FGTS: mais de 11 milhões de pessoas sacarão valores menores ou nada por falta de depósitos; saiba o que fazer se a empresa não depositar

A liberação de novas condições de saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS) acendeu o sinal de alerta para muitos trabalhadores sobre a regularidade dos depósitos feitos pelas empresas. De acordo com a Procuradoria-Geral da Receita Nacional, 11,2 milhões de trabalhadores em todo o país sacarão valores menores do que os devidos ou nenhum dinheiro. O déficit atinge 11,6% do total de 96 milhões trabalhadores beneficiados pelos novos saques do Fundo de Garantia.

A irregularidade poderá reduzir o saldo para os valores a serem retirados no saque emergencial , de até R$ 500 por conta vinculada, e o saque- aniversário, retirada anual de parte dos recursos a partir de abril de 2020, cuja opção impedirá o saque do saldo total, em caso de demissão sem justa causa (mantendo apenas a retirada da multa rescisória de 40% paga pelo empregador).

O atraso nas contribuições também impacta no rendimento do FGTS e na distribuição dos lucros aos trabalhadores.

Somente no Estado do Rio

No Estado do Rio , 28.881 empresas apresentam débitos, afetando 1,1 milhão de trabalhadores, o que corresponde a 12,8% do total de prejudicados em todo o país. A dívida chega a cerca de R$ 4,8 bilhões. Somente os 20 maiores devedores do Rio deixaram de depositar de R$ 824 milhões.

De acordo com a Procuradoria-Geral da Receita Nacional, entre os maiores devedores estão: a Varig, a Vasp, a Universidade Gama Filho, a TV Manchete e os Correios. A relação das empresas em dívida com FGTS pode ser consultada pelo site da procuradoria .

A Procuradoria-Geral da Receita Nacional é responsável pela inscrição em Dívida Ativa dos débitos para com Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e pela cobrança por meio de representações judicial e extrajudicial. Mas o percurso para o trabalhador reaver esses recursos pode se transformar em uma batalha judicial. Um dos grandes problemas é que muitas empresas já faliram.

Segundo dados do órgão, pelo menos 331 devedores que somam R$ 1,05 bilhão em atrasos atravessam processos de recuperação judicial. Outras 401 empresas em débito com as contribuições de R$ 2,7 bilhões do FGTS já decretaram falência.

Saiba como acompanhar seu saldo

Todos os empregadores são obrigados a depositar um valor correspondente a 8% do salário pago a cada trabalhador até o dia 7 de cada mês.

As empresas são obrigadas a comunicar mensalmente aos colaboradores os valores recolhidos de FGTS. Além disso, há canais para o trabalhador monitorar essa movimentação.

Uma opção é o serviço de mensagem de texto oferecido pela Caixa Econômica Federal (CEF), gestora do Fundo. O extrato pode ser obtido em qualquer agência da Caixa. O empregado também pode receber o extrato do FGTS via Correios, a cada dois meses.

Ainda é possível instalar o aplicativo FGTS no celular, disponível para Android, iOS e Windows Phone, e consultar os depósitos a qualquer momento.

Outra alternativa é acompanhar extrato da conta de FGTS nas agências da Caixa. Para isso, é preciso apresentar a carteira de trabalho com o número do PIS.

— O que não é depositado, o governo tenta cobrar. Mas se não consegue, é um problema do trabalhador, que, muitas vezes, só recebe por meio de uma ação trabalhista, e somente sobre os últimos cinco anos, pois em novembro de 2014 o Supremo Tribunal Federal (STF) reduziu a prescrição de 30 para 5 anos — explica Mário Avelino, presidente Instituto Fundo de Garantia do Trabalhador, que lançou um aplicativo (Extrato do Fundo de Garantia Não Depositado), para permitir controlar os depósitos não realizados pelas empresas.

A plataforma apresenta o saldo atualizado mensalmente com juros e correção monetária, o crédito da distribuição de lucro devido sobre esses depósitos e o valor da multa de 40% ou 20% em caso de demissão sem justa causa ou por acordo.

O que fazer se a empresa não depositou o FGTS

Se, no momento da consulta de saldo disponível ou do saque, o trabalhador verificar que o empregador não fez os repasses, a primeira providência é entrar em contato com a empresa e tentar um acordo. Caso não haja regularização, o funcionário pode denunciar a empresa nas Superintendências Regionais do Trabalho.

Nos casos em que a empresa não existe mais, o trabalhador pode ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho.

Para formalizar a denúncia, o beneficiário deve apresentar o extrato da conta vinculada que comprove a ausência de depósitos. A fiscalização do Trabalho poderá notificar a empresa e determinar que esta efetue os depósitos. A fonte de informações, reclamações ou denúncias não são reveladas pela auditoria fiscal do Trabalho.

O Globo

 

Maioria dos potiguares apontam falta de segurança como o maior problema do Estado

Na parte administrativa da pesquisa Consult/Fiern, os entrevistados apontaram como os maiores problemas do Rio Grande do Norte a “Segurança/Violência/Falta de Policiamento” (39,8%), “Saúde/Greve na Saúde/ Falta Remédios e Médicos” (20,5%), “Água” (10,8%) e “Desemprego” (8,4%).

Já no âmbito do projeto de desenvolvimento MAIS RN, da Federação das Indústrias, a pesquisa quis saber quais as iniciativas mais importantes a serem trabalhadas pelo setor público. “Água no Sertão”, com 71,8% lidera a preferência. Em seguida vem “Melhoria da Qualidade do Ensino Público de Nível Médio”, com 55,5%; “Melhoria na Rede de Transportes”, 12,2%, “Nova Política Industrial”, 7,8%, e “Desburocratização”, 5,2%

Gasolina começa a faltar em postos de Natal; no interior, situação já é mais delicada

ÍndiceO Blog recebeu a informação na manhã desta quarta-feira(8), que mais de 20 postos de gasolina estão sem o fornecimento do combustível na capital potiguar. Os donos de um maior poder aquisitivo e que possuem carretas estão enviando seus veículos de carga para abastecimento  na Paraíba. Informações dão conta que no interior a situação já é grave.

Veja mais: Natal pode ficar sem combustível

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gutemberg disse:

    Em Currais Novos não tem mais. O pessoal está abastecendo em Acari, que só tem um 01 posto.

Rompimento de fio provoca queda de energia em bairros na Zona Sul e gera transtornos

A queda de um fio da Árvore de Mirassol, na Zona Sul, provocou a interrupção no fornecimento de energia no fim da tarde desta quinta-feira até por volta das 19h30, em bairros como Capim Macio, Cidade Jardim, Mirassol e Potilândia. A informação foi confirmada pela A Companhia Energética do RN (Cosern).

Na ocasião, o rompimento da parte da fiação da árvore teria despencado na rede elétrica, provocando, pelo menos, uma hora e meia de caos nas vias, com semáforos novamente desligados, repetindo o episódio dessa quarta-feira (28), durante o apagão que atingiu o Nordeste no meio da tarde, e deixando o trânsito lento.

Senado esconde da população relatório secreto de faltas dos parlamentares

O Senado garante ter transparência na divulgação das faltas dos parlamentares, mas a prática é bem diferente. Enquanto os senadores recebem um relatório de assiduidade dos senadores com o total de presença, faltas e sessões deliberativas e extraordinárias de cada um, a população em geral precisa recorrer a cálculos estatísticos para conseguir a mesma informação.

Congresso em Foco obteve, de forma exclusiva, um exemplar do relatório produzido pela Secretaria Geral da Mesa. O documento mostra o quantitativo mensal de assiduidade cada senador, semelhante ao feito pela Câmara. O total da coluna “DOR” contém número de sessões deliberativas de um determinado mês. Nela, há mais quatro itens importantes: “NComp” diz quantas faltas foram injustificadas; o “Justif” contabiliza as ausências justificadas; e o “Pres” revela o número de anotações de presença. A coluna “DEX” informa os mesmos dados, mas referentes a sessões deliberativas extraordinárias.

O documento demonstra que a Casa produz um relatório de assiduidade dos senadores, mas o mantém em segredo. O Senado mantém o silêncio sobre o motivo de não revelar o número de faltas dos 81 senadores. Essa pergunta foi feita pela reportagem há uma semana, questionando também os motivos da ausência de divulgação de informações de interesse público que foram solicitadas por grupo de jornalistas em 2011. Como mostrou o site, dois anos depois de pedidos por mais transparência na Casa, só metade das solicitações foram atendidas.

Veja o documento inédito

No exemplar obtido pelo site, um senador participou de oito sessões deliberativas em julho de 2012. Esteve presente em seis delas, faltou a uma sem justificar e teve uma falta justificada. Houve cinco sessões deliberativas extraordinárias. Ele participou de todas.

 

Congresso em Foco

PM confirma que Adriano bebia em favela durante treino do Flamengo

A justificativa para a falta de Adriano aos treinos do Flamengo, nesta segunda-feira, pode ter sido descoberta pelo clube. Segundo a assessoria da Polícia Militar do Rio de Janeiro, o centroavante foi visto com bebidas alcoolicas na comunidade da Vila Cruzeiro, Zona Norte da cidade, e teve o seu nome ligado a um possível acidente com um motociclista.

No período em que deveria estar fazendo atividades musculares no Ninho do Urubu, Adriano foi flagrado pelas autoridades nas vielas da comunidade carente. O jogador parecia organizar um churrasco com amigos e calçava bermudas e chinelos. Já a sacola de compras do atleta vinha sempre recheada de cervejas.

Enquanto isso, o acidente que teria envolvido a BMW branca do jogador foi constatado às 18 horas (de Brasília) desta segunda-feira. O atleta deixava a Vila Cruzeiro quando atropelou um motociclista. Apesar das investigações ainda em andamento, nenhuma pessoa ficou ferida gravemente no choque entre os veículos.

Anteriormente, a assessoria do próprio jogador havia dito que a folga do centroavante já havia sido acordada com a diretoria. No entanto, os representantes do clube não confirmaram a informação e disseram que a diretoria iria avaliar o caso antes de decretar qualquer punição.

Adriano chegou ao Flamengo após se recuperar de uma cirurgia no tendão de Aquiles, em agosto deste ano. O atacante assinou um contrato de risco com o clube e terá os seus salários condicionados às suas aparições dentro e fora de campo. O desempenho do jogador, entretanto, era motivo de orgulho para os demais companheiros e foi elogiado pela comissão técnica em diversas oportunidades.

GAZETAESPORTIVA

Pesquisador afirma: 'Setor de petróleo enfrenta falta de mão de obra especializada'

O economista Maurício Canedo, pesquisador do Centro de Economia e Petróleo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), disse que nas conversas com as pessoas do setor de petróleo, percebe-se, de maneira clara, que há várias atividades que enfrentam hoje falta de mão de obra especializada. “Com o pré-sal, por exemplo, que vai multiplicar essa necessidade por dois ou três, dependendo da atividade, a gente corre o risco de ter um apagão da mão de obra mais especializada”, disse Canedo à Agência Brasil.

Embora considere a atividade de engenharia um gargalo, o economista da FGV lembrou que existem outras ocupações mais técnicas que também podem vir a constituir ameaça para os projetos da área do pré-sal. Um exemplo é a construção naval, que tem várias atividades mais especializadas, como a de soldador, “em que, eventualmente, pode faltar mão de obra”. Isso decorre da estratégia do governo de espalhar a indústria naval pelo Brasil, que era muito concentrada no Rio de Janeiro. “Em alguns lugares do país, essa mão de obra não existe ou não existe na quantidade necessária para suprir a demanda que está se formando”.

A estimativa é que somente na área de automação, a carência chegue a 30%, com tendência de se agravar à medida que a exploração no pré-sal se intensificar. “Na medida em que a demanda por essa mão de obra aumentar, a tendência é que o gap (lacuna) aumente”. Maurício Canedo reconheceu que há um esforço no sentido de treinar e formar mão de obra voltada para o setor do petróleo, porque a demanda vai ser muito grande.

A solução, apontou, é treinar algumas atividades mais específicas, entre elas a de engenheiros seniores. “O Brasil não tem hoje engenheiros com experiência na construção naval, por exemplo. Para isso, a solução é importar mão de obra. Trazer pessoas de outros países, com experiência no setor, até para repassar os conhecimentos aos engenheiros mais novos”. A experiência internacional mostra isso. Foi o que fez, por exemplo, a Coreia do Sul.

Outra saída seria treinar mão de obra local e, eventualmente, enviar profissionais brasileiros para serem treinados no exterior, sugeriu. Acrescentou que isso serviria para internalizar o conhecimento. “O cara vem com uma bagagem de 15, 20 anos, e o aprendizado da mão de obra local é muito mais rápido e com muito mais propriedade. Esse processo tem sido bem-sucedido”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Postos de Natal e do interior já estão sem gasolina e situação pode se agravar no final de semana

Ontem o Blog do BG noticiou em primeira mão que poderia faltar gasolina no Rio Grande do Norte a partir de hoje e muiats pessoas levaram na brincadeira, mas o que o blog noticiou já está acontecendo.

Vários postos de combustível do interior e alguns de Natal já estão sem gasolina e a tendência é só piorar no final de semana. Essa previsão é dos próprios donos de postos.

Ontem, o BG informou que poderia faltar gasolina porque o navio que trazia insumos e o próprio combustível não conseguiu atracar no porto por causa da greve do funcionalismo público federal. Hoje, o BG teve a informação de que a previsão de descarga do navio é apenas na segunda-feira. Vai faltar gasolina pra quem quer no final de semana.

Os postos que faziam o pedido médio de 50 mil litros de combustível estão recebendo apenas 5 mil. Apenas 10% do normal.

Memória

Distribuição de gasolina está inconstante em Natal e em alguns postos já chegou a faltar

RN pode ficar sem gasolina a partir de amanhã

 

 

Distribuição de gasolina está inconstante em Natal e em alguns postos já chegou a faltar

Após o BlogdoBG alertar em primeira mão ontem que poderia faltar gasolina e desabastecimento a partir de hoje em Natal, a Tribuna do Norte hoje traz reportagem não só confirmando o que abordamos ontem como informando que em alguns postos já chegou a faltar o produto. Segue reportagem:

Postos localizados em Natal estão enfrentando dificuldades, desde o início da semana, para receber combustíveis das distribuidoras, segundo gerentes de estabelecimentos e fontes que acompanham o mercado, consultados ontem pela TRIBUNA DO NORTE. O problema chegou a suspender temporariamente as vendas em alguns postos.

Júnior SantosPostos afirmam que estão enfrentando dificuldades para receber gasolina e que o produto chegou a faltar

A reportagem visitou oito postos na tarde de ontem – de bandeiras BR, ALE e de bandeira branca. Em dois, na avenida Engenheiro Roberto Freire, os gerentes confirmaram que há dificuldades para receber os combustíveis. Um proprietário de posto, que pediu para não ser identificado, confirmou, embora tenha dito não saber o motivo.

A TRIBUNA DO NORTE apurou que a “inconstância” no abastecimento tem se dado de duas formas. Em um dos locais visitados, o gerente pediu 25 mil litros de gasolina à distribuidora, mas foi informado de que só poderia ser atendido em 20% da demanda. “Pedimos 25 mil litros e eles enviaram cinco mil apenas. Temos como segurar com estoque próprio até sábado”, disse o gerente. Em outros postos, os pedidos têm demorado a chegar. “Eles atendem normalmente de um dia para o outro, mas agora está demorando até dois dias para a chegada do combustível”, aponta outro gerente.

Em um dos postos visitados, as  vendas chegaram a ser interrompidas durante essa semana – por atraso no envio da gasolina – mas o problema já foi sanado. “Essa semana faltou gasolina duas vezes, mas já recebemos hoje (ontem) pela manhã”, disse a gerente. Os postos costumam comprar combustível mais de uma vez por semana e alguns têm capacidade de estocar gasolina por até uma semana.

A reportagem procurou a Petrobras para confirmar se há ou poderá ocorrer desabastecimento no Rio Grande do Norte ou atrasos na distribuição aos postos nos próximos dias, além dos possíveis motivos, mas a estatal não respondeu ao pedido de informações, feito por telefone e e-mail. O Sindicato Nacional de Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes e o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do RN (Sindipostos) também foram procurados, mas o primeiro não deu retorno e, no caso do segundo, a reportagem tentou, mas não conseguiu contato com o porta-voz indicado pela assessoria de imprensa.

As entidades procuradas também não confirmaram se os problemas estariam relacionados à greve dos servidores federais, que tem tornado mais lenta a movimentação de cargas em portos, rodovias e aeroportos em alguns estados. No Porto de Natal, pelo menos, o diretor-presidente da Companhia Docas do RN, Pedro Terceiro de Melo, afirma que não há problemas relacionados a combustíveis. Ele informou que não há registro de atrasos. “Recebemos combustível essa semana e receberemos normalmente na próxima semana”, disse ele.

A Codern afirma que, até o momento, a única movimentação comprometida por causa da greve é a de atum. Cerca de 300 toneladas do produto estão retidas no porto à espera de certificação dos fiscais federais agropecuários, que iniciaram greve na última segunda-feira. A empresa responsável, Atlântico Tuna, recorreu à Justiça Federal para  tentar liberar a mercadoria, mas nenhuma decisão havia sido publicada até o fechamento desta edição. Segundo a Codern, não foram registrados prejuízos por causa da greve de outras categorias que atuam no porto, como a Receita Federal e a Anvisa.

No Espírito Santo, abastecimento está irregular

Problemas de abastecimento relacionados a combustíveis não estão sendo registrados, entretanto, apenas no Rio Grande do Norte.

Na última terça-feira, atrasos atribuídos à BR Distribuidora teriam afetado o sistema de transporte público de Vitória (ES). Segundo informações publicados na imprensa capibaxaba, as empresas filiadas ao sindicato que representa as viações que operam no Sistema Transcol (GVBus) não conseguiram abastecer os caminhões que transportam óleo diesel do porto até as garagens de ônibus. O atraso criou um risco de “colapso no sistema”. “O abastecimento não está normalizado”, confirmou o Sindipostos-ES à Gazeta Online.

Fontes consultadas pelo veículo, e que preferiram não se identificar, afirmaram que a greve dos caminheiros na última semana e a greve de funcionários da Anvisa podem ter contribuído para a redução dos estoques de combustível da distribuidora da Petrobras.

Em Natal, segundo informações do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano do RN, repassadas por meio da assessoria de imprensa, as empresas possuem postos próprios para realizar o abastecimento e não estão enfrentando qualquer dificuldade.

Greves comprometem serviços em portos, aeroportos e rodovias

São Paulo (AE) – Enormes filas de passageiros no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), uma passeata de 10 mil pessoas no centro do Rio de Janeiro, estradas bloqueadas na Bahia e a emissão de passaportes praticamente parada em muitas delegacias da Polícia Federal. Esses foram alguns dos cenários marcantes da greve dos servidores federais que viveu ontem outro dia quente.

Funcionários da Polícia Federal, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Agricultura, de universidades, entre outros, pedem, em protestos que se estendem por oito Estados, aumentos salariais e reestruturação de carreiras.

Os fiscais federais agropecuários, que pedem a contratação de novos servidores por meio de concurso público, além de reposição salarial e que  os cargos de chefia sejam ocupados por servidores da casa – e não por indicação política – anunciaram ontem que vão manter a paralisação total das atividades nos estabelecimentos de abate de animais, postos de fronteira, portos e aeroportos. A afirmação é do presidente da Associação Nacional dos Fiscais Federais (Anffa Sindical), Wilson Roberto de Sá, que atribui ao ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, a responsabilidade pela radicalização do movimento.

Segundo Wilson Sá, a categoria estava disposta a manter os serviços essenciais, mas foi surpreendida com uma portaria baixada por Mendes Ribeiro autorizando que as funções dos fiscais federais fossem delegadas aos serviços estaduais e municipais. “Infelizmente, os produtores de frutas de exportação estão tendo prejuízos e vão perder muito mais. A culpa é do ministro Mendes Ribeiro, pois se não houvesse a portaria não iria ocorrer a paralisação total”, declarou ele.

Wilson Sá afirmou que a Anffa já comunicou aos serviços sanitários dos países importadores sobre a decisão do governo brasileiro de substituir os fiscais federais por agentes estaduais e municipais.

No Rio Grande do Norte, 30 dos 33 fiscais aderirarm à greve. De acordo com o fiscal federal agropecuário e delegado sindical dos fiscais no Rio Grande do Norte, Janus Pablo Fonseca de Macedo, serviços essenciais à população, como a parte de defesa e inspeção em indústrias de alimentos, estão mantidos. Cargas perecíveis também são liberadas prontamente, afirma. Mas, as não perecíveis terão de aguardar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Distribuição de gasolina está inconstante em Natal e em alguns postos já chegou a faltar […]

Médico denuncia morte de criança por falta de UTI

Uma criança faleceu, na tarde deste Domingo de Páscoa, no Hopital Macia Alice Fernandes, por falta de vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).  E este não é um caso isolado. De acordo com o médico José Madson Vidal, colaborador da ONG Amigos do Coração da Criança (AMICO), muitos pequenos e pais vêm sofrendo com a falta de tratamento intensivo na rede pública. Vidal recorreu ao Twitter para pedir ‘socorro’.

De acordo com as informações postadas pelo médico, a criança que veio a óbito estava com insuficiência respiratória e precisava de uma UTI. A suspeita era de que fosse gripe H1N1. No entanto, ela estava “em uma sala improvisada”. O fato ganha ainda mais peso, porque , segundo ele, “Enquanto isso, há dez leitos prontos e equipados no hospital Santa Catarina inativados por falta de pessoal”.

Pelo microblog o médico ainda relatou o caso de outro bebê, com apenas um dia de vida, que aguardava a cirurgia com todo intestino fora da barriga, por falta de leito UTI. “É muita maldade, doloroso, cruel o que os governantes estão fazendo com as crianças que precisam de cuidados intensivos nos hospitais”.

Ainda indignado com a perda de uma criança, Vidal se colocou no lugar da família em luto. “Eu não agüentaria perder o meu filho por falta de assistência medica. Eu amo o meu filho. Os outros pais, tb, amam seus filhos. Tou triste!”. E por fim, sugeriu a realização de uma campanha pela vida. “Quem está disposto a participar de uma organização para defender a vida de crianças que precisem de cuidados de UTI? Precisam da gente”, propôs.

Segue abaixo alguns posts suplicando ação governamental do Médico José Madson:

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Relembre o post com o apelo desesperado de médico pelo twitter […]

Falta de medicamentos nos Postos de Saúde da PMN é generalizada

O que dizer de um problema que a Prefeitura não consegue resolver? O que dizer das unidade básicas de saúde não ter o básico? Segue reportagem da Tribuna:

Quem se dirige aos Postos de Saúde de Natal em busca de atendimento, corre o risco de não recebê-lo. A ausência de médicos, desta vez, não é o maior problema. O desabastecimento das unidades, cuja solução definitiva ainda não foi apresentada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), atinge todas as regiões da capital. Hoje, dois meses após as investigações da Delegacia do Patrimônio Público e Ministério Público que resultou na interdição do depósito do Departamento de Logística e Suporte da Secretaria, um relatório  que analisa o órgão municipal será entregue ao Ministério Público e à Justiça do Rio Grande do Norte.

Alex RégisA direção da Unidade Mista de Mãe Luíza não estava presente no início da tarde de ontem e os funcionários optaram por não comentar a situação.

A equipe de reportagem da TRIBUNA DO NORTE percorreu uma unidade de saúde (mista ou básica) em cada região administrativa da capital durante o dia de ontem. Os problemas na Unidade Básica de Saúde do Pajuçara, por exemplo, foram apontados pelos servidores e pacientes enquanto aguardavam atendimento no final da manhã.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. caio fábio disse:

    Enquanto isso a "madame borboleta" está nos seus intermináveis passeios privados

Funcionário do Posto de Saúde diz: "Passo o dia inteiro dizendo que não tem, ou está faltando" remédios

Tribuna do Norte

“Passo o dia inteiro dizendo que não tem ou está faltando”. A frase é de um servidor da farmácia localizada na unidade de saúde do bairro Cidade da Esperança. É com um “não” que ele responde à maioria das pessoas que vai ao local em busca de medicação. Os antidepressivos, anticonvulsivos e antidiabéticos lideram a lista dos medicamentos em falta nas unidades básicas e postos de atendimento da rede municipal de saúde. Porém, nas pratilheiras das farmácias, também faltam medicamentos simples como analgésicos e antibióticos.

A dona de casa Josefa Vicente afirma que há mais de um ano não recebe o “remédio controlado” que a filha toma. Ontem à tarde, ela procurou a unidade da Cidade da Esperança para conseguir uma outra medicação, dessa vez, contra diabetes. “O remédio da minha filha não tem em canto nenhum. O jeito é comprar. O meu, contra diabetes, só Deus sabe quando vai chegar”, lamenta.

A cena se repete no Centro Clínico José Carlos Passos, na Ribeira. Também na tarde de ontem, num intervalo de menos de dez minutos, a reportagem da TRIBUNA DO NORTE presenciou o atendimento, (ou a falta deste), de quatro pessoas que procuraram a farmácia daquela unidade de saúde. Usando uma cadeira de rodas devido a uma inflamação na médula e hérnia de disco, o aposentado Paulo de Lima Freitas se aproxima do guichê segurando uma sacola onde guarda receitas e exames médicos. Da bolsa, retira três receitas onde se lê a recomendação do médico: Ranitidina 150mg. O medicamento é usado no tratamento de úlcera.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renato Souza disse:

    Os mesmos funcionários que diz não ter remédio são os mesmos que quando chega remessa de medicamentos guarda metade do estoque para parentes e pessoas que conhece. 

Postos de Saúde de Natal ficarão sem rémedios até o fim do ano

Essa vergonha está publicada hoje na Tribuna do Norte, o fato de a população ficar sem vários remédios até o fim do ano mostra o quanto a SMS trabalha com planejamento. Segue Reportagem da Tribuna:

Os postos e unidades de saúde da rede pública municipal deverão continuar com problemas de abastecimento de medicamentos e insumos até o fim do ano.  Esse é o prazo previsto pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para concluir um novo processo licitatório que visa a aquisição de remédios e produtos como seringas e agulhas. Na edição do Diário Oficial do Município (DOM) de hoje, a SMS publica um aviso de pregão presencial para registro de preço a ser realizado no dia 17 de outubro. A expectativa é a de que, até que o processo seja concluído, usuários enfrentem dificuldades no tratamento de doenças.

Segundo o assessor jurídico da SMS, Thobias Tavares, a opção de realizar mais uma compra emergencial de medicamentos, a exemplo da que foi feita em maio passado, está descartada. O modelo de compra, explica o assessor, apesar de ser mais ágil, abre brechas para possíveis fraudes. “A compra emergencial resolve o problema do desabastecimento mais rapidamente, porém, como o modelo exige apenas três empresas participando do certame, há uma possibilidade maior de fraude”.

(mais…)

Nos Postos de Saúde da Prefeitura falta até Aas e dipirona

Tribuna do Norte

Em meio a investigações que apuram o descarte ilegal de medicamentos da rede pública de saúde, o abastecimento ainda é um problema longe de ter solução. Nas unidades de saúde, reclamações não faltam. A reportagem da TRIBUNA DO NORTE percorreu ontem quatro unidades de saúde – uma em cada região administrativa da cidade – e constatou que o problema do desabastecimento continua.

Falta desde medicamentos básicos, como dipirona, Aas (Ácido Acetil  Salicílico) e vitaminas, como Ácido Fólico, à medicações específicas, como os psicotrópicos Tegretol e Diazepan 5mg; os antibióticos Amoxilina e Ampicilina; e anticoncepcionais em comprimidos e injetáveis. O mais grave é que o problema está exatamente nas unidades de referência, como a Policlínica da Zona Oeste, no bairro da Cidade da Esperança.

Posto de Saúde de Nova Descoberta "falta tudo"

TN Online:

“Falta tudo”. É com essa frase que as funcionárias da Unidade Básica de Saúde (UBS) de Nova Descoberta respondem quando questionadas sobre a atual situação do local. Os pacientes que procuram o posto médico, muitas vezes voltam para casa sem o atendimento médico ou sem receber a medicação necessária pois a farmácia está desabastecida.

Além desses problemas, pacientes e profissionais correm o risco de ter que dividir espaço com atividades da secretaria de Juventude, Esportes e Lazer (Sejel).

No dia 27 de junho, uma equipe do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Cidadania visitou a unidade.  Os agentes do Ministério Público constataram que o trabalho dos agentes de saúde está comprometido devido a utilização, por parte da Sejel, de um espaço anexo à UBS.

Anteriormente, o local servia de depósito para material dos agentes bem como era usado para realização de reuniões e encontros com idosos, gestantes, diabéticos e hipertensos. “Antes a gente fazia até umas festinhas com os pacientes aqui. Mas agora não podemos fazer nada porque estão fazendo uma reforma para receber essas atividades da secretaria de esportes”, diz uma funcionária que preferiu não se identificar.

O espaço passa por uma reforma, porém, na tarde de ontem, quando a equipe de reportagem da TRIBUNA DO NORTE esteve no local, nenhum pedreiro estava trabalhando. Segundo informações, a Sejel irá ocupar o espaço com salas de fisioterapia e outras atividades que antes eram realizadas no prédio do Machadinho. Devido às obras da Copa, o ginásio teve que ser desocupado. “Eles iam se mudar para zona Norte, mas por causa da distância, preferiram se mudar pra cá. Soube que ainda tentaram alugar uma casa mas não conseguiram. Fui pega de surpresa com essa mudança repentina”, disse, por telefone, Solange Evangelista, diretora da UBS de Nova Descoberta.

O Ministério Público verificou outras irregularidades no unidade. Exames de HDL, LDL, ureia, ácido úrico, VDRL, beta Hcg, sumário de urina e plaquetas não estão sendo realizados por falta de material de leitura para os mesmos. O consultório odontológico é bem estruturado, porém, falta material para realização de obturações, por exemplo. “Os dentistas estão realizando somente extrações”, revela Solange.

(mais…)

O ANTI-MARKETING no ABC

O Blog reproduz post do Blog Fome de Gol do Jornalista Gabriel Negreiros:

O ABC tem criado um clima hostil com a torcida sem necessidade. Está faltando clareza e, principalmente, humildade para assumir o erro.

O time não tem camisa oficial para vender. E não é porque o produto acabou recentemente, desde que fechou com a Lupo que o material está em falta. A quantidade inicial que foi anunciada com pompa não deu nem para começar a brincadeira. Enquanto o torcedor procura as camisas para comprar, reclama pela falta do produto, o clube prefere produzir matérias no site oficial querendo esconder a falha. Chegaram ao absurdo de gravar com o roupeiro Joca atestando a qualidade do produto. O que danado tem a ver? O lateral Nêgo também já foi “garoto propaganda” da beleza e qualidade do produto, mas a questão não é essa. A questão é: estamos em junho e até agora o torcedor não tem camisa oficial para comprar!

Chegaram ao absurdo de tirar uma foto do presidente Rubens Guilherme Dantas passeando no shopping com uma “camisa casual” para dizer que existe produto para vender. Desculpem-me, mas estão expondo até o presidente a uma situação ridícula como essa. O pior de tudo é que o clube é o principal interessado na venda dos produtos. Ganha dinheiro com isso. Maquiar o erro é sem dúvida o mais insensato de toda essa situação. O clube deveria era cobrar da empresa o material. O trabalho de esconder os erros que o ABC faz se assemelha muito ao da equipe de Micarla de Souza ao tentar desqualificar a onda de protestos.

Por outro lado, não sou besta de não entender que estão “guardando” o produto para inauguração da loja da Prudente de Morais. Outro ponto interessante é: isso interessa a quem?

Do Blog: Parece que a parceria com a LUPO virou o pesadelo do Marketing do ABC. Diga-se de passagem que enquanto fui vice-presidente do Clube fui favorável a troca da ERK pela LUPO. Mas não vejo ninguém criticar o material da LUPO, ele é de excelente qualidade. O problema está na falta das camisas. Um dos argumentos que usamos para a troca de fornecedor foi justamente o tamanho da nova parceira. Não teria falta de produto, inclusive, o pedido feito para o ano chegaria todo de uma vez. Não foi  isso que aconteceu. Em uma ótima reportagem na edição de hoje, do Novo Jornal, sobre o grave problema da falta de produto, o Diretor Comercial da LUPO, Valquírio Cabral Júnior, disse ao reporter Bruno Araújo: “entregamos os produtos de acordo com a demanda de pedidos”. Quem fala isso é o Diretor da empresa. Nesse caso o erro de o clube ter chegado a junho com apenas 3000 camisas vendidas é de quem? Será que a consultoria de Marketing do ABC cometeria esse erro? Quanto o clube já deixou de faturar? Vamos torcer que se normalize o mais rápido possível.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Diego disse:

    O que chama mais a atenção é que o próprio abc não se pronuncia quando realmente chegam as camisas!Falta de respeito com o torcedor

  2. Renato disse:

    Com a palavra os Srs. Paiva Torres e Alan Oliveira.

  3. Fernando disse:

    Muito bom seu post. Assino aonde?
    O pior e ver blogueiros dizendo que esse porcedimento do marketing está certo. Recebendo jabá até eu…

  4. Perfeito sua interpretação do que vem acontecendo no ABC. Camisa para vender virou produto premium. Bruno quando o ABC já não deixou de faturar num momento tão bom?

  5. Qualidade não se discute, mas o compromisso em ter todos os produtos para a torcida, isso sim, deixa muito a desejar. Eu especialmente, desde o lançamento que aguardo para comprar a tão cobiçada camisa preta (4 terno), mas que vem a conta-gotas ou nem chega. Elogios e apoio são dados na mesma proporção que críticas construtivas, logo, vejo uma excelente oportunidade de melhoria do nosso marketing, a torcida "clama" por camisas, onde estão?

  6. Daniel disse:

    Quantas camisas o ABC deixou de vender nesse dia dos namorados? Conheço varios amigos que pretendiam pedir as namoradas, noivas e esposas a camisa preta de presente, imaginem a quantidade de pessoas que não pensavam o mesmo. faltou tino comercial aos responsaveis por essa comercialização.