Jornalistas que investigavam morte de Adriano da Nóbrega são presos pela PM baiana

Dois jornalistas da revista Veja foram detidos pela polícia da Bahia nesta sexta-feira (14/2), enquanto apuravam a morte do miliciano Adriano da Nóbrega. De acordo com a revista, o repórter Hugo Marques e fotojornalista Cristiano Mariz foram abordados pela Polícia Militar enquanto tentavam localizar o fazendeiro Leandro Abreu Guimarães, apontado como testemunha fundamental para esclarecer o caso.

Mesmo mostrando as credenciais de imprensa e informando que estavam realizando investigações sobre o caso, como permite a lei 83.284/79, os profissionais foram obrigados a entrar na viatura. Dias antes de ser morto em uma operação policial, Adriano contou ao advogado que temia ser alvo de uma queima de arquivo, e por isso não se entregava as autoridades. Fotos publicadas pela Veja apontam que o corpo de Adriano contém lesões de faca e marcas de disparos de arma de fogo possivelmente realizadas a queima-roupa, o que indica execução.

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirma que Adriano reagiu a uma operação da polícia, disparando contra as guarnições, e por conta disso, foi morto. O repórter Hugo Marques afirmou que durante a abordagem policial o gravador que estava com ele, com entrevistas realizadas na última semana, foi subtraído por um policial. Em seguida foram levados para a delegacia e interrogados por cerca de 20 minutos.

Após serem ouvidos pela Polícia Civil, os comunicadores foram liberados e o gravador foi devolvido. Procurada pelo Correio, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia ainda não se manifestou sobre o caso.

Com O Antagonista e Correio Braziliense

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo disse:

    Cesar Saldanha Guilherme Rocha Loures • 2 horas atrás
    Você não entendeu? Simples, envolveram o nome do Governador Rui Costa para livrar a responsabilidade do Moro. É só pensar um pouco… estamos vivendo dias de chumbo, dias policiais, e este já está subjugado ao Governo Federal, não aos governos estaduais ou municipais (os que tem poder sobre a polícia militar). Os militares fingem que obedece o governador e praticam as suas atrocidades sobre a sombra do onipotente Moro em todos os estados. É por isso que está aumentando as impunidades em todo o país. Vide a soltura natalina do Bozo.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Esses esquerdopatas são tão mentirosos e desonestos (Inclusive intelectualmente), que ainda tentaram associar o nome do presidente a essa aparente queima de arquivo. Mesmo tendo sido morto pela PM baiana, estado governado pelo PT. Lembrei da tal CPMI das "fake news". A corja de esquerda tentou enlamear o presidente mas o depoentes (negro e pobre, a propósito) disse lá que era contratado do PT é ainda entregou uma repórter da "Foice" de São Paulo. Ah! Gente sem jeito…

  3. Manoel disse:

    Ops, pensei que o governo facista e autoritário era o de Bolsonaro… Mas o PT nunca decepciona nesses quesitos: rotular os outros do que ele eh!

    • Curiosa disse:

      A quem interessava mesmo a morte do Miliciano? Vcs não cansam de idolatrar bandido disfarçado de militar não?

  4. Chico disse:

    Só uma perguntinha: Pq não interessa ao Governador da Bahia, do PT, que o caso seja investigado e elucidado?
    Sem mais!

  5. Afonso disse:

    Quer dizer que mesmo depois de identificados, os jornalista forma presos? O que eles fizeram de errado? Como pode ser isso, na Bahia o governo não é do PT? O governador que nomeia o secretário de segurança não é do PT?
    Na Bahia liberdade de imprensa não existe?
    Que papo é esse que o Adriano tinha marca de facadas no corpo? Se a versão da polícia era que ele reagiu e foi morto na troca de tiros? Quantos tipos Adriano levou? Cada vez mais essa situação fica mais complicada e piora. Mas a imprensa vai colocar isso em banho maria, não vai dar importância a humilhação que os repórter passaram, afinal é ação de policiais em terra comandada pelo PT, por ordem de petista. PT saudações!

COMENTE AQUI