Saúde

OMS aprova uso emergencial da vacina da Sinopharm contra a Covid-19

Foto: THOMAS PETER / REUTERS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta sexta-feira que aprovou o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm.

O imunizante torna-se o primeiro contra a Covid-19 desenvolvido por um país não ocidental a ganhar o apoio da OMS. É também a primeira vez que a organização concede aprovação para uso emergencial de qualquer vacina chinesa para uma doença infecciosa.

O processo de listagem para uso de emergência da OMS é um sinal para os reguladores nacionais sobre a segurança e eficácia de um produto e permitiria que a vacina fosse incluída na Covax, iniciativa global de fornecimento de vacinas principalmente para países pobres.

A OMS já concedeu aprovação de uso emergencial para as vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas pela Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca, Johnson & Johnson e, na semana passada, para a da Moderna.

A CoronaVac, uma das vacinas contra a Covid-19 em uso no Brasil, também está sendo avaliada pela OMS, e o resultado da análise é esperado para a próxima semana.

Na semana passada, prefeitos brasileiros que integram o consórcio Conectar (Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras) pediram ao embaixador da China, Yang Wanming, apoio na importação de 6 milhões de doses do imunizante desenvolvido pela Sinopharm para vacinar professores da educação básica contra a Covid-19.

Segundo o porta-voz do Conectar na reunião, o prefeito de Recife, João Campos (PSB), o embaixador sinalizou positivamente para abrir um canal direto de diálogo com os Executivos municipais.

O Ministério da Saúde também realizou tratativas com a farmacêutica chinesa para aquisição da vacina contra a Covid-19, mas não firmou acordo até o momento.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Moderna vai fornecer 500 milhões de doses para consórcio da OMS com foco em 92 países considerados de média e baixa renda; com “autofinanciamento potencial”, Brasil está fora da lista

Infográfico mostra como funcionam vacinas de RNA contra o coronavírus — Foto: Anderson Cattai/Arte G1

A empresa americana de biotecnologia Moderna anunciou, nesta segunda-feira (3), que vai fornecer 500 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 para a Covax, consórcio liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), até o ano que vem para para 92 países considerados de média e baixa renda (veja lista ao fim da reportagem).

As doses serão vendidas pelo menor preço da empresa. A primeira remessa, de 34 milhões de doses, deve começar a ser distribuída no quarto trimestre deste ano, que começa em outubro.

O Brasil não está incluído entre os países contemplados porque aparece na lista da Covax como uma economia com “autofinanciamento potencial” (veja detalhes mais abaixo).

A vacina da Moderna foi aprovada para uso emergencial na sexta-feira (30) pela OMS, o que abriu caminho para que fosse distribuída pela Covax. O consórcio é uma iniciativa liderada pela OMS para garantir um acesso mais igualitário às vacinas contra a Covid por países mais pobres.

Apesar de não estar na lista dos países que receberão as doses da Moderna, o Brasil faz parte da iniciativa e já recebeu doses adquiridas por meio da Covax. Neste fim de semana, a remessa que chegou ao país pertencia ao laboratório AstraZeneca.

Segundo a Moderna, o acordo fechado com a Gavi, a aliança global de vacinas que negocia as doses para o consórcio, prevê a entrega das 34 milhões de doses iniciais e, depois, a opção de adquirir as outras 466 milhões.

Brasil não está incluído

O acordo fechado entre a Moderna e a Gavi prevê o fornecimento de doses para os 92 países considerados de média e baixa renda que fazem parte da Covax. O Brasil não está incluído nesta lista (veja os países integrantes ao final desta reportagem).

A empresa afirmou que está “em discussões para alocar e fornecer [vacinas] para participantes autofinanciados no futuro”. O Brasil aparece na lista da Covax como uma economia com “autofinanciamento potencial”, que reúne 80 países ao todo.

Índice de eficácia alto

Em meados de abril, a Moderna publicou novos resultados de eficácia da vacina, que apontaram para uma taxa de 90% de eficácia. O índice é um dos mais altos entre as vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas até agora. Assim como a Pfizer, a Moderna usa a tecnologia de RNA mensageiro em sua vacina.
A vacina da Moderna já foi aprovada para uso nos Estados Unidos, na União Europeia e em Israel, além de outros países. A vacina ainda não foi aprovada e não está disponível no Brasil.

Países mais pobres

Baixa renda:

Afeganistão
Benin
Burkina Faso
Burundi
República Centro-Africana
Chade
República Democrática do Congo
Eritreia
Etiópia
Gâmbia
Guiné
Guiné-Bissau
Haiti
Coreia do Norte
Libéria
Madagascar
Malaui
Mali
Moçambique
Nepal
Níger
Ruanda
Serra Leoa
Somália
Sudão do Sul
Síria
Tadjiquistão
Tanzânia
Togo
Uganda
Iêmen

Renda média-baixa:

Angola
Argélia
Bangladesh
Butão
Bolívia
Cabo Verde
Camboja
Camarões
Comores
Congo-Brazaville
Costa do Marfim
Djibouti
Egito
El Salvador
Eswatini
Gana
Honduras
Índia
Indonésia
Quênia
Kiribati
Quirguistão
Laos
Lesoto
Mauritânia
Estados Federados da Micronésia
Moldávia
Mongólia
Marrocos
Mianmar
Nicarágua
Nigéria
Paquistão
Papua Nova Guiné
Filipinas
São Tomé e Príncipe
Senegal
Ilhas Salomão
Sri Lanka
Sudão
Timor-Leste
Tunísia
Ucrânia
Uzbequistão
Vanuatu
Vietnã,
Gaza e Cisjordânia
Zâmbia
Zimbábue

Elegíveis para Associação de Desenvolvimento Internacional do Banco Mundial:

Dominica
Fiji
Grenada
Guiana
Kosovo
Maldivas
Ilhas Marshall
Samoa
Santa Lúcia
São Vicente e Granadinas
Tonga
Tuvalu

G1

Opinião dos leitores

  1. A esquerda vai ficar revoltada em ver o Brasil de fora. Se os governos de 2002 a 2016 tivessem continuado, estaríamos encabeçando a lista, pensando bem, acho que não, pois aqueles governos afirmavam que quem ganhava até 03 salários mínimos estava na classe média. Era o prenúncio que em breve, quem ganhasse 01 salário mínimo no Brasil seria considerado classe alta, assim como acontece na Venezuela

    1. O Brasil está na lista dos países párias. Tá bom pra você?

    2. O Brasil é um dos países que mais vacinam (4° lugar mundial) e está batendo seguidos recordes de vacinação. O governo Bolsonaro já adquiriu mais de 500 milhões de doses e estamos desenvolvendo vacinas 100% nacionais. O governo Bolsonaro está no caminho certo e o país está vencendo o vírus, para desespero da oposição que torce sempre pelo pior e usa o sofrimento do povo para sua politicagem rasteira.

    3. Somos o país das hienas. Todos comendo merda e felizes da vida.

    4. Destro que se diz honesto, mostre os recursos para a pesquisa de vacinas no Brasil. Veja o que estão cortando do orçamento, as falas de PG, do Pazu da logística e do Messias do Capeta.

    5. A realidade não respeita narrativas, meu caro. No meu comentário anterior, cito algumas verdades, mesmo que pareçam não lhe agradar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: OMS elogia o Brasil e Queiroga pede doses extras de países para avanço ainda maior de imunização

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Em coletiva de imprensa da Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta sexta-feira, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga fez um apelo aos países que tenham doses extras de vacina contra a Covid-19 para que dividam com o Brasil, “para que possamos avançar com nossa ampla campanha”.

Ele também afirmou que, ao assumir o Ministério da Saúde, se comprometeu com a aceleração da vacinação contra a Covid-19 e buscou orientar a população brasileira sobre medidas não farmacológicas.

— Eu me comprometi com a aceleração da vacinação e busquei orientar a população brasileira, de maneira clara e objetiva, sobre as medidas não farmacológicas cientificamente comprovadas: uso de máscara, lavagem das mãos e respeito ao distanciamento social — afirmou.

Em seu discurso, no entanto, Queiroga não falou sobre as 400 mil mortes pela doença no Brasil, marca atingida na quinta-feira, e que foi mencionada pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O ministro também tratou da vacinação da população indígena no país:

— Considerando a vulnerabilidade desses povos a doenças respiratórias, eles foram priorizados pelo governo federal na vacinação contra a Covid-19. Já foram distribuídas doses suficientes para todos os indígenas com mais de 18 anos em territórios indígenas.

Queiroga disse ainda que o Ministério está “na iminência de assinar” um contrato com a Pfizer para aquisição de mais 100 milhões de doses de vacina, e afirmou acreditar ser possível imunizar a população brasileira até o fim de 2021:

— Temos doses suficientes para o segundo semestre, e (assim) é possível garantir que até o fim de 2021 tenhamos a nossa população inteiramente vacinada.

Até quinta-feira, o Brasil conseguiu aplicar a primeira dose de vacina contra a Covid-19 em 14,74% da população, e 7,15% receberam a segunda dose, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

‘Brasil não pode baixar a guarda’

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a atenção do mundo está voltada para a escalada da Covid-19 na Índia, mas que outros países também estão vivendo transmissão intensa, destacando que o Brasil foi um dos mais afetados pela pandemia.

— Desde novembro, o Brasil teve uma crise aguda, incluindo casos, hospitalizações e mortes entre jovens. Os casos agora diminuíram por quatro semanas seguidas, hospitalizações e mortes também. São boas notícias, esperamos que continuem. Mas a pandemia nos ensinou que nenhum país pode baixar a guarda.

O diretor da OMS afirmou ainda que o país se saiu bem nas áreas da detecção precoce da doença, telemonitoramento de casos e distribuição de vacinas, com priorização de profissionais da saúde, indígenas e idosos.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Um gesto simples, mas que o presidente é incapaz de realizar. Olha só Queiroga, se prepare, se a coisa melhorar vc vai dançar, pq o presidente sobrevive no caos!

  2. Será que o diretor da OMS, esqueceu de mencionar os EUA com suas 575 mil morte, só nos 100 dias do novo presidente ja foram mais de 175 mil óbitos. De bolsonaro, todo mundo quer tirar uma casquinha, mas os burros mucham as orelhas quando é pra falar dos americanos.

  3. Apesar de não dar o menor cartaz a essa OMS, esse elogio vai servir para “passar na cara” da esquerdalha, já que eles falam tão mal do Brasil. Olha aí, “cumpanherada”, a OMS é de vcs. Rsrsrsrs

    1. Se não fosse o medo da CPI e a volta do Lula, o Bozo não teria comprado nem metade das vacinas que comprou…

    2. Não minta ou não fale do que não sabe. As vacinas vem sendo compradas há muito tempo, bem antes do Instituto Lula (quer dizer, STF rsrsrs) ter liberado (ele não foi inocentado) o bandido de 9 dedos. Somos o 4° pais do mundo em vacinação e já compramos mais de 500 milhões de doses de vacinas. Estamos muito bem nesse aspecto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Casos globais de Covid-19 aumentam pela sétima semana consecutiva, diz OMS

Foto: Reprodução / CNN

Já são sete semanas consecutivas de aumento de casos globais de Covid-19 e quatro semanas de aumento de mortes pela doença em todo mundo, alertou nesta segunda-feira (20) o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma coletiva de imprensa em Genebra, na Suíça.

“Em janeiro e fevereiro, o mundo viu seis semanas consecutivas de declínio de casos”, disse Tedros. “Já vimos sete semanas consecutivas de aumento de casos e quatro semanas de aumento de mortes. A semana passada foi o quarto maior número de casos em uma única semana até agora.”

Vários países da Ásia e do Oriente Médio viram grandes aumentos de casos, segundo ele. Os aumentos ocorrem apesar de mais de 780 milhões de doses de vacina serem administradas globalmente, disse ele, acrescentando que as vacinas são uma ferramenta vital e poderosa, mas não a única.

Ele enfatizou que as medidas de saúde pública – uso de máscara, distanciamento físico, ventilação, higienização das mãos, vigilância, testes, rastreamento e isolamento – funcionam para impedir infecções e salvar vidas.

“A confusão, a complacência e a inconsistência nas medidas de saúde pública e sua aplicação estão impulsionando a transmissão e custando vidas”, disse Tedros. “É necessária uma abordagem consistente, coordenada e abrangente.”

Vacinação contra a Covid-19 no Brasil

O Brasil é o quinto país no ranking de doses da vacina contra a Covid-19 já aplicadas – são 30.447.033 de doses aplicadas. Em primeiro lugar, estão os Estados Unidos, com 187.047.131.

Nesta segunda-feira (12), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou ter exposto a “situação dramática do Brasil” em conversa com o secretário-geral da ONU, António Guterres. Ele pediu prioridade para o Brasil na entrega dos imunizantes do consórcio Covax Facility.

“Reforcei o pedido de ajuda à ONU para o país se tornar prioridade do consórcio internacional Covax Facility para antecipação da entrega das vacinas”, escreveu Pacheco no Twitter.

Doses a cada 100 habitantes

Quando o número de doses da vacina contra a Covid-19 é analisado a partir de cada 100 pessoas, o Brasil ocupa o 56º lugar no ranking global, com 14,37 doses a cada 100 habitantes. Já entre os países do G20, o Reino Unido fica em primeiro lugar – são 58,32 doses a cada 100 habitantes – e o Brasil em 9º.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Com certeza Barroso, a culpa é do Presidente, confere.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

OMS não apoia adoção de passaporte de vacinação contra Covid-19, diz porta-voz

Foto: Reuters

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não apoia a exigência de passaportes de vacinação para entrada ou saída de países, devido à incerteza sobre se a vacinação contra Covid-19 evita a transmissão do vírus, e também por preocupações relacionadas à desigualdade no acesso aos imunizantes, disse uma porta-voz da entidade nesta terça-feira (6).

“Nós, como a OMS, dizemos que, neste estágio, não gostaríamos de ver o passaporte de vacinação como um requisito para a entrada ou saída porque não temos certeza de que a vacina previne a transmissão”, disse Margaret Harris.

“Existem todas essas outras questões, além da questão da discriminação contra as pessoas que não podem receber a vacina por uma razão ou outra”, disse ela em uma entrevista coletiva da ONU.

Harris também afirmou que a OMS espera analisar a listagem para uso emergencial das vacinas contra Covid-19 dos laboratórios chineses Sinopharm e Sinovac por volta do final de abril.

“Não está acontecendo tão rápido quanto esperávamos porque precisamos de mais dados”, disse ela, recusando-se a fornecer mais informações por razões de confidencialidade.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, apelou no mês passado aos países com suprimentos de vacina em excesso para doar 10 milhões de doses urgentemente para o consórcio Covax, que administra a aliança de vacinas Gavi.

Restrições de exportação da Índia da vacina da AstraZeneca produzidas pelo Instituto Serum deixaram o programa de compartilhamento de imunizantes com falta de suprimentos.

Harris disse que não tinha nenhuma atualização sobre essa questão: “Ainda estamos muito procurando por mais vacinas.”

CNN Brasil, com Reuters

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS diz que são necessárias novas restrições para combater pandemia

FOTO: © REUTERS/Denis Balibouse/Direitos Reservados

A Organização Mundial da Saúde (OMS) descreveu hoje (1º) como “necessárias” novas restrições na Europa devido ao crescente número de casos do SARS-CoV-2, em meio ao avanço da variante britânica e ao aumento da mobilidade pela semana da Páscoa.

“A situação na região é agora mais preocupante do que vimos em vários meses”, disse a diretora regional da OMS para Emergências na Europa, Dorit Nitzan.

“Muitos países estão adotando novas medidas que são necessárias e todos devem segui-las tanto quanto possível”, acrescentou Nitzan.

Em sua opinião, também existem “riscos associados” ao “aumento da mobilidade” e às reuniões neste feriado da Páscoa.

Em nota, do seu escritório europeu, a OMS também chamou de “inaceitavelmente” lento o ritmo da campanha de vacinação no continente.

De acordo com dados da OMS, na semana passada foram registrados 1,6 milhão de novos casos e quase 24 mil mortes no continente, em comparação com menos de 1 milhão há cinco semanas.

Um total de 27 países europeus aplica atualmente restrições de intensidade variável, dos quais 21 impuseram toque de recolher obrigatório. Nas duas últimas semanas, 23 Estados endureceram as medidas para conter a propagação da pandemia, enquanto 13 abrandaram as restrições.

Segundo o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Henri Kluge, “agora não é hora de relaxar”.

“Não podemos ignorar o perigo. Todos temos que fazer sacrifícios, não podemos permitir que a exaustão nos derrote. Devemos continuar a conter o vírus”, disse Kluge.

Para ele, na situação atual, a “ação rápida” e a implementação de “medidas sociais e de saúde pública” são necessárias até que avance a campanha de vacinação.

A OMS considerou que as medidas restritivas devem ser usadas “enquanto a doença exceder a capacidade dos serviços de saúde para cuidar adequadamente dos pacientes e para acelerar a provisão dos sistemas de saúde locais e nacionais”. Acrescentou que os casos estão aumentando em todas as faixas etárias, exceto naquelas de mais de 80 anos, que, na sua opinião, mostram “os primeiros sinais do impacto da vacinação”.

A Europa é a segunda região com mais casos de covid-19. O número total de positivos gira em torno de 45 milhões e o número de mortos é próximo a 1 milhão, segundo dados da OMS.

Cerca de 50 países da região já indicaram que a variante B.1.1.7, inicialmente detectada no Reino Unido, é a que predomina em seus territórios.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2,8 milhões de mortes no mundo, resultantes de mais de 128,1 milhões de casos de infecção, segundo balanço feito pela agência francesa AFP.

Agência Brasil, com RTP

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS recomenda que ivermectina não seja usada para tratar pacientes com Covid-19

Foto: Agencia Enquadrar / Agência O Globo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que “não se utilize a ivermectina” para pacientes com Covid-19, exceto em ensaios clínicos, de acordo com um comunicado divulgado nesta quarta-feira.

— Nossa recomendação é não usar ivermectina para pacientes com Covid-19, independentemente do nível de gravidade ou duração dos sintomas — disse Janet Díaz, chefe da equipe de resposta clínica à Covid-19 da agência da ONU, em uma entrevista coletiva.

Ele ressaltou que a única exceção a esta recomendação, com base no estado atual da pesquisa, é para os ensaios clínicos.

No Brasil, um grupo de associações médicas divulgou uma nota, na semana passada, defendendo que medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, como a ivermectina e a cloroquina, tenham sua utilização “banida”. Os remédios citados são defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo médicos do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) e do hospital da Universidade de Campinas (Unicamp), o uso indiscriminado de medicamentos do chamado “kit Covid”, como a ivermectina, levou ao menos quatro pacientes a desenvolverem graves de lesões no fígado, que demandam até necessidade de transplante.

Os especialistas da OMS basearam suas conclusões em um total de 16 ensaios clínicos randomizados com 2.400 participantes. Alguns desses ensaios compararam a ivermectina com outras drogas.

O número de estudos comparando ivermectina com placebo “é muito menor”, disse o Bram Rochwerg, pesquisador da Universidade McMaster no Canadá e membro do painel da OMS que conduziu a avaliação.

Tanto Díaz quanto Rochwerg disseram que as recomendações serão atualizadas à medida que novas pesquisas confirmam ou expandem o estado atual de conhecimento.

A recomendação da OMS, a primeira sobre a ivermectina, junta-se à da Agência Europeia de Medicamentos, que também não recomenda seu uso exceto em ensaios clínicos. O regulador americano, a FDA, também explica em seu site porque a ivermectina não deve ser usada.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Remédio barato, tem patente quebrada.
    Numa hora dessas, não vão recomendar mesmo, de jeito nenhum.
    Deve tá pra chegar um que custa uns duzentos paus a caxinha com 30 comprimidos.
    Só isso.
    Entendeu???

  2. OMS perdeu a credibilidade! !! Ninguém acredita nessa "Oganização"!!!! São mentirosos, manipulam as informações criando dúvidas nas pessoas!! E MENTEM DESCARADAMENTE quando afirmam que o tratamento precoce para cura ou alívio do Covid não funciona como a Ivermectina e outras drogas já devidamente reconhecidas em Estudos e comprovado pela prática médica diária!!

    1. EU ACREDITO NA OMS mas não acredito num bocado de zé-golinha que fica repetindo as palavras do presidente como se fossem um bocado de papagaio ou fantoche.

  3. Espero que a OMS responda por TODOS OS ABSURDOS que levou à morte de milhares de pessoas no mundo, começando pela demora em decretar PANDEMIA e em ISOLAR WUHAN do mundo. Essa região da China foi isolada do restante do país, mas aviões saíam normalmente para o restante do mundo como a Itália. Que Deus nos ajude.

  4. As prefeitura atendem os governadores.
    os governadores atendem o comité cientifico e a OMS.
    E os médicos e enfermeiros trabalham até a exaustão.
    E o povo "fica em casa".
    E o vírus evolui.

  5. OMS recomendou ficar em casa até faltar ar. Morreu um bocadinho. Depois autorizou o tratamento com o rendezivir que custa a bagatela de 3180 dolares (15.000 reais) 😳. Agora a ivermectina custa 1 real e tem 70 trabalhos comprovando a sua eficácia . Ela não recomenda . Em resumo . Se ela. Recomendou . Faca exatamente o contrário que você sobreviverá .

    1. Esses OMS, são a favor para você morrer em casa, que não tomar vai passar por dificuldade com esse virus , eu e minha familia estamos contando da historia por que tomou ivermectrina, manda esse demônio jogar o diploma dele no fogo, eles são do lado do mal.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

GRAVE: Chefe da OMS critica falta de acesso a dados da China sobre origem da Covid-19 e não descarta nenhuma hipótese

Foto: Christopher Black/WHO / via REUTERS

Mais de um ano depois do início da pandemia do coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou oficialmente nesta terça-feira o tão esperado relatório da equipe de especialistas que investiga a origem da Covid-19. Os pesquisadores que estiveram na visita de campo a Wuhan, na China, entre o final de janeiro e o início de fevereiro, ainda não descartaram, porém, nenhuma hipótese, e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu mais estudos, criticando a falta de acesso a dados brutos do governo chinês sobre os primeiros casos da Covid-19 registrados na cidade, no final de 2019.

De acordo com a missão de especialistas, que passou 27 dias em Wuhan, a hipótese mais provável é que a de que o vírus tenha sido transmitido de morcegos para um animal intermediário e deste para o homem. A hipótese de que o patógeno teria escapado do Instituto de Virologia de Wuhan, um laboratório de segurança máxima, foi considerada “extremamente improvável”, mas ainda assim Tedros pediu uma nova investigação sobre ela. A suposição foi promovida sem embasamento concreto pelo então presidente americano Donald Trump.

— No que diz respeito à OMS, todas as hipóteses permanecem em jogo. Este relatório é um começo muito importante, mas não é o fim. Ainda não encontramos a fonte do vírus e devemos continuar seguindo a ciência e não deixar pedra sobre pedra — disse Tedros, lembrando que encontrar a origem de um vírus leva tempo. — Devemos isso ao mundo para que possamos tomar medidas coletivas para reduzir o risco de que aconteça novamente. Espero que novos estudos colaborativos estejam baseados em compartilhar os dados de uma forma mais ampla e rápida.

O diretor-geral da OMS disse estar disposto a implementar novas missões de especialistas. O relatório da equipe internacional — que conta com cientistas de Austrália, China, Dinamarca, Alemanha, Japão, Quênia, Holanda, Qatar, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Vietnã — foi publicado quando a pandemia já matou quase 2,8 milhões de pessoas e infectou mais de 127 milhões em todo o mundo.

— Em minhas conversas com a equipe, eles expressaram as dificuldades que encontraram para acessar dados brutos — disse Tedros.

Em fevereiro, um dos integrantes da equipe da OMS, o australiano Dominic Dwyer, disse que foram solicitados os dados brutos dos 174 casos da doença que a China havia identificado na fase inicial do surto em Wuhan, mas lhes foi fornecido um relatório já com a análise feita por cientistas chineses.

Esses dados brutos são conhecidos como “listagens de linha”, disse ele na época, e normalmente seriam anônimos, mas contêm detalhes como as perguntas feitas a pacientes individuais, suas respostas e como suas respostas foram analisadas.

O relatório da OMS sugere que a transmissão possivelmente começou antes de dezembro de 2019. O primeiro caso detectado teve início dos sintomas em 8 de dezembro. Mas, para entender os primeiros casos, os cientistas tiveram acesso a dados de pacientes com sintomas afins, incluindo amostras biológicas, a partir de setembro.

Segundo o relatório, não está claro se o mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, foi o marco zero do vírus ou apenas o lugar onde ele começou a circular em maior escala. O local, que vários vários pacientes frequentavam ou onde trabalhavam, vendia carnes exóticas e animais vivos. A equipe também citou a possibilidade de o vírus ter sido introduzido em humanos por meio da cadeia alimentar de alimentos frios.

UE e EUA pedem novos estudos

A equipe da OMS visitou vários laboratórios em Wuhan e considerou a possibilidade de o vírus entrar na população humana como resultado de um incidente de laboratório. Embora os especialistas tenham concluído que um vazamento de laboratório é a hipótese menos provável, Tedros disse que ela também requer uma investigação mais aprofundada.

— Não acredito que esta avaliação tenha sido extensa o suficiente. Mais dados e estudos serão necessários para chegar a conclusões mais robustas — afirmou o chefe da OMS.

No ano passado, o governo Trump acusou a OMS de ser demasiadamente complacente com a China e este foi seu principal argumento para cortar sua contribuição ao orçamento da entidade. Trump também chegou a dar entrada no processo para sair da OMS, algo revertido pelo presidente Joe Biden já no dia da sua posse.

A missão da OMS a Wuhan foi aprovada na assembleia geral da OMS no ano passado e negociada durante meses com os chineses. Após a divulgação do relatório, União Europeia (UE), Estados Unidos e 13 aliados, como Reino Unido, Canadá, Austrália, Japão e Coreia do Sul, expressaram preocupação com a falta de acesso aos dados. Em um comunicado conjunto, EUA e os aliados instaram a China a dar “acesso completo” aos especialistas.

A UE, por sua vez, considerou o estudo um “primeiro passo importante”, mas insistiu nas críticas de que a investigação começou tarde demais. Além disso, lembrou que os especialistas estiveram fora da China por muito tempo e de que o acesso aos dados e às primeiras amostras foram insuficientes. Em um comunicado, Walter Stevens, embaixador da UE nas Nações Unidas em Genebra, pediu mais estudos com “acesso oportuno aos locais relevantes e a todos os dados humanos, animais e ambientais disponíveis”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Qual a novidade OMS? Achar que a China vai deixar sair algum dado real, é acreditar em coelho da páscoa…inocente.

  2. Essa OMS realmente e mentirosa, eles saíram da china falando que não encontraram nada de grave na china e agora vem com outra conversa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS aprova uso emergencial da vacina da Johnson contra a Covid-19, única de uma dose só

Foto: Reprodução

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adahnon, informou nesta sexta-feira (12) que a entidade concedeu o uso emergencial da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Johnson & Johnson, único imunizantes até o momento administrado em dose única.

Tedros informou que a aliança internacional para aquisição de imunizantes Covax Facility já adquiriu 500 milhões de doses do imunizante da Johnson e que espera começar sua distribuição aos países em julho.

Esta é a quarta vacina a receber da OMS a aprovação do uso emergencial. Vacinas da AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BioNtech e do Instituto Serum.

Vacina da AstraZeneca deve continuar

Tedros também aconselhou os países a não suspenderem o uso da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceira com a Universidade de Oxford. A vacina foi associada a casos de trombose em alguns países.

“É importante notar que a Agência Europeia de Medicamentos disse que não há indícios de ligação entre a vacina e a formação dos coágulos sanguíneos e que a vacina pode continuar a ser usada enquanto sua investigação estiver em andamento”

O diretor-geral informou que o Comitê Consultivo Global sobre Segurança de Vacinas da OMS analisa sistematicamente os sinais de segurança e está avaliando os relatórios sobre a vacina da AstraZeneca, assim como das demais que já estão em uso.

“Mais de 335 milhões de doses das vacinas contra a Covid-19 foram administradas globalmente até agora, e nenhuma morte foi encontrada causada por essas vacinas”, afirmou Tedros.

Bem Estar – G1

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: há um ano, OMS declarava pandemia

Foto: © REUTERS/Denis Balibouse/Direitos Reservados

O vírus já se tinha espalhado, em Portugal já existiam casos, mas só em março de 2020 é que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia, praticamente três meses depois de ter sido anunciado o primeiro caso em Wuhan, na China. Tinham morrido pouco mais de 4 mil pessoas. Um ano depois, a covid-19 já tirou a vida de mais de 2,6 milhões.

Em uma quarta-feira, 11 de março de 2020, quando o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, declarou que o que até então era considerada uma epidemia, tinha a força de pandemia. Ao justificar a declaração, ele afirmou que os casos fora da China tinham se “multiplicado por 13”.

Tedros Adhanoms disse, à época, que cabia a cada um dos países mudar o curso dessa pandemia se detectarem (casos), testarem, tratarem, isolarem, rastrearem e mobilizarem as pessoas na resposta. “Estamos nisto juntos e precisamos fazer com calma aquilo que é necessário”. Ele também já alertava para a necessidade de uma resposta mais agressiva.

O representante da OMS para situações de emergência, Mike Ryan, destacava que a utilização da palavra “pandemia” era meramente descritiva da situação e não alterava, “em nada, aquilo” que já estava sendo feito, “nem aquilo que os países deveriam fazer”.

A OMS alertava para os níveis alarmantes de propagação e gravidade do vírus e também para os “níveis alarmantes de falta de ação”.

Dois países em particular preocupavam a OMS naquele momento: o Irã e a Itália. O número de mortes crescia de forma assustadora. Mike Ryan avisava que outros países estariam muito em breve nessa situação, o que se confirmou.

O novo coronavírus, que começou na China, se alastrou pelo mundo inteiro. Matou pessoas, superlotou hospitais, quebrou muitas vezes a solidariedade e a economia. Paralisou a indústria, impediu aviões de levantar voo, fechou escolas e adiou ou cancelou eventos desportivos e espetáculos. Mudou toda a vida.

Os últimos dados, neste 11 de março de 2021, precisamente um ano depois da declaração de pandemia pela OMS indicam quase 120 milhões de pessoas infectadas pelo vírus e mais de 2,6 milhões de mortes.

Agência Brasil, com RTP

Opinião dos leitores

  1. Ou seja!!
    Deu tempo de sobra pra prefeitos e governadores prepararem os leitos.
    Se não fizeram meu fii, agora aguenta o pancão.

  2. Há 1 ano a oms vem mudando as suas diretrizes diariamente, escondendo tratamentos que reduzem a contaminação como a Ivermectina utilizada no continente africano ( Nigéria 209 milhões de habitantes 2 mil óbitos, Quênia 54 milhões, 1,898 óbitos), ainda vai ter idiotas dizendo que , fazem isolamento social, usam máscaras e os hospitais estão muito bem aparelhados
    E dizerem que acreditam na "CIÊNCIA" da oms.

  3. Há um ano que o gado apedreja a OMS. Mimadinhos que no jardim de infância se esfregavam nas paredes enquanto a professora dizia: Desencosta da parede que a parede solta pó.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS registra aumento de contágios por covid-19 na Europa após semanas de queda

FOTO: AFP / TARSO SARRAF

O número de novos casos de covid-19 aumentou novamente na Europa após seis semanas de redução, anunciou nesta quinta-feira direção regional da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Na semana passada, os novos casos de covid-19 na Europa aumentaram 9%, superando por pouco um milhão. Isto acaba com uma redução promissora de seis semanas”, afirmou o diretor para a Europa da OMS, Hans Kluge.

“Registramos um ressurgimento na Europa central e leste. Os novos casos também aumentam em vários países do oeste da Europa, onde os índices já eram elevados”, completou.

A divisão Europa da OMS reúne mais de 50 países que vão até o centro da Ásia.

“Mais da metade de nossa região registra um número crescente de casos”, disse Kluge.

Para o diretor da OMS no continente, os europeus devem recuperar os “instrumentos essenciais” de prevenção para lutar contra o vírus e suas variantes e acelerar a vacinação.

Dos 53 países que integram a região Europa da OMS, 45 já iniciaram a vacinação.

De acordo com dados compilados pela AFP, na União Europeia (UE, 27 países) 2,6% da população recebeu duas doses da vacina contra a covid-19 e 5,4% ao menos uma dose.

Correio Braziliense

Opinião dos leitores

  1. Culpa do Bolsonaro.
    Se tivesse feito lock não estava acontecendo.
    Bolsonaro não esta sabendo governar a Itália.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS registra o menor número em quatro meses de mortes diárias por covid-19 em todo o mundo

FOTO: EFE/EPA/DIVYAKANT SOLANKI

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou, nesta quinta-feira (25), 6.965 mortes por covid-19 em todo o mundo nas últimas 24 horas, o menor número desde 10 de novembro de 2020, último dia em que foram registrados menos de 7 mil óbitos diários.

No final do mês passado, foram atingidos números recordes de mais de 16 mil mortes diárias no planeta, e o acumulado desde o início da pandemia chega a 2,47 milhões de mortes (2,2% dos 111 milhões de casos confirmados do novo coronavírus).

O continente americano é a região com mais mortes por covid-19 (1,1 milhão), seguido pela Europa (848 mil), Sul da Ásia (205 mil), Oriente Médio (142 mil), África (71 mil) e Leste Asiático (28 mil) .

Por país, segundo a OMS, os Estados Unidos registraram 496 mil mortes (embora outras fontes já coloquem o número acima de meio milhão), o Brasil (247 mil), México (180 mil), Índia (156 mil) e Reino Unido (121 mil).

Por outro lado, as autoridades nacionais de saúde mostram que mais de 216 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 já foram administradas no mundo, incluindo 65 milhões nos EUA, 40 milhões na China, 28 milhões na União Europeia (UE) e 18 milhões no Reino Unido.

R7, com EFE

Opinião dos leitores

  1. É pura desinformação…. quando falam em números de mortos…. falam em 1/1000000, quando falam em vacinado, falam e números absolutos…. No Brasil o número continua aumentando…

  2. No Brasil a situação é exatamente oposta, só aumentou. Na verdade, nos últimos 2 anos, morte, destruição, caos e a miséria tem se instalado por uma politica de governo.

  3. Ao contrário, o Brasil cresce no número de mortos. São mais de 250 mil e um governo federal sendo administrado por um negacionista. Inimigo da ciência.

  4. Menos no Brasil, aqui continua alto. Bom mesmo é investir em estádios pra copa, hospital não tem utilidade não. PTralhas cabalhas fdp.

    1. Parou no tempo o senhor, então quer dizer que o atual presidente montou uma saúde vergonha, acorda mané tá pior do que tava bem antes da copa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS registra 6ª semana seguida de redução dos casos globais do novo coronavírus

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Os casos globais do novo coronavírus caíram 11% na semana anterior a 21 de fevereiro, marcando a 6ª semana consecutiva de queda, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira (24).

A OMS relatou 2,4 milhões de novos casos e 66.000 novas mortes naquela semana, uma queda de 20% nas mortes em comparação com a semana anterior.

Isso totaliza 110,7 milhões de casos e mais de 2,4 milhões de mortes desde o início da pandemia de Covid-19, segundo dados da OMS.

Atualmente, os Estados Unidos relatam o maior número de novos casos diários, seguidos por Brasil, França, Rússia e Índia.

A OMS observou que, embora muitos países estejam relatando um declínio nos casos gerais do novo coronavírus, os relatos de variantes da Covid-19 estão aumentando.

A OMS disse que a variante B.1.1.7 detectada pela primeira vez no Reino Unido já foi encontrada em 101 países, enquanto a variante B.1.351 detectada pela primeira vez na África do Sul está em 51 países.

Já a variante B.1.1.28.1 menos prevalente – identificada pela primeira vez no Brasil e no Japão – já foi encontrada em 29 países.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Obs, menos no Brasil. Aqui continua crescendo, basicamente devido a própria população que teima em nao cumprir os protocolos. E os guvernos em cada esfera, fazendo as suas fezes.

  2. Infelizmente, já se sabe o porquê, no Brasil os casos estão aumentando… Veremos como estará por aqui daqui uma ou duas semanas…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS aprova uso emergencial da vacina de Oxford

Foto: Ben Stansall/AFP

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aprovou, nesta segunda-feira (15), o uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19. Duas versões da vacina entraram na lista de uso emergencial da entidade: a produzida pela própria AstraZeneca-SKBio, na Coreia do Sul, e a outra pelo Instituto Serum, na Índia.

Com a entrada na lista, as vacinas poderão ser oferecidas por meio da plataforma Covax, iniciativa da OMS para garantir o acesso equitativo às vacinas da Covid a países mais pobres.

Apenas uma outra vacina, a da Pfizer, já havia entrado na lista de uso emergencial da OMS.

“Países sem acesso a vacinas até agora finalmente vão conseguir começar a vacinar seus profissionais de saúde e populações de risco, contribuindo para o objetivo da Covax Facility de distribuição equitativa de vacinas”, declarou Mariângela Simão, diretora-geral assistente da OMS para Acesso a Medicamentos e Produtos de Saúde.

“Mas precisamos continuar a pressão para atender às necessidades de populações prioritárias em todos os lugares e facilitar o acesso global”, continuou Simão.

“Para fazer isso, precisamos de duas coisas – um aumento da capacidade de produção e o envio precoce, pelos desenvolvedores, de suas vacinas para avaliação da OMS”, disse.

O grupo de especialistas da OMS para imunização (SAGE, na sigla em inglês) já havia divulgado, na semana passada, as orientações de uso da vacina de Oxford.

Aplicação no Brasil

A vacina de Oxford é uma das duas que já estão sendo aplicadas no Brasil – a outra é a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac –, depois de obterem autorização de uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Instituto Serum, um dos fabricantes com versões da vacina autorizadas pela OMS, é o laboratório do qual o Brasil comprou as doses prontas do imunizante. A versão produzida na Índia e comprada do laboratório chega em território brasileiro com o nome de “Covishield”.

Na semana passada, a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço da OMS nas Américas, disse que as primeiras doses das vacinas distribuídas por meio da Covax devem chegar aos países americanos no fim deste mês.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS: especialistas começam a deixar a China sem resultados conclusivos

Foto: © REUTERS/Thomas Peter/Direitos Reservados

Especialistas da missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) encarregados de investigar as origens do novo coronavírus começaram hoje (10) a deixar a China, país que consideram o “início do caminho” para desvendar a origem da covid-19.

“A equipe está trabalhando até sair [da China]. Esse é apenas o início do caminho, com muito trabalho a ser feito, seguindo as pistas dos nossos colegas chineses”, afirmou o britânico Peter Daszak, membro da missão, na rede social Twitter. “Muito orgulhoso de nossas conquistas e realista sobre o percurso que nos espera”, acrescentou.

Também Marion Koopmans, virologista holandesa, declarou-se “exausta”, mas comemorou a missão de 27 dias a Wuhan, a cidade chinesa onde foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19. “Estou realmente ansiosa para dar os próximos passos”, escreveu também no Twitter.

A epidemiologista dinamarquesa Thea K. Fischer, que considerou na mesma rede social que a missão foi uma “experiência única”, apontou duas teorias preliminares sobre as origens do vírus: por meio de um animal que serviu de hospedeiro intermediário para humanos ou de algum alimento congelado.

Essa segunda teoria tem sido defendida pela China repetidamente, nos últimos meses, após a detecção de vestígios do vírus em alguns produtos congelados importados pelo país asiático.

A investigação é extremamente sensível para o regime comunista, cujos órgãos oficiais têm promovido teorias que apontam que o vírus teve origem em outros países. 90O governo do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump acusou o Instituto de Virologia de Wuhan de ter deixado o vírus escapar, voluntariamente ou não.

Peter Daszak admitiu que a equipe teve de fazer suas investigações num ambiente de pressão política.

O chefe da missão, o especialista em zoonose dinamarquês Peter Ben Embarek, descartou que o vírus tenha tido origem em um laboratório, e considerou a possibilidade de que tenha chegado à China por meio de produtos congelados.

“Tudo continua a apontar para um reservatório desse vírus, ou um vírus semelhante, nas populações de morcegos”, seja na China, em outros países asiáticos ou mesmo em outros lugares, defendeu. Acrescentou que rastrear o percurso do vírus ainda é um “trabalho em andamento”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2,32 milhões de mortes no mundo, resultantes de mais de 106,4 milhões de casos de infeção, segundo balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus, detectado no final de dezembro de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Agência Brasil, com RTP

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Cepa encontrada em Manaus pode comprometer desenvolvimento de anticorpos, especula OMS

Foto: Ernesto Carriço/Enquadrar/Estadão Conteúdo

A variante P.1 do coronavírus, encontrada pela primeira vez em Manaus, pode comprometer o desenvolvimento de anticorpos contra a Covid-19. Essa é a observação feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no boletim epidemiológico semanal divulgado na terça-feira (9).

De acordo com a organização, “as mutações detectadas na variante P1 podem potencialmente reduzir a neutralização de anticorpos; no entanto, estudos adicionais são necessários para avaliar se há mudanças na transmissibilidade, gravidade ou atividade de neutralização de anticorpos como resultado dessas novas variantes”.

O boletim ainda chama a atenção para a proporção de casos detectados da nova variante em Manaus, que foi identificada pela primeira vez em dezembro de 2020. A proporção de diagnósticos positivos para a nova variante saltou de 52% em dezembro do ano passado para 85% em janeiro de 2021. Mesmo assim, ainda de acordo com a OMS, uma “segunda onda” de casos de Covid-19 no Brasil está mostrando sinais de declínio.

Segundo o último boletim epidemiológico na capital amazonense, Manaus já registrou 129.721 casos de Covid-19 e 6.484 óbitos, com uma taxa de letalidade de 5% – mais que duas vezes a taxa de letalidade nacional, de 2,4%, segundo o Ministério da Saúde. Já a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados à Covid-19 na rede pública de Manaus está em 91,09%, enquanto em leitos clínicos, está em 79,88%.

De acordo com um levantamento feito pela CNN Brasil, a nova variante P.1. já foi encontrada em 13 países.

Casos e mortes por Covid-19 em queda no mundo

Ainda segundo o boletim divulgado pela OMS, o número global de casos de Covid-19 apresentou queda pela quarta semana seguida. Segundo o relatório, na última semana foram registradas 3.1 milhões de novas infecções, o que representa uma queda de quase 17% em relação à semana passada (3.7 milhões). O número também significa o menor volume de novos casos desde a semana de 26 de outubro de 2020, há 15 semanas. de acordo com a organização.

Segundo a OMS, o número global de mortes pela doença também está em queda: 88 mil mortes foram registradas no mundo na última semana, ou seja, cerca de 10% menos do que o registrado na semana anterior (96 mil).

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Essa história de variante é só pra quando a vacina, faltando dados, não funcionar, a culpa ser da nova variante.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *