Diversos

Consumo de cerveja ‘migra’ para dentro de casa e volume de vendas no Brasil é o maior desde 2014

Foto: Cácio Xavier/Arquivo Pessoal

A pandemia tem feito o brasileiro beber mais cerveja. Com as restrições de funcionamento de bares e o medo de contágio da Covid-19, o consumo migrou para dentro de casa e o volume total de vendas no país atingiu um nível que não era visto há anos, de acordo com dados de empresas que monitoram o mercado.

Levantamento inédito da Euromonitor, antecipado para o G1, mostra que o volume de vendas de cerveja no Brasil em 2020 foi o maior dos últimos 6 anos, atingindo 13,3 bilhões de litros, perdendo só para 2014, ano em que o país sediou a Copa do Mundo.

Já dados da Kantar revelam que o consumo nas residências bateu um recorde histórico. O percentual de brasileiros com mais de 18 anos que bebeu cerveja dentro de casa saltou para 68,6% em 2020, ante 64,6% em 2019.

Foto: Economia G1

Vendas crescem no Brasil e caem no mundo

Segundo a Euromonitor, o volume de vendas de cerveja no país teve um crescimento anual de 5,3% em 2020, vindo de um avanço de 3,5% em 2019. O avanço ocorreu em um ano em que o PIB tombou 4,1% e que as famílias tiveram que consumir menos por conta da crise e da queda da renda.

Em termos de faturamento, o crescimento foi ainda maior – de 9,9% na comparação com 2019 – com as vendas de cerveja no varejo totalizando um mercado de R$ 184,5 bilhões, impulsionado pela maior penetração das chamadas cervejas premium, mais caras.

O maior consumo de cerveja pelos brasileiros em meio à pandemia elimina quase por completo uma trajetória de queda que vinha sendo observada desde a recessão dos anos 2015-2016, e vai na contramão de tendência global de menor consumo de bebidas alcóolicas e de busca por hábitos mais saudáveis.

Quando colocado em perspectiva global, o Brasil foi o único entre os 5 maiores mercados de cerveja a ter crescimento positivo tanto em valor quanto em volume em 2020, acima também da média do desempenho mundial do setor, que apresentou queda de 12,5% em valor e recuo de 6,8% em volume, de acordo com os dados da Euromonitor.

A cerveja foi, de longe, a bebida alcóolica com maior volume de vendas no Brasil no ano passado, seguida por cachaça (398,8 milhões de litros) e vinho (380 milhões de litros).

O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de cervejas, atrás somente da China e Estados Unidos. Nos Estados Unidos, porém, houve queda de 3,4% nas vendas em 2020 em termos de volume. Já na China o volume foi 7% menor na comparação com o ano anterior, de acordo com a consultoria.

O que explica o crescimento

O crescimento em 2020 foi impulsionado principalmente pela migração do consumo para dentro de casa. Segundo a Euromonitor, a volume de vendas nos bares de restaurantes caiu 2,2%, mas foi mais do que compensando pelo salto 17,6% nas vendas do chamado “off-trade”, que inclui supermercados e comércio eletrônico.

O analista da Euromonitor Rodrigo Mattos explica que houve um crescimento das vendas das bebidas alcóolicas de uma maneira geral no país, em meio a um comportamento de busca por relaxamento e algum tipo de prazer, como também de maior indulgência do consumidor. Ou seja, de abstenção da culpa.

“A gente bebeu para esquecer. Estávamos num momento de alta ansiedade, de não conseguir ter o lazer que a gente tinha, de uma demanda reprimida por uma experiência que a gente não conseguia ter mais, que é uma experiência fora do lar, e as pessoas tentaram fazer uma mímica dessa experiência dentro de casa”, afirma o analista, acrescentando que os números do mercado apontam um avanço ainda maior em outras categorias como gin (13,2 %) e vinho (15,2%).

“Às vezes não parece ser uma coisa muito óbvia associar bem-estar com bebida, mas o brasileiro acabou tendo essa solução”, acrescenta.

Considerando todas as bebidas alcóolicas, o volume total de vendas no país teve crescimento de 4,1% em 2020, segundo a Euromonitor, atingindo 14,4 bilhões de litros – também a maior marca desde 2014, quanto o total chegou a 15 bilhões.

Foto: Economia G1

Número maior de compradores

Por conta das medidas de distanciamento social e restrições no funcionamento de bares e restaurantes, a penetração de cerveja nos lares atingiu em 2020 um recorde histórico, segundo a Kantar, com avanço em todas as classes sociais.

Nas classes A e B, o percentual de brasileiros adultos que beberam cerveja em casa saltou de 74,7% em 2019 para 79,7% em 2020. Na classe C, subiu de 64,9% para 68,1%, enquanto que nas classes D e E passou de 53,1% para 57,5% em 1 ano.

“Cerveja já era uma categoria que vinha se consolidando no carrinho de compras dos brasileiros, mas em 2020 ganhou mais de 2,2 milhões de novos compradores”, afirma Luisa Uehara, coordenadora de marketing da Kantar.

Os dados da consultoria mostram que a pandemia também fez aumentar o tabagismo no país. A Kantar apontou um crescimento de 12,3% no consumo de cigarros em 2020, na comparação com o ano anterior, com alta de 0,9 ponto percentual no número de fumantes maiores de 18 anos.

Marcas mais consumidas

Brahma e Skol permaneceram na liderança das marcas com maior volume de vendas no país em 2020. Confira o top 5, de acordo com os números da Euromonitor:

Brahma: 21,9%
Skol: 21,5%
Antarctica: 10,5%
Itaipava: 8,4%
Nova Schin: 6,8%

Previsão para 2021 e incertezas

Apesar da maior pressão inflacionária no ano, os preços da cerveja têm mostrado alta abaixo do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). No acumulado no ano até abril, a alta foi de 1,41% nos mercados, chegando a 2,26% para o consumo fora do domicílio, enquanto que a inflação oficial do país ficou em 2,37%.

Os dados do primeiro trimestre surpreenderam. Mesmo sem Carnaval, o primeiro trimestre de 2021 já mostrou um resultado superior ao do primeiro ano da pandemia. Na Ambev, que responde por cerca de 60% do mercado de cervejas no país, o volume de vendas da bebida cresceu 16% no 1º trimestre na comparação anual, com a marca Becks crescendo três dígitos e a Corona com avanço de quase 50%.

Para o resultado de 2021, a previsão é que o consumo de cerveja continuará a crescer, mas em ritmo menor em razão das incertezas em relação ao controle da pandemia, avanço da vacinação contra o coronavírus e ritmo de recuperação da economia. A Euromonitor projeta por ora uma alta de 2,7%, para um total de 13,7 bilhões de litros – número ainda abaixo do recorde de 2014.

“Estamos vendo um cenário ainda um tanto macabro, de piora da pandemia, de desemprego. E o coronavaucher [auxílio emergencial] também não conseguiu dar um alento para o consumo, como ajudou em 2020 os consumidores de baixa renda. Então, 2021 ainda está com um cenário um pouco problemático”, diz Mattos.

Peso das vendas em bares e restaurantes

Em termos de consumo per capita, a média no Brasil subiu em 2020 para 62,6 litros, ante 59,9 litros por cada brasileiro em 2019, mas ainda ficou distante do patamar de 2015 (65 litros ao ano por adulto).

“Importante destacar que o consumo fora do lar tem uma grande importância para a categoria, tanto em faturamento quanto em volume, e foi bastante prejudicado por conta da pandemia”, observa Uehara.

Apesar da migração do consumo para dentro de casa, os dados da Euromonitor mostram que as vendas em bares e restaurantes ainda representaram no ano passado 57,5% do volume total no país. Em 2019, a participação do segmento foi de 62%.

Na visão do mercado, somente a partir de 2022 é que ficará mais claro se as vendas de cerveja seguirão em trajetória de alta, e qual será de fato o peso do consumo dentro e fora de casa.

“Vamos ter Copa do Mundo do Catar e deve ser um ano em que talvez a gente veja uma recuperação também dos bares e restaurantes, com um investimento para trazerem as pessoas para fora de casa, num contexto sem Covid para aproveitar essa demanda reprimida da experiência fora do lar”, avalia Mattos.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. A governadora Fátima do PT deve estar com raiva desse aumento nas vendas. No decreto para a região oeste, ela PROIBIU a venda de bebida alcoólica até mesmo em supermercados e mercearias. Um absurdo digno de ditaduras comunistas. Um governante deve escolher o que podemos comprar? Claro que não, se vivemos numa democracia.

    1. Né isso! Tem mesmo que deixar aglomerar como faz o MINTO todo fim de semana! Tem que fazer brotar do chão insumos e profissionais da saúde para abrir infinitos leitos de UTI talkei! Esse discurso de meia tigela do MINTOmaníaco e seus acéfalos repetidores de mentiras não se sustenta. Tem que ser muito GADO pra acreditar numa palavra do presidente que NÃO cumpriu NADA do que prometeu! E não me venham chamar de petista, lulista, esquerdista pois isso é argumento para quem vive dentro da bolha idiotizada que idolatra político corrupto como Lulaladrão e Bolsonaro das rachadinhas!

    2. Mané, você é um em cima do muro que quando desce , desce pro lado esquerdo. Para com tua palhaçada! Passa o dia aqui falando suas asneiras, como se não tivesse tendência de ser um esquerdista.

    3. A governadora recebeu bilhões. Aplicou em que? Cadê os leitos? E os respiradores? E as ambulâncias superfaturadas? E os sacos de lixo caríssimos? E a contratação da empresa de pesquisa do Piaui? Sem mimimi.

    4. Soró e teu MINTO pende para onde? Pq de direita ele não tem nada! Muito menos conservador! Ele é no máximo de centro mas aquele centro bem centrão sabe como é né!? Aquele mesmo que ele dizia que nunca se aliaria e que o General Heleno associou a ladrões, lembra? Ou seu juizinho limitado já esqueceu? Ah, já sei: Roberto Jefferson e outros condenados do centrão como o PP já viraram “patriotas” depois que se aliaram ao MINTO né? Entendi! Mas o MINTO vai se filiar ao PP né?! Logo o PP só perde pro PT nos escândalos do mensalão e petrolão ! Pq será hein?!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz avaliará combinação de CoronaVac e AstraZeneca contra Covid-19

Foto: Michel Alvim/Secom-MT

Em fevereiro, profissionais de saúde que haviam recebido a primeira dose da CoronaVac foram vacinados com a segunda dose da AstraZeneca em Porto Velho, capital de Rondônia. Ao saberem disso, pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começaram a investigar os efeitos da vacinação trocada. No Brasil, cerca de 16 mil casos desse tipo foram registrados na Rede Nacional de Dados em Saúde até abril.

Por isso, a Fiocruz anunciou que irá realizar um estudo sobre os efeitos da imunização com combinações das vacinas CoronaVac e AstraZeneca, que são produzidas no Brasil.

Financiado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde (Decit/MS), o estudo abrangerá as cinco regiões do país e contará com a participação de sete unidades da Fiocruz.

“Ainda não há dados publicados sobre a intercambialidade das vacinas CoronaVac e AstraZeneca”, afirma, em comunicado, Adriana Vallochi, coordenadora do projeto pioneiro e pesquisadora do Laboratório de Imunofarmacologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). “Os resultados do projeto devem esclarecer se os protocolos com combinação dessas vacinas induzem proteção e a duração da imunidade. Essas informações podem contribuir para o planejamento do Programa Nacional de Imunizações (PNI), apontando esquemas mais efetivos e permitindo a substituição de vacinas caso haja falta de doses de um dos imunizantes.”

Os principais objetivos da pesquisa serão avaliar a imunogenicidade — ou seja, a capacidade de estimular a resposta imune — e a segurança das combinações das vacinas. Para isso, serão acompanhados 1,4 mil voluntários, que serão divididos em cinco grupos: vacinados com CoronaVac na primeira dose e AstraZeneca, na segunda; com AstraZeneca, na primeira aplicação, e CoronaVac, na segunda; com os esquemas regulares de duas doses dessas vacinas; e não vacinados.

Galileu

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Vendaval no Paraná danifica 939 casas, desliga turbinas de Itaipu e deixa milhares sem energia elétrica

Foto: Divulgação/Copel

Uma forte chuva atingiu ontem (23) diversas cidades do Paraná e causou estragos em pelo menos 939 casas, segundo a Defesa Civil. Hoje, de acordo com informações da Copel (Companhia Paranaense de Energia), 253,6 mil imóveis ainda estão sem energia.

Segundo informações do MetSul Meteorologia, o Aeroporto de Foz do Iguaçu chegou a registrar ventos de 80 km/h. No oeste do estado, os ventos passaram de 100 km/h.

O vendaval foi registrado em ao menos 18 municípios do estado. Até o momento, não houve notificações de pessoas feridas ou mortas.

Ao todo, 384 pessoas foram atingidas e 32 desalojadas — destas, 16 estão em abrigos provisórios. A Copel afirmou ter recebido 7.600 registros de ocorrências e que suas equipes de manutenção e emergência estão nas ruas desde sábado.

“O Noroeste é a região mais prejudicada no momento, contabilizando 123,7 mil unidades consumidoras sem energia e 2.200 ocorrências para atendimento. Pelo menos 127 postes quebraram na região, por conta da queda de árvores e dos ventos fortes”, informou a companhia.

5 turbinas de Itaipu foram desligadas

As chuvas interromperam também a operação de linhas de transmissão que conectam a usina hidrelétrica binacional de Itaipu ao SIN (Sistema Interligado Nacional), desligando automaticamente, por segurança, cinco das 20 turbinas da usina.

Em função da diminuição na geração, houve redução da afluência e, também, do nível do rio Paraná à jusante da usina, ou seja, na parte mais baixa.

Como o Acordo Tripartite, do qual fazem parte o Brasil, Paraguai e Argentina, impõe limites de variação nos níveis do rio Paraná, foi necessário abrir o vertedouro da usina às 14h30, para compensar temporariamente a variação de afluência sofrida com o desligamento das cinco unidades geradoras, informou Itaipu em nota.

Segundo a hidrelétrica, o temporal não trouxe qualquer impacto para as instalações da usina de Itaipu, que segue operando normalmente, com total disponibilidade de potência e energia.

UOL

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: PRF resgata dezenas de aves silvestres em cidades do interior do RN

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou neste domingo (24) o resgate de dezenas de aves silvestres em duas cidades do interior do Rio Grande do Norte. Os policiais também encontraram tamanduás e tatus mortos. As ações aconteceram em João Câmara e em Jandaíra.

De acordo com o órgão federal, 78 aves foram encontradas em uma casa na altura do Km 114 da BR-406, próximo à entrada da Lagoa do Serrote, em João Câmara. As outras aves foram localizadas no Km 52 da BR-406, em Jandaíra.

Além das aves, as ações encontraram ainda quatro pebas, dois tacacas e dois tamanduás-mirins. A PRF não informou se as apreensões resultaram em prisões de suspeitos.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Cinco brasileiros presos com ‘arsenal de guerra’ são expulsos do Paraguai pela Ponte da Amizade

Foto: Marcos Landim/RPC

Cinco brasileiros que foram presos em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia na região de fronteira por Mato Grosso do Sul, foram expulsos do país ao Brasil, neste domingo (24), pela Ponte Internacional da Amizade, que liga Cidade do Leste, no Paraguai, a Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

Os suspeitos foram presos, no sábado (23), após serem encontrados com um “arsenal de guerra”, de acordo com os oficiais paraguaios.

VEJA MAIS: Cinco brasileiros são presos com ‘arsenal de guerra’ no Paraguai

Eles foram levados de avião, de Pedro Juan Caballero a Cidade do Leste, pela Polícia Nacional do Paraguai.

Foto: Polícia Nacional do Paraguai/Divulgação

Em seguida, foram entregues para as autoridades brasileiras diante de um grande esquema de segurança, em que a Ponte da Amizade foi bloqueada. Os suspeitos foram levados para a sede da Polícia Federal (PF), em Foz do Iguaçu.

Organização criminosa

De acordo com o policial do Paraguai Fernando Ruiz, os presos fazem parte de uma organização criminosa que atua nos dois países.

O arsenal de guerra encontrado com os criminosos era usado para dar suporte ao tráfico. As armas e drogas eram enviadas principalmente ao interior de Minas Gerais.

“Eles estavam de alguma forma garantindo a rota do tráfico de drogas e de armas para essa organização criminosa, nesse ponto do Paraguai com conexões com o Brasil.”

A polícia paraguaia também afirma que todas as armas foram periciadas e não encontraram indícios de que foram usadas em crimes investigados no Paraguai.

As Polícia Nacional do Paraguai informou que todos devem responder por crime organizado.

g1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 187 mortes e 6,2 mil novos casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste domingo (24):

– O país registrou 187 óbitos nas últimas 24h, totalizando 605.644 mortes;

– Foram 6.204 novos casos de coronavírus registrados, no total 21.729.763.

O Ministério da Saúde calcula que 20.907.224 pessoas já se recuperaram da covid-19. Outras 216.895 estão em acompanhamento.

A Média Movel de Casos é de 12.186 e está em alta de +24,27% em relação a 7 dias atrás e em queda de -20,80% em relação a 14 dias atrás.

A Média Móvel de Óbitos é de 337 e está em alta de +4,01% em relação a 7 dias atrás (324) e em queda de -23,06% em relação à 14 dias atrás (438).

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

SÉRIE D: ABC perde para a Aparecidense-GO no jogo de ida da semifinal

Imagem: ElevenSports/reprodução

O ABC perdeu por 4 a 2 para a Aparecidade-GO no primeiro confronto pela semifinal da Série D. A partida aconteceu no Estádio Aníbal Toledo, na cidade de Aparecida de Goiânia.

O Mais Querido até saiu na frente com um gol de Suélinton aos 17 minutos e vencia a partida até os 44 minutos do primeiro tempo, quando sofreu o empate. Robert, de cabeça, deixou tudo igual.

A virada do time goiano aconteceu aos 11 minutos da segunta etapa, com um gol de Rafa Marcos. Logo depois, os donos da casa marcaram o terceiro com Alex Henrique. O ABC diminuiu com Allan Dias aos 22 minutos, mas sofreu o quarto gol aos 40, Samuel fez para o time de Goiás.

As equipes voltam a se enfrentar no próximo domingo (31), no Frasqueirão, às 16h. O Mais Querido precisa de uma vitória por três gols de diferença para chegar à final. Uma vitória do ABC por dois gols de diferença leva a partida para os pênaltis.

Opinião dos leitores

  1. A burrinha caiu de quatro para a Aparecidense, o placar moral do jogo era para ter sido 6×2 pois anularam dois gols da Aparecidense.

    1. Esse despeitado para o ano vai continuar na D graças á burrinha

    2. Azevedo teu time só está na serie D do ano que vem, por causa da burrinha, por outra, como vcs estão na copa do nordeste começa kkkkkkkkkk.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

“Pandemia terminará quando todo mundo decidir acabar com ela e dispomos de todas as ferramentas”, diz chefe da OMS

Foto: Christopher Black/World Health Organization/Reuters

A pandemia de covid-19 terminará “quando todo mundo decidir acabar com ela”, pois atualmente dispomos de “todas as ferramentas” necessárias para combater o vírus, assegurou neste domingo (24) o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“A pandemia acabará quando todo mundo decidir acabar com ela, está nas nossas mãos, dispomos de todas as ferramentas de que precisamos para isso”, declarou o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Berlim, onde voltou a insistir em uma distribuição mais equilibrada em todo o mundo das vacinas anticovid.

Tedros Adhanom também lembrou que “com cerca de 50.000 mortos semanais” no mundo, “a pandemia está longe de ter acabado”.

Ele deu estas declarações na cerimônia inaugural da “Cúpula Mundial sobre a Saúde”, que reúne a cada ano profissionais de saúde e dirigentes políticos em Berlim.

A OMS estabeleceu como meta que 40% da população de cada país esteja vacinada contra a covid-19 antes do fim do ano e 70% em meados de 2022.

Tedros Adhanom lamentou em várias ocasiões a concentração de vacinas nos países ricos.

“O objetivo é alcançável, mas só se os países e as empresas que controlam o abastecimento traduzirem suas declarações em fatos”, insistiu na capital alemã.

UOL com AFP

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Temer sugere declarar calamidade para não romper teto de gastos

Foto: Sérgio Lima/Poder 360

O ex-presidente da República Michel Temer (MDB) afirmou, em artigo publicado neste domingo (24.out.2021) no jornal Folha de S.Paulo, que o governo poderia usar o artigo 167 da emenda do teto de gastos para aumentar o valor do programa Bolsa Família. É o trecho da lei que trata de calamidades públicas e que foi usado no ano passado devido à pandemia.

Temer foi o presidente que criou o teto de gastos, em 2016. Na época, ao lado do então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estipularam o prazo de 20 ano para a regra.

Para o ex-presidente, a situação da pobreza, acentuada nos últimos 2 anos pela pandemia, é calamitosa, o que justifica o uso do artifício.

Há sempre a preocupação de que os vulneráveis, acentuada sua pobreza, possam rebelar-se e, em consequência, praticar atos que desagreguem a nação brasileira. Este fato revela a razoável imprevisibilidade e, em consequência, a urgência a que alude o artigo 167, parágrafo terceiro, já mencionado. Acresce que um dos princípios fundamentais da nossa Constituição é a ‘erradicação da pobreza’ a teor do seu artigo 3, III”, escreveu o ex-presidente.

Temer afirma que essa solução traria duas vantagens: permitiria o aumento e enviaria o sinal de que o governo continua levando a questão fiscal a sério.

Sei que estou levando essa interpretação às últimas consequências, mas ela tem duas vertentes sistêmicas: de um lado, reconhece que é ‘calamitosa’ a realidade do pauperismo brasileiro; de outro, aplica regra constitucional que não elimina o teto de gastos públicos. Somente assim demonstraremos ao mercado interno e internacional a nossa seriedade fiscal e a nossa preocupação com a pobreza.

Em 2020 e 2021, o país decretou calamidade pública em função da pandemia do novo coronavírus. Dessa forma, foi possível gastar além do que o teto determinava. O auxílio emergencial foi um dos destinos desse dinheiro.

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, disseram que irão pedir permissão para gastar além do teto em uma ampliação do Bolsa Família que será levada a cabo em 2022, ano que Bolsonaro deve concorrer à reeleição.

Em pronunciamento conjunto na 6ª feira (22.out), Guedes disse que não “gosta” de furar o teto, mas que se tratava de uma opção para não deixar os pobres desassistidos.

Se está muito feliz que está furando o teto? Não. Eu detesto furar o teto. Eu não gosto furar o teto, mas não estamos aí só para tirar 10 no fiscal”, disse Guedes. Ele falou que lutou até o fim pela manutenção do teto de gastos, mas disse que o país teve que escolher entre “tirar 10 em fiscal e 0 no social”.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Esse ex presidiário é o conselheiro e escrivão de Naro. Diz com quem tu andas de digo quem és.

  2. Esse elemento voltou a dar pitaco? Em um País sério esse canalha estaria vendo o sol nascer quadrado.

  3. OU BOLSONARO COLOCAMOS O SENHOR AÍ PARA GOVERNAR NOSSO PAÍS, TEMER VOLTOU A MANDAR NO PAÍS? FORA COM ESSA IMPRENSA ESQUERDA QUE TRABALHA A FAVOR CONTRARIO AS NOSSAS ASPIRAÇÕES.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Roberto Jefferson é internado em presídio e defesa diz ao STF que ex-deputado corre ‘grave risco’ de morrer

Imagem: reprodução

De volta ao presídio de Bangu 8, no Rio de Janeiro, o ex-deputado Roberto Jefferson precisou ser internado neste domingo no hospital do complexo penitenciário em razão de complicações em seu estado de saúde, como febre alta, taquicardia e baixa pressão. Diante do quadro médico, a defesa do presidente do PTB pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a transferência do aliado de Jair Bolsonaro (sem partido) para um hospital particular na Barra da Tijuca alegando “grave risco” de vida.

Jefferson voltou para a prisão no último dia 14 por determinação do ministro Alexandre de Moraes, depois que o político recebeu alta hospitalar. Ele estava internado desde o início de setembro com um quadro de infecção urinária e dores na lombar e foi submetido também a um cateterismo para desobstrução de uma artéria.

Para o ministro, “a prisão deve ser mantida para a garantia da ordem pública e o devido prosseguimento do processo”. Jefferson teve a prisão preventiva decretada no dia 13 de agosto, por determinação de Moraes por suposta participação em uma organização criminosa que atuaria para desestabilizar a democracia e divulgar mentiras sobre ministros do STF.

No pedido feito ao ministro Alexandre de Moraes, os advogados de Jefferson pedem sua imediata transferência para o Hospital Samaritano, onde ele estava internado com o uso de uma tornozeleira eletrônica, e falam em uma situação grave de saúde, inclusive com risco de morte.

“É inequívoco a existência de grave risco de o requerente morrer, caso seja mantido no estabelecimento prisional, eis que a SEAP [Secretária de Adminitsração Penitenciária do Rio de Janeiro] já afirmou não possuir condições adequadas para manter a estabilização da sua saúde”, afirmam na manifestação ao STF.

Nas redes sociais, a piora no estado de saúde de Jefferson foi comentada pela filha dele, a ex-deputada Christiane Brasil, e pela presidente interina do PTB, Graciela Nienov.

A vice-presidente Nacional do PTB, Garciela Nienov, pediu orações por melhoras para o quadro do político.

“Meu pai voltou pro hospital do presídio. Sua saúde frágil não lhe permite ficar num ambiente tóxico daquele, longe da sua cuidadora. Se ele não sair logo pra casa, o pior pode acontecer. Oro pra que o Alexandre deixe-o ir pra casa”, escreveu Brasil em um post feito no Twitter.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. A gadolândia defendendo Roberto Jefferson e a esquerdalha defendendo Renan Calheiros. Política sem foi e sempre será a mesma coisa, CONVENIÊNCIA.

    1. O ex presidiário que virou SANTO foi o Lula. Condenado em várias instâncias, mas “perdoado” pelo generoso STF. Roberto Jeffetson não foi julgado ainda.

    2. Ridículo é um babaca como vc postar um comentário idiota, PTralha safado. Se mude para CUba, Venezuela, qq país da África ou outro paísinho comunista.

  2. Outros políticos fizeram pior e estão em casa desfrutando das beneces judiciais. Infelizmente, dois pesos duas medidas. Não estou dizendo que ele está certo, mas se vale pra um vale pra todos. BRASIIIIIIIIIIILLLLLLL.

  3. Engraçado: quando estava ameaçando a democracia, de arma na cintura e pedaço de pai na mão, tinha saúde. Agora já está doente??
    Lugar de criminoso é na cadeia mesmo!!!

    1. Deus, qual o motivo de lula não estar lá? O deputado em tela, não foi julgado e condenado, prisão arbitrária e inconsequente, ele faz medinho com a boca imbecil, e por essas e outras que esse Brasil, apesar de lindo e rico, não presta.

    2. Alienada Perroni, defendendo até Roberto Jeferson para justificar o adestramento?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Jovem morre após se afogar na Praia de Genipabu

Imagem: reprodução

Um jovem de 20 anos morreu após se afogar na praia de Genipabu, no município de Extremoz, na região metropolitana de Natal. O caso aconteceu às 09h30 da manhã deste domingo (24).

Na ocasião, a guarnição de praia do Corpo de Bombeiros foi acionada, juntamente com uma Unidade de Resgate (ambulância). Os atendimentos foram realizados, mas a vítima já estava em estágio avançado de afogamento.

Ainda de acordo com informações colhidas no local da ocorrência, o rapaz era de origem do estado da Paraíba.

Novo Notícias

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *