Educação: Irregularidades em contratos de locação deixará muita gente em maus lençóis

Os indícios são muitos: quilometragem excessiva, rotas equivocadas e preços divergentes. A suspeita, já noticiada pelo Blog do BG, é de que haja  fraude em contratos de locação para serviços de transporte escolar firmados pela Secretaria Estadual de Educação e Cultura (SEEC) entre 2006 e 2009.

O caso está nas mãos da delegada Maria Ivany Bezerra, lotada na Delegacia Especializada de Falsificações de Defraudações (DEFD). A designação da delegada foi publicada na edição desta quinta-feira(12) do Diário Oficial do Estado (DOE) e é assinada pelo delegado geral de Polícia Civil (Degepol), Fábio Rogério Silva. O Inquérito policial corre em sigilo. O Ministério Público também entrou no caso.

O Procurador Geral do Estado, Miguel Josino, confirmou ao Blog que as denuncias são graves e que está tudo sendo devidamente apurado. E uma das medidas já tomadas foi a suspensão imediata dos pagamentos de indenizações às empresas prestadoras [os que estavam em atraso e foram cobrados na Justiça] até que as investigações sejam concluídas.

E o BG voador descobriu mais: Caso se confirmem as acusações, haverá muita gente importante em maus lençóis. Inclusive, parentes de ex-governador.

Indícios

Em alguns processos de pagamentos a quilometragem apontada pelas empresas chegava a ser o dobro do necessário para cumprir a rota contratada. No caso do contrato do transporte escolar em Natal, uma das empresas chegou a apontar rota diária de 236 km.

Já em Ceará Mirim, a empresa contratada chegou a apontar 800 km percorridos, em um só dia, no transporte de alunos dentro do município.