Segurança

Empresa retira câmeras de monitoramento dos CEDUC por falta de pagamento do governo

As câmeras que monitoram as alas dos alojamentos e a parte externa do sistema socioeducativo estão sendo recolhidas de todas as unidades em Natal e região. O motivo é a falta de pagamento. A informação foi confirmada ao Blog do BG por dois agentes socioeducativos.

Segundo os agentes, já foram retiradas câmeras de duas unidades:  Ceduc Pitimbu e o Semi liberdade. Não bastasse, no CASEP já estão para retirar também.

Opinião dos leitores

  1. O Estado do RN necessita, URGENTEMENTE, de uma SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA, composta por uma equipe de profissionais CAPACITADOS para exercerem as atividades da mesma. Repito: URGENTEMENTE!!!

  2. Esse governo é um desastre.
    Consegui ser pior do que o do Robinson.
    É imoral!!
    Recebem dinheiro, verbas federais todos os meses, mas estão tendo a incompetência de explodirem de novo todo o sistema corrigido por Robinson e Albuquerque.
    Fora genocida.
    Fora fatão!!

  3. Só quero ver, quando acabar a ajuda do Governo Federal ao Estado do RN. Vai ser pior, mas muito pior que a gestão do Ex-governador Fábio Faria, que foi sabotado pelo governo do PT.

    1. Fábio Faria não foi governador e sim o pai dele, Robinson Faria…

  4. Cada dia que passa o (des)governo da professora Fátima Bezerra expõe a sua inoperância; incompetência; incapacidade; a falta de compromisso com a coisa pública e sua falta de gestão e prioridades. O nosso estado está piorando a passos largos em relação aos demais entes da federação. Está na hora do povo aposentar compulsoriamente essa (des)governadora!
    CPI JÁ!
    FORA FÁTIMA!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Crise econômica, falta de liberdade e pandemia explicam protestos em Cuba

Foto: Yamil Lage/AFP/Getty Images

Milhares de pessoas saíram às ruas de Cuba no domingo (11) para se manifestar devido à situação econômica e à falta de liberdade, uma situação incomum para o país governado pelo Partido Comunista de Cuba, o único legal, desde a Revolução de 1959 e que faz lembrar da onda de protestos no início dos anos 1990.

As manifestações ocorreram em Havana e San Antonio de los Baños, segundo a CNN, e em outras partes de Cuba, segundo vídeos veiculados em redes sociais, que pareciam mostrar outros protestos em várias de cidades e vilas da ilha.

Um morador que não quis ser identificado, por sua vez, disse à CNN que os moradores de San Antonio de los Baños vinham passando por cortes de energia durante a semana e que isso havia “gerado” descontentamento na cidade.

Esses protestos são muito inusitados, pois o governo não permite qualquer tipo de manifestação e, caso ocorram, são imediatamente contidos. Desta forma, inúmeras prisões foram feitas e a polícia disparou gás lacrimogêneo para desmantelar algumas concentrações.

O que está acontecendo então em Cuba?

Condições econômicas preocupantes

Nesta ocasião, as pessoas reclamaram principalmente de cortes de energia, escassez de alimentos e o manejo do governo na pandemia de Covid-19, prejudicando uma economia já fortemente afetada por sanções durante o governo Trump e que depende do turismo, que praticamente desapareceu durante os bloqueios de 2020 para conter o vírus.

A queda do turismo, principal fonte de divisas do país, também provocou queda nas importações de bens essenciais, gerando escassez.

Consequentemente, o número de migrantes cubanos que tentam chegar aos Estados Unidos é o maior desde 2017.

De acordo com a Guarda Costeira dos Estados Unidos, em todo o ano de 2021 cerca de 500 cubanos foram interceptados no mar tentando chegar à costa da Flórida. Em 2019, eram 313 e, em 2018, apenas 259.

Os números são ainda menores do que os registrados durante o “Período Especial” no início de 1990 em Cuba, quando milhares de cubanos, em meio a uma onda de protestos, pularam ao mar, escapando das severas condições econômicas da ilha após a queda do regime da União Soviética, em 1991, principal aliado e parceiro comercial de Cuba.

Mesmo assim, eles mostram que cada vez mais cubanos estão dispostos a cruzar os perigosos 144 quilômetros de mar que separam a ilha da Flórida.

O papel da pandemia de Covid-19

Segundo a Universidade Johns Hopkins, Cuba relatou 238.491 casos e 1.537 mortes por Covid-19. Mas os números preocupantes são os mais recentes: 6.923 infecções e 47 mortes foram registradas no domingo, um recorde para o país desde o início da pandemia. Também os casos acumulados na última semana são recorde.

“Nas últimas duas ou três semanas o aumento de casos foi mais intenso. As autoridades confirmaram a variante delta no interior de Cuba”, disse à CNN José Geraldo Moya Medina, representante da Organização Pan-Americana da Saúde e da Organização Mundial da Saúde em Cuba no início de julho.

Moya Medina disse que a situação é pior nas cidades do interior de Cuba e não tanto em Havana, onde começou a ser aplicada a vacina de desenvolvimento local Abdala, que teria uma eficácia de 92%, segundo autoridades cubanas. Uma segunda vacina cubana, a Soberana 02, teria eficácia de 62%.

Reivindicações por mais liberdade

Muitos manifestantes gritaram por “liberdade” e pediram a renúncia de Díaz-Canel. A polícia prendeu vários manifestantes e usou gás lacrimogêneo para interromper algumas manifestações. Os confrontos violentos com os manifestantes também foram relatados, jogando pedras e derrubando um carro da polícia.

Desde a Revolução Cubana de 1959, que derrubou o ditador Fulgencio Batista, Cuba é governada pelo Partido Comunista de Cuba e sob um regime comunista liderado por Fidel Castro, que mais tarde entregou o poder em 2006 a seu irmão Raúl Castro.

Alinhado com a União Soviética em tempos de Guerra Fria, elo pelo qual o país recebia subsídios no valor de US$ 4.000 a US$ 6.000 milhões anuais, Cuba viveu dificuldades econômicas nas últimas décadas, em meio a demandas crescentes por reforma e abertura de sua população.

A dura resposta do governo

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, disse na segunda-feira (12) que as sanções comerciais dos EUA criaram miséria econômica na ilha e foram responsáveis ??pelos protestos.

As palavras de Díaz-Canel, que sucedeu Raúl Castro como presidente em 2018, pareciam se referir ao governo de Donald Trump, que promulgou algumas das medidas econômicas mais duras contra Cuba em décadas, incluindo sanções econômicas e restrições a viagens. Até agora, o governo Biden ainda não os suspendeu.

Ao final do mesmo discurso, garantiu que “a ordem de lutar foi dada, (…) os revolucionários precisam estar nas ruas”.

Enquanto o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, criticou o assessor de segurança da Casa Branca, Jake Sullivan, na segunda-feira, por fazer uma declaração em apoio aos incomuns protestos cubanos.

“O Assessor de Segurança Nacional da Casa Branca carece de autoridade política e moral para falar de Cuba. Seu governo destinou centenas de milhões de dólares para a subversão em nosso país e impõe um bloqueio genocida, que é o principal responsável pelas deficiências econômicas”, afirmou. Rodríguez em um tuíte.

Biden pede a Díaz-Canel que “ouça seu povo”

No tuíte que provocou a reação de Rodríguez, Sullivan expressou seu apoio ao povo cubano: “Os Estados Unidos apóiam a liberdade de expressão e reunião em Cuba e condenariam veementemente qualquer violência ou ataque contra manifestantes pacíficos que exerçam seus direitos universais”.

Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na segunda-feira deu seu apoio ao povo cubano em meio aos protestos e pediu ao regime de Díaz-Canel que “ouça seu povo e atenda suas necessidades”.

“Apoiamos o povo cubano e seu clamor por liberdade e alívio do trágico controle da pandemia e das décadas de repressão e sofrimento econômico a que tem sido submetido pelo regime autoritário de Cuba”, disse Biden em um comunicado.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Segundo uma refugiada cubana morando no Brasil, lá você tem direito a comprar uma coxa de frango e cinco ovos por mês. É isso que a esquerda esconde.

  2. “A queda do turismo, principal fonte de divisas do país, também provocou queda nas importações de bens essenciais, gerando escassez.”

    Mentira. A principal fonte de renda era o parasitismo junto à Venezuela e a corrupção petista que drenava recursos brasileiros ao regime opressor, seja via mais médicos (trabalho escravo), Puerto Mariel, OffrShores etc.

  3. O paraíso dos esquerdopatas Brasileiros, que não querem nem visitar Kkkķ.
    Acabou a ajuda do Governo Brasileiro e a escravidão dos médicos cubanos. Aí o paraíso ruiu de vez.
    #SOSCUBA

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Aras diz que não houve falta de ação do governo para compra de vacinas

Foto: Antonio Augusto/Secom/PGR

O procurador-geral da República, Augusto Aras, disse que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) não foi omisso para comprar vacinas contra covid-19. “Não se tem o alegado quadro de inação”, escreveu Aras em manifestação apresentada ao STF (Supremo Tribunal Federal) para responder a uma ação movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que pedia a compra de imunizantes para a vacinação em massa.

Para sustentar seu argumento, o procurador-geral citou os contratos para aquisição de quatro imunizantes: CoronaVac e das vacinas da AstraZeneca, da Janssen e da Pfizer.

“O quadro atual demonstra o incremento gradual da oferta de vacinas e, consequentemente, do quantitativo de pessoas vacinadas, a confirmar a ausência da alegada inação a justificar a intervenção excepcional do Judiciário”, disse Aras.

Para o procurador-geral, a atuação do Judiciário nesse caso “seria ingerência indevida para ditar modo de agir ao Executivo”. “Determinação judicial que se sobreponha à programação nacional implicaria rearranjo orçamentário e de medidas definidas e em curso, com impacto relevante sobre a gestão nacional e sobre a própria operacionalização do programa de imunização.”

Na conjuntura atual, e pelos motivos expostos, imposição judicial nesse campo parece mais prejudicial que benéfica. (Augusto Aras, procurador-geral da República)

Aras chegou ao comando da PGR (Procuradoria Geral da República) em 2019 após ser escolhido por Bolsonaro, ele não fazia parte da lista tríplice eleita pela categoria. O procurador-geral depende do presidente para ser reconduzido ao cargo neste ano, quando acaba seu mandato. Nos últimos meses, ele tem apresentado manifestações favoráveis a Bolsonaro em outras ações no STF.

Até ontem, 12,4% dos brasileiros já haviam recebido duas doses das vacinas contra o novo coronavírus.

A ação da OAB foi apresentada em 19 de março, quando o Brasil enfrentava problemas na chegada de insumos para a produção de doses e uma inconstância no recebimento de imunizantes para aplicação.

Na época, ainda sob a gestão de Eduardo Pazuello na Saúde, o país contava apenas com a CoronaVac —rejeitada pelo governo federal no ano passado— e a vacina da AstraZeneca para aplicação. A partir da chegada de Marcelo Queiroga ao ministério, doses da Janssen e da Pfizer —imunizante que teve ofertas ignoradas pelo governo— tiveram suas entregas antecipadas.

A relatoria do caso é do ministro Ricardo Lewandowski. Não há prazo para que ele se manifeste sobre a questão.

UOL

Opinião dos leitores

    1. kkkkkkkkkkkkk é melhor se conformar quem foi condenado e é ladrão e seu chefe o nove dedos.

    2. Kkkkkk. E vcs gado véi achando bom Aras, um petista, acobertando o governo do MINTOmaníaco… Eh muito capim cloroquinado na dieta de vcs pra deixar esse povo tão cego e idólatra …

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: Com abastecimento insuficiente, moradores em condomínio na Zona Sul de Natal compram caminhões-pipa e apelam por providência da Caern

Fotos: Cedidas

Em contato com o Blog do BG, o síndico do condomínio Parque das Flores, no bairro de Capim Macio, próximo a Unifacex,  informa que os moradores estão há 15 dias com o abastecimento de água da CAERN insuficiente.

“Já compramos 3 caminhões com 10 mil litros cada. E a CAERN não tem previsão quando vão regularizar”, desabafou o síndico, em nome dos condôminos, em apelo por uma solução do órgão.

 

Opinião dos leitores

  1. Na cidade de Nova Cruz, inclusive no Bairro Alto de Santa Luzia passa a chegar 35 a 40 dias sem água nas torneiras. Uma vergonha e merecíamos também uma reportagem BG, pois é desumano absurdamente ficar sem água por mais de 1 mês e a conta sendo paga.

  2. Aconteceu o mesmo no conjunto dos professores e Village dos mares em Capim Macio esse final de semana. Fiquei 3 dias sem água.

  3. Já passou da hora de privatizar. Só serve para cabide de emprego de apadrinhados políticos.

    1. E salários fora da realidade só RN, os Diretores apadrinhados ganham igual a Executivos de Multinacionais.

    2. Quem mora em mossoro sabe o que é ter que comprar água frequentemente. Pois a caern não garante abastecimento. Moro em condomínio e sempre compramos. Essa e a realidade de vários bairros em mossoro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pazuello atribui responsabilidade por falta de oxigênio a empresa e à secretaria de Saúde do AM

Foto: Reprodução

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello disse à CPI da Covid nesta quinta-feira (20) que, na opinião dele, a responsabilidade pela falta de oxigênio hospitalar em Manaus foi da empresa fornecedora, White Martins, e da Secretaria de Saúde do estado.

“Então a empresa White Martins, que é a grande fornecedora, somada à produção da Carbox, que é uma empresa menor, já vinha consumindo sua reserva estratégica e não fez essa posição de uma forma clara desde inicio. Começa aí a primeira posição de responsabilidade”, afirmou o ex-ministro.

“O contraponto disso é o acompanhamento da Secretaria de Saúde, que se tivesse acompanhado de perto, teria descoberto que estava sendo consumido uma reserva estratégica. Vejo aí duas responsabilidades muito claras”, completou Pazuello.

O depoimento do ex-ministro, iniciado na quarta, foi retomado na manhã desta quinta. A primeira parte do depoimento foi marcada pela crítica de senadores ao que apontaram como contradições de Pazuello. O ex-ministro respondeu a questionamentos do relator, Renan Calheiros (MDB-AL) – que ocuparam a maior parte da sessão –, e de três parlamentares inscritos.

Manaus foi uma das capitais que mais sofreram na pandemia. No início da segunda onda, entre o fim em janeiro de 2021, a cidade registrou o colapso do sistema da sáude, com falta de oxigênio hospitalar e filas nas UTIs. As mortes por Covid dispararam, e o Ministério Público de Contas aponta pelo menos 31 mortes por falta de oxigênio hospitalar.

Pazuello disse que quando chegou junto com a equipe do Ministério da Saúde, no início da janeiro, começou a ter conhecimento do problema. Segundo ele, a pasta foi “proativa” a partir do momento que soube da falta de oxigênio.

“Até no momento que o Ministério da Saúde, o gabinete do ministro, com seus secretários chegaram a Manaus, e nós passamos a dividir ali naquele momento a compreensão do problema. No dia 10 a noite e no dia 11 começamos a agir acionando tudo o que tinha que acionar. Eu volto a dizer para o senhor, da nossa parte nós fomos muito proativos no momento em que tomamos conhecimento”, disse Pazuello.

G1

Opinião dos leitores

  1. O general deu mais um show, para desespero dos corruptos. Vários senadores nem pergunta fizeram e usaram seu tempo apenas para atacar o governo e o depoente. Uma vergonha.

  2. Ele está querendo, o tempo todo, blindar o governo federal. Retirando a culpa mais clara que pode existir. Não adianta agir assim, ele está mentindo o tempo inteiro!!!!Vergonha para nação, vergonha para o mundo inteiro. O mundo está assistindo essas aberrações indiscriminadas da pandemia no Brasil. A falta de compromisso com a população brasileira e daquele que votaram nesse mito. Que de mito não tem nada! Palo contrário, estou metorando, quando ele fala ou age. O Brasil, está entregue as melícias, a alta da inflação, aos coas social, com a pobreza crescente e o desmando do governo.

    1. O estado tinha dinheiro em caixa (e muito) pq não comprou o oxigênio? O MS é almoxarifado de estado?

    2. Deveri se chamar pau-de-sebo, o cabra escorrega de mais . Mente muito, supera Pantaleão.

    3. Treinou com afinco as respostas com Bozo e seu gabinete extra oficial.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PGR critica procedimento do STF e diz que não foi consultada sobre operação da PF contra Ricardo Salles, o que “pode violar o sistema constitucional acusatório”

Foto: Adriano Machado/Reuters

A operação da Polícia Federal contra o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, deflagrada nesta quarta-feira (19), foi realizada sem uma consulta prévia ao procurador-geral da República Augusto Aras, como é a praxe nos procedimentos do tipo. Em seu despacho que autorizou a operação, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que a Procuradoria-Geral da República (PGR) fosse informada do caso apenas após o cumprimento das diligências.

Ao autorizar a ação contra Salles, Moraes também ordenou a PF a fazer diligências contra outros servidores do Ministério do Meio Ambiente, e determinou o afastamento do presidente do Ibama, Eduardo Bim.

Nos bastidores, fontes ligadas à investigação apontam que a PGR não foi informada previamente por uma desconfiança de que Aras adiasse o andamento da apuração e vazasse informações da operação para o Palácio do Planalto. Os investigadores também viam riscos de que o procurador-geral atuasse contra a realização da operação. No fim do ano passado, a PGR havia pedido o arquivamento dessa investigação contra Salles, o que foi acolhido pelo ministro. Há algumas semanas, entretanto, a PF apresentou novas provas do caso, e o ministro Alexandre reabriu a investigação.

A decisão de não enviar previamente a operação para análise da PGR foi do próprio ministro Alexandre de Moraes. “Após o cumprimento das diligências, dê-se, imediata ciência à Procuradoria-Geral da República”, escreveu no despacho proferido no último dia 13 de maio.

Após tomar conhecimento da operação pela imprensa, a equipe de Aras divulgou uma nota com críticas ao procedimento adotado, sem citar nominalmente o ministro de Moraes. A PGR afirmou que “não foi instada a se manifestar sobre a medida, o que, em princípio, pode violar o sistema constitucional acusatório”.

Nos bastidores, o ministro Alexandre de Moraes minimizou as cobranças da PGR e vai responder nos autos caso Aras apresente alguma objeção.

Geralmente, quando a PF solicita uma medida ao Supremo, o ministro pede um parecer da PGR a respeito do pedido policial. Só depois desse parecer do Ministério Público é que a operação costuma ser realizada. A mudança desse procedimento causou estranheza em integrantes da equipe de Aras.

Com O Globo

Opinião dos leitores

  1. Um PGR que se prostitui em funçao de uma indicaçao ao STF nao merece UM pingo de credibilidade. Consultar o PGR seria o mesmo que consultar Bolsonaro quanto a medida.

    1. O delegado da PF já havia apresentado denúncia contra o ministro sales e o procurador fez o que quando o bolsonaro demitiu o delegado? Nada. Fez o que com a denúncia do delegado? Nada. Agora vem dar uma de advogado.

  2. Quem questiona é a PGR ou AGU? Hoje parecem uma coisa sò. É preciso mudar a maneira de escolha do supremo. Senão dá essa confusão de atribuições.

    1. Acho que o carlos bolsonaro faria um papelão melhor que esse passa pano.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Desativado, prédio do Itorn vira espaço varrido por arrombamentos e vítima de descaso do Estado, com falta de manutenção e pagamentos

Foto: Reprodução

Uma perícia judicial relata a situação de degradação que o Estado deixou o Hospital Itorn, em Natal. O prédio, desativado em um sábado de carnaval neste ano, teve a segurança retirada do local, gerando, a partir de então, uma sucessão de invasões de criminosos, que resultou em roubo de fiações de água e energia, instalações de oxigênio, e todo o restante que tinha de aproveitável. O descaso ainda revela um imbróglio que vai da situação contratual a pagamentos.

Antes dos detalhes, vale ressaltar que depois da desativação Itorn, o Município se interessou no espaço para transformá-lo em Hospital de Campanha, mas ao visitar o local, desistiu de imediato diante do cenário de destruição e abandono. A partir de então, o prédio, que era alugado pelo Estado, e tinha uma obrigação contratual de toda uma manutenção – ( o que não ocorreu) – passou de um espaço que poderia ser aproveitado para projetos pontuais, para um campo minado.

Não bastasse a falta de zelo pelo local, responsáveis pelo prédio contam que o local não estava com seu pagamento de aluguel em dia, com um saldo devedor de R$ 5,8 milhões.

Imbróglio

Em meio a situação da desativação, os donos do espaço contam que participaram de reuniões com o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia, com a procuradoria-geral do Estado, além do departamento jurídico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), na busca por uma solução da entrega do prédio após as últimas ações criminosas de invasão. O apelo parecia que daria resultados.  Mais à frente, na visita ao local, o procurador-geral e o departamento jurídico da Sesap teriam saído com a promessa que fariam de tudo para pagar. Posteriormente, contam os responsáveis pelo prédio, foi feito um parecer para a Justiça Federal, em que existia um bloqueio de R$ 2,6 milhões, informando que não iriam se opor ao pagamento.

Contudo, os interessados foram surpreendidos, através de contato com a secretaria.  Tomaram conhecimento, que de uma hora para outra, o Governo não autorizou que o pagamento fosse efetuado.

Abaixo, trecho de laudo cujo conteúdo original somam 86 páginas:

Fotos: Reprodução

Opinião dos leitores

  1. Esse é o governo bom e responsável? Inicialmente a desativação do Ruy Pereira foi um descaso com a saúde do estado. Alegando falta de condições na estrutura fisica, entregaram o prédio, ótimo, só esqueceram de dizer que 90 % dos hospitais do estado, estão nas mesmíssimas condições, por fim, a carência de leitos é gritante, haja vista a constante demanda reprimida de leitos no Clóvis sarilho, depois, a falta de cuidado com a linha de atenção a diabeticos com lesões vasculares associadas. Governinho malvado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Lamentável. É pra morrer tudinho. Eu não gosto de vagabundo não”, diz senador Styvenson Valentim sobre presos no RN sem mortes por covid

Em entrevista à 96 FM nesta quinta-feira(06), o senador Styvenson Valentim (PODEMOS-RN) lamentou o fato de não haver mortes de detentos por covid-19 no sistema penitenciário do Rio Grande do Norte, em ironia ao fato de o medicamento ivermectina ter sido apontado por diretor prisional como responsável por garantir que nenhum preso morresse de covid-19 em Alcaçuz.  “Infelizmente”, disse.

“Pois é, é lamentável, né? É pra morrer tudinho. Eu não gosto de vagabundo não. Eu não gosto de ladrão, não gosto de vagabundo. Eu vou dizer que gosto? Vou mentir aqui pra agradar família de vagabundo?”, disse o senador.

Afirmou ainda que “vagabundo” tem que ser “pendurado”. “Só que gosta é a família dele”, afirmou na 96 fm.

 

Opinião dos leitores

  1. Interessante não é nobre Senador. O Sr. Não acha que para uma situação que temos hoje no Pais não seria mais produtivo de sua parte, ajudar a resgatar a verdade sobre a Ivermectina. Há não pode fica mais facil usar um discurso fácil. Esse todos nós na sua grande maioria ja o conhecemos e concordamos. Seja mais produtivo nesse sentido. Essa é a grande oportunidade. Lute pela convocação dos defensores do tratamento precoce. No seu estado temos diversos verdadeiros Guerreros a quem eu homenagio na figura da Dra. ROBERTA. Sei que você vai dizer que minha opinião não imoorta. Tudo bem o Sr. Já esta com seus 8 anos de mandato garantido. Mas saiba que nada é para sempre e semore somos cobrados pelas ações e também pelas omissões. Quem viver verá.

  2. Olha, vocês quer ver essas pessoas mortas?
    Será que é isso que queremos para nós, sangue nas mãos?

  3. Vale pra todo mundo, senador?
    Ou seus colegas de Senado, envolvidos em falcatruas, ficariam de fora?????

  4. BG, lamentável é você perder um filho com uma bala no peito disparado por um assaltante, a voz do Senador representa todo cidadão de bem, Parabéns Senador.

  5. PARECE UMA MENTIRA! NÃO TER MORRIDO NINGUÉM NO PRESÍDIO DE ALCAÇUZ. e essa guerra sobre tratamento precoce? já disseram que a ivermectina não é eficaz! eu não desejo a morte dos presos. agora botar pra trabalhar é uma idéia necessária.

  6. O senador deveria elaborar um projeto de lei para desarmar o povo Brasileiro! Toda violência praticamente reside no poder das armas de fogo! Sem armas não existiria violência! Pena máxima, prisão sem fiança, regime fechado, sem prescrição, sem progressão pra quem portar armas de fogo! Vamos enfraquecer o NARCOTRÁFICO!

  7. O que há de sensato nesse comentário? Um sistema penal que recentemente liberou da prisão um cara que estava a 15 anos preso sem ter cometido crime algum, um sistema que defende apenas quem tem recursos para pagar bons advogados e abandona o restante? Esse sujeito é a cara desse governo que protege muito bem, apenas os seus.

  8. Rapaz, goste ou não goste ele não falou um pingo de mentira! Foi muito correto na resposta! Quem gosta de vagabundo e alisa, é a família! Tenho princípios sociais que aqui nos comentários é esquerdopata ou comunista, mas sou a favor de privatizar muitas coisas sim, e sou mais a favor ainda, de revisar o código penal e o código de processo penal, no Brasil já passou da hora de haver prisão pérpetua, já disse sou contra pena de morte, o Estado não pode virar assassino a bel prazer! Vida é sagrada! No confronto não, tá armado é bala no vagabundo!

  9. Muito bem senador, falou a verdade, tô com você e não abro. Bandido não pode ter vida boa paga com os nossos impostos.

  10. Nem todos que estão lá são ladrões. Basta atrasar uma pensão alimentícia pra ser preso. Ou matar um bandido.
    Converter esses infelizes ao evangelho, esse senador fascista não quer!

    1. Muito bem colocado, não adianta generalizar os presos. Alguns são por simples delitos ou necessidades da vida.

  11. Errado ele não está, mas querem polemizar a sensata declaraçao dele. Tudo hj em dia vira mimimi, ta uma merda essa convivencia.

  12. Não tem nada de lamentável, ele falou o que a maioria da população acha, vamos deixar de hipocrisia. Bandido é bandido tem que ser tratado como tal, por isso que o bandido aqui no Brasil está sem controle por causas desse politicamente correto, o bandido mais bandido do mundo é o do Brasil.

    1. Bandido só é bandido aqui no Brasil,quando é pobre.
      Não conheço nenhum bandido rico na cadeia.

  13. Na minha opinião ele foi realista. Quero saber quem gosta de ser roubado e deseja que o ladrão vá dormir em colchão de pena de ganso! Isso é hipocrisia!BG

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

CPI da Covid: Teich diz que saiu do governo por falta de autonomia

FOTO: TV SENADO/ REPRODUÇÃO

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou em sua fala inicial nesta quarta-feira (5), na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, que deixou o governo ao perceber que não teria autonomia no cargo.

Ele declarou que foi pressionado a estender a utilização do medicamento cloroquina a pacientes com casos leves e moderados de covid-19. “MInha convicção pessoal era de que não havia evidência para liberá-lo, mas havia uma visão diferente por parte do presidente [Jair Bolsonaro].”

Ele afirmou que não autorizou nem a fabricação nem a distribuição da cloroquina.

Teich disse ainda que a rapidez da propagação do vírus levou o sistema de saúde brasileiro ao estresse máximo, o que, em sua visão, explica em parte o caos que se abateu no país durante a pandemia de covid-19.

O ex-titular da pasta afirmou que entre suas ações durante os 29 dias que ocupou o cargo de minsitro trouxe ao país o estudo da vacina de Oxford e iniciou abordagens com a empresa Moderna, outra fabricante de imunizante.

Ele foi o segundo a ocupar a pasta no governo do presidente Jair Bolsonaro, em substituição a Luiz Henrique Mandetta, que prestou depoimento na terça-feira (4).

Teich assumiu em abril de 2020.

Em seu depoimento, Mandetta, que entrou em atrito com o presidente no início da pandemia do novo coronavírus, ficou mais de sete horas respondendo perguntas dos senadores. O atraso adiou a participação de Teich, marcada inicialmente para as 14h de ontem.

R7

Opinião dos leitores

  1. Ele agiu corretamente, conforme suas convicções e possibilidades, já que não dependia do emprego. Foi “homem”. O presidente eleito foi Bolsonaro, escolhido pelo povo junto com suas propostas. Quem discordar dele saia do governo ou nem chegue a entrar. Coerência é o nome disso.

    1. Teu comentário começou bom, mas terminou como sempre. INCOERENTE.

      Nada com nada.

      Só para te lembrar: O Brasil não é de Bolsonaro e ninguém está acima da lei.

      Taokei ?

  2. Só sai da cadeira se for pela canalhice daqueles que não tem moral nenhuma de julgar , quero ver é ele sair no voto, com a vontade do povo , assim eu queria ver, DUVIDEODÓ.

  3. Quem teve o voto popular foi o presidente o escrutínio é dele não é de ministro! Ou reza na cartilha de quem foi escolhido pelo povo ou pega o banquinho e sai de fininho!

    1. Ninguém está acima da lei. Mais cedo ou, tarde seu querido presidente responderá por sua incompetência administrativa.

    2. É mesmo!! Então quer dizer que se o presidente eleito mandar o ministro da saúde prescrever bosta, ele tem que cumprir a ordem é.

    3. Muito técnica essa escolha. Nada de política ou ideologia, né amigo? Nota-se que você não vive sem um demagogo pra chamar de seu. Só Jesus nessa causa mesmo

  4. É fumo, Bolsonaro… Quisesse tanto a cloroquina que é por ela que vc vai entrar pelo cano. Chega a ser poético!

  5. Aqui é fácil de entender

    Acho que o pão com mortadela e o minion vão concordar.

    A falta de autonomia era evidente, então fica difícil tomar decisões.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Por falta de doses, Mossoró e Parnamirim suspendem aplicação da Coronavac; vacinação continua com o imunizante Astrazeneca/Oxford

A segunda e terceira maiores cidades do Rio Grande do Norte, Mossoró e Parnamirim, suspenderam a aplicação da vacina Coronavac por falta de doses.

Os dois municípios na região Oeste e na Grande Natal aguardam a chegada de novas doses, ainda sem previsão, para retomar a imunização com a Coronavac.

A vacinação, no entanto, continua com o imunizante Astrazeneca/Oxford.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Gonçalo do Amarante suspende vacinação contra a Covid-19 por falta de doses e aguarda novo lote para retomada

O portal G1-RN noticia que a  Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, suspendeu a vacinação contra a Covid-19 – para primeira e segunda doses – por falta de imunizantes. Para esta quinta (29), o município tem ainda 289 doses de Astrazeneca que será destinada a um público específico de trabalhadores da saúde, população indígena e idosos da zona rural.

Já para a população em geral, de acordo com o secretário de Saúde do município, Jalmir Simões, a imunização será retomada assim que chegarem novas vacinas. O município estava vacinando idosos com 60 anos ou mais.

Opinião dos leitores

  1. Olha só! o município que tanto divulgava o avanço da vacinação… que já era exemplo, devia ter tido a sensibilidade de saber que isso ia acontecer, até porque já vinha acontecendo em todo o país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Por falta de vacinas, aplicação da segunda dose da coronavac é suspensa em Natal

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal confirmou que as doses de Coronavac para a segunda aplicação acabaram na capital potiguar, e quem se dirigiu aos postos de vacinação nesta segunda-feira(12) para tomar a segunda dose ficou sem a vacina. Quando o estoque for restabelecido, a SMS Natal informará a população.

VEJA MAIS: Butantan entrega 1,5 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde nesta segunda

Leitores do Blog também relataram o problema. Enquanto filas se formaram nas unidades de saúde da capital nesta segunda-feira (12), acabou vacinado apenas o público prioritário da primeira dose, e da segunda dose da Astrazeneca.

A vacinação contra COVID-19 continua para aplicação da primeira dose para os idosos de 63 anos+ e para a segunda dose com imunizante da Oxford.

Opinião dos leitores

  1. Como pode isso ser verdade se 4 dias atrás tínhamos 300 mil doses estocadas??????? Dia 8 de abril tínhamos recebido 754 mil doses e apenas 457 mil aplicadas.

  2. Vcs sem conhecimento e com pouca análise da situação, ficam conversando besteira. Não existe um culpado só, seja lá quer for, existem muitos culpados, do presidente a ministros, governadores, prefeitos, otarios que ficam puxando a corda politica e a população irresponsável. Como por a culpa só em um? Até o fique em casa de Mandetta foi catastrófico, a demora da ANVISA, os governadores que em vez de unir, preferiram criar fatos pata desgastar o presidente, não construíram leitos suficientes, fecharam serviços, o negacionista da doença enquanto pandemia, a politização da questão é ações mal explicadas de muitos. A população com festas e baladas, o STF, tem muita gente na reta.

  3. Vixe! E agora? Será que a governadora bokus tá escondendo vacina ou simplesmente o presidente inepto não comprou vacinas tempestivamente e agora tá acabando? Qual a narrativa do grupin do zap?

  4. Dia 14/04, quarta-feira, é o dia marcado pela equipe de saúde para minha segunda dose. Quem governa o Estado, devia estar com as vacinas nos postos para serem aplicadas e não prestar uma informação desse tipo , deixando as pessoas inseguras.

    1. A culpa é totalmente do Min. da Saúde pela falta da vacina no RN. O próprio Ministério mandou aplicar todo o estoque reservado para a segunda dose

  5. Impressiona ver o jogo político acima do respeito a vida. Estou criticando?
    Lançam o comunicado e não informam os números de vacinas o RN recebeu e quantas foram aplicadas. Se a ação é tomada, justifique com números, fundamente para afastar a certeza da má gestão. Então vamos facilitar, quantas vacinas o RN recebeu e quantas foram aplicadas?
    O RN é o penúltimo estado em número de vacinas aplicadas, na PB já estão disponibilizando vacina para quem tem 59 anos. No nordeste até SE e AL estão a frente do RN, assim como estados muito maiores, PE e CE.
    Onde estão os órgãos que deveriam fiscalizar e cobrar ações e providências do governo do estado? Cadê a classe política do RN que está totalmente omissa em toda pandemia?
    Onde fica o respeito a vida dos eleitores? Tudo se resume a briga política?

  6. Vixe, será que a Governadora passou também o cadeado nas vacinas?
    Que falta de competência e humanidade dessa governadora ingrata, prepotente, arrogante e soberba.

    1. Sabe ler? Secretaria Municipal de Saúde. Se o presidente tivesse comprado lá em julho do ano passado as 70 milhões de doses da Pfizer, talvez não estaríamos passando por isso.

    2. Sim, Potiguar. As vacinas vem para o Estado e o Estado distribui para as Secretarias municipais. Você é tolo ou se faz?

    3. O ministério da saúde mandou aplicar todas as doses sem reserva da segunda dose. Ou seja ta mais perdido que cego em tiroteio

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PDT pede interdição de Bolsonaro por falta de ‘capacidade mental’ para seguir como presidente

Foto: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

O PDT protocolou nesta segunda, 8, junto à Procuradoria-Geral da República, um pedido de interdição do presidente Jair Bolsonaro. O partido alega que, durante a pandemia da covid-19, o chefe do Executivo age “na contramão dos atos que uma pessoa em plena saúde mental agiria” e que, portanto, não teria capacidade mental para continuar no cargo.

“(Bolsonaro) tem a finalidade deliberada de causar danos à população brasileira, conduzindo o país ao abismo com as suas condutas negacionistas e obscurantistas em detrimento da ciência”, diz o documento assinado pelo presidente da sigla, Carlos Lupi, e pelo ex-ministro Ciro Gomes.

Comentários de Bolsonaro sobre a vacina e sobre medidas de isolamento social foram usados como argumento para defender a hipótese de que Bolsonaro não tem o discernimento necessário, “nem tampouco capacidades mentais plenas” para seguir como presidente: “(Bolsonaro) continua a incitar a população a voltar à normalidade, a não utilizar máscara e a não seguir as orientações das autoridades sanitárias; (…) diminuiu a importância da vacina; (…) tem apresentado resistência quanto à implementação da política de vacinação.

“Bolsonaro coloca a população brasileira em risco. Já são mais de 260 mil mortes pela Covid e ele segue agindo contra todas as ações de saúde e proteção”, diz Ciro.

O processo de interdição está previsto na seção IX do Código de Processo Civil. Pela lei, a interdição pode ser promovida pelo Ministério Público em caso de doença mental grave. Se acatado, o processo de interdição inclui uma entrevista minuciosa feita por um juiz, que emite parecer sobre a capacidade do possível interditado de praticar atos da vida civil. O juiz pode ouvir pessoas próximas e parentes enquanto é realizada a produção de prova pericial. Só então há uma sentença. A lei não especifica o processo caso a interdição tenha como alvo a autoridade máxima do País.

Juristas ouvidos pelo Estadão acham difícil que a ação do PDT avance. “É remota a possibilidade de êxito da representação do PDT em razão do fato político que está em jogo”, diz o advogado criminalista e constitucionalista Adib Abdouni. “Mas, diante dos evidentes indícios da incapacidade do presidente da República para a prática dos atos da vida civil, o procurador-geral da República tem competência constitucional para propor perante o Supremo Tribunal Federal uma ação judicial objetivando interditar Jair Bolsonaro.”

A ação também tem um percalço de ordem política, na análise da advogada constitucionalista Vera Chemin. “Um processo de interdição não é tão simples quanto pode parecer. Do ponto de vista político, a PGR dificilmente requererá aquela interdição. Quanto à possibilidade legal de iniciar um processo dessa natureza, até pode ser aventado ‘remotamente’, sob o manto da lei nº 8112/1990 (sobre o regime jurídico dos servidores públicos), pois o presidente da República é considerado um agente público e, nesse caso, pode ser enquadrado naquela legislação, tendo como consequência a aposentadoria por invalidez permanente em decorrência de doença grave”.

Em setembro de 2019, uma ação popular enviada à Justiça Federal do Distrito Federal pedia a interdição de Bolsonaro por falas sobre pessoas de região Nordeste, homossexuais e pelo “apoio à ‘revolução’ de 1964”, entre outros temas, mas o pedido foi indeferido.

O pedido do PDT à PGR cita episódios como o de uma viagem a Uberlância em que o presidente afirmou, sobre vacinas: “Tem idiota nas redes sociais, na imprensa, (falando) ‘vai comprar vacina’. Só se for na cada da tua mãe”. Também é citada a frase “Chega de frescura, de mimimi”, utilizada por Bolsonaro para se referir aos protocolos de isolamento social.

“Eu acho que ele é louco e precisa ser interditado antes que mais brasileiros morram por sua loucura”, disse Lupi. “A ação é um caminho constitucional e esperamos que, sendo aceita, vá a julgamento pelo Supremo”. O presidente municipal do PDT em São Paulo, Antônio Neto, acrescentou: “Não é possível que esse cidadão, responsável pela morte de milhares de brasileiros, que incentiva aglomeração em meio à pandemia, combate toda e qualquer proteção da sociedade, que combate a vacinação, bata bem da cachola. É louco e precisa ser interditado.”

Reale Junior já falou em interdição

Um dos autores do pedido de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff, o jurista Miguel Reale Júnior falou em março de 2020 em uma possível interdição contra Bolsonaro. Ele defendeu que o Ministério Público pedisse que o presidente fosse submetido a uma junta médica para saber se ele teria sanidade mental para o exercício do cargo. “O Ministério Público pode requerer um exame de sanidade mental para o exercício da profissão”, disse em entrevista ao Estadão. Dias antes, Bolsonaro participara de uma manifestação contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) em Brasília. “Bolsonaro também está sujeito a medidas administrativas e eventualmente criminais. Assumir o risco de expor pessoas a contágio é crime.”

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Ehhehehehe!
    Quero saber pra onde vai coroné Ciro com essa do Fachim.
    A esquerda não tem votos pra eleger um candidato vai eleger dois…
    Ciro vai pra Bolsonaro ou pra Moro?
    Pra Lula, se honrar a palavra, ja disse que nunca mais faz campanha junto com o PT, tem uma mágoa grande do Lula porque lula apoiou andrade.
    Kkkkkkkkkkkkkk
    Uma coisa é certa, não será se quer candidato nesse atual cenário se tudo se confirmar como candidatos os três que aparece melhor colocados nas pesquisas, Bolsonaro, Moro e Lula **doria, hulk da globo lixo e mandeta nem falo, três sem votos.
    Vamos aguarda BG.

  2. ESSE PTD É MAIS UMA FACÇÃO CRIMINOSA, SÃO LADRÕES DA MESMA QUADRILHA DO PT. O ROUBOU ACABOU ESSES ESQUERDOPATAS CAVIAR. NÃO TEM MAIS ONDE MAMAR. BOLSONARO 2022.

  3. Bg ,se eu fosse você ,eu tinha era vergonha de publicar uma matéria dessa ,eles estão desesperado , não sabem mais o que fazer !!!

  4. Esse fdp do PR JB está me traindo. Eu usei meu voto com arma e ele como a única bala pra exterminar essa babaquice. Tá esperando o q.PR pra dar um basta.

  5. Jacaré ? está lelé , pode acreditar , PIXU Nsk é psicólogo mas PIXU é um estudioso da mente humana . Os sinais de alterações são patognomônicos ( Gadolândia : há para o dicionário) , PIXU fala difícil .

  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Os adoradores de corruptos como zedogado e pixuleco tendo 01 dia de alegria.
    Aguarde o que vem por aí. Do povo nenhum político escapa, principalmente os corruptos.
    Estão puxando demais a corda, vai arrebentar.

  7. Era só o que faltava kkk. Quanta apelação por poder, meu Deus do céu!
    Será que não tem outra coisa pra inventar? PQP kkkk
    Isso é uma vergonha kkkk

    1. Procuram corrupção, não acham, aí haja apelação. E o pior, ocupando a justiça com coisas sem lógica. Esse negócio tinha que ser revertido, quando não tivesse fundamento. Aí essa brincadeirinha de tá entrando com ação com toda merda, acabava. Os caras tão de sacanagem.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

ESCASSEZ GLOBAL: Maior fabricante de vacinas alerta para falta de matérias-primas

Foto: Gareth Fuller/Pool via AP

O CEO da maior fabricante de vacinas do mundo e a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram que há escassez global da matérias-primas para produzir imunizantes contra o coronavírus.

Adar Poonawalla, diretor-presidente do Serum Institute of India – que está licenciado para produzir centenas de milhões de vacinas contra a covid-19 da AstraZeneca e Novavax – disse a um painel do Banco Mundial na quinta-feira que uma lei dos Estados Unidos que bloqueia a exportação de certos itens importantes, como bolsas e filtros, pode causar sérios gargalos. Soumya Swaminathan, da OMS, acrescentou que faltam frascos, vidros, plásticos e tampas usadas por essas empresas.

“A vacina da Novavax, da qual somos um grande fabricante, precisa desses itens dos Estados Unidos”, disse Poonawalla. “Se estamos falando sobre aumentar capacidade no mundo todo, o compartilhamento dessas matérias-primas fundamentais vai se tornar um fator limitante crítico, ninguém conseguiu abordar isso até agora.”

O governo Biden anunciou planos de usar a Lei de Produção de Defesa para aumentar os suprimentos necessários para a fabricação de vacinas da Pfizer. Em 2020, a Pfizer reduziu as metas de produção depois que a farmacêutica americana enfrentou dificuldades para garantir todas as matérias-primas de que precisava para produzir vacinas em grande escala.

“Isso é algo que precisaria de alguma discussão com o governo Biden para explicar a eles que há suficiente para todos”, disse Poonawalla. “Estamos falando sobre ter acesso global gratuito a vacinas, mas, se não conseguirmos as matérias-primas dos EUA, isso será um sério fator limitante.”

Mesmo sob condições ideais, vacinar 7,8 bilhões de pessoas testaria a delicada coreografia das cadeias de suprimento globais de maneiras nunca vistas em tempos de paz. Isso porque a produção de uma vacina depende de uma complexa cadeia de valor global de matérias-primas e componentes.

“Há escassez de matérias-primas, de produtos necessários para a fabricação de vacinas”, disse Swaminathan. “É aqui que, mais uma vez, precisamos de um acordo global e coordenação para não proibir as exportações.”

Ela disse que os parceiros de vacinas da OMS, a Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas e a Rede de Fabricantes de Vacinas dos Países em Desenvolvimento realizarão reuniões na segunda e terça-feira da próxima semana para discutir essas questões.

Apesar das advertências de Poonawalla, ele disse que o Serum distribuiu nos últimos dois meses 90 milhões de doses da vacina da AstraZeneca para 51 países depois que recebeu autorização emergencial dos reguladores indianos no início de janeiro, um ritmo recorde para a empresa.

Valor

Opinião dos leitores

  1. Mistura com cloroquina, no depósito de Bolsonaro tem umas 50 toneladas que ele comprou e, exceto o alguns exemplares do gado, ninguém quiz tomar

  2. $ó $e fala em vacina$.
    E o tratamento precoce com remédios baratos defendido por vários médicos inclusive pela maior autoridade desse país??
    Ninguém da ouvidos, e o fumo só entrando.
    Era custo governadores e prefeitos no Brasil todo sentar e discutir com os medicos?
    Tinha que ser implementado uma coisa dessas pro bem do povo.
    Mas não, fazem loby pros laboratórios mult milionários.
    Esses políticos são uma vergonha.

  3. Na loucura do mundo por essa vacina, eles irão perder oportunidade pra ganhar mais dinheiro, isso são uns fdp, acoloiados com a china. Taí a China, causadora e dessieminadora dessa pandemia no mundo, totalmente incólume. O mundo que se f**, é isso que eles desejam.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

FOTO: Moradores denunciam falta de manutenção das piscinas do clube da Telemar, na avenida Amintas Barros, e temem por pragas

Foto: Cedida

Os moradores do bairro de Nossa Senhora de Nazaré, na capital potiguar, queixam-se do abandono das piscinas do clube da Telemar, situado na avenida Amintas Barros.

Segundo os denunciantes, desde o mês de dezembro, as piscinas não são tratadas, apresentando coloração verde escura. O temor pela proliferação de pragas durante o pedido da pandemia é a principal preocupação dos moradores locais.

 

Opinião dos leitores

  1. Kd o poder público pra notificar e gerar receita com multas. Nossos órgãos públicos deixam de arrecada muito com os que desobedecem as regras

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Prefeito do Rio diz que vai suspender vacinação contra a Covid-19 na quarta-feira por falta de doses

Foto: Reprodução/ TV Globo

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), anunciou por meio de uma postagem em suas redes sociais que a cidade terá que interromper a campanha de vacinação contra a Covid-19 na quarta-feira (17) por falta de doses do imunizante.

“Recebi a notícia de que não chegaram novas doses. Teremos que interromper amanhã a nossa campanha. Hoje vacinamos pessoas de 84 anos e amanhã de 83. Estamos prontos e já vacinamos 244.852. Só precisamos que a vacina chegue. Nova leva deve chegar do Butantan na próxima semana”, afirmou Eduardo Paes.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, o calendário retorna na próxima segunda, dia 22 de fevereiro, quando a cidade deve receber mais doses da Coronavac do Instituto Butantan.

“Infelizmente, a gente vai ter que interromper o calendário, voltar para o calendário original, porque a gente antecipou uma semana o calendário no Rio”, disse Soranz.

O calendário de vacinação contra a Covid-19 havia sido antecipado no dia 2 de fevereiro. A previsão era que todos os idosos com idade até 75 anos fossem vacinados até o fim de fevereiro.

O plano segue sendo vacinar todos os idosos com mais de 60 anos até o fim de março, disse o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

“Quem tem 82 anos tem que procurar os postos na semana que vem, voltando ao calendário original”, afirmou o secretário.

A Prefeitura do Rio de Janeiro ainda vai avisar como ficará o novo calendário, a partir da chegada de mais doses. Em entrevista à GloboNews, Eduardo Paes disse que a prioridade segue sendo vacinar os grupos mais vulneráveis à Covid.

“Havia a expectativa de chegada de mais doses, isso não aconteceu, quando o secretário de Saúde informou isso pela manhã eu já fiz a comunicação de que teríamos que suspender na quarta-feira. E há uma expectativa de entrega de doses por parte do Butantan na semana que vem. Assim que as doses chegarem a gente retoma. A gente quer acelerar isso”, afirmou Paes.

Segunda dose

A segunda dose a ser aplicada nos profissionais de saúde e idosos abrigados está garantida, segundo Soranz.

“A segunda dose está reservada, a gente já começa na segunda-feira a aplicar a segunda dose em alguns institutos de longa permanência de idosos. Profissionais de saúde que tomaram a primeira dose no dia 20 de janeiro, também terão a aplicação desta dose amanhã, 16 de fevereiro. Vamos aproveitar o feriado de carnaval para poder aplicar a dose”, informou o secretário.

Suspensão em outros lugares do Brasil

A vacinação também foi interrompida em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, no domingo (14). A informação foi publicada nas redes sociais da prefeitura do município.

Segundo o poder municipal, o quantitativo para aplicação das primeiras doses em idosos teria acabado. A secretaria disse ainda que aguarda um novo repasse do Ministério da Saúde para que a vacinação volte a acontecer.

G1

Opinião dos leitores

    1. É fácil governar uma cidade assim. Ele espera que tudo caia do céu.
      Corra atrás, faça convênios, compre vacinas, negocie com o Estado o remanejamento de estoques (as chamadas xepas das vacinas).

    2. Realmente! Ele, Crivela, Flávio Bolsonaro… Todos deveriam estar presos!

    3. Porque titia? Acabou a vacina. Quem deveria ter comprado preferiu se preocupar com coisas mais importantes, como liberação de armas, ofensas à países estrangeiros e guerrinha pela reeleição. Sim, foi o Bozo, o infeliz que nos trouxe a essa situação Esse sim ira pra cadeia em brevê.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *