Política

Joice Hasselmann anuncia saída do PSL e diz que partido se ‘prostituiu’

Foto: Agência Brasil

Ex-líder do governo e atual opositora do presidente Jair Bolsonaro, a deputada Joice Hasselmann (SP) decidiu agora romper também com seu partido, o PSL. A parlamentar, que foi a candidata à Câmara mais votada do País em 2018, diz que o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), entregou novamente a legenda para Bolsonaro “em troca de um cargo na Mesa Diretora da Câmara”. “Para mim, o nome disso é prostituição”, disse Joice em entrevista exclusiva ao Estadão/Broadcast.

Bivar foi alçado ao posto de 1.º secretário da Câmara ao apoiar a eleição de Arthur Lira (Progressistas-AL), nome do Palácio do Planalto ao comando da Casa. “Eu não posso estar em um partido amorfo que virou um balcão de negócios”, afirmou a parlamentar, que disputou a eleição para a Prefeitura de São Paulo em 2020 representando o partido.

Aliada do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a deputada não revela para qual sigla deve ir: “Tenho três propostas muito interessantes. Não vou fazer leilão”.

A parlamentar pretende protocolar nesta segunda-feira, 14, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), um pedido de desfiliação por “justa causa”.

Por que a sra. decidiu sair do PSL?

Estou saindo de mala e cuia. É uma decisão que já tomei há tempos. Não posso estar em um partido amorfo, que virou um balcão de negócios. O PSL hoje é um partido que se entregou ao bolsonarismo, ao próprio presidente da República, para que o presidente da legenda (Luciano Bivar) ganhasse um cargo na Mesa Diretora da Câmara. Para mim, o nome disso é prostituição. Não é uma questão de ter mudado de lado por bandeiras políticas. É um partido de cacique. Acabou isso de ser um partido liberal, de que quem manda é a bancada. É tudo mentira.

O PSL foi algum dia isso, uma legenda liberal que ouvia a bancada?

Quando eu estava lá, como líder, era mais animado. Eu me impunha como líder do governo (na Câmara) para o próprio presidente, mas a duras penas. Formamos um grupo chamado “PSL Raiz”. Era equilibrado, meio a meio. De um lado “Raiz” e de outro “Bolsonaristas”, os loucos radicais. Depois deu uma virada e ficamos em um número muito menor, porque o governo cooptou, dando emenda, cargo, e o presidente do partido ofereceu mundos e fundos, milhões de fundo eleitoral para a próxima eleição. O pessoal foi tudo no barquinho lá do trem da alegria.

Como foi essa negociata?

O governo não interferiria e ajudaria a eleger o Bivar na Mesa (da Câmara). Major Vitor Hugo (deputado alinhado a Bolsonaro) seria candidato contra o Bivar (para o cargo de 1.º secretário), mas ele retirou a candidatura em troca de entregar a liderança do PSL dentro da Câmara. Ele (Bivar) entregou (o cargo de líder da sigla) para um capacho do presidente da República, um cupincha, colocou os radicais mais ensandecidos nas principais comissões. Cerceou o microfone, que é a alma de qualquer parlamentar de verdade. Agora, eu tenho essas pessoas que me perseguiram, que fazem parte do gabinete do ódio, comandando o partido.

Quem são essas pessoas?

Major Vitor Hugo (GO), Bia Kicis (DF), Carla Zambelli (SP). Esse time, que na verdade são todos asseclas do Eduardo Bolsonaro (SP), um apêndice do pai. O PSL está condenado a ser o mesmo partidinho que começou, uma legenda de aluguel.

Sair do partido agora não é deixar as portas abertas para Bolsonaro voltar a se filiar?

Todo mundo diz que, até então, fui o paredão que impediu a volta do Bolsonaro, porque ele sempre exigiu minha saída. Só que legalmente o partido não tem como me expulsar porque eu só defendi a legenda. Mas eu não posso transformar a minha atuação parlamentar em muro para picareta. Se eles querem legalizar a picaretagem, legalizem, eu vou atuar contra isso. Mas não posso estar em um ninho de escorpião.

Bolsonaro volta para o PSL?

Acho que não, mas tudo é possível. O desenho que estou vendo é colocar um vice. O que o Bolsonaro quer? Dinheiro, fundo partidário.

A sra. comunicou o partido sobre seu pedido de saída?

Não. Minha última conversa com Bivar foi quando eu saí do grupo de WhatsApp, dia 6 de março. Foi uma longa troca de mensagens no grupo “Raiz”. Eu fui para cima dele por essas negociatas e disse que o que ele fez foi entregar a cabeça dos que defenderam o partido em troca de um cargo. Ele me disse que as portas estavam abertas para mim.

A sra. já sabe para qual partido deve ir?

Tenho três propostas muito interessantes. Não vou fazer leilão. Tenho conversado sobre o que eu posso contribuir com essa nova legenda porque quero fazer um trabalho de capacitação nacional para mulheres, de graça e independentemente dela estar filiada ou não. Ter uma legenda que proporcione estrutura para isso é importante. Preciso ter um alinhamento com um partido de centro-direita ou uma direita racional.

Quais são os critérios para escolher o novo partido?

Não pode ser de esquerda e quero um posicionamento claro de que esse partido não estará com Bolsonaro nem com uma arma na cabeça. Eu sou liberal de cérebro, com uma alma do progressismo europeu, muito diferente do progressismo nosso. É aquele da Angela Merkel (primeira-ministra da Alemanha).

Como a sra. avalia hoje a atuação do governo?

O presidente, hoje, paga aluguel para ser presidente. Esse aluguel, na negociação, se você somar todos os cargos, espaços públicos, custou R$ 200 bilhões (soma dos Orçamentos de órgãos públicos comandados por siglas do Centrão). Só que essa grana é pública e essa teta pode secar. Quando não tiver mais dinheiro para pagar o aluguel, o impeachment vem, porque em qualquer país sério já teria vindo.

Se tivermos Bolsonaro e Lula no segundo turno em 2022, de que lado a sra. fica?

É a mesma coisa que se você perguntar “quer tomar cicuta ou veneno de cobra?”.

Anula o voto?

Sempre fui contra isso, mas é uma possibilidade. Não posso optar por arrebentar meu País. Precisamos desaguar todos os votos da direita, que não seja extrema, até a centro-esquerda em um único nome. Existe sim a chance de uma terceira via. Esse governo vai continuar fazendo lambança. Veja o que o Bolsonaro fez em dois anos e meio. Nós falamos do governo do PT 14 anos. Vamos fazer uma projeção exponencial, já pensou ele 14 anos no poder? Acabou o País. Só não virou Venezuela isso aqui porque é grande. Se fosse pequeno, ele já teria dado um golpe.

A sra. já defendeu antes o voto impresso, continua defendendo?

Já defendi muito, mas, hoje, eu acho uma furada.

O que a fez mudar de ideia? E por que Bolsonaro quer tanto?

A eleição dos Estados Unidos e toda aquela judicialização. Imagina aqui? Não vai acabar a eleição nunca. Vai virar uma loucura. Bolsonaro quer judicializar e fazer voto de cabresto. Para uma democracia que ainda é jovem, como é no Brasil, com essa loucura de fake news, é complicado.

A sra. já foi crítica dos movimentos feministas. Sua visão mudou desde que chegou à Câmara?

Acabei sempre tendo preconceito com o feminismo porque sempre foi abraçado como uma pauta de esquerda. Acabou que esse recorte fez meu julgamento todo, mas quando você volta na linha do feminismo, a liberdade da mulher, a questão do voto, os espaços de poder e avança um pouco vê que é uma coisa sensacional se tirar a ideologia. O que precisamos é tirar a ideologia, dane-se se é direita ou esquerda, não interessa. O que interessa é trabalhar por mulheres nos espaços de poder e dar liberdade econômica. Nós, mulheres, que chegamos nos espaços de poder, como eu, Tabata Amaral, Benedita da Silva, temos uma obrigação que é tornar o caminho das que vêm mais fácil.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. E os “papagaios de pirata” ficam repetindo isso sem saber o significado! Genocida foi Hitler! Ou Zé Ináço que investiu uma fabula de $$$$$ em Cuba, África, Venezuela e esqueceu os pobres do Brasil! Vejam o show de obras importantes que o Governo Bolsonaro tá fazendo!! E parem de ver a “Grobo”

    1. O nobre comentarista deveria tentar fazer uma lista dessas obras importantes e apresentá-las aqui. Que eu me lembre houve o veto às medidas contra a corrupção, prisão em segunda instância incluída. Envio de dinheiro para os estados para combate à covid não conta porque é dinheiro do povo e obrigação do governo. Ah, sim, teve a liberação de armas e a redução de impostos para video games. E, claro, a defesa incondicional de ministros e filhos flagrados em atos criminosos, como Weintraub, Ernesto Araujo, Ricardo Salles é os irmãos Metralha. Que mais fez esse presidente?

  2. Por sinal, infelizmente, temos genocidas no mundo todo. Não houve país sem mortes, sejam eles de esquerda, direita, centro, LGBT, miseraveis ou ricos, só aqui no Brasil tenta-se por a culpa de uma pandemia, com milhares de mortes no mundo, em um gestor, por sinal, nesse sentido, só vejo no nosso, coisas da vida.

  3. “Hasta la vista, Peppa”. Mais um traidor que será expurgado pelo eleitorado em breve.

    1. O teu facínora será o 1º!
      Ano que vem, toda essa corja de rachadeiro será expulsa pelo povo.

    1. Calma Luciano, comprou onde a bola de cristal? Foi previsão de macumba, Búzios, tarô, cartas? Só em 2022, aguarde até lá, se perder vá para cuba, venezuela ou Angola, lá vc terá comida, liberdade, fartura, poderá gritar contra o governo de lá nas ruas, chamar o ditador de come bola, agora, se perder, tá ferrado pois vai até 2026.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher

O presidente Jair Bolsonaro sancionou hoje (28) o projeto de lei que cria o programa de cooperação Sinal Vermelho para combater a violência doméstica contra as mulheres. Com a medida, o governo, o Ministério Púbico e a Defensoria Pública poderão firmar parcerias com estabelecimentos privados para ajudar a encaminhar denúncias contra os agressores. As informações são do Diário do Poder.

A sanção, realizada durante cerimônia no Palácio do Planalto, oficializa para todo o país a medida, que foi implantada inicialmente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) para incentivar as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias.

Nesses casos, os estabelecimentos são treinados para ajudar vítimas de violência. Basta mostrar um X vermelho na palma da mão, pintado com batom ou tinta de caneta, para que o atendente, ou o farmacêutico, entenda tratar-se de uma denúncia e em seguida acionar a polícia.
Durante o evento, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o presidente Bolsonaro tem compromisso com o combate à violência contra a mulher.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Para melhorar popularidade, governo deve criar auxílio para compra de gás

Na tentativa de melhorar a sua popularidade, o governo do presidente Jair Bolsonaro pretende lançar um auxílio para a compra de gás de cozinha. A informação foi publicada nesta 5ª feira (29) pela Folha de S. Paulo.

Com os reajustes recentes promovidos pela Petrobras em suas refinarias, o preço do gás está pesando no bolso do brasileiro. Na região Norte do país, que opera com alíquotas de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) mais elevadas e tem maior custo com o transporte, o botijão de 13 kg está na faixa de R$ 100. Porém, o valor extra não é exclusividade dos nortistas. Os preços aumentaram em todo o país.

O “vale-gás” é uma alternativa encontrada pelo governo diante da resistência da equipe econômica de intervir no preço do item. De acordo com o jornal, a medida tem ganhado força entre os aliados do presidente, incluindo o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil recebe mais 1,9 milhão de doses de vacinas via Covax Facility

Foto: RAMZI BOUDINA/REUTERS

O Brasil vai receber dois novos lotes de vacinas contra a covid-19 via consórcio global Covax Facility nesta quinta (29) e sexta-feira (30), num total de mais de 1,9 milhão de doses. Os imunizantes são da Astrazeneca/Oxford: serão 1,5 milhão de doses na quinta-feira (29) e 441,6 mil na sexta-feira (30).

A aliança internacional de vacinas para enfrentamento à pandemia já entregou à pasta cerca de 8 milhões de doses de imunizantes. Com as duas novas remessas, serão 9,9 milhões de unidades entregues, sendo 9,1 milhões da AstraZeneca/Oxford e 842,4 mil da Pfizer/BioNTech.

O contrato do Brasil com o Covax prevê a entrega de 42,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 de diferentes laboratórios até o fim de 2021. A aliança é liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros parceiros.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Nova York dará 100 dólares para pessoas que se vacinarem contra a covid-19

Foto: TPopova/Getty Images

A partir desta sexta-feira, a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, oferecerá US$ 100 (R$ 515,21) para quem se vacinar contra a covid-19, segundo afirmou hoje o prefeito, Bill de Blasio.

A medida busca dar um novo impulso à campanha de imunização na Big Apple, que já conta com 10 milhões de doses aplicadas, apesar de, nas últimas semanas, ter sido registrada uma queda no ritmo do processo.

De acordo com os dados mais recentes divulgados pelas autoridades, 54,4% da população (8,3 milhões de pessoas), estão totalmente imunizadas contra a covid-19 a partir da vacinação, índice que sobe para 65,5% quando só adultos são levados em conta.

Em entrevista coletiva, De Blasio destacou que o uso de agentes imunizantes é o único meio de garantir a recuperação da cidade e defendeu a importância dos incentivos financeiros para a população de Nova York.

“Nos centros de vacinação administrados pela cidade, quando você toma a primeira dose, receberá US$ 100”, garantiu o prefeito.

Anteriormente, a prefeitura de Nova York já havia dado diversos estímulos à população, incluindo lanches grátis e até sorteio de prêmios que poderiam chegar a US$ 5 milhões (R$ 25,7 milhões).

UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Brasil vai investir R$ 3,4 bilhões para quintuplicar produção de vacinas, diz Queiroga em pronunciamento à Nação

Foto: reprodução/YouTube

Em pronunciamento de rádio e TV nesta quarta-feira (28) o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ressaltou as parcerias para transferência de tecnologia e produção nacional de imunizantes contra a covid-19. O novo Complexo Econômico-Industrial da Saúde, responsável pela produção da vacina brasileira, vai receber investimentos de R$ 3,4 bilhões e “quintuplicar nossa capacidade de produção de vacinas e imunobiológicos”.

Para evitar possíveis mutações do novo coronavírus, o ministro disse que foi estruturada uma “sólida rede nacional de vigilância genômica, com base na Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz], e intercâmbio com outras redes internacionais”.

“Destaco, em especial, a celebração do contrato de transferência de tecnologia entre a Fiocruz e a AstraZeneca, que permitirá a produção completamente nacional das vacinas. Trata-se de um resultado tangível da aposta exitosa do presidente Jair Bolsonaro na promoção do acesso de todos os brasileiros à vacina”, disse.

Imunização

Queiroga afirmou que toda a população adulta no Brasil estará vacinada com a primeira dose de vacina contra a covid-19 até setembro, e com a imunização completa, até dezembro. O país tem encomendadas mais de 600 milhões de doses de imunizantes.

O ministro voltou a falar da importância da imunização completa. “Dirijo-me, em especial, aos brasileiros que estão com a segunda dose em atraso: peço que busquem os postos de vacinação para tomar a segunda dose, pois sua imunização só estará completa após a conclusão do esquema vacinal.”

De acordo com dados do Ministério da Saúde, mais de 100 milhões de brasileiros tomaram ao menos a primeira dose da vacina, o que equivale a 63% do público-alvo. Esse índice coloca o país na quarta posição no ranking mundial de pessoas que tomaram a primeira dose e na quinta em relação a pessoas totalmente imunizadas.

O ministro afirmou que mais de 175 milhões de doses foram entregues a todos os estados e o Distrito Federal, sendo 40 milhões em julho. A previsão é que sejam entregues mais de 60 milhões em agosto.

Repasses

Queiroga disse ainda que o Ministério da Saúde repassou aos estados e municípios R$ 5,7 bilhões em recursos extras para o enfrentamento da pandemia. Para o custeio de 25 mil leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) foram disponibilizados mais R$ 4,7 bilhões apenas em 2021.

Foram enviados ainda mais de 35 milhões de testes para detecção da covid-19, 21 milhões de medicamentos do chamado “Kit Intubação” e mais de 17 mil ventiladores pulmonares.

Veja o pronunciamento completo:

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. ENQUANTO A ESQUERDA FAZ PLANOS PARA QUEBRAR E DESTRUIR O PAÍS.
    JMB SEMPRE PENSANDO E FAZENDO O MELHOR PELO POVO BRASILEIRO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou hoje (28) o projeto de lei que cria o programa de cooperação Sinal Vermelho para combater a violência doméstica contra as mulheres. Com a medida, o governo, o Ministério Púbico e a Defensoria Pública poderão firmar parcerias com estabelecimentos privados para ajudar a encaminhar denúncias contra os agressores.

A sanção, realizada durante cerimônia no Palácio do Planalto, oficializa para todo o país a medida, que foi implantada inicialmente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) para incentivar as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias.

Nesses casos, os estabelecimentos são treinados para ajudar vítimas de violência. Basta mostrar um X vermelho na palma da mão, pintado com batom ou tinta de caneta, para que o atendente, ou o farmacêutico, entenda tratar-se de uma denúncia e em seguida acionar a polícia.

Durante o evento, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o presidente Bolsonaro tem compromisso com o combate à violência contra a mulher.

“É uma lei que já pegou. O Brasil inteiro está fazendo um X na mão. É uma lei que está sendo sancionada, mas que já pegou no Brasil. Eu tenho recebido embaixadores, eu tenho recebido contatos de outros países para entender o que é o X na mão. A gente está fazendo história”, afirmou.

Para a ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, a sanção do projeto mostra que a sociedade não tolera a violência contra a mulher e que esforços não serão poupados para ampliar a rede de conscientização.

“A violência contra a mulher é um problema de toda a sociedade, e é com coragem e seriedade que a gente tem que tratar a importância dessa pauta”, disse Flávia.

O projeto também altera a Lei Maria da Penha para criar a pena contra a violência psicológica, caracterizada por ameaças, constrangimento, humilhação, ridicularização, chantagem e limitação do direito de ir e vir da mulher. A pena vai variar entre seis meses e dois anos de prisão.

A partir de agora, juízes poderão afastar imediatamente o agressor da convivência com a vítima diante de risco à integridade psicológica da mulher. Atualmente, a restrição ocorre somente diante de risco à integridade física da vítima e dos dependentes.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. JMB O ÚNICO PRESIDENTE QUE REALMENTE FAZ ALGUMA COISA EM DEFESA DAS MULHERES.
    O QUE O ENCANTADOR DE JUMENTOS JÁ FEZ ME DIGAM…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VACINAÇÃO: 39,4 milhões de brasileiros receberam 2ª dose contra a covid ou imunizante em dose única

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O Brasil se aproxima da marca de 40 milhões de imunizados. 39.493.648 pessoas, que correspondem a 18,65% da população, já receberam a segunda dose da vacina ou o imunizante em dose única.

Mais de 98 milhões de brasileiros receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados pelo consórcio dos veículos de imprensa às 20h desta quarta-feira (28).

Em todos os estados e no Distrito Federal, a primeira dose foi aplicada em 98.202.468 pessoas, o equivalente a 46,38% da população.

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

STF reage a Bolsonaro e diz que não proibiu governo federal de agir na pandemia

Foto: IANO ANDRADE/CB/D.A.PRESS

O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a afirmar, nesta quarta-feira (28/7), que não excluiu o presidente Jair Bolsonaro da tomada de ações para combater a pandemia da covid-19.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, o STF destacou que “não proibiu o governo federal de agir na pandemia” e que “uma mentira contada mil vezes não vira verdade”.

Desde que a Corte decidiu no ano passado que governadores e prefeitos tinham autonomia para implementar políticas de enfrentamento à crise sanitária, o presidente tem dito que ficou impossibilitado de agir para controlar a pandemia. No último fim de semana, ao conversar com apoiadores, Bolsonaro afirmou que “se estivesse coordenando a pandemia não teria morrido tanta gente”.

O STF afirma que a decisão, contudo, foi de que as medidas adotadas pelo governo federal para o enfrentamento do novo coronavírus não afastam a competência concorrente nem a tomada de providências normativas e administrativas por estados e municípios. Ou seja, tanto Bolsonaro quanto governadores e prefeitos poderiam implementar políticas para fazer frente à pandemia.

“É falso que o Supremo tenha tirado poderes do presidente da República de atuar na pandemia. É verdadeiro que o STF decidiu que União, estados e prefeituras tinham que atuar juntos, com medidas para proteger a população. Não espalhe fake news, compartilhe as verdades do STF”, diz o vídeo divulgado pela Corte.

Correio Braziliense

Opinião dos leitores

  1. BG.
    Como bem diz Romario, estes senhores calados são uns poetas. Eles pensam que os Cidadãos são imbecis que não veem a atuação delles, fora da constituição diariamente rasgando a carta magna. Uma vergonha e não representam a Cidadania do Povo Brasileiro.

  2. Se isso fosse verdadeiro
    Porque não divulgaram este video lá atrás quando deu poderes governadores e prefeitos.
    O Presidente foi preterido sim

  3. Em época de pandemia o governos federal deveria “dar as cartas”. O STF parece que não viu este aspecto.

    1. Esse supremo mambembe, ridículo, sem moral, moribundo, incompetente, depois de tanta polêmica em relação a sua decisão dúbia e infantil, vem agora querer jogar à plateia, só pega mesmo os energúmenos e acéfalos da esquerda, que tanto buscam agradar. Foram infelizes na decisão, como de costume e deixaram campo para à dúvida. Quando o povo estava morrendo, qual o motivo de não terem vindo com uma ação dessas, ridículo. A resposta para vcs todos, do povo brasileiro consciente e responsável, vcs já viram em diversas manifestações ordeiras e espontâneas, se preparem que a coisa vai aumentar, o povo vai voltar às ruas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Povo vai reagir se não tivermos uma eleição democrática, diz Bolsonaro

Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta quarta-feira (28/7), que “o povo vai reagir” se o país não tiver “uma eleição democrática” no pleito do próximo ano.

O chefe do Executivo fazia referência ao voto impresso, modelo que vem defendendo sob o argumento de que o atual sistema eleitoral, mediante o uso de urnas eletrônicas, permite fraude. A declaração foi feita a apoiadores, no Palácio da Alvorada.

“Olha, o povo vai reagir em 22 se não tivermos uma eleição democrática. Todos nós queremos eleições. […] Temos que ter transparência. Me acusavam de ser ditador, mas estou demonstrando exatamente o contrário. Vai ganhar eleições quem tem voto. Se não for dessa maneira, poderemos ter problema em 22 e eu não quero problema”, declarou o presidente.

Apresentação de ‘provas de fraude’

A primeira vez em que Jair Bolsonaro prometeu que iria expor provas de fraudes nas eleições, contudo, foi em 9 de março de 2020 – há mais de 500 dias.

Para esta quinta-feira (29/7), o presidente anunciou que fará uma “apresentação bombástica” para demonstrar “inconsistências” e “vulnerabilidades” das urnas eletrônicas.

Segundo Bolsonaro, serão indicadas provas de que houve fraude nas eleições de 2014, quando Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) disputaram o segundo turno. Na ocasião, as urnas constataram que a petista foi eleita com 54,5 milhões de votos, contra 51 milhões do tucano.

Além disso, o chefe do Executivo ainda promete que demonstrará que venceu as eleições de 2018 ainda no primeiro turno.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. O povo que ele fala é o gado miliciano. Mentiroso descarado. Foi desmentido de novo ao dizer que é obrigado a aprovar 4 bilhões para o fundão. Só se for obrigado pelo compromisso que ele assumiu com o centrão. A Câmara acaba de dizer que por Lei ele só precisa aprovar 800 milhões. E os bichos de chifres se deixam levar pelo 171 cagão e ainda saem espalhando essas merdas por ai.

  2. Vai, vai reagir sim!
    Vamos reagir elegendo o Presidente Lula já no 1º turno!
    A boiada vai chorar, vai ter infartaço em massa, mas querem que eu faça o que? Não sou coveiro!

    1. Assina: idiota útil da esquerda.
      A turma de Msduro passou 13 anos aparelhando as instituições.
      Até o chefão preso o STF soltou.
      O povo cubano e venezuelano hoje se arrepende.
      Mas tem zumque defende essa seita.

  3. Não sei pq que tanto medo a esquerda tem em não querer o voto impresso; com a palavra os jumentos de dois pés

    1. Além do medo da impressão do voto, mentem quando insinuam que as urnas não vai ser utilizadas, deixando entender que a cédula impressa voltará Kkkk, só mentiras e medo da verdade.

    2. Para um indivíduo que mora em uma comunidade com milícia ou facção o antigo voto de cabresto será retomado. O voto impresso serve para esse fim. Jumento e gado também utilizam cabresto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fundo Russo suspende envio da vacina Sputnik V aos estados do Nordeste

Foto: FEDERICO PARRA / AFP

O lote de 1,1 milhão de doses de vacina Sputnik V, contra a Covid-19, esperado pelos estados do Consórcio Nordeste, não chegará ao Brasil nesta quarta-feira, como estava previsto inicialmente. Diante da mudança, o envio das vacinas está sem prazo definido para ocorrer. Uma reunião entre governadores da região e o Ministério da Saúde russo foi marcada também nesta quarta-feira para tentar resolver o impasse.

Os imunizantes desembarcariam no país sob o mecanismo chamado de importação excepcional e temporária, que permitiria a aplicação da vacina em 1% da população dos estados solicitantes, com uma série de restrições em relação ao quadro geral de saúde e faixa etária dos vacinados.

Ao todo, estão em jogo pelo menos 37 milhões de aplicações negociadas diretamente pelos estados do Consórcio Nordeste (que agrupa os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e outros 10 milhões de doses anteriormente garantidas pelo Ministério da Saúde.

A importação dessas doses não ocorreu em totalidade porque a Anvisa não concedeu autorização de uso emergencial à vacina, por faltarem dados suficientes, segundo a agência, que garantam a segurança e eficácia do fármaco. A liberação vigente permite apenas um uso controlado, no modelo de estudo científico, com público restrito e acompanhamento constante como forma de avaliar, sobretudo, a segurança do imunizante.

Cancelamento

O cancelamento do envio do lote que inauguraria o uso da vacina no Brasil foi uma decisão do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), responsável por negociar a venda do antígeno com o Brasil. A ruptura se deu após o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, dizer publicamente que o Brasil “não tinha necessidade” dos imunizantes Sputnik V e Covaxin — vacina indiana sobre a qual há suspeitas de irregularidade na compra.

Na semana passada, os russos haviam pedido um prazo de 48 horas para reavaliar como ficaria o envio de doses diante da fala do ministro da Saúde. Na ocasião, o governador do Piauí, e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias (PT) chegou a referir-se aos esforços para comprar a vacina como uma “corrida de obstáculos”.

Após a análise do RDIF, ficou definida que a entrega das doses iniciais não ocorreria conforme o previsto anteriormente. Fontes ligadas ao processo dizem que os russos recuaram por buscarem uma definição específica do governo brasileiro se irá incluir, ou não, o imunizante no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Além disso, há receio do fundo que o recuo do governo federal atrapalhe os trâmites de autorização da vacina junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A vacina Sputnik V é aplicada em duas doses. De acordo com seus desenvolvedores, o imunizante apresentou eficácia de 91,6% nas fases 3 de testes. Seu uso ainda não ocorreu no Brasil, nem mesmo em estudos clínicos. Outros países, como a Argentina e a própria Rússia, aprovaram o imunizante e o utilizam em larga escala na população. Globalmente, 69 agências reguladoras já deram sinal positivo à vacina.

Com informações de O Globo

Opinião dos leitores

  1. Se comprarem vai ser mais recuso público jogado fora. Quem vai querer tomar essa vacina? A do Doriana já está com rejeição.

  2. 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *