Mourão discorda do termo “ditadura” para período e minimiza AI-5: ‘Passam a ideia que todo dia alguém era cassado, e não foi assim’

Foto: Bruno Batista / VPR

O vice-presidente da República, Antônio Hamilton Mourão, minimizou em entrevista ao site Huffpost Brasil o Ato Institucional número 5 (AI-5), considerado pelos historiadores como a medida mais dura da ditadura militar, na qual se constituiu de uma espécie de carta branca para o governo punir como bem entendesse os opositores políticos. Mourão afirmou que é preciso ver quantas vezes o ato, que permitiu fechar o Congresso e cassar parlamentares, foi efetivamente usado.

— O Ato Institucional número 5 surgiu fruto de uma situação que se vivia aqui no País no final dos anos 60. Foi o grande instrumento autoritário que os presidentes militares tiveram à mão. É importante que depois se pesquise quantas vezes ele foi utilizado efetivamente durante os 10 anos que ele vigorou. Porque muitas vezes se passa a ideia que todo dia alguém era cassado, alguém era afastado. E não funcionou dessa forma. É importante ainda que a História venha à luz de forma correta — afirmou Mourão.

Nesta sexta-feira, o AI-5 completa 51 anos. O Ato foi baixado pelo governo do general Arthur da Costa e Silva, em 1968, que ficou conhecido como o “o ano que não acabou”. Uma das medidas previstas pelo Ato Institucional aumentava os poderes do presidente da República, que passava a ter autonomia para decretar, sem intermédio do Judiciário, o fechamento do Congresso Nacional e intervir nos estados e municípios. Era permitida também a cassação de mandatos parlamentares e a suspensão dos direitos políticos de qualquer cidadão por 10 anos.

Questionado se sabia dizer então quantas vezes foi usado, disse desconhecer e citou ele próprio o fato de o ato ter sido usado para fechar o Congresso em dezembro de 1968, quando foi editado, e em 1977 com a criação da figura de senador biônico.

— Nem eu sei. Mas não foi a quantidade que se diz. Por exemplo, o fechamento do Congresso acho que houve duas vezes. Foi logo que ele foi implementado, no final de 68, início de 69, e em 77, quando o presidente [Ernesto] Geisel colocou aquele famoso Pacote de Abril, que colocou a figura do senador biônico. Foram as duas vezes que o Congresso foi fechado com o uso do AI-5 — afirmou o vice-presidente.

Mourão afirmou que o AI-5 foi um “instrumento de exceção”, mas na mesma entrevista refutou o termo “ditadura” para se referir ao período de regime militar.

—Vamos colocar a coisa da seguinte forma: em primeiro lugar eu discordo do termo “ditadura” para o período de presidentes militares. Para mim foi um período autoritário, com uma legislação de exceção, em que se teve que enfrentar uma guerrilha comunista e que terminou por levar que essa legislação vigorasse durante 10 anos – disse.

O vice-presidente disse que Eduardo Bolsonaro e Paulo Guedes “não foram felizes” ao citar o AI-5 e afirmou que hoje o Brasil vive uma “plenitude democrática”.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Comparar a Revolução Democrática de 1964 com o Nazismo é muita canhalice.

  2. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Críticar o Regime Militar brasileiro e aplaudir a ditadura sanguinária da China. É falta de coerência, burrice, cegueira ideológica ou o que?

  3. Marcos Polo disse:

    "Pimenta nos olhos dos outros é refresco!"

  4. Baraúna disse:

    Sobre o regime militar, os jornalistas e as universidades criaram versões dos fatos e venderam o período como se aqui tivesse ocorrido situações que acontecem em Cuba e houve na Argentina.
    Passaram aos alunos que não se dão ao trabalho de ler versões distorcidas sobre o regime militar, como se os militares tivessem combatido contra pessoas inocentes e desarmadas.
    Não falaram aos alunos o que houve sequestro, assaltos, assassinatos, troca de tiros por parte daqueles que se vendiam como "salvadores da pátria" mas queriam apenas tomar o poder e implantar no Brasil um regime totalitário.
    Tanto que os mesmos que foram banidos e depois "perdoados", voltaram e passaram a ocupar cargos e funções públicas, atuando como antes, só que sem arma de fogo, visando tomar o poder e nele permanecer eternamente. A história se repete, só que hoje o povo sabe quem são, como agem e o que querem, só permanece o modus operandi de mentir, enrolar, dissimular para vender o que nunca irão fazer.

  5. mauricio disse:

    deixo uma sugestão: peça a folha seca que faça uma pesquisa em pessoas com mais 50 anos e pergunte se ele se sentia segura durante o regime militar

    • André Fortes disse:

      A população alemã apoiava Hitler. Muitos morreram por ele.

    • Luiz Antônio disse:

      Como também a população se sentia segura antes do golpe militar. A violência absurda teve início a partir de 1988

  6. Genaro disse:

    Ah, como seria bom se não tivessem combatidos os comunistas com as mesmas armas que eles usavam, menos sequestros, assaltos a bancos e terrorismo(nem tanto, teve o caso rio centro e outros menos expressivo), hoje seríamos uma cuba mais arrasada ou mesmo uma Venezuela mais precoce. Era uma maravilha

    • Potiguar disse:

      Ou talvez uma China, aliás esse era o medo do presidente americano John Kenedy.

    • Tião disse:

      Essa petralhada sempre sonham com ditaduras assassinas, mau tse Tung e sua carnificina eram sonhos de consumo

Carlos Bolsonaro chama de “canalhas” jornalistas que “interpretaram” sua frase com defesa de ditadura

Carlos Bolsonaro, nas redes sociais, soltou o verba com matérias na imprensa em que sugeriram defesa de algum movimento fora da democracia. O filho do presidente Jair Bolsonaro esbravejou que a frase ” por vias democráticas as coisas não mudam rapidamente” simplesmente foi uma resposta “aos que cobram mudanças urgentes”.

Chamando os jornalistas que induziram tal interpretação de “canalhas”, Carlos Bolsonaro condenou menção a ditadura.

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justus disse:

    Quem é contra os comentários dele também é contra os comentários de José Dirceu (só pelo voto não se chega ao poder) e Benedita (tem que pegar em armas e ter banho de sangue)?

  2. Azevedo disse:

    Esse é doido até a bosta, fala merda e depois quer se explicar.

  3. Vitor Silva disse:

    Esse covardes falam/escrevem coisas e qto a pressão vem eles se peidam. A declaração do Carlos Bolsonaro é repugnante. Um ponto dela, no entanto, me chama mais atenção: é a referência à "transformação que o Brasil quer". Isso reflete um discurso típico da ala camisa de força do Governo: a de que eles conhecem exatamente o que o Brasil quer e deseja.

  4. Robson Levy disse:

    ERA SEGREDO, AGORA NÃO É MAIS:
    A esquerda domina a quase totalidade das universidades;
    A esquerda domina grande parte do jornalismo;
    A esquerda domina o ensino público;
    A esquerda domina todos os diretórios acadêmicos;
    A esquerda domina os sindicatos;
    A esquerda trabalhou por 20 anos se apropriando dos cargos e funções do Estado;
    O que estamos testemunhando são as forças da esquerda, os remanescentes dominadores nas categorias atuarem de forma dissimulada, invertida, raivosa e irresponsavelmente contra o governo. Quem acha que a direita ter chegado a presidência resolveu tudo, começam a perceber que não, existe muito a ser feito, pois tem muitas instituições tomadas pela ideologia da esquerda.

    • Henrique disse:

      Excelente definição… show…. assim mesmo….

    • Esquerdista Gozador disse:

      Pega o doido…
      A esquerda é a responsável pela existência do mal, na sua concepção.
      Um comentário desse é de quem tem muito amor guardado dentro do peito e que não foi retribuído, viu.
      Faça uma terapia pq a esquerda está lhe consumindo.

  5. Eduardo disse:

    Concordo integralmente com o Carlos Bolsonaro. A forma como parte da imprensa está a se comportar, não há outra adjetivo para classificar esses jornalistas: CANALHAS.

Ex-delegado mostrou onde incinerou corpo do pai do presidente da OAB na ditadura, noticia Buzz Feed News

Um ex-delegado do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) chegou a mostrar para investigadores da Comissão Nacional da Verdade o forno em que incinerou o corpo do militante de esquerda Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, e de mais 11 presos políticos assassinados entre 1974 e 1975 pelo regime militar no Rio de Janeiro.

A incineração foi feita em um forno da usina de açúcar Cambahyba, em Campos dos Goytacazes (RJ), segundo o próprio ex-delegado.

Cláudio Antonio Guerra tem hoje 78 anos e na quinta-feira (1º) foi denunciado pelo Ministério Público Federal por ocultação e destruição de cadáveres, por conta do desaparecimento dos 12 corpos. Ele admitiu os crimes primeiramente no livro “Memórias de uma guerra suja”, dos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, em 2012. Dois anos depois, confirmou tudo e mostrou detalhes da operação de incineração para a Comissão Nacional da Verdade. Em todos os seus depoimentos posteriores, ao Ministério Público, Guerra reafirmou os crimes.

Duranta a semana, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que sabia o destino do pai do presidente da OAB e afirmou que ele não teria sido morto pela ditadura.

Ao ser confrontado com os documentos de Estado que tratam da morte e desaparecimento como crimes da ditadura, o presidente afirmou tratar-se de “balela”. Felipe Santa Cruz e outros ex-presidentes da OAB pediram explicações a Bolsonaro, impetrando uma interpelação no Supremo Tribunal Federal — e o ministro do STF Luís Roberto Barroso, em decisão sobre a interpelação judicial, afirmou que o presidente tem 15 dias para responder, em “querendo” fazê-lo.

Nessa sexta (3), Bolsonaro afirmou que não falou “nada de mais” sobre o pai de Felipe Santa Cruz e disse que responderá ao STF. “Mesmo eu não sendo obrigado, eu presto [esclarecimentos]. Não falei nada de mais”, disse.

O ex-delegado prestou pelo menos dois depoimentos à Comissão Nacional da Verdade. Em um deles, em 23 de julho de 2014, identificou os mortos por fotos apresentadas pela comissão. Ele contou que recolhia os mortos em dois centros de tortura: um em Petrópolis, conhecido como Casa da Morte, e outro, um quartel da Polícia do Exército, no Rio.

O BuzzFeed News buscou nos arquivos da comissão as imagens e os vídeos de depoimento do ex-delegado.

“Nesse período, 1974 e 1975, começou uma pressão muito grande sobre o governo por causa do desaparecimento de corpos. Os coronéis que estavam no comando do país queriam um meio de desaparecer mesmo [com os corpos]. Então foi dada essa ideia de ser incinerados os corpos”, disse o ex-delegado em 2014.

Guerra também participou de uma diligência da comissão na antiga usina. Lá, mostrou o forno e contou detalhes de como eram jogados os corpos.

“Eram geralmente duas pessoas. Eu mesmo pegava”, disse ele, explicando como atirava os mortos na fornalha.

A ideia de desaparecer com os corpos por incineração na usina foi dada pelo próprio delegado a um alto comandante da repressão na época, o então coronel Fred Perdigão, já morto. O forno da usina ficava ligado por seis meses sem interrupção. A Comissão Nacional da Verdade confirmou com técnicos que a dimensão dos fornos tinha capacidade para incinerar pessoas.

O delegado disse que viajava até 200 quilômetros para queimar os corpos e que chegou a usar seu carro particular em uma das viagens. Mas, de modo geral, usava carros descaracterizados, com placa fria, da polícia. Disse que nunca foi parado mas que, se fosse, usaria a carteira do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), para o qual trabalhava.

“Nessa época, o poder nosso era muito grande, ninguém parava”, disse ele.

Os corpos eram entregues em sacos plásticos e colocados no porta-malas do carro. Mas o delegado do Dops contou no vídeo que, por curiosidade, abriu todos os sacos para ver os mortos. Em um dos casos, ficou marcado pelo nível de violência usado contra a vítima, a professora da USP Ana Rosa Kucinski, que tinha marca de mordidas e violência sexual.

“[O corpo] Era entregue ensacado. Eu abria, era curiosidade. Embora fosse uma coisa macabra, eu não sentia nada. Hoje, olhar as pessoas ali, o senhor não calcula como estou por dentro”, disse o ex-delegado, que afirma ter feito as confissões por arrependimento.

Ao ser apresentado a fotos dos 12 mortos, o ex-delegado reconheceu a maior parte. Ele disse que, na época, não sabia exatamente de quem se tratava, mas que, ao produzir o livro, foi fazendo o reconhecimento.

Questionado por um dos integrantes da Comissão Nacional da Verdade diante da foto do pai do presidente da OAB, Guerra foi enfático:

“É o Santa Cruz.”

BuzzFeed.News

https://www.buzzfeed.com/br/tatianafarah/delegado-ditadura-incinerou-santa-cruz-oab

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Eduardo Martins disse:

    Minha gente, a conversa com comunista tem que ser bem curtinha. Vai dar cabimento a esse povo.

  2. Carmen maria de leiros de Oliveira disse:

    Difícil não lembra de uma pessoa que ele encinerou

  3. canhoto potiguar disse:

    da mesma forma que esse general diz uma coisa, um terrorista "cumpanheiro" de santa cruz disse outra em depoimento na globo.

    https://youtu.be/O_yEU8VxPzA

    e aí? vale o q?

  4. realmadriddepiumgenerico disse:

    Mas o presidente dos bolsominions diz que isso nunca existiu e que foram os próprios companheiros do Fernando Santa Cruz que o matou. Apenas para debochar e pisotear na família e no presidente da OAB. Coisa de gente ruim.

    • Ceará-Mundão disse:

      Presidente DO BRASIL, "cumpanhêro". E homem sério, honesto, patriota, religioso e defensor dos valores éticos e familiares. Valores que gente como vc demonstra desconhecer.

  5. José claudio disse:

    De 1974 a 2014, fez 40 anos, o cara com 78 anos ainda consegue identificar pelas fotos e lembrar a aparência fisica de uma pessoa morta; por si a morte já modifica a aparência fisica e ainda ter sofrido violência pelo corpo acho complicado

Bolsonaro questiona legitimidade da Comissão da Verdade e vê “balela” em documentos sobre mortes na ditadura

Reprodução: Globo

O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta terça-feira (30) a legitimidade da Comissão da Verdade, que apurou crimes cometidos na ditadura militar.

Ele deu a declaração ao ser perguntado por jornalistas sobre a conclusão da comissão para a morte de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

De acordo com a Comissão da Verdade, Fernando foi preso e morto por agentes do Estado brasileiro na ditadura militar.

Na segunda-feira (29), Bolsonaro disse que “um dia” contaria para o presidente da OAB como o pai havia morrido. “Ele não vai querer saber a verdade”, disse Bolsonaro.

Felipe Santa Cruz respondeu que acionaria o Supremo para que o presidente esclarecesse a fala. Santa Cruz afirmou ainda que Bolsonaro agiu como um “amigo do porão da ditadura”.

Mais tarde, Bolsonaro afirmou que o pai do presidente da OAB foi morto pelo “grupo terrorista” Ação Popular do Rio de Janeiro, e não pelos militares.

O atestado de óbito de Fernando, incluído no último dia 24 no sistema da Comissão de Mortos e Desaparecidos, diz que ele foi morto pelo Estado brasileiro.

Nesta terça, na entrada do Palácio da Alvorada, jornalistas questionaram o presidente de que a versão dele contraria a oficial. Bolsonaro respondeu:

“Você acredita em Comissão da Verdade? Qual foi a composição da Comissão da Verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma [Rousseff, ex-presidente]”, disse o presidente.

Bolsonaro ainda chamou de “balela” documentos sobre mortes na ditadura.

“Nós queremos desvendar crimes. A questão de 64, existem documentos de matou, não matou, isso aí é balela”, afirmou o presidente

Indagado se está disposto a fornecer as informações que dispõe sobre a morte de Fernando para o STF, o presidente disse que não tem registros escritos e que sua versão está baseada em “sentimento”.

“O que eu sei é o que falei para vocês. Não tem nada escrito que foi isso, foi aquilo. Meu sentimento era esse”, disse Bolsonaro.

Perguntado se tem documentos para mostrar que Fernando foi morto por um grupo de esquerda, o presidente ironizou:

“Você quer documento para isso, meu Deus do céu? Documento é quando você casa, você se divorcia. Eles têm documentos dizendo o contrário?”, disse Bolsonaro.

Corpo incinerado

De acordo com a Comissão Nacional da Verdade, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira sumiu em 1974 e foi “preso e morto por agentes do Estado brasileiro”. Ainda segundo a comissão, Santa Cruz “permanece desaparecido, sem que os seus restos mortais tenham sido entregues à sua família”.

O relatório final da comissão diz ainda que Claudio Guerra, ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS-ES), afirmou em depoimento em 2014 que o corpo de Fernando Santa Cruz Oliveira foi incinerado na Usina Cambahyba, em Campos dos Goytacazes (RJ).

Ainda de acordo com a comissão, o ex-sargento do Exército Marival Chaves Dias do Canto também afirmou em depoimento que havia um esquema de transferência de presos entre estados, que envolvia o encaminhamento dos presos para locais clandestinos de repressão, como a Casa da Morte.

Segundo a comissão, Marival disse que os presos Eduardo Collier Filho e Fernando Santa Cruz teriam sido vítimas dessa operação.

Documento da Aeronáutica

A Comissão da Verdade disponibiliza na internet um documento do antigo Ministério da Aeronáutica segundo o qual Fernando Santa Cruz foi preso em 22 de fevereiro de 1974, um dia antes da data em que, segundo o atestado de óbito, ele morreu.

Comissão da Verdade

A Comissão da Verdade foi criada no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff e funcionou entre 2012 e 2014.

O relatório final do grupo apontou 377 pessoas como responsáveis diretas ou indiretas pela prática de tortura e assassinatos durante a ditadura militar, entre 1964 e 1985.

O relatório consolidou o material apurado em dois anos e sete meses por meio de audiências públicas, depoimentos de militares e civis e coleta de documentos referentes ao regime militar.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nice Padilha disse:

    Uma comissão elencada pela ex-guerrilheira Dilma para "esquentar" documentalmente as generosas pensões para os "torturados da ditadura". Não há registros ou provas, apenas depoimentos das vítimas interessadas, portanto, palavra por palavra, é a de uma pessoa idônea contra um ex-guerrilheiro. Ou seja, Segundo a "Tiurma" do Luladrão, palavra não é prova, mas na Comissão da Verdade é???? Cada um conta sua versão conforme seus interesses, e agora??? Quem sabe a verdade???

  2. Ivan disse:

    Precisamosde uma nova comissão da verdade para investigar os mandatos do PT na presidência…Pessoas massacradas em filas de hospitáis públicos, jovens sendo alienados nas escolas públicas, bandidos matando pais de familía na rua, desemprego, bilhões desviados…Eu indicaria o Bolsonaro, Dória, Danilo Gentile, Roger, Marco Feliciano e Rogério Marinho…

  3. Bento disse:

    Esse Sérgio sabe mesmo contar piada estou rindo sem parar ate agorakkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Joca disse:

    Vai faltar Alfafa, para alimentar o gado….

  5. joca disse:

    Só um caminhão cheio de Alfafa…

  6. sergio disse:

    De um lado herois, patriotas, que lutaram e deram a vida pela democracia do Brasil.
    Do outro torturadores covardes, estupradores sádicos que se escondiam dentro de uma farda.
    Agora esse outro fala de sentimento. Só se for pelo Queiroz…

    • Soares disse:

      Dos heróis e patriotas, maior parte estão condenados por corrupção, alguns estão presos, resultado da oportunidade dada pelos brasileiros nas últimas eleições, imagina se não tivessem combatido esses canalhas.com certeza estaríamos bem pior do que hoje

    • Marcelo disse:

      De um lado herói e patriotas. Do outro guerrilheiros tentando implantar uma ditadura.

    • Luiz Neto disse:

      Sérgio, na URSS, que esses heróis que você cita defendiam assim como o regime comunista que lá imperava na época, morreram mais de 20 milhões de pessoas apenas por se oporem ao comunismo implantado por Lenin e Stalin, falar que morreram pouco mais de 400 subversivos comunistas assassinos que queriam implantar o comunismo aqui no Brasil foi pouco, muito pouco comparado ao que o regime que eles defendiam mataram. Imagina a tragédia e carnificina que haveria se esses comunistas que morreram tivessem sucesso em implantar esse regime tirano aqui no Brasil. Demos graças aos militares de 64 que impediram o golpe comunista em nosso país, esses sim foram nossos verdadeiros Heróis com letra maiúscula.

  7. José Cláudio disse:

    Tem que ser feito uma comissão de verdade pra esclarecer as torturas e os latrocínios praticados pela bandidagem que foram nutridos pelos 16 anos do regime de esquerda no Brasil

  8. Bento disse:

    O que essa comissão apurou sobre o outro lado, o lado deles, só tinham gente bem intencionada?
    Do outro lado teve gente matando, atacando quartéis, roubando cargas, bancos, o que essa comissão apurou, onde está esse povo, que nos tempos atuais seriam denominados de terroristas.
    Essa cambada hoje que só culpa os militares estão todos ricos, me aponte um que esta pobre.

  9. Arnaldo Franco disse:

    Interessante que ninguem da imprensa menciona os atos de terrorismo que ceifaram muitas vidas. A maioria dos reporteres nem havia nascido naquela época, mas já contrairam nas faculdades o germe do comunismo.

  10. Marcelo disse:

    Nunca confiei nessa comissão, os militares que cumpriam ordens e defendiam o Brasil, passaram a ser os errados,já os guerrilheiros , sequestradores e comunistas, os heróis.

  11. Antonio Turci disse:

    A quem interessar saber quem omite a verdade, é só procurar os depoimentos do ex-guerrilheiro Carlos Eugênio Paz o Clemente. Era companheiro do Sr. Fernando Santa Cruz , sabe e não fez segredo de quem matou o Fernando. É só procurar uma entrevista que o Clemente concedeu a Gênero Moraes.

  12. Bento disse:

    Pense numa comissão sem futuro a da escola de samba tem muito mais crédito.

    • Vitor Silva disse:

      As forças armadas num ofício encaminhado em setembro de 2014 à Comissão Nacional da Verdade (CNV) reconheceram a ocorrência de desaparecimentos e mortes durante a ditadura militar ("lamentáveis violações de direitos humanos"). Isso é fato. Pesquisem.

DITADURA: Dilma conta como teve dente arrancado a socos por torturador

dilmachoraluciobernardojrcamaradosdeputados“Você vai ficar deformada e ninguém vai te querer. Ninguém sabe que você está aqui. Você vai virar um ‘presunto’ e ninguém vai saber”, era uma das ameaças ouvidas de um agente público no período em que esteve presa

O relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), divulgado na quarta-feira,  detalhou como a tortura era praticada por agentes públicos durante o período militar. As informações contidas nos depoimentos dão uma noção mais clara dos requintes de crueldade que não poupava nem mesmo mulheres e adolescentes, presos de forma clandestina e sem qualquer direito básico de defesa, algo injustificável mesmo por aqueles que pregam a volta dos militares como se vê em algumas manifestações ou se ouve de alguns parlamentares.

Naquela época, a presidente Dilma Rousseff era uma das líderes de uma organização chamada Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). Ela foi presa em janeiro de 1970, pela Operação Bandeirante. Assim como outros opositores do regime militar, Dilma foi torturada e até hoje alega sofrer com sequelas físicas e psicológicas.

No relato que fez à Comissão Estadual de indenização às Vítimas de Tortura de Minas Gerais, em 2001, Dilma conta como teve um dente arrancado a socos, sobre as sessões de tortura (algo que parecia ser uma praxe entre os presos interrogados), sobre ser amarrada em um pau de arara e sobre os choques.

“Eu vou esquecer a mão em você. Você vai ficar deformada e ninguém vai te querer. Ninguém sabe que você está aqui. Você vai virar um ‘presunto’ e ninguém vai saber”, era uma das ameaças ouvidas de um agente público no período em que esteve presa. “Tinha muito esquema de tortura psicológica, ameaças (…) Você fica aqui pensando ‘daqui a pouco eu volto e vamos começar uma sessão de tortura’”, contou Dilma.

Dilma foi levada para a Operação Bandeirante no começo de 1970, em Minas Gerais. “Era aquele negócio meio terreno baldio, não tinha nem muro direito. Eu entrei no pátio da Operação Bandeirante e começaram a gritar: ‘Mata!’, ‘Tira a roupa’, ‘Terrorista’,’Filha da puta’, ‘Deve ter matado gente’. E lembro também perfeitamente que me botaram numa cela. Muito estranho. Uma porção de mulheres. Tinha uma menina grávida que perguntou meu nome. Eu dei meu nome verdadeiro. Ela disse: ‘Xi, você está ferrada’. Foi o meu primeiro contato com o ‘esperar’. A pior coisa que tem na tortura é esperar, esperar para apanhar. Eu senti ali que a barra era pesada. E foi. Também estou lembrando muito bem do chão do banheiro, do azulejo branco. Porque vai formando crosta de sangue, sujeira, você fica com um cheiro”, relata.

Oficialmente, a tortura sempre foi negada pelos militares. De acordo com o relatório da CNV, era uma prática instituída dentro do regime militar, inclusive com premiação de torturadores com a Medalha do Pacificador.

No caso de Dilma, o principal responsável pela tortura era o capitão Benoni de Arruda Albernaz. “Quem mandava era o Albernaz, quem interrogava era o Albernaz. O Albernaz batia e dava soco. Ele dava muito soco nas pessoas. Ele começava a te interrogar, se não gostasse das respostas, ele te dava soco. Depois da palmatória, eu fui pro pau de arara”, conta. Albernaz era o chefe da equipe A de interrogatório preliminar da Oban quando Dilma foi presa, em janeiro de 1970.

Dente arrancado a socos

Um dos pontos mais gráficos nos trechos do depoimento de Dilma contidos no relatório fala sobre o episódio no qual teve um dente arrancado a socos, que lhe acarretou sequelas até os dias atuais. “Uma das coisas que me aconteceu naquela época é que meu dente começou a cair e só foi derrubado posteriormente pela Oban. Minha arcada girou para outro lado, me causando problemas até hoje, problemas no osso do suporte do dente. Me deram um soco e o dente deslocou-se e apodreceu. Tomava de vez em quando Novalgina em gotas para passar a dor. Só mais tarde, quando voltei para São Paulo, o Albernaz completou o serviço com um soco arrancando o dente”, conta Dilma.

Mas para estas pessoas, a principal memória dos dias em que foram submetidos a práticas desumanas e quase medievais de tortura, em pleno século 20, são as sequelas que perpetuam até hoje em suas vidas.

“Acho que nenhum de nós consegue explicar a sequela: a gente sempre vai ser diferente. No caso específico da época, acho que ajudou o fato de sermos mais novos, agora, ser mais novo tem uma desvantagem: o impacto é muito grande. Mesmo que a gente consiga suportar a vida melhor quando se é jovem, fisicamente, mas a médio prazo, o efeito na gente é maior por sermos mais jovens. Quando se tem 20 anos o efeito é mais profundo, no entanto, é mais fácil aguentar no imediato.

Fiquei presa três anos. O estresse é feroz, inimaginável. Descobri, pela primeira vez que estava sozinha. Encarei a morte e a solidão. Lembro-me do medo quando minha pele tremeu. Tem um lado que marca a gente o resto da vida.

Quando eu tinha hemorragia – na primeira vez foi na Oban – pegaram um cara que disseram ser do Corpo de Bombeiros. Foi uma hemorragia de útero. Me deram uma injeção e disseram para não me bater naquele dia. Em Minas Gerais, quando comecei a ter hemorragia, chamaram alguém que me deu comprimido e depois injeção. Mas me davam choque elétrico e depois paravam. Acho que tem registros disso até o final da minha prisão, pois fiz um tratamento no Hospital de Clínicas.

As marcas da tortura sou eu. Fazem parte de mim”, relatou Dilma.

Terra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. BETO disse:

    Natalense, cabeça de Jabulani, da uma passadinha no Walfredo Gurgel, que vc vai ver o que é tortura, Essa Péle tá querendo comover as pessoas, tentando desviar o foco. O que ela deveria fazer era renunciar, Presidenta incompetente e mentirosa, o que ela mentiu na campanha, um macaco não pula em cem anos. Deixa roubar e diz que não sabe de nada, pois bem se não sabe de nada, o que danado tá fazendo? Já sei, acabando com o País, haja inflação, haja corrupção. O Brasil, tá crescendo feito rabo de cavalo para baixo, só não ver quem não quer, ou se faz de doido devido a paixão por esse partido corrupto."PT"

  2. Gustavo disse:

    Fábio, o Aécio tinha 10 anos em 1970. Acho que ele realmente curtia a infância adoidado.
    Antes de comentar, se informe para não falar besteira!
    Esse é aluno do "mestre" Lula!!!

  3. O natalense disse:

    PQP… Como tem gente capaz de tecer comentarios como esses, de sinésio filho e beto?

    era bom que fossem as maes de voces nessa situação, seus animais desprovidos de massa encefálica!

  4. Beto disse:

    Lágrima de crocodilo. Pior é o que ela fez na campanha "MENTIR", e enganar o eleitor.

  5. Fabio disse:

    Enquanto isso o Playboy filhinho de papai curtia a vida adoidado e agora quer dar uma de herói. Enquanto isso a Globo babava os generais e a gora quer mandar na mente das pessoas. REVOLTANTE!!!

  6. sinesio filho disse:

    Deveria ter desaparecido, assim o Brasil e a petrobrasquebrada não estariam assim.

Comissão liga ao Exército 6 centros clandestinos de tortura na ditadura

Relatório inédito da Comissão Nacional da Verdade, a ser apresentado hoje em São Paulo, aponta a existência de pelo menos seis centros clandestinos onde ocorreram tortura e morte de opositores do regime militar e que atuaram de forma integrada ao aparato de repressão montado pelo Estado, por meio das Forças Armadas. O estudo contradiz versão de que os agentes agiam de forma autônoma nesses locais.

O novo relatório vem a público uma semana após as Forças Armadas anunciarem que vão investigar práticas de tortura e morte em instalações militares oficialmente usadas em interrogatórios e prisões políticas. Segundo a Comissão da Verdade, agentes da repressão levavam para os centros clandestinos militantes de esquerda já marcados para morrer ou que os militares tentavam transformar em agentes infiltrados, os chamados “cachorros”. A comissão tem informações detalhadas sobre seis desses centros e pesquisa outros três.

Na audiência pública de hoje, a historiadora Heloísa Starling, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e assessora da Comissão Nacional, deve apresentar quadros detalhados das estruturas de comando militar, indicando como os oficiais que operavam os centros clandestinos estavam diretamente ligados a seus superiores e ao sistema central de informações. A preocupação é mostrar que eles não operavam de maneira isolada ou à revelia.

No caso do Exército estão sendo investigados seis centros de tortura, três dos quais em São Paulo, que funcionaram entre 1969 e 1977 e faziam parte da estrutura controlada pelo Centro de Informações do Exército (CIE), vinculado ao gabinete do ministro do Exército.

O primeiro foi o chamado Sítio. Segundo informações de agentes do Departamento de Operações de Informações (DOI) do 2.º Exército, lá foram executados dois militantes do Movimento de Libertação Popular (Molipo) – Ayrton Adalberto Mortati e Antonio Benetazzo – e dois da Ação Libertadora Nacional (ALN), Antonio Carlos Bicalho Lana e Sonia Maria de Moraes Angel Jones.

Em 1974, depois que a Casa da Morte de Petrópolis foi fechada, os militares passaram a usar outros dois centros em São Paulo. Um deles, a Boate, funcionava em uma casa em Itapevi, na região metropolitana. O apelido vinha do fato de o local ter abrigado a Boate Querosene.

Ali foram torturados e mortos seis integrantes do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro (PCB). A exemplo de Petrópolis, os corpos foram retalhados, amarrados em blocos de cimento e jogados em um rio, na região de Avaré. As informações sobre a Boate foram reveladas pelo ex-sargento Marival Chaves, que trabalhou no DOI, e confirmadas por outros dois agentes.

Sangue. “Vi muito sangue da esquerda correr”, disse o ex-sargento, que fazia relatórios com o conteúdo dos interrogatórios dos presos mantidos clandestinamente em Itapevi. Foi ali que os militares conseguiram um de seus maiores trunfos contra o PCB: transformar um militante no agente infiltrado Vinícius, que atuou entre 1974 e 1982.

O Exército também usou as instalações de uma chácara em Araçariguama (SP). Ali teriam sido mortos José Montenegro de Lima e Orlando da Silva Rosa Bonfim Junior, filiados ao PCB.

Entre os poucos sobreviventes aparecem Aristeu Nogueira e Renato de Oliveira Mota. Após terem sido torturados em centros clandestinos, eles foram levados para a sede do DOI, que ficava na zona sul da capital, apontada como um dos maiores centros de tortura do País, onde morreram ao menos 51 pessoas.

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jonas disse:

    As atuais gerações estão pouco se lixando para fatos ocorridos há cinquenta anos,pois, com a continuação da mesma bandalheira,já se sabe que o país continua e continuará sendo o mesmo.

Justiça argentina condena à prisão perpétua 5 agentes da ditadura

A Justiça argentina condenou nesta terça-feira o último presidente da ditadura militar (1976-1983), Reynaldo Bignone, e o ex-comandante Santiago Omar Riveros à prisão perpétua por delitos cometidos contra 23 vítimas, entre elas sete mulheres grávidas que tiveram seus filhos em maternidades clandestinas.

O julgamento de 25 acusados de crimes realizados pela Operação Condor começou no último dia 5. É a primeira vez que repressores são julgados em conjunto por cooperarem na perseguição e assassinato de opositores nas décadas de 1970 e 1980. Segundo cálculo dos magistrados do tribunal, o julgamento terá a duração de pelo menos dois anos; serão ouvidas cerca de 500 testemunhas.

As figuras mais importantes do último governo militar, entre elas o ex-ditador Jorge Rafael Videla, estão presas e condenadas. Os processos também continuam avançando em tribunais do interior da Argentina. Recentemente, a Justiça de La Rioja confirmou a cumplicidade da Igreja Católica com os militares durante os anos de chumbo. (mais…)

OAB cobra que se investigue tortura de crianças na ditadura

O presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB, Wadih Damous, cobrou que os atos de tortura envolvendo crianças, durante a ditadura militar, sejam investigados.

— Aos poucos, vão se revelando novos fatos que mostram que as barbaridades cometidas à época da ditadura tiveram requintes de crueldade, cuja dimensão não se sabia ou se pensava. Estamos descobrindo que nem as crianças escaparam da sanha assassina dos torturadores — avaliou Damous.

De acordo com o advogado, indicado para presidir a Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro, ainda não instalada, o conhecimento sobre esses episódios é didático.

— Tais episódios agora revelados ensinam que a atitude de considerar fatos ocorridos na ditadura como página virada, condenados ao esquecimento, é equivocada. Todos devemos conhecer as circunstâncias e os autores desses atos e saber a mando de quem os praticaram para que nunca mais aconteçam. Essa é uma exigência da democracia brasileira — completou.

Hoje completa uma semana da morte de Carlos Alexandre Azevedo, o Cacá, filho do jornalista potiguar Dermi Azevedo, torturado quando tinha apenas 1 ano e 8 meses, na sede do Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Dops), onde estavam presos os seus pais, em janeiro de 1974. Ele se suicidou com uma overdose de remédios, após anos de sofrimento com uma fobia social herdada da época. A morte dele foi uma das motivações para a investigação de casos de tortura feitos com crianças na ditadura.

O GLOBO

 

Documentos do SNI mostram como a ditadura militar vigiava funcionários da Petrobras

A Comissão Nacional da Verdade (CNV) recebeu da Petrobras mais de 400 rolos de microfilmes, além de microfichas e documentos textuais. De acordo com a CNV, o material produzido por uma divisão do Serviço Nacional de Informações (SNI), que funcionava dentro da empresa, ajudará a entender como o regime militar monitorava os trabalhadores da empresa.

O acervo reúne informações que abrangem o período de 1964 a 1985. A CNV determinou o recolhimento dos documentos. Parte do material foi transportada para o Arquivo Nacional onde se concentra toda a documentação recebida pela comissão. De acordo com a CNV, em um primeiro lote de documentos, composto por 53 rolos de microfilme, encontram-se fichas de controle de investigação político-social produzidas pela extinta Divisão de Informações do SNI, conhecida como ASI/Petrobras.

Ainda segundo a CNV, a atividade da ASI/Petrobras se concentrava no monitoramento das atividades e movimentações de funcionários da estatal. Aparentemente essas informações eram usadas para impedir promoções de trabalhadores considerados subversivos.

Uma equipe da CNV vai analisar o restante do acervo: mais 373 rolos de microfilmes, uma quantidade de microfichas ainda não quantificada e grande documentação textual em papel.

Agência Brasil

Foto inédita mostra Dilma num interrogatório de 1970

A foto acima exibe Dilma Rousseff no frescor da juventude. Foi clicada em novembro de 1970, na sede da Auditoria Militar do Rio de Janeiro.

Presa pela ditadura, a então guerrilheira Dilma –ou Estela ou Vanda ou Luíza, seus codinomes na clandestinidade— tinha escassos 22 anos.

No momento em que a máquina fotográfica foi acionada, ela estava sendo interrogada. Repare num detalhe: os inquisidores escondem o rosto com a mão.

Deve-se a veiculação da imagem ao repórter Ricardo Amaral. Içou-a das páginas do processo contra Dilma na Justiça Militar. E  acomodou-a num livro que chega às prateleiras no próximos dias.

Chama-se ‘A vida quer Coragem’. Foi impresso pela Editora Primeiro Plano. Contém uma reportagem de fôlego de Amaral. Relata os passos de Dilma da guerrilha até o Planalto.

A foto e trechos da obra foram publicados pela revista ‘Época’, um dos veículos para os quais Amaral já trabalhou.

Os pedaços do livro que tratam de 2010 trazem o relato de olhos que perscrutaram os subterrâneos da campanha petista.

Amaral foi assessor da Casa Civil da Presidência e também da campanha de Dilma.

Josias de Souza

Ditadura na Base Aérea de Natal

blog Balaio do Kotscho

Uma gravíssima denúncia foi feita na edição desta semana da revista Carta Capital que acabo de ler. Em sua coluna “Rosa dos Ventos”, o colega Maurício Dias revela o que ainda acontece no Rio Grande do Norte: “A ditadura continua _ A terrificante história da defensora pública federal barrada na Base Aérea de Natal ao recusar-se à humilhação”.

Aos fatos: oficiais da unidade militar queriam obrigar a defensora pública federal Lorena Costa, do 2º Ofício Criminal, a tirar a roupa para poder entrar no quartel e prestar assistência jurídica a um preso, alegando “norma da casa”.

Lorena estava acompanhando a esposa do assistido, que em suas visitas anteriores havia sido humilhada pelos militares, “obrigada a tirar a roupa, se agachar e fazer força, por três vezes seguidas, a fim de verificar se carrega consigo algo suspeito”.

O principal responsável por tamanha barbaridade, um quarto de século após o sepultamento oficial da ditadura militar (1964-1985), é o coronel Lima Filho, que até a tarde desta segunda-feira ainda não havia sido afastado do posto.

“Nunca tinha visitado um estabelecimento pertencente às Forças Armadas, mas senti que a ditadura por lá ainda não acabou e não se teve notícia da Constituição Federal de 1988”, desabafou a defensora pública.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. @borgesneto12 disse:

    Isso é o reflexo do que acontece no Planalto Central. Quem está na Planície, civis e militares, sabedores que a corrupção, o desmando e o desrespeito as leis campeiam no Governo Federal há oito anos e seis meses e que não acontece nada em termos de punição, seja do Governo, seja da Justiça, sem acham no direito de ditar suas próprias "regras", vigentes interna e externa corporis. O pior de tudo é que essas "regras" afrontam e rasgam a Constituição, a Lei de Licitações, os mais variados Códigos, as normas de conduta dos servidores públicos… Assim, além da viúva ser assaltada, é achincalhada. Esse é o Brasil dos petralhas!