Geral

Crise econômica, falta de liberdade e pandemia explicam protestos em Cuba

Foto: Yamil Lage/AFP/Getty Images

Milhares de pessoas saíram às ruas de Cuba no domingo (11) para se manifestar devido à situação econômica e à falta de liberdade, uma situação incomum para o país governado pelo Partido Comunista de Cuba, o único legal, desde a Revolução de 1959 e que faz lembrar da onda de protestos no início dos anos 1990.

As manifestações ocorreram em Havana e San Antonio de los Baños, segundo a CNN, e em outras partes de Cuba, segundo vídeos veiculados em redes sociais, que pareciam mostrar outros protestos em várias de cidades e vilas da ilha.

Um morador que não quis ser identificado, por sua vez, disse à CNN que os moradores de San Antonio de los Baños vinham passando por cortes de energia durante a semana e que isso havia “gerado” descontentamento na cidade.

Esses protestos são muito inusitados, pois o governo não permite qualquer tipo de manifestação e, caso ocorram, são imediatamente contidos. Desta forma, inúmeras prisões foram feitas e a polícia disparou gás lacrimogêneo para desmantelar algumas concentrações.

O que está acontecendo então em Cuba?

Condições econômicas preocupantes

Nesta ocasião, as pessoas reclamaram principalmente de cortes de energia, escassez de alimentos e o manejo do governo na pandemia de Covid-19, prejudicando uma economia já fortemente afetada por sanções durante o governo Trump e que depende do turismo, que praticamente desapareceu durante os bloqueios de 2020 para conter o vírus.

A queda do turismo, principal fonte de divisas do país, também provocou queda nas importações de bens essenciais, gerando escassez.

Consequentemente, o número de migrantes cubanos que tentam chegar aos Estados Unidos é o maior desde 2017.

De acordo com a Guarda Costeira dos Estados Unidos, em todo o ano de 2021 cerca de 500 cubanos foram interceptados no mar tentando chegar à costa da Flórida. Em 2019, eram 313 e, em 2018, apenas 259.

Os números são ainda menores do que os registrados durante o “Período Especial” no início de 1990 em Cuba, quando milhares de cubanos, em meio a uma onda de protestos, pularam ao mar, escapando das severas condições econômicas da ilha após a queda do regime da União Soviética, em 1991, principal aliado e parceiro comercial de Cuba.

Mesmo assim, eles mostram que cada vez mais cubanos estão dispostos a cruzar os perigosos 144 quilômetros de mar que separam a ilha da Flórida.

O papel da pandemia de Covid-19

Segundo a Universidade Johns Hopkins, Cuba relatou 238.491 casos e 1.537 mortes por Covid-19. Mas os números preocupantes são os mais recentes: 6.923 infecções e 47 mortes foram registradas no domingo, um recorde para o país desde o início da pandemia. Também os casos acumulados na última semana são recorde.

“Nas últimas duas ou três semanas o aumento de casos foi mais intenso. As autoridades confirmaram a variante delta no interior de Cuba”, disse à CNN José Geraldo Moya Medina, representante da Organização Pan-Americana da Saúde e da Organização Mundial da Saúde em Cuba no início de julho.

Moya Medina disse que a situação é pior nas cidades do interior de Cuba e não tanto em Havana, onde começou a ser aplicada a vacina de desenvolvimento local Abdala, que teria uma eficácia de 92%, segundo autoridades cubanas. Uma segunda vacina cubana, a Soberana 02, teria eficácia de 62%.

Reivindicações por mais liberdade

Muitos manifestantes gritaram por “liberdade” e pediram a renúncia de Díaz-Canel. A polícia prendeu vários manifestantes e usou gás lacrimogêneo para interromper algumas manifestações. Os confrontos violentos com os manifestantes também foram relatados, jogando pedras e derrubando um carro da polícia.

Desde a Revolução Cubana de 1959, que derrubou o ditador Fulgencio Batista, Cuba é governada pelo Partido Comunista de Cuba e sob um regime comunista liderado por Fidel Castro, que mais tarde entregou o poder em 2006 a seu irmão Raúl Castro.

Alinhado com a União Soviética em tempos de Guerra Fria, elo pelo qual o país recebia subsídios no valor de US$ 4.000 a US$ 6.000 milhões anuais, Cuba viveu dificuldades econômicas nas últimas décadas, em meio a demandas crescentes por reforma e abertura de sua população.

A dura resposta do governo

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, disse na segunda-feira (12) que as sanções comerciais dos EUA criaram miséria econômica na ilha e foram responsáveis ??pelos protestos.

As palavras de Díaz-Canel, que sucedeu Raúl Castro como presidente em 2018, pareciam se referir ao governo de Donald Trump, que promulgou algumas das medidas econômicas mais duras contra Cuba em décadas, incluindo sanções econômicas e restrições a viagens. Até agora, o governo Biden ainda não os suspendeu.

Ao final do mesmo discurso, garantiu que “a ordem de lutar foi dada, (…) os revolucionários precisam estar nas ruas”.

Enquanto o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, criticou o assessor de segurança da Casa Branca, Jake Sullivan, na segunda-feira, por fazer uma declaração em apoio aos incomuns protestos cubanos.

“O Assessor de Segurança Nacional da Casa Branca carece de autoridade política e moral para falar de Cuba. Seu governo destinou centenas de milhões de dólares para a subversão em nosso país e impõe um bloqueio genocida, que é o principal responsável pelas deficiências econômicas”, afirmou. Rodríguez em um tuíte.

Biden pede a Díaz-Canel que “ouça seu povo”

No tuíte que provocou a reação de Rodríguez, Sullivan expressou seu apoio ao povo cubano: “Os Estados Unidos apóiam a liberdade de expressão e reunião em Cuba e condenariam veementemente qualquer violência ou ataque contra manifestantes pacíficos que exerçam seus direitos universais”.

Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na segunda-feira deu seu apoio ao povo cubano em meio aos protestos e pediu ao regime de Díaz-Canel que “ouça seu povo e atenda suas necessidades”.

“Apoiamos o povo cubano e seu clamor por liberdade e alívio do trágico controle da pandemia e das décadas de repressão e sofrimento econômico a que tem sido submetido pelo regime autoritário de Cuba”, disse Biden em um comunicado.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Segundo uma refugiada cubana morando no Brasil, lá você tem direito a comprar uma coxa de frango e cinco ovos por mês. É isso que a esquerda esconde.

  2. “A queda do turismo, principal fonte de divisas do país, também provocou queda nas importações de bens essenciais, gerando escassez.”

    Mentira. A principal fonte de renda era o parasitismo junto à Venezuela e a corrupção petista que drenava recursos brasileiros ao regime opressor, seja via mais médicos (trabalho escravo), Puerto Mariel, OffrShores etc.

  3. O paraíso dos esquerdopatas Brasileiros, que não querem nem visitar Kkkķ.
    Acabou a ajuda do Governo Brasileiro e a escravidão dos médicos cubanos. Aí o paraíso ruiu de vez.
    #SOSCUBA

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Rejeição ao governo Lula é maior que a aprovação, diz novo levantamento da Paraná Pesquisas

Foto: Wilton Junior/Estadão

Novo levantamento do instituto Paraná Pesquisas mostra que a rejeição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) continua maior que a aprovação. De acordo com os resultados do estudo, 49,6% dos entrevistados desaprovam a gestão petista, enquanto 46,2% aprovam. Outros 4,2% não sabem ou não responderam.

O levantamento da Paraná Pesquisas ouviu pessoalmente 2.020 eleitores em 160 cidades entre os dias 27 de abril e 1º de maio. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e o índice de confiabilidade é de 95%.

Comparado à pesquisa anterior feita pelo instituto, em março, a rejeição do presidente oscilou para cima em 0,8%. A aprovação, por sua vez, recuou 0,4%, percentual que também está dentro da margem de erro.

Para 31,9% dos brasileiros, a gestão de Lula é ótima ou boa, um ponto percentual a menos do que o estimado em março. Por outro lado, 41,1% consideram a administração petista ruim ou péssima, uma oscilação para cima de 0,6% em comparação à pesquisa anterior. Outros 26% acham que o governo federal faz um trabalho regular.

Estadão Conteúdo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Papo de Fogão desta semana traz duas receitas que prometem conquistar o seu paladar

É hora de se deliciar com o Papo de Fogão desta semana! Nosso apresentador, Fernando Amaral, vai revelar os segredos de um rigatoni com camarão ao pesto que promete conquistar o seu paladar. E para tornar o programa ainda mais animado, teremos a presença especial de Luciana Brasileiro, uma Designer de Interiores de Fortaleza/CE, com uma conversa pra lá de descontraída! E as surpresas não param por aí! Na dica rápida desta semana, o Chef Warwick Trinta, do Restaurante Alameda Trinta em São Luís/MA, vai nos ensinar a preparar um irresistível Rosbife Almeida. Prepare-se para uma explosão de sabores e momentos inesquecíveis no Papo de Fogão!

SÁBADO
BAND
MARANHÃO, 7h
CEARÁ, 8h
PIAUÍ, 8h
MATO GROSSO, 8h30
PARAÍBA
TV CORREIO/RECORD, 13h30

DOMINGO
RIO GRANDE DO NORTE – TV TROPICAL/RECORD, 10h

Ou no nosso canal do YouTube
http://youtube.com/c/PapodeFogao

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Câmara de Natal discute regulamentação de professores de artes marciais

A Câmara Municipal de Natal reuniu representantes de modalidades esportivas para debater, na manhã desta sexta-feira(24), em Audiência Pública, a regulamentação dos instrutores das artes marciais. A iniciativa foi de preposição do vereador Hermes Câmara (PSDB).

O debate girou em torno do projeto discutido na Câmara dos Deputados que traça diretrizes próprias para a profissão no Brasil. Com o avanço da proposta, o ensino de esportes de combate seria desvinculado das atividades que se enquadram no ramo da Educação Física.

Os presentes falaram do constrangimento que passam nas competições com a exigência pela obrigatoriedade do diploma de Educação Física. Os representantes defenderam que o esporte de combate é um tipo de atividade que precisa de experiência prática.

Uma delas foi a chefe de gabinete da Secretaria de Esporte e Lazer de Natal, Clara Borges, que é faixa preta no judô. “Esse debate de autoria do vereador Hermes Câmara é de grande importância para o crescimento do esporte na cidade. As competições organizadas, por exemplo, o JERN’S, que tem mais de 50 anos no Estado, é obrigatório ter o CREF, o registro do curso de educação física, para poder sentar na cadeira. Então, tem professores que ficam impedidos de atuar e sentar. Para o atleta, que treina com o professor desde cedo e chega numa competição e não pode ter seu técnico junto, sentado ali na beira do tatame, é muito frustrante”, disse.

As falas dos presentes na audiência se somam na defesa do critério de que cada confederação determine quais os parâmetros de qualificação para se tornar professor. Por exemplo, tempo de prática ou divisão por faixas coloridas.

“O projeto de lei tem toda uma regra e uma parametrização do que irá acontecer, como também a capacitação desses profissionais. A parte da teoria, em alguns aspectos, é muito importante. Então, tem que ter a teoria, mas também a prática. E as confederações serão corresponsáveis nesta fiscalização. Com o reconhecimento dos professores de cada arte marcial, seja ela qual for. Mas, realmente será um conjunto de entes que irão regulamentar, fiscalizar e possibilitar que esses profissionais atuem de forma legal a partir de então”, destacou o vereador de Parnamirim, Thiago Fernandes, faixa preta no Karatê.

Já Carlos Alexandre, presidente do SINDILUTAS (Sindicato dos profissionais de lutas e artes marciais) frisou a importância de que as artes marciais precisam de uma legislação própria, pois não podem ser comparadas a outros tipos de atividade física.

O propositor da Audiência, vereador Hermes Câmara, falou da importância do debate e do projeto discutido.“Apesar da importância reconhecida dessas práticas, os profissionais que lecionam essas modalidades não possuem uma regulamentação específica, deixando claro que a atividade é distinta daquela exercida pelos professores graduados em educação física”, concluiu.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

EUA aprovam possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil por R$ 4,9 bilhões, diz Pentágono

Foto: divulgação

O Departamento de Estado norte-americano aprovou uma possível venda de helicópteros Black Hawk e equipamentos relacionados ao Brasil por um valor estimado de US$ 950 milhões (R$ 4,9 bilhões), informou o Pentágono nesta sexta-feira (24). A informação é da agência de notícias Reuters.

Os principais fornecedores seriam a Lockheed Martin e a Sikorsky, informou o Pentágono.

A Força Aérea Brasileira (FAB) já tem helicópteros desse modelo. Nas enchentes no Rio Grande do Sul, por exemplo, um Black Hawk foi usado em uma missão de substituição de gerador no município de Cachoeira do Sul, e também foi usado em missões de resgate na região da cidade de Agudos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Hotéis de Mossoró registram mais de 90% de ocupação para o Pingo da Mei Dia

O sucesso do “Mossoró Cidade Junina” 2024 já é visto na rede hoteleira da cidade. Mais de 90% dos apartamentos já estão reservados para o “Pingo da Mei Dia”, evento que marca de forma tradicional o início dos festejos juninos em Mossoró. Para o “Pingo” e “Boca da Noite” alguns hotéis já não dispõem de vagas, o que reafirma o potencial sucesso da festa para o setor hoteleiro da cidade.

Para o presidente da Associação Norte Rio Grandense De Turismo (ANORT), Rútilo Coelho, o período junino em Mossoró movimenta, além da rede hoteleira, mais de 50 segmentos em torno do turismo, beneficiando o comércio, indústria e o setor de serviços. “O ‘Mossoró Cidade Junina’ tem uma proporção gigantesca para a rede hoteleira e mais de 50 segmentos que orbitam o turismo. Todos têm a oportunidade de fazer negócio, todos saem lucrando com um evento dessa natureza”, frisou.

A divulgação antecipada da programação da festa pela Prefeitura facilitou a organização e logística do turista, iniciando a crescente procura por hospedagem em diversos hotéis da cidade. No Hotel Thermas, por exemplo, das 146 acomodações, quase todas já estão reservadas para o “Pingo da Mei Dia” restando pouquíssimas unidades disponíveis. A procura também é grande para os finais de semana com atrações nacionais.

“É uma data muito esperada por todos nós que fazemos a hotelaria da cidade, porque traz muitos turistas e movimenta a economia da cidade. Logo que foi lançada a programação do ‘Mossoró Cidade Junina’, no dia seguinte já registramos reservas nos nossos portais. Já temos períodos do MCJ que já estamos com o hotel praticamente lotado”, comemorou Marcos Souza, gerente operacional do Hotel Thermas.

“O pessoal vem de fora, vem para gastar em nossa cidade, para consumir. A gente está com uma ocupação muito boa, sabemos que vai lotar, pois notamos muita procura. As expectativas são as melhores possíveis”, disse Max Carvalho, diretor operacional do Garbos Trade Hotel.

Os valores para acomodações em Mossoró variam de acordo com a localidade, datas e serviços ofertados pelos hotéis. De acordo com o site Booking, um dos maiores portais de reservas no segmento de acomodações em todo o mundo, ainda é possível adquirir combos promocionais para aproveitar o “Mossoró Cidade Junina” 2024.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Dívidas sobem 17%, e governo terá que pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Foto: Rafa Neddermeyer / Agência Brasil

O Orçamento de 2025 terá R$ 70,7 bilhões em despesas com precatórios (valores devidos após decisões definitivas na Justiça), um aumento de 17,8% em relação aos R$ 60 bilhões inscritos este ano.

Foram 155.683 precatórios apresentados contra a União entre 3 de abril de 2023 e 2 de abril de 2024, abrangendo um total de 250.641 beneficiários. As informações constam do Relatório Despesas com Sentenças Judiciais – Precatórios, publicado pela primeira vez pelo Ministério do Planejamento nesta sexta-feira.

Há um teto para pagamento de precatórios desde 2021, em vigor até 2026. Mas o governo Lula conseguiu no STF o direito de pagar as dívidas acima desse teto fora das regras fiscais.

Segundo a pasta, o boletim divulgado nesta sexta será anual e foi criado com o objetivo de aumentar a transparência, facilitar o acompanhamento e estimular o controle social sobre o pagamento dos precatórios federais. O Planejamento ainda explica que nem todos os dados que estão agora presentes no documento consta de forma clara ou podem ser encontrados de forma fácil na lei orçamentária anual.

A publicação mostra, por exemplo, que apenas cinco precatórios superam a marca de R$ 1 bilhão – o maior deles chega a R$ 4,7 bilhões –, enquanto que 98% do total está abaixo de R$ 1 milhão. Os precatórios referentes a “Outras despesas de custeio e capital” respondem por quase 60% do valor total, enquanto os de “previdência” correspondem a quase 30% e os de pessoal a pouco mais de 10%.

Além disso, quase 95% dos R$ 5 bilhões de precatórios relacionados a demandas salariais são do Poder Executivo, com os Ministérios da Fazenda, Educação, Defesa e Previdência Social encabeçando a lista. O relatório mostra ainda que mais de 60% dos precatórios derivam de ações judiciais iniciadas em um intervalo de 10 anos. Já menos de 17% referem-se a um período superior a 20 anos.

”O relatório inaugura uma nova fase de planejamento estratégico, pois a análise e a compreensão dos precatórios permitem que o governo antecipe e mitigue riscos fiscais de forma mais eficaz, garantindo uma gestão orçamentária melhor”, destaca o secretário-executivo do Planejamento, Gustavo Guimarães.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Adivinha quem deixou 95 bilhões de calote de precatórios pra o governo Lula pagar?
    Vou dar uma dica: 🤡🤡🤡

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: “Arcabouço fiscal, vai tomar no c*”, diz líder de militantes que invadiram prédio do Metrópole Digital

Com o nome de “trancaço”, estudantes militantes e servidores em greve na UFRN invadiram, por volta das 5h desta sexta-feira (24), o prédio do Instituto Metrópole Digital (IMD), no Campus Central. Com cadeados, os manifestantes fecharam as entradas que dão acesso ao local e ecoaram brados contra “a posição do governo federal de insistir em um reajuste salarial zero para 2024”.

Um dos líderes da “Juventude da Revolução Socialista” gritou ao microfone: “Arcabouço Fiscal, vai tomar no cu“.

Lembraram da dobradinha Lula-Alckmin: “Não basta só reajuste salarial. É preciso uma recomposição orçamentária que dê capacidade de investimento e permanência estudantil em todas as universidades e institutos federais. Todo apoio aos servidores técnico-administrativos da UFRN. Governo Lula-Alckmin, queremos ver o compromisso com a educação acontecer!”.

Opinião dos leitores

  1. Essa é a notícia mais importante do dia ? Isso não tem relevãncia jornalística nenhuma, a não ser chocar um punhado de hipócritas. DAqui a pouco a parece um candidato dizendo que vai propor a lei que proibe falar em *.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Lula diz que se bagaço de cana-de-açúcar “tiver gostinho de álcool, até que é bom”

Imagem: reprodução/CanalGov

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta sexta-feira (24) que nunca experimentou bagaço de cana-de-açúcar, mas, se tiver um “gostinho de álcool, até que é bom”.

A cachaça é uma bebida proveniente da fermentação e destilação do melaço da cana-de-açúcar, e o Brasil é, atualmente, o maior produtor da planta.

“Eu venho aqui, vou visitar um monte de bagaço [de cana-de-açúcar] que antes era jogado fora. Um pouquinho daquele bagaço era misturado na ração do animal. Eu nem sei se a vaca gostava daquilo, mas eu sei que misturava. Eu não pus na boca, não sei se é bom. Se tiver um gostinho de álcool até que é bom”, disse.

A declaração do presidente foi dada em cerimônia de inauguração da planta de produção de etanol de 2ª geração da Raízen, na Usina Bonfim, em Guariba (SP).

Assista:

 

Poder 360

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

VÍDEO: Lula ouve coro com críticas de estudantes em evento no interior de SP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi criticado por um coro de estudantes em meio a um ato político do governo federal em Araraquara, no interior de São Paulo, para marcar investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em obras de drenagem e urbanização.

Em grupo, o grupo disse: “Ô Lula, preste atenção, e negocia com a Educação”. Depois, mudou o canto para o questionamento “E o orçamento das federais?”.

Os gritos foram ouvidos entre os discursos da ministra da Saúde, Nísia Trindade, do presidente da Caixa Econômica Federal, Carlos Antônio Vieira Fernandes, e do ministro das Cidades, Jader Filho. A cerimônia foi no Centro de Eventos de Araraquara e Região (CEAR).

O governo Lula vem lidando com uma onda de greves em universidades e institutos federais desde que fez uma proposta de reajuste salarial zero neste ano, com promessa de reajuste de 9% em 2025. O reajuste deve ser assinado na semana que vem.

Em meio ao coro, coube aos ministros e ao presidente da Caixa defenderem o presidente em seus discursos. Jader Filho chamou Lula de “maior presidente da história do país”. Os auxiliares também lembraram que Lula estava em Araraquara quando sofreu a tentativa de golpe praticada por bolsonaristas em 8 de janeiro do ano passado.

A cidade, do prefeito Edinho Silva (PT), é um dos poucos municípios administrados pelo PT em São Paulo e, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), foi um enclave de resistência às posições contrárias às politicas de distanciamento social, realizando uma série de lockdowns.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Por unanimidade, STF mantém aposentadoria compulsória de desembargadora que soltou filho acusado de tráfico


Foto: REUTERS/Adriano Machado

Tânia Borges, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, foi absolvida em ação de improbidade, mas CNJ a afastou do exercício da função, com vencimentos proporcionais garantidos; ministros da Primeira Turma do Supremo não viram “inobservância do processo legal” e rejeitaram pedido da defesa para novo julgamento.

Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) mantiveram a aposentadoria compulsória da desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por suposto uso do cargo para beneficiar o próprio filho, preso por tráfico de drogas e armas.

Opinião dos leitores

  1. Creio que ela não vai gostar de receber sem sequer trabalhar. Isso é desumano, ela precisa ficar de dentro do judiciário pois se o filho dela precisar novamente?

  2. “Sanção disciplinar”: ser obrigada a receber o salário sem ter que trabalhar. Pense em um castigo desumano. Acho que o mau feito da juíza e a condenação agora proferida dizem tudo que se precisa saber sobre o judiciário brasileiro.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *