro pertence a nós: o povo e as Forças Armadas unidos pelo fim da usurpação”.

Reuters

Opinião dos leitores

  1. Os PTralhas choram…..acham que a miserável Venezuela é uma Suíça, adoram a Venezuela os PTralhas, mas assim que podem , viajam para Miami, Paris ou New York

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pleno apoio dos EUA a Guaidó para derrubar a ditadura de Maduro

O secretário de Estado americano Mike Pompeo anunciou pleno apoio ao movimento de Juan Guaidó para derrubar a ditadura de Nicolás Maduro.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Guaidó diz ter apoio de militares para ‘fim à usurpação’ na Venezuela e convoca povo às ruas

Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

O autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, convocou na manhã desta terça-feira (31) a população às ruas e declarou ter apoio de militares para pôr fim ao que ele chama de “usurpação’ na Venezuela.

Guaidó afirmou em post em rede social que se encontra com as principais unidades militares das Forças Armadas e que deu início à fase final da chamada “Operação Liberdade”.

“Povo da Venezuela, vamos à rua. Força Armada Nacional a continuar a implantação até que consolidemos o fim da usurpação que já é irreversível”, declarou Guaidó em post.

Também por meio das redes sociais, o presidente Nicolás Maduro compartilhou mensagem do presidente boliviano, Evo Morales, no qual ele afirma condenar o que chama de “tentativa de golpe de estado na Venezuela por parte da direita que é submissa a interesses estrangeiros”.

O vice-presidente setorial de comunicações venezuelano, Jorge Rodríguez, falou em um “grupo reduzido” de militares que se posicionou para “promover um golpe de estado”.

“Informamos ao povo da Venezuela que nestes momentos estamos enfrentando e desativando um reduzido grupo de efetivos militares traidores que se posicionaram na Rotatória Altamira para promover um golpe de estado contra a Constituição e a paz da República”.

O ministro da defesa, Vladimir Padrino, afirmou que as forças armadas seguirão firmes “na defesa da Constituição nacional e das autoridades legítimas” e que os quartéis reportam normalidade nas bases.

Guaidó com líder da oposição solto após prisão domiciliar
Em um vídeo postado em rede social, Guaidó aparece ao lado de Leopoldo Lopez, um outro opositor ao regime de Maduro que cumpria prisão domiciliar, foi liberado nesta manhã e seguiu para as ruas.

Nas mensagens de Guaidó, o autoproclamado presidente afirma que as Forças Armadas “tomaram a decisão correta”, e repetiu o pedido para que o povo saía às ruas para “dar respaldo às forças democráticas e recuperar a nossa liberdade”.

Leopoldo Lopez, que cumpria prisão domiciliar, ao lado de militar ao lado de base aérea em Caracas — Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Bombas de gás

Ainda nesta manhã, foram registrados conflitos na capital venezuelana, Caracas, onde houve disparo de bombas de gás. Até a última publicação desta reportagem, não havia informações sobre se os conflitos envolviam militares fiéis a Maduro ou apoiadores de Guaidó.

Relembre os últimos acontecimentos na Venezuela

Abril de 2019

Guaidó convoca venezuelanos para o que chama “maior marcha da história” contra Maduro em 1º de Maio
Venezuela é palco de novos protestos a favor e contra regime de Maduro

Março de 2019:

Países atendem pedido de Guaidó para distribuir ajuda humanitária, mas Maduro proíbe entrada de doações no país e fecha fronteiras com Brasil e Colômbia
Maduro chama de ‘traidores’ opositores que tentam entrar na Venezuela com ajuda humanitária

Fevereiro de 2019

Ajuda humanitária dos EUA com alimentos e remédios chega à fronteira com a Colômbia, mas ponte é bloqueada

Janeiro de 2019

Juan Guaidó se declara presidente interino da Venezuela e é reconhecido por Brasil e EUA

Maio de 2018

Maduro vence eleição na Venezuela marcada por denúncias de fraude, boicote da oposição e alta abstenção

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Que MADURO possa resolver de vez contra esses MILITARES ENTREGUISTAS TRAIDORES DA NAÇÃO VENEZUELA.
    A única coisa que a IMPRENSA BRASILEIRA sabe FAZER, inclusive esse BLOG. É PROPAGAR MENTIRAS PRA QUE ELAS POSSAM SE TORNAR VERDADE.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Guaidó: “O momento é agora”

Em Caracas, Juan Guaidó fez novo apelo à cúpula militar para deixar o apoio a Nicolás Maduro.

“Agora, o momento é agora. É agora que teremos que fazer a mudança na Venezuela”, disse.

Afirmou que somente 20% dos militares apoiam o ditador e relatou aos apoiadores o respaldo internacional recebido dos vizinhos.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. É a pior ditadura de todos os tempos. O opositor entra e sai do país ao bel-prazer. Se fosse no tempo da nossa "ditabranda" esse Juan Guaidó teria o mesmo fim que Juscelino, zuzu Angel, Stuart Angel, Herzog…

  2. Outro aproveitador lacaio dos Estados Unidos.
    Trump quer botar ele na Venezuela como fez com esse miliciano aqui no Brasil.
    Para tomar o Petróleo e dominar, assumindo o controle Militar do país.

    1. O nivel de imbecilidade de um comentário desse não nega que vem de um petista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Guaidó sugere ação militar internacional contra Maduro na Venezuela

AP Photo/Fernando Liano

A oposição da Venezuela sugeriu publicamente pela primeira vez que a comunidade internacional considere o uso da força militar contra o presidente Nicolás Maduro, aumentando o impasse após um confronto no fim de semana em torno da entrega de ajuda humanitária que terminou em violência.

“Os acontecimentos de hoje me obrigam a tomar uma decisão: sugerir à comunidade internacional de maneira formal que devemos ter abertas todas as opções para conseguir a libertação desta pátria que luta e seguirá lutando”, declarou, via redes sociais, durante o fim de semana, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, reconhecido por EUA, Brasil, Colômbia e dezenas de outros países.

“A violência e a intransigência do lado do governo venezuelano nos trouxeram alguns passos mais perto de um resultado violento. Isso certamente tornará mais difícil que ocorra uma solução negociada”, diz o analista do International Crisis Group, Phil Gunson.

Nos EUA, funcionários mais agressivos da Casa Branca em relação à Venezuela acreditam que a situação está mesmo se arrastando para uma intervenção militar. O Canadá e governos da América Latina, no entanto, dizem que não apoiam uma ação armada.

Nesta segunda-feira, uma reunião do Grupo de Lima reúne autoridades de 12 países do continente, entre eles o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão.

Com informações do Valor

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *