Roger Abdelmassih é atacado por preso em tentativa de estrangulamento em hospital penitenciário na Zona Norte de SP

Foto: Reprodução/TV Globo

O ex-médico Roger Abdelmassih, condenado por estupro de pacientes, foi atacado por um detento na quarta-feira (21) no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, no Carandiru, na Zona Norte de São Paulo. Ele está está internado no local desde 10 de setembro, quando foi transferido da penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo.

Segundo o secretário da Administração Penitenciária (SAP), Nivaldo Restivo, o ataque ocorreu no começo da tarde após um preso, que teve a irmã estuprada recentemente, chegar ao hospital para ser medicado por causa de uma fratura no fêmur.

“Quando soube que Roger estava na mesma ala do hospital penitenciário, ele invadiu o quarto, pulou sobre Roger e o atacou com as mãos”, afirmou Restivo.

A SAP informou que funcionários do hospital perceberam e controlaram o preso e Roger não ficou ferido.

Roger passou por exame de corpo de delito, que não apontou nenhuma lesão.

Abdelmassih está preso desde que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) revogou a prisão domiciliar e determinou que ele voltasse a cumprir pena em Tremembé, em 31 de agosto. Mas, por motivos de saúde, conseguiu a transferência para o hospital na capital.

Idas e vindas da prisão

O ex-médico estava em prisão domiciliar desde 19 de abril por ser considerado integrante do grupo de risco de contrair o coronavírus. A decisão que concedia o benefício a ele foi revogada no dia 28 de agosto pelo TJ-SP e ele voltou para a prisão três dias depois.

Para os desembargadores que integram a 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, “a pandemia causada pelo vírus Covid-19 não autoriza, por si só, a antecipação da progressão no regime prisional” e o ex-médico cumpre pena de 173 anos de prisão em regime fechado, não tendo direito à progressão de regime para o aberto no momento.

O TJ atendeu a um recurso do Ministério Público, afirmando que não há nenhum cuidado que o ex-médico precise que não possa ter na cadeia. O MP alegou que recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) citada na decisão pela juíza, que aborda medidas preventivas à propagação da Covid-19 nas prisões, não pode ser usada para autorizar a “soltura desenfreada de presos”.

Segundo o MP, a penitenciária onde Abdelmassih cumpria pena não tinha nenhuma morte confirmada pela doença e a decisão de conceder prisão domiciliar a Abdelmassih não considerou a possibilidade de ele ficar isolado dentro da penitenciária onde cumpria pena.

Para os desembargados, a pena de 173 de prisão pelos crimes sexuais aos quais Abdelmassih foi condenado e o fato de ele já ter simulado uma doença não autorizam a progressão da pena.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eleição disse:

    Isso deve ter sido uma grande farsa para ele sair da prisão.

Candidato a vereador é preso com R$ 15 mil na cueca no interior de Sergipe

Foto: Divulgação/PM-SE

Um candidato a vereador de Carira, no semiárido de Sergipe, foi preso ontem com R$ 15.300 em uma sacola escondida na cueca. Edilvan Messias dos Santos, o Vanzinho de Altos Verdes (PSD), foi detido em flagrante por policiais militares que investigavam uma denúncia de compra de votos no povoado de Altos Verdes, zona rural do município.

O PSD anunciou que investigará o caso. O UOL procurou a defesa do candidato, mas não obteve resposta.

Segundo a PM, o flagrante foi realizado depois que a equipe da 2ª Companhia Militar foi informada, por uma denúncia pelo número 190, que pessoas circulavam em dois veículos no povoado sob a suspeita de comprar votos.

Os policiais foram ao local e, após buscas na região, localizaram os suspeitos por volta das 14h30. Durante a abordagem, os policiais encontraram material de campanha dentro de um dos carros, que estava ocupado por um casal.

Ainda de acordo com a PM, ao ser questionado sobre a procedência do dinheiro, Vanzinho de Altos Verdes informou que havia recebido um pagamento na cidade de Itabaiana (SE) e pretendia usar o valor para comprar um veículo.

O suspeito foi apresentado na Delegacia de Carira, onde foi aberto um inquérito para investigar o caso. O PSD disse que vai apurar o caso e avaliar o que fará com o candidato. A reportagem do UOL tenta contato com a defesa do candidato.

A Secretaria de Segurança Pública do Sergipe informou ainda foi instaurado inquérito para apurar o caso, e que o candidato vai responder em liberdade. A Justiça Eleitoral já foi comunicada do caso.

UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eleição disse:

    Só encontra na Cueca..? E na calcinha..?

  2. Théo disse:

    Virou moda foi?!

  3. Marquito disse:

    É porque é messias……kkkkkk

TOMBO, PELO ACIDENTE, E QUEDA, PELO FLAGRANTE – (FOTO): Ladrão é preso no interior doa RN após arrombar supermercado e tentar fugir escalando prateleiras

Foto: Focoelho/cedida

Resumo da ocorrência: Tombo, pelo acidente, e a “queda”, pelo flagrante. A Polícia Militar informa que um homem que arrombou um supermercado ficou ferido e acabou preso após cair de uma altura de cerca de cinco metros, na manhã desta quarta-feira (14) em Assu, no Oeste potiguar. De acordo com a PM local, quando funcionários chegaram ao supermercado, por volta das 7h, encontraram o homem caído no chão, perto de sacolas.

Segundo a PM, o homem teria entrado, revirado vários objetos, separado alguns produtos que seriam furtados e colocado tudo em sacolas. Porém, ao tentar sair pelo teto, subindo pelas prateleiras, ele caiu. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionado e realizou o socorro. Após atendimento, o homem foi liberado pela equipe médica e conduzido pela polícia à Delegacia de Mossoró, para registro do flagrante.

Com acréscimo de informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ashtar disse:

    Ainda bem que as leis de Newton ainda funcionam no Brasil

  2. Bodó disse:

    Se estivesse trabalhando honestamente não teria tido o "acidente de trabalho" desonesto….

Caso Robson: Bolsonaro diz que vai ajudar brasileiro preso na Rússia; motorista foi pego com um remédio aceito no Brasil

Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (6) que o governo brasileiro vai tentar trazer o motorista brasileiro preso na Rússia por transportar um remédio aceito no Brasil. Robson Oliveira pode pegar até 20 anos de cadeia.

De acordo com um post de Bolsonaro no Twitter ele vai se aconselhar com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para saber o que pode ser feito neste caso.

Bolsonaro cogita entrar em contato com o presidente da Rússia, Vladmir Putin, para resolver o caso.

O presidente brasileiro conheceu o caso por meio do jogador do Palmeiras, Felipe Melo. “A justiça russa é bastante rígida e independente, mas um perdão do governo local será buscado por nós.”

Robson foi preso em 2019 depois que autoridades do país encontraram com ele um remédio permitido no Brasil que estava levando para o sogro do jogador de futebol Fernando, na época no Spartak Moscou (hoje ele joga na China).

Robson trabalhava para Fernando. O medicamento seria o Mytedom 10mg, ou cloridrato de metadona, utilizado para aliviar dores crônicas.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juber disse:

    Questinamentos:
    Por que o Cloridrato de metadona é proibido na Russia ? Se a um genérico desse "medicamento japonês" produzido sob licença, por que foi contrabandeado ? Preço na Rússia é exorbitante ?

  2. José Nilton da Silva disse:

    O sujeito alcunhar uma pessoa de Zé Droguinha, sem ter um mimimo de conhecimento sobre o ocorrido, fato corriqueiro nos dias de hoje, mostra o quanto a internet está dando voz e, ao mesmo tempo, mostrando o quanto é grande o numero de canalhas exitem em terras brasileiras. Cafajeste, gostaria de ver a sua reação, se o motorista Robson, homem trabalhador, pai de familia e totalmente inocente nessa acusação, fosse parente seu.

  3. Antonio Turci disse:

    Dr. Esp, o este caso não tem nada a ver com drogado.

  4. Lucas disse:

    Por essas e outras que o Mito vai ganhar no Primeiro Turno em 2022.

  5. Esp disse:

    vixe… meu MITO está defendendo até zé droguinha?
    perdi meu voto.

‘A mente não foi para prisão’, diz preso injustamente por 36 anos

Foto: Reprodução/Facebook/ArchieWilliams

Uma condenação por um crime não cometido é sempre uma injustiça atroz, mas não necessariamente o fim das esperanças. A atuação de uma rede internacional tem garantido que cada vez mais vítimas dessa situação consigam liberdade para recomeçar suas vidas.

Um famoso exemplo recente é o de Archie Williams, de 59 anos, um dos finalistas da 15ª edição do programa America’s Got Talent, que só conseguiu realizar o sonho de cantar para milhões e conquistou fãs como a duquesa de Sussex, Meghan Markle, após ter sua inocência provada com a ajuda da ONG Innocence Project.

Criado em 1992 nos Estados Unidos, o projeto revisa processos e usa exames de DNA para provar inocência em casos como o de Williams. Antes de subir ao palco e emocionar jurados e plateia, ele passou 36 anos na prisão depois de ter sido injustamente condenado por estupro, ataque agravado e tentativa de homicídio (leia mais abaixo).

O Innocence Project já reverteu julgamentos de 375 inocentes erroneamente condenados, incluindo 21 que estavam no corredor da morte. As pessoas beneficiadas passaram, em média, 14 anos encarceradas antes de serem liberadas.

Nesta sexta-feira (2), Dia da Condenação Injusta, a rede internacional promove a conscientização sobre as causas no sistema judiciário e os enormes traumas que esses casos provocam nos condenados e nas famílias.

Neste ano, a data terá participação ativa do Innocence Project Brasil, um dos vencedores da edição 2019 do Prêmio Innovare – que coloca em evidência iniciativas que trazem inovações e contribuem para o aprimoramento da Justiça.

Em um vídeo publicado em seu perfil em uma rede social, Williams afirmou: “Nunca deixei minha mente ir para a prisão”.

Esse exemplo de perseverança comoveu o principal jurado do America’s Got Talent, Simon Cowell, já impressionado por seu talento como cantor. Após saber da história do concorrente, Cowell decidiu se tornar um embaixador do Innocence Project e agora pretende ajudar outros condenados injustamente a obter a liberdade.

36 anos na prisão

Em 1983, aos 22 anos, Archie Williams foi condenado por estupro, ataque agravado e tentativa de homicídio de uma mulher de 31 anos.

A mãe e a irmã dele testemunharam dizendo que, na noite do crime, o jovem estava dormindo em casa. Além disso, nenhuma impressão de Williams foi encontrada no local em que a vítima sofreu o ataque.

Williams acredita que, por ser negro, pobre e não ter condições de lutar contra o sistema judicial do estado da Louisiana, o resultado foi uma condenação à prisão perpétua sem direito a condicional.

Apenas em 1995, já com o uso de exames de DNA em investigações criminais e a existência do Innocence Project, Williams viu sua grande chance: escreveu aos advogados do projeto e pediu ajuda.

A espera, porém, seria longa, graças à legislação atrasada do estado de Louisiana. Foram mais de dez anos até que o estado permitisse que condenados acessassem testes de DNA para provar inocência após sua condenação.

Só em 2009 o resultado do teste revelou que o DNA encontrado em provas era compatível com o do marido da vítima, e não com seu agressor. Outros dez anos foram necessários para que as digitais na cena do crime fossem associadas a Stephen Forbes, um homem que já havia sido preso e condenado por vários outros estupros e que estava morto desde 1996.

Uma semana depois da identificação de Forbes, em 21 de março de 2019, Archie Williams era, enfim, um homem livre novamente.

G1

 

FOTOS: Preso é flagrado com 8 celulares, carregadores, cabos e chips dentro no corpo em MT

Fotos: Sesp/MT

Um preso foi flagrado com oito mini aparelhos de celular com bateria, quatro plugs de cabo USB, sete chips e um fio de carregador dentro do corpo ao ser revistado na Penitenciária Osvaldo Florentino Leite Ferreira (Ferrugem), em Sinop, a 503 km de Cuiabá.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), ele foi descoberto durante procedimento de entrada na penitenciária. O caso aconteceu na última sexta-feira (18).

Os policiais penais identificaram “comportamento suspeito” no homem, que estava em um grupo de recém-chegados ao local. Após busca pessoal, ele foi submetido à inspeção eletrônica, e o scanner corporal revelou a presença de alguns objetos.

Objetos seriam entregues a outros presos

O homem então confessou que transportava materiais que seriam entregues a presos da unidade.

Sozinho, ele expeliu oito mini aparelhos de celular com bateria, quatro plugs de cabo USB, sete chips de celulares e um fio de carregador de celular. O preso não necessitou de atendimento médico.

O material estava protegido por bexigas e fitas isolante. Aos policiais penais, ele relatou que receberia uma quantia em dinheiro caso conseguisse fazer a entrega.

O homem foi encaminhado para a ala destinada ao isolamento, como medida de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19).

A direção da penitenciária afirma que investiga quem encomendou os objetos e a participação do preso nesse caso.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antônio Soares disse:

    Já pensou esses bichos tudo tocando dentro do fiofó do camarada. Kkkkk

  2. Edison Cunha disse:

    Vocês já imaginaram uma cagada informatizada de um cabra desse!
    E um peido!
    Armaria!
    Dou figa.

  3. Jk disse:

    Só faltou engolir a torre de transmissão

Pedro Fernandes, secretário estadual de Educação do RJ, é preso; ex-deputada Cristiane Brasil é procurada

Foto: Divulgação

O secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, Pedro Fernandes, foi preso nesta sexta-feira (11) na segunda fase da Operação Catarata, que investiga supostos desvios em contratos de assistência social no governo do estado e na Prefeitura do Rio.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil afirmam que o esquema pode ter desviado R$ 30 milhões dos cofres públicos.

Pedro foi preso, segundo o MPRJ, por ações durante sua gestão na Secretaria Estadual de Tecnologia e Desenvolvimento Social nos governos de Sérgio Cabral e de Luiz Fernando Pezão — antes de assumir a Educação a convite de Wilson Witzel.

A Fundação Estadual Leão XIII, alvo da investigação, era vinculada à secretaria de Pedro.

Ao receber voz de prisão, Pedro Fernandes apresentou um exame positivo de Covid-19, o que transformou a prisão preventiva em domiciliar.

Ex-deputada e ex-secretária procurada

Havia um mandado de prisão também para a ex-deputada federal Cristiane Brasil, filha do também ex-deputado federal Roberto Jefferson (que não é alvo da operação).

Cristine não foi encontrada em casa, mas, segundo sua assessoria, ela não está no RJ e iria se apresentar à policia ainda nesta sexta.

Cristiane foi secretária de Envelhecimento Saudável da Prefeitura do Rio e chegou a ser nomeada ministra do Trabalho no governo Temer, mas teve a posse suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Presos na operação

Pedro Fernandes, secretário estadual e ex-presidente da Fundação Leão XIII;

Flavio Salomão Chadud, empresário;

Mario Jamil Chadud, ex-delegado e pai de Flavio;

João Marcos Borges Mattos, ex-diretor de administração financeira da Fundação Leão XIII.

O que dizem os investigados

O advogado de Pedro Fernandes disse à TV Globo que seu cliente está tranquilo e que a defesa iria se pronunciar oportunamente.

Em nota, Cristiane afirmou que a denúncia é “uma tentativa clara de perseguição política”.

“Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram pois não quiseram”, disse. “Mas aparecem agora que sou pré-candidata a prefeita numa tentativa clara de me perseguir politicamente, a mim e ao meu pai.”

“Em menos de uma semana, Eduardo Paes, Crivella e eu viramos alvos. Basta um pingo de racionalidade para se ver que a busca contra mim é desproporcional. Vingança e política não são papel do Ministério Público nem da Polícia Civil”, emendou.

O G1 ainda não fez contato com a defesa dos demais presos.

Fraude em duas esferas

Na primeira etapa, em julho de 2019, a força-tarefa prendeu sete pessoas suspeitas de fraudar licitações da Fundação Estadual Leão XIII, sob gestão da secretaria de Fernandes.

Com o aprofundamento das investigações na Leão XIII, a força-tarefa afirma que o esquema incluiu órgãos da Prefeitura do Rio, chefiados por Cristiane Brasil — a Secretaria Municipal de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida e a Secretaria Municipal de Proteção à Pessoa com Deficiência.

Os contratos sob investigação, firmados entre 2013 e 2018, custaram quase R$ 120 milhões aos cofres públicos. O MPRJ afirma que sobre os serviços contratados eram cobradas vantagens indevidas que variaram de 5% a 25% do valor acertado.

O total desviado chegaria, segundo a denúncia, a R$ 30 milhões.

Justiça aceita denúncia

Além de expedir cinco mandados de prisão e seis de busca e apreensão, a 26ª Vara Criminal da Capital aceitou a denúncia do MPRJ e tornou 25 pessoas rés.

A primeira fase da Catarata mirou o projeto social assistencial Novo Olhar, que oferecia consultas oftalmológicas e distribuição de óculos para população de baixa renda.

A Controladoria-Geral do Estado (CGE) detectou a ocorrência de fraudes em quatro pregões eletrônicos entre 2015 e 2018, na Fundação Estadual Leão XIII. O MPRJ afirma que as concorrências foram vencidas fraudulentamente pela Servlog-Rio.

O MPRJ e a Polícia Civil sustentam ter constatado fraudes em diversos outros projetos sociais não só na Leão XIII, mas também na Secretaria Municipal de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida do Rio e na Secretaria Municipal de Proteção à Pessoa com Deficiência do Rio.

Outros programas afetados, segundo a denúncia, foram o Qualimóvel e o Agente Social.

Quem é Pedro Fernandes

Pedro Fernandes tem 37 anos e ocupa o cargo de secretário Estadual de Educação do Rio de Janeiro desde janeiro de 2019.

Ele foi candidato ao Governo do Estado nas ultimas eleições, mas foi derrotado no primeiro turno e apoiou o governador afastado Wilson Witzel no segundo.

Pedro é de uma família tradicional na política no estado. Ele é filho da vereadora Rosa Fernandes, que está no sétimo mandato na Camara Municipal do Rio. Ele é neto de Pedro Fernandes Filho, que foi deputado estadual.

Antes de ser secretário, Pedro foi o deputado estadual mais jovem a ser eleito na Alerj, com apenas 23 anos, em 2007, pelo extinto PFL. Em 2008, Pedro foi candidato a vice-prefeito da capital na chapa de Solange Amaral.

O político foi secretário estadual de assistência social e direitos humanos, durante o governo Cabral, e secretário de assistência social do município do Rio de Janeiro, em 2017, aceitando o convite do prefeito Marcelo Crivella.

Quem é Cristiane Brasil

Cristiane Brasil tem 46 anos e é advogada. Ela foi vereadora da cidade do Rio de Janeiro e deputada federal. Ela é filha do político Roberto Jefferson, ex-deputado federal cassado.

Ela ocupou o cargo de secretária Extraordinária da Terceira Idade e secreária Especial de Envelhecimento Saudável e qualidade de vida na Prefeitura do Rio.

Em janeiro de 2018, ela foi nomeada pelo presidente Michel Temer para o cargo de ministra do Trabalho, mas teve a posse suspensa pela então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

O pedido de suspensão foi acatado sob o argumento de que ela não atendia ao requisito da moralidade administrativa pois já havia sido condenada por dívidas trabalhistas. Cristiane chegou a questionar a decisão do tribunal.

No fim de janeiro de 2018, em um vídeo circulou em redes sociais, Cristiane se defendeu das acusações nos processos nos quais é ré na Justiça do Trabalho em um barco. Em nota, ela afirmou ter sido alvo de “machismo”, sem direito a defesa.

No fim de fevereiro de 2018, o PTB desistiu da indicação dela ao cargo.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zuza disse:

    No RJ só tem bandido ou é mera impressão?

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    A filha de Bob Jefferson também, o novo arauto da moralidade ???????? . A corrupção é o câncer que corrói o Brasil desde que as caravelas de Cabral aqui aportaram, em 1500, e envolve esquerda, direita e CENTRÃO.
    Querer negar esse fato é fazer parte disso tudo .

Homem que atacou sede do Porta dos Fundos é preso na Rússia

Foto:  Arquivo pessoal/Eduardo Fauzi

Eduardo Fauzi, o homem que atacou a sede da produtora Porta dos Fundos em dezembro do ano passado, foi preso pela Interpol em Moscou, na Rússia. O Ministério da Justiça já foi avisado e começou os trâmites para sua extradição para o Brasil.

Fauzi foi identificado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro como um dos cinco homens que jogaram coquetéis molotov na seda da produtora, na véspera de Natal. O motivo do ataque foi uma desvairada reação ao especial de fim de ano produzido pelo Porta dos Fundos em que Jesus foi retratado como gay.

Segundo a investigação, Fauzi embarcou para a Rússia, onde moram sua namorada e seu filho, no dia 29 de dezembro. Seu mandado de prisão foi expedido no dia seguinte.

Durante sua temporada na Rússia, Fauzi alegou que estava no país com visto de turista e que vivia ali com a ajuda da mãe de seu filho e com contribuições feitas por amigos com quem mantinha contato por grupos de Telegram. Sua defesa chegou a pedir asilo político.

Lauro Jardim – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Eu queria ver se essa galera do portas dos fundos teria coragem de fazer piada com a religião mulçumana.

  2. natal sofrida disse:

    Aguardem seus canalhas, mexer com o Cristo tem troco. Vocês comunistas que nao acreditam em Deus, não perdem por esperar, vagabundos!

  3. Lucia disse:

    BOLSONARISTA FUGINDO PARA PAÍS COMUNISTA?
    E AINDA MAIS PEDINDO ASILO?
    "FAÇA O QUE DIGO, MAS NÃO FAÇA O QUE FAÇO NÃO."
    Depois não diga que não avisei, que eu não avisei, que eu não avisei…

  4. Rosa Maria Marcelino Flório disse:

    "Demorô"

  5. Cidadão Indignado disse:

    Difusão vermelha nesse vagabundo! Lugar de bandido é na cadeia!

Polícia prende médico em Mossoró e homem em Natal suspeitos de esquema de venda de vagas em vestibular em curso de medicina no interior de SP

Investigações são comandadas pela Polícia Civil em Assis — Foto: Adolfo Lima / TV TEM

O portal G1 destaca que um médico foi preso em Mossoró, região Oeste do Rio Grande do Norte, na manhã desta quarta-feira (2), por suspeita de participação em um esquema de venda de vagas em cursos de medicina. A prisão faz parte da segunda fase da Operação Asclépio, deflagrada pela Polícia Civil de Assis (SP), em 5 Estados. Um homem também foi preso na capital potiguar.

O médico preso em Mossoró tem 27 anos e atua como clínico geral. Ele foi preso enquanto atendia pacientes no Hospital da Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC). De acordo com a Polícia Civil, o médico é suspeito de estelionato, associação criminosa e falsificação de documentos públicos.

O médico foi encaminhado a Cadeia Pública de Mossoró, onde aguardará o término da prisão temporária que é de 5 dias, podendo ser prorrogada por mais 5.

A outra prisão no Rio Grande do Norte aconteceu em Natal, no bairro do Tirol. O homem é apontado pela Polícia Civil como um dos responsáveis por arquitetar o esquema de disponibilização de terceiros para prestar a prova no lugar dos candidatos reais.

Ao todo, a Polícia Civil cumpre 22 mandados de busca e 12 de prisão temporária em São Paulo, Ceará, Paraíba, Minas Gerais e Rio Grande do Norte.

Veja detalhes da reportagem aqui.

Médico é preso após sacar arma durante discussão por exame de Covid-19 com paciente na Barra da Tijuca, no RJ

Consultório onde discussão começou entre médico e paciente fica em centro comercial na Barra Foto: Reprodução / Google Maps

A consulta de um paciente com sintomas do novo coronavírus terminou em discussão e virou caso de polícia na tarde desta quinta-feira, em um consultório localizado no Shopping Cittá América, na Barra da Tijuca, quando, durante o desentendimento, um médico pneumologista teria sacado uma arma de dentro de sua bolsa e ameaçado o cliente.

O caso foi parar na 16ª DP (Barra da Tijuca). De acordo com os relatos do paciente, ele marcou uma consulta com o doutor Enio Studart para examinar o pulmão porque havia sido infectado com a Covid-19 há dois meses, mas os sintomas de cansaço continuavam. Foi quando, ainda segundo o homem, o pneumologista questionou a qualidade dos testes rápidos feitos por ele na ocasião. Teria iniciado, a partir dali, uma discussão, onde ambos teriam trocado ofensas. Foi nesse momento, ainda de acordo com o depoimento, que o médico pegou uma mochila, de onde sacou uma pistola para ameaçá-lo.

O primeiro a chegar à delegacia foi o médico, contando ter tido um desentendimento com seu paciente, que chegou logo depois, acompanhado de policiais militares. Aos inspetores, Enio afirmou que o paciente, durante a consulta, não era claro em suas respostas, e que se aborreceu com as perguntas feitas por ele, começando a xingá-lo em seguida. O doutor também confirmou que possuía uma arma, mas que não havia a utilizado.

Os agentes começaram a duvidar da versão do pneumologista, no entanto, quando questionaram de que forma ele teria se dirigido até a delegacia. Ele afirmou que havia pedido um serviço de carro por aplicativo, mas investigadores encontraram estacionado no pátio um automóvel com placa no nome dele. Foi neste momento que os policiais fizeram uma busca e encontraram dentro do veículo uma série de armas: um revólver calibre .38, uma pistola calibre .32, um soco inglês, duas facas, 24 munições de calibre .38, nove munições de calibre.32 e um carregador de pistola .32.

Enio foi preso em flagrante pela equipe coordenada pela equipe coordenada pela delegada Fernanda Noethen e irá responder pelos crimes de ameaça e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Confira a nota oficial da Polícia Civil:

“De acordo com a 16ª DP (Barra da Tijuca), o médico foi preso em flagrante por ameaçar um paciente e por porte ilegal de arma de fogo. Em seu veículo, foram encontrados um revólver, uma pistola, um soco inglês, duas facas, um carregador de pistola e munições”.

Extra – O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aluísio Valença disse:

    O paciente não queria tomar Cloroquina, o dotô sacou a pistola e disse:
    – Vai tomar nem que seja na marra!

  2. BARRA PESADA disse:

    Essa Barra da Tijuca é barra pesada. Tem muito patriota armado na rua e nos condomínios.

  3. Papa Jerry Moon disse:

    O paciente não queria tomar cloroquina.

  4. Sergio disse:

    Atenção vcs que são a favor de armas: evitem consultórios médicos também. Aliás, não saiam de casa!

  5. Manoel disse:

    Esse médico estava indo pra uma guerra ou pra atendimento?

    • JSouza disse:

      Rapaz, na atual conjuntura da segurança pública, sair de casa é uma incógnita. Ainda mais no Rio de Janeiro (mas sem excluir a nossa realidade potiguar).

Fundador da Qualicorp é preso em operação da PF que investiga suposto caixa 2 de Serra na campanha de 2014

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (21) uma operação que investiga suposto caixa 2 na campanha de José Serra (PSDB) ao Senado em 2014. O empresário José Serpieri Júnior, sócio e fundador da Qualicorp, foi preso após as investigações apontarem que ele fez doações não contabilizadas de R$ 5 milhões ao tucano.

Em nota, o senador José Serra disse que lamenta a espetacularização da investigação e que desconhece as acusações. Ele disse que “foi surpreendido esta manhã com nova e abusiva operação de busca e apreensão em seus endereços, dois dos quais já haviam sido vasculhados há menos de 20 dias pela Polícia Federal. A decisão da Justiça Eleitoral é baseada em fatos antigos e em investigação até então desconhecida do senador e de sua defesa”. (Leia a íntegra abaixo). O G1 aguarda um posicionamento da Qualicorp.

A operação, que foi denominada Paralelo 23, é uma nova fase da Lava Jato que apura crimes eleitorais e é feita em conjunto com o Ministério Público Eleitoral (MPE). As apurações se restringem a fatos de 2014, quando Serra ainda não tinha o mandato de senador. Por volta das 8h50, três dos quatro mandados de busca e apreensão já tinham sido cumpridos.

Resumo:

Serra, que havia sido denunciado por lavagem de dinheiro no início do mês (leia mais abaixo), é um dos alvos de mandados de busca e apreensão.

Foram expedidos mandados para serem cumpridos no gabinete de Serra no Senado, no apartamento funcional dele em Brasília e em dois imóveis do senador em São Paulo.

Investigações apontam doações por meio de operações financeiras e societárias simuladas, que ocultavam a origem ilícita dos R$ 5 milhões recebidos.

Segundo investigações, o empresário José Seripieri Júnior, fundador e acionista da Qualicorp, grupo que comercializa e administra planos de saúde coletivos, determinou doações não contabilizadas a Serra em duas parcelas no valor de R$ 1 milhão e uma de R$ 3 milhões.

Ao todo, são cumpridos quatro mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Brasília, Itatiba e Itu.

O empresário José Serpieri Júnior, sócio e fundador da Qualicorp, foi preso.

Até por volta de 8h45, três pessoas haviam sido presas; entre elas Artur Azevedo. Ele teria pedido a prisão domiciliar por motivos de saúde, segundo o MP.

Também foi determinado pelo juiz da 1ª Zona Eleitoral o bloqueio judicial de contas bancárias dos investigados.

Os outros alvos de mandados de prisão são:

Arthur Azevedo Filho
Mino Mattos Mazzamati
Rosa Maria Garcia

Segundo a operação, os investigados responderão por pelos crimes descritos abaixo, com penas de 3 a 10 anos de prisão:

associação criminosa (artigo 288 do Código Penal)
falsidade ideológica eleitoral (artigo 350 do Código Eleitoral)
lavagem de dinheiro (artigo 1º da Lei nº 9.613/1998)

Serra denunciado por lavagem de dinheiro

O senador José Serra já tinha sido alvo de outra operação no início deste mês, quando foi denunciado pela força-tarefa da Lava Jato em São Paulo por lavagem de dinheiro. Na ocasião, a filha dele, Verônica Allende Serra, também foi denunciada pelo mesmo crime.

Segundo o Ministério Público Federal, a Odebrecht pagou a Serra cerca de R$ 4,5 milhões entre 2006 e 2007, supostamente para usar na sua campanha ao governo do estado de São Paulo. Outros cerca de R$ 23 milhões foram pagos entre 2009 e 2010, para a liberação de créditos com a Dersa, estatal paulista extinta no ano passado, ainda segundo a denúncia.

Os procuradores concluíram que houve lavagem de dinheiro usando a técnica “follow the money” (“siga o dinheiro”, em tradução livre). A denúncia diz que Serra e Verônica praticaram lavagem de dinheiro de obras do Rodoanel Sul no exterior de 2006 a 2014.

Operações ocultavam origem ilícita de dinheiro

Em relação à operação desta terça-feira, o caso de suposto caixa 2 foi remetido para a primeira instância da Justiça Eleitoral de São Paulo após a colaboração espontânea de pessoas que teriam sido contratadas em 2014 para estruturar e operacionalizar os pagamentos de doações eleitorais não contabilizadas.

Por meio da quebra do sigilo bancário e da troca de informações com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), foram identificados indícios do recebimento das doações eleitorais não contabilizadas a Serra.

As investigações apontam que as doações foram repassadas por meio de operações financeiras e societárias simuladas, de modo que ocultavam a origem ilícita dos R$ 5 milhões recebidos.

As investigações também identificaram outros pagamentos de valores elevados feitos por grandes empresas, sendo uma do setor de nutrição e outra da construção civil, perto das eleições de 2014. Essas doações, segundo foi investigado, eram feitas a uma das empresas supostamente utilizadas pelo então candidato para a ocultação do recebimento das doações. Esses fatos ainda serão objeto de mais apurações.

Nota Serra

“O senador José Serra foi surpreendido esta manhã com nova e abusiva operação de busca e apreensão em seus endereços, dois dos quais já haviam sido vasculhados há menos de 20 dias pela Polícia Federal. A decisão da Justiça Eleitoral é baseada em fatos antigos e em investigação até então desconhecida do senador e de sua defesa, na qual, ressalte-se, José Serra jamais foi ouvido.

José Serra lamenta a espetacularização que tem permeado ações deste tipo no país, reforça que jamais recebeu vantagens indevidas ao longo dos seus 40 anos de vida pública e sempre pautou sua carreira política na lisura e austeridade em relação aos gastos públicos. Importante reforçar que todas as contas de sua campanha, sempre a cargo do partido, foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Serra mantém sua confiança no Poder Judiciário e espera que esse caso seja esclarecido da melhor forma possível, para evitar que prosperem acusações falsas que atinjam sua honra.”

G1

Corpo de homem desaparecido desde domingo é encontrado preso em pedra no açude Gargalheiras

O corpo de Jácio Mamede Galvão foi encontrado nesta terça-feira(14) no açude Gargalheiras, em Acari.

Jácio estava desaparecido desde domingo(12) quando estava em uma embarcação a motor e se dirigia para uma comunidade às margens do açude.

O corpo foi encontrada preso em uma pedra durante buscas do Corpo de Bombeiros com auxílio da Marinha.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bosco disse:

    Lamentável! As minhas mais sinceras condolências a família. Tive o prazer de dividir o conselho fiscal do nosso condomínio com ele. Homem íntegro ,com quem tive a oportunidade de debater muitos assuntos. Que Deus o receba em sua morada eterna.

Ex-jogador Márcio Alemão, hoje vereador do PT, é preso por tráfico de drogas no RS

Márcio Alemão foi o quinto vereador mais votado em Esteio nas eleições de 2016. FOTO: Assessoria de Comunicação / Câmara de Vereadores de Esteio

Preso por tráfico de drogas, o vereador de Esteio Márcio Anderson Schmitz, o Márcio Alemão (PT), 36 anos, ensaiou carreira nos gramados antes de entrar na política. Foi jogador nas categorias de base do Grêmio e do Inter e chegou a atuar na Europa, onde integrou a equipe do Futebol Clube do Porto. Na noite quarta-feira (8), um capítulo inesperado marcou a trajetória do parlamentar da Região Metropolitana.

Após 15 dias de investigação, a Polícia Civil prendeu o parlamentar e outro homem em uma casa em Esteio. No local, foram encontradas 55 porções de maconha, balança de precisão, munição calibre 22, equipamentos para preparo e embalo de droga, além de 200 gramas de cocaína pura que, segundo os investigadores, podem render até 500 porções da droga. Havia ainda uma máquina de cartão de crédito e celulares — ambos os aparelhos serão periciados pela polícia. Márcio Alemão é investigado por tráfico de drogas e associação criminosa. Em depoimento, se manteve em silêncio.

Na casa onde houve o flagrante, a Polícia Civil encontrou porções de drogas. FOTO: Tiago Boff / Agência RBS

A temporada do gaúcho no clube europeu chegou ao fim após uma lesão grave no joelho. Retornou então à cidade natal. Foi conselheiro tutelar, tornou-se popular nos bairros de Esteio e concorreu em 2016 a vereador com bandeiras voltadas à educação. Chegou ao Legislativo como o quinto com melhor desempenho nas urnas, com 1.328 votos. Na Câmara, integrava a Comissão de Educação e criou uma frente parlamentar de apoio a refugiados e estrangeiros. Há um mês, havia pedido afastamento. A vaga ficou com o primeiro suplente, que também era seu chefe de gabinete desde agosto de 2019, Assis Brasil Marin Silveira (PT).

— Era um cara muito promissor na política. Muito ativo e querido, tinha uma simpatia muito grande pela cidade e fez uma baita votação. É muito conhecido em Esteio. Fiquei bem chocado com essa prisão — conta Silveira.

O petista conta que foi procurado por Alemão há um mês, quando foi informado do desejo dele de se licenciar do cargo. Na oportunidade, o vereador teria dito que a saída seria por motivos pessoais. Em uma publicação no dia 10 de junho em rede social, Alemão disse que ainda não havia se recuperado do luto da perda do pai, Remi Schmitz, em 2017, e que, em decisão tomada junto a sua família, havia optado por deixar o Legislativo.

— É um cara novo, com potencial, parecia ter um patrimônio político que agora já era. Mas o Márcio não era visto na Câmara, só nas sessões. Ainda assim, pouco se via ele, estava sempre de atestado — afirma outro vereador, que prefere não se identificar.

Entre os vereadores, circula a versão de que Alemão teria deixado o cargo por motivos que estariam relacionados à dependência de drogas. Segundo os colegas, Alemão faltava as sessões e seria pouco participativo, o que teria motivado a abertura de um processo na Comissão de Ética do PT. Teria sido chamado a dar explicações aos dirigentes municipais do partido, e teria prometido mudar e buscar tratamento. Não foi expulso nem afastado.

— Ele foi usuário de drogas no passado, quando jovem. Se recuperou, virou jogador de futebol, se machucou e voltou. Ele é reincidente, voltou a usar droga. Ano passado, tentou- se internar ele duas vezes, inclusive de forma compulsória. Desde o ano passado, faltava demais as sessões. Ele estava em processo de expulsão no partido — afirma um vereador próximo, que também prefere manter o nome em anonimato.

— O pai era o cara que botava ele na linha. No primeiro ano de mandato, trabalhou legal. No segundo, começaram os problemas. Quando o pai morreu, ele entrou em depressão. Teve meses em que ele passava na Câmara só para as sessões, não ia mais nas reuniões da bancada. Em reuniões do partido, não comparecia há praticamente dois anos — afirma o vereador Leo Dahmer (PT).

Antes do flagrante, a polícia fez oito horas de campana em frente a casa onde ocorreu a prisão.

— Até o momento da prisão, não sabíamos que se tratava de um vereador. No momento do flagrante, ele disse que era vereador — afirma o delegado Thiago Carrijo

Segundo o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Metropolitana (DPRM), delegado Mario Souza, é “inequívoco” que o flagrante caracteriza tráfico de drogas:

— Não trabalhamos focados em ninguém, focamos no crime. E a lei é aplicada como se fosse qualquer outra pessoa.

Contraponto

O advogado de defesa Sidnei Bitencourt afirma que houve tipificação errada do crime em relação a Márcio e que vai encaminhar o pedido de liberdade provisória:

— O Márcio é usuário de drogas, não tem provas de que é traficante. Com ele, foi pego três pacotes de cocaína que era para uso próprio. Estava no lugar errado, na hora errada. Não trazia nada com ele. As drogas não são dele. Ele está licenciado da Câmara para se tratar. A família estava encaminhando ele para uma clínica para começar tratamento. Ele foi lá comprar droga porque é viciado.

Zero Hora

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Naldinho disse:

    E dentro de um certo avião presidencial que levava cocaína? Tráfico internacional comparado com esse deve ser fichinha.

  2. Ivan disse:

    Imaginem se o colocarem dentro do avião presidencial, estaria bem à vontade.

  3. Gibira disse:

    Dá pra encher vários presídios só com petistas envolvidos em delitos.

  4. Getro disse:

    É o modus operandi do PT….

  5. mane disse:

    É o nivel dos partidos do Brasil.. e de seus politicos. E deve ter gente que defende de forma raivosa esses politicos. Principalmente nos que se dizem de esquerda.

Ex-secretário de Saúde do RJ, Edmar Santos é preso em ação do MP

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

O ex-secretário de Saúde Edmar Santos foi preso manhã desta sexta-feira (10) em seu endereço residencial, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Investigado por suspeitas de irregularidades nos contratos de Saúde do RJ durante a pandemia de Covid-19, ele vai responder por peculato – corrupção cometida por funcionário público – e organização criminosa.

Edmar Santos, que é policial militar da ativa, foi exonerado da Secretaria de Saúde do RJ no dia 17 de maio.

O G1 ligou para a defesa do ex-secretário, mas o advogado Bernardo Braga não atendeu a chamada.

Há suspeitas de fraudes, inclusive já apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado, em alguns contratos firmados sem licitação, entre eles, o de compra de respiradores, oxímetros e medicamentos e o de contratação de leitos privados. O governo do RJ gastou R$ 1 bilhão para fechar contratos emergenciais.

A prisão de Santos aconteceu durante uma operação do Ministério Público estadual, por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC). A informação inicial era que ele havia sido detido em Itaipava, na Região Serrana, onde tem uma casa. Mas por volta das 7h50, o MP confirmou que ele foi encontrado em seu apartamento em Botafogo.

Santos e outras sete pessoas são acusados pelo Ministério Público de improbidade administrativa.

A prisão de Santos é um novo desdobramento da Operação Mercadores do Caos, que também cumpre mandados de busca e apreensão na outra casa dele em Itaipava. Todos os mandados foram expedidos pelo juiz Bruno Rulière, da 1ª Vara Criminal Especializada da Capital.

A Justiça também autorizou o acesso e extração do conteúdo armazenado nos materiais apreendidos, como telefones celulares, computadores e pen drives, inclusive de registros de diálogos telefônicos ou telemáticos, como mensagens SMS ou de aplicativos como WhatsApp.

Além disso, foi deferido pela Justiça o arresto de bens e valores de Edmar até o valor R$ 36.922.920,00, que, segundo o MP é equivalente aos recursos públicos desviados em três contratos fraudados para aquisição dos equipamentos médicos.

“Edmar Santos atuou, com vontade livre e de forma consciente, em comunhão de ações e desígnios, com os demandados na anterior denúncia oferecida na fase I da Operação Mercadores do Caos, desviando um milionário volume de recursos públicos destinados à compra de respiradores/ventiladores pulmonares, até hoje não entregues para o atendimento à população, ainda em meio à grave pandemia do novo coronavírus no estado. Edmar vai responder pelos crimes de organização criminosa e peculato”, diz o MP.

Na denúncia apresentada à Justiça, o MPRJ diz ainda que Edmar Santos seguia exercendo influência política mesmo após a descoberta do esquema de desvio de recursos. Os promotores argumentam que a tentativa de sua nomeação para o cargo de secretário extraordinário, após a sua exoneração da pasta, lhe daria uma “pseudo-blindagem”.

Segundo o MPRJ, o fundamento para o pedido de prisão preventiva de Santos se baseou no fato de que, em liberdade, ele ainda poderia “adotar condutas para dificultar mais o rastreamento das verbas públicas desviadas, bem como destruir provas e até mesmo ameaçar testemunhas.”

Quebra de sigilo bancário

Na semana passada, a Justiça determinou a quebra do sigilo bancário e o bloqueio dos bens de Edmar Santos.

Também na semana passada, ele se recusou a responder as perguntas feitas pelas Comissões de Fiscalização dos Gastos do Estado, Alerj, contra a Covid-19 e de Saúde durante uma sessão virtual virtual.

“Ainda não tive acesso integral aos elementos de prova do inquérito 1338 do Distrito Federal do Superior Tribunal de Justiça, cujos fatos ali investigados dizem respeito direta ou indiretamente aos motivos me trouxeram aqui para prestar declarações para seus interesses de esclarecimento. Dessa forma, fui expressamente orientado por meus advogados e, por ora, exerço meu direito de silêncio às perguntas que eventualmente sejam direcionadas”, disse o ex-secretário, logo no início a sessão.

Edmar Santos foi exonerado no dia 17 de maio. A decisão do governador Wilson Witzel foi motivada por conta dos atrasos e problemas nas entregas dos hospitais de campanha, incluindo o desgaste provocado por denúncias de fraudes na licitação para a compra de respiradores.

Pagamento antecipado de R$ 36 milhões

O governo pagou R$ 36 milhões antecipadamente para três empresas, mas apenas 52 dos mil respiradores comprados foram entregues por uma empresa. Eles não serviam para pacientes com Covid-19. Outros 97 chegaram no fim de junho e estão no terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tom Jobim.

Os contratos foram rescindidos com o governo do estado.

A investigação do Ministério Público revelou que o ex-secretário de Saúde foi quem definiu a quantidade de respiradores que seriam comprados. E que Edmar Santos deixou nas mãos de Gabriell Neves, então subsecretário executivo de saúde, os processos de contratações emergenciais.

Segundo o MP, o número – mil respiradores comprados no fim de março e início de abril – era exagerado.

Os promotores afirmam que o governo do Rio comprou que 411 equipamentos além do necessário.

“O resultado encontrado pela apuração minuciosa feita pelo TCE-RJ foi de um superdimensionamento de 70%, equivalente à contratação de 411 equipamentos a mais do que seria necessário”.

Desvio de dinheiro público e prisões

O ex-subsecretário Gabriell Neves e os donos das empresas contratadas, sem licitação, foram presos acusados de fraude. Gabriell está preso desde o dia 7 de maio.

Eles viraram réus por peculato, ou seja, desvio de dinheiro público, e organização criminosa.

Três dias antes da prisão do subsecretário, o então secretário Edmar Santos gravou um vídeo negando irregularidades nos contratos que estavam sendo investigados.

“Fui eu, secretário de Saúde que pediu que os órgão de controle estivessem próximos, para que a gente possa corrigir qualquer erro administrativo, e é normal que num momento de emergência, com vários contratos sendo assinados, que possa ocorrer algum ato administrativo, mas nunca nenhum ato de inidoneidade. E os atos administrativos cabem à própria administração corrigi-los. E é o que vamos fazer com cada um que encontrarmos”, disse Edmar Santos na época.

G1

 

Fundador da rede Ricardo Eletro é preso em SP por sonegação fiscal e lavagem de dinheiro

Foto: Reprodução

O fundador e ex-principal acionista da rede varejista Ricardo Eletro, Ricardo Nunes, foi preso no estado de São Paulo, em operação de combate à sonegação fiscal e lavagem de dinheiro deflagrada na manhã desta quarta-feira por uma força-tarefa composta por Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Secretaria de Estado de Fazenda e Polícia Civil.

Outros dois empresários do ramo de eletrodomésticos e eletroeletrônicos são alvos da operação, que recebeu o nome de “Direto com o Dono”., segundo o G1.

As investigações indicam que cerca de R$ 400 milhões em imposto devidos ao Estado de Minas Gerais teriam sido sonegados ao longo de mais de cinco anos.

De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais, estão sendo cumpridos três mandados de prisão e quatorze mandados de busca e apreensão expedidos pela Vara de Inquéritos de Contagem. Os mandados são cumpridos em alvos localizados nos municípios mineiros de Belo Horizonte, Contagem e Nova Lima, e também nas cidades de São Paulo e Santo André.

O MPMG acrescenta que as empresas da rede de varejo cobravam dos consumidores, embutido no preço dos produtos, o valor correspondente aos impostos. No entanto, os investigados não faziam o repasse e se apropriavam desses valores.

O montante da sonegação com o Estado de Minas Gerais chega a R$ 400 milhões, mas a mesma rede tem dívidas vultosas em praticamente todos os Estados onde possui filiais.

Além dos mandados de prisão, a justiça já determinou o sequestro de bens imóveis do dono do negócio, avaliados em cerca de R$ 60 milhões, com a finalidade de ressarcir o dano causado ao Estado de Minas Gerais.

A investigação ganhou força após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de novembro de 2019, que definiu como crime a apropriação de ICMS cobrado de consumidores em geral e não repassados ao Estado.

A Ricardo Eletro encontra-se em situação de recuperação extrajudicial, sem condições de arcar com suas dívidas, já tendo fechado diversas unidades e demitido dezenas de trabalhadores.

O MPMG ressalta, no entanto, que Ricardo Nunes, o principal dono do negócio, possui dezenas de imóveis, participações em shoppings na região metropolitana de Belo Horizonte e fazendas.

Os bens imóveis não se encontram registrados em nome do investigado, mas de suas filhas, mãe e até de um irmão, que também são alvos da operação desta quarta-feira. O crescimento vertiginoso do patrimônio individual do principal sócio ocorreu na mesma época em que os crimes tributários eram praticados, o que caracteriza, segundo a força-tarefa, crime de lavagem de dinheiro.

A operação conta com a participação de três promotores de Justiça, 60 auditores-fiscais da Receita Estadual, quatro delegados e 55 investigadores da Polícia Civil.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PATRIOTAS GENÉRICOS disse:

    Esses amigos patriotas não são muito patriotas não. Conheço alguns patriotas de excelente condições financeiras, que ensinam outros amigos patriotas de bolso bom a driblar o leão e ainda receber benefícios sociais destinados aos pobres.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Agora, vá um empresário ou mesmo um simples contribuinte pessoa física tentar fraudar o fisco norte-americano : é cadeia na certa !! ( que o diga Al Capone, rsrsrsrsrsrs.).
      O brasileiro tem é que aprender a valorizar os impostos que paga, cobrando e fiscalizando SEMPRE os políticos que administram esses recursos, e não passando a mão na cabeça de picaretas.

  2. Raimundo disse:

    Amigo de Luciano huck

    • Ricardo disse:

      Não entendi a referência?!
      Se fosse amigo de Luladrão seria diferente?
      Ou se fosse seu amigo, seria diferente?

    • George disse:

      Com certeza ele tem muito mais amigos

Preso no inquérito dos “atos antidemocráticos”, Oswaldo Eustáquio é repórter, apresenta DRT em rede social e se descreve como jornalista diplomado conservador

(Foto:Reprodução/Twitter)

O jornalista Oswaldo Eustáquio é preso pela Polícia Federal, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. O mandado de prisão foi autorizado pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, no inquérito dos “atos antidemocráticos”.

Ele já tinha sido alvo de uma ordem de busca e apreensão há duas semanas.

Durante a investigação, a Procuradoria-Geral da República argumentou ao Supremo que Eustáquio defendeu uma “ruptura institucional de maneira oblíqua”.

O jornalista diplomado e com DRT, tem ainda tem um canal no Youtube com mais de 300 mil assinantes.

Band

https://noticias.band.uol.com.br/noticias/100000993472/oswaldo-eustaquio-e-preso-em-campo-grande-no-inquerito-dos-atos-antidemocraticos.html

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Bg o que você acha de inserir matérias com
    informações dos dois lados, dessa forma parece que o cara é um terrorista assassino como fizeram com a Sara.
    Por que você não pega por exemplo reportagem da Sara explicando os detalhes do processo que ela está respondendo.
    Nunca vi você fazer Isso.
    É o direito de defesa que todos nós temos.

  2. Antenado disse:

    Inquérito do fim do mundo, segundo o ministro Marco Aurélio do STF. Qual foi o crime cometido? E a liberdade de expressão e manifestação onde fica? Quem defende esse absurdo, tome cuidado. Amanhã pode ser usado para outras pessoas que não pensam como o jornalista blogueiro. Mas, a mente doentia não permite enxergar isso.

  3. Luiz Carlos disse:

    https://youtu.be/rocHPFz5r-E
    E esses 3 mongolóides aí de cima que comentaram com ctz vermelhinos né não tem a mínima noção do que é liberdade de expressão coitados e espero q não chegue até vcs seus burros!!!

  4. Pepe disse:

    Não passa de um lunático.

  5. Cidadão pagador de impostos disse:

    Não quer ser preso? É só não cometer crime!!
    Ameaça, calúnia, injúria, difamação e ruptura da ordem constitucional é crime há décadas!
    #MORO2022

  6. MORO e MANDETTA 2022 disse:

    Chama o advogado anjo que ele resolve.