Geral

Caso Henry: pai do menino pede com abaixo-assinado aumento da pena para casos como o dele

Foto: Arquivo pessoal/VEJA

Em meio ao luto pela morte de seu único filho, o menino Henry, de 4 anos, o engenheiro Leniel Borel de Almeida, de 37, decidiu não ficar de braços cruzados. Com o intuito de ajudar outras crianças vítimas de violência doméstica e lutar pelo aumento da pena para o assassinato de menores praticados por padrastos e madrastas, ele está frente de um abaixo-assinado que será encaminhado ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. Henry morreu no dia 8 de março quando estava em um apartamento na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, na companhia da mãe, a professora Monique Medeiros, e do padrasto, o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho. Os dois foram presos no último dia 8, suspeitos de homicídio duplamente qualificado e tortura.

Na mensagem, que está sendo disparada por aplicativos de celular, Leniel destaca as “as desproporções do agravamento de pena entre assassinos de crianças vítimas de homicídio dos assassinos de crianças (meninas) vítimas de feminicídio. Atualmente temos aumento de pena de 1/3 até a metade no caso de crianças (até 14 anos) vítimas de feminicídio.” A proposta é que as punições para casos como o do menino Henry, cujo laudo do Instituto Médico Legal descreve 23 lesões no corpo – entre elas laceração hepática e hemorragia em três partes da cabeça – e a mãe e o padrasto insistiam em acidente doméstico, sejam aumentadas. O abaixo-assinado solicita que o presidente da Câmara dos Deputados “receba e dê celeridade ao trâmite do Projeto de Lei 1386/2021 (Lei Henry Borel), protocolado pelo deputado federal Hélio Lopes”. Nos parágrafos seguintes, explica que o novo documento, também assinado pela população, dá prosseguimento à petição digital que solicitava a criação da Lei Henry Borel, tendo registrado mais de 287 000 assinaturas digitais.

Em outro trecho, o pai do menino ressalta: “A votação deste projeto de lei que leva o nome do meu filho, Lei Henry Borel, não o trará de volta, nem amenizará a dor da sua ausência, mas será um avanço na luta contra o assassinato de crianças pelos seus pais e ou companheiros. E mostrará ao Brasil, que a vida do meu filho, não foi só para tirar esses monstros de circulação (Dr. Jairinho e Monique), mas, sim, para de alguma forma, com penas mais duras, ajudar a prevenir e punir, este tipo de violência inimaginável, que é mais comum no Brasil do que se pensa.”

Ao longo do abaixo-assinado também é lembrado outro crime bárbaro que chocou o país, o caso de Isabella Nardoni, de 5 anos, jogada do sexto andar do Edifício London, em São Paulo, em 2008. Levados a júri popular, o pai da menina, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá, foram condenados por homicídio doloso qualificado. Na ocasião, o pai recebeu a pena de 31 anos, e a madrasta de 26. O texto do pai de Henry destaca justamente essa parte: “Infelizmente, atualmente não existe uma qualificadora e um aumento de pena para aqueles que assassinam os filhos de seus cônjuges. Um exemplo disso foi o caso Isabella Nardoni que parou o país, tamanho crueldade dos fatos acerca deste crime. Felizmente os criminosos foram presos e cumprem pena até hoje. No entanto, por uma incoerência da Lei, a madrasta de Isabela que, segundo as investigações, foi quem estrangulou a menina, teve pena quase 5 anos menor do que o pai da menina. Visto que existe um agravante no código penal para crimes cometidos por ascendentes das vítimas, ou seja, pais e mães.”

O inquérito que apura a morte do menino Henry, que segundo a versão fantasiosa de Monique e de seu namorado, o vereador Dr. Jairinho, teria caído da cama e sido encontrado gelado e com os olhos revirando, deve ser concluído nos próximos dias pela 16ª DP (Barra da Tijuca). Na última semana foram ouvidas pela segunda vez a babá da criança, Thayna Oliveira Ferreira, que confirmou em depoimento que a mãe de Henry já sabia das agressões praticadas pelo namorado, e a empregada doméstica Leila Rosângela de Souza, que afirmou ter visto o menino com “cara de apavorado” após a sessão de violência praticada por Dr. Jairinho e que a criança pediu para não ter os cabelos penteados porque a “cabeça doía”. No último dia 16, ainda prestou novo depoimento a ex-namorada e amante do parlamentar, Débora Mello Saraiva, que, diferentemente das primeiras declarações feitas à polícia, confirmou que tanto ela quanto o filho menor, na época com 3 anos, foram agredidos mais de uma vez por ele e que tinha medo de morrer nas mãos do vereador. “Peço e imploro a ajuda de todos na assinatura deste abaixo-assinado, a fim de que o Congresso Nacional nos dê uma rápida resposta com a criação desta lei”, conclui o pai de Henry no documento.

Veja

Opinião dos leitores

  1. ESSE VAGABUNDO ERA PRA SER FUZILADO EM PRAÇA PÚBLICA PRA TODOS VEREM MAIS INFELISMENTE NO NOSSO PAÍS QUE FAZ LEIS FAZEM SOMENTE PARA PROTEGEREM ELES POLÍTICOS…

    1. Infelizmente, se aprovada uma mudança na lei, esse bandiso não seria aferido na nova pena, pois lei só retroage para beneficiar . Eu Boa lugar do pai preferia o Jairinho livre pra matar fatiado vivo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro assina MP que libera mais R$ 5,5 bilhões para aquisição e produção de 150 milhões de doses de vacina contra Covid

Foto: Bio-Manguinhos/Fiocruz

O presidente Jair Bolsonaro editou nesta segunda-feira mais uma medida provisória para a liberação de recursos para a aquisição e produção de vacinas contra a Covid-19. O presidente liberou R$ 5,5 bilhões em crédito para o Ministério da Saúde. Os valores servirão para a produção e distribuição de 50 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca, fabricada no Brasil pela Fiocruz, e para a aquisição de mais 100 milhões de doses de vacinas.

O governo federal decidiu publicar nova medida provisória porque já empenhou R$ 16,1 bilhões dos R$ 19,9 bilhões do crédito autorizado no início do ano para a aquisição de doses, bem como as despesas com insumos, logística, e publicidade.

Na semana passada, em depoimento para a CPI da Covid, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga anunciou a dispensa de licitação para a aquisição de mais 100 milhões de doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica Pfizer.

Nas últimas semanas, o Ministério da Saúde tem feito ajustes finais no novo contrato com a empresa norte-americana. O Brasil já tem um contrato, que foi firmado em março, para a disponibilização de 100 milhões de doses ao país até o final do terceiro trimestre de 2021. Um primeiro lote com 1 milhão de vacinas da Pfizer/BioNTech chegou ao Brasil na quinta-feira passada, dia 29. Outras 628 mil doses foram entregues ontem.

Nesta segunda-feira, o Instituto Butantan também liberou mais 2 milhões de doses da CoronaVac, a vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o órgão paulista. Até esta segunda-feira, já foram aplicadas 46,8 milhões de doses no Brasil.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Aras nega investigar Bolsonaro por cheques de Queiroz para Michelle

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Augusto Aras, disse ao STF (Supremo Tribunal Federal) que não vai investigar o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) pelos pagamentos de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. A decisão foi enviada, em ofício, ao gabinete do ministro do STF Marco Aurélio Mello.

Segundo Aras, no momento não existe “lastro probatório mínimo para ensejar investigação” contra Bolsonaro.

A decisão foi tomada em uma ação apresentada pelo advogado Ricardo Bretanha Schmidt, de Santa Catarina. O defensor pediu abertura de investigação em agosto do ano passado para tratar do eventual envolvimento do chefe do Executivo nas transações entre Queiroz e Michelle.

O ex-assessor é acusado de envolvimento em um esquema de rachadinha montando no gabinete de Flávio quando ele ocupava cargo na Alerj. O jurista cita reportagens destacando que Queiroz enviou para Michelle 21 cheques no total de R$ 71 mil entre 2011 e 2016.

No entanto, para Aras, não existem indícios de que Bolsonaro esteja envolvido em irregularidades neste caso. Para Aras, apesar das relações entre Queiroz e o senador serem alvos de investigação no Rio, não existem “indícios do cometimento de infrações penais pelo presidente da República”.

Com informações de Poder 360 e Correio Braziliense

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil chega a 35,9 milhões de vacinados com a 1ª dose de vacina contra covid, 16,9% da população

Foto: reprodução/Prefeitura de Piraquara-PR

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta segunda-feira (10) aponta que 35.909.617 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 16,96% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 18.073.591 pessoas (8,54% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

No total, 53.983.208 doses foram aplicadas em todo o país, somando a primeira e segunda doses.

De ontem para hoje, a primeira dose foi aplicada em 581.772 pessoas e a segunda dose em 326.608, com um total de 908.380 doses aplicadas neste intervalo.

Quantas doses cada estado recebeu até 10 de maio

  • AC: 250.240
  • AL: 1.063.800
  • AM: 1.610.699
  • AP: 205.130
  • BA: 4.985.060
  • CE: 2.915.300
  • DF: 987.410
  • ES: 1.448.650
  • GO: 2.231.830
  • MA: 2.046.770
  • MG: 7.568.640
  • MS: 993.420
  • MT: 1.033.630
  • PA: 2.297.770
  • PB: 1.459.030
  • PE: 3.092.180
  • PI: 1.026.980
  • PR: 4.116.460
  • RJ: 4.391.120
  • RN: 1.167.010
  • RO: 484.468
  • RR: 206.980
  • RS: 4.921.310
  • SC: 2.564.570
  • SE: 691.840
  • SP: 14.588.560
  • TO: 465.760

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, “O Globo”, “Extra”, “O Estado de S.Paulo”, “Folha de S.Paulo” e UOL.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Relatório detalha fichas criminais de mortos no Jacarezinho: tráfico, posse e uso de drogas, furto, roubo, porte ilegal de armas, ameaça e lesão corporal

Foto: reprodução/TV Globo

Um relatório da Subsecretaria de Inteligência (SSinte) da Polícia Civil do Rio de Janeiro detalha as fichas criminais de 25 dos 27 suspeitos mortos no Jacarezinho, favela na Zona Norte do Rio. Os outros dois que não tinham anotações de crimes tinham envolvimento com o tráfico confirmado em depoimento por parentes. Um deles era menor de idade.

Na semana passada, ao divulgar informações sobre a operação, a polícia havia dito que todos os mortos na operação mais letal da história do estado tinham antecedentes criminais e que entraram em confronto com os agentes.

Detalhamento dos crimes

O documento aponta que 12 deles tinham envolvimento com o tráfico de drogas no Jacarezinho.

Outros 12 tinham registros por outros crimes, como posse e uso de drogas, furto, roubo, porte ilegal de armas, ameaça e lesão corporal. Um foi fichado por desacato.

Dos 12 mortos sem denúncia de envolvimento com o tráfico, a polícia afirma que, em três casos, parentes confirmaram em depoimento a ligação deles com facções criminosas.

No caso dos outros nove, a polícia justificou o envolvimento deles com o tráfico a partir de fotos e mensagens publicadas em redes sociais.

O relatório traz, ainda, fotos dos mortos retiradas de redes sociais. Em muitas, eles aparecem portando armas.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

EUA autorizam vacina da Pfizer contra Covid para faixa etária de 12 a 15 anos

Foto: Mario Tama/Getty Images

A Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos autorizou nesta segunda-feira a vacina contra Covid-19 da Pfizer e da parceira BioNTech para uso em crianças a partir de 12 anos, ampliando o programa de vacinação do país.

A vacina está disponível nos EUA sob uma autorização de uso emergencial para pessoas a partir dos 16 anos. A Pfizer e a BioNTech disseram que iniciaram o processo de aprovação total para essas idades na semana passada.

A FDA afirmou que estava fazendo alterações para incluir milhões de crianças de 12 a 15 anos.

É a primeira vacina contra Covid-19 a ser autorizada nos Estados Unidos para essa faixa etária, vista como um passo importante para levar as crianças de volta às escolas com segurança.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu aos Estados que disponibilizassem a vacina aos adolescentes mais jovens imediatamente.

“A ação de hoje permite que uma população mais jovem seja protegida da Covid-19, aproximando-nos de retornar a um senso de normalidade e acabar com a pandemia”, disse a comissária em exercício da FDA, Janet Woodcock, em um comunicado.

“Os pais e responsáveis podem ter certeza de que a agência realizou uma revisão rigorosa e completa de todos os dados disponíveis, como fizemos com todas as nossas autorizações de uso de emergência da vacina contra Covid-19.”

A maioria das crianças com Covid-19 desenvolve apenas sintomas leves ou nenhum sintoma. No entanto, as crianças correm o risco de adoecer gravemente e ainda podem transmitir o vírus.

Houve surtos relacionados a eventos esportivos e outras atividades para crianças nessa faixa etária.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Uma prova que o governo parece não ter empenho para vacinar são os ataques que o presidente e outros membros do seu governo fazem a China, maior fornecedor de vacinas para o Brasil. Consequências disso é que está faltando vacinas e pode faltar insumos para produção da coronavac no Brasil. Enquanto isso, outros países seguem com o fornecimento normal. Alguém deve ser responsabilizado por essa irresponsabilidade.

    1. Esses esquerdistas só falam besteira, a China tem 1,5 bilhões de bocas para alimentar, precisa do Brasil tanto quanto, vai estudar desocupado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Juiz volta atrás e autoriza Prefeitura de Natal a colocar a Ivermectina no protocolo de atendimento a pacientes com Covid-19


Foto: Dirceu Portugal/FotoArena/Estadão Conteúdo

O juiz Cícero Martins de Macedo Filho, da 4ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, voltou atrás na decisão que mandava a Prefeitura do Natal retirar a Ivermectina do protocolo de tratamento de pacientes da Covid-19. A decisão anterior havia sido publicado na sexta-feira (7) após ação movida pelo senador Jean Paul Prates.

O documento citava que o o medicamento deveria ser tirado do protocolo de tratamento, mas poderia ser distribuído pelo município e prescrito pelo médico, respeitando a autonomia.

“Revendo o que foi posto por este Juízo na decisão, convenço-me que, efetivamente, há nela um equívoco que pode suscitar dúvidas, podendo complicar o seu entendimento. Existe, sim, uma contradição, que pode e deve ser agora corrigida”, diz o juiz na decisão proferia após pedido de liminar da Prefeitura de Natal.

Com informações de G1-RN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN receberá mais 18 mil doses da vacina da Pfizer na manhã de terça (11)

Foto: Zeljko Zukunic/PIXSELL/picture alliance

O Rio Grande do Norte vai receber na manhã de terça-feira (11) mais 18.720 doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, enviadas pelo Ministério da Saúde.

A previsão é que o voo que trará os imunizantes chegue ao RN às 10h10.

É o segundo lote de vacinas da Pfizer que chegará ao RN. Ele será usado como primeiras doses para pessoas com comorbidades.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro (37%) e Lula (33,2%) ampliam vantagem sobre concorrentes em 2022, mostra pesquisa Atlas

Fotos: Sérgio Lima/Poder 360

Pesquisa nacional da Consultoria Atlas divulgada nesta segunda-feira (10) mostra uma tendência de intensificação da polarização eleitoral entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A dupla ampliou a vantagem que já tinha sobre os demais possíveis concorrentes.

Conforme o levantamento realizado entre os dias 6 e 9 de maio, Bolsonaro aparece numericamente à frente com 37% das intenções de voto. Lula vem em seguida com 33,2%. Como a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, trata-se de uma situação de empate técnico.

Na pesquisa anterior, em março, Bolsonaro e Lula já lideravam. Mas ambos tinham taxas menores que as atuais: 32,7% e 27,4%, respectivamente

Com Bolsonaro e Lula crescendo, a distância da dupla para o terceiro colocado aumentou. Em março, a terceira posição era ocupada pelo ex-juiz Sergio Moro (sem partido), que detinha 9,7%. Agora, o terceiro passa a ser o ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes (PDT), com 5,7%. Moro marca 4,9% na nova simulação.

A pesquisa mostra, na sequência, a seguinte ordem da intenções de voto: Luiz Henrique Mandetta (DEM), 3,4%; Luciano Hock (sem partido), 2,1%; Danilo Gentili (sem partido), 2%; João Doria (PSDB), 1,8%; João Amoêdo (Novo), 1,5%; e Marina Silva (Rede), 1,3%. Outros quatro nomes somam 2,6%. Não souberam responder ou sinalizaram intenção de votar em branco ou nulo 4,5%.

Com vantagem pequena, dentro da margem de erro, outros dois nomes marcam mais que Bolsonaro em simulações de embate final: Mandetta (42,4% a 40,5%) e Ciro Gomes (41,9% a 40,9%).

Nesta rodada, o Atlas colheu 3.828 respostas de eleitores em todo o país por meio de um questionário online aplicado via convites randomizados.

Valor Econômico

Opinião dos leitores

  1. É desanimador ver elementos torcendo pelo maior bandido que já surgiu na política brasileira. Querer ser governado por um canalha, mentiroso, cachaceiro, analfabeto, preguiçoso, corrupto e lavador de dinheiro, é demais até mesmo para alguém desprovido de caráter. Devemos a esse bandido e à ORCRIM que chefia a péssima qualidade dos serviços públicos de que dispomos, mesmo pagando impostos altíssimos. É a mesma gente que elege Fátimas, Renans, Cunhas e tantas outras preciosidades. A coisa não é fácil com um “povinho” desse. Só muita proteção Divina para evitar o pior.

    1. Se ele vier para Alcaçuz, vou todo dia lá levar um chazinho de tubaína com cloroquina.

  2. Na pesquisa diz que Lula vence o miliciano no 2º turno, eu acho que o Presidente Lula vence no 1º.

  3. Esse Lula é o verdadeiro mito. De presidiário a presidenciável. O VÉI é duro….Quem não quiser cair se deite…..É bom já ir se acostumando com LULA eleito presidente em 2022.

    1. É um energúmero idiotizado… o cara viu o lula roubar o país inteiro, e idolatra. Jumento como o quê?

  4. O mínimo que o leitor merece é respeito, mesmo os ruminadores. Então, que outros nomes marcam mais que o Bolsonaro no “embate final”? Além do Ciro e do Mandetta. É proibido falar, assim como é falar do bolsolão?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Presidente do SINGTUR/RN diz que os Guias precisam é de trabalho e que campanha virtual do Governo do Estado só contempla 32

Foto: reprodução

O presidente do Sindicato dos Guias de Turismo do RN (SINGTUR-RN), Júnior Lima, comentou sobre o concurso virtual lançado nesta segunda-feira (10) pelo Governo do Estado para os profissionais da área.

“A campanha tem seu lado positivo como incentivo e inclusão dos guias, mas na realidade, a necessidade do guia não é essa. Somos uma categoria que tem mais de 1.000 pessoas e a campanha vai contemplar 32. Nós precisamos de trabalho, precisamos que o Turismo seja aberto com responsabilidade”, disse o presidente do SINGTUR-RN que também falou sobre a questão dos bares e restaurantes. “Nós também dependemos dos bares e restaurantes abertos como ponto de apoio para os turistas fazerem suas refeições”, afirmou.

Júnior descreveu ainda os impactos provocados pela pandemia aos guias de turismo. “Nós fomos os primeiros a ser impactados pela pandemia a partir do momento em que o turista parou de vir. Nós não temos delivery, não temos serviços online. E seguimos sofrendo há quase um ano e meio com essa pandemia e não tivemos nenhum tipo de ajuda direta”. Ele disse que durante esse tempo a própria categoria conseguiu arrecada cerca de 25 toneladas de alimentos para distribuição entre os guias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 889 óbitos e 25 mil novos casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta segunda-feira (10):

– O país registrou 889 óbitos nas últimas 24h, totalizando 423.229 mortes;

– Foram 25.200 novos casos de coronavírus registrados, no total 15.209.990 milhões pessoas já foram infectadas.

Opinião dos leitores

  1. BB gostaria de saber se vc pode conseguir junta a tv cabugir o tel
    e conta bancária do menino Miguel, que tem uma doença rara e medicamento custa 13 milhões, foi mostrado sábado no RN tv , gostaria de ajudar mas não consigo os dados bancário, obrigado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *