Bolsonaro questiona legitimidade da Comissão da Verdade e vê “balela” em documentos sobre mortes na ditadura

Reprodução: Globo

O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta terça-feira (30) a legitimidade da Comissão da Verdade, que apurou crimes cometidos na ditadura militar.

Ele deu a declaração ao ser perguntado por jornalistas sobre a conclusão da comissão para a morte de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

De acordo com a Comissão da Verdade, Fernando foi preso e morto por agentes do Estado brasileiro na ditadura militar.

Na segunda-feira (29), Bolsonaro disse que “um dia” contaria para o presidente da OAB como o pai havia morrido. “Ele não vai querer saber a verdade”, disse Bolsonaro.

Felipe Santa Cruz respondeu que acionaria o Supremo para que o presidente esclarecesse a fala. Santa Cruz afirmou ainda que Bolsonaro agiu como um “amigo do porão da ditadura”.

Mais tarde, Bolsonaro afirmou que o pai do presidente da OAB foi morto pelo “grupo terrorista” Ação Popular do Rio de Janeiro, e não pelos militares.

O atestado de óbito de Fernando, incluído no último dia 24 no sistema da Comissão de Mortos e Desaparecidos, diz que ele foi morto pelo Estado brasileiro.

Nesta terça, na entrada do Palácio da Alvorada, jornalistas questionaram o presidente de que a versão dele contraria a oficial. Bolsonaro respondeu:

“Você acredita em Comissão da Verdade? Qual foi a composição da Comissão da Verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma [Rousseff, ex-presidente]”, disse o presidente.

Bolsonaro ainda chamou de “balela” documentos sobre mortes na ditadura.

“Nós queremos desvendar crimes. A questão de 64, existem documentos de matou, não matou, isso aí é balela”, afirmou o presidente

Indagado se está disposto a fornecer as informações que dispõe sobre a morte de Fernando para o STF, o presidente disse que não tem registros escritos e que sua versão está baseada em “sentimento”.

“O que eu sei é o que falei para vocês. Não tem nada escrito que foi isso, foi aquilo. Meu sentimento era esse”, disse Bolsonaro.

Perguntado se tem documentos para mostrar que Fernando foi morto por um grupo de esquerda, o presidente ironizou:

“Você quer documento para isso, meu Deus do céu? Documento é quando você casa, você se divorcia. Eles têm documentos dizendo o contrário?”, disse Bolsonaro.

Corpo incinerado

De acordo com a Comissão Nacional da Verdade, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira sumiu em 1974 e foi “preso e morto por agentes do Estado brasileiro”. Ainda segundo a comissão, Santa Cruz “permanece desaparecido, sem que os seus restos mortais tenham sido entregues à sua família”.

O relatório final da comissão diz ainda que Claudio Guerra, ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS-ES), afirmou em depoimento em 2014 que o corpo de Fernando Santa Cruz Oliveira foi incinerado na Usina Cambahyba, em Campos dos Goytacazes (RJ).

Ainda de acordo com a comissão, o ex-sargento do Exército Marival Chaves Dias do Canto também afirmou em depoimento que havia um esquema de transferência de presos entre estados, que envolvia o encaminhamento dos presos para locais clandestinos de repressão, como a Casa da Morte.

Segundo a comissão, Marival disse que os presos Eduardo Collier Filho e Fernando Santa Cruz teriam sido vítimas dessa operação.

Documento da Aeronáutica

A Comissão da Verdade disponibiliza na internet um documento do antigo Ministério da Aeronáutica segundo o qual Fernando Santa Cruz foi preso em 22 de fevereiro de 1974, um dia antes da data em que, segundo o atestado de óbito, ele morreu.

Comissão da Verdade

A Comissão da Verdade foi criada no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff e funcionou entre 2012 e 2014.

O relatório final do grupo apontou 377 pessoas como responsáveis diretas ou indiretas pela prática de tortura e assassinatos durante a ditadura militar, entre 1964 e 1985.

O relatório consolidou o material apurado em dois anos e sete meses por meio de audiências públicas, depoimentos de militares e civis e coleta de documentos referentes ao regime militar.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nice Padilha disse:

    Uma comissão elencada pela ex-guerrilheira Dilma para "esquentar" documentalmente as generosas pensões para os "torturados da ditadura". Não há registros ou provas, apenas depoimentos das vítimas interessadas, portanto, palavra por palavra, é a de uma pessoa idônea contra um ex-guerrilheiro. Ou seja, Segundo a "Tiurma" do Luladrão, palavra não é prova, mas na Comissão da Verdade é???? Cada um conta sua versão conforme seus interesses, e agora??? Quem sabe a verdade???

  2. Ivan disse:

    Precisamosde uma nova comissão da verdade para investigar os mandatos do PT na presidência…Pessoas massacradas em filas de hospitáis públicos, jovens sendo alienados nas escolas públicas, bandidos matando pais de familía na rua, desemprego, bilhões desviados…Eu indicaria o Bolsonaro, Dória, Danilo Gentile, Roger, Marco Feliciano e Rogério Marinho…

  3. Bento disse:

    Esse Sérgio sabe mesmo contar piada estou rindo sem parar ate agorakkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Joca disse:

    Vai faltar Alfafa, para alimentar o gado….

  5. joca disse:

    Só um caminhão cheio de Alfafa…

  6. sergio disse:

    De um lado herois, patriotas, que lutaram e deram a vida pela democracia do Brasil.
    Do outro torturadores covardes, estupradores sádicos que se escondiam dentro de uma farda.
    Agora esse outro fala de sentimento. Só se for pelo Queiroz…

    • Soares disse:

      Dos heróis e patriotas, maior parte estão condenados por corrupção, alguns estão presos, resultado da oportunidade dada pelos brasileiros nas últimas eleições, imagina se não tivessem combatido esses canalhas.com certeza estaríamos bem pior do que hoje

    • Marcelo disse:

      De um lado herói e patriotas. Do outro guerrilheiros tentando implantar uma ditadura.

    • Luiz Neto disse:

      Sérgio, na URSS, que esses heróis que você cita defendiam assim como o regime comunista que lá imperava na época, morreram mais de 20 milhões de pessoas apenas por se oporem ao comunismo implantado por Lenin e Stalin, falar que morreram pouco mais de 400 subversivos comunistas assassinos que queriam implantar o comunismo aqui no Brasil foi pouco, muito pouco comparado ao que o regime que eles defendiam mataram. Imagina a tragédia e carnificina que haveria se esses comunistas que morreram tivessem sucesso em implantar esse regime tirano aqui no Brasil. Demos graças aos militares de 64 que impediram o golpe comunista em nosso país, esses sim foram nossos verdadeiros Heróis com letra maiúscula.

  7. José Cláudio disse:

    Tem que ser feito uma comissão de verdade pra esclarecer as torturas e os latrocínios praticados pela bandidagem que foram nutridos pelos 16 anos do regime de esquerda no Brasil

  8. Bento disse:

    O que essa comissão apurou sobre o outro lado, o lado deles, só tinham gente bem intencionada?
    Do outro lado teve gente matando, atacando quartéis, roubando cargas, bancos, o que essa comissão apurou, onde está esse povo, que nos tempos atuais seriam denominados de terroristas.
    Essa cambada hoje que só culpa os militares estão todos ricos, me aponte um que esta pobre.

  9. Arnaldo Franco disse:

    Interessante que ninguem da imprensa menciona os atos de terrorismo que ceifaram muitas vidas. A maioria dos reporteres nem havia nascido naquela época, mas já contrairam nas faculdades o germe do comunismo.

  10. Marcelo disse:

    Nunca confiei nessa comissão, os militares que cumpriam ordens e defendiam o Brasil, passaram a ser os errados,já os guerrilheiros , sequestradores e comunistas, os heróis.

  11. Antonio Turci disse:

    A quem interessar saber quem omite a verdade, é só procurar os depoimentos do ex-guerrilheiro Carlos Eugênio Paz o Clemente. Era companheiro do Sr. Fernando Santa Cruz , sabe e não fez segredo de quem matou o Fernando. É só procurar uma entrevista que o Clemente concedeu a Gênero Moraes.

  12. Bento disse:

    Pense numa comissão sem futuro a da escola de samba tem muito mais crédito.

    • Vitor Silva disse:

      As forças armadas num ofício encaminhado em setembro de 2014 à Comissão Nacional da Verdade (CNV) reconheceram a ocorrência de desaparecimentos e mortes durante a ditadura militar ("lamentáveis violações de direitos humanos"). Isso é fato. Pesquisem.

COMENTE AQUI