Biden anuncia retorno dos EUA à OMS e ao Acordo de Paris e medidas de Trump que serão anuladas

Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O gabinete de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na manhã desta quarta-feira (20), horas antes da posse, uma série de medidas que serão tomadas no primeiro dia no cargo.

Entre as principais estão medidas sanitárias e econômicas de combate à pandemia, o retorno dos EUA à OMS (Organização Mundial da Saúde) e ao Acordo de Paris para o Clima. Também foi anunciada a reversão de várias outras decisões do atual presidente americano, Donald Trump, como a construção do muro na fronteira com o México e o veto à entrada de cidadãos de países muçulmanos nos EUA.

Veja as principais medidas anunciadas:

Meio ambiente

Retorno ao Acordo de Paris para o Clima;

Reverter as ações ambientais de Trump “para proteger a saúde pública e o meio ambiente e restaurar a ciência”;

Saúde

Acabar com o processo de saída dos EUA da OMS (Organização Mundial da Saúde);

Obrigar o distanciamento social e o uso de máscaras em prédios e áreas federais e por funcionários públicos do governo e terceirizados;

Política externa

Parar a construção do muro na fronteira com o México;

Reverter o veto de Trump à entrada de cidadãos de países muçulmanos nos EUA;

Economia

Estender a moratória para despejos até 31 de março;

Estender a pausa no pagamento de financiamentos estudantis até 30 de setembro;

Outras medidas

Lançamento de uma série de iniciativas governamentais para promover a igualdade racial;

Prevenir e combater a discriminação com base no gênero ou na orientação sexual;

O gabinete de transição afirmou que as ações executivas visam adotar “ações para lidar com a pandemia da Covid-19, fornecer alívio econômico, combater as mudanças climáticas e promover a igualdade racial”.

Segundo o comunicado, Biden “assinará uma combinação de ordens executivas, memorandos, diretivas e cartas para dar os passos iniciais” horas após a posse, que está marcada para o meio-dia em Washington (14h em Brasília).

“O presidente eleito Biden agirá não apenas para reverter os danos mais graves do governo Trump, mas também para começar a fazer nosso país avançar”, aponta o comunicado.

Biden promete para os 100 primeiros dias de governo vacinar 100 milhões e mudar completamente a abordagem de combate à pandemia, para reduzir seu impacto econômico e social.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Neto disse:

    Muito bom, Paulo. Concordo com você em tudo!

  2. Tico de Adauto disse:

    “A democracia prevaleceu”
    Joe Biden

  3. ReneGado disse:

    Show. A luta contra a ditadura de Trump começou. Graças a Deus nos EUA tudo se desfaz. Espero que no Brasil a coisa seja igual.

  4. Natalense disse:

    Já consigo ver uma luz no fim do horizonte brasileiro. Em breve, mudanças na política daqui. O extremismo bolsonarista não pode vingar. É muito amadorismo. Desgoverno Federal. Humilhação Federal. Todo santo dia. Chega!

    • Paulo disse:

      A esquerda não cansa de passar vergonha.
      Os derrotados em 2018, a turma do mensalão e do petrolao, a turma de Maduro, posando de sabichao…
      Xô, comunismo.
      Quem quer a saída de Bolsonaro?
      Traficantes de drogas, maconheiros, bicheiros, políticos corruptos, imprensa que deixou de receber dinheiro, radicais de esquerda, a turma do Maduro e parte da população que se deixa influenciar pelos primeiros.
      Urubus usam a pandemia que afeta o mundo todo para tomar o poder.
      Na Inglaterra, 80 mil óbitos.
      França 70 mil óbitos.
      Índia 150 mil óbitos.
      Ninguém está falando mal do presidente.
      No Brasil, o Foro de São Paulo quer surfar na onda do coronavirus para implantar o comunismo.
      Na Venezuela e Argentina não foi diferente.
      No Chile, os militantes de esquerda fizeram suruba nas praças e colocaram fogo em igrejas e universidades.
      Esquerda é ódio e violência.
      Querem dar um golpe na democracia.
      A população brasileira não se deve deixar enganar pelo discurso enganoso de comunistas.
      Comunismo é mentira e atraso.

COMENTE AQUI