Idema vai levantar os galhos do Cajueiro de Pirangi em 2,5 metros. Carros pequenos e motos vão trafegar na 2º faixa

Pouco mais de dez mil reais. Este é o valor orçado pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) para uma solução provisória no trânsito do entorno do Cajueiro de Pirangi. A planta é considerada a maior do mundo em sua espécie, e não para de crescer por causa de uma anomalia genética. Os galhos já se aproximam da área residencial. Em até 20 dias, o órgão pretende colocar estacas e escoras para elevar a copa da árvore, que por causa de seu crescimento provoca engarrafamentos constantes durante o veraneio, época em que milhares de turistas lotam as praias e se esbaldam nas águas mornas de Pirangi do Norte, em Parnamirim.

A elevação da copa em 2,5 metros e a colocação de escoras e estacas no Cajueiro de Pirangi permitirá o tráfego de carros pequenos e motos numa das faixas de rodovia tomada pela planta. “É uma experiência, um teste. Se começar a haver fraturas na planta reveremos o processo”, avisa Jamir Fernandes, diretor técnico do Idema, que defendeu o projeto ontem à tarde, numa reunião com órgãos de trânsito, Polícia Militar e Associação de Moradores de Pirangi do Norte (Amopin). O projeto será executado na Avenida Márcio Marinho, deixando de fora outras vias como a São Sebastião, José Fiúza e a lateral onde ficam algumas lojas e quiosques.

Caramanchão

A medida já foi utilizada dentro do parque ecológico, para permitir a entrada e saída de turistas. Contudo, a suspensão dos galhos do lado de fora deve ser analisada com precaução. “O intuito de levantar esses galhos é resolver o problema do trânsito. Acreditamos que não resolverá porque nada garante que carros maiores queiram passar, à noite por exemplo. Seria preciso aumentar a fiscalização. A melhor solução é esperar o verão passar, sentarmos todos juntos, fazer um estudo aprofundado, inclusive com plano de manejo e elaborar a obra do caramanchão”, defende o presidente Amopin, Francisco Cardoso.

O caramanchão também é solução apontada pelo Idema. Trata-se de um projeto semelhante àcolocação de estacas, só que de forma permanente e com avaliação prévia de possíveis danos ambientais. Este procedimento também seria feito pelo Governo do Estado, “possivelmente através de licitação, por ser mais caro” frisa Jamir Fernandes, do Idema. A bordadura da copa, nome técnico da ação que será executada neste verão, será feita por meio de contrato emergencial. “Vamos acompanhar tudo”, garante o diretor.

Trânsito

A Secretaria de Trânsito e Transporte de Parnamirim (Setra) executará este ano o mesmo plano do ano passado. Basicamente consiste em desviar o fluxo de carros pequenos e motos antes do acesso ao cajueiro, sentido Búzios. “O Cajueiro é intocável. Estamos trabalhando, diante dessas condições, para repetir a mesma ação do ano passado, além de aumentar o efetivo com 50% a mais no número de agentes”, explicou Antônio Batista Barros, titular da Setra.

O trabalho será executado em conjunto com o Comando de Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE). Os agentes ficarão na região desde o início da manhãaté às 22h. No Carnaval, o trabalho será executado durante 24 horas. Também no Carnaval, a Setra fará mais mudanças no trânsito. A Rua São Sebastião passará a ter sentido único após às 15h, quando a avenida Márcio Marinho será interditada.

Fonte: Diário de Natal