Saúde

VÍDEO: Veja como deverá ser a vacinação contra covid dos grupos prioritários em Natal a partir da semana que vem; secretário de Saúde do Município detalha

Foto: Reprodução/Meio-Dia RN

Em entrevista ao Meio-Dia RN na 96 FM, com o BG,  nesta terça-feira(27), o secretário de saúde de Natal George Antunes confirmou que o Município está na iminência de iniciar a vacinação dos grupos prioritários, que deverá ocorrer a partir da próxima semana. Até sexta-feira(30), a SMS na capital anunciará como se dará essa imunização, dentro dos 3 grupos.

Segundo George Antunes, os diabéticos deverão ser o primeiro grupo vacinado, independente da faixa de idade, desde que oficialmente comprovado.

No segundo grupo de prioridades serão os cardiopatas

No terceiro serão pessoas com obesidade.

O secretário de saúde de Natal ainda disse que até quinta-feira(29), a vacinação para pessoas a partir de 60 anos será iniciada.

Por isso, segundo George Antunes, ao ser finalizada essa etapa de vacinação de (60), iniciará de imediato a imunização das pessoas com combordidades. Vale destacar, nesses grupos, ainda entrarão outros tipos de portadores de doenças crônicas.

Opinião dos leitores

  1. Uma pergunta: Quem trabalha em Natal, porém reside em outro município vai poder se vacinar em Natal ? Existem milhares de profissionais em várias áreas nessa situação.

    1. Eles solicitam o comprovante de residência. Diante disso acredito que o cidadão tem que se vacinar na cidade onde reside e não onde trabalha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Não fui orientado pelo presidente sobre uso de cloroquina, diz ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

Foto: Edilson Rodrigues – 6.mai.2021/Agência Senado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira (6), em depoimento à CPI da Pandemia, que não foi orientado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19.

“Não recebi [orientação]. Essa é uma questão técnica que tem que ser enfrentada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). Eu sou instancia final decisória, e posso ter que dar um posicionamento acerca disso”, disse Queiroga.

A resposta do ministro foi interrompida pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), que pediu respostas objetivas. “O senhor é testemunha aqui. Tem que dizer sim ou não. O senhor está aqui como ministro e médico. Peço para responder, se não vamos encerrar essa sessão agora”, disse Aziz.

“Existem correntes, uma defende e outra é contraria. Precisa de um protocolo técnico, e isso tem que ser avaliada quanto ao mérito da evidência cientifica, isso é colocado em audiência pública e o ministro é a instância final”, reiterou o ministro.

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) sobre se compartilhava ou não da opinião de Bolsonaro sobre o medicamento, Queiroga disse que não cabia a ele “fazer juízo de valor sobre opinião do presidente”.

“Essa é uma questão de natureza técnica, essa medicação foi suscitada no tratamento e o uso compassivo foi feito em diversas situações e estudos já mostram que o medicamento não tem efeito em vários âmbitos.”

Queiroga disse ainda que “não houve qualquer tipo de pressão” sobre uso de qualquer remédio e que está em elaboração um protocolo clínico para substituir a atual orientação sobre o uso de cloroquina.

Ele também afirmou que não autorizou e não tem conhecimento sobre a distribuição do remédio na sua gestão à frente da pasta.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Operação policial contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, deixa 15 mortos, provoca intenso tiroteio e tem fuga de bandidos

Foto: Reprodução/TV Globo

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 15 pessoas mortas e provocou um intenso tiroteio no início da manhã desta quinta-feira (6).

Segundo a corporação, o policial civil André Frias, baleado na cabeça, e 14 suspeitos morreram na ação. Dois passageiros do metrô foram baleados dentro de um vagão da linha 2, na altura da estação Triagem. Dois policiais civis também se feriram.

Vídeos registraram o som de rajadas, e explosões de bombas foram registradas em diferentes pontos da favela (veja vídeo AQUI em matéria na íntegra).

Moradores contaram que não conseguiam sair de casa — como uma noiva de casamento marcado e uma grávida com cesariana agendada, ambas para esta manhã (veja vídeo sobre a noiva AQUI).

Aliciamento de crianças e adolescentes para o crime

A Operação Exceptis investiga o aliciamento de crianças e adolescentes para ações criminosas, como assassinatos, roubos e até sequestros de trens da Supervia. A polícia afirma que o tráfico da região adota táticas de guerrilha, com armas pesadas e “soldados fardados”.

O Jacarezinho é considerado uma base do Comando Vermelho, a maior facção do tráfico de drogas em atividade no Rio. A comunidade é predominantemente plana, repleta de ruelas e cercada de barricadas instaladas pelo crime — o que dificulta o acesso de blindados, por exemplo.

O Globocop flagrou às 6h45 policiais avançando pelos trilhos da Supervia e do metrô — que cortam o Jacarezinho na superfície — e se abrigando em postes. Helicópteros da polícia, em apoio às equipes em terra, davam rasantes na comunidade (veja abaixo).

Às 7h30, criminosos com fuzis foram vistos pulando de laje em laje, em fuga. Os homens passavam as armas de mão em mão pelos muros enquanto corriam pelos telhados das casas.

Não havia movimentação de moradores nas ruas e vielas do Jacarezinho.

A troca de tiros afetou a circulação da Linha 2 do metrô e dos ramais de Saracuruna e de Belford Roxo da Supervia — trens da Central não partiam para esses destinos.

Escutas identificaram 21 criminosos

Com a quebra dos dados telemáticos autorizada pela Justiça, foram identificados 21 integrantes do grupo criminoso, todos responsáveis por garantir o domínio territorial da região com utilização de armas de fogo.

A polícia identificou uma estrutura típica de guerra provida de centenas de “soldados” munidos com fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN contabiliza 19 óbitos por covid nas últimas 24h, sendo 13 dentro do dia; novos casos são 883

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (06). Foram mais 883 casos confirmados, totalizando 228.077. Até quarta-feira (05) eram 227.194 infectados.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 5.599 no total, sendo 13 mortes registradas nas últimas 24h: Natal(04), Mossoró(02), Parnamirim(02), Campo Redondo(01), Jucurutu(01), Areia Branca(01), Várzea(01) e Pedro Velho(01).

A Sesap ainda registrou outros 06 óbitos ocorridos após a confirmação de exames laboratoriais de dias ou semanas anteriores. Óbitos em investigação são 1.137. Na quarta-feira (05) o número total de mortes era 5.580.

Casos suspeitos somam 52.670 e descartados 455.943. Recuperados são 150.649.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Rússia aprova versão em dose única da Sputnik e fala em eficácia “superior ao de muitas vacinas de duas doses”

Foto: Getty Images via BBC News Brasil

A Rússia anunciou na quinta-feira (5/5) o registro de uma nova versão da vacina Sputnik de uma dose só em vez de duas.

O anúncio foi feito pelo Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês), que é administrado pelo governo russo e financiou a criação do imunizante; pelo Instituto Gamaleya, que também é público e foi responsável pela pesquisa; e o Ministério da Saúde do país.

O RFID explicou que a nova vacina, batizada de Sputnik Light, usa apenas a primeira dose da Sputnik V, a original.

Os testes mostraram que ela teve uma eficácia de 79,4%, de acordo com o fundo. Isso “é superior ao de muitas vacinas de duas doses”, ressaltou.

“O regime de dose única permite a imunização de um maior número de pessoas em um menor espaço de tempo, favorecendo o combate à pandemia na fase aguda.”

Nenhum evento adverso grave foi registrado na pesquisa, informou o RDIF.

A Sputnik V vem sendo questionada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A agência vetou pedidos de importação da vacina russa porque diz que não pode confiar na segurança, eficácia e qualidade do imunizante diante da ausência de informações que foram requisitadas.

Uma das principais questões é que não deveria haver vírus capazes de se replicar em sua composição, e, segundo a Anvisa, os dados das pesquisas mostram que a Sputnik V tem isso.

O RDIF negou e disse que mais de 20 milhões de pessoas no mundo já receberam ao menos uma dose do imunizante.

O uso da Sputnik V foi aprovado em 64 países até agora, afirma o fabricante. Mas a Anvisa diz que só uma minoria deles está aplicando de fato a vacina na população.

O assunto será tema da CPI da covid-19 nesta quinta-feira (06/5), quando o presidente da Anvisa vai depor.

O que se sabe sobre eficácia

O fundo soberano russo disse no novo anúncio que a Sputnik Light gerou anticorpos em 96,9% dos participantes do estudo, e, em 91,67%, também produziu os anticorpos neutralizantes, que impedem a infecção das células humanas.

A taxa de eficácia de 79,4% foi calculada com base em dados de russos que foram vacinados com a primeira dose da Sputnik V e não receberam a segunda por algum motivo, entre 5 de dezembro de 2020 e 15 de abril de 2021.

O fabricante não informou no comunicado quantas pessoas fizeram parte do grupo analisado.

A vacina Sputnik original teve uma eficácia de 91,6% nos testes clínicos e de 97,6% no mundo real, de acordo com o fundo russo.

O RDIF divulgou com o anúncio de hoje que um estudo com 7 mil pessoas sobre a eficácia da Sputnik Light está sendo feito desde fevereiro na Rússia, nos Emirados Árabes, em Gana e em outros países.

Mas não ficou claro se os dados apresentados nesta quinta-feira fazem parte dessa pesquisa. A BBC News Brasil questionou os responsáveis, mas não recebeu uma resposta até a publicação desta reportagem.

Como funciona

A Sputnik V usa dois tipos de adenovírus diferentes, um em cada dose, que devem ser administrados em uma sequência certa.

Esses vírus causam resfriados em humanos e foram modificados em laboratório para carregar as instruções genéticas do novo coronavírus até nossas células.

Isso faz com que elas comecem a produzir uma proteína do Sars-CoV-2, disparando o processo que nos deixa imunizados.

Esses adenovírus também foram alterados pelos cientistas para não serem capazes de se reproduzir. Se fizerem isso, diz a Anvisa, podem fazer mal à saúde, e esse efeito não teria sido investigado.

Mas a agência afirma que só um tipo de adenovírus, o que é usado na segunda dose, teria conseguido se replicar de novo.

A Sputnik Light usa o primeiro tipo, que não teria esse problema — e essa é a principal preocupação da Anvisa com a segurança da vacina russa.

Isso não resolve no entanto as outras questões apontadas pela agência, que colocou em dúvida sua eficácia (porque faltariam dados) e sua qualidade (porque os métodos usados não seguem os padrões internacionais).

Sputnik será alvo da CPI

O fundo russo ameaçou processar a Anvisa por difamação, depois que a agência disse não ter testado doses da vacina russa. A Anvisa teria duvidado da Sputnik V sem fundamento, afirmou o RDIF, e manchado sua reputação.

“Após a admissão do regulador brasileiro Anvisa de que não testou a vacina Sputnik V, a Sputnik V está iniciando um processo judicial de difamação no Brasil contra a Anvisa por espalhar informações falsas e imprecisas intencionalmente”, disse o fundo russo pelo Twitter.

A Anvisa reagiu convocando uma coletiva de imprensa para mostrar que a informação sobre os adenovírus replicantes estava nos relatórios do Instituto Gamaleya.

Também disse ter questionado os cientistas do instituto sobre isso e exibiu trechos de um vídeo de uma reunião como prova disso. O Brasil “foi achincalhado”, disse o presidente da Anvisa, Antônio Barra, para justificar a decisão inédita da agência de mostrar a gravação.

O RDIF respondeu que o vídeo foi muito editado e não confirma nada. Também afirmou que a Anvisa errou e que novos testes feitos na Rússia e no Brasil mostram que não há vírus replicantes na Sputnik V.

Em nota divulgada na quarta-feira (5/5), a agência voltou a se defender, afirmando que ainda faltam dados. O que está sendo pedido aos russos é o mesmo que foi solicitado a outros fabricantes das vacinas que já foram aprovadas, disse a Anvisa.

“O que vem sendo exigido são questões básicas para uma vacina e não são motivos para indignação e tentativa de difamação do Brasil e dos seus servidores”, afirmou a agência.

O presidente da Anvisa irá depor nesta quinta-feira (6/5) na CPI da covid-19 no Congresso Nacional e será questionado sobre o veto à importação da Sputnik V.

Vários governos estaduais e prefeituras, além do próprio governo federal, já fizeram acordos para comprar milhões de doses da vacina russa, em meio ao problema crônico de falta de vacinas no Brasil.

BBC

Opinião dos leitores

  1. Falar é simples, só precisa mostrar a comprovação científica.
    A esquerda já obrigou o brasileiro a tomar a coronavac sem os testes comprovando a eficácia. Mas não pode tomar a medicação precoce por falta de comprovação. Essa é a esquerda.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Açude em Rafael Fernandes-RN é abençoado com sangria

O açude Santana, também conhecido como Gangorra, localizado no município de Rafael Fernandes(distante 407 km de Natal), sangrou nesta quinta-feira, 06 de maio. O reservatório tem capacidade para 7 milhões de metros cúbicos. O destaque é do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Confira vídeo abaixo:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por IGARN (@igarnrn)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara Municipal de Natal aprova projeto que regulamenta entrada de animais em estabelecimentos comerciais

Para garantir direitos e deveres aos tutores de animais, a Câmara Municipal de Natal aprovou em segunda discussão e por unanimidade, durante a sessão ordinária desta quarta-feira (05), o Projeto de Lei nº 306/2019, de autoria do vereador Robson Carvalho (PDT), que permite a entrada de animais de estimação nos shoppings centers, centros comerciais e parques públicos da capital potiguar.

Ao fazer uso da palavra, o vereador Robson Carvalho afirmou que o texto foi construído com a participação dos entusiastas da causa animal. “Todos os pets deverão usar coleira e estar acompanhados dos seus proprietários, que zelarão pela segurança e limpeza do local visitado com o recolhimento dos dejetos produzidos pelos animais. Na entrada do estabelecimento, o tutor ainda terá que informar os dados e características do seu pet. Com isso, acredito que vamos avançar nas demandas de uma pauta tão importante”, defendeu o autor.

Na sequência, recebeu parecer favorável dos parlamentares, em segunda discussão, uma matéria encaminhada pelo vereador Felipe Alves (PDT), que reconhece como utilidade pública municipal a “Associação de Promoção a Educação e Desporto – APED”. “Trata-se de uma instituição que desenvolve um trabalho social relevante em nossa cidade e, portanto, merece o apoio dos poderes públicos”, disse Felipe.

Por fim, o plenário manteve o veto parcial ao Projeto de Lei nº 289/2019, de autoria do ex-vereador Raimundo Jorge, que dispõe sobre a instituição do Dia do Bairro de Igapó, bem como da sua bandeira como símbolo oficial do bairro. Também acatou um veto integral ao Projeto de Lei nº 057/2018, de autoria do ex-vereador Fernando Lucena, acerca da obrigatoriedade de constar em todos os editais de contratação dos trabalhadores terceirizados da Prefeitura de Natal, o auxílio saúde.

A vereadora Nina Souza (PDT), líder da bancada governista, explicou as razões do veto integral ao PL 057/2018. “Como sabemos, o Direito do Trabalho é uma matéria privativa da União. Então, por mais que o legislativo municipal tenha a boa vontade de lutar pelos anseios dos trabalhadores terceirizados, temos limitações jurídicas que nos impedem de ir além. Não podemos criar expectativas a partir da aprovação de uma lei sem viabilidade”, justificou a parlamentar.

Já a vereadora Divaneide Basílio (PT) declarou que votou contra o veto por entender que os profissionais terceirizados passam por um processo de precarização do trabalho. “A Reforma Trabalhista trouxe imensos prejuízos para a classe trabalhadora brasileira. Neste cenário, o texto do então vereador Fernando Lucena, ao garantir o seguro saúde, funciona como política de redução de danos”.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Lamentável. É pra morrer tudinho. Eu não gosto de vagabundo não”, diz senador Styvenson Valentim sobre presos no RN sem mortes por covid

Em entrevista à 96 FM nesta quinta-feira(06), o senador Styvenson Valentim (PODEMOS-RN) lamentou o fato de não haver mortes de detentos por covid-19 no sistema penitenciário do Rio Grande do Norte, em ironia ao fato de o medicamento ivermectina ter sido apontado por diretor prisional como responsável por garantir que nenhum preso morresse de covid-19 em Alcaçuz.  “Infelizmente”, disse.

“Pois é, é lamentável, né? É pra morrer tudinho. Eu não gosto de vagabundo não. Eu não gosto de ladrão, não gosto de vagabundo. Eu vou dizer que gosto? Vou mentir aqui pra agradar família de vagabundo?”, disse o senador.

Afirmou ainda que “vagabundo” tem que ser “pendurado”. “Só que gosta é a família dele”, afirmou na 96 fm.

 

Opinião dos leitores

  1. PARECE UMA MENTIRA! NÃO TER MORRIDO NINGUÉM NO PRESÍDIO DE ALCAÇUZ. e essa guerra sobre tratamento precoce? já disseram que a ivermectina não é eficaz! eu não desejo a morte dos presos. agora botar pra trabalhar é uma idéia necessária.

  2. O senador deveria elaborar um projeto de lei para desarmar o povo Brasileiro! Toda violência praticamente reside no poder das armas de fogo! Sem armas não existiria violência! Pena máxima, prisão sem fiança, regime fechado, sem prescrição, sem progressão pra quem portar armas de fogo! Vamos enfraquecer o NARCOTRÁFICO!

  3. O que há de sensato nesse comentário? Um sistema penal que recentemente liberou da prisão um cara que estava a 15 anos preso sem ter cometido crime algum, um sistema que defende apenas quem tem recursos para pagar bons advogados e abandona o restante? Esse sujeito é a cara desse governo que protege muito bem, apenas os seus.

  4. Rapaz, goste ou não goste ele não falou um pingo de mentira! Foi muito correto na resposta! Quem gosta de vagabundo e alisa, é a família! Tenho princípios sociais que aqui nos comentários é esquerdopata ou comunista, mas sou a favor de privatizar muitas coisas sim, e sou mais a favor ainda, de revisar o código penal e o código de processo penal, no Brasil já passou da hora de haver prisão pérpetua, já disse sou contra pena de morte, o Estado não pode virar assassino a bel prazer! Vida é sagrada! No confronto não, tá armado é bala no vagabundo!

  5. Muito bem senador, falou a verdade, tô com você e não abro. Bandido não pode ter vida boa paga com os nossos impostos.

  6. Nem todos que estão lá são ladrões. Basta atrasar uma pensão alimentícia pra ser preso. Ou matar um bandido.
    Converter esses infelizes ao evangelho, esse senador fascista não quer!

    1. Muito bem colocado, não adianta generalizar os presos. Alguns são por simples delitos ou necessidades da vida.

  7. Errado ele não está, mas querem polemizar a sensata declaraçao dele. Tudo hj em dia vira mimimi, ta uma merda essa convivencia.

  8. Não tem nada de lamentável, ele falou o que a maioria da população acha, vamos deixar de hipocrisia. Bandido é bandido tem que ser tratado como tal, por isso que o bandido aqui no Brasil está sem controle por causas desse politicamente correto, o bandido mais bandido do mundo é o do Brasil.

  9. Na minha opinião ele foi realista. Quero saber quem gosta de ser roubado e deseja que o ladrão vá dormir em colchão de pena de ganso! Isso é hipocrisia!BG

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Se aprovado, voto impresso criará ‘caos’ e ‘judicialização’ do resultado eleitoral, diz Barroso

Foto: Reprodução/Globo News

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, alertou em entrevista à GloboNews que o voto impresso, em discussão no Congresso Nacional, vai criar no país um “desejo imenso de judicialização” do resultado das eleições.

“Nós vamos criar o caos no sistema que funciona muitíssimo bem”, enfatiza Barroso.

Também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Barroso reforçou a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro. “O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável”, diz.

A fala do presidente do TSE acontece um dia após o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ter criado uma comissão especial para discutir a proposta de emenda à Constituição (PEC) que obriga o voto impresso.

A PEC, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), aliada do presidente Jair Bolsonaro, exige a impressão de cédulas em papel na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos no Brasil.

Leia a íntegra da entrevista:

Camarotti: A Câmara dos Deputados está criando uma comissão, neste momento, para analisar a PEC do voto impresso. O nosso sistema de votação é confiável? A urna eletrônica é confiável?

Barroso: O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável. No entanto, eu queria dizer que, numa democracia, nenhum tema é tabu. E, portanto, tudo pode ser discutido à luz do dia. Portanto, o lugar próprio para discutir isso é o Congresso Nacional. Mas nós temos elementos mais do que suficientes para demonstrar a absoluta confiabilidade do sistema. Eu não parto do pressuposto de má-fé. Eu sempre parto do pressuposto de que as pessoas estão de boa-fé. E, portanto, acho que há um certo grau de desconhecimento sobre como o sistema funciona e como ele pode ser auditado. Para usar a palavra da moda, ele pode ser conferido na sua integridade. A cada passo. Talvez o Tribunal Superior Eleitoral tenha subestimado um pouco o compromisso de mostrar o máximo de transparência possível. De modo que eu acabei de gravar, esses dias, o passo a passo da demonstração de como funciona o sistema e de como ele pode ser verificado pelos partidos políticos e pelo Ministério Público a cada momento. Eu espero que, com isso, afastar qualquer tipo de dúvida de quem a cultive. Embora as pesquisas demonstrem que a maior parte da população confia no sistema.

Camarotti: Agora, é um sistema que é hoje referência no mundo. A nossa urna eletrônica e a velocidade, também, do nosso sistema de apuração. Esse movimento que a gente está vendo por um setor da política brasileira e da Câmara dos Deputados, seria um retrocesso? A aprovação da PEC do voto impresso seria voltar ao passado?

Barroso: Eu acho que o voto em cédula, inclusive é o que fala a proposta de emenda constitucional, mesmo o voto impresso pela própria urna, eu acho que seria extremamente problemática e mexeria num time que está ganhando. Tem tanta coisa funcionando mal no Brasil e as pessoas estão, algumas pessoas, pensando em modificar o que vem funcionando bem. E só para lembrar, nesse sistema foi eleito o presidente Fernando Henrique para o segundo mandato, foi eleito o presidente Lula duas vezes, a presidente Dilma por duas vezes e o presidente Jair Bolsonaro. Alguém acha que as urnas não expressaram, efetivamente, a vontade popular? Porque se verificou, em relação à urna eletrônica, é que o discurso dos críticos foi mudando. Primeiro, queriam cédula. Depois, queriam voto impresso. Agora, já querem que ele seja auditado. E eu vou procurar demonstrar a você e ao público cada passo dessa possibilidade de auditoria. Auditoria significando a possibilidade de se conferir a integridade do sistema. Eu acho, sim, que o voto impresso, cédula, impresso pela urna, vai criar desejo imenso de judicialização do resultado das eleições.

Camarotti: Por que esse temor, ministro, em relação à judicialização com o voto impresso?

Barroso: O Brasil tem 5.600 municípios. O voto impresso vai permitir que cada candidato que queira questionar o resultado peça a conferência dos votos. Vai contratar os melhores advogados eleitorais do país para buscar uma nulidade, alguma inconsistência e vai questionar oficialmente o resultado das eleições. E aí nós vamos ter mais um nível de judicialização no país, que vai ser o resultado das eleições, vai ser produto de uma decisão judicial. Ninguém precisa disso. Nos Estados Unidos, o presidente Trump, que inspira muitos dos que questionam as nossas urnas, ele entrou com mais de 50 ações judiciais. Nenhum juiz deu cautelar nem determinou suspensão da contagem ou o que fosse. Mas eu não tenho a mesma certeza de que isso aconteceria no Brasil se houvesse 50 ações judiciais. E, portanto, você ia ter o resultado das eleições, em vez de sair das urnas, saiu de uma decisão judicial. Ninguém precisa disso. Aliás, o Brasil não merece isso. Mais um grau de judicialização no país. Para quem tiver alguma dúvida sobre as urnas serem auditáveis, eu vou narrar de memória cada um dos passos em que é possível conferir a autenticidade do sistema. É feito um programa para ser inseminado nas urnas. Esse programa de computador, ele é submetido, logo após elaborado, a um teste público de segurança em que o próprio TSE convida os partidos políticos, hackers, Polícia Federal, universidade para tentarem violar o programa.

Depois, essa fase é ultrapassada, o programa é aberto para que todos os partidos políticos o examinem, podem comparecer com seus técnicos de informática para examinar o programa. Portanto é o segundo momento de auditoria, depois, quando tudo bem encaminhado, os partidos estão convidados a assinarem o programa, digitalmente, e portanto, eles verificam a autenticidade, assinam e há um procedimento de quarta etapa que chama lacração, que é uma blindagem desse programa. Não há mais como mexer nele.

Esse programa é remetido para os tribunais regionais eleitorais e é inseminado nas urnas na vista dos partidos políticos que são convidados. Se houver qualquer alteração no programa, ele não funciona, ele imediatamente acusa a ocorrência de manipulação. Depois, dias das eleições, a urna já inseminada com esse programa mega conferido imprime um boletim no início da votação chamado zerésima, para demonstrar que não tem nenhum voto lá dentro da urna, e ao final do dia da votação, ele emite um chamado boletim da urna, que é o resultado daquela urna com a quantidade de votos que cada candidato obteve nela. Outra etapa de auditagem é que nas vésperas das eleições são sorteadas 100 urnas, aleatoriamente no país, levadas para o TRE, onde são submetidas a um teste de integridade com uma empresa de auditoria independente, em que um eleitor escolhido vota na cédula, canta o voto de cédula para ser inseminado, inserido na urna digitalmente e depois se verifica na saída por uma empresa independente que aquela urna expeliu exatamente aquilo que foi introduzido pelo eleitor.

E por fim, e acho que esse é um ponto que eu gostaria de enfatizar, a urna ela contém o que se chama registro digital do voto. E, portanto, nós não queremos voltar ao modelo anterior. E alguém diz “não, mas na Alemanha, eles não adotam esse sistema”. É, pode ser, mas na Alemanha não havia uma tradição de fraude no voto por cédula ou no voto impresso e, portanto, eles não precisam lutar contra esse fantasma do qual nós nos livramos com a urna eletrônica. Portanto, ela é confiável, é aditável cada passo, se o partido quiser. O voto impresso corre o risco de trazer uma ampla judicialização. O Brasil tinha, nas últimas eleições que eu presidi, quase 500 mil candidatos. Você imagina se um terço deles resolver questionar o resultado e pedir conferência judicial dos votos. Nós vamos criar o caos no sistema que funciona muitíssimo bem. Agora, o que não pode é um partido político não mandar representante para verificar a autenticidade do programa final, para depois dizer que tem alguma coisa errada. Portanto, não é assim que se joga o jogo democrático.

Camarotti: Como o senhor vê esse movimento pelo voto impresso do ponto de vista da estratégia política? É uma tentativa de minar a credibilidade de um sistema que funciona muito bem e é referência no mundo?

Barroso: Olha, como eu disse, não gosto de presumir má-fé de ninguém. Eu sempre imagino que as pessoas estão agindo de boa-fé e com bons propósitos, de modo que acho que essa desconfiança é mais produto do desconhecimento. Em algumas partes do mundo, e não estou me referindo ao Brasil particularmente, há candidatos, como aconteceu nos Estados Unidos, que antes da divulgação do resultado que anunciaram que se não ganhassem é porque houve fraude. O populismo autoritário que se espalhou pelo mundo – Hungria, Polônia, Rússia, Turquia – esses países, onde não há manipulação, onde há efetiva disputa muitas vezes, já há uma arguição preventiva de que “se eu perder tem fraude”. Isso é a negação da democracia. A democracia é um jogo em que as regras valem para todos. Quem ganhar tem o direito de governar e quem perder tem que respeitar a vontade das urnas. Essa história de cantar a existência de fraude antes da divulgação do resultado e colocar sob suspeita um processo eleitoral que jamais identificou qualquer tipo de fraude é problemático.

Blog do Camarotti – G1

Opinião dos leitores

  1. Estranha esta frase do Barroso: “O Brasil tem 5.600 municípios. O voto impresso vai permitir que cada candidato que queira questionar o resultado peça a conferência dos votos. ”
    Isto se chama transparência, aprendi na pós de auditoria que qualquer sistema deve ser auditado não só para descobrir se tem fraude como também para demonstrar que é seguro.
    Bastava colocar na lei o está nos EUA onde se quiser uma auditoria da contagem tem de pagar.Queria ver quem teria condições de pagar o alto custo de uma auditoria. Assim não fecha a porta para verificação mas inibe os oportunistas.

  2. Ou o gado é muito burro ou é infantilizado mesmo. O voto impresso é um desejo da milícia para controlar o eleitorado nos seus redutos. A realidade não é cor de rosa, meus caros. O voto de cabresto se faz assim. Sabem de nada, os inocentes

  3. A resposta correta de barrosinho seria: Toda forma de qualificar e comprovar a licitude de uma eleição é bem-vinda.
    A principal função de uma eleição auditável em todos os pontos, não é garantir a vitória do vencedor, mas provar ao perdedor que ele realmente perdeu.
    Não se verifica o que acontece na caixa-forte do TSE durante uma apuração, lá ficam os técnicos escolhidos a dedo e o presidente do TSE centralizando TODOS os votos do Brasil. Qual a lisura disso, haja vista que não se pode pautar o processo eleitoral na garantia verbal que as pessoas envolvidas diretamente no processo apuratório são ilibadas e envoltas numa aura impermeável de honestidade e espírito público.

    Essa repulsa por uma eleição limpa é que deixa a certeza de manipulação à vista.
    Barrosinho tem que descer do tamanco.

    1. Eleição limpa com voto impresso?
      Kkkkkkkkkk no Brasil???
      Conta mais outra piada
      Kkkkkkkkkk
      Voto impresso no país dos Coroné!!!!
      Por que o Bozo nunca reclamou nesses últimos trinta anos? Sempre se elegeu e elegeu a família toda com a urna eletrônica e, agora que está vendo o Lula com chance de vencê-lo, quer arrumar um meio de bagunçar o coreto.
      E o gado só repente o som do berrante:
      🐮Muuuuuuuu!!!!

    2. Tem como auditar sim. Pegue os BUs das seções eleitorais para auditar.

  4. Isso lá é justificativa, ministro !?! Pior é termos uma votação que não pode ser auditável. Onde fica a transparência ??? Que medo é esse ???

  5. Todo dia tem partido de esquerda entrando com ações no STF para barrar as decisões do executivo, são milhares de processos e os ministros nunca reclamaram da quantidade.
    Existem milhares de processos aguardando julgamento, principalmente contra políticos e esses ministros nunca reclamaram, nem julgaram.
    Mas quando é para dar lisura e permitir auditar o voto, logo vão a mídia dar entrevista contra. Qual é o grande problema nisso? Não queremos saber de desculpas, mas o motivo real.
    A pouco tempo teve um órgão que licitou a compra de lagosta a ser servida no almoço ou jantar daquele órgão. Mas o mesmo órgão proibiu o voto impresso com a desculpa que não existe recurso público para despesa do voto impresso. Estão chamando o povo de idiotas úteis.
    O voto impresso é necessário e não será de conhecimento de ninguém antes de uma auditoria.
    O eleitor vota, o voto é impresso, ele confere, assina e coloca dentro de uma urna que vai ficar lacrada e deve ser guardada e vigia pelo exército. Se tudo correr bem, os votos são incinerados depois de 02 anos. Caso exista processo, só pode ser incinerado depois de auditados. Qual o problema nisso?
    Qual é o grande questão por trás da rejeição judicial ao voto impresso? Que medo é esse? Toda vez que se fala nisso, um ministro corre a mídia para dar opinião contra.
    O povo clama pelo voto impresso e a possibilidade de auditoria.
    Porquê o judiciário faz questão de se colocar contra o povo e contra transparência da votação? Como existe hoje, jamais poderá ser auditado. Qual a razão da expressa rejeição a imprimir e auditar o voto?

    1. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

    2. Num país onde até hoje existe compra de votos, você acha mesmo que voto impresso é o que dará segurança? O que seu presidente e o gado burro pede é que ele também leve um comprovante do seu voto e que possa ser conferido depois. Isso é ridículo! As urnas eletrônicas, possuem sim um borderô de votação impressa e que depois pode ser conferida, o que já é pelos partidos e correligionários de candidatos! Ela é lacrada, possui total condições de ser verificada se teve alguma manipulação ou se há algum problema no seu resultado. Vocês como sempre gostam de colocar problema em todo lugar, pede para seu presidente que vocês tanto acham um “mito” governar esse país, nós brasileiros precisamos muito!

  6. Ta com medo de ter que trabalhar… se ha questionamentos, é porque ha sensacao de insegurança no sistema. E se querem diminuir o problema, sejam democraticos e desobriguem o voto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo federal envia ao Senado acordo com o BNDES e o BID para abertura de nova linha de crédito de até US$ 750 milhões para micro, pequenas e médias empresas

Foto: Reprodução/Instagram/Fábio Faria

O governo federal enviou para o Senado o acordo firmado entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a abertura de uma nova linha de crédito de até US$ 750 milhões para micro, pequenas e médias empresas.

O programa também prevê um aporte de US$ 100 milhões pelo BNDES. Ao todo, o volume destinado para as empresas será de aproximadamente R$ 5 bilhões. Para ser confirmado, o programa precisa ser apreciado pelo Senado Federal.

O financiamento é parte do programa de crédito emergencial para manter o funcionamento das empresas e a manutenção dos empregos diante da pandemia da Covid-19. Além disso, o empréstimo também visa à recuperação do investimento produtivo e a facilitar a aquisição de máquinas, equipamentos, veículos, bens e serviços para a produção.

A projeção do Ministério da Economia e do BID é de que a medida beneficie 11 mil empresas de até médio porte que foram afetadas pela crise.

A informação é destaque nas redes sociais do ministro das Comunicações, Fábio Faria.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI DA COVID: Renan Calheiros diz que primeiros depoimentos revelam ‘existência de gabinete das sombras e ministério paralelo da Saúde’

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), avalia que os primeiros depoimentos colhidos pela Comissão mostram “a existência de um gabinete das sombras, um ministério paralelo da saúde, um poder paraestatal” que não só aconselhava o presidente da República como definia medidas no enfrentamento do coronavírus numa linha contrária à de seus ministros da Saúde.

Os primeiros depoimentos prestados na Comissão foram dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Mandetta disse que sofria a concorrência, dentro do governo, de assessores, filhos do presidente e médicos que chegaram a propor um decreto para incluir na bula da cloroquina o tratamento para Covid-19.

“Estes primeiros depoimentos deixam clara a existência de um ministério paralelo da saúde, um poder paraestatal, um gabinete das sombras, desconhecido, que não apenas aconselha, assessora, mas produz documentos, como a tentativa de burla na bula da cloroquina”, afirmou o relator da CPI da Covid.

Renan Calheiros destacou que esse “gabinete das sombras” tomou decisões sem o conhecimento dos dois ex-ministros da Saúde, como a determinação para o laboratório do Exército de produzir mais cloroquina.

“Nenhum dos dois ministros tomaram conhecimento para o aumento da produção de cloroquina, isso foi ao arrepio do Ministério da Saúde”, afirmou Renan Calheiros.

Segundo o relator, Mandetta e Teich foram ignorados nas orientações de desaconselhar o uso da cloroquina e de recomendar o isolamento social e uso de máscaras.

Blog do Valdo Cruz – G1

Opinião dos leitores

  1. Os que falam mal do Renan, são os mesmos que defendem Roberto Jeferson, e aplaudiam Eduardo Cunha, vai entender!!!!!!

  2. kkkkkkk a sombra é ele mesmo que ainda está com mandato, só no Brasil mesmo onde um bandido é escolhido para presidir uma CPI.

  3. As raposas tomando conta do galinheiro kkk. Esse País não é para amadores.

    1. O gado🐮tenta a todo custo mudar o foco principal do assunto.

  4. Eu não quero que saia, eu quero que ele fique até o fim do mandato, é muito mais fácil ganhar dele, Bolsonaro vai ser derrotado no 1 turno

    1. O Bozo prova o que diz?????
      Vaquinha sebosa.
      Esperando o decreto e as tropas nas ruass que o Bozo falou que ia botar…..até agora nada..
      Além de Blefador, é um frouxo.

    1. Eita né isso! O governo do MINTOmaníaco já se aliou a tantos outros políticos condenados por corrupção… Bem que poderia ter se aliado a mais um deles como Renan Calheiros né!?

    2. Falou o paladino da moral. Quer dizer que você nunca tirou vantagem ou de um jeitinho? Hipócrita. Seu bandido de estimação passa a mão nas rachadinhas, mas isso pode né?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *