Em despedida, Teich evita justificar sua saída: ‘Achei que poderia ajudar o país. Dei o melhor de mim’

Foto: Reprodução/Globo News

Um dia antes de completar um mês no cargo, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta sexta-feira (15), em entrevista no Ministério da Saúde, que “escolheu” deixar a pasta.

Ele fez a afirmação durante um rápido pronunciamento no Ministério da Saúde, ao lado do secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, e de técnicos da pasta.

“A vida é feita de escolhas. E hoje eu escolhi sair”, afirmou o ex-ministro. Ele disse que não aceitou o convite pelo cargo. “Eu aceitei que achava que poderia ajudar o Brasil e ajudar as pessoas”, afirmou.

Ao sair logo após após o pronunciamento, sem dar entrevista, o ex-ministro foi questionado se o motivo da saída era a insistência do presidente Jair Bolsonaro em relação ao uso da cloroquina como medicamento a ser adotado logo no início dos sintomas da covid-19, doença provocada pelo coronavírus. Teich não respondeu.

Em sua fala, o ex-ministro agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro pela oportunidade de ter comandado o ministério e elogiou a dedicação da equipe que trabalhou com ele no ministério.

Ele disse que deixou um plano pronto para governadores e secretários estaduais. Segundo o ministro, um programa de testagem também está pronto para ser aplicado.

Teich deixou o cargo nesta sexta-feira (15), antes de completar um mês à frente da pasta. Apesar de uma nota oficial do ministério dizer que ele pediu demissão, assessores da Saúde afirmaram que o ministro foi demitido.

Nelson Teich tomou posse em 17 de abril. Essa é a segunda saída de um ministro da Saúde em meio à pandemia do coronavírus. Teich havia substituído Luiz Henrique Mandetta.

Assim como Mandetta, Teich também acumulou divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas para combate ao coronavírus.

Nos últimos dias, o presidente e Teich tiveram desentendimentos sobre:

o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 (doença causada pelo vírus). Bolsonaro quer alterar o protocolo do SUS e permitir a aplicação do remédio desde o início do tratamento.

o decreto de Bolsonaro que ampliou as atividades essenciais no período da pandemia e incluiu salões de beleza, barbearia e academias de ginástica

detalhes do plano com diretrizes para a saída do isolamento. O presidente defende uma flexibilização mais imediata e mais ampla.

Teich foi ao Palácio do Planalto nesta manhã para uma reunião com Bolsonaro. Em seguida, ele voltou para o prédio do Ministério da Saúde. A demissão foi anunciada logo depois.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ozanir disse:

    Sr Omar o vendedor de caixão de "todo mundo odeia o Cris" será o novo ministro da saúde

  2. Cigano Lulu disse:

    O Capetão agora já pode pedir música no Fantástico: em menos de um mês seu ministério contabilizou três baixas. Páreo duro para o coronavírus.

  3. reginatal disse:

    Fraco e incompetente. Tinha mais é que cair fora mesmo!

  4. Rocha Neto disse:

    Não sou vidente, mais cantei a bola… falei q o novo "ministro" não celebraria São João em Brasília, pois num é que acertei . Descobri a roda! Teich pagou pela vaidade sem medida. Que sirva de lição.
    Gente, médico bem sucedido e que tem zelo pelo nome não necessita de cargo público. Sempre falei isto, mais a danada da vaidade vence o homem.

    • Cigano Lulu disse:

      Que vaidade? Teich era o nome cogitado por Bolsonaro antes mesmo deste tomar posse na Presidência.

  5. Rivanaldo disse:

    O Governo quer forçar a Cloroquina goela abaixo do povo pobre ao mesmo momento que editou uma Medida Provisória para isentar o Presidente por condutas equivocadas durante a crise. Método claro de fazer roleta russa com a saúde pública e se eximir pelo desastre que se aproxima.

“Oremos. Força SUS”, diz Mandetta após saída de Teich do Ministério da Saúde

Foto: Reprodução/Twitter

Poucos minutos após o agora ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, anunciar a demissão da pasta nesta sexta-feira (15), o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta usou suas redes sociais para se pronunciar. “Oremos. Força SUS. Ciência. Paciência. Fé!”, disse. Veja:

O ministro saiu do cargo antes mesmo de completar um mês. Ele foi chamado para o ministério em 17 de abril, após a demissão de Mandetta. Assim como ele, Teich vinha apresentando discordâncias com o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas de combate ao novo coronavírus. Uma das principais medidas de discordância é o uso da cloroquina no sistema de saúde brasileiro.o.

Com informações do Jornal de Brasília

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wendell Fernandes disse:

    Mandetta tem características do e jogador Romário, sendo que esse último pelo menos nos alegrava com belíssimos gols no show de oportunismo que dava… Já o ex ministro tá perdendo cada oportunidade de ficar calado, chega impressiona… Político oportunista danado… O Brasil infelizmente terá um número alto de casos e óbitos não por culpa, responsabilidade de A ou B, mas sim infelizmente por questões de desigualdade social extrema e da matemática aplicada em cima disso… População gigante… A história do pico de contaminação etc etc… Tá mais do que provado que se tivéssemos condições de dar tratamento imediato a todos que fossem necessitando, teríamos assim um número bem menor de mortos… Mas como todos sabem, saúde precária, políticos ineficientes aos montes nessa nação, e o resultado é o triste alarmante crescimento de casos e óbitos… E não precisa ser especialista em nada pra concluir isso, basta fazer uma conta simples, quase mil mortes em 24 e a curva de contaminação crescendo… Que Deus tenha misericórdia de todos nós, que ainda estamos vivos e dos que perderam a preciosa vida pra essa doença cruel causada pelo vírus…

  2. Elissandro Alves disse:

    FechadoComBolsonaro 🇧🇷!
    CLOROQUINA SIM!

  3. guga disse:

    O mito virou minto.

  4. Carlão disse:

    Osmar Enterra!

  5. PAULO disse:

    MUTRETA TÁ ROENDO? ACABOU SEU ESQUEMA……KKKKKKKKK

    • DOIDODOPLANALDO disse:

      GADO DETECTADO

    • Mpj disse:

      Mais um comunista saiu do governo. Assim como Santos Cruz, Moro, Mandetta e Bebiano. Todos querendo derrubar o mito .Quem Será o próximo comunista que irá abandonar o barco .

  6. Rafael Franco disse:

    Brasil virou uma verdadeira putaria com o “mito”.

Divergência sobre cloroquina e atividades essenciais motivou saída de Teich

O Ministério da Saúde confirmou à coluna a saíde de Nelson Teich e informou que o ministro dará uma entrevista coletiva nesta tarde explicando a demissão.

Na conversa com Bolsonaro, hoje, no Planalto, o agora ex-ministro apontou as duas razões principais para sua saída.

O ponto central, conforme informou o colunista Lauro Jardim, é a divergência entre Bolsonaro e Teich sobre o uso da cloroquina.

Teich também não gostou de ter sido ignorado sobre a decisão de aumentar o rol de atividades essenciais.

Eis a nota no Ministério da Saúde:

“O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu exoneração nesta manhã. Uma coletiva de imprensa será marcada nesta tarde”.

Guilherme Amado – Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Bolsonaro caminha para o precipício e quer levar com ele todos nós…
    Vá se abraçar com o capeta sozinho seu safado!

  2. Paulo disse:

    O ministro da Saude será Paulo Cintura.

    “saúde é o que interessa, o resto não tem pressa “

    IIIssssaaaaa!

  3. JR e Jr disse:

    Acho que se o capetão assumisse seria o cenário ideal, só acho

  4. Cigano Lulu disse:

    Então é hora de chamar a doutora Nise Yamaguchi. Ela faz parte do gabinete de crise do Planalto que acompanha a pandemia e, tal qual o Capetão, defende o uso indiscriminado de cloroquina. Mas o melhor perfil para o Ministério da Saúde continua sendo, de longe, o próprio Capetão.

VÍDEO: Paulo Guedes diz que Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”

O presidente Jair Bolsonaro manifestou apoio público nesta segunda-feira ao ministro da Economia, Paulo Guedes, dizendo que ele é a única pessoa no Brasil que decide sobre a economia.

A declaração ocorreu após especulações sobre a possível saída de Guedes do governo, devido a uma disputa interna entre as áreas política e econômica do governo em torno da forma como se dará a retomada do crescimento depois da crise do coronavírus.

— Acabei mais uma reunião tratando de economia. O homem que decide economia no Brasil é um só, chama-se Paulo Guedes. Ele nos dá o norte, nos dá recomendações e o que nós realmente devemos seguir — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Na semana passada, no lançamento do programa Pró-Brasil, que aposta no investimento público em obras para gerar empregos e fazer a economia voltar a girar, não havia integrantes da equipe econômica. O programa foi anunciado pelo ministro da Casa Civil, Braga Neto. Após o anúncio sem Guedes, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, negou ‘briga política’ em plano de retomada e falou em ‘ruído de comunicação’.

A reunião da manhã desta segunda-feira no Alvorada, além de Guedes, também contou com os ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Tereza Cristina (Agricultura), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União) e com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Bolsonaro também elogiou o Congresso, dizendo que o parlamentares são simpáticos à pauta econômica, e ressaltou que o governo tem preocupação com a responsabilidade fiscal, linha defendida por Guedes.

— Nós temos um Parlamento bastante sensível e simpático às causas voltadas para e economia. Há uma preocupação muito grande nossa com total responsabilidade com os gastos públicos. Temos algumas reformas pela frente, que brevemente estarão sendo discutidas e votadas.

Defesa do teto de gastos

Guedes, por sua vez, agradeceu a confiança de Bolsonaro e disse que o governo continuará com a mesma política econômica, focada em “reformas estruturantes” e investimentos privados.

— Queremos reafirmar a todos que acreditam na política econômica que ela segue, é a mesma política econômica. Nós vamos prosseguir com as nossas reformas estruturantes. Vamos trazer bilhões em investimentos em saneamento, em infraestrutura, em reforço para a safra.

Guedes classificou o programa Pró-Brasil como “estudos”:

— O programa Pró-Brasil, na verdade, são estudos, justamente na área de infraestrutura. São estudos adicionais para ajudar nessa arrancada de crescimento que nós vamos fazer. Agora, isso vai ser feito dentro dos programas de recuperação de estabilidade fiscal nossa. Nós não queremos virar a Argentina, não queremos virar a Venezuela.

Especialistas ouvidos pelo GLOBO avaliam o programa Pró-Brasil como positivo, porém criticam alguns de seus pontos, como seu tamanho, a falta de visão coordenada com outras iniciativas – inclusive privadas – e a ausência de coordenação dentro do próprio governo.

O ministro ainda se posicionou de forma contrária à derrubada do teto de gastos:

— Nós estamos no caminho certo, para que falar em derrubar o teto, se é o teto que nos protege contra a tempestade?

Recado a servidores

De acordo com Paulo Guedes, o Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”:

— O Brasil vai voltar à tranquilidade muito brevemente, muito antes que todos esperam. Nós vamos surpreender o mundo de novo. Surpreendemos ano passado e vamos surpreender novamente. Positivamente, sempre. E eu agradeço ao presidente a confiança que sempre demonstrou no nosso programa.

O ministro sugeriu que o funcionalismo deixe de pedir reajuste salarial pelo prazo de um ano e meio, em um “sacrifício pelo Brasil”.

— Precisamos que o funcionalismo público mostre que está com o Brasil, que vai fazer um sacrifício para o Brasil. Não vai ficar em casa trancado, com geladeira cheia, assistindo à crise enquanto milhões de brasileiros estão perdendo o emprego. Não, eles vão colaborar. Eles vão ficar sem pedir aumento por um tempo. O presidente disse que ninguém tira dinheiro, ninguém tira salário, ninguém encosta em nenhum direito que existe hoje. Mas, por atenção aos brasileiros, não peçam aumento por um ano e meio, contribuam com o Brasil.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calixto Silva disse:

    A maioria dos comentários que eu li aqui, são de marionetes da imprensa que torce e quer ver o fim do governo Bolsonaro, aí chamam aqueles que apoiam o presidente Bolsonaro de gado.

  2. Antenado disse:

    A turma do “quanto pior melhor” torcem descaradamente para dar errado. A maioria querendo voltar a ter uma teta para mamar.

    • Gabriel Fernandes disse:

      Acho que quem gosta de teta pra mamar é seu presidente! Ele como presidente, 01 como senador, 02 como vereador e 03 como deputado federal! Pense num rapaz que odeia a política, muita moralidade quando aponta pros outros! E quanto ao pior melhor, reflete mais! Quem num momento de crise econômica e crise politica quis exonerar o delegado geral da PF, pra o super herói de vocês pedir demissão e criar uma crise politica??? Quem foi mesmo?

  3. Dilson disse:

    "Como surpreendemos no ano passado"? Paulo Guedes, o sr. esqueceu o valor do PIB do ano passado, foi isso? A surpresa foi negativa meu amigo, deixe de lorota!

  4. Giba disse:

    O BOZO tenho certeza que pressionou o posto Ypiranga para dar esse discurso, pra ver se tirar do foco as medidas dele e dos pimpolhos dele. Acredite quem quiser nele mais esse Bozo está perdido até o Talo.

  5. Joao antonio disse:

    Não surpreendeu até agora, imagina com o impacto do covid-19. É preciso muito mais que a fé do dos evangélicos para pode sair dessa crise econômica. E esse governo ja demonstrou total incapacidade para tirar o brasil da crise econômica.

  6. Manoel disse:

    Realmente tudo vai dá errado para quem não tem fé em Deus mais Deus está acima de tudo e de todos e se ele quiser até amanhã já está tudo resolvido agora a população só confia e homens corruptos e esquece que Deus e poderoso e pode todas as coisas não e lula nem Bolsonaro que vai abençoar o país é Deus que e o dono de tudo. Vamos ser pecimista vamos confiar que vai dá tudo certo não porque esquerda nem direita quer mais Deus que e misericordioso com todos nós.

  7. Manoel disse:

    Guedes eh o maior pilar atual do governo. Mas ou será fritado ou desmoralizado pelos aliados de Bolsonaro ou por ele mesmo. O resto eh conversa pra boi dormir (ou gado, como queiram). Bolsonaro não vai conseguir aprovar mais nada no congresso e se unir com o centrão fisiológico e corrupto em troca de cargos irá acabar de vez com as promessas de campanha… Isso sem contar com as provas que Moro poderá apresentar em breve em relação ao que disse na coletiva de despedida… Tenho a impressão que não são somente prints q ele tem !

  8. LUIS 51 disse:

    Mais fácil é Ser Enganado por uma Quadrilha de Petralhas por nada menos de 14 ANOS , nao roubaram mais pq o Povo Tirou,o Poste, a Encaixotadora de Vento do Poder!!!!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      O brasileiro não devia é deixar ser enganado por ninguém, nem pelos petralhas e nem pelos bandidos milicianos. Enquanto essas paixões absurdas existirem continuaremos a fazer papel de trouxas, e eles rindo da cara da gente.

    • João Neto disse:

      Ainda, a velha justificativa, esse disco está arranhada, mude a faixa.

  9. Raimundo Roberto Inácio de Melo disse:

    O ministro Paulo Guedes está viajando na maionese e falando pra uma plateia sem noção.

    • Manoel disse:

      Viajando o que seja tenha fé independente de esquerda ou direita vamos torcer para da tudo certo a que ponto chega o ser humano que torce para as coisas da errado não e Paulo Guedes não e lula e não e Bolsonaro e Deus que ama a todos nós e tudo vai dá certo em nome de Jesus.

  10. Jd disse:

    Estão vem? Milagre, só pode ser o enviado de Deus!

  11. Nono Correia disse:

    Igual ao "crescimento" que iria começar em três meses de governo Bolsonaro. É muito fácil enganar o gado!

  12. Só Comento disse:

    É isso aí mito das cavernas. E daqui pra frente se o Queiroz não escrotizar (conjulguei corretamente o verbo??) vamos coloca-lo lá no STF também; Meritocracia e Honestidade são os pilares dessa gestão. Brasil acima de tudo, rachadinhas acima de todos.

Maior apoiador de Bolsonaro, empresário Luciano Hang diz estar decepcionado com saída de Moro

Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Um dos maiores apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, o empresário Luciano Hang, das lojas Havan, descreve a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça como decepcionante. Ele descreve esta sexta-feira (24) como um “dia triste”, em que o seu “herói” deixou o governo federal.

“Fico triste com a saída do ministro Moro. Sempre tenho manifestado que ele é o grande herói brasileiro. Um herói vivo. O cara que fez uma grande transformação no nosso país contra a corrupção. Hoje é um dia pesado, muito, muito, muito ruim”, diz Hang ao Painel.

“”A saída do Moro me deixa decepcionado. Neste momento estamos vivendo uma crise de saúde, política, e uma crise econômica, e não temos que ter mais crises do governo. Temos que agora nos unir para passar esse momento. Estou muito triste. O Moro deixa um legado para o país inimaginável, sou fã de carteirinha dele, e ele é meu herói”, acrescenta.

Sobre as acusações feitas por Moro a Bolsonaro, como a tentativa de acessar arquivos da Polícia Federal e uma suposta fraude em sua assinatura no Diário Oficial, Hang disse que estava em um avião e não acompanhou o que disse o ministro, e que só se pronunciará sobre o tema depois de assistir o pronunciamento de Moro.

Perguntado se continua bolsonarista, ele não confirmou nem negou.

“Sou apoiador do Brasil. Quando me posicionei lá atrás, quando disse que seria ativista político, escrevi que ‘o Brasil que queremos só depende de nós'”, disse.

Ele também disse que não tem apego a políticos.

“Desde o princípio, se você procurar meu histórico, sou brasileiro como ativista político. Não tenho partido nem político de estimação. Continuo defendendo as pautas brasileiras. Desburocratização, menos interferência do governo na vida do cidadão.”

Sobre a preocupação de Bolsonaro com o inquérito de fake news, revelado pelo Painel, ele diz que o temor só deve existir em quem tem algo a temer, o que, na sua opinião, não é o caso do presidente.

“Quem não deve, não teme. Se você fez alguma coisa, você fica preocupado. Se não fez, você não fica. Espero que não seja a verdade. Não acredito que empresários tenham impulsionado determinadas campanhas​. Quero crer que houve uma saída por não compatibilizar o pensamento do presidente com o do Moro”, conclui.

Painel – Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Barba disse:

    O doente da Havan!
    KD os gados?

    • Tertu disse:

      O gado tá pensando que seus adorados ladrões CORRUPTOS condenados vão voltar ao poder. Não sejam imbecis, cretinos. O Brasil não aceita em hipótese alguma votar em CORRUPTOS. Hehehe

  2. Roberto macedo disse:

    Esse veio da havan é caloteiro

  3. Anti-Político de Estimação disse:

    Sonegador contumaz, que adora arrotar honestidade e patriotismo.

    • paulo disse:

      Bom mesmo era sua quadrilha. Esse Cidadão gera milhares de empregos pelo País todo e não existe nenhuma prova contra ele, agora os seus ladrões de estimação geraram milhares de desempregos. O seu poste que ensaca vento deixou 13 MILHÕES de desempregados.Babaca.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Que quadrilha cara ?????kkkkkkkkkk. Não tenho e nunca tive nem político , e nem muito menos, BANDIDO de estimação.

  4. João Felipe disse:

    Claro..isso é óbvio. Pessoas com bom senso não tem políticos de estimação.

  5. Anderson disse:

    O Brasil inteiro está decepcionado. Tiro de bazuca no pé.
    Acabou, cadeia para todos os corruptos, seja de direita, seja de esquerda.
    Começou hoje a campanha MORO 2022

  6. Observando disse:

    Os ratos abandonam o navio.

    • Gustavo disse:

      Errar é natural. Agora permanecer no erro é que não dar. É o que vejo nessa pessoas que defendem o PT. Eles não vem para realidade. É uma ilusão total.

    • Jr disse:

      O anti petismo é tão cego quanto o petismo!

Após saída de Moro, titular da Secretaria do Consumidor avisa que colocará cargo à disposição

Luciano Timm, secretário Nacional do Consumidor, colocou seu cargo à disposição com saída do ministro da Justiça, Sérgio moro Foto: IsaacAmorim/ MJSP

Após o anúncio da saída do ministro da Justiça, Sergio Moro, por divergências com o presidente Jair Bolsonaro, sobre a exoneração do diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, Luciano Timm, titular da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, informou que irá colocar o cargo à disposição.

Em um texto publicado em sua página pessoal no Facebook o secretário fala sobre a sua “absoluta e irrestrita solidariedade a Moro”.

Ele acrescenta que voltará as atividades que exercia em São Paulo, como advogado e professor, mas destaca que antes disso colaborará com a transição segura a seu sucessor.

O secretário termina o texto com a frase: “Liberdade acima de tudo, Estado de Direito acima de todos”.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Colocou o "cargo à disposição" como assim, se todo cargo comissionado é por natureza demissível "ad nutum" e pertence a quem o nomeia?
    Ou será que o "Cargo" a que este senhor se refere é o caminhão da linha Ford?
    Ora, quem aceita trabalhar como cargo comissionado, em qualquer instância governamental, já deveria saber que as coisas funcionam assim.
    Neste caso o cargo é do presidente, que o já tem à disposição independente da vontade do nomeado e pode pedi-lo no momento que desejar.
    Quem atingiu as expectativas do chefe, fica. Quem ficou aquém do desejado, sai. O equívoco de Lóssio foi só ter pedido para que seus comissionados redigissem uma carta, já que os cargos estão à disposição do gestor desde quando foram nomeados.

  2. Anderson disse:

    Demos um voto de confiança a Bolsonaro, mas uma série de fatores e decisões erradas atrapalharam o seu governo.
    Agora é Lula? Jamais!
    Bolsomito? Passado!
    Político de estimação? Nenhum!
    Moro? 2022!

  3. Manoel disse:

    O governo dele Já acabou… Só falta ele selar o pacto com o centrão pra não cair. O centrão fará o que sempre fez, trair os acordos espúrios e fazer o impeachment de Bolsonaro…

  4. Lurdes disse:

    Se o Paulo Guedes pedir pra sair, acaba o governo Bolsonaro.
    Fica igualzinho ao de querida.
    SEM GOVERNABILIDADE.
    Lamentável!!!
    Tanto que eu tinha esperança.
    Lascou se ex mito.
    Teus filhotes, te derrubaram.
    Eu não acredito mais em vc.
    Perdi a confiança.
    Agora é MORO.
    Não quero nem saber.

Bolsonaro anuncia coletiva nesta tarde: “restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro anunciou em suas redes sociais que nesta sexta-feira(24) às 17h, uma coletiva para se manifestar após a confirma do ex-juiz Sergio Moro de sua saída do Ministério da Justiça:

“Restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”, disse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João JJ disse:

    Vamos que vamos.
    Agora é MORO.
    O ex Mito, va trabalhar de babá.
    Vá se juntar a o centrão, Votei em Bolsonaro, pra acabar com as safadezas e permanecer longe afastado dos mal viciados.
    Foi se misturar, encubrir as safadezas dos bebezinhos, fique pra lá, contínuo achando que o país tem jeito, mas não com Bolsonaro, o homem mudou de lado.
    Vai timbora enganador.
    Não pense nunca que seus eleitores, são encantados igual aos do ladrão de nove dedos.
    Eu sou Brasil sil sil sil.
    Show satanás!!!!
    Moro 2022!!
    E pronto, não tem outro.

  2. Antonio Turci disse:

    Credibilidade de Bolsonaro=ZER0. Sérgio Moro merece respeito.

  3. Mariano disse:

    O país conheceu a verdade. E a verdade o libertará, do pai e dos filhos.

  4. eudes disse:

    Não tem uma coisa pra me deixar mais chateado do que os fanáticos políticos seja de que ideologia for só falarem em impeachment. Pessoas esclarecidas que só falam em democracia e, no entanto, querem por interesses pessoais retirar um presidente legitimamente eleito a qualquer custo e por motivos banais. O impeachment é para casos extremos, casos graves de corrupção comprovada, por exemplo, não alimentem a ânsia de poder dos políticos sejamos sensatos. OBS: Fui contra o impeachment de Dilma! embora tenha sido um mal necessário.

  5. Everton disse:

    Moro só serviu quando foi para prender os inimigos.

  6. Giba disse:

    O GADO não deixem de assitir mais uma mentira do Bozo kkk, a policia federal não é sua não Bozo.

  7. KK disse:

    Tá querendo me enganar é????
    To fora!!
    Agora é Sérgio Moro.
    O nível aqui é outro, não tem Olavo, nem filhos com forte influência e participação no governo.
    É MORO e ponto final!!!
    Tamos juntos meu Herói!!!

  8. Soraya disse:

    Se arrependimento matasse.

  9. Marcelo disse:

    O ex ministro, como ex juiz sabe que , quem acusa cabe o ônus da prova, vcs tenham certeza que ele está munido de provas….melhor o presidente assumir que o diário oficial errou ( erro de digitação) e tentar resolver, antes que Sérgio moro vá depor na CPI das faço news….

  10. Manoel disse:

    Agora vem a verdade verdadeira kkkkkkkkk. Bolsonaro já está mais perto do impeachment que ontem… Cada dia cava mais fundo o buraco… Mais um que enganou o povo (me incluo nisso).

  11. Paulo disse:

    A mesma verdade de Flávio Bolsonaro.

  12. Zé Ninguém disse:

    CORRE NARO……LÁ VEM O JAPA DA PF…

Confira resumo da coletiva de Moro que confirmou sua saída do Ministério da Justiça

Foto: Reprodução

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, anunciou a demissão nesta sexta-feira (24). O ex-juiz federal deixa a pasta após um ano e quatro meses no primeiro escalão do governo do presidente Jair Bolsonaro.

A demissão foi motivada pela decisão de Bolsonaro de trocar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, indicado para o posto pelo agora ex-ministro. A Polícia Federal é vinculada à pasta da Justiça.

Ao anunciar a demissão, em pronunciamento na manhã desta sexta-feira no Ministério da Justiça, Moro afirmou que disse para Bolsonaro que não se opunha à troca de comando na PF, desde que o presidente lhe apresentasse uma razão para isso.

“Presidente, eu não tenho nenhum problema em troca do diretor, mas eu preciso de uma causa, [como, por exemplo], um erro grave”, disse Moro.

Moro disse ainda que o problema não é a troca em si, mas o motivo pelo qual Bolsonaro tomou a atitude. Segundo o agora ex-ministro, Bolsonaro quer “colher” informações dentro da PF, como relatórios de inteligência.

“O presidente me disse mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, que ele pudesse colher relatórios de inteligência, seja diretor, seja superintendente. E realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação”, declarou.

Moro fez uma comparação da situação com o período em que conduziu os processos da Operação Lava Jato como juiz: “Imaginem se durante a própria Lava Jato, ministro, diretor-geral, presidente, a então presidente Dilma, o ex-presidente, ficassem ligando para o superintendente em Curitiba para colher informações sobre as investigações em andamento?”, questionou.

Segundo Moro, a autonomia da Polícia Federal “é um valor fundamental que temos que preservar dentro de um estado de direito”.

De acordo com o relato de Moro, ele disse a Bolsonaro que a troca de comando na PF seria uma interferência política na corporação. Ele afirmou que o presidente admitiu isso.

“Falei para o presidente que seria uma interferência política. Ele disse que seria mesmo”, revelou Moro.

O agora ex-ministro contou que Bolsonaro vem tentando trocar o comando da PF desde o ano passado.

“A partir do segundo semestre [de 2019] passou a haver uma insistência do presidente na troca do comando da PF.”

Moro afirmou que sai do ministério para preservar a própria biografia e para não contradizer o compromisso que assumiu com Bolsonaro: de que o governo seria firme no combate à corrupção.

“Tenho que preservar minha biografia, mas acima de tudo tenho que preservar o compromisso com o presidente de que seríamos firmes no combate à corrupção, a autonomia da PF contra interferências políticas”, declarou.

‘Não assinei exoneração’

Moro afirmou ainda que ao contrário do que aparece no “Diário Oficial”, ele não assinou a exoneração de Valeixo, nem o diretor-geral da PF pediu para sair.

Na publicação, consta a assinatura do então ministro e a informação de que Valeixo saiu “a pedido”.

“Eu não assinei esse decreto e em nenhum momento o diretor da PF apresentou um pedido oficial de exoneração”, disse.

‘Carta branca’

Moro também disse que, quando foi convidado por Bolsonaro para o ministério, o presidente lhe deu “carta-branca” para nomear quem quisesse, inclusive para o comando da Polícia Federal.

“Foi me prometido na ocasião carta branca para nomear todos os assessores, inclusive nos órgãos judiciais, como a Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal”, afirmou o agora ex-ministro.

No anúncio, Moro chegou a se emocionar e a ficar com a voz embargada. Foi quando ele disse que havia pedido ao presidente uma única condição para assumir cargo: que sua família ganhasse uma pensão caso algo de grave lhe acontecesse no exercício da função.

“Tem uma única condição que coloquei. Eu não ia revelar, mas agora isso não faz sentido. Eu disse que, como estava saindo da magistratura, contribuí durante 22 anos, pedi que, se algo me acontecesse, que minha família não ficasse desamparada”, disse Moro.

Demissão do diretor da PF

Moro foi surpreendido com a publicação da exoneração de Valeixo nesta sexta-feira. Fontes ligadas ao ministro disseram que ele não assinou a exoneração, apesar de o nome dele constar, ao lado do nome de Bolsonaro, no ato que oficializou a saída de Valeixo.

Moro foi anunciado como ministro de Bolsonaro em novembro de 2018, logo após a eleição presidencial. O magistrado ganhou notoriedade como juiz de processos da Operação Lava Jato, entre os quais o que condenou o ex-presidente Lula no caso do triplex do Guarujá.

Na oportunidade, Bolsonaro garantiu autonomia a Moro na escolha de cargos de segundo e terceiro escalão. O ministro teria “carta branca” no combate à corrupção.

“Conversamos por uns 40 minutos e ele [Moro] expôs o que pretende fazer caso seja ministro e eu concordei com 100% do que ele propôs. Ele queria uma liberdade total para combater a corrupção e o crime organizado, e um ministério com poderes para tal”, declarou Bolsonaro à época.

“É um ministério importante e, inclusive, ficou bem claro em conversa entre nós que qualquer pessoa que porventura apareça nos noticiários policiais vai ser investigada e não vai sofrer qualquer interferência por parte da minha pessoa”, acrescentou Bolsonaro.

Interferências

Após o início do governo, Moro e Bolsonaro tiveram uma relação marcada por episódios de interferência do presidente no ministério. Bolsonaro chegou a dizer que tinha poder de veto nas pastas, pois “quem manda” no governo é ele.

Um dos episódios de interferência ocorreu em fevereiro de 2018, quando Moro, após reclamação de Bolsonaro, revogou a nomeação de Ilona Szabó para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

Cientista política, mestra em estudos de conflito e paz pela Universidade de Uppsala (Suécia) e fundadora do Instituto Igarapé, Ilona Szabó atuou na ONG Viva Rio e foi uma das coordenadoras da campanha nacional de desarmamento.

Bolsonaro é a favor de facilitar o acesso da população a armas e ignorou sugestões feitas pelo ministro da Justiça para o decreto das armas.

Valeixo

A situação da PF também abalou a relação entre Bolsonaro e Moro. O presidente pretendia desde o ano passado tirar Valeixo do comando do órgão.

Delegado de carreira, Valeixo foi superintendente da PF no Paraná e atuou na Lava Jato. A experiência o fez ser escolhido por Moro para chefiar a PF.

A liberdade que Moro teve para escolher Valeixo e superintendentes regionais da PF foi minada aos poucos. Em agosto de 2018, sem o conhecimento da cúpula da Polícia Federal, Bolsonaro anunciou a troca do superintendente do Rio de Janeiro.

A fala gerou ameaça de entrega de cargos na PF. A troca na superintendência ocorreu, mas Moro e Valeixo continuaram nas suas funções.

Coaf

A relação entre ministro e presidente também foi abalada, segundo o jornal “O Globo”, pelo fato de Moro ter pedido ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, a revisão de uma decisão que restringiu o compartilhamento de relatórios do Coaf com os ministérios públicos e a Polícia Federal.

O movimento do ministro irritou o presidente Jair Bolsonaro, pois a liminar atendia a um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente.

Um relatório do Coaf apontou movimentações atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. A defesa argumentou que dados dessas movimentações foram repassados ao Ministério Público sem a autorização judicial.

No caso do Coaf, a transferência do órgão para o Banco Central levou à queda de um dos principais aliados de Moro na Lava Jato, o auditor Roberto Leonel, demitido do comando da estrutura.

Coronavírus

Com a pandemia do novo coronavírus, Moro e Bolsonaro deram outros sinais de descompasso.

Moro defendeu em falas públicas o isolamento como forma de tentar conter o contágio, mais alinhado ao que dizia o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Bolsonaro, por sua vez, fala em isolar somente idosos e pessoas com doenças crônicas. Ele prega a volta do comércio, a retomada das aulas e reabertura de fronteiras com Uruguai e Paraguai.

Supremo

Visto por analistas políticos como um possível postulante ao Planalto em 2022, desde a escolha para chefia a pasta da Justiça, Moro figurou como um possível indicado por Bolsonaro para as duas vagas no STF que serão abertas com as aposentadorias dos ministros Celso de Mello e Marco Aurélio Mello.

Bolsonaro costumava elogiar o perfil de Moro, mas também declarou o desejo de indicar um ministro “terrivelmente evangélico” para a Corte.

Perfil

Nascido em 1972 em Maringá, no norte do Paraná, Moro ganhou visibilidade como juiz da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba – especializada em crimes financeiros e de lavagem de dinheiro.

Ele ficou conhecido nacionalmente por ser o juiz responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Antes da operação, Moro trabalhou no caso Banestado e atuou como auxiliar da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber, em 2012, no caso do Mensalão do PT.

A Operação Lava Jato, que teve a primeira fase deflagrada em 17 de março de 2014, começou com a investigação de lavagem de dinheiro em um posto de combustíveis e chegou a um esquema criminoso de fraude, corrupção e lavagem de dinheiro na Petrobras. Posteriormente, a ação alcançou outras estatais.

Em mais de quatro anos de Lava Jato, o magistrado sentenciou 46 processos, que condenaram 140 pessoas por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Entre os políticos condenados 13ª Vara Federal de Curitiba estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB).

Doleiros, ex-diretores da Petrobras e empresários ligados a grandes empreiteiras do país também já foram condenados por Moro.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Antônio disse:

    Ninguém pode alegar que foi enganado. Basta ver o histórico dele como militar e como deputado federal.

  2. Francisco Alves disse:

    Sem problema. Para desespero da esquerda, Moro 2022, simples assim.

  3. Abel disse:

    ESSE É O CARA!!
    ÔÔÔ BRASILEIRO PRA ME DAR ORGULHO!!
    TÔ FORA BOLSONARO!!
    VÁ ENGANAR A OUTRO.

  4. Pedro disse:

    Nove Dedos Santo de Araque ladrão Pingunço deu um tiro no dedo e saiu rico; Dilmanta deu um tiro na mandioca, acertou em estocar vento, foi expulsa e saiu rica e falando besteira; já o mílico, ah o milico, deu um tiro para cima, acertou Moro, e morreu. Pense num cabra besta, tinha quase tudo para ser um ótimo presidente, apoio popular, das forças armadas, de bons técnicos, fôlego, mais preferiu ir nadar com os políticos que tanto criticou. Agora não se apruma mais, nesse rumo, iremos retirando quantos forem precciso serem retirados do poder.

  5. Flávio A disse:

    Nem precisava da Globo e da Esquerda.. Bolsonaro mesmo se liquidou!!

  6. Igor disse:

    Pegou fogo no cabaré kkkkkk

  7. François Cevert disse:

    Que começe o chororô!!!

  8. Irany Gomes disse:

    Cabra macho, não se curvou a politicagem, esse cara chegasse a presidente, realmente o Brasil mudaria. É para o Bozo a única saída honrosa será um tiro no ouvido!

  9. José disse:

    Parabéns Sérgio Moro. Orgulho do BRASIL. Verdadeiramente um PATRIOTA.

    Fora BOZO! Mourão Presidente!!!

  10. Jerb disse:

    Infelizmente, Bolsonaro começa a se mostrar imagem diferente da esperada pelos seus eleitores. A quem quer proteger? Votei nele esperando mudanças para melhor no país. Mas, parece que estamos retornando a velhos e odiosos tempos … Que Mourão assuma e mantenha o compromisso com aqueles que os elegeram!

  11. Aparecida disse:

    Segundo Tancredo Neves "Esperteza, quando é muita, come o dono." A ambição de ser ministro do STF fez o Moro silenciar para rachadinhas, amizade com milícias e para o lucro desproporcional de uma loja de chocolates de um dos filhos de Bolsonaro. Jogou sua carreira de juiz federal no lixo e comprometeu sua credibilidade. Talvez sobre uns TONTOS para votar nele na próxima eleição. A justiça divina tarda mais não falha.

  12. Cidadão Indignado disse:

    Canalhice desse presidente! Isso só mostra a qualidade de governantes que sempre tivemos! Bando de indecentes! Agora vai fazer igual aos outros canalhas, fatiar os cargos e dar aos larápios do congresso nacional, em especial ao partido mais inescrupuloso que temos o PP. ACABOU-SE!

  13. Gustavo disse:

    É amigos. Fomos vítimas de mais um, talvez o maior estelionato eleitoral da história.
    Há abutres, hienas e toda sorte de carniceiros felizes com a destruição. Os que se alimentam da morte e da miséria, sorrindo apontando os dedos, "tá vendo? Eu sabia…"
    Para esses operários das ruínas, eu digo que não tenho bandido de estimação. Tínhamos duas opções no segundo turno de. 2018. Uma era a certeza do fracasso. Eleger o PT seria chancelar toda prática nefasta que culminou na situação de penúria do Brasil. A outra era uma incerteza. Uma esperança. Uma intenção de mudança. Não me refiro ao candidato, mas ao eleitor que o elegeu.
    Hoje o rei ficou nu, embora seu ornamento e paramento já não escondia tanto a verdade por trás do discurso transformador
    Acontece que a presença de Moro ainda dava alguma credibilidade moral ao governo. Caiu o principal pilar do presidente. Pilar que ainda sustentava seu discurso. Como ele mesmo pregou em campanha, a verdade será conhecida e libertará. Olha aí. O rei nu, sem apoio, sem moral, chafurdando com a velha política que diz combater.
    Sigamos em frente. Uma hora acertarmos. O que importa é que nosso país se desenvolva e se livre de corrupção, violência e populismo.

    • Fábio Bezerra disse:

      Seu comentário é perfeito, não merece qualquer tipo de retificação.
      Ele (o PR) teve todas as oportunidades de fazer as necessárias mudanças que a população brasileira a ele confiou.
      Paciência Iracema, paciência!

    • Ivan disse:

      O melhor comentário que vi, até hj, nesse blog!!!! Parabéns guerreiro!!!

Ex-ministro Moro: “Sempre vou estar à disposição do país”

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O agora ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, encerrou seu pronunciamento de despedida do cargo dizendo que sempre está pronto para ajudar o país.

“Quando assumi, eu sabia dos riscos. Vou descansar um pouco. Vou procurar mais adiante um emprego”, disse.

“Independentemente de onde eu esteja, sempre vou estar à disposição do país.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Agamenon disse:

    Eita que 2022 esta chegando…vai renovar não!

  2. Maurício disse:

    Quero dizer aos leitores do blog, que saio junto com MORO.
    Vou esperar, mas ao que tudo indica vou romper com Bolsonaro, preciso de um tempo, mas vou romper com o ex Mito.
    Votei, pensando que a sacanage, ia começar a ter fim.
    Mas não é o que estamos vendo.
    Venceu, os canalhas do centrão.
    Venceu os canalhas do PT.
    Venceu os canalhas do MDB.
    Bolsonaro, se junta a essa trump, e da um coice no maior brasileiro de todos os tempos, um HERÓI, um cara corajoso, brasileiro que honra o País.
    Bolsonaro deu a maior Cagada de todos os tempos.
    UMA CAGADA DE ELEFANTE.
    LAMENTÁVEL!!!!!!!!
    AGORA É MORO!!!
    NADA DE MITO.
    É SÓ MAIS UM CANALHA!!!
    TCHAU!!!!
    ESSE OTÁRIO VAI ENTRAR NUMA CONTAGEM REGRESSIVA PRA QUEDA.
    OU PRA ROUBAR JUNTO COM ESSES OUTROS PICARETAS.

  3. Ivan. disse:

    Me lasquei todo,em dá meu voto a Bolsonaro, mas 2022 vem aí, me aguarde. Moro presidente.

  4. Barba disse:

    Kd o gado?

  5. nasto disse:

    É o COMEÇO DO FIM DO GOVERNO BOLSO. Só falta GUEDES para afundar. O Bolso é igual aos outros. O bichinhos estão acuados iguais aos filhos do Ladrão Mor. Vai colocar nos cargos gente que passe manteiga nos processos dos vagas filhos. GRANDE DECEPÇÃO . Pensei que seria diferente. Só DEUS para nos salvar, porque os homens políticos do Brasil são farinha MORFADA do mesmo saco. LAMENTÁVEL mas pura VERDADE.

  6. Cigano Lulu disse:

    Diante da contingência de escolher entre a impunidade da filharada (Flavio da 'rachadinha' e Carlos das 'fake news') ou manter um ministro sério e independente, a quem ele mesmo ofereceu toda a autonomia, o Capetão optou pelo triunfo da delinquência.

    • Everton disse:

      Pois é, quiseram investigar o príncipe, tomaram na cara. Ajudou a derrotar os inimigos, mas quando o inimigo estava em casa, foi derrotado.

Moro: interferência política na PF poderia levar a “relações impróprias”

Sergio Moro disse que a tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na PF poderia levar a “relações impróprias” entre o órgão e o chefe do Executivo.

“Não tendo uma causa consistente e percebendo que essa interferência política pode levar a relações impróprias entre o diretor-geral [da PF] e o presidente da República, é algo que eu não posso concordar”, disse.

“Infelizmente não tenho como persistir com o compromisso que eu assumi sem que eu tenha condições de trabalho e de preservar a autonomia da PF.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anônimo disse:

    O representante da nação tem de ter total controle sobre todas as instituições pois foi povo que escolheu diferente do judiciário que ultimamente só tem trazido insegurança jurídica ao país além de não ajudar na economia é só gastos não generalizando.

    • Jr disse:

      Errado! Instituições responsáveis por investigações e fiscalizações tem que ter autonomia, podendo atuar contra pessoas ligadas ao maus alto escalão, inclusive o chefe do executivo. Sem autonomia só pega piada.

    • Jr disse:

      * mais alto escalão

    • Anônimo disse:

      Sai dai ,no mínimo é do judiciário a classe que usurpa a população brasileira com seus altos salários pra gerar instabilidade na economia de nosso país!

  2. Rafael disse:

    Entre cumprir as promessas de campanha e proteger os filhinhos, adivinha? Perdeu o apoio dos bolsonaristas de carteirinha que conheço. Vaza….

  3. Anti-Político de Estimação disse:

    Para bom entendedor, meia palavra basta. Aparelhamento forte para encobrir malfeitos e falcatruas da nova quadrilha no poder.

Bolsonaro queria ter acesso aos relatórios de inteligência da PF e informações sobre as investigações em andamento, diz Moro

Sergio Moro disse que Jair Bolsonaro queria ter acesso aos relatórios de inteligência da PF e informações sobre as investigações em andamento.

É inadmissível que o presidente da República possa interferir na autonomia da PF.

Como afirmou Moro, “o grande problema não é quem entra, mas por que entra”.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Xicu disse:

    🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤡🤡🤡🤡🤡🤡🤡🤡🤡🤡

  2. Giba disse:

    Cadê o Gado defensor da corrupção sumiram kkk. Ou vida de GADO.

  3. Aurélio disse:

    Parece aquelas cenas em que chefes políticos de cidades do interior trocavam o delegado quando esse enquadrava um familiar ou aliado do prefeito.

  4. José disse:

    Deu no que deu! Foram pagar pra ver!

  5. Agamenon disse:

    O lobo mau (Moro) não conseguiu derrubar a casa dos 3 porquinhos (01,02 e 03).

  6. matematica disse:

    Se Lula e Dilma tivessem acesso a informacoes sigilosas da PF em investigacoes, Dilma teria caido? Claro que não. Querem um policia fascista, que atende nao a sociedade, mas ao governo.

  7. Riva disse:

    Mito, Mito, Mito!

  8. Tonhão disse:

    Nesse momento,o cérebro do gado está dando bug.

    • Lutemberg disse:

      E o dos jumentos, em polvorosa!

    • Delano disse:

      O gado realmente pensa que esta é a oportunidade do retorno dos seus ladrões de estimação, os petralhas, mas tirem o cavalinho da chuva, pt nunca, mais, resolver mesmo, é com Moro 2022

  9. João Neto disse:

    Para proteger quem?
    Resp: 01,02, 03, Queiroz e ….

  10. Simone Araujo disse:

    Foram investigar os filhos do presidente. Dançou !!!!!

  11. Manoel disse:

    Kkkk
    Diziam q o PT q aparelhava tdo e colocaram na presidência um miliciano que está tentando aparelhar e perseguir tdo mundo.
    Moro, o parcial, sabia disso tdo e mesmo assim se juntou a ele. Bandidos.

  12. Carlos disse:

    Eita, mais um comunista na política brasileira.kkkkkkkllll

  13. Observando disse:

    Claro que queria. Seus filhinhos .

Bolsonaro “tinha preocupação com inquéritos em curso no STF”, diz Moro

Em sua despedida do governo, Sergio Moro revelou que Jair Bolsonaro estava preocupado com inquéritos em andamento no STF.

“O presidente também me informou que tinha preocupação com inquéritos em cursos no STF. Também não é uma razão que justifique a substituição [do diretor-geral da PF]. É até algo que gera uma grande preocupação”, afirmou Moro.

“Por todos esses motivos, entendi que eu não podia deixar de lado meu compromisso com o estado de Direito.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Ninguém disse:

    O japonês da PF está bem pertinho da Bozolandia.

“Eu sempre disse: presidente, preciso de uma causa para trocar o diretor-geral”, destaca Moro

Sergio Moro revela que Jair Bolsonaro nunca lhe deu uma razão objetiva para a troca de Maurício Valeixo.

“O presidente passou a insistir na troca do diretor-geral. O que eu sempre disse: presidente não tenho nenhum problema para trocar o diretor da PF, mas preciso de uma causa. E uma causa relacionada à insuficiência de desempenho, erro grave… mas o que vi foi um trabalho bem feito.”

Moro sempre deixou claro a Bolsonaro de que haveria uma violação, não só à promessa que lhe foi feita, mas à autonomia da Polícia Federal.

“Não haveria uma causa e estaria claro a interferência política na Polícia Federal, o que gera um abalo na credibilidade, minha também e do governo, e no compromisso maior com a lei. E teria impacto também na própria efetividade.”

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rocha disse:

    Presidente moleque não cumpre palavra, a milícia familiar ele atende, vamos aguardar a luz das verdades.

  2. Observando disse:

    Quem nao faria tudo por um filho.

    • Sergio disse:

      Os íntegros e honestos!

    • Nando do oeste disse:

      Os maus caráter, fazem. Luladrão e Bolsonaro que o digam, só que o Lulinha saiu bilionário com os roubos do pai.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República diz que exoneração de Marcelo Valeixo da PF foi a “pedido do próprio”

Foto: Reprodução/Twitter

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República informa na manhã desta sexta-feira(24), através das redes sociais, que a exoneração de Maurício Valeixo da Polícia Federal se deu A PEDIDO do próprio.

“Ao contrário do que parte da imprensa está noticiando, a exoneração do sr. Maurício Valeixo se deu A PEDIDO do próprio. Contra fake news, busque sempre a fonte primária da informação”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Ruela disse:

    Bolsonaro está aflito
    Como é do seu feitio,
    Deu o dito por não dito
    Mas a pressão aumentou
    E ele num ato esquisito
    Deu mais uma bola fora
    Quis que Moro fosse frito.
    Vejam que situação:
    No presidente maldito
    Que um dia diz sim e outro não
    Faz tempo que não acredito
    Desejo pro presidente e
    Pra sua família do delito
    Que paguem por seu mal feito
    Agora é que vai ser bonito
    Em breve vamos comemorar
    Sua saída com um grito
    Quero ver daqui a pouco
    Vai começar o atrito
    Que a justiça cumpra o papel
    E derrube de vez o Mito.

  2. Gilberto disse:

    Moro acabou de confirmar que não foi a pedido, e sim ligaram para ele afirmando que ele iria ser exonerado, e que iria constar que ia ser a pedido dele, e o delegado falou que não tinha opção. Até em atos oficiais este governo faz fake news.

  3. Pelé Branco disse:

    ÊÊÊÊÊÊÊÊ… Moro 2022. Mandetta 2022…

  4. Ricardo Lúcido disse:

    Tem gente que acredita em SACI PERERÊ , MULA SEM CABEÇA EM EXONERAÇÃO A PEDIDO . Na verdade esse caso da demissão ê escancaradamente típico do presidente , votei nele e me arrependo . Colocou na PGR , um engavetador e não se conforma que os bananinhas sejam investigados pela PF . Essa relação de BOZO , votei nele e me arrependo , é patológica . Ele tem uma superproteção com esses “ meninos “ , que impressiona . Quanto a MORO , Togo sinceramente que fique para o bem do 🇧🇷 , mas se tiver vergonha na cara é for realmente homem de caráter , tem todos os motivos para sair e tem meu apoio na próxima eleição . Aos Brasileiros resta uma certeza . O governo de Bolsonaro , votei nele e me arrependo , acabou , e por um motivo simples . Ele demostrou fraqueza ao demitir o delegado da PF , para proteger os pimpolhos . Sinceramente , espero que Moro fique , mas esse também pode ser o tiro de misericórdia na sua já abalada reputação , pois ficará patente seu apego ao cargo e sua submissão ao presidente. Um homem submisso demostra falta de coragem e falta de coragem e personalidade é um fator que muito conta em um cidadão que exerce cargo público .

    • Lourdes Siqueira disse:

      Eu votei Sr. Ricardo e não me arrependo. Ele nunca foi a melhor opcão, todos nós sabíamos; mas diante o PT que já conhecíamos era melhor arriscar outra coisa. Diferente dos adoradores do Lula, não adoro Bolsonaro e as eleições foram feitas para isso. Sem ídolos, sem estátuas, sem garrafas….
      Vamos tentando acertar. Sigamos.

    • Ricardo Lúcido disse:

      Sra Lourdes , respeito seu posicionamento até porque votei nesse papangú . Agora não me venha com churumelas . A questão agora é outra . Devemos refletir agora quais são as pretensões do “ Mito “. Se avexe não , amanhã pode acontecer tudo inclusive nada . Um bom chá de camomila ( não CLORIQUINA) , e paciência , ajuda . Tamô junto .

    • João Batista ZN disse:

      Só uma dúvida, pra todos que dizem que se arrependem de ter voltado em Bolsonaro (como eu tbm), más sabendo tudo que sabemos hoje da forma como ele esta levando o Brasil, teríamos votado diferente na mesma configuração: Adad x Bolsonaro ….??? Como diz o Bruno Araújo "…fica a Reflexão" …

  5. Rocha Neto disse:

    Verdade João Felipe, esta redação já é muito manjada. Acho que ficaria mais claro e elegante, o seguinte início…

    O Excelentíssimo Senhor Presidente da República resolve exonerar o senhor José da Silva , da função que até está data exercia como Chefe da Polícia Federal…

    Aí os babaovos ñ tem coragem de tomar esta iniciativa com uma redação coerente, e ficam
    tentando tentando tampar o sol com peneira.
    Pense numa qualidade sem caráter é "homem " bajulador!!

  6. João Felipe disse:

    Quem é que não sabe que QUALQUER CARGO COMISSIONADO, na portaria de exoneração, SEMPRE VAI APARECER "A PEDIDO"..independente se pediu ou não a exoneração. É cargo que não precisa de motivação, por isso sempre vai ter esse termo "a pedido".

Onyx Lorenzoni e Osmar Terra discutem saída de Mandetta; veja diálogo

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e o deputado federal Osmar Terra, conversaram na manhã desta quinta-feira sobre a substituição do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e a mudança da política do governo de enfrentamento ao coronavírus no Brasil.

A CNN ouviu a conversa após ter telefonado às 8h33 para Terra. O ministro atendeu ao telefonema, nada falou e não desligou, o que possibilitou que o diálogo de pouco mais de 14 minutos fosse ouvido.

No trecho inicial da conversa, Terra defende a mudança da política do governo. “Tem que ter uma política que substitua a política de quarentena. Ibaneis (Rocha, governador do Distrito Federal) é emblemático. Se Brasília começa a abrir… (Mas) ele está com um pouco de receio. Qualquer coisa que fala em aumentar…”, disse fazendo uma analogia de como as pessoas estão, mesmo com a restrição, saindo às ruas: “Supermercado virou shopping”.

Para ele, a política do atual ministério da Saúde “não está protegendo o grupo de risco” e que uma ideia é estabelecer uma política especial para os municípios onde há asilos.

Ambos fazem ainda projeções sobre número de mortos no Brasil pelo COVID-19. Onyx estima que deve chegar a 4 mil mortos. Terra acha que fica “entre 3 e 4 mil”. “Vai morrer menos gente de coronavírus do que da gripe sazonal.” Ele também cita São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza como os locais onde deve estar concentrada a restrição de circulação de pessoas.

Ambos começam, então, a falar mais especificamente de Mandetta.

Onyx: “Eu acho que esse contraponto que tu tá fazendo…”

Terra: “É complicado mexer no governo por que ele tá…”

Onyx: “Ele (Mandetta) não tem compromisso com nada que o Bolsonaro está fazendo.”

Terra: “E ele (Mandetta) se acha.”

Onyx: “Eu acho que (Bolsonaro) deveria ter arcado (com as consequências de uma demissão)…”

Terra: “O ideal era o Mandetta se adaptar ao discurso do Bolsonaro.”

Onyx: “Uma coisa como o discurso da quarentena permite tudo. Se eu tivesse na cadeira (de Bolsonaro)… O que aconteceu na reunião eu não teria segurado, eu teria cortado a cabeça dele…”

Terra: “Você viu a fala dele depois?”

Onyx: “Ali para mim foi a pá de cal. Eu já não falo com ele (Mandetta) há dois meses. Aí acho que é xadrez. Se ele sai vai acabar indo para a secretaria do Doria.”

Terra: “Eu ajudo, Onyx. E não precisa ser eu o ministro, tem mais gente que pode ser.”

Onyx é do DEM, mesmo partido de Mandetta. Ele começou o governo como ministro da Casa Civil, mas neste ano acabou sendo deslocado para a Cidadania. É, porém, um dos aliados mais fieis do presidente. Foi ele que desde o início se entusiasmou com o projeto político de Bolsonaro.

Em 2018, promoveu reuniões com parlamentares para coletar apoios ao então candidato. Onyx é muito próximo aos filhos do presidente, o senador Flávio, o deputado federal Eduardo e Carlos, vereador pelo Rio de Janeiro. Também é próximo ao ministro da Educação, Abraham Weintraub. É próximo, portanto, ao que se convencionou chama “ala ideológica” do governo, um núcleo que nos últimos meses foi perdendo espaço para os militares, mas que manteve grande influência com o presidente e com sua militância nas redes sociais.

Já Terra é deputado federal pelo MDB. Deixou o ministério da Cidadania após algumas queixas do Palácio do Planalto, mas principalmente para que Bolsonaro pudesse abrigar Onyx, a quem tem uma grande dívida por ter sido dos primeiros a acreditar e a se empenhar no seu projeto presidencial.

Ambos têm um projeto político conjunto no Rio Grande do Sul. A ideia predominante é que Terra seja o candidato ao governo gaúcho em 2022.

Esse contexto político ajuda a explicar também porque Terra se aproximou do Palácio do Planalto nesta crise do coronavírus. Seu discurso é alinhado ao que o presidente Jair Bolsonaro tem defendido: flexibilização do isolamento, foco das políticas nos grupos de risco e investimento na hidroxicloroquina.

Mas o que a conversa de ambos mais deixa claro é que a saída de Mandetta continua a ser algo ainda aventado no entorno do presidente Jair Bolsonaro. Procurado, Terra disse que não ia comentar porque se trata de uma conversa privada. Onyx não se manifestou.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Teobaldo Medeiros disse:

    Dois "fifis" fofoqueiros! Vergonhoso.

  2. Calixto Silva disse:

    CNN a TV que ganhou o título nos Estados Unidos pelo presidente Donald Trump, de tv das fake News. Quem garante que essa conversa não forjada pela própria TV, estão vendo que a crise do corona vírus tá sendo desmacarda, aí agora estão vindo com esta suposta conversa entre onyx lorezone e o terra. A narrativa de que a cloroquina não serve para o tratamento dos infectados pelo corona vírus, está perdendo força por falta de argumentos fortes, aí agora surge esta conversa entre os dois . Essa agora será a nova crise criada pela imprensa no governo Bolsonaro.

    • Yury disse:

      Rapaz se fosse mentira, o Onys não teria ligado pro Mandetta só acho.

  3. Pedro Melo disse:

    Homi, vão trabalhar!

  4. Vânia disse:

    Briga de poderes em cima da desgraça da população. É uma vergonha alguns políticos que temos em nosso país. Lamentável.

    • M.D.R. disse:

      É verdade, esses políticos que se diz relevante esquece da responsabilidade do MINISTRO DA SAÚDE, caso contrário nosso país estava pior do que a ITÁLIA e outros países.

  5. RICARDO LÚCIDO disse:

    DJALMA MARINHO UMA VEZ DISSE EM UM
    MOMENTO DE DECISÃO E PERSONALIDADE : “AO REI TUDO MENOS A HONRA “ , ESSES DOIS ALÉM DE FRACOS POLITICAMENTE SÃO FOFOQUEIROS .

  6. Morais disse:

    A política acima de qualquer coisa
    Seboseira pura! Safadeza!
    Não se leva em consideração uma questão puramente técnica, é tudo politicagem… E muito besta acreditando e defendendo político. São todos iguais!

  7. Breno disse:

    Esse cara é traíra! Tira logo!

  8. Roberto Araújo disse:

    Canalhice pura!

  9. Hugo disse:

    Omi… aproveita esse monte de hotéis e resorts fechados, reabre, coloca todos os idosos em isolamento em regime de all inclusive. O governo paga as diárias de hospedagem dos idosos e permite a reabertura da economia. Olhai que solução mágica. Todo mundo ganha.

    • Medeiros disse:

      Um dia vc vai ser idoso, irresponsável!
      Já pertuntou quais idosos vão querer ir?

  10. José Laercio Pacheco disse:

    Concordo plenamente, eu já teria demitido esse ortopedista boneco do bandido Rodrigo Maia

    • Amauri disse:

      AINDA bem que você não é coisa alguma, ponto pro Brasil! 👏👏👏👏👏👏

  11. Tarcísio Eimar disse:

    Pega fogo cabaré. É cobra comendo cobra

  12. ELEITOR disse:

    Conversa arrumada de dois pra tumultuar o que está sobre controle por enquanto .Podres poderes !

  13. JR Laranjeiras disse:

    Pega fogo cabaré!

BBB20: Quinta eliminada no reality, “Boca Rosa” acusa Pyong de assédio e pede a saída dele

Foto: Reprodução

Quinta eliminada do Big Brother Brasil 2020, a influencer Bianca Andrade (Boca Rosa) usou suas redes sociais, neste domingo (01/03/2020), posicionando-se a favor da saída de Pyong do reality show. A empresária afirmou também não torcer para nenhum dos homens emparedados e falou sobre o assédio que sofreu do hipnólogo.

Em alguns stories no Instagram, a empresária aparece revendo alguns momentos de sua participação e falou sobre o suposto assédio que ele teria cometido contra ela e que voltou a ser assunto nas redes sociais. “Ele assediou. Não é uma mentira minha, estou falando de algo que realmente aconteceu. Ele realmente precisa vir para fora para pensar e raciocinar um pouco, também”, disse.

A empresária completou pedindo que os fãs não atacassem a família dele. Em outro vídeo, ela se mostrou chocada com a atitude do brother em torcer por sua saída. “E eu saí. Agora é a minha vez de me vingar, bebê. Vem para cá, #foraPyong”, escreveu ela na legenda do primeiro vídeo.

Na sequência, a ex-sister falou sobre a falsidade do brother.“Quando eu saí, ele esqueceu tudo o que fez. Ainda disse que eu saí porque ele pediu. Ele pediu? O dia que esse homem tiver alguma moral, pelo amor de Deus, me avisem que eu fico quieta. Enquanto ninguém me disser isso, vou falar mal dele todos os dias até ele sair. Eu juro que busco esse rapaz na porta da Globo, eu juro que busco”, completou.

A blogueira se mostrou muito incomodada com a forma que o público tem se posicionado em relação às atitudes de Pyong. Segundo ela, sua saída aconteceu como forma de punição aos seus erros, e que o hipnólogo deveria também deixar o programa, ainda mais após os supostos assédios que ele teria cometido na casa.

“Até porque, pelo que vi, ele viveu em cima de mim, da Marcela e da Flay. Alguém me corrija se eu estiver errada. Então, só vou desejar a ele o mesmo que desejou para mim. Venha para cá, Pyonguinho” disse em um dos stories.

Sobre o paredão, ela falou que entende os pedidos pela saída de Guilherme, mas que o youtuber deveria sair agora. “Eu sei que tem uma galera inteira pedindo para o Guilherme sair. Eu concordo. Mas fica o questionamento: Se uma mulher, quando faz merda, ela sai, por que quando um homem quando faz a mesma merda, ou até pior, ele fica?”, encerrou.

Metrópoles

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ignoto disse:

    O que é bbb???

  2. Bruno disse:

    Pense numa informação desnecessária!!

  3. Marcelo Luna disse:

    Boca Rosa está com raiva porque saiu do BBB 20 e agora vem com essa conversa de assédio contra Pyong, quando foi perguntada sobre o caso negou todo mundo viu . Ela saiu porque fez merda,sem falar na tentativa de beijar Gui ,que é namorado de sua amiga,ela deve se preocupar com o seu namorado e não com Pyong que está bem demais.

  4. Olímpico Barros disse:

    Programa lixo que o povão adora