Você concorda? Cotistas terão até 40% das vagas em concursos públicos

O projeto de lei anunciado pela presidente Dilma Rousseff, que prevê reserva de 20% das vagas de concursos públicos para negros, ressuscitou o debate sobre o sistema de cotas. Se, para parte dos especialistas, a separação de postos para afrodescendentes no mercado de trabalho é um ganho natural após a garantia desse direito nas universidades públicas, outros tantos acreditam que, caso seja aprovada no Congresso Nacional, a proposta pode acabar com o sistema de meritocracia que deve reger os certames para a Administração Pública.

16d1caf4fcde8ae1781d5add4ff24e06Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

A professora Carmen Migueles, da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas na Fundação Getulio Vargas (FGV), concorda que, com a exclusão histórica dos negros, devem ser adotadas políticas afirmativas. Ela acredita, contudo, que o sistema de cotas pode representar um problema de gestão para o governo federal. “O concurso nunca discriminou por cor. O que estão fazendo é criar uma seleção adversa, dando direito a quem não conseguiu passar por nota. O governo fere os princípios da gestão do Estado, ao priorizar a entrada, na máquina pública, de pessoas menos preparadas para exercer funções importantes”, afirmou. Na opinião dela, as cotas podem provocar um inchaço no governo, que vai ficar mais caro e, possivelmente, mais incompetente para a prestação de serviços a uma sociedade que paga impostos pesadíssimos.

Dilma cobra 20% das vagas em concursos públicos para negros  

Criador do sistema de cotas na Universidade de Brasília (UnB), o professor José Jorge de Carvalho discorda e acredita que, além de bem-vinda, a notícia é uma consequência natural da luta pelos direitos dos negros. “Assim que se formasse, a primeira geração do programa de cotas das universidades encontraria a mesma dificuldade no mercado de trabalho. Eles não conseguiriam transplantar a inclusão para o serviço público, porque continua havendo um contingente muito maior de concorrência branca”, explicou.

Segundo o professor, atualmente, a presença dos negros não chega a 1% entre os cargos mais importantes dos Três Poderes. Entre os 620 procuradores da república, por exemplo, apenas sete são negros. Entre os ministros, só uma, a titular da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros.

Para Marcelo Paixão, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a decisão da presidente foi acertada, mas talvez seja necessário criar algum tipo de restrição, já que, diferentemente do vestibular, o concurso não tem uma nota mínima de corte. “Talvez o Congresso estipule alguma exigência que elimine candidatos que não têm o mínimo de conhecimento necessário”, ressaltou. “A questão das cotas pode gerar muita polêmica, mas tem um objetivo correto, que é o de aumentar a diversidade”, completou.

CorreioWeb

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paula Mendonça disse:

    Acho que a questão vai muuuito além de dizer se concordamos ou não… começaram com as cotas nas universidades e agora estão praticamente substituindo o vestibular pelo ENEM… agora vem essa história de 40% das vagas de concursos para cotistas… E o ensino público continua sem melhoras… sem nenhuma melhora, o nível intelectual vai decrescento porque tudo é nivelado por baixo. Acho que os nossos governantes precisam entender que nós Brasileiros somos inteligentes e capazes e precisamos de líderes que nos conduzam ao progresso e não ao regresso. O nível das nossas universidades está caindo… e o brasileiro ao invés de lutar por melhoria no ensino de base se contenta com as BOLSAS da vida. No serviço público a mesma coisa… cargo público exige responsabilidade, probidade entre outras coisas, não dá para banalizar isso também. O brasileiro é roubado, enganado e ainda por cima chamado de burro. Aí é brincadeira. Somos uma nação rica e inteligente, temos potencial… larguemos as bolsas, o assistencialismo e outras cositas mas que apenas mascaram os nossos reais problemas. Se o assistencialismo desse certo, já teríamos logrado êxito desde a época de Vargas (que já adotava políticas assistencialistas).

  2. luiz disse:

    A BRANCALHADA PIIIIRAAAAA! HUAHAUHAUHAUAHUA Falar que a 'MERITOCRACIA' é justa, quando você tem uma ferrari e o concorrente tem um fusca, é muito fácil! Engulam, burgueses revoltados!!!

  3. Marcos disse:

    Não concordo.

  4. José Antonio Meira da Rocha disse:

    Concordo!

  5. Joaozinho da escolinha disse:

    Eu concordo que seja destinado a vaga de presidente da republica no proximo ano para afrodescendentes. Dona Dilma e seu cumpadre vão aprovar? 40% das vagas de deputados, senadores e assessores para afrodescendentes. Essas sao medidas socio afirmativas que eles deverão cumprir em decorrencia da escravidão que ocorreu ha 2 seculos atras, que ja devia ter sido esquecida e não estimulada. Depois disso, a primeira eliminação da minoria branca racial do mundo poderá se concretizar no Brasil nos moldes invertidos da Alemanha racista do seculo passado. Falta so os fornos para queimar esse povo. Eu acho que as pessoas que bolaram isso devem ter aprendido na Africa do Sul e na Alemanha do seculo passado a liçao de casa, e converteram o modelo na eliminação da minoria branca da população brasileira. So esqueceram que o problema está na educaçao dessa maioria afrodescendente que nao se resolverá por cotas, mas por investimento em ensino publico basico para TODOS.

  6. caio fábio disse:

    É isso mesmo José Augusto, ser branco, heterossexual e honesto neste País, passou a ser motivo de exclusão e discriminação.

  7. Jose Augusto disse:

    Infelizmente sou da CLASSE EXCLUÍDA do século XXI sou BRANCO!
    Que posso fazer,me resta estudar 4x mais para ver se tenho a sorte de passar em concurso e conseguir UMA VAGA!
    A sensação que tenho é que o BRASIL está virando de CABEÇA PRA BAIXO.
    COTA é sinônimo de INCOMPETÊNCIA, de INCAPACIDADE, fala de QUALIFICAÇÃO. Então como é difícil ter EDUCAÇÃO DE QUALIDADE,fazem COTAS!
    MAIS UMA VERGONHA PRODUZIDA PELOS PRINCÍPIOS DOGMÁTICOS DO PT.

    • Gustavo disse:

      Sou a favor das cotas! Quero cota para filhos de políticos nas escolas públicas. Cota para políticos e seus familiares nos ônibus coletivos e nos hospitais públicos. Cota habitacional para políticos, para que eles possam morar tranquilamente nas periferias. Quem sabe com essas cotas alguma coisa melhor em nosso país. Infelizmente muita gente até esclarecida comprou a ideia de Lula de que o Brasil tem uma "dívida" com os negros. Ora, quem tem dívida são os países europeus que escravizaram o povo africano durante séculos. O Brasil é vítima tanto quanto eles. Aliás, somos todos o resultado de diversos povos explorados: africanos, japoneses e europeus falidos que vieram pra cá depois de terem sido enxotados por suas próprias nações. Não precisamos de cotas para negros, precisamos, sim, de saúde e educação de qualidade para que TODOS os cidadãos possam buscar o seu lugar ao sol.

COMENTE AQUI